SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
CCOONNCCEEIITTOO DDEE PPRROOCCEESSSSOO 
TTAARREEFFAA EE AATTIIVVIIDDAADDEE
Controle de Qualidade clássico 
Entradas 
(fornecedores) 
Saídas 
Processo (clientes) 
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDEE 
RREECCEEBBIIMMEENNTTOO 
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDEE 
PPRROOCCEESSSSOO 
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO 
FFIINNAALL 
CCOONNFFIIAABBIILLIIDDAADDEE DDOOSS EEQQUUIIPPAAMMEENNTTOOSS 
CCOONNFFIIAABBIILLIIDDAADDEE DDOOSS DDAADDOOSS
OOOO QQQQUUUUEEEE ÉÉÉÉ UUUUMMMM PPPPRRRROOOOCCCCEEEESSSSSSSSOOOO ???? 
““ÉÉ uummaa ssiisstteemmááttiiccaa ddee aaççõõeess ddiirreecciioonnaaddaass 
ppaarraa aa ccoonnsseeccuuççããoo ddee uummaa mmeettaa””.. ((JJuurraann)) 
((SSiisstteemmááttiiccoo,, ccaappaazz,, lleeggííttiimmoo 
ee oorriieennttaaddoo sseegguunnddoo uummaa mmeettaa)) 
DDeeffiinniiççããoo ddee PPrroocceessssoo
Conceito de Processo 
Processo é uma série de tarefas logicamente interrelacionadas 
que quando executadas produzem resultados explícitos 
Entradas 
(fornecedores) 
Saídas 
(para clientes) 
Tarefas que 
agregam 
valor 
Valor agregado
MMAATTÉÉRRIAIA-P-PRRIMIMAA MMÁÁQQUUININAA MMEEDDIDIDAA 
Deterioração Instrumento 
Condições Locais 
Inspeção 
Manutenção 
EFEITO 
DDeeffiinniiççããoo ddee PPrroocceessssoo 
Fornecedores 
Fornecimento 
próprio 
Oficina 
Clima 
Físico 
Mental 
Informação 
Instrução 
Procedimento 
MEIO 
AMBIENTE 
MEIO MMÃÃOO-D-DEE-O-OBBRRAA MMÉÉTTOODDOO 
AMBIENTE 
CAUSAS 
Fatores da Qualidade 
(Itens de Verificação) 
Características 
da Qualidade 
(Itens de Controle) 
PPRROOCCEESSSSOO 
AAUUTTOORRIIDDAADDEE 
RREESSPPOONNSSAABBIILLIIDDAADDEE 
Fonte: CAMPOS, V. F. TQC - Controle da Qualidade Total (no estilo japonês), FCO/UFMG (1992).
PPRROOCCEESSSSOO: um conjunto de causas (meios) 
com o objetivo de produzir um efeito (um 
produto) específico. 
“Uma sistemática de ações voltadas para a consecução de um objetivo.” 
PPRROOCCEESSSSOO: um conjunto de causas (meios) 
com o objetivo de produzir um efeito (um 
produto) específico. 
“Uma sistemática de ações voltadas para a consecução de um objetivo.” 
(Juran) 
((((MMMMAAAACCCCRRRROOOO))))PPPPRRRROOOOCCCCEEEESSSSSSSSOOOO 
IINNDDIICCAADDOORREE 
IINNDDIICCAADDOORREE 
SS 
SS 
CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssoo 
FFOORRNNEECCEEDDOORREE 
SS 
PPPPRRRROOOODDDDUUUUTTTTOOOOSSSS CCCCLLLLIIIIEEEENNNNTTTTEEEESSSS 
IIIINNNNSSSSUUUUMMMMOOOOSSSS 
(Juran)
CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss 
 UUmm pprroocceessssoo ppooddee sseerr ddiivviiddiiddoo eemm pprrooccuurraass 
mmeennoorreess ee eessttaa ddiivviissiibbiilliiddaaddee ee iimmppoorrttaannttee ppoorr 
ppeerrmmiittiirr qquuee ccaaddaa pprroocceessssoo mmeennoorr sseejjaa 
ccoonnttrroollaaddoo sseeppaarraaddaammeennttee,, ffaacciilliittaannddoo aa 
llooccaalliizzaaççããoo ddee ppoossssíívveeiiss pprroobblleemmaass ee aa aattuuaaççããoo 
nnaass ccaauussaass ddeesstteess pprroobblleemmaass,, oo qquuee rreessuullttaa nnaa 
ccoonndduuççããoo ddee uumm ccoonnttrroollee mmaaiiss eeffiicciieennttee ddee ttooddoo 
oo pprroocceessssoo.. 
 PPrroocceessssoo NNíívveell 11  PPrroocceessssoo NNíívveell 22  
TTaarreeffaass  AAttiivviiddaaddeess
CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss 
 TTAARREEFFAA 
TTaarreeffaa éé ccoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess ddiissttiinnttaass 
rreeaalliizzaaddaass eemm uumm ppoossttoo ddee ttrraabbaallhhoo,, ccoomm oo 
oobbjjeettiivvoo ddee ccuummpprriirr uummaa ffuunnççããoo.. UUmm ccoonnjjuunnttoo ddee 
