Workshop Básico de Direção de Arte

8.198 visualizações

Publicada em

Apresentação com algumas dicas para estudantes de comunicação que queiram trabalhar com diereção de arte. Esse material foi feito para um workshop realizado na Mercatto Comunicação. (www.mercattando.com)

Publicada em: Design
3 comentários
22 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
173
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
677
Comentários
3
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Workshop Básico de Direção de Arte

  1. 1. Cria concepção artística visual de uma peça publicitária, criando um padrão estético específico, passando assim a mensagem da melhor forma possível ao target. Em outras palavras, exercer o design (forma + função). O diretor de arte deve ter conhecimentos e ferramentas necessárias para desenvolver seu trabalho em sua plenitude. direção de arte
  2. 2. Como conhecimentos alguns são mais importantes e se tornam essenciais no exercício da função. Dentre eles estão: - Estudo e aplicabilidade de cores - Tipologia - Manipulação de imagens digitais - Funcionalidade e aplicabilidade de mídias - Relação de elementos gráficos (hierarquia de elementos, estrutura e equilíbrio) conhecimentos de direção de arte
  3. 3. estudo e aplicabilidade de cores Cores frias Cores quentes
  4. 4. estudo e aplicabilidade de cores Cores análogas Cores complementares
  5. 5. estudo e aplicabilidade de cores em publicidade Combinações sugeridas - Kuler kuler.adobe.com/ Dica: Cada elemento tem uma cor, mas o todo, o resultado final deve ser levado em consideração para a harmonia da peça.
  6. 6. estudo e aplicabilidade de cores em publicidade Exemplos anúncios - Harmonia Cores complementares Cores análogas
  7. 7. estudo e aplicabilidade de cores em publicidade Exemplos anúncios - Chamativo Cores Quentes e Análogas
  8. 8. estudo e aplicabilidade de cores em publicidade Exemplos anúncios - Tecnológico Cores Frias e Análogas
  9. 9. tipologia Um dos elementos de maior importância para o entendimento da mensagem. Dependendo da utilização tem peso maior ou menor na peça, no entanto, é de grande valia para se passar um conceito, sensação e também dando maior unidade nas campanhas. Para qualquer diretor de arte que se preze é essencial possuir um banco de fontes para cada uso. Além das divisões tradicionais (manuscritas, serifadas, sem serifa, fantasia) geralmente se utiliza na prática 2 tipos de divisões: - Fontes funcionais - Fontes características
  10. 10. tipologia - Fontes funcionais As fontes funcionais como o próprio nome sugere, são utilizadas em diversas ocasiões, inclusive em textos corridos e são as fontes mais importantes pois tem uso eclético. Fontes funcionais Tradicionais Fontes funcionais Diferenciadas IMPORTANTE: Mesmo as fontes funcionais requerem moderação em seu uso, principalmente as diferenciadas.
  11. 11. tipologia - Fontes características As fontes características tem um uso mais limitado, porém fornece exclusividade à peça. Fontes características IMPORTANTE: Geralmente as fontes características são utilizadas em títulos Ou logos, e selos.
  12. 12. tipologia Exemplos Anúncios – All type O texto assume a forma, se tornando uma imagem.
  13. 13. tipologia Exemplos Anúncios – Fonte funcional diferenciada O anúncio assumiu a fonte baseada no tipo do cliente.
  14. 14. tipologia Exemplos Anúncios – Fonte característica – All Type O anúncio utilizou uma fonte característica e ao lado do packshot uma fonte funcional.
  15. 15. tipologia Exemplos Logos – Fonte funcional Os logos utilizam fontes funcionais como base.
  16. 16. tipologia Exemplos Logos – Fonte característica Os logos utilizam fontes características como recurso de diferenciá-las.
  17. 17. manipulação de imagens É preciso saber manipular imagens no Photoshop para criar e conseguir materializar uma idéia, da mais simples a mais elaborada. Para isso, além do conhecimento básico do software, e seus recursos, é preciso conhecer alguns pontos antes de começar uma manipulação. -Ter uma idéia do resultado final (pré visualizar antes de começar) - Planejamento de tempo (por não sermos estúdio de manipulação, precisamos prever o tempo que utilizaremos, otimizando-o) - Fonte de imagens, texturas, referências, filtros e brushes - Boa noção de iluminação - Treino, tutoriais, e muito treino
  18. 18. manipulação de imagens Exemplos:
  19. 19. manipulação de imagens Exemplos:
  20. 20. manipulação de imagens Exemplos: ATENDIMENTO: As manipulações são demoradas! Para fazer um teste, sente um dia ao lado de um diretor de arte e acompanhe uma do início ao fim.
