SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
SISTEMA NERVOSO | fisiologia |potencial de membrana 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
Como a superfície interna da membrana apresenta carga eléctrica negativa, e a superfície 
externa apresenta carga eléctrica positiva 
gera-se 
Diferença de potencial eléctrico 
entre as duas faces da membrana 
Potencial de membrana 
3 
2 
http://salabioquimica.blogspot.pt/2014/04/o-que-e-o-impulso-nervoso-potencial-de.html
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | potencial de membrana | bomba Na+_K+ 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
Bomba de sódio e potássio 
Nota: 
bombeia activamente Na+ para fora da célula, 
bombeia K+ activamente para dentro da célula 
(para cada 3 Na+ bombeados para fora, apenas 2 K+ são bombeados para dentro).
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Potencial de repouso 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
Em repouso: 
• membrana praticamente impermeável ao sódio, impedindo 
sua difusão a favor do gradiente de concentração 
• bombeamento activo de sódio para fora da célula. 
canais de sódio fechados; 
Potencial de repouso 
potencial electronegativo criado no 
interior da fibra nervosa devido à 
bomba de sódio e potássio 
exterior da membrana positivo 
e 
interior da membrana negativo 
1 
há uma diferença de potencial de cerca -70mV. 
1
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
restabelecimento do potencial 
de repouso (-70mV) 
Estimulação do neurónio 
inversão da polarização, retornando ao 
valor inicial 
consiste 
1 
a membrana passa de -70mV 
para +35mV; Fase de despolarização 
Fase de repolarização 
Despolarização da membrana 
provocando impulso nervoso (I.N.) 
1 
2 
2
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
Ao ser estimulada, uma pequena região da 
membrana torna-se permeável ao sódio 
(abertura dos canais de sódio). 
Como a concentração desse ião é maior fora 
do que dentro da célula, o sódio atravessa a 
membrana no sentido do interior da célula. 
Esta inversão é transmitida ao longo do axónio. 
– Despolarização 
Esta rápida alteração do potencial eléctrico 
designa-se potencial de acção 
No final da despolarização fecham-se os 
canais de sódio e abrem-se os canais que 
permitem a deslocação do potássio para fora 
da célula, permitindo a repolarização da 
membrana. 
Uma vez atingido o potencial de repouso, a 
bomba de sódio-potássio encarregar-se-á de 
manter constante o potencial eléctrico e as 
concentrações iónicas características. 
1 
1 
2 
2 
3 
3
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
O potencial de acção que se gera na área da membrana estimulada propaga-se à área vizinha 
Logo conduz 
Despolarização seguida de repolarização 
A onda de despolarização / repolarização constitui o Impulso nervoso (I.N.) 
Faz-se num só sentido 
Dendrites Axónio
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
http://salabioquimica 
.blogspot.pt/2014/04/ 
o-que-e-o-impulso-nervoso- 
potencial-de. 
html
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | velocidade de propagação do Impulso nervoso 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
A velocidade de propagação do impulso nervoso varia: 
De neurónio para neurónio 
De animal para animal 
Exemplos 
Anémonas 
Invertebrados 
Mamíferos 
0.1 m/s 
1 m/s 
120 m/s 
A velocidade de propagação do impulso nervoso está relacionada com a estrutura do axónio: 
Axónio de pequeno diâmetro Conduz o impulso lentamente (apresenta maior resistência interna ao fluxo) 
Axónio de grande diâmetro Conduz o impulso mais rapidamente
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | baínha de mielina 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
Nos vertebrados, a rápida propagação do impulso nervoso deve-se à presença 
Baínha de Mielina 
Formada por camadas concêntricas de membranas 
das células de Schwann
SISTEMA NERVOSO |fisiologia | baínha de mielina | nódulo de Ranvier 
Transmissão eléctrica do impulso nervoso 
O isolamento dos axónios pela baínha de mielina apresenta interrupções Nódulos de Ranvier 
O potencial de acção despolariza a membrana do axónio, unicamente nos nódulos de Ranvier, não ocorrendo 
nas restantes zonas 
O impulso nervoso salta 
de um nódulo para outro 
Logo 
A velocidade de 
propagação muito mais 
elevada
SISTEMA NERVOSO | fisiologia 
Transmissão eléctrica ao longo 
do neurónio; 
Transmissão química de 
neurónio para neurónio. 
1 
2 
1 
2 
2 
Impulso nervoso 
Tem carácter electroquímico:
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse 
Transmissão química do impulso nervoso 
Sinapse Comunicação fisiológica entre dois neurónios ou entre um neurónio e 
uma célula efetora. 
Engloba a membrana pré-sináptica (telodendro) 
a fenda sináptica 
membrana pós-sináptica 
Conhecem-se dois tipos de sinapses: 
sinapses químicas e sinapses 
eléctricas. 
dendrite 
corpo celular 
axónio 
célula efectora 
Pode pertencer a 
1 
2 
3 
4 
1 
2 
3 
4
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse quimica | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica 
Transmissão química do impulso nervoso 
Neurotransmissores - substâncias químicas produzidas pelos neurônios, que 
intervêm nas sinapses químicas 
Acetilcolina (ACh) 
- movimento dos músculos. 
- Aprendizagem e memória 
- Doença de Alzheimer- associada, em 90% dos casos, a perda de neurônios colinérgicos 
Serotonina (5HT): 
- Desordens de humor - a sus diminuição no SNC está associada a depressão. 
- Apetite . é reduzido por drogas que elevam a serotonina no encéfalo (geralmente amina) 
- Latência de sono (tempo que a pessoa levar para dormir) é diminuída com .triptofano., 
aminoácido necessário para a síntese de serotonina. Obs.: O leite é rico em triptofano, o 
que sugere que um copo de leite antes de dormir pode facilitar o sono. 
Dopamina (DA): 
Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas áreas encefálicas. Quando os 
níveis de dopamina estão extremamente baixos os pacientes são incapazes de se mover 
voluntariamente.
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse química | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica 
Transmissão química do impulso nervoso
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse quimica | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica 
Transmissão química do impulso nervoso 
há a libertação dos neurotransmissores contidos nas vesículas 
sinápticas para a fenda sináptica; 
As moléculas do neurotransmissor reagem com os seus 
receptores específicos localizados na membrana pós-sináptica, 
desencadeando uma alteração da 
permeabilidade da membrana, que origina a estimulação 
do neurónio. 
1 
Quando o potencial de acção chega 1 ao terminal do axónio pré-sináptico 
2 3 4 
5 
2 
3 
4 
5
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse excitadora | Sinapse inibidora 
Transmissão química do impulso nervoso 
o neurotransmissor libertado causa um aumento 
da permeabilidade da membrana ao sódio e ao 
potássio, ocorrendo a sua despolarização, que 
atua como estímulo, e desencadeia um impulso 
no neurónio. 
o neurotransmissor libertado aumenta a permeabilidade 
da membrana ao potássio e, em alguns casos, ao ião 
cloreto, tornando o interior do neurónio ainda mais 
negativo. Esta hiperpolarização da membrana pós-sináptica 
torna-a mais estável e a célula responde mais 
dificilmente a uma estimulação. 
Sinapse excitadora 
Sinapse inibidora
SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse eléctrica | 
Transmissão química do impulso nervoso 
Sinapses eléctricas 
 As células nervosas unem-se por junções comunicantes, que permitem a passagem de 
iões diretamente de uma célula para a outra. 
 o potencial de ação propaga-se diretamente do neurónio pré-sináptico para o pós-sináptico. 
 ocorrem no Sistema Nervoso Central dos vertebrados, estando envolvidos em processos que 
existem respostas muito rápidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaLABIMUNO UFBA
 
Fisiologia Gustação e Olfação
Fisiologia Gustação e OlfaçãoFisiologia Gustação e Olfação
Fisiologia Gustação e Olfaçãoluzienne moraes
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
A organização do tecido linfóide
A organização do tecido linfóideA organização do tecido linfóide
A organização do tecido linfóideLABIMUNO UFBA
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Cleanto Santos Vieira
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integraçãoCaio Maximino
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonMauro Cunha Xavier Pinto
 
Sistema nervososensorialsomatico
Sistema nervososensorialsomaticoSistema nervososensorialsomatico
Sistema nervososensorialsomaticoDouglas Tudella
 
Aula 2 causas das lesões
Aula 2   causas das lesõesAula 2   causas das lesões
Aula 2 causas das lesõesDaniela Lima
 
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosReplicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosUERGS
 

Mais procurados (20)

Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Fisiologia Gustação e Olfação
Fisiologia Gustação e OlfaçãoFisiologia Gustação e Olfação
Fisiologia Gustação e Olfação
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
A organização do tecido linfóide
A organização do tecido linfóideA organização do tecido linfóide
A organização do tecido linfóide
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integração
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Sinapses
SinapsesSinapses
Sinapses
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Sistema nervoso visceral
Sistema nervoso visceralSistema nervoso visceral
Sistema nervoso visceral
 
Sistema nervososensorialsomatico
Sistema nervososensorialsomaticoSistema nervososensorialsomatico
Sistema nervososensorialsomatico
 
Aula 2 causas das lesões
Aula 2   causas das lesõesAula 2   causas das lesões
Aula 2 causas das lesões
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosReplicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
 

Destaque

Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscular
Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscularFisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscular
Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscularRaul Tomé
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOLeonardo Delgado
 
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso   organização funcionalFisiologia do sistema nervoso   organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso organização funcionalRaul Tomé
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Aula bahiana 15.110
Aula bahiana 15.110Aula bahiana 15.110
Aula bahiana 15.110brandaobio
 
Revisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicinaRevisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicinaemanuel
 
Anatomia do sistema nervoso
Anatomia do sistema nervosoAnatomia do sistema nervoso
Anatomia do sistema nervosolukas1234567
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoCatir
 
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidade
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidadeA neurorreligação como resultado da neuroplasticidade
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidadeArgos Arruda Pinto
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Maíra Cerqueira
 
Bases biológicas da neuroplasticidade
Bases biológicas da neuroplasticidadeBases biológicas da neuroplasticidade
Bases biológicas da neuroplasticidadeThuane Sales
 
Conceitos em neuroplasticidade
Conceitos em neuroplasticidadeConceitos em neuroplasticidade
Conceitos em neuroplasticidadeCynthia Nunes
 
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viver
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o ViverNeuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viver
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viverrjleme
 

Destaque (20)

Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscular
Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscularFisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscular
Fisiologia do sistema_nervoso_e_sistema_neuromuscular
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
 
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso   organização funcionalFisiologia do sistema nervoso   organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Aula bahiana 15.110
Aula bahiana 15.110Aula bahiana 15.110
Aula bahiana 15.110
 
Revisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicinaRevisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicina
 
Anatomia do sistema nervoso
Anatomia do sistema nervosoAnatomia do sistema nervoso
Anatomia do sistema nervoso
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
Sn neurónio
Sn neurónioSn neurónio
Sn neurónio
 
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidade
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidadeA neurorreligação como resultado da neuroplasticidade
A neurorreligação como resultado da neuroplasticidade
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.
 
CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Bases biológicas da neuroplasticidade
Bases biológicas da neuroplasticidadeBases biológicas da neuroplasticidade
Bases biológicas da neuroplasticidade
 
Conceitos em neuroplasticidade
Conceitos em neuroplasticidadeConceitos em neuroplasticidade
Conceitos em neuroplasticidade
 
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viver
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o ViverNeuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viver
Neuroplasticidade e Saúde - Repensando o Viver
 

Semelhante a Fisiologia sistema nervoso

(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivosHugo Martins
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivosPelo Siro
 
Fisiologia questoes
Fisiologia  questoesFisiologia  questoes
Fisiologia questoesAnne Caria
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoJoão Felix
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxCarinaCardoso25
 
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfMAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfhbeatrizsobral
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
Transmissão do impulso nervoso
Transmissão do impulso nervosoTransmissão do impulso nervoso
Transmissão do impulso nervosoAcqua Blue Fitnnes
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesNathalia Fuga
 
Sistema Nervoso - Prof. Arlei
Sistema Nervoso - Prof. ArleiSistema Nervoso - Prof. Arlei
Sistema Nervoso - Prof. ArleiCarmina Monteiro
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesNathalia Fuga
 
Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bioari lima
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralRevila Santos
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoMarco Antonio
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 

Semelhante a Fisiologia sistema nervoso (20)

(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
Fisiologia questoes
Fisiologia  questoesFisiologia  questoes
Fisiologia questoes
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptx
 
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfMAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
Transmissão do impulso nervoso
Transmissão do impulso nervosoTransmissão do impulso nervoso
Transmissão do impulso nervoso
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapses
 
Sistema Nervoso - Prof. Arlei
Sistema Nervoso - Prof. ArleiSistema Nervoso - Prof. Arlei
Sistema Nervoso - Prof. Arlei
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapses
 
Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bio
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso Central
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Snc
SncSnc
Snc
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (11)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Fisiologia sistema nervoso

  • 1. SISTEMA NERVOSO | fisiologia |potencial de membrana Transmissão eléctrica do impulso nervoso Como a superfície interna da membrana apresenta carga eléctrica negativa, e a superfície externa apresenta carga eléctrica positiva gera-se Diferença de potencial eléctrico entre as duas faces da membrana Potencial de membrana 3 2 http://salabioquimica.blogspot.pt/2014/04/o-que-e-o-impulso-nervoso-potencial-de.html
  • 2. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | potencial de membrana | bomba Na+_K+ Transmissão eléctrica do impulso nervoso Bomba de sódio e potássio Nota: bombeia activamente Na+ para fora da célula, bombeia K+ activamente para dentro da célula (para cada 3 Na+ bombeados para fora, apenas 2 K+ são bombeados para dentro).
  • 3. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Potencial de repouso Transmissão eléctrica do impulso nervoso Em repouso: • membrana praticamente impermeável ao sódio, impedindo sua difusão a favor do gradiente de concentração • bombeamento activo de sódio para fora da célula. canais de sódio fechados; Potencial de repouso potencial electronegativo criado no interior da fibra nervosa devido à bomba de sódio e potássio exterior da membrana positivo e interior da membrana negativo 1 há uma diferença de potencial de cerca -70mV. 1
  • 4. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio Transmissão eléctrica do impulso nervoso restabelecimento do potencial de repouso (-70mV) Estimulação do neurónio inversão da polarização, retornando ao valor inicial consiste 1 a membrana passa de -70mV para +35mV; Fase de despolarização Fase de repolarização Despolarização da membrana provocando impulso nervoso (I.N.) 1 2 2
  • 5. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização Transmissão eléctrica do impulso nervoso Ao ser estimulada, uma pequena região da membrana torna-se permeável ao sódio (abertura dos canais de sódio). Como a concentração desse ião é maior fora do que dentro da célula, o sódio atravessa a membrana no sentido do interior da célula. Esta inversão é transmitida ao longo do axónio. – Despolarização Esta rápida alteração do potencial eléctrico designa-se potencial de acção No final da despolarização fecham-se os canais de sódio e abrem-se os canais que permitem a deslocação do potássio para fora da célula, permitindo a repolarização da membrana. Uma vez atingido o potencial de repouso, a bomba de sódio-potássio encarregar-se-á de manter constante o potencial eléctrico e as concentrações iónicas características. 1 1 2 2 3 3
  • 6. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização Transmissão eléctrica do impulso nervoso O potencial de acção que se gera na área da membrana estimulada propaga-se à área vizinha Logo conduz Despolarização seguida de repolarização A onda de despolarização / repolarização constitui o Impulso nervoso (I.N.) Faz-se num só sentido Dendrites Axónio
  • 7. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | potencial de membrana | Estimulação do neurónio | Despolarização | Repolarização Transmissão eléctrica do impulso nervoso http://salabioquimica .blogspot.pt/2014/04/ o-que-e-o-impulso-nervoso- potencial-de. html
  • 8. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | velocidade de propagação do Impulso nervoso Transmissão eléctrica do impulso nervoso A velocidade de propagação do impulso nervoso varia: De neurónio para neurónio De animal para animal Exemplos Anémonas Invertebrados Mamíferos 0.1 m/s 1 m/s 120 m/s A velocidade de propagação do impulso nervoso está relacionada com a estrutura do axónio: Axónio de pequeno diâmetro Conduz o impulso lentamente (apresenta maior resistência interna ao fluxo) Axónio de grande diâmetro Conduz o impulso mais rapidamente
  • 9. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | baínha de mielina Transmissão eléctrica do impulso nervoso Nos vertebrados, a rápida propagação do impulso nervoso deve-se à presença Baínha de Mielina Formada por camadas concêntricas de membranas das células de Schwann
  • 10. SISTEMA NERVOSO |fisiologia | baínha de mielina | nódulo de Ranvier Transmissão eléctrica do impulso nervoso O isolamento dos axónios pela baínha de mielina apresenta interrupções Nódulos de Ranvier O potencial de acção despolariza a membrana do axónio, unicamente nos nódulos de Ranvier, não ocorrendo nas restantes zonas O impulso nervoso salta de um nódulo para outro Logo A velocidade de propagação muito mais elevada
  • 11. SISTEMA NERVOSO | fisiologia Transmissão eléctrica ao longo do neurónio; Transmissão química de neurónio para neurónio. 1 2 1 2 2 Impulso nervoso Tem carácter electroquímico:
  • 12. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse Transmissão química do impulso nervoso Sinapse Comunicação fisiológica entre dois neurónios ou entre um neurónio e uma célula efetora. Engloba a membrana pré-sináptica (telodendro) a fenda sináptica membrana pós-sináptica Conhecem-se dois tipos de sinapses: sinapses químicas e sinapses eléctricas. dendrite corpo celular axónio célula efectora Pode pertencer a 1 2 3 4 1 2 3 4
  • 13. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse quimica | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica Transmissão química do impulso nervoso Neurotransmissores - substâncias químicas produzidas pelos neurônios, que intervêm nas sinapses químicas Acetilcolina (ACh) - movimento dos músculos. - Aprendizagem e memória - Doença de Alzheimer- associada, em 90% dos casos, a perda de neurônios colinérgicos Serotonina (5HT): - Desordens de humor - a sus diminuição no SNC está associada a depressão. - Apetite . é reduzido por drogas que elevam a serotonina no encéfalo (geralmente amina) - Latência de sono (tempo que a pessoa levar para dormir) é diminuída com .triptofano., aminoácido necessário para a síntese de serotonina. Obs.: O leite é rico em triptofano, o que sugere que um copo de leite antes de dormir pode facilitar o sono. Dopamina (DA): Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas áreas encefálicas. Quando os níveis de dopamina estão extremamente baixos os pacientes são incapazes de se mover voluntariamente.
  • 14. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse química | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica Transmissão química do impulso nervoso
  • 15. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse quimica | membrana pré-sináptica | fenda sináptica | membrana pós-sináptica Transmissão química do impulso nervoso há a libertação dos neurotransmissores contidos nas vesículas sinápticas para a fenda sináptica; As moléculas do neurotransmissor reagem com os seus receptores específicos localizados na membrana pós-sináptica, desencadeando uma alteração da permeabilidade da membrana, que origina a estimulação do neurónio. 1 Quando o potencial de acção chega 1 ao terminal do axónio pré-sináptico 2 3 4 5 2 3 4 5
  • 16. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse excitadora | Sinapse inibidora Transmissão química do impulso nervoso o neurotransmissor libertado causa um aumento da permeabilidade da membrana ao sódio e ao potássio, ocorrendo a sua despolarização, que atua como estímulo, e desencadeia um impulso no neurónio. o neurotransmissor libertado aumenta a permeabilidade da membrana ao potássio e, em alguns casos, ao ião cloreto, tornando o interior do neurónio ainda mais negativo. Esta hiperpolarização da membrana pós-sináptica torna-a mais estável e a célula responde mais dificilmente a uma estimulação. Sinapse excitadora Sinapse inibidora
  • 17. SISTEMA NERVOSO | fisiologia | Sinapse eléctrica | Transmissão química do impulso nervoso Sinapses eléctricas  As células nervosas unem-se por junções comunicantes, que permitem a passagem de iões diretamente de uma célula para a outra.  o potencial de ação propaga-se diretamente do neurónio pré-sináptico para o pós-sináptico.  ocorrem no Sistema Nervoso Central dos vertebrados, estando envolvidos em processos que existem respostas muito rápidas.