SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DE
FUNCIONALIDADE
Um novo paradigma de avaliação das
Necessidades Educativas Especiais
CIF – O que é?
Classificação Internacional de Funcionalidade,
Incapacidade e Saúde - CIF;
Integra a “família” das classificações
internacionais da OMS;
Complementar à CID-10 – base etiológica da
doença;
CIF - funcionalidade e incapacidade associada aos
estados de saúde.
CIF – Antecedentes
1980 - Classificação Internacional das
Deficiências, Incapacidades e Desvantagens
(vers. Portuguesa, 1989);
2001 (Maio) a CIF foi aprovada pela OMS -
(vers. Portuguesa, 2003).
CIF
Objectivo Geral
Proporcionar uma linguagem
unificada e padronizada, assim como
uma estrutura de trabalho para a
descrição da saúde e de estados
relacionados com a saúde.
Vantagens
Modelo consensual de classificação da funcionalidade;
Funcionalidade traduz a interacção entre a disfunção (indivíduo),
a limitação das suas actividades (área de intervenção da
educação)
E os factores ambientais que podem ser facilitadores ou barreiras
(área de intervenção social);
É um modelo de análise generalizável à saúde, educação,
segurança social, emprego, etc.
A utilização da CIF concretiza-se através de uma prática
cooperativa - transdisciplinar;
Organiza a participação e colaboração dos diferentes actores;
É um bom suporte para apoiar as interacções entre a escola e os
serviços da comunidade envolvente que pertencem a outros
sistemas.
.../...
CIF
Mudança de paradigma
Biomédico Biopsicossocial
Condições de Saúde
(perturbação ou doença)
Funções e Estrutura Actividade Participação
do Corpo
Factores Ambientais Factores Pessoais
CIF –
Modelo biopsicossocial
CIF – Aspectos Estruturais
A CIF divide-se em 2 partes cada uma com 2
componentes:
Parte 1. Funcionalidade e Incapacidade
a) Funções e Estruturas do Corpo
b) Actividade e Participação
Parte 2. Factores Contextuais
a) Factores Ambientais
b) Factores Pessoais
CIF – Aspectos estruturais
Cada componente pode ser expresso em termos
positivos e negativos.
Cada componente contém vários domínios
(capítulos) e em cada domínio há várias
categorias e sub-categorias que constituem as
unidades de classificação.
Os qualificadores são códigos numéricos que
especificam a extensão ou magnitude da
funcionalidade ou da incapacidade numa
determinada categoria, ou em que medida um
factor ambiental constitui um facilitador
ou uma barreira.
CIF – Aspectos estruturais
Funções do Corpo
Capítulo 1 – Funções Mentais
Capítulo 2 – Funções sensoriais e dor
Capítulo 3 – Funções da voz e da fala
Capítulo 4 – Funções do aparelho cardiovascular, dos
sistemas hematológico e imunológico e do aparelho
respiratório
Capítulo 5 – Funções do aparelho digestivo e dos
sistemas metabólico e endócrino
Capítulo 6 – Funções genitourinárias e reprodutivas
Capítulo 7 – Interacções e relacionamentos
interpessoais
Capítulo 8 – Áreas principais da vida
Capítulo 9 – Vida comunitária, social e cívica
CIF – Aspectos estruturais
Actividade e Participação
Capítulo 1 – Aprendizagem e aplicação de conhecimentos
Capítulo 2 – Tarefas e exigências gerais
Capítulo 3 – Comunicação
Capítulo 4 – Mobilidade
Capítulo 5 – Auto-cuidados
Capítulo 6 – Vida doméstica
Capítulo 7 – Interacções e relacionamentos interpessoais
Capítulo 8 – Áreas principais da vida
Capítulo 9 – Vida comunitária, social e cívica
CIF – Aspectos estruturais
Factores Ambientais
Capítulo 1 – Produtos e tecnologias
Capítulo 2 – Ambiente natural e mudanças ambientais
feitas pelo homem
Capítulo 3 – Apoio e relacionamentos
Capítulo 4 – Atitudes
Capítulo 5 – Serviços, sistemas e políticas
CIF – Utilização
Sistema alfa-numérico
b – funções do corpo
s – estruturas do corpo
d – actividades e participação (pode ser substituído por a
ou p, para designar actividades e participação
respectivamente)
e – factores ambientais
1º código numérico (um dígito) – capítulo
2º código numérico (dois dígitos) – categoria
3º código numérico (um dígito cada) – sub-categorias
CIF – Utilização
Capítulo 1
Funções Mentais
(Funções Mentais Específicas)
b140 - Funções da Atenção
b1400 – manutenção da atenção
b1401 – mudança da atenção
b1402 – divisão da atenção
b1403 – partilha da atenção
b1408 – funções da atenção, outras especificadas
b1409 – funções da atenção, não especificadas
