SlideShare uma empresa Scribd logo
3758565353060<br />Pessoa Surda no Egipto <br />No Egipto, os Surdos eram adorados, como se fossem deuses, serviam de mediadores entre os deuses e os Faraós como transmissão mensagens secretas, sendo temidos e respeitados pelos povos egípcios. <br /> A situação do Surdo perante a lei hebraica<br />Na época do povo Hebreu, na Lei Hebraica. Em 1000 a.C. aparecem pela primeira vez, criou referências aos Surdos como principais na lei da História judaicas diz: <br />3429010795Os que são surdos e mudos;<br />Os que são só surdos;<br />Os que são só mudos.<br />Estas leis protegiam as pessoas Surdas serem amaldiçoadas, mas, permitem a excluir de participar dos rituais judaicos e limitaram-lhes a relações com a posse de casamentos e propriedades.<br />Pessoa Surda na Grécia <br />4234815147955Os Surdos eram incompetentes. E o Aristóteles, ensinava que os que nasciam Surdos, por não é possível adquirir linguagem também não eram capazes de raciocinar por isso os gregos não aceitaram que os Surdos recebessem educação nem tivessem direitos. Acharam que os Surdos fossem junto com os deficientes mentais e os doentes e foram condenados à morte muitas vezes. Mais tarde, em 360 a.C., o filosofo Sócrates, declarou que foi aceite que os Surdos comunicassem com as mãos e o corpo mas privada audição.<br />Pessoa Surda na Roma<br />-18542080010As pessoas de Roma – Romanos receberam a influência pela ideia dos gregos sobre Surdos e acharam como ser “imperfeito”, excluir à sociedade e achavam que os Surdos pertencem sem direito na sociedade romana. <br />“Era comum lançarem as crianças surdas (especialmente as pobres) ao rio Tibre, para serem cuidados pelas Ninfas. O imperador Justiniano, em 529 a.C., criou uma lei que impossibilitava os Surdos de celebrar contratos, elaborar testamentos e até de possuir propriedades ou reclamar heranças (com excepção dos Surdos que falavam).” Wikipédia, a enciclopédia livre.<br />3415665236220Pessoa Surda na Idade Média <br />A época da Idade Média, a Igreja Católica achavam que os Surdos fossem diferente dos ouvintes por isso não é possível ter uma alma imortal, uma vez que eram incapazes de proferir os sacramentos até não podiam casar (sec. XII). Mais tarde, Santo Agostinho defendeu a ideia que os pais de filhos Surdos estavam pecado pelo castigo que haviam cometido. Acreditava que os Surdos podiam comunicar gestos em equivalência à fala, acreditavam era a “salvação da alma” depois o arcebispo inglês, John Beverley, em 700 d.C., ensinou um Surdo a falar, pela primeira vez depois tornou-se como primeiro educador dos Surdos. <br />Fonte de pesquisa das imagens:<br />1-anabela.spaces.live.com/?_c11_BlogPart_page..;<br />maniadehistoria.wordpress.com/2009/04;<br />jn-moura.blog.uol.com.br/arch2008-05-04_2008-...;<br />antigasternuras.blogspot.com/2006/12/surdo-co..;<br />patriciaguinevere.blogspot.com/2009/02/breve-...<br />Elabore um documento de reflexão sobre situação social da pessoa Surda na Antiguidade<br />Em geral, as ideias sobre Surdos tinham marcas bastante negativas do conceito na sociedade da Antiguidade até a Idade Média, os Surdos apresentaram uma série de limitações excepto Egipto que não conduz a uma prática de qualidade da vida. <br />O seu pensamento era obsessivo e organizado pela fala. Os Surdos pertenciam castigados e amaldiçoados pelos Deuses, como, Aristóteles, as pessoas Surdas e /ou mudas já não podiam falar através órgãos do sentido: audição. <br />No século VI, o Código Justiniano - “lei dos romanos” é o primeiro escrito sobre pessoa Surda: surdo-mudo natural, surdo-mudo adquirido, surdo natural, surdo adquirido, mudo natural ou adquirido. Os romanos diziam também que os Surdos não falavam nem ouviam por isso não tinham direito legal romana por exemplo, negócios e eram impedidos de exercer papéis sociais. Quem não ouviam, não podiam casar, votar, adquirir bens ou heranças.<br />A Idade Média, igreja Católica afirmava que os Surdos não tinham alma imortal. <br />Durante muitos séculos não havia espaço para os Surdos, pois os mesmos eram incapazes por isso, eram excluídos da sociedade e enfrentam grandes dificuldades de “inclusão social” que, em grande parte, são duplas condições: linguística e cultura.<br />Se fosse o período de Pré-História não tinha prova escrita possivelmente o reconhecimento das pessoas Surdos como seres humanos porque todos os humanos este tempo utilizavam os gestos e gritos do som. Pode ser “a pré-história da surdez”.<br />Nesse sentido, é fundamental reflectir sobre alguns aspectos da educação de Surdos ao longo da história, procurando compreender suas limitações e influências sobre as épocas até na actualidade.<br />Alguns estudos sobre a história da educação de surdos, mostraram que durante a Antiguidade, e por quase toda a Idade Média, havia uma crença de que os surdos não fossem capazes de participar do processo de ensino – aprendizagem e participação da sociedade. <br />Resumo: Os Surdos eram tratados como “anormais”, pois o “normal” era falar e ouvir para ser aceite na sociedade e “eles” foram mortos, presos ou internados. <br />“Antigamente, os sujeitos surdos eram aprisionados pela representação social com muitos estereótipos negativos, como foi visto acima. Entretanto, no presente, aprisionamo-nos para tentar nos afastar deles, construindo cada vez mais o respeito pela cultura surda através da construção de identidades surdas.” Strobel, Karin, 2007<br />
HES I - Actividades 4
HES I - Actividades 4
HES I - Actividades 4
HES I - Actividades 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Observacao sala aula
Observacao sala aulaObservacao sala aula
Observacao sala aula
diretoriabragpta
 