ttaarreeffaass ccoonnssttiittuuii uumm pprroocceessssoo.. 
 AATTIIVVIIDDAADDEE 
MMeennoorr ddiivviissããoo ddoo ttrraabbaallhhoo,, iissttoo éé,, aa aaççããoo 
eexxeerrcciiddaa ppeelloo eexxeeccuuttoorr ppaarraa rreeaalliizzaarr uummaa ttaarreeffaa.. 
UUmm ccoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess ccoonnssttiittuuii uummaa ttaarreeffaa..
CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss 
 PPRROOCCEESSSSOO 
CCoonnjjuunnttoo ddee ttaarreeffaass ddiissttiinnttaass,, iinntteerrlliiggaaddaass,, vviissaannddoo ccuummpprriirr 
uummaa mmiissssããoo.. CCoonnjjuunnttoo ddee ccaauussaass qquuee pprroodduuzzeemm uumm oouu mmaaiiss 
eeffeeiittooss ((pprroodduuttoo)).. DDeeffiinnee--ssee uumm pprroocceessssoo aaggrruuppaannddoo eemm 
sseeqqüüêênncciiaa ttooddaass aass ttaarreeffaass ddiirriiggiiddaass àà oobbtteennççããoo ddee uumm 
rreessuullttaaddoo,, bbeemm oouu sseerrvviiççoo.. IIssttoo eeqquuiivvaallee aa ddiizzeerr qquuee uumm 
pprroocceessssoo éé ccoonnssttiittuuííddoo ddee ppeessssooaass,, eeqquuiippaammeennttooss,, mmaatteerriiaaiiss 
oouu iinnssuummooss,, mmééttooddooss oouu pprroocceeddiimmeennttooss iinnffoorrmmaaççõõeess ddoo 
pprroocceessssoo oouu mmeeddiiddaass,, ccoonnddiiççõõeess aammbbiieennttaaiiss,, ccoommbbiinnaaddooss ddee 
mmooddoo aa ggeerraarr uumm pprroodduuttoo ((bbeemm oouu sseerrvviiççoo)).. UUmmaa sséérriiee ddee 
ttaarreeffaass ccoorrrreellaattaass ppooddee sseerr cchhaammaaddaa ddee pprroocceessssoo ee uumm ggrruuppoo 
ddee pprroocceessssooss ccoorrrreellaattooss ppooddee sseerr vviissttoo ccoommoo uumm ssiisstteemmaa.. 
QQuuaallqquueerr oorrggaanniizzaaççããoo oouu eemmpprreessaa éé uumm pprroocceessssoo ee ddeennttrroo 
ddeellaa eennccoonnttrraammooss ddiivveerrssooss pprroocceessssooss ddee mmaannuuffaattuurraa oouu 
sseerrvviiççooss.. UUmm pprroocceessssoo éé ccoonnttrroollaaddoo aattrraavvééss ddooss sseeuuss eeffeeiittooss..
CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss 
 PPrroocceessssoo ((NNBBRR IISSOO 99000011::22000000 -- 33..44..11)) 
CCoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess iinntteerr--rreellaacciioonnaaddaass oouu eemm iinntteerraattiivvaass qquuee ttrraannssffoorrmmaamm 
iinnssuummooss ((eennttrraaddaass)) eemm pprroodduuttooss ((ssaaííddaass)).. 
NNoottaa 11 OOss iinnssuummooss ((eennttrraaddaass)) ppaarraa uumm pprroocceessssoo ssããoo ggeerraallmmeennttee pprroodduuttooss 
((ssaaííddaass)) ddee oouuttrrooss pprroocceessssooss.. 
NNoottaa 22 PPrroocceessssooss eemm uummaa oorrggaanniizzaaççããoo ssããoo ggeerraallmmeennttee ppllaanneejjaaddooss ee 
rreeaalliizzaaddooss ssoobb ccoonnddiiççõõeess ccoonnttrroollaaddaass ppaarraa aaggrreeggaarr vvaalloorr 
NNoottaa 33 UUmm pprroocceessssoo eemm qquuee aa ccoonnffoorrmmiiddaaddee ddoo pprroodduuttoo rreessuullttaannttee nnããoo ppooddee 
sseerr pprroonnttaammeennttee oouu eeccoonnoommiiccaammeennttee vveerriiffiiccaaddaa,, éé ffrreeqqüüeenntteemmeennttee cchhaammaaddoo ddee 
""pprroocceessssoo eessppeecciiaall"".. 
 PPrroocceessssoo ((FFPPNNQQ)) 
CCoonnjjuunnttoo ddee rreeccuurrssooss ee aattiivviiddaaddeess iinntteerr--rreellaacciioonnaaddaass qquuee ttrraannssffoorrmmaamm iinnssuummooss 
((eennttrraaddaass)) eemm pprroodduuttooss ((ssaaííddaass)).. EEssssaa ttrraannssffoorrmmaaççããoo ddeevvee aaggrreeggaarr vvaalloorr nnaa 
ppeerrcceeppççããoo ddooss cclliieenntteess ddoo pprroocceessssoo ee eexxiiggee uumm cceerrttoo ccoonnjjuunnttoo ddee rreeccuurrssooss.. OOss 
rreeccuurrssooss ppooddeemm iinncclluuiirr ppeessssooaall,, ffiinnaannççaass,, iinnssttaallaaççõõeess,, eeqquuiippaammeennttooss,, mmééttooddooss ee 
