Doença Renal Crônica/ferro heme

329 visualizações

Publicada em

A anemia na Doença Renal Crônica e o tratamento com ferro heme

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
329
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doença Renal Crônica/ferro heme

  1. 1. FATOS - PROBLEMAS - SOLUÇAO Doença Renal Crônica
  2. 2. A Doença Renal Crônica (DRC) é caracterizada pela perda gradual e geralmente permanente da função renal ao longo do tempo, por meses e anos. A DRC é dividida em 5 fases de gravidade crescente. A fase 5 da doença renal crônica é também referida como doença renal em estágio terminal, em que há perda total ou quase total da função renal e os pacientes precisam de diálise ou transplante para se manterem vivos. (http://www.aakp.org) FATOS
  3. 3. A DRC pode ser resultado de um ferimento ou de uma doença que danifica os rins, tais como diabetes ou pressão arterial elevada. Quando os rins estão danificados, eles não removem os resíduos e a água extra do sangue tão bem como deveriam. A anemia se desenvolve quando os rins não conseguem produzir quantidades suficientes de eritropoietina, ou EPO, o hormônio que comanda a produção de células vermelhas do sangue pelos ossos. A anemia pode causar problemas cardíacos. O objetivo do tratamento é controlar os sintomas, reduzir as complicações e retardar a progressão da doença. FATOS
  4. 4. Os pacientes de DRC tornam-se anêmicos principalmente devido à absorção prejudicada do ferro, à perda de sangue no trato gastro-intestinal e à produção inadequada de eritropoietina pelos rins. O tratamento de pacientes não submetidos à diálise envolve a administração inteligente de ferro por via oral, por via intravenosa e terapia usando agentes estimulantes de eritropoietina (EPOs). O ferro não-heme para suplementação por via oral é de eficácia limitada, mal tolerado e muitas vezes resulta em baixa adesão ao tratamento. PROBLEMAS
  5. 5. A suplementação por via intravenosa é muito eficaz, mas exige uma visita à clínica do hospital. É uma prática amplamente prescrita, embora não seja isenta de riscos. Agentes Estimuladores de Eritropoietina (ESA, em inglês) são muito eficazes, mas são uma forma muito cara de terapia. A terapia com ESA não é uma alternativa à terapia com ferro, e sim complementar. O uso de ESA pode causar depleção de ferro progressiva. O tratamento intravenoso é geralmente iniciado apenas quando o tratamento com ferro não-heme por via oral falha devido a efeitos colaterais. PROBLEMAS
  6. 6. A anemia se desenvolve durante os estágios iniciais da DRC e é comum em pacientes com doença renal terminal. É também uma causa importante de hipertrofia ventricular esquerda e de insuficiência cardíaca congestiva. A detecção precoce e o tratamento da anemia associada à DRC tem comprovadamente gerado efeitos cognitivos e físicos positivos. Opções de tratamentos que aumentam o armazenamento e a disponibilidade de ferro no corpo e a produção de eritropoietina podem auxiliar pacientes anêmicos com DRC a alcançar os níveis recomendados de hemoglobina. Reconhecer os potenciais efeitos adversos relacionados com os medicamentos selecionados para tratar a anemia pode ajudar a evitar lesões adicionais ao paciente e, assim, reduzir as despesas de saúde. REAÇõES
  7. 7. A absorção do ferro heme é várias vezes maior e a taxa de efeitos colaterais é significativamente menor quando comparadas às do ferro não-heme administrado por via oral. O ferro heme é absorvido através de um processo separado e o não há necessidade de descontinuidade quando o tratamento por via intravenosa é iniciado. Isso pode permitir maiores intervalos entre as injeções - caras, inconvenientes e dolorosas. O stress oxidativo também é evitado. O ferro heme não precisa ser interrompido durante a injeção ou terapia de EPO como ferro oral não-heme. SOLUÇAO
  8. 8. A série OptiFer® de ferro suplementos alimentares são seguros, eficientes e muito bem tolerado, o que é crucial para o sucesso da terapia. Eles dão uma dose ideal e pode ser utilizado durante períodos mais longos, sem qualquer alteração na eficácia ou a tolerância. Produtos OptiFer® competir favoravelmente com os suplementos syntethic regulares. SOLUÇAO
  9. 9. Empresa sueca FerroCare / Meditec tem um forte compromisso para alcançar as pessoas que sofrem de deficiência de ferro, mas tem problemas com suplementos existentes.
  10. 10. • Cumprimidos OptiFer® são baseados em naturais ferro heme bovina e de forma segura e eficiente manter a contagem de ferro em um nível ideal www.ferrocare.se www.hemeiron.com www.ferrocare.se www.hemeiron.com

×