O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Maraba Captação e marco regulatório _ sha

827 visualizações

Publicada em

Captação de recursos, Mobilização e suas fontes, estratégias e táticas. com marco regulatorio OSCs

Publicada em: Negócios

Maraba Captação e marco regulatório _ sha

  1. 1. A profissionalização das organizações da sociedade civil www.slideshare.net/micfre12
  2. 2. EXERCÍCIO A chuteira e a caneleira custam juntas R$110. A chuteira custa R$ 100 a mais que a caneleira. Valor da chuteira? Valor da caneleira? INTUIÇÃO
  3. 3. Feeling / Intuição Exercício A + B = 110 A – B = 100 A = 110 – B A = 100 +B 100 + B = 110 – B 2B = 110 – 100 B = 10 /2 = 5
  4. 4. NÃO DEPENDA DA INTUIÇÃO Para Daniel Kahneman, “Nobel de Economia”,é um grande risco tomar decisões usando a área preguiçosa e irracional do cérebro. A mente é comandada por 2 sistemas (rápido e devagar).
  5. 5. Legalidade Que respeita a legislação Impessoalidade Obrigação de se manter uma posição neutra em relação aos administrados Moralidade De acordo com a ética; conforme os mais altos valores comportamentais da sociedade Publicidade Manter plena transparência de todos os seus atos Eficiência Busca pelo aperfeiçoamento na prestação de seus serviços PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Art. 37 da Constituição Federal
  6. 6. ATIVO PASSIVO RESULTADO FLUXO CONTÁBIL DOS RECURSOS PATRIMÔNIO Devolução Recursos Restritos Recursos Irrestritos
  7. 7. NATUREZA DOS RECURSOS  RESTRITOS OU VINCULADOS : a. Recursos de terceiros b. Recursos públicos ou privados c. “Dinheiro carimbado” Não agrega ao patrimônio  IRRESTRITOS OU NÃO VINCULADOS a. Recursos próprios b. Doações Espontâneas c. Geração de Renda Agrega ao Patrimônio
  8. 8. http://www.pnud.org.br/ods.aspx E suas 169 metas
  9. 9. Causas principais Causas secundárias 1 Saúde Atendimento, pesquisa, endêmicas, raras, beneficente, SUS 2 Educação Creche, Fundamental, Superios, Complementar, Ambiental, Não formal, formação de professores 3 Assistência Social Economia solidária, Formação para o mercado de trabalho, Geração de renda, Pobreza, Prevenção 4 Ciência e tecnologia 5 Cultura Entretenimento, Museus, Economia Criativa 6 Esporte Competitivo, educacional, participativo 7 Meio ambiente Floresta, animais, poluição, educação ambiental, preservação 8 Direitos Humanos Advocacy, Habitação, Diversidade sexual, preconceitos, trabalho infantil, turismo sexual, cidadania 9 Desenvolvimento Local, Urbano, Rural, sócio econômico, economia solidária 10 Outras / advocacy
  10. 10. Público alvo 1 Estudantes 2 Crianças 3 Adolescentes 4 Jovens (15 a 29) 5 Primeira infância (0 a 4) 6 Idosos 7 Negros (as) 8 Mulheres 9 Necessidades especiais (fisicas e intelectuais) 10 Câncer 11 HIV / Aids 12 Dependente químico 13 Professores (as) 14 Povos indígensas 15 Moradores de rua 16 Ribeirinhos 17 Quilombolas 18 Presos 19 Moradores de área de ocupação 20 GLBTT 21 Empreendedores populares 22 Empreendedores sociais 23 Pessoas 24 Famílias 25 outras
  11. 11. QUEM É QUEM? PESSOA JURÍDICA, TÍTULO OU DENOMINAÇÃO Constituição/ CNPJ Nomes Título ou Qualificação Associações Negócio Social OSCIP Fundações Instituição UPF Sociedades Instituto Filantrópicas/ CEBAS Organizações Religiosas ONG Terceiro Setor OS Partidos Políticos Entidade OSC
  12. 12. 556.000 Entidades Sem Fins Lucrativos Terceiro setor 290.000 OSCIP 6.406 UPF 12.089 CEBAS 6.000 CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS – CEMPRE - 5.550.000 em 2010
  13. 13. FASFIL 2010 – IBGE 2012 290 MIL OSCs - % por áreas de atuação
  14. 14. FASFIL 2010 – IBGE 2012 2,1 milhão de funcionários - % por área
  15. 15. PERCENTUAL POR FONTE BRASIL – TOTAL R$ 37,2 Bi
  16. 16. ESTRATÉGIAS
  17. 17. Estratégia principal Estratégia secundária 1. Sem incentivo SICONV, convênios estaduais e municipais, termo de fomento e de colaboraçao, parceria, pesquisa, websites, emenda parlamentar, penas alternativas federais: cultura, Idoso, criança e adolescente, esporte, saúde ProAC e outros incentivos estaduais e municipais 3. Financiamento coletivo (crowdfunding) Websites e filme de 2 min 4. Prêmios Inscrição a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores Arredondar, frente de caixa, MRC 4. Catástrofes 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br b) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) c) Diretoria / voluntários solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos 2) Apoiadores da causa (supporters) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organização rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital d) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos 2. Pequenos doadores a) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P b) Apadrinhamento (programa de afiliação) c) Solicitação - doação única - identificada d) Solicitação - doação não identificada 3. Parcerias a) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto i) Anúncios Contrato Rede/ Coleta / pré-compra/permuta / contra partida Táticas Ferramentas / canais 1) Por projeto (Grants) a) Pesquisa (editais e parceiros), gestão coletiva escrever o projeto / pesquisa e visitas 2. Incentivos Fiscais Federais, Estaduais e Municipais b) Formatar o projeto c) Funcionários das empresas parceiras d) Rede de contatos e) Pesquisa
  18. 18. ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Opção para melhorar o desempenho - Inclui: • Área de comunicação • Captação de recursos • Elaboração de projetos • Monitoramento e fidelização • Elaboração de plano de mobilização
  19. 19. PLANO ESTRATÉGICO DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS - PEMR PEMR será um “guia” para as atividades de captação e mobilização de recursos realizadas pela OSC Esclarecer as questões estratégicas Oferecer suporte à atividade de comunicação
  20. 20. A Missão / Visão / SWOT / Justificativas / histórico / congêneres DIRECIONAMENTO Estratégia 1: Grandes Doadores com Vínculo Estratégia 2: Mobilização de Recursos Por Meio de Editais Diversos Estratégia 3: Geração de Renda Própria AS ESTRATÉGIAS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS (prioridade) Peças de captação de recursos / físicas e virtuais / cotas / contrapartidas COMUNICAÇÃO DE SUPORTE À CAPTAÇÃO DE RECURSOS Diversificação das Fontes de Recursos / Valores a mobilizar OBJETIVOS E METAS concluindo-se com um plano de ação para auxiliar na sua implementação A ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSITTUCIONAL
  21. 21. CRONOGRAMA INICIAL - 01 outubro 2012 Responsável Ação 1 8 15 22 29 5 12 19 26 A GERAL a Consolidar os valores a mobilizar ok b Criar os termos de doação e recibos ppffff c Definir papéis nos contatos pessoais com doadores ok d Disseminar e fixar o direcionamento (missão, visão, valores) Comunicação e Criar uma estrutura jurídica capaz de absorver mantenedores (fundação) ppppffff f Criar mecanismos de prestação de contas Dir + Comunic g Incluir mais projetos na lei Rouanet Michel h Realizar reuniões de acompanhamento i Cadastrar no Proac pppffff j Enviar Projetos Proac cbcbcbcbc k Abrir conta no BB ok A MATERIAL DE COMUNICAÇÃO a Consolidar material digital e impresso para apresentação aos investidores pessoa jurídica ok b Incluir no site mecanismos de prestação de contas cbcbcbc + comuinc c Testar de fato os materiais de mobilização e ajustar se necessário Dir d email teaser finalizar ok out nov PEMR Plano de Ação
  22. 22. Participar da implementação do PEMR A ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL – DI Criar e conservar o banco de relacionamentos Prospectar fontes de recursos e manter a comunicação de fidelização Coordenar campanhas para mobilização de recursos Elaborar projetos e orçamentos Criar relatórios de prestação de contas Criar textos de agradecimento e planos de contrapartida para doadores, patrocinadores, apoiadores e parceiros
  23. 23. A ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL – DI Avaliar a atividade de mobilização de recursos Participar em reuniões de solicitação de recursos Coordenar terceiros envolvidos nas campanhas de mobilização de recursos (publicidade, assessoria de imprensa, agências de marketing e comunicação, etc.) Coordenar eventos especiais para mobilização de recursos Documentar e sistematizar os resultados das atividades e preparar relatórios Participar das reuniões de Diretoria
  24. 24. SERVIÇOS CRIANDO CONSULTORIA Terceiro Setor Desenvolvimento Institucional Técnica Jurídica Gestão Planejamento Estratégico Marketing e Comunicação Empresas Responsabilidade Social Desenvolvimento Sustentável PALESTRAS ASSESSORIA
  25. 25. ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL – OPCÕES • Equipe exclusiva • Um funcionário/a específico • Meio funcionário/a dedicado • Equipe da Organização • Organização Mobilizadora • Parte da equipe externa • Mobilização Cooperada • “Fundação” Comunitária
  26. 26. O PROFISSIONAL DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS
  27. 27. ORGANIZAÇÃO COM PROFISSIONAL INTERNO • Parte do DI • Remunerado e/ou Voluntário (Conselho) • Planejamento, atuação externa e monitoramento
  28. 28. • Novos ares • Trabalho conjunto com a equipe interna • Visão externa • Facilitador de transições e ampliações • Coordenador de campanhas específicas CAPTADOR DE RECURSOS COMO CONSULTOR
  29. 29. Códigos de ética mundiais Princípios fundamentais para a tarefa de captar recursos: – Legalidade – Transparência – Eficiência – Confidencialidade ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS www.captadores.org.br
  30. 30. Temas Polêmicos • Remuneração pré- estabelecida • Confidencialidade dos doadores ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS
  31. 31. • Criatividade + Técnica • Conhecimentos multidisciplinares • Conhecimento de toda a legislação referente a incentivos fiscais • Capacidade de análise estratégica para definição e diversificação de fontes de recursos • Capacidade para redigir propostas e montar planilhas de orçamentos • Bom pesquisador/a de parceiros e fontes de recursos • Conhecimento dos três setores • Brilho nos olhos • Não é um vendedor/a de projetos – perseverante / persistente Perfil: O Profissional de Captação De Recursos
  32. 32. Suely kzan (94)99157-8384 (11)95378-8573 E-mail: idekconsutoria@gmail.com.br Lei 13.019/2014 e suas alterações pela lei 13.204/2015
  33. 33. Prazos para a Lei entrar em vigor Para a União e os Estados a Lei valerá a partir de 23 de janeiro de 2016 e para os Municípios a partir de janeiro de 2017. Não há impedimento se o Executivo Municipal optar por implementar a Lei antecipadamente.
  34. 34. As Fundações, associações, organizações religiosas e as Cooperativas Sociais Importante destacar que não se trata de cooperativas regidas pela Lei nº 5.764/71 visto que a finalidade da cooperativa social é a inserção de pessoas em vulnerabilidade pessoal e social, atuar na promoção da pessoa humana e na integração social dos cidadãos nos termos da Lei nº9.867/99.
  35. 35. A Partir da nova legislação a forma de contratualização entre o Poder Público e as Organizações da Sociedade Civil será chamada de Termo de Colaboração e Fomento, Parceria e não mais convênio. Há algumas exceções aos convênios. As Parcerias serão firmadas para execução de ações de natureza continuada, e ações de natureza pontual limitadas.
  36. 36. Não será mais requisito para contratualizar com o Poder Público a apresentação de título, certificado ou qualificação. No caso de dispensa do chamamento público as OSC’s deverão ser previamente inscritas no órgão gestor da respectiva política. Será requerido credenciamento nos órgãos gestores da respectiva política, no caso de atividades voltadas ou vinculadas a serviços de educação, saúde e assistência social (artigo 30VI).
  37. 37. A lei nº13.204/15 que alterou o Novo MROSC’s em seu artigo 9ª revoga a Lei nº91/1935, ou seja, a Lei da Utilidade Pública Federal não está mais em vigor. Importante destacar que no site do Ministério da Justiça já não há possibilidade de solicitar este tipo de reconhecimento. Na prática o fato da Lei da Utilidade Pública Federal ser revogada acarretará em uma reflexão também a respeito dos títulos de Utilidade Pública nos âmbitos Estadual e Municipal.
  38. 38. A Lei ratifica a possibilidade de remuneração dos profissionais envolvidos, deixando claro inclusive que não será exigida contrapartida financeira como requisito.
  39. 39. Independentemente de título, certificado ou qualificação as organizações da sociedade civil farão jus aos seguintes benefícios: I receber doações de empresas, até o limite de 2% de sua receita bruta1; II receber bens móveis considerados irrecuperáveis, apreendidos, abandonados ou disponíveis, administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil; III distribuir ou prometer distribuir prêmios, mediante sorteios, vale brindes, concursos ou operações assemelhadas, com o intuito de arrecadar recursos adicionais destinados à sua manutenção ou custeio. Referência: Artigos 84B da Lei 13.019/2014 alterada pela Lei 13.204/2015.