( Educacao) vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
( Educacao)   vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...( Educacao)   vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
( Educacao) vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
Rosane Domingues
 
Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao
João Alberto
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Rosana Santos
 
O pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formalO pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formal
profamiriamnavarro
 
Organizacao da sala de aula (1)
Organizacao da sala de aula (1)Organizacao da sala de aula (1)
Organizacao da sala de aula (1)
Gelson Rocha
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
Danusy Déia
 
Processo tecnicista
Processo tecnicistaProcesso tecnicista
Processo tecnicista
Flávio Pontes Paris
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Kelly da Silva
 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLADEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
Prof. Noe Assunção
 
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptxOBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
DANIELEAGNERBEDIN
 
Tendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneasTendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneas
Antonio Abrahao Linhares Filho
 
Diário de bordo
Diário de bordoDiário de bordo
Diário de bordo
Andressa Kaminski
 
Aula nota 10
Aula nota 10Aula nota 10
Aula nota 10
Janaina Lopes
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
Andrea Lima
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
Jessica Nuvens
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Eduardo Lopes
 
Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
Greisomar
 
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
Fernando Giorgetti
 

Mais procurados (20)

Observacao sala aula
Observacao sala aulaObservacao sala aula
Observacao sala aula
 
( Educacao) vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
( Educacao)   vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...( Educacao)   vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
( Educacao) vitor fonseca - insucesso escolar, abordagem psicopedagogica da...
 
Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao Teorias contemporaneas em educacao
Teorias contemporaneas em educacao
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
 
O pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formalO pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formal
 
Organizacao da sala de aula (1)
Organizacao da sala de aula (1)Organizacao da sala de aula (1)
Organizacao da sala de aula (1)
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
 
Processo tecnicista
Processo tecnicistaProcesso tecnicista
Processo tecnicista
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLADEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
 
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptxOBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
OBSERVAÇÃO SALA DE AULA_ METODOLOGIAS ATIVAS_ OFICINA_FINAL 2022 (1).pptx
 
Tendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneasTendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneas
 
Diário de bordo
Diário de bordoDiário de bordo
Diário de bordo
 
Aula nota 10
Aula nota 10Aula nota 10
Aula nota 10
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
 
Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
 
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
A Sociologia da Infância: A socialização da criança em diferentes perspectiva...
 

Destaque

Hes
HesHes
Tesis strobel 2008
Tesis strobel 2008Tesis strobel 2008
Tesis strobel 2008
Mônica Leal
 
Hes2
Hes2Hes2
Hesi aps (1)
Hesi   aps (1)Hesi   aps (1)
Hesi aps (1)
Isabel Morais
 
Hes7 12
Hes7 12Hes7 12
Hes7 12
Isabel Morais
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
dilaina maria araujo maria
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
joaoribau
 

Destaque (8)

Hes
HesHes
Hes
 
Tesis strobel 2008
Tesis strobel 2008Tesis strobel 2008
Tesis strobel 2008
 
Hes2
Hes2Hes2
Hes2
 
Leo, puto jantar
Leo, puto jantarLeo, puto jantar
Leo, puto jantar
 
Hesi aps (1)
Hesi   aps (1)Hesi   aps (1)
Hesi aps (1)
 
Hes7 12
Hes7 12Hes7 12
Hes7 12
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
 

Semelhante a HES I - Actividades 4

A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolasA importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
UFPB
 
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_ivAtividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Paula Aparecida Alves
 
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidadeA pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
Rhaíssa Andrade
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
Renata Araújo
 
Educação de surdos histórico
Educação de surdos históricoEducação de surdos histórico
Educação de surdos histórico
Sylvia Marly Oliveira
 
História dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismoHistória dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismo
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
Texto base historiaeducacaosurdos
Texto base historiaeducacaosurdosTexto base historiaeducacaosurdos
Texto base historiaeducacaosurdos
Ralph Candido
 
Historia das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicasHistoria das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicas
Ana Francisco
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
aulasgege
 
Historia5 identidade cultural
Historia5 identidade culturalHistoria5 identidade cultural
Historia5 identidade cultural
hsurdez
 
A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01
Andréa Carla Lima Coelho
 
Actividade 4 HES
Actividade  4 HESActividade  4 HES
Actividade 4 HES
guestd0b7ad
 
Visão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
Visão Histórica da In_Exclusão Dos SurdosVisão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
Visão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
asustecnologia
 
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolasA visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
Prefeitura Municipal da Lapa
 
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Renata Cunha
 
XIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religiosoXIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religioso
Pedro Moraes
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
Joao Balbi
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
Joao Balbi
 
Atividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanosAtividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanos
Zé Knust
 

Semelhante a HES I - Actividades 4 (20)

A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolasA importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
A importância da Língua de Sinais (LiBRAS)nas escolas
 
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_ivAtividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
 
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidadeA pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
A história e educação dos surdos (renata pontes araújo 201103535 8)
 
Educação de surdos histórico
Educação de surdos históricoEducação de surdos histórico
Educação de surdos histórico
 
História dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismoHistória dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismo
 
Texto base historiaeducacaosurdos
Texto base historiaeducacaosurdosTexto base historiaeducacaosurdos
Texto base historiaeducacaosurdos
 
Historia das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicasHistoria das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Historia5 identidade cultural
Historia5 identidade culturalHistoria5 identidade cultural
Historia5 identidade cultural
 
A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01
 
Actividade 4 HES
Actividade  4 HESActividade  4 HES
Actividade 4 HES
 
Visão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
Visão Histórica da In_Exclusão Dos SurdosVisão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
Visão Histórica da In_Exclusão Dos Surdos
 
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolasA visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas
 
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
 
XIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religiosoXIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religioso
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
 
Cap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia socialCap 8 antropologia social
Cap 8 antropologia social
 
Atividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanosAtividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanos
 

Mais de micaze1976

Act1 - HESII
Act1 - HESIIAct1 - HESII
Act1 - HESII
micaze1976
 
PDAPS
PDAPSPDAPS
PDAPS
micaze1976
 
AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]
micaze1976
 
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRiaMéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
micaze1976
 
Linguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem AnimalLinguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem Animal
micaze1976
 
Dialectos De Lgp
Dialectos De LgpDialectos De Lgp
Dialectos De Lgp
micaze1976
 
Dialectos De Lgp
Dialectos De LgpDialectos De Lgp
Dialectos De Lgp
micaze1976
 
Trabalho De Grupo3
Trabalho De Grupo3Trabalho De Grupo3
Trabalho De Grupo3
micaze1976
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
micaze1976
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
micaze1976
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
micaze1976
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
micaze1976
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
micaze1976
 
Grupo B
Grupo BGrupo B
Grupo B
micaze1976
 

Mais de micaze1976 (14)

Act1 - HESII
Act1 - HESIIAct1 - HESII
Act1 - HESII
 
PDAPS
PDAPSPDAPS
PDAPS
 
AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]
 
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRiaMéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
MéTodo Da HistóRia Da HistóRia Positivista Do MéTodo Da Nova HistóRia
 
Linguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem AnimalLinguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem Animal
 
Dialectos De Lgp
Dialectos De LgpDialectos De Lgp
Dialectos De Lgp
 
Dialectos De Lgp
Dialectos De LgpDialectos De Lgp
Dialectos De Lgp
 
Trabalho De Grupo3
Trabalho De Grupo3Trabalho De Grupo3
Trabalho De Grupo3
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
 
Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3Trabalho De Grupo 3
Trabalho De Grupo 3
 
Grupo B
Grupo BGrupo B
Grupo B
 

HES I - Actividades 4

  • 1. 3758565353060<br />Pessoa Surda no Egipto <br />No Egipto, os Surdos eram adorados, como se fossem deuses, serviam de mediadores entre os deuses e os Faraós como transmissão mensagens secretas, sendo temidos e respeitados pelos povos egípcios. <br /> A situação do Surdo perante a lei hebraica<br />Na época do povo Hebreu, na Lei Hebraica. Em 1000 a.C. aparecem pela primeira vez, criou referências aos Surdos como principais na lei da História judaicas diz: <br />3429010795Os que são surdos e mudos;<br />Os que são só surdos;<br />Os que são só mudos.<br />Estas leis protegiam as pessoas Surdas serem amaldiçoadas, mas, permitem a excluir de participar dos rituais judaicos e limitaram-lhes a relações com a posse de casamentos e propriedades.<br />Pessoa Surda na Grécia <br />4234815147955Os Surdos eram incompetentes. E o Aristóteles, ensinava que os que nasciam Surdos, por não é possível adquirir linguagem também não eram capazes de raciocinar por isso os gregos não aceitaram que os Surdos recebessem educação nem tivessem direitos. Acharam que os Surdos fossem junto com os deficientes mentais e os doentes e foram condenados à morte muitas vezes. Mais tarde, em 360 a.C., o filosofo Sócrates, declarou que foi aceite que os Surdos comunicassem com as mãos e o corpo mas privada audição.<br />Pessoa Surda na Roma<br />-18542080010As pessoas de Roma – Romanos receberam a influência pela ideia dos gregos sobre Surdos e acharam como ser “imperfeito”, excluir à sociedade e achavam que os Surdos pertencem sem direito na sociedade romana. <br />“Era comum lançarem as crianças surdas (especialmente as pobres) ao rio Tibre, para serem cuidados pelas Ninfas. O imperador Justiniano, em 529 a.C., criou uma lei que impossibilitava os Surdos de celebrar contratos, elaborar testamentos e até de possuir propriedades ou reclamar heranças (com excepção dos Surdos que falavam).” Wikipédia, a enciclopédia livre.<br />3415665236220Pessoa Surda na Idade Média <br />A época da Idade Média, a Igreja Católica achavam que os Surdos fossem diferente dos ouvintes por isso não é possível ter uma alma imortal, uma vez que eram incapazes de proferir os sacramentos até não podiam casar (sec. XII). Mais tarde, Santo Agostinho defendeu a ideia que os pais de filhos Surdos estavam pecado pelo castigo que haviam cometido. Acreditava que os Surdos podiam comunicar gestos em equivalência à fala, acreditavam era a “salvação da alma” depois o arcebispo inglês, John Beverley, em 700 d.C., ensinou um Surdo a falar, pela primeira vez depois tornou-se como primeiro educador dos Surdos. <br />Fonte de pesquisa das imagens:<br />1-anabela.spaces.live.com/?_c11_BlogPart_page..;<br />maniadehistoria.wordpress.com/2009/04;<br />jn-moura.blog.uol.com.br/arch2008-05-04_2008-...;<br />antigasternuras.blogspot.com/2006/12/surdo-co..;<br />patriciaguinevere.blogspot.com/2009/02/breve-...<br />Elabore um documento de reflexão sobre situação social da pessoa Surda na Antiguidade<br />Em geral, as ideias sobre Surdos tinham marcas bastante negativas do conceito na sociedade da Antiguidade até a Idade Média, os Surdos apresentaram uma série de limitações excepto Egipto que não conduz a uma prática de qualidade da vida. <br />O seu pensamento era obsessivo e organizado pela fala. Os Surdos pertenciam castigados e amaldiçoados pelos Deuses, como, Aristóteles, as pessoas Surdas e /ou mudas já não podiam falar através órgãos do sentido: audição. <br />No século VI, o Código Justiniano - “lei dos romanos” é o primeiro escrito sobre pessoa Surda: surdo-mudo natural, surdo-mudo adquirido, surdo natural, surdo adquirido, mudo natural ou adquirido. Os romanos diziam também que os Surdos não falavam nem ouviam por isso não tinham direito legal romana por exemplo, negócios e eram impedidos de exercer papéis sociais. Quem não ouviam, não podiam casar, votar, adquirir bens ou heranças.<br />A Idade Média, igreja Católica afirmava que os Surdos não tinham alma imortal. <br />Durante muitos séculos não havia espaço para os Surdos, pois os mesmos eram incapazes por isso, eram excluídos da sociedade e enfrentam grandes dificuldades de “inclusão social” que, em grande parte, são duplas condições: linguística e cultura.<br />Se fosse o período de Pré-História não tinha prova escrita possivelmente o reconhecimento das pessoas Surdos como seres humanos porque todos os humanos este tempo utilizavam os gestos e gritos do som. Pode ser “a pré-história da surdez”.<br />Nesse sentido, é fundamental reflectir sobre alguns aspectos da educação de Surdos ao longo da história, procurando compreender suas limitações e influências sobre as épocas até na actualidade.<br />Alguns estudos sobre a história da educação de surdos, mostraram que durante a Antiguidade, e por quase toda a Idade Média, havia uma crença de que os surdos não fossem capazes de participar do processo de ensino – aprendizagem e participação da sociedade. <br />Resumo: Os Surdos eram tratados como “anormais”, pois o “normal” era falar e ouvir para ser aceite na sociedade e “eles” foram mortos, presos ou internados. <br />“Antigamente, os sujeitos surdos eram aprisionados pela representação social com muitos estereótipos negativos, como foi visto acima. Entretanto, no presente, aprisionamo-nos para tentar nos afastar deles, construindo cada vez mais o respeito pela cultura surda através da construção de identidades surdas.” Strobel, Karin, 2007<br />