ttééccnniiccaass,, nnuummaa sseeqqüüêênncciiaa ddee eettaappaass oouu aaççõõeess ssiisstteemmááttiiccaass.. OO pprroocceessssoo ppooddeerráá 
eexxiiggiirr qquuee aa sseeqqüüêênncciiaa ddee eettaappaass sseejjaa ddooccuummeennttaaddaa ppoorr mmeeiioo ddee eessppeecciiffiiccaaççõõeess,, ddee 
pprroocceeddiimmeennttooss ee ddee iinnssttrruuççõõeess ddee ttrraabbaallhhoo,, bbeemm ccoommoo qquuee aass eettaappaass ddee mmeeddiiççããoo ee 
ccoonnttrroollee sseejjaamm aaddeeqquuaaddaammeennttee ddeeffiinniiddaass..
Conceito de Processos 
Toda Organização é uma coleção de 
processos que são executados. 
Não existe um produto ou um serviço 
oferecido por uma empresa sem um 
processo. 
Nas empresas, embora não 
estejam documentados 
(mapeados) em detalhe, eles são 
conhecidos e executados 
Ex: Atender ao Pedido do Cliente
Conceito de Processos 
Qualquer que seja nosso posicionamento 
hierárquico, nós temos um negócio dentro 
da empresa na qual trabalhamos 
Processos é o resultado da articulação de: 
•Pessoas 
•Instalações 
•Equipamentos e 
•Outros recursos (materiais,...)
Conceito de Processos 
Processos são tarefas logicamente rreellaacciioonnaaddaass qquuee,, 
uussaannddoo rreeccuurrssooss ddoo nneeggóócciioo,, pprroodduuzzeemm rreessuullttaaddooss rreeaaiiss,, 
aaddiicciioonnaannddoo vvaalloorr aa ccaaddaa eettaappaa.. 
VVeennddaass PProrodduuççããoo FFininaannççaass 
... fronteiras Funcionais e Organizacionais... 
FFaabbrircicaanntete 
DDisistrtirbibuuididoor r 
FFoornrneecceeddoor r 
CClileienntete 
... fronteiras na Cadeia de Suprimentos 
Estratégico 
Planejamento 
Controle 
Operacional 
... fronteiras Hierárquicas... 
• Processos cruzam...
Conceito de Processos 
CADEIA DE VALOR 
RECEBIMENTO PRODUÇÃO VENDAS EXPEDIÇÃO 
FORNECEDORES CLIENTES 
INFORMAÇÃO 
OO PPRROOCCEESSSSOO 
Tarefas Tarefas Tarefas Tarefas 
A tarefa deve agregar valor ao processo.
Conceito de Processos 
Os processos e a agregação de valor: 
Sempre que o trabalho humano satisfaz as 
necessidades das pessoas, ele agrega valor. 
Então... 
Agregar valor é agregar satisfação ao seu cliente. 
Os clientes só pagam por aquilo que na 
sua percepção tem VALOR
Conceito de Processos 
Criar Valor é aumentar o número de características do seu 
produto ou serviço, de forma diferenciada do seu 
concorrente, de forma a transcender a demanda existente 
criar distinção em todas as esferas de 
atuação, oferecendo incrementos de valor 
em cada serviço ou produto oferecido
Em geral, organizações estruturadas ppoorr ffuunnççããoo 
aapprreesseennttaamm ddiiffiiccuullddaaddeess ddee vveerr ooss vváárriiooss 
pprroocceessssooss qquuee ssããoo ddeesseennvvoollvviiddooss ppaarraa aatteennddeerr 
ààss nneecceessssiiddaaddeess ddooss CClliieenntteess 
Visão 
Funcional 
Visão 
de 
Processo 
Conceito de Processos
Como algumas pessoas enxergam e entendem a Empresa 
Organograma Estratégias Procedimentos 
90 
80 
70 
60 
50 
40 
30 
20 
10 
0 
1° Trim. 2° Trim. 3° Trim. 4° Trim. 
Leste 
Oeste 
Norte 
Itens de Controle 
E os Processos? E as interfaces???? 
E as entradas e Saídas??? 
E as etapas dos processos??? Onde 
começam e onde terminam??? 
Como enxergar o todo e não as 
partes??? 
Tarefa 
Tarefa 
PROCESSO 
"X" 
2 
Tarefa 
6 
Tarefa 
3 
Tarefa 
5 
Tarefa 
4 
Tarefa 
n 
1 
1 
Conceito de Processos 
...
Conceito de Processos 
Para produzir um bem ou serviço necessitamos 
construir um processo 
Um processo de negócios é um conjunto de três ações: 
Processo de Negócio 
Fornecedor Cliente 
Introduzir 
Processar 
Enviar/Entregar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramascattonia
 
Manual de Modelagem de Processos em BPMN
Manual de Modelagem de Processos em BPMNManual de Modelagem de Processos em BPMN
Manual de Modelagem de Processos em BPMNFarmanguinhos
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeGerisval Pessoa
 
Aula 3 gestão de operações
Aula 3  gestão de operaçõesAula 3  gestão de operações
Aula 3 gestão de operaçõesdianafpc
 
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - GestãoInformação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - GestãoLeonardo Moraes
 
Aula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de ProjetosAula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de ProjetosFernando Dantas
 
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de Processos
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de ProcessosSipoc - Ferramenta de Mapeamento de Processos
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de ProcessosAdrianaDantas16
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCadernos PPT
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosEuller Barros
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosMarcos Abreu
 
Aula 1 Modelagem De Processos
Aula 1   Modelagem De ProcessosAula 1   Modelagem De Processos
Aula 1 Modelagem De ProcessosMarcos Barato
 
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)CompanyWeb
 

Mais procurados (20)

Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramas
 
Fluxograma seção 5
Fluxograma   seção 5Fluxograma   seção 5
Fluxograma seção 5
 
Arquivos empresariais
Arquivos empresariaisArquivos empresariais
Arquivos empresariais
 
Fundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de ProjetosFundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de Projetos
 
Manual de Modelagem de Processos em BPMN
Manual de Modelagem de Processos em BPMNManual de Modelagem de Processos em BPMN
Manual de Modelagem de Processos em BPMN
 
Osm aula1
Osm aula1Osm aula1
Osm aula1
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
 
Aula 3 gestão de operações
Aula 3  gestão de operaçõesAula 3  gestão de operações
Aula 3 gestão de operações
 
ERP
ERPERP
ERP
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - GestãoInformação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
 
Aula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de ProjetosAula 1 - Gestão de Projetos
Aula 1 - Gestão de Projetos
 
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de Processos
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de ProcessosSipoc - Ferramenta de Mapeamento de Processos
Sipoc - Ferramenta de Mapeamento de Processos
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de Operações
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
 
O Método Kanban
O Método KanbanO Método Kanban
O Método Kanban
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
 
Aula 1 Modelagem De Processos
Aula 1   Modelagem De ProcessosAula 1   Modelagem De Processos
Aula 1 Modelagem De Processos
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)
Visão Geral da Notação BPMN - Gestão por Processos (BPM)
 

Semelhante a Processos e agregação de valor

TÉCNICAS DE ATENDIMENTO -
TÉCNICAS DE ATENDIMENTO - TÉCNICAS DE ATENDIMENTO -
TÉCNICAS DE ATENDIMENTO - Hericson Gueiros
 
A teoria z.mod.ouchi
A teoria z.mod.ouchiA teoria z.mod.ouchi
A teoria z.mod.ouchiself1
 
O que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamosO que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamosjmpcard
 
Como se preparar para o mercado de trabalho
Como se preparar para o mercado de trabalhoComo se preparar para o mercado de trabalho
Como se preparar para o mercado de trabalhoMicrosoft
 