  40. 40. I promoção da assistência social; II promoção da cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico; III promoção da educação: IV promoção da saúde; V promoção da segurança alimentar e nutricional; VI defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; VII promoção do voluntariado; VIII promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; IX experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito;
  41. 41. X promoção de direitos estabelecidos, construção de novos direitos e assessoria jurídica gratuita de interesse suplementar; XI promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais; XII organizações religiosas que se dediquem a atividades de interesse público e cunho social distintas das destinadas a fins exclusivamente religiosos; XIII estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades mencionadas neste artigo. Referência: Artigos 84C da Lei 13.019/2014 alterada pela Lei 13.204/2015.
  42. 42. a) Poderá ser dispensado o chamamento público: I No caso de urgência decorrente de paralisação ou iminência de paralisação de atividades de relevante interesse público, pelo prazo de até 180 dias; II Nos casos de guerra, calamidade pública, grave perturbação da ordem pública ou ameaça à paz social; III Quando se tratar da realização de programa de proteção a pessoas ameaçadas ou em situação que possa comprometer a sua segurança; IV no caso de atividades voltadas ou vinculadas a serviços de educação, saúde e assistência social, desde que executadas por organizações da sociedade civil previamente credenciadas pelo órgão gestor da respectiva política.
  43. 43. • O que deve conter no Estatuto Social: • Nome e sigla da entidade; • Sede e foro; • Finalidades e objetivos; • Formas de captação de recursos; • Os associados e seus tipos, entrada e saída, direitos e deveres; • Poderes, tais como assembleia, diretoria, • Conselho fiscal, sem obrigatoriedade; • Tempo de duração; • Como os estatutos poderão ser modificados; • Como a entidade é dissolvida; • Qual o destino do patrimônio, em caso de dissolução.
  44. 44. 1. Objetivos voltados à promoção de atividades de relevância pública 2. A previsão de que em caso de dissolução o patrimônio será transferido para outra OSC de igual natureza que preencha os requisitos da lei 13.019/14 3. Que as prestações de contas serão feitas com a observância das normas brasileiras de contabilidade. Que a OSC dará publicidade às duas demonstrações contábeis, relatório de atividades e certidões negativas. Segundo a Lei o estatuto da OSC é expressamente necessário:
  45. 45. Instituto Filantropia www.institutofilantropia.org.br
  46. 46. Obrigada!
  47. 47. Qual a adaptação necessária dos estatutos da OSC para atender ao Novo Marco Regulatório? Segundo a Lei o estatuto da OSC deve conter expressamente: 1. Objetivos voltados à promoção de atividades de relevância pública 2. Conselho fiscal (opcional)
  48. 48. Qual a adaptação necessária dos estatutos da OSC para atender ao Novo Marco Regulatório? Segundo a Lei o estatuto da OSC deve conter expressamente: 3.A previsão de que em caso de dissolução o patrimônio será transferido para outra OSC de igual natureza que preencha os requisitos da lei 13.019/14 4. Que as prestações de contas serão feitas com a observância das normas brasileiras de contabilidade. 5. Que a OSC dará publicidade às duas demonstrações contábeis, relatório de atividades e certidões negativas
  49. 49. FONTES DE FINANCIAMENTO / RECURSOS
  50. 50. Fontes de Financiamento Doadas para a Caritas que mantém um supermercado em Casilino onde os/as sem teto podem fazer compras de graça.
  51. 51. Fontes institucionais (ODAs) Iniciativa privada Empresas e institutos empresariais Pessoas Fundações Organizações religiosas Igreja Cooperação e Agencias nacionais e internacionais Associações Governo Federal, Estadual, Municipal e internacional Fundações empresariais, familiares, mistas, comunitárias e independentes PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS / FINANCIAMENTO
  52. 52. PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS / FINANCIAMENTO / ESTRATÉGIAS / FERRAMENTAS Projetos de Geração de Renda Venda Fundo patrimonial Prestação de serviços MRC EVENTOS PROJETOS PARCERIAS Alugueis Negócio com impacto social Iniciativa privada Organizações Religiosas Fundações Nac. e Internacionais Fontes Institucionais Governos
  53. 53. ESSENCIAL Diversificação das fontes e estratégias de recursos  Legitimidade social  Diminuição do risco  Sustentabilidade financeira de longo prazo FONTES DE RECURSOS
  54. 54. ESTRATÉGIA Mintzberg; Ahlstrand; Lampel (2000 p.13) compara a estratégia a um elefante analisado por cegos: Somos cegos e a formulação de estratégia é nosso elefante. Como ninguém teve a visão para enxergar o animal inteiro, cada um tocou uma ou outra parte e “prosseguiu em total ignorância” a respeito do restante.
  55. 55. Estratégia é a arte de explorar condições e caminhos favoráveis com o fim de alcançar objetivos. Segundo o dicionário Aurélio: Mintzberg (1996) a sintetiza como sendo uma forma de pensar no futuro, integrada no processo decisório, com base em um procedimento formalizado e articulador de resultados. ESTRATÉGIA
  56. 56. PLANEJAMENTO Fase do Direcionamento ESTRATÉGIA
  57. 57. AS ESTRATÉGIAS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA AS OSCS Três principais estratégias, para acessar as fontes já comentadas. Podem ser mistas, ou seja, combinadas entre si, gerando então uma nova estratégia: Por Projetos – (Grants) Apoiadores de causas - (Supporters) Geração de Renda Própria – GRP Cada uma destas estratégias pode ter estratégias secundárias, táticas e ferramentas específicas.