CIF – Utilização
Todos os 3 componentes classificados na CIF são
quantificados através da mesma escala genérica:
xxx.0 – Não há problema 0-4%
xxx.1 – Problema LIGEIRO 5-24%
xxx.2 – Problema MODERADO 25-49%
xxx.3 – Problema GRAVE 50-95%
xxx.4 – Problema COMPLETO 96-100%
xxx.8 – Não especificado
xxx.9 - Não aplicável
Um problema pode significar uma deficiência, limitação,
restrição ou barreira, dependendo do constructo.
CIF – Utilização
Factores Ambientais
Deficiência = Limitação Funcional x Ambiente
Limitação Funcional 1 x Ambiente 0 = 0 Deficiência
Limitação Funcional 5 x Ambiente 0 = 0 Deficiência
Limitação Funcional 1 x Ambiente 1 = 1 Deficiência
Limitação Funcional 5 x Ambiente 5 = 25 Deficiência
Capítulo 1 – Produtos e tecnologias
Capítulo 2 – Ambiente natural e mudanças ambientais
feitas pelo homem
Capítulo 3 – Apoio e relacionamentos
Capítulo 4 – Atitudes
Capítulo 5 – Serviços, sistemas e políticas
Fatores Ambientais
CIF – Utilização
Factores Ambientais - Qualificadores
xxx.0 – NENHUM obstáculo 0-4%
xxx.1 – Obstáculo LEVE 5-24%
xxx.2 – Obstáculo MODERADO 25-49%
xxx.3 – Obstáculo GRAVE 50-95%
xxx.4 – Obstáculo COMPLETO 96-100%
xxx.8 – Obstáculo não especificado
xxx.9 - Não aplicável
xxx.+0 – NENHUM facilitador 0-4%
xxx.+1 – Facilitador LEVE 5-24%
xxx.+2 – Facilitador MODERADO 25-49%
xxx.+3 – Facilitador GRAVE 50-95%
xxx.+4 – Facilitador COMPLETO 96-100%
xxx.+8 – Facilitador não especificado
xxx.9 - Não aplicável
CIF – Utilização
Conceito de NEE
Alunos com NEE
“A designação de alunos com necessidades
educativas especiais refere-se aos alunos que
exigem recursos ou adaptações especiais no
processo de ensino/aprendizagem que não são
comuns à maioria dos alunos da sua idade, por
apresentarem dificuldades ou incapacidades que
se refletem numa ou mais áreas de
aprendizagem.”
Bairrão et al, 1998
Conceito de NEE
Alunos com NEE de carácter prolongado:
“Alunos que experienciam graves dificuldades no
processo de aprendizagem e participação no
contexto escolar, familiar e comunitário decorrentes da
interação entre factores ambientais (físicos, sociais e
atitudinais) e limitações de grau acentuado ao
nível do seu funcionamento num ou mais dos
seguintes domínios:
• sensorial (visão e audição);
• motor;
• cognitivo;
• comunicação, linguagem e fala;
• emocional;
• saúde física”.
DEB/NOEEE
Factores ambientais
(físicos, sociais,
atitudinais)
Alunos com NEE de carácter prolongado
Limitações
acentuadas ao nível
do seu
funcionamento num
ou mais domínios
Conceito de NEE
Dificuldades
acentuadas a
nível da
aprendizagem
e participação
Análise conjunta da informação
Equipa
Pluridisciplinar
e Família
Recolha de
informação
diferenciada
Medidas educativas
especiais a adoptar
Avaliação das NEE
Planificação do Processo
de Avaliação das NEE
Equipa pluridisciplinar
(de composição variável)
Decisões a tomar:
• o que avaliar
• quem avalia
•como se avalia
O que se pretende avaliar?
Perfil de funcionalidade
do Aluno
• funções e estruturas do corpo;
• actividade e participação
Planificação do
processo de avaliação das NEE
por referência à CIF
Factores Ambientais
Barreiras / Facilitadores
Quem avalia?
Funções e
estruturas do corpo
Actividade e
participação
Factores
Ambientais
Equipa Multidisciplinar
Família
Planificação do
processo de avaliação das NEE
por referência à CIF
• Que informação precisamo?
• Qual a fonte de informação? (alunos, professores,
pais, documentos, etc.)
• Quais os instrumentos utilizados ?(grelhas de
observação, questionários, etc.)
Como se avaliar?
Planificação do
processo de avaliação das NEE
por referência à CIF
Instrumentos de Avaliação
 Lista de verificação de comportamentos
 Escalas de graduação
 Entrevistas
 Questionários
 Testes
 Grelhas de registo de produtos do aluno
Planificação do
processo de avaliação das NEE
por referência à CIF
Análise conjunta da informação
Equipa
Pluridisciplinar
e Família
Definição do
Perfil de
Funcionalidade
Decisão
Avaliação das NEE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE
CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDECLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE
CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDESISTEMA WALLACE CONSULTORIA LTDA
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoMel Medina
 