Criação e produção de impressos
Criação e produção de impressosCriação e produção de impressos
Criação e produção de impressosTaís Paranhos
 
eSocial - Uma Visão Prática sobre a Implantação
eSocial - Uma Visão Prática sobre a ImplantaçãoeSocial - Uma Visão Prática sobre a Implantação
eSocial - Uma Visão Prática sobre a ImplantaçãoCRC-TO
 
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...Antonio Inácio Ferraz
 
Campanha lillo julho 14 b
Campanha lillo julho 14 bCampanha lillo julho 14 b
Campanha lillo julho 14 bSergio Silva
 
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)Phelipe Cavalcante
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
ArmazenagemISCAP
 
Palestra - Ietec - Fiat
Palestra - Ietec - FiatPalestra - Ietec - Fiat
Palestra - Ietec - FiatYoris Linhares
 
Seminários - G1 - Primeira e Segunda Geração
Seminários - G1 - Primeira e Segunda GeraçãoSeminários - G1 - Primeira e Segunda Geração
Seminários - G1 - Primeira e Segunda GeraçãoAnderson Andrade
 

Semelhante a Processos e agregação de valor (20)

TÉCNICAS DE ATENDIMENTO -
TÉCNICAS DE ATENDIMENTO - TÉCNICAS DE ATENDIMENTO -
TÉCNICAS DE ATENDIMENTO -
 
A teoria z.mod.ouchi
A teoria z.mod.ouchiA teoria z.mod.ouchi
A teoria z.mod.ouchi
 
O que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamosO que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamos
 
O que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamosO que trazemos e o que levamos
O que trazemos e o que levamos
 
Como se preparar para o mercado de trabalho
Como se preparar para o mercado de trabalhoComo se preparar para o mercado de trabalho
Como se preparar para o mercado de trabalho
 
Criação e produção de impressos
Criação e produção de impressosCriação e produção de impressos
Criação e produção de impressos
 
Pp e-pe1
Pp e-pe1Pp e-pe1
Pp e-pe1
 
eSocial - Uma Visão Prática sobre a Implantação
eSocial - Uma Visão Prática sobre a ImplantaçãoeSocial - Uma Visão Prática sobre a Implantação
eSocial - Uma Visão Prática sobre a Implantação
 
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TE´CNICO EM ELETRONIC...
 
Características do vencedor e do perdedor
Características do vencedor e do perdedorCaracterísticas do vencedor e do perdedor
Características do vencedor e do perdedor
 
Estudo sistema de qualidade
Estudo sistema de qualidadeEstudo sistema de qualidade
Estudo sistema de qualidade
 
07fluxograma
07fluxograma07fluxograma
07fluxograma
 
Campanha lillo julho 14 b
Campanha lillo julho 14 bCampanha lillo julho 14 b
Campanha lillo julho 14 b
 
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)
Rede Brasil de Comunicação (RBC TV)
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
 
TIC INSS
TIC INSSTIC INSS
TIC INSS
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Palestra - Ietec - Fiat
Palestra - Ietec - FiatPalestra - Ietec - Fiat
Palestra - Ietec - Fiat
 
Seminários - G1 - Primeira e Segunda Geração
Seminários - G1 - Primeira e Segunda GeraçãoSeminários - G1 - Primeira e Segunda Geração
Seminários - G1 - Primeira e Segunda Geração
 

Mais de Marcos Abreu

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANOMarcos Abreu
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Marcos Abreu
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptMarcos Abreu
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Marcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosMarcos Abreu
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOMarcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Marcos Abreu
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO Marcos Abreu
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasMarcos Abreu
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoMarcos Abreu
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosMarcos Abreu
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosMarcos Abreu
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Marcos Abreu
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 

Mais de Marcos Abreu (20)

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANO
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .ppt
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
A águia
A águia A águia
A águia
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de Anomalias
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e Qualificação
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de Documentos
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de Documentos
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 

Processos e agregação de valor

  • 1. CCOONNCCEEIITTOO DDEE PPRROOCCEESSSSOO TTAARREEFFAA EE AATTIIVVIIDDAADDEE
  • 2. Controle de Qualidade clássico Entradas (fornecedores) Saídas Processo (clientes) IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDEE RREECCEEBBIIMMEENNTTOO IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDEE PPRROOCCEESSSSOO IINNSSPPEEÇÇÃÃOO FFIINNAALL CCOONNFFIIAABBIILLIIDDAADDEE DDOOSS EEQQUUIIPPAAMMEENNTTOOSS CCOONNFFIIAABBIILLIIDDAADDEE DDOOSS DDAADDOOSS
  • 3. OOOO QQQQUUUUEEEE ÉÉÉÉ UUUUMMMM PPPPRRRROOOOCCCCEEEESSSSSSSSOOOO ???? ““ÉÉ uummaa ssiisstteemmááttiiccaa ddee aaççõõeess ddiirreecciioonnaaddaass ppaarraa aa ccoonnsseeccuuççããoo ddee uummaa mmeettaa””.. ((JJuurraann)) ((SSiisstteemmááttiiccoo,, ccaappaazz,, lleeggííttiimmoo ee oorriieennttaaddoo sseegguunnddoo uummaa mmeettaa)) DDeeffiinniiççããoo ddee PPrroocceessssoo
  • 4. Conceito de Processo Processo é uma série de tarefas logicamente interrelacionadas que quando executadas produzem resultados explícitos Entradas (fornecedores) Saídas (para clientes) Tarefas que agregam valor Valor agregado
  • 5. MMAATTÉÉRRIAIA-P-PRRIMIMAA MMÁÁQQUUININAA MMEEDDIDIDAA Deterioração Instrumento Condições Locais Inspeção Manutenção EFEITO DDeeffiinniiççããoo ddee PPrroocceessssoo Fornecedores Fornecimento próprio Oficina Clima Físico Mental Informação Instrução Procedimento MEIO AMBIENTE MEIO MMÃÃOO-D-DEE-O-OBBRRAA MMÉÉTTOODDOO AMBIENTE CAUSAS Fatores da Qualidade (Itens de Verificação) Características da Qualidade (Itens de Controle) PPRROOCCEESSSSOO AAUUTTOORRIIDDAADDEE RREESSPPOONNSSAABBIILLIIDDAADDEE Fonte: CAMPOS, V. F. TQC - Controle da Qualidade Total (no estilo japonês), FCO/UFMG (1992).
  • 6. PPRROOCCEESSSSOO: um conjunto de causas (meios) com o objetivo de produzir um efeito (um produto) específico. “Uma sistemática de ações voltadas para a consecução de um objetivo.” PPRROOCCEESSSSOO: um conjunto de causas (meios) com o objetivo de produzir um efeito (um produto) específico. “Uma sistemática de ações voltadas para a consecução de um objetivo.” (Juran) ((((MMMMAAAACCCCRRRROOOO))))PPPPRRRROOOOCCCCEEEESSSSSSSSOOOO IINNDDIICCAADDOORREE IINNDDIICCAADDOORREE SS SS CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssoo FFOORRNNEECCEEDDOORREE SS PPPPRRRROOOODDDDUUUUTTTTOOOOSSSS CCCCLLLLIIIIEEEENNNNTTTTEEEESSSS IIIINNNNSSSSUUUUMMMMOOOOSSSS (Juran)
  • 7. CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss  UUmm pprroocceessssoo ppooddee sseerr ddiivviiddiiddoo eemm pprrooccuurraass mmeennoorreess ee eessttaa ddiivviissiibbiilliiddaaddee ee iimmppoorrttaannttee ppoorr ppeerrmmiittiirr qquuee ccaaddaa pprroocceessssoo mmeennoorr sseejjaa ccoonnttrroollaaddoo sseeppaarraaddaammeennttee,, ffaacciilliittaannddoo aa llooccaalliizzaaççããoo ddee ppoossssíívveeiiss pprroobblleemmaass ee aa aattuuaaççããoo nnaass ccaauussaass ddeesstteess pprroobblleemmaass,, oo qquuee rreessuullttaa nnaa ccoonndduuççããoo ddee uumm ccoonnttrroollee mmaaiiss eeffiicciieennttee ddee ttooddoo oo pprroocceessssoo..  PPrroocceessssoo NNíívveell 11  PPrroocceessssoo NNíívveell 22  TTaarreeffaass  AAttiivviiddaaddeess
  • 8. CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss  TTAARREEFFAA TTaarreeffaa éé ccoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess ddiissttiinnttaass rreeaalliizzaaddaass eemm uumm ppoossttoo ddee ttrraabbaallhhoo,, ccoomm oo oobbjjeettiivvoo ddee ccuummpprriirr uummaa ffuunnççããoo.. UUmm ccoonnjjuunnttoo ddee ttaarreeffaass ccoonnssttiittuuii uumm pprroocceessssoo..  AATTIIVVIIDDAADDEE MMeennoorr ddiivviissããoo ddoo ttrraabbaallhhoo,, iissttoo éé,, aa aaççããoo eexxeerrcciiddaa ppeelloo eexxeeccuuttoorr ppaarraa rreeaalliizzaarr uummaa ttaarreeffaa.. UUmm ccoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess ccoonnssttiittuuii uummaa ttaarreeffaa..
  • 9. CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss  PPRROOCCEESSSSOO CCoonnjjuunnttoo ddee ttaarreeffaass ddiissttiinnttaass,, iinntteerrlliiggaaddaass,, vviissaannddoo ccuummpprriirr uummaa mmiissssããoo.. CCoonnjjuunnttoo ddee ccaauussaass qquuee pprroodduuzzeemm uumm oouu mmaaiiss eeffeeiittooss ((pprroodduuttoo)).. DDeeffiinnee--ssee uumm pprroocceessssoo aaggrruuppaannddoo eemm sseeqqüüêênncciiaa ttooddaass aass ttaarreeffaass ddiirriiggiiddaass àà oobbtteennççããoo ddee uumm rreessuullttaaddoo,, bbeemm oouu sseerrvviiççoo.. IIssttoo eeqquuiivvaallee aa ddiizzeerr qquuee uumm pprroocceessssoo éé ccoonnssttiittuuííddoo ddee ppeessssooaass,, eeqquuiippaammeennttooss,, mmaatteerriiaaiiss oouu iinnssuummooss,, mmééttooddooss oouu pprroocceeddiimmeennttooss iinnffoorrmmaaççõõeess ddoo pprroocceessssoo oouu mmeeddiiddaass,, ccoonnddiiççõõeess aammbbiieennttaaiiss,, ccoommbbiinnaaddooss ddee mmooddoo aa ggeerraarr uumm pprroodduuttoo ((bbeemm oouu sseerrvviiççoo)).. UUmmaa sséérriiee ddee ttaarreeffaass ccoorrrreellaattaass ppooddee sseerr cchhaammaaddaa ddee pprroocceessssoo ee uumm ggrruuppoo ddee pprroocceessssooss ccoorrrreellaattooss ppooddee sseerr vviissttoo ccoommoo uumm ssiisstteemmaa.. QQuuaallqquueerr oorrggaanniizzaaççããoo oouu eemmpprreessaa éé uumm pprroocceessssoo ee ddeennttrroo ddeellaa eennccoonnttrraammooss ddiivveerrssooss pprroocceessssooss ddee mmaannuuffaattuurraa oouu sseerrvviiççooss.. UUmm pprroocceessssoo éé ccoonnttrroollaaddoo aattrraavvééss ddooss sseeuuss eeffeeiittooss..
  • 10. CCoonncceeiittoo ddee PPrroocceessssooss  PPrroocceessssoo ((NNBBRR IISSOO 99000011::22000000 -- 33..44..11)) CCoonnjjuunnttoo ddee aattiivviiddaaddeess iinntteerr--rreellaacciioonnaaddaass oouu eemm iinntteerraattiivvaass qquuee ttrraannssffoorrmmaamm iinnssuummooss ((eennttrraaddaass)) eemm pprroodduuttooss ((ssaaííddaass)).. NNoottaa 11 OOss iinnssuummooss ((eennttrraaddaass)) ppaarraa uumm pprroocceessssoo ssããoo ggeerraallmmeennttee pprroodduuttooss ((ssaaííddaass)) ddee oouuttrrooss pprroocceessssooss.. NNoottaa 22 PPrroocceessssooss eemm uummaa oorrggaanniizzaaççããoo ssããoo ggeerraallmmeennttee ppllaanneejjaaddooss ee rreeaalliizzaaddooss ssoobb ccoonnddiiççõõeess ccoonnttrroollaaddaass ppaarraa aaggrreeggaarr vvaalloorr NNoottaa 33 UUmm pprroocceessssoo eemm qquuee aa ccoonnffoorrmmiiddaaddee ddoo pprroodduuttoo rreessuullttaannttee nnããoo ppooddee sseerr pprroonnttaammeennttee oouu eeccoonnoommiiccaammeennttee vveerriiffiiccaaddaa,, éé ffrreeqqüüeenntteemmeennttee cchhaammaaddoo ddee ""pprroocceessssoo eessppeecciiaall""..  PPrroocceessssoo ((FFPPNNQQ)) CCoonnjjuunnttoo ddee rreeccuurrssooss ee aattiivviiddaaddeess iinntteerr--rreellaacciioonnaaddaass qquuee ttrraannssffoorrmmaamm iinnssuummooss ((eennttrraaddaass)) eemm pprroodduuttooss ((ssaaííddaass)).. EEssssaa ttrraannssffoorrmmaaççããoo ddeevvee aaggrreeggaarr vvaalloorr nnaa ppeerrcceeppççããoo ddooss cclliieenntteess ddoo pprroocceessssoo ee eexxiiggee uumm cceerrttoo ccoonnjjuunnttoo ddee rreeccuurrssooss.. OOss rreeccuurrssooss ppooddeemm iinncclluuiirr ppeessssooaall,, ffiinnaannççaass,, iinnssttaallaaççõõeess,, eeqquuiippaammeennttooss,, mmééttooddooss ee ttééccnniiccaass,, nnuummaa sseeqqüüêênncciiaa ddee eettaappaass oouu aaççõõeess ssiisstteemmááttiiccaass.. OO pprroocceessssoo ppooddeerráá eexxiiggiirr qquuee aa sseeqqüüêênncciiaa ddee eettaappaass sseejjaa ddooccuummeennttaaddaa ppoorr mmeeiioo ddee eessppeecciiffiiccaaççõõeess,, ddee pprroocceeddiimmeennttooss ee ddee iinnssttrruuççõõeess ddee ttrraabbaallhhoo,, bbeemm ccoommoo qquuee aass eettaappaass ddee mmeeddiiççããoo ee ccoonnttrroollee sseejjaamm aaddeeqquuaaddaammeennttee ddeeffiinniiddaass..
  • 11. Conceito de Processos Toda Organização é uma coleção de processos que são executados. Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa sem um processo. Nas empresas, embora não estejam documentados (mapeados) em detalhe, eles são conhecidos e executados Ex: Atender ao Pedido do Cliente
  • 12. Conceito de Processos Qualquer que seja nosso posicionamento hierárquico, nós temos um negócio dentro da empresa na qual trabalhamos Processos é o resultado da articulação de: •Pessoas •Instalações •Equipamentos e •Outros recursos (materiais,...)
  • 13. Conceito de Processos Processos são tarefas logicamente rreellaacciioonnaaddaass qquuee,, uussaannddoo rreeccuurrssooss ddoo nneeggóócciioo,, pprroodduuzzeemm rreessuullttaaddooss rreeaaiiss,, aaddiicciioonnaannddoo vvaalloorr aa ccaaddaa eettaappaa.. VVeennddaass PProrodduuççããoo FFininaannççaass ... fronteiras Funcionais e Organizacionais... FFaabbrircicaanntete DDisistrtirbibuuididoor r FFoornrneecceeddoor r CClileienntete ... fronteiras na Cadeia de Suprimentos Estratégico Planejamento Controle Operacional ... fronteiras Hierárquicas... • Processos cruzam...
  • 14. Conceito de Processos CADEIA DE VALOR RECEBIMENTO PRODUÇÃO VENDAS EXPEDIÇÃO FORNECEDORES CLIENTES INFORMAÇÃO OO PPRROOCCEESSSSOO Tarefas Tarefas Tarefas Tarefas A tarefa deve agregar valor ao processo.
  • 15. Conceito de Processos Os processos e a agregação de valor: Sempre que o trabalho humano satisfaz as necessidades das pessoas, ele agrega valor. Então... Agregar valor é agregar satisfação ao seu cliente. Os clientes só pagam por aquilo que na sua percepção tem VALOR
  • 16. Conceito de Processos Criar Valor é aumentar o número de características do seu produto ou serviço, de forma diferenciada do seu concorrente, de forma a transcender a demanda existente criar distinção em todas as esferas de atuação, oferecendo incrementos de valor em cada serviço ou produto oferecido
  • 17. Em geral, organizações estruturadas ppoorr ffuunnççããoo aapprreesseennttaamm ddiiffiiccuullddaaddeess ddee vveerr ooss vváárriiooss pprroocceessssooss qquuee ssããoo ddeesseennvvoollvviiddooss ppaarraa aatteennddeerr ààss nneecceessssiiddaaddeess ddooss CClliieenntteess Visão Funcional Visão de Processo Conceito de Processos
  • 18. Como algumas pessoas enxergam e entendem a Empresa Organograma Estratégias Procedimentos 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 1° Trim. 2° Trim. 3° Trim. 4° Trim. Leste Oeste Norte Itens de Controle E os Processos? E as interfaces???? E as entradas e Saídas??? E as etapas dos processos??? Onde começam e onde terminam??? Como enxergar o todo e não as partes??? Tarefa Tarefa PROCESSO "X" 2 Tarefa 6 Tarefa 3 Tarefa 5 Tarefa 4 Tarefa n 1 1 Conceito de Processos ...
  • 19. Conceito de Processos Para produzir um bem ou serviço necessitamos construir um processo Um processo de negócios é um conjunto de três ações: Processo de Negócio Fornecedor Cliente Introduzir Processar Enviar/Entregar