  58. 58. Estratégia principal Estratégia secundária 1. Sem incentivo SICONV, convênios estaduais e municipais, termo de fomento e de colaboraçao, parceria, pesquisa, websites, emenda parlamentar, penas alternativas federais: cultura, Idoso, criança e adolescente, esporte, saúde ProAC e outros incentivos estaduais e municipais 3. Financiamento coletivo (crowdfunding) Websites e filme de 2 min 4. Prêmios Inscrição a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores Arredondar, frente de caixa, MRC 4. Catástrofes 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis Táticas Ferramentas / canais 1) Por projeto (Grants) a) Pesquisa (editais e parceiros), gestão coletiva escrever o projeto / pesquisa e visitas 2. Incentivos Fiscais Federais, Estaduais e Municipais b) Formatar o projeto c) Funcionários das empresas parceiras d) Rede de contatos e) Pesquisa visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto j) Anúncios Contrato h) Rede/ Coleta / pré-compra/permuta / contra partida / compre um - doe um g) Apadrinhamento (programa de afiliação) h) Solicitação - doação única - identificada i) Solicitação - doação não identificada, 3. Parcerias j) Prestadores de serviços Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br l) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) m) Diretoria / voluntários solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos 2) Apoiadores da causa (supporters) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organização rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital n) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos 2. Pequenos doadores f) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P
  59. 59. Estratégia principal Estratégia secundária 1. Sem incentivo SICONV, convênios estaduais e municipais, termo de fomento e de colaboraçao, parceria, pesquisa, websites, emenda parlamentar, penas alternativas federais: cultura, Idoso, criança e adolescente, esporte, saúde ProAC e outros incentivos estaduais e municipais 3. Financiamento coletivo (crowdfunding) Websites e filme de 2 min 4. Prêmios Inscrição Táticas Ferramentas / canais 1) Por projeto (Grants) a) Pesquisa (editais e parceiros), gestão coletiva escrever o projeto / pesquisa e visitas 2. Incentivos Fiscais Federais, Estaduais e Municipais b) Formatar o projeto c) Funcionários das empresas parceiras d) Rede de contatos e) Pesquisa
  60. 60. ROTEIRO 1. Apresentação Institucional 2. Identificação do Projeto – Resumo 3. Cenário / Contexto 4. Justificativa do Projeto: (O porquê.) 5. Público Alvo (quem? – perfil das pessoas atendidas) 6. Objetivos (o quê?) 7. Quadro de Metas 8. Indicadores de resultado 9. Metodologia (como?) 10. Estratégias 11. Monitoramento e avaliação 12. Cronograma 13. Equipe 14. Orçamento 15. Plano de mídia e contrapartidas 16. Riscos
  61. 61. Estratégia principal Estratégia secundária 1. Sem incentivo SICONV, convênios estaduais e municipais, termo de fomento e de colaboraçao, parceria, pesquisa, websites, emenda parlamentar, penas alternativas federais: cultura, Idoso, criança e adolescente, esporte, saúde ProAC e outros incentivos estaduais e municipais 3. Financiamento coletivo (crowdfunding) Websites e filme de 2 min 4. Prêmios Inscrição Táticas Ferramentas / canais 1) Por projeto (Grants) a) Pesquisa (editais e parceiros), gestão coletiva escrever o projeto / pesquisa e visitas 2. Incentivos Fiscais Federais, Estaduais e Municipais b) Formatar o projeto c) Funcionários das empresas parceiras d) Rede de contatos e) Pesquisa Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  62. 62. Estratégia principal Estratégia secundária 1. Sem incentivo SICONV, convênios estaduais e municipais, termo de fomento e de colaboraçao, parceria, pesquisa, websites, emenda parlamentar, penas alternativas federais: cultura, Idoso, criança e adolescente, esporte, saúde ProAC e outros incentivos estaduais e municipais 3. Financiamento coletivo (crowdfunding) Websites e filme de 2 min 4. Prêmios Inscrição Táticas Ferramentas / canais 1) Por projeto (Grants) a) Pesquisa (editais e parceiros), gestão coletiva escrever o projeto / pesquisa e visitas 2. Incentivos Fiscais Federais, Estaduais e Municipais b) Formatar o projeto c) Funcionários das empresas parceiras d) Rede de contatos e) Pesquisa Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  63. 63. http://www.opote.com.br “Crowdfunding”
  64. 64. “Crowdfunding”
  65. 65.  Sites: – http://catarse.me/pt – http://juntos.com.vc/ – https://www.thinkandlove.com.br/ – http://www.opote.com.br/ – http://www.lets.bt/ – http://benfeitoria.com/ – http://kickante.com.br/ – www.kicksatrter.com/ – http://www.betterplace.org/en - Alemanha “Crowdfunding”
  66. 66. Estratégia principal Estratégia secundária a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores 4. Catástrofes Arredondar, frente de caixa, MRC n) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos i) Solicitação - doação não identificada, movimento 3. Parcerias j) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas l) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) m) Diretoria / voluntários 2) Apoiadore s da causa (supporter s) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organiza ção rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital 2. Pequenos doadores f) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P g) Apadrinhamento (programa de afiliação) h) Solicitação - doação única - Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  67. 67. Estratégia principal Estratégia secundária a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores 4. Catástrofes Arredondar, frente de caixa, MRC n) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos i) Solicitação - doação não identificada, movimento 3. Parcerias j) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas l) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) m) Diretoria / voluntários 2) Apoiadore s da causa (supporter s) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organiza ção rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital 2. Pequenos doadores f) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P g) Apadrinhamento (programa de afiliação) h) Solicitação - doação única - Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  68. 68. CAMPANHA CAPITAL • Campanha de grande porte • Pontual • Objetiva investimentos em ativos fixos: – Construção – Reforma – Ampliação de edifício – Pesquisa – Fundos patrimoniais, etc.
  69. 69. Estratégia principal Estratégia secundária a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores 4. Catástrofes Arredondar, frente de caixa, MRC n) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos i) Solicitação - doação não identificada, movimento 3. Parcerias j) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas l) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) m) Diretoria / voluntários 2) Apoiadore s da causa (supporter s) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organiza ção rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital 2. Pequenos doadores f) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P g) Apadrinhamento (programa de afiliação) h) Solicitação - doação única - Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  70. 70. Estratégia principal Estratégia secundária a) Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) investidor anjo, love e seed money, venture capital d) Com vinculo à organização ou a seus gestores 4. Catástrofes Arredondar, frente de caixa, MRC n) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, vídeos i) Solicitação - doação não identificada, movimento 3. Parcerias j) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos, penas alternativas l) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) m) Diretoria / voluntários 2) Apoiadore s da causa (supporter s) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organiza ção rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, contar histórias, selo, websites, nome de espaços e) Campanha capital 2. Pequenos doadores f) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P g) Apadrinhamento (programa de afiliação) h) Solicitação - doação única - Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  71. 71. Relação: Fonte x Estratégia x Tática Estratégia principal Estratégia secundária a)Legados b) Doação em dobro (Matchfund) c) Com vinculo à organização ou a seus gestores Arredondar, frente de caixa, MRC 4. Catástrofes 3. Parcerias a) Prestadores de serviços visitas, pesquisa, contratos b) Pesquisa / Nota fiscal (paulista) c) Diretoria / voluntários d) Emoção e emergência redes sociais, anúncios, SMS, 2. Pequenos doadores a) Doação regular, recorrente (membership - adote) cara a cara, email, mala direta, clique e agende, telemarketing, redes sociais, jogos, torpedo - SMS, contar histórias, tijolo, voluntariado, embaixadores da causa, vídeos, direct response - TV, comunicação permanente, P2P b) Apadrinhamento c) Solicitação - doação única - identificada d) Solicitação - doação não identificada 3) Apoiador es (support er) 1. Grandes e médios doadores (major donors) tirar da zona de conforto- entorno da organizaç ão rede, visitas pessoais, desenvolvimento de conselhos, email e pesquisa, cotas, incentivos fiscais, projetos, contar histórias, selo, websites, nome de espaçosd) Campanha capital Táticas Ferramentas / Canais
  72. 72. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  73. 73. VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA
  74. 74. 119 VENDA DE PRODUTOS
  75. 75. 120 VENDA DE PRODUTOS
  76. 76. 121 VENDA DE PRODUTOS
  77. 77. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  78. 78. Esta apresentação foi integralmente produzida, por talentosos jovens que compõem a equipe do Projeto Mídiacom 55 85 3362-3210 www.iteva.org.br iteva@iteva.org.br
  79. 79. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  80. 80. ROYALTIES
  81. 81. MRC - Definição Idis Marketing Relacionado a Causas é uma parceria comercial entre empresas e organizações da sociedade civil/ causas que utiliza o poder das suas marcas em benefício mútuo.
  82. 82. Consumidores mudariam de marcas para uma associada a um produto com causa que tenham qualidade e preço similar (10%) www.conecomm.com
  83. 83. Produtos - oportunidades
  84. 84. Ações – Restaurantes
  85. 85. Ações – Restaurantes
  86. 86. Comunicação – Etiqueta/ Tag
  87. 87. Case – Instituto Se Toque Valisere
  88. 88. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  89. 89. Eventos: estratégias, visibilidade e captação de recursos
  90. 90. Fonte de recursos Divulgação da causa Divulgação da organização, sua missão e projetos Reconhecimento e agradecimento aos doadores e voluntários Diferentes funções EVENTOS
  91. 91. Corrida Seminário Baile Jantar Bingo Gincana Feira Show Happy hour Teatro Debate Almoço Bazar Leilão Leilão virtual
  92. 92. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  93. 93. Estratégia principal Estratégia secundária 2. Venda de serviços 3. Licenciamento 4. MRC- Marketing relacionado a causas 5. Eventos 6. Captação de produtos (in kind) 7. Fundos patrimoniais 8. Aluguéis j) Anúncios Contrato 2015 Michel Freller, Danilo Tiisel, Ader Assis www.criando.net / www.socialprofit.com.br / www.adreelang.com.br Rede, pesquisa e reunião, estatuto ajustado f) Gestão de marcas e parcerias (Branding) g) Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixador), patroness - Show/ jantar / palestra / bingo / leilão, etc. h) Rede/ Coleta / pré- compra/permuta / contra partida / compre um - doe um solicitação, anunciar, sites de leilão, caminhão, bens apreendidos i) Gestão e governança Regulamentos específicos e estatuto 3) Geração de Renda Própria (GRP) 1. Venda de produtos a) Micro doação - arredondar, NFP Divulgação, anúncios, cartão de crédito, web sites de venda, estatuto ajustado b) Loja própria c) Bazar / brinde / rifa / leilão d) Pesquisar e formatar e) Criar personagem Táticas Ferramentas / canais Relação: Fonte x Estratégia x Tática
  94. 94. Fundações RESUMO DAS FONTES, ESTRATÉGIAS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIAS E FERRAMENTAS Em roxo e azul as fontes; em vermelho, estratégias principais; em verde, estratégias secundárias para GRP e em azul claro, ferramentas e táticas Fontes institucionais Agências e cooperação nacionais e Internacionais Associações Governo federal, estadual, municipal, internacional Fundações empresariais, familiares, mistas, comunitárias e independentes Organizações Religiosas Igreja Iniciativa Privada Empresas e Institutos empresariais Pessoas Por projetos (grants) Apoiadores de causas Geração de Renda Própria Sem incentivo Incentivos Fiscais Prêmios SICONV / Convênios Emenda parlamentar, pesquisas Incentivos Municipais - PROAC Websites E filmes Pesquisar e Inscrever Cultura, Criança, Idosos, Esporte, Saúde Escrever o Projeto Crowdfunding
  95. 95. Fundações RESUMO DAS FONTES, ESTRATÉGIAS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIAS E FERRAMENTAS Em roxo e azul as fontes; em vermelho, estratégias principais; em verde, estratégias secundárias para GRP e em azul claro, ferramentas e táticas Fontes institucionais Agências e cooperação nacionais e Internacionais Associações Governo federal, estadual, municipal, internacional Fundações empresariais, familiares, mistas, comunitárias e independentes Organizações Religiosas Igreja Iniciativa Privada Empresas e Institutos empresariais Pessoas 00 Projetos (grants) Apoiadres de causas Geração de Renda Própria In kind – serviços e produtos Eventos MRC Venda de produtos Vendas de Serviços Fundo Patrimonial Patrocíno/ cotas - Definir tema, pessoa famosa (embaixado r), solicitação, anunciar, Rede, Coleta pré-compra, Permuta, contra partida, caminhão Gestão de marcas e parcerias (branding) Criar Personagem Micro doação - arredondar, NFP, loja própria, bazar, brinde, rifa Pesquisar e formatar Gestão e governança Licenciamento patrone ss - Show/ jantar / palestra / bingo, etc Aluguel Anúncios
  96. 96. DIVERSIFICAÇÃO DE FONTES E ESTRATÉGIAS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS GRP
  97. 97. - Pode dizer-me que caminho devo tomar? - Isto depende do lugar para onde você quer ir. (Respondeu com muito propósito o gato) - Não tenho destino certo. - Neste caso qualquer caminho serve. “Alice no País da Maravilhas” - Lewis Carrol O CAMINHO A SEGUIR
  98. 98. – Como saber se o vento é bom se não se sabes para onde ir. ( Luís de Camoes) O CAMINHO A SEGUIR "Se um homem não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável !" Lucius Annaeus Seneca (4AC- 65DC)
  99. 99. 149 Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i Q u a n t Q u a l i
  100. 100. 150 Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i Q u a n t Q u a l i
  101. 101. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i focaliza e sintetiza a transformação que se pretende promover na situação enfrentada pelas ações do projeto. Promover o acesso a educação e cultura por meio da arte
  102. 102. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i • estão relacionados aos diversos elementos que se pretende trabalhar e cujas transformações individuais contribuirão para a alteração global da situação enfrentada. • Estão necessariamente articulados e alinhados ao Objetivo Geral. • De 2 a 3 objetivos específicos por projeto. Quando se alcança os objetivos específicos o objetivo geral é alcançado por definição • Estimular a busca do conhecimento de forma prazerosa
  103. 103. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i  É o objetivo de forma quantificada.  O que será oferecido ao público alvo  Algo que se deseja que seja possível ser medido, mensurável.  OUTPUT • Oferecer 4 oficinas semanais • Duas horas cada uma • Para 200 jovens
  104. 104. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i  É o resultado qualitativo do que queremos.  Em número ou percentual  Como o público alvo avalia as nossas ações  Algo que se deseja que seja possível ser medido, mensurável.  OUTCOME • Melhorar 20% o desempenho escolar • Melhorar 30% o relacionamento familiar • Satisfação de 80% dos jovens
  105. 105. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i Ação Sinônimo de obra, procedimento, um conjunto de atividades Atividade Tarefa única e específica  Ação – Organizar oficinas  Atividades: • Contratar oficineiro • Obter sala • Abrir inscrições
  106. 106. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i itens essenciais para qualquer projeto social, pois é com eles que se avalia o desempenho das atividades propostas no projeto. Eles podem ser índices, valores mínimos, métricas que sejam capazes de indicar se os resultados obtidos / metas estão sendo alcançadas no desenvolvimento das ações. • 85% das oficinas aconteçam • Presença de 160 jovens • 80% da meta
  107. 107. Objetivo Geral: Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Q u a l i  Como iremos verificar se os indicadores foram alcançados  Pesquisas, relatórios, fotos, questionários, lista de presença, etc. • Relatório semanal • Fotos • Boletim, relatório dos pais
  108. 108. Objetivo Geral: Promover o acesso a educação e cultura por meio da arte Objetivo Específico Metas Ações / Atividades Indicadores Meios de verificação Q u a n t Oferecer 4 oficinas semanais de 2 horas cada que aconteçam mais de 90% relatório semanal e foto Q u a l i Melhora de 20% no desempenho escolar e no relacionamento familiar atingir 85% da meta Boletim, relatório dos pais Estimular a busca do conhecimento de forma prazerosa Definir foco do curso, Contratar professores e reservar sala
  109. 109. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Plano de Ação
  110. 110. Valores Valores Valores 1 - Geração de renda (liquido) 500.000 1 - Geração de renda (liquido)1.050.000 1 - Geração de renda (li2.000.000 2 - Grandes doadores 200.000 2 - Grandes doadores440.000 2 - Grandes doadores600.000 3 - Mantenedores 100.000 3 - Mantenedores250.000 3 - Mantenedores250.000 4 - Campanha capital 200.000 4 - Campanha capital500.000 4 - Campanha capital600.000 5 - Médios investidores - 5 - Médios investidores90.000 5 - Médios investidores90.000 6 - Outros materiais e serviços - 6 - Outros materiais e serviços40.000 6 - Outros materiais e s40.000 7 - Eventos - 7 - Eventos90.000 7 - Eventos200.000 8 - Fundação - 8 - Fundação40.000 8 - Fundação90.000 9 - Governo - - 9 - Governo90.000 10 - MRC - - 10 - CRM40.000 Total Geral 1.000.000 2.500.000 4.000.000 2009 2010 2011 Previsao de valores e metas FONTES e ESTRATÉGIAS DE FINANCIAMENTO METAS PARA PRÓXIMOS 36 MESES
  111. 111. Previsto Ações cliente Real Ações Terceiros OK Ações encerradas Criando e cliente Repro Ações reprogramadas Resp/Status 6 9 16 23 1 8 15 22 29 6 13 20 27 A GERAL 27 24 B ESTRATÉGIAS 1 CAPTAÇÃO POR MEIO DE PROJETOS DE GERAÇÃO DE RENDA c Criar material promocional Agosto a Definir profissionais, parceiros e fornecedores e treiná-los Outubro b Definir estratégia de comunicação Julho f Avaliar resultados 2010 d Elaborar projeto FUMCAD (financiamento de despesas operacionais) OK e Contratar assessoria em criação de indicadores, avaliação e monitoramento 2010 c Elaborar plano de voluntariado Outubro b Realizar reuniões de acompanhamento OK a Estudar e definir compra do banco de dados e sua estrutura Agosto ACOMPANHAMENTO CRONOGRAMA - 05 Agosto 09 Maio Junho Julho
  112. 112. PLANEJE EXECUTE REFLITA APRENDA CICLO PERA
  113. 113. PAINEL DE CONTROLE
  114. 114. PAINEL DE CONTROLE
  115. 115. PAINEL DE CONTROLE www.ead.senac.br/pos-graduacao/projetos-sociais-e-politicas-publicas/
  116. 116. TERCEIRO ATO Do Papel Para a Realidade COMEÇAR !
  117. 117. Dizia Walt Disney que “podemos sonhar, projetar , criar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo. Mas precisaremos de pessoas para tornar o sonho realidade” BONS SONHOS E EXCELENTES FRUTOS!!!!!!
  118. 118. www.criando.net 11 – 982-083-790 11-2307-4495 michel@criando.net http://www.slideshare.net/micfre12 Go raibh maith agat Thanks Toda Hvala Gracias Obrigado MerciArigato 감사합니다Danke Gracie
  119. 119. ABONG. Um novo marco legal para as ONGs no Brasil – Fortalecendo a cidadania e a participação democrática. São Paulo:ABONG, 2007. ARMANI, Domingos Antônio. Sustentabilidade: desafio democrático. In: Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação Nacional de DST e Aids. (Org.). Sustentabilidade: aids e sociedade civil em debate. Brasília: Ministério da Saúde, p. 9-14, 2004. ______ . O Sentido do planejamento na mobilização de recursos. In: Rogério Renato Silva; Paula Lubambo. (Org.). Mobilizar a experiência do programa de formação em mobilização de recursos da Aliança Interage. Recife: Aliança Interage, p. 71-74, 2008. ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS E MCKINSEY & COMPANY. Negócios sociais sustentáveis: estratégias inovadoras para o desenvolvimento social. São Paulo: Peirópolis, 2006. AZEVEDO,Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos. Ed.Texto Novo,1998. BARBOSA, Maria Nazaré Lins; OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manual de ONGs: Guia Prático de Orientação Jurídica. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001. BIGLIONE, Ana; WOODS, Marcia K. Guia prático de marketing relacionado a causas. São Paulo: IDIS, 2007. BIBLIOGRAFIA
  120. 120. BOHÓRQUEZ-HERRERA, Carolina. Negócios Sociais: Um estudo de caso da empresa Midiacom.net (Aquiraz – CE). São Paulo: PUC-SP, 2013. BORZAGA, C.; SANTUARI, A. New trends in the non-profit sector in Europe: The emergence of social entrepreneurship. The Non-profit Sector in a Changing Economy, p.31- 59, 2003. BRASIL. Demonstrativo dos gastos tributários Estimativas bases efetivas – 2010: Série 2008 a 2012. Brasilia: Ministério da Fazenda, Receita Federal, 2013. <www.receita.fazenda.gov.br/publico/estudotributario/BensTributarios/2010/DGTEfetivoAC 2010Serie2008a2012.pdf> acesso em: 02/01/2014. BRITO, M.; MELO, M. E. (org). Hábitos de doar e captar recursos no Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2007. BRUCE, Andy & LANGDON, Ken. Você sabe gerenciar projetos. São Paulo: Editora SENAC SP, 2008. BULGARELLI, R. Diversos somos todos: valorização, promoção e gestão da diversidade nas organizações. São Paulo: Cultura, 2009. CARTER, Cheryl; QUICK, James Aaron. How to Write a Grant Proposal (Wiley Nonprofit Law, Finance and Management Series). www.wiley.com/WileyCDA/Section/id- 300271.html?sort=DATE&sortDirection=DESC&page=3
  121. 121. CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à Cultura. 3ª Ed., São Paulo: Ed. Manole, 2012. CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. FundRaising Basics: a complete guide. Aspen: Aspen Publication, 1997. COMINI, Graziella Maria. Negócios Sociais e Inclusivos. São Paulo: Instituto Walmart, 2011. Disponível em: <http://www.ruscheleassociados.com.br/pdf/panorama2.pdf> Acesso em: 15 nov. 2013. COMINI, Graziella Maria; ASSAD, Fernando; FISCHER, Rosa Maria. Social Business in Brazil, 2013. CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO. Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.br COSTA, Daniela Pais. Prestação de Contas. In Terceiro Setor: temas polêmicos. São Paulo: Ed. Peirópolis, (p13-44), 2005. CRUZ, Célia; ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursos para Organizações Sem Fins Lucrativos. São Paulo: Ed. Global e Fonte, 2000. DAW, Jocelyne. Cause marketing for nonprofits. New Jersey, US: John Wiley & Sons, 2006. DOWBOR, L. Democracia econômica, São Paulo: Vozes, 2012. Versão atualizada em 31 de julho de 2012. Disponível em: <http://dowbor.org/2008/01/democracia-economica-um- passeio-pelas-teorias-edicao-revista-em-nov-2010.html>. Acesso em: 14 de julho 2013.
  122. 122. DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e práticas. São Paulo: Ed. Pioneira, 1994. DUHIGG, Charles. O poder do hábito – Por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. Rio de Janeiro: Ed.Objetiva, 2012. EDLES, L. Peter. Fundraising: Hands-onTactics for NonProfit Groups. McGraw-Hill, Inc. EPPLER, Matin J.; PFISTER, Roland A. ComunicaçãoVisual, Elsevier, 2014. FERNANDES, Rubem César. Privado porém público: o terceiro setor na América Latina. 2.ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo. AED. Agência de Educação para o desenvolvimento. FISCHER, Rosa Maria. O desafio da colaboração; práticas de responsabilidade social entre empresas e terceiro setor. São Paulo: Editora Gente, 2002. FREUND,Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais Numa Organização do Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?. São Paulo: Revista Integração/ FGV, 2006. http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htm FUNDAÇÃO ABRINQ. Incentivos Fiscais Em Benefício de criança e Adolescente. GIFE: Grupo de institutos e fundações e empresas. Censo GIFE 2009- 2010. Disponível em: <http://censo.gife.org.br/bloco3.asp>Acesso em: 14 de julho 2013.
  123. 123. GUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGRE GLOBAL REPORTING INITIATIVE – GRI. Diretrizes para relatório de sustentabilidade – DRS,Versão 3.0, SP, 2006. HART, T.; GREENFIELD, J.M.; JOHNSTON, M. Nonprofit internet strategies: best practices for marketing, communications and fundraising. Hoboken, EU: John Wiley&Sons, 2005. HAZARD, B. L. Online Fundraising at ARL Libraries. J. Acad. Librarianship, v.29, n.1, p. 8–15, 2003. HITT, M.A.; IRELAND, R.D.; HOSKISSON, R.E. Administração estratégica. São Paulo: Cengage Learning, 2008. HUDSON, Mike. Administrando Organizações do Terceiro Setor. São Paulo: Makron Books, 1999. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITICA (IBGE). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil, 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO INVESTIMENTO SOCIAL (IDIS). The World Giving Index 2010. Disponível em: <www.idis.org.br/biblioteca/pesquisas /globalgivingreport_2010.pdf/view>.Acesso em: 14 de julho de 2013. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). A iniciativa privada e o espírito público: um retrato da ação social das empresas no Brasil. Brasília: IPEA, 2006.
  124. 124. JUNQUEIRA, Luciano Antônio Prates. Gestão Social: Organização, Parceria e Redes Sociais IN:CANÇADO, A.C.; SILVA Jr, J. T.; SCHOMMER, P. C.; RIGO, A. S. (orgs) Os desafios da formação em gestão social. Palmas: coleção Enapegs p.87 -103. 2008. ______. Organizações sem fins lucrativos e redes na gestão de políticas sociais, Caderno de Administração PUC-SP, nº 3, p 101-126. 2000. KAHNEMAN, Daniel. Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar. São Paulo: Ed. Objetiva, 2012. KANTER, B.; PAINE, K.D. Measuring the networked nonprofit: using data to change the world. São Francisco: John Wiley&Sons, 2012. KAPLAN, Allan. Artista do Invisível: O processo social e o profissional de desenvolvimento. São Paulo: Instituto Fonte e Ed. Peirópolis, 2002. KANTER, Beth; PAINE, Katie Delahaye. Measuring the networked nonprofit: Using data to change the world. São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2012. KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Ed.TextoNovo, 1994. KISIL, Marcos; FABIANI Paula Jancso; Alvarez, Rodrigo. Fundos patrimoniais: criação e gestão no Brasil. São Paulo: Zeppelini, 2012. KOTLER, Phillip; LEE, N.R. Marketing contra a pobreza: as ferramentas para da mudança social para formuladores de políticas, empreendedores, ONGs, empresas e governos. Porto Alegre: Bookman, 2010.
  125. 125. LANDIM, leilah; BERES, Neide. Ocupação, despesas e recursos: as organizações sem fins lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro: Nau editora, 1999. LANDIM, Leilah.CARVALHO, Luiz Antonio. Projeto transparência e prestação de contas da sociedade civil na América Latina. Caso: Brasil. Rio de Janeiro: NUPEF/RITS / NASP/UFRJ, (p. 02-26), 2006-2007. LARROUDÉ, Elisa Rodrigues Alves. Accountability de organizações do espaço público não- estatal: uma apreciação crítica da regulação brasileira. Dissertação de mestrado na FGV- EAESP, São Paulo: FGV, 2006. MENDONÇA, Patricia Maria E. (coord). Pesquisa arquitetura institucional de apoio às organizações da sociedade civil no Brasil: Apresentação e resumo executivo São Paulo: Articulação D# - Diálogos, Direitos e Democracia e CEAPG – Centro de Estudos em Administração Pública e Governo da ESASP – FGV, fevereiro de 2013. Disponível em: <http://ceapg.fgv.br/sites/ceapg.fgv.br/files/arquivos/pesquisa_Apoio_OS/rf_apres_resumo _executivo.pdf>.Acesso em: 14 de julho de 2013. MEREGE, Luis Carlos.Terceiro Setor: a arte de administrar sonhos. São Paulo: Plêiade, 2009. MINTZBERG, Henry. Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004. MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: Um roteiro pela selva do planejamento estratégico. 2.ed., Porto Alegre:Artmed, 2010.
  126. 126. MISOCZKY, Maria Ceci. Abordagem de redes no estudo de movimentos sociais: entre o modelo e a metáfora. Rio de Janeiro: RAP v.43 n.5, p.1147-1180,2009. NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucesso para organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000. NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: Como Conseguir. Editora TextoNovo. NOVAES, Regina. Hábitos de doar: motivações pessoais e as múltiplas versões do “espírito da dádiva”. In: BRITO, M.; MELO, M.E.(orgs.). Hábitos de doar e captar recursos no Brasil, São Paulo: Peirópolis, p. 17–56,2007. OLIVEIRA, J. A. P. Empresas na Sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. São Paulo: Ed. Campus, 2008. OLIVIERI, Cristiane; NATALE, Edson.(Org). Guia brasileiro de produção cultural 2010-2011, São Paulo: SESC SP, 2010. PAES, José Eduardo Sabo. Fundações e entidades de interesse social: aspectos jurídicos, administrativos, contábeis e tributários. 5. ed. rev., atual. e ampl. de acordo com a Lei nº 10.406, de 10.1.2002 (Novo Código Civil brasileiro). Brasília: Brasília Jurídica, 2004. PARIZZI, Elaine Thomé. Manual técnico sobre as leis de incentivo à cultura. Cuiabá MT: Carlini & Caniato editorial, 2011.
  127. 127. PELIANO, A. M. M. (coord). A iniciativa privada e o espírito publico: A evolução da ação social das empresas privadas no Brasil. Brasilia: IPEA 2006. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/acaosocial/IMG/pdf/doc-28.pdf>. Acesso em: 14 de julho de 2013. PEREIRA, Custódio. Captação de recursos: FundRaising. SãoPaulo: Ed. Mackenzie, 2011. PEREZ, C.P.; JUNQUEIRA l.P. (orgs.) Voluntariado e a gestão das políticas sociais. São Paulo: Futura, 2002. PEREZ, L. Mobilização de indivíduos: é preciso pedir. Filantropia, São Paulo, v. 41, 2009. Disponível em: <www.revistafilantropia.org.br>.Acesso em: 14 de julho 2013. PEZZULLO, S. Desenvolvendo sua organização; um guia de sustentabilidade para ONGs. São Paulo: SENAC SP, Fund.Abrinq e InternationalYouth Foundation, 2003. PRAHALAD, C. K.A riqueza na base da pirâmide. São Paulo:Artmed, 2008. PRAHALAD, C. K., HART, S.L. The Fortune at the Bottom of the Pyramid. Strategy + Business, 2002. PROCHNOW, M.; SCHAFFER, W.B. Pequeno manual para elaboração de projetos. Porto Alegre: UFRS, 1999. RATTNER, Henrique. Sustentabilidade - uma visão humanista. Campinas: Ambiente soc. no.5, July/Dec. p. 233-. 240.1999. RESENDE, T.A. Roteiro do terceiro setor associações e fundações o que são, como instituir, administrar e prestar contas. 4ed., Belo Horizonte: Prax, 2012.
  128. 128. ROSS, Bernard; SEGAL,Clare. The influential fundraiser: Using the psychology of persuasion to achieve outstanding results. São Francisco, USA: John Wiley & sons inc., 2009. SACHS, Igancy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável: idéias sustentáveis. 4. Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. SALAMON, L. M., et al. Global Civil Society: dimensions of the nonprofit sector. Baltimore, US:The John Hopkins Center for Civil Society Studies, 1999. SAUL, Jason. The end of fundraising: Raise more money by selling your impact. São Francisco, EUA: John Wiley&Sons INC, 2011. SEKN. Socially inclusive business. Engaiging the poor through market initiatives in iberoamerica. Social Enterprise Knoledge Network. Cambridge, Massachussets: Harvard University Publishing, 2010. SEN,Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quem dirige entidades sociais. SILVA, Antônio Luiz de Paula. Utilizando o planejamento como ferramenta de aprendizagem. São Paulo: Global e Instituto Fonte, 2001. SZAZI, Eduardo. (org). Terceiro Setor: temas polêmicos 1. São Paulo: Gife e Fundação Peirópolis, 2004. SZAZI, Eduardo. Terceiro setor: regulação no Brasil. São Paulo: Gife e Fundação Peirópolis, 2001.
  129. 129. TEODÓSIO, Armindo dos Santos de Sousa, COMINI, Graziella. Inclusive business and poverty: prospects in the Brazilian context. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 47, n.3, 2012. TRAVAGLINI, C; BANDINI, F.; MANCINONE, K. Social enterprise across Europe: a comparative study on legal frameworks and governance structures. Report, 2008. TIISEL, Danilo. (org) Capatação de recursos para o Terceiro Setor – Aspectos jurídicos. São Paulo: OAB-SP, 2011. Disponível em: <www.oabsp.org.br/.../cartilhas/captacao _aspjur21092011%20revisada.pdf> acesso em: 12 jan. 2014. TOZZI, José Antônio. Prestação de contas no terceiro setor: a dicotomia do marco regulatório. São Paulo: PUC-SP. 2010. WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. 62 edição, Petrópolis, RJ: Ed vozes, 2001. YUNUS, M. Banker to the poor: Micro-lending and the battle against world poverty. New York: Founder of the Grameer Bank, 2003. ______. Criando um negócio social, Rio de Janeiro: Campus, 2010.

×