Cif guia do principiante
Cif   guia do principianteCif   guia do principiante
Cif guia do principianteJUSCELIO SILVA
 
Exercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFExercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFCassia Buchalla
 
Avaliação multidimensional do idoso
Avaliação multidimensional do idosoAvaliação multidimensional do idoso
Avaliação multidimensional do idosoJanaina de Paula
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcionalHugo Almeida
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Doença de Parkinson
Doença de ParkinsonDoença de Parkinson
Doença de ParkinsonLaenca Unirg
 
A CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaA CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaCassia Buchalla
 

Mais procurados (20)

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE
CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDECLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE
CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE
 
CIF - perspectivas para fisioterapia
CIF -   perspectivas para fisioterapiaCIF -   perspectivas para fisioterapia
CIF - perspectivas para fisioterapia
 
Doenças Osteoarticulares
Doenças OsteoarticularesDoenças Osteoarticulares
Doenças Osteoarticulares
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
 
Cif guia do principiante
Cif   guia do principianteCif   guia do principiante
Cif guia do principiante
 
Síndrome Femoropatelar
Síndrome FemoropatelarSíndrome Femoropatelar
Síndrome Femoropatelar
 
Dor lombar
Dor lombarDor lombar
Dor lombar
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
 
Exercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFExercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIF
 
Avaliação multidimensional do idoso
Avaliação multidimensional do idosoAvaliação multidimensional do idoso
Avaliação multidimensional do idoso
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcional
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Gigantes Da Geriatria
Gigantes Da GeriatriaGigantes Da Geriatria
Gigantes Da Geriatria
 
Doença de Parkinson
Doença de ParkinsonDoença de Parkinson
Doença de Parkinson
 
Queda do idoso
Queda do idosoQueda do idoso
Queda do idoso
 
Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
 
A CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaA CIF na atenção básica
A CIF na atenção básica
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
 

Semelhante a Cif - breve explicitação

Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIF
Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIFSra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIF
Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIFCarineSousa13
 
Cif uma abordagem ampla
Cif uma abordagem amplaCif uma abordagem ampla
Cif uma abordagem amplaMarcia Orlando
 
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADO
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADOPROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADO
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADOHELENO FAVACHO
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina Bacharelado
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina BachareladoPROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina Bacharelado
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina BachareladoHELENO FAVACHO
 
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdf
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdfProjeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdf
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdfHELENO FAVACHO
 
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]Apres.cif cj [modo de compatibilidade]
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]guardaoteresa
 
Cif crianças e jovens
Cif   crianças e jovensCif   crianças e jovens
Cif crianças e jovensSandramarinagg
 
Manual cif cj-final[1]
Manual cif cj-final[1]Manual cif cj-final[1]
Manual cif cj-final[1]luisa1961
 
Workshop Presentation 2012
Workshop Presentation 2012Workshop Presentation 2012
Workshop Presentation 2012Social iTV
 
Comunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisComunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisCarlos Vaz
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADOHELENO FAVACHO
 

Semelhante a Cif - breve explicitação (14)

Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIF
Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIFSra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIF
Sra. Milena Sperling.pdf fisioterapia CIF
 
Cif uma abordagem ampla
Cif uma abordagem amplaCif uma abordagem ampla
Cif uma abordagem ampla
 
Cif portugues
Cif portuguesCif portugues
Cif portugues
 
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADO
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADOPROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADO
PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_Biomedicina BACHARELADO
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina Bacharelado
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina BachareladoPROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina Bacharelado
PROJETO DE EXTENSÃO I - Biomedicina Bacharelado
 
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdf
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdfProjeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdf
Projeto_de_Extensao_-_PROJETO_DE_EXTENSAO_I_-_BIOMEDICINA.pdf
 
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]Apres.cif cj [modo de compatibilidade]
Apres.cif cj [modo de compatibilidade]
 
Cif crianças e jovens
Cif   crianças e jovensCif   crianças e jovens
Cif crianças e jovens
 
Manual cif cj-final[1]
Manual cif cj-final[1]Manual cif cj-final[1]
Manual cif cj-final[1]
 
Reteirodeavaliacao
ReteirodeavaliacaoReteirodeavaliacao
Reteirodeavaliacao
 
Workshop Presentation 2012
Workshop Presentation 2012Workshop Presentation 2012
Workshop Presentation 2012
 
Comunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisComunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoais
 
2011 cif específica para fisioterapeutas
2011   cif específica para fisioterapeutas2011   cif específica para fisioterapeutas
2011 cif específica para fisioterapeutas
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - NUTRIÇÃO BACHARELADO
 

Mais de mfcpestana

Sensibilização da pea
Sensibilização da peaSensibilização da pea
Sensibilização da peamfcpestana
 
Referenciação e avaliação
Referenciação e avaliaçãoReferenciação e avaliação
Referenciação e avaliaçãomfcpestana
 
Do legislador à prática decreto lei 3 2008 de 7 de janeiro
Do legislador à prática decreto   lei 3 2008 de 7 de janeiroDo legislador à prática decreto   lei 3 2008 de 7 de janeiro
Do legislador à prática decreto lei 3 2008 de 7 de janeiromfcpestana
 
Apresentação dec lei 3-2008
Apresentação dec lei 3-2008Apresentação dec lei 3-2008
Apresentação dec lei 3-2008mfcpestana
 
Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17mfcpestana
 
Doc13 paa final 12 13
Doc13 paa final 12 13Doc13 paa final 12 13
Doc13 paa final 12 13mfcpestana
 
Doc8a estetisticas csh
Doc8a estetisticas cshDoc8a estetisticas csh
Doc8a estetisticas cshmfcpestana
 
Doc15 resultados escolares 2012_2013
Doc15 resultados escolares 2012_2013Doc15 resultados escolares 2012_2013
Doc15 resultados escolares 2012_2013mfcpestana
 
Doc11a estatisticas expressoes
Doc11a estatisticas expressoesDoc11a estatisticas expressoes
Doc11a estatisticas expressoesmfcpestana
 
Doc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1cicloDoc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1ciclomfcpestana
 
Doc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1cicloDoc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1ciclomfcpestana
 
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013Doc10 relatório agrupamento 2012 2013
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013mfcpestana
 
Doc7c estatisticas matematica
Doc7c estatisticas matematicaDoc7c estatisticas matematica
Doc7c estatisticas matematicamfcpestana
 
Doc6c estatisticas linguas
Doc6c estatisticas linguasDoc6c estatisticas linguas
Doc6c estatisticas linguasmfcpestana
 
Doc4 itens questionários ige
Doc4 itens questionários igeDoc4 itens questionários ige
Doc4 itens questionários igemfcpestana
 
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubaDoc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubamfcpestana
 
Doc10a análise dos resultados 1.ºc
Doc10a análise dos resultados 1.ºcDoc10a análise dos resultados 1.ºc
Doc10a análise dos resultados 1.ºcmfcpestana
 
Doc11 relatorio aval 3p 12 13 dep expressões
Doc11 relatorio aval 3p 12 13  dep expressõesDoc11 relatorio aval 3p 12 13  dep expressões
Doc11 relatorio aval 3p 12 13 dep expressõesmfcpestana
 

Mais de mfcpestana (20)

Sensibilização da pea
Sensibilização da peaSensibilização da pea
Sensibilização da pea
 
Referenciação e avaliação
Referenciação e avaliaçãoReferenciação e avaliação
Referenciação e avaliação
 
Do legislador à prática decreto lei 3 2008 de 7 de janeiro
Do legislador à prática decreto   lei 3 2008 de 7 de janeiroDo legislador à prática decreto   lei 3 2008 de 7 de janeiro
Do legislador à prática decreto lei 3 2008 de 7 de janeiro
 
Apresentação dec lei 3-2008
Apresentação dec lei 3-2008Apresentação dec lei 3-2008
Apresentação dec lei 3-2008
 
Dec 3 2008
Dec 3 2008Dec 3 2008
Dec 3 2008
 
Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17
 
Doc13 paa final 12 13
Doc13 paa final 12 13Doc13 paa final 12 13
Doc13 paa final 12 13
 
Doc8a estetisticas csh
Doc8a estetisticas cshDoc8a estetisticas csh
Doc8a estetisticas csh
 
Doc15 resultados escolares 2012_2013
Doc15 resultados escolares 2012_2013Doc15 resultados escolares 2012_2013
Doc15 resultados escolares 2012_2013
 
Doc11a estatisticas expressoes
Doc11a estatisticas expressoesDoc11a estatisticas expressoes
Doc11a estatisticas expressoes
 
Doc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1cicloDoc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1ciclo
 
Doc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1cicloDoc10b estetisticas 1ciclo
Doc10b estetisticas 1ciclo
 
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013Doc10 relatório agrupamento 2012 2013
Doc10 relatório agrupamento 2012 2013
 
Doc7c estatisticas matematica
Doc7c estatisticas matematicaDoc7c estatisticas matematica
Doc7c estatisticas matematica
 
Doc6c estatisticas linguas
Doc6c estatisticas linguasDoc6c estatisticas linguas
Doc6c estatisticas linguas
 
Doc4 itens questionários ige
Doc4 itens questionários igeDoc4 itens questionários ige
Doc4 itens questionários ige
 
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubaDoc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
 
Caf educacao
Caf educacaoCaf educacao
Caf educacao
 
Doc10a análise dos resultados 1.ºc
Doc10a análise dos resultados 1.ºcDoc10a análise dos resultados 1.ºc
Doc10a análise dos resultados 1.ºc
 
Doc11 relatorio aval 3p 12 13 dep expressões
Doc11 relatorio aval 3p 12 13  dep expressõesDoc11 relatorio aval 3p 12 13  dep expressões
Doc11 relatorio aval 3p 12 13 dep expressões
 

Último

Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 

Último (20)

Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

Cif - breve explicitação

  • 1. CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE Um novo paradigma de avaliação das Necessidades Educativas Especiais
  • 2. CIF – O que é? Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde - CIF; Integra a “família” das classificações internacionais da OMS; Complementar à CID-10 – base etiológica da doença; CIF - funcionalidade e incapacidade associada aos estados de saúde.
  • 3. CIF – Antecedentes 1980 - Classificação Internacional das Deficiências, Incapacidades e Desvantagens (vers. Portuguesa, 1989); 2001 (Maio) a CIF foi aprovada pela OMS - (vers. Portuguesa, 2003).
  • 4. CIF Objectivo Geral Proporcionar uma linguagem unificada e padronizada, assim como uma estrutura de trabalho para a descrição da saúde e de estados relacionados com a saúde.
  • 5. Vantagens Modelo consensual de classificação da funcionalidade; Funcionalidade traduz a interacção entre a disfunção (indivíduo), a limitação das suas actividades (área de intervenção da educação) E os factores ambientais que podem ser facilitadores ou barreiras (área de intervenção social); É um modelo de análise generalizável à saúde, educação, segurança social, emprego, etc. A utilização da CIF concretiza-se através de uma prática cooperativa - transdisciplinar; Organiza a participação e colaboração dos diferentes actores; É um bom suporte para apoiar as interacções entre a escola e os serviços da comunidade envolvente que pertencem a outros sistemas. .../...
  • 7. Condições de Saúde (perturbação ou doença) Funções e Estrutura Actividade Participação do Corpo Factores Ambientais Factores Pessoais CIF – Modelo biopsicossocial
  • 8. CIF – Aspectos Estruturais A CIF divide-se em 2 partes cada uma com 2 componentes: Parte 1. Funcionalidade e Incapacidade a) Funções e Estruturas do Corpo b) Actividade e Participação Parte 2. Factores Contextuais a) Factores Ambientais b) Factores Pessoais
  • 9. CIF – Aspectos estruturais Cada componente pode ser expresso em termos positivos e negativos. Cada componente contém vários domínios (capítulos) e em cada domínio há várias categorias e sub-categorias que constituem as unidades de classificação. Os qualificadores são códigos numéricos que especificam a extensão ou magnitude da funcionalidade ou da incapacidade numa determinada categoria, ou em que medida um factor ambiental constitui um facilitador ou uma barreira.
  • 10. CIF – Aspectos estruturais Funções do Corpo Capítulo 1 – Funções Mentais Capítulo 2 – Funções sensoriais e dor Capítulo 3 – Funções da voz e da fala Capítulo 4 – Funções do aparelho cardiovascular, dos sistemas hematológico e imunológico e do aparelho respiratório Capítulo 5 – Funções do aparelho digestivo e dos sistemas metabólico e endócrino Capítulo 6 – Funções genitourinárias e reprodutivas Capítulo 7 – Interacções e relacionamentos interpessoais Capítulo 8 – Áreas principais da vida Capítulo 9 – Vida comunitária, social e cívica
  • 11. CIF – Aspectos estruturais Actividade e Participação Capítulo 1 – Aprendizagem e aplicação de conhecimentos Capítulo 2 – Tarefas e exigências gerais Capítulo 3 – Comunicação Capítulo 4 – Mobilidade Capítulo 5 – Auto-cuidados Capítulo 6 – Vida doméstica Capítulo 7 – Interacções e relacionamentos interpessoais Capítulo 8 – Áreas principais da vida Capítulo 9 – Vida comunitária, social e cívica
  • 12. CIF – Aspectos estruturais Factores Ambientais Capítulo 1 – Produtos e tecnologias Capítulo 2 – Ambiente natural e mudanças ambientais feitas pelo homem Capítulo 3 – Apoio e relacionamentos Capítulo 4 – Atitudes Capítulo 5 – Serviços, sistemas e políticas
  • 13. CIF – Utilização Sistema alfa-numérico b – funções do corpo s – estruturas do corpo d – actividades e participação (pode ser substituído por a ou p, para designar actividades e participação respectivamente) e – factores ambientais 1º código numérico (um dígito) – capítulo 2º código numérico (dois dígitos) – categoria 3º código numérico (um dígito cada) – sub-categorias