  21. 21. Cada meio tem suas particularidades, tempo de leitura, quantidade de informações e formatos . Conhecer cada um deles é de extrema necessidade para que se consiga atingir o objetivo de conseguir comunicar com o público sem ruídos. Como campanha geralmente temos alguns meios pré definidos que serão listados abaixo de acordo com cada um dos quesitos mencionados: funcionalidade e aplicabilidade de mídias Tempo de leitura: Outdoor/front < Cartaz < Anúncio Jornal/Revista < Folder O tempo médio de leitura dos meios, influencia diretamente no próximo item, quantidade de informação. Quantidade de informação Outdoor/front < Cartaz/Anúncio Jornal/Revista < Folder
  22. 22. funcionalidade e aplicabilidade de mídias Exemplos práticos – O que não fazer
  23. 23. Chegamos ao ponto mais crítico e talvez um dos mais importantes quando falamos em direção de arte. Ter todos os elementos gráficos, conseguir harmonizá-los de forma a guiar o olhar do público alvo. Balancear e equilibrar os elementos. Saber qual o meio e conseguir utilizar os recursos de cor, tipologia, imagem trazendo unidade e o mais importante, comunicando de forma unificada. Existe no entanto uma série de fatores que facilitam na hora de diagramar/criar a peça em questão. - Organização de elementos - Re-organização de elementos (adaptação de formatos) - Unidade de campanha (peças) - Harmonia e equilíbrio - Quantidade do texto - Leitura do texto relação de elementos gráficos
  24. 24. Organização de elementos Um layout com seus elementos organizados e alinhados traz respiro, leveza e se torna agradável. Variando a estrutura do layout, sempre começando da esquerda para a direita. Geralmente os elementos que compõem o layout são: - Imagem - Texto (título e informação complementar) - Assinatura/Packshot relação de elementos gráficos
  25. 25. relação de elementos gráficos Imagem/fundo Geralmente a proporção do fundo segue um padrão 4:3, para facilitar sua adaptação nas demais peças. IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao fundo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão; foco principal
  26. 26. relação de elementos gráficos Adaptações de fundo Anuncio Revista página dupla IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão;
  27. 27. relação de elementos gráficos Adaptações de fundo Anuncio Revista página simples IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão;
  28. 28. relação de elementos gráficos Adaptações de fundo Anuncio de Jornal ½ página IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão;
  29. 29. relação de elementos gráficos Adaptações de fundo Outdoor / Front IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão;
  30. 30. relação de elementos gráficos Texto É sempre bom estar em sintonia com o redator, pois o texto interfere diretamente a direção de arte, o preenchimento e distribuição dos espaços. IMPORTANTE: Se não for trabalhar com uma fonte funcional, evite utilizar fontes que dificultem a leitura, principalmente em peças com menor tempo de visualização. (texto corrido)
  31. 31. relação de elementos gráficos Texto Muitas vezes nos deparamos com conflitos entre fundo e texto, visualização. Existem recursos básicos que podem solucionar os problemas, além do contraste. REGRA: FUNDO CLARO > FONTE ESCURA FUNDO ESCURO > FONTE CLARA
  32. 32. relação de elementos gráficos Strip Para limpar área da peça, tanto para texto quanto para assinatura. IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão; IMPORTANTE: Evite utilizar strip em peças sem muita área vertical, como por exemplo outdoors e fronts.
  33. 33. relação de elementos gráficos Box Também limpa a área do anúncio, porém há possibilidade de se trabalhar com espaço menor, sem afetar a assinatura. IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão; IMPORTANTE: Evite utilizar muitos boxes para não ´varejar´ a peça. De preferência sempre tente limpar a imagem de fundo para maior contraste com o texto.
  34. 34. relação de elementos gráficos Assinatura O objetivo final da leitura da peça. De nada adianta a peça ficar boa e não saber de quem é. A premissa é a mesma do texto, no que se diz respeito ao contraste com o fundo IMPORTANTE 1: Seguir sempre o Manual de Identidade Visual da Marca para aplicações. IMPORTANTE 2: Em campanhas de lançamento da marca, use sempre a versão original, mesmo que tenha que utilizar box ou strip.
  35. 35. relação de elementos gráficos Aplicações sobre fundo IMPORTANTE: Toda imagem tem um foco principal, dividindo-se em vários focos principais de atenção em relação ao funo. Na imagem acima, a casa. De preferência, não utilizar mais que 2 focos para dispersar a visão;
  36. 36. relação de elementos gráficos Imagem/fundo Texto Assinatura IMPORTANTE: Todos os elementos trabalham juntos para dar equilíbrio a peça, assim como a imagem que geralmente se equilibra com o texto.
  37. 37. relação de elementos gráficos Estudos de organização de elementos – Leitura em “” O título e subtítulo pesam na área superior esquerda, guiando até a parte inferior direita se utilizando da imagem.
  38. 38. relação de elementos gráficos Estudos de organização de elementos – Leitura em “L” 1 z A imagem equilibra o layout, dando peso na área inferