P4BW - Apresentação Fev. 2015

339 visualizações

Publicada em

Apresentação Institucional

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

P4BW - Apresentação Fev. 2015

  1. 1. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Apresentação Institucional São Paulo, fevereiro de 2015 E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e eople 4 Fonte: Air&Space Smitsonian - clique aquiI
  2. 2. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Apoiamos a Carta da Terra e Buscamos Implantar seus Princípios em Nossa Atuação. 2 http://www.cartadaterrabrasil.org/prt/index.html
  3. 3. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e 3 Quem Somos Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações O Que Acreditamos Que Precisa Ser Feito Para Permitir Sua Adaptação E Perpetuação Nossos Serviços
  4. 4. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e 4 Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações O Que Acreditamos Que Precisa Ser Feito Para Permitir Sua Adaptação E Perpetuação Nossos Serviços Quem Somos
  5. 5. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e • Somos a primeira consultoria boutique no Brasil, especializada em gente e sustentabilidade. • Buscamos atuar com organizações (empresas e not-for-profit) engajadas com a sustentabilidade, contribuindo para a transformação da sua gestão e governança corporativa, na dimensão de pessoas. • Dessa forma, nossos serviços se dividem em três pilares: – Executive Search, atuando também com empresas/posições não diretamente relacionadas com DS, porém com modelo diferenciado inspirado por nossa atuação com DS e que por isso, traz maior valor ao cliente. – Leadership Development. – Consultoria, com foco na promoção de uma cultura de convívio e engrandecimento humano e no alinhamento das estruturas organizacionais, particularmente dos processos de RH. Além de projetos voltados para a inserção da sustentabilidade na estratégia do negócio e sua governança. • Um quarto pilar reúne nossas atividades de “Advocacy”, voltada para a aproximação das pautas de sustentabilidade e gestão de pessoas. entre outras, estudos e participação em grupos de trabalho com parceiros de destaque como a FDC e o IBGC, e Palestras. • Adicionalmente, mantemos parcerias voltadas para a primeira infância e a educação de adolescentes e jovens adultos e uma reflexão permanente voltada para o publico “C-nior”. 5
  6. 6. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Mini Bio • Belga, é pai do Stephan e do Henri, de 16 e 14 anos. • Sócio Fundador da People 4 A Better World, atua com sustentabilidade desde 2004 e sob diversas perspectivas. Atua em consultoria de retained executive search desde 2009, com gama diversificada de clientes e posições executivas, particularmente na indústria. • Tem vasta experiência internacional, tanto na Europa como na América Latina, com foco em empreendedorismo, consultoria de alta gestão gente e sustentabilidade. • Iniciou sua carreira como Controller para grandes empresas transnacionais antes de ingressar em consultoria de gestão em 1992. Após cinco anos na Europa, veio para o Brasil, onde liderou o startup de uma renomada consultoria de alta gestão europeia, a qual ele dirigiu até 2005. • Atuou como sócio de uma das principais organizações internacionais de retained executive search até agosto de 2012, quando criou sua própria empresa. • É membro da Comissão de Estudos de Sustentabilidade para as Empresas (Cesse) e do Colegiado de Apoio ao Conselho - Conduta do IBGC (mandatos 2012/2014/2016) do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), da qual é atualmente o coordenador. Foi diretor não executivo da Alliance Française São Paulo (mandato 2010/2012). É membro do Conselho Criativo da Minha Sampa (www.nossascidades.org/organizations/2), do Shift - Agentes Transformadores (www.shift.org.br) e do Grupo de Estudos de Pensamento Complexo da BSP. • Martin tem MSc in Management pela Solvay Brussels School of Economics and Management da Université Libre de Bruxelles, Bélgica. Educação continuada em Investimentos Imobiliários, Gestão Responsável para o Desenvolvimento Sustentável, Curso para Conselheiros de Administração (IBGC). É fluente em inglês, português, espanhol e francês (sua língua nativa).
  7. 7. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e 7 Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações O Que Acreditamos Que Precisa Ser Feito Para Permitir Sua Adaptação E Perpetuação Nossos ServiçosQuem Somos
  8. 8. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Os Desafios do Desenvolvimento Sustentável não são uma Simples Escolha, eles estão no Mundo e nós Afetam à Todos • Mudanças climáticas • Desigualdade de renda • Miséria extrema • Corrupção • Educação • Saúde • Alimentação • ... 8 • Crescimento econômico • Estruturas de custos • Regulamentação • Engajamento dos talentos • Inovação • Cadeias de valor • Consumo consciente • ... ??? Competitividade, relevância e perpetuação do SEU NEGÓCIO ??? Mundo: meio ambiente + sociedade Economia / Indústrias / Mercado Sua organização
  9. 9. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Complexidade e Ritmo das Mudança Considerados os Maiores Desafios das Lideranças Presentes e Futuras* * Future Trends in Leadership Development – Center For Creative Leadership, 2011: http://www.ccl.org/Leadership/pdf/research/futureTrends.pdf
  10. 10. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e A Pergunta é Como construir uma organização resiliente, capaz de se adaptar de forma contínua a um ambiente cada vez mais complexo e em mudança cada vez mais rápida? As receitas do passado funcionarão no futuro?
  11. 11. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e A Teoria da Complexidade Aponta para o Caminho a ser Seguido 11 AMBIENTE EXTERNO AMBIENTE INTERNO • Aberto • Em constante adaptação • Relações entre as partes, tanto dentro, quanto fora do sistema • Vida • Natureza humana • Organizações sociais • Exemplo de processo de adaptação: homeostase TROCAS Adaptado de Mariotti, Humberto Sistema
  12. 12. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Homeostase Definição:Homeostasia ou homeostase é a propriedade de um sistema aberto, especialmente dos seres vivos, de regular o seu ambiente interno, de modo a manter uma condição estável mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico, controlados por mecanismos de regulação inter-relacionados. O termo foi criado em 1932 por Walter Bradford Cannon a partir dos termos gregos homeo, "similar" ou "igual", e stasis, "estático". Exemplo: Homeostase no corpo humano 12 https://www.youtube.com/watch?v=XZxuQo3ylII
  13. 13. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e 13 O Que Acreditamos Que Precisa Ser Feito Para Permitir Sua Adaptação E Perpetuação Nossos ServiçosQuem Somos Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações
  14. 14. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e O Que é Necessário para Conseguir a Homeostase Corporativa? • Pessoas totalmente engajadas – Sentido de pertencer = vivenciando nossos valores e propósito • Comunicação aberta, dentro da organização, e com seu ambiente externo – confiança e empatia • Fazer sentido dos sinais fracos, do que é emergente – Mindsets, consciência • Inteligência Coletiva – Liderança coletiva ≠ Command and Control • Capacidade de mudança Governança Corporativa Gestão +
  15. 15. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e ... É Aqui que Entram Cultura, Liderança e Relações Humanas* * “Diferença entre recursos humanos e relações humanas. Enquanto recursos humanos descreve a prática de usar mão de obra para um fim comercial, uma abordagem de relações humanas procura a realização do ser humano dentro do contexto de trabalho” (von Kimakowitz, Pirson et al., 2010, citado em Liderança Sustentável além do Líder, Fundação Dom Cabral 2014 (pag. 37).
  16. 16. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e A Mudança para a Sustentabilidade é Antes de Mais Nada um Processo de Mudança Cultural • Processo de adaptação da sociedade humana e de todos nós – coletivamente e individualmente – às mudanças de nosso ambiente, tanto externas quanto internas • Traz novas questões éticas – eu/eles -> nós todos – aqui/agora -> lá/amanhã – inovação • Busca de um novo equilíbrio entre inovação e consciência, pois pela primeira vez na nossa história temos a capacidade de nos destruir completamente • Uma mudança de proporção evolutiva, dos homens (e da sociedade), acontecendo (?) num prazo de tempo muito curto – Resistências, medos, lutas de poder, etc. – Em todos os níveis da sociedade: empresas, governos, non profit, cada um de nós 16
  17. 17. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Para Muitas Organizações, essa Mudança Implica em Desenvolver Novos Valores e Competências, como aqui Ilustrado com o Modelo de Barret 17 BemComumInteressepróprio • Mindset+ • Pertencimento • Mindset+++ • Mindset++ • Colaboração • Mudança • Confiança • Foco nos níveis 4, 5 e 6: Transformação e Coesão, Interna e Externa • Implicando no atendimento dos níveis básicos Homeostase Corporativa
  18. 18. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Para Isso é Preciso... Pistas para Reflexão (Ordem Didática) 18 Aproximar as pautas de Gente e Sustentabilidade na governança corporativa (Conselho) Alinhar valores, cultura e contexto organizacional Promover uma cultura de convívio e de engrandecimento humano Ampliar o nível de consciência dos agentes de GC em todos os níveis Aproximar as pautas de Gente e Sustentabilidade na gestão 1 2 34 5
  19. 19. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Exemplos de Boas Práticas na Gestão de Pessoas Visando Institucionalizar a Liderança Sustentável* Seleção Incluir critérios de sustentabilidade na seleção de novos lideres organizacionais, sobretudo na alta liderança. Por exemplo: • Perguntar o que move a pessoa; identificar o significado de sustentabilidade para o candidato; usar casos e situações de dilema para avaliar o raciocínio do candidato. • Alinhamento de valores também é recomendado pela literatura. • Experiências anteriores e quanto essas empresas valorizam a sustentabilidade. • Pensar em recrutamento interno de pessoas com perfil e valores adequados. Gestão de desempenho Definir objetivos e metas para que os compromissos de sustentabilidade se materializem na prática. Por exemplo: • Indicadores e metas socioambientais contam para o bônus (recompensa financeira). • Avanço da carreira e desligamento vinculado ao desempenho em sustentabilidade. • Processos de feedback claros e objetivos. Desenvolvimento Inserção da sustentabilidade no sistema de competências e desenvolvimento da empresa. Por exemplo: • Capacitação em sustentabilidade: Learning by doing; estudos de casos; cursos profissionalizantes; ênfase na transparência; desafiar e dar feed-bakcs; projetos sociais voluntários. • Integração na gestão do conhecimento. • Uso de multiplicadores ou soluções de EAD para difusão interna. Retenção e Reconhecimento Promover o reconhecimento pelas ideias e pelo impacto que essa liderança deixa na sociedade (valor compartilhado). Por exemplo: • Promover as pessoas que se destacam pelo trabalho, pelo comportamento, pelo exemplo para outros. • Organizar prêmios e destaques que dão importância e visibilidade para o trabalho dessas pessoas. Sucessão e Promoção Preparar a próxima geração de lideres para evitar que a empresa desaprenda a lidar com as questões da sustentabilidade. Por exemplo: • Priorizar contratação interna. • Ter planejamento de sucessão. • Expor sucessores a pontos de vistas diferentes. Desligamento • Desligar pessoas que atuam contra os valores da empresa. 19 * Liderança Sustentável além do Líder; Fundação Dom Cabral & P4BW – nov. 2014 3 EXEMPLO
  20. 20. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Mesa Redonda “Sustentabilidade e RH na Pauta do Conselho” IBGC – Set. 2014 • Mesa Redonda realizada em 30 de Set. de 2014 com associados e convidados externos. • Objetivo de geração de conteúdo com base na experiência dos participantes e em levantamentos anteriores, visando a evolução das boas práticas de Governança Corporativa voltadas para Gente e Sustentabilidade olhadas de conjuntamente. • Algumas das questões anotadas por mim na ocasião estão resumidas ao lado. • Consenso sobre a necessidade do Conselho de Administração (CA) tratar das questões de RH e Sustentabilidade e da existência de uma pauta comum entre elas. • Para isso, é necessário – Definição do que é sustentabilidade para a empresa e do que se espera – Comitês de RH e Sustentabilidade com liderança técnica e independentes para assessoramento estratégico do CA – Pauta reservada na agenda do CA para discussão de qualidade – Convidados externos agregando valor sobre a interação entre os dois temas – Preparo dos conselheiros com relação aos dois temas • Alguns temas para essa pauta comum são – Valor do capital humano e seu impacto para o negocio – Cultura organizacional, valores e comportamentos esperados (direcionadores) – Definição de perfis alinhados com a sustentabilidade – Recrutamento, seleção, promoções e sucessões – Capacitação em sustentabilidade e desenvolvimento humano: competências e modelos mentais – Sistemas de incentivos e avaliação – Condições para o engajamento de todos: comunicação transparente, incentivos, etc. 20 5 EXEMPLO
  21. 21. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e 21 Nossos ServiçosQuem Somos Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações Como Vemos Os Desafios Do Desenvolvimento Sustentável Para As Organizações
  22. 22. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Esse Pensamento Guia o Desenvolvimento de Nossa Oferta de Serviços e Atuação de Advocacy • Prática de Executive Search contribuindo para a consolidação do “walking the talk”; • Prática de Desenvolvimento de Liderança para a ampliação de consciência individual e o desenvolvimento de formas coletivas de liderança; • Prática de Consultoria para promover uma cultura de convívio e engrandecimento humano e o alinhamento organizacional, particularmente dos processos de RH. Além de projetos voltados para a inserção da sustentabilidade na estratégia do negócio e sua governança; • Atividade de “Advocacy”, voltada para a aproximação das pautas de sustentabilidade e gestão de pessoas. Particularmente estudos e participação em grupos de trabalho com parceiros de destaque como a FDC e o IBGC, palestras. 22
  23. 23. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Oferta de Serviços e “Advocacy” 23 Executive Search • Board • Top • Middle Leadership Development • Assessment • Coaching • Counselling • Desenvolvimento vertical * Consultoria “White Paper” • Planejamento sucessório • DO • Mudança cultural* • Governança Corporativa • Projetos * “Advocacy” Gente & Sustentabilidade • FDC • IBGC • ISE • Palestras • Grupos Linkedin • ... Sustentabilidade – Governança Corporativa - Complexidade – Teoria Integral – Liderança - Cultura (*) em desenvolvimento
  24. 24. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Executive Search – Na Busca de um Valor Compartilhado Maior 24 Briefing • Entendimento contextual e perfil ideal • Relatório de entendimento escrito • Validação formal com compromisso ético Long List • 8 a 12 perfis • Relatório Long List escrito Short List • 4 a 5 pessoas • Relatório Short List escrito • Relatório Wave • Relatório PSA • Entrevista presencial integral • Transparência • Alinhamento de valores – PVA • Alinhamento de propósito • Perfil comportamental - Wave Proposta comercial • Retainer • Flat Fee • Proposta escrita Diversidade de gênero Suporte Escolha Cliente Suporte Negociação Cliente On-boarding • 6 meses (middle) • 12 meses (top, Board) Kick-off 3 semanas 2 semanas • Impacto positivo para não-finalistas
  25. 25. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Executive Search – Na Busca de um Valor Compartilhado Maior 25 Briefing • Entendimento contextual e perfil ideal • Relatório de entendimento escrito • Validação formal com compromisso ético Long List • 8 a 12 perfis • Relatório Long List escrito Short List • 4 a 5 pessoas • Relatório Short List escrito • Relatório Wave • Relatório PSA • Entrevista presencial integral • Transparência • Alinhamento de valores – PVA • Alinhamento de missão • Perfil comportamental - Wave Proposta comercial • Retainer • Flat Fee • Proposta escrita Diversidade de gênero Suporte Escolha Cliente Suporte Negociação Cliente On-boarding • 6 meses (middle) • 12 meses (top, Board) Kick-off 3 semanas 2 semanas • Impacto positivo para não-finalistas PEOPLE%!%4%!%A%!%BETTER%!%WORLD%! E x e c u t i v e S e a r c h a n d L e a d e r s h i p C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e E-tower, rua Funchal, 418 - 35º. andar/floor – tel. +55(11) 3521-7365 - São Paulo, SP 04551-060, Brasil/Brazil - www.p4bw.com Retained Executive Search – O QUE NOS TORNA ESPECIAIS · Embora nosso trabalho conte com o suporte de um time de consultores seniors, estou totalmente envolvido em todas as etapas de cada projeto. · Como uma consultoria boutique, nós asseguramos que faremos o nosso melhor para nos adaptarmos às especificidades de cada cliente. · Por sermos ativamente comprometidos em perseguir o bem comum, apoiamos a Carta da Terra http://www.earthcharterinaction.org, em um esforço para trazer seus princípios éticos fundamentais para o dia a dia de nossas atividades. Inspirados por esses princípios, em particular os princípios I e III, “Respeito e Cuidado com a Comunidade da Vida”, e “Justiça Social e Econômica” respectivamente, nós Nos comprometemos com diversidade de gênero, fazendo nosso melhor esforço para incluir pelo menos uma mulher em cada shortlist, independentemente da posição. Embora essa contribuição seja longe de ser suficiente, representa, em nosso ponto de vista, um passo importante na direção certa; Dedicamos tempo para conhecer a pessoa por trás de cada executivo, buscando descobrir o que tem sido relevante na sua vida e como isso o moldou na pessoa que ele ou ela é hoje, no que acredita, seus propósito e valores de vida; Nos esforçamos para buscar o melhor alinhamento entre esses valores e propósito individuais e os valores e propósito coletivos do nosso cliente. Vemos o projeto de busca como uma oportunidade para causar um impacto positivo na vida das pessoas que dele participam, sendo finalista ou não de cada projeto. Por isso, compartilhamos os resultados da ferramenta de assessment com cada participante da shortlist.
  26. 26. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Modelo de Atuação 26 “For Profit” ----------------------------------------- “Non For Profit” 30 Ambiente Executivo 6 5 Gestão + Governança Corporativa Primeira Infância - Instituto Zero a Seis Educação Adolescentes e Jovens Adultos - OPEE Parcerias Desenvolvimento de vínculos com as políticas de RH e de RSC das empresas PEOPLE . 4 . A . BETTER . WORLD . “C-niors” Executive Search Leadership Development “Advocacy” Sustentabilidade – Governança Corporativa - Complexidade – Teoria Integral - Liderança - Cultura For Profit / Non for Profit Consultoria Projetos www.zeroaseis.org.br www.opee2.com.br
  27. 27. P E O P L E  4  A  B E T T E R  W O R L D  E x e c u t i v e S e a r c h , L e a d e r s h i p a n d C o n s u l t i n g f o r a S u s t a i n a b l e F u t u r e Obrigado!

×