  • 14. CIF – Utilização Capítulo 1 Funções Mentais (Funções Mentais Específicas) b140 - Funções da Atenção b1400 – manutenção da atenção b1401 – mudança da atenção b1402 – divisão da atenção b1403 – partilha da atenção b1408 – funções da atenção, outras especificadas b1409 – funções da atenção, não especificadas
  • 15. CIF – Utilização Todos os 3 componentes classificados na CIF são quantificados através da mesma escala genérica: xxx.0 – Não há problema 0-4% xxx.1 – Problema LIGEIRO 5-24% xxx.2 – Problema MODERADO 25-49% xxx.3 – Problema GRAVE 50-95% xxx.4 – Problema COMPLETO 96-100% xxx.8 – Não especificado xxx.9 - Não aplicável Um problema pode significar uma deficiência, limitação, restrição ou barreira, dependendo do constructo.
  • 16. CIF – Utilização Factores Ambientais Deficiência = Limitação Funcional x Ambiente Limitação Funcional 1 x Ambiente 0 = 0 Deficiência Limitação Funcional 5 x Ambiente 0 = 0 Deficiência Limitação Funcional 1 x Ambiente 1 = 1 Deficiência Limitação Funcional 5 x Ambiente 5 = 25 Deficiência
  • 17. Capítulo 1 – Produtos e tecnologias Capítulo 2 – Ambiente natural e mudanças ambientais feitas pelo homem Capítulo 3 – Apoio e relacionamentos Capítulo 4 – Atitudes Capítulo 5 – Serviços, sistemas e políticas Fatores Ambientais CIF – Utilização
  • 18. Factores Ambientais - Qualificadores xxx.0 – NENHUM obstáculo 0-4% xxx.1 – Obstáculo LEVE 5-24% xxx.2 – Obstáculo MODERADO 25-49% xxx.3 – Obstáculo GRAVE 50-95% xxx.4 – Obstáculo COMPLETO 96-100% xxx.8 – Obstáculo não especificado xxx.9 - Não aplicável xxx.+0 – NENHUM facilitador 0-4% xxx.+1 – Facilitador LEVE 5-24% xxx.+2 – Facilitador MODERADO 25-49% xxx.+3 – Facilitador GRAVE 50-95% xxx.+4 – Facilitador COMPLETO 96-100% xxx.+8 – Facilitador não especificado xxx.9 - Não aplicável CIF – Utilização
  • 19. Conceito de NEE Alunos com NEE “A designação de alunos com necessidades educativas especiais refere-se aos alunos que exigem recursos ou adaptações especiais no processo de ensino/aprendizagem que não são comuns à maioria dos alunos da sua idade, por apresentarem dificuldades ou incapacidades que se refletem numa ou mais áreas de aprendizagem.” Bairrão et al, 1998
  • 20. Conceito de NEE Alunos com NEE de carácter prolongado: “Alunos que experienciam graves dificuldades no processo de aprendizagem e participação no contexto escolar, familiar e comunitário decorrentes da interação entre factores ambientais (físicos, sociais e atitudinais) e limitações de grau acentuado ao nível do seu funcionamento num ou mais dos seguintes domínios: • sensorial (visão e audição); • motor; • cognitivo; • comunicação, linguagem e fala; • emocional; • saúde física”. DEB/NOEEE
  • 21. Factores ambientais (físicos, sociais, atitudinais) Alunos com NEE de carácter prolongado Limitações acentuadas ao nível do seu funcionamento num ou mais domínios Conceito de NEE Dificuldades acentuadas a nível da aprendizagem e participação
  • 22. Análise conjunta da informação Equipa Pluridisciplinar e Família Recolha de informação diferenciada Medidas educativas especiais a adoptar Avaliação das NEE
  • 23. Planificação do Processo de Avaliação das NEE Equipa pluridisciplinar (de composição variável) Decisões a tomar: • o que avaliar • quem avalia •como se avalia
  • 24. O que se pretende avaliar? Perfil de funcionalidade do Aluno • funções e estruturas do corpo; • actividade e participação Planificação do processo de avaliação das NEE por referência à CIF Factores Ambientais Barreiras / Facilitadores
  • 25. Quem avalia? Funções e estruturas do corpo Actividade e participação Factores Ambientais Equipa Multidisciplinar Família Planificação do processo de avaliação das NEE por referência à CIF
  • 26. • Que informação precisamo? • Qual a fonte de informação? (alunos, professores, pais, documentos, etc.) • Quais os instrumentos utilizados ?(grelhas de observação, questionários, etc.) Como se avaliar? Planificação do processo de avaliação das NEE por referência à CIF
  • 27. Instrumentos de Avaliação  Lista de verificação de comportamentos  Escalas de graduação  Entrevistas  Questionários  Testes  Grelhas de registo de produtos do aluno Planificação do processo de avaliação das NEE por referência à CIF
  • 28. Análise conjunta da informação Equipa Pluridisciplinar e Família Definição do Perfil de Funcionalidade Decisão Avaliação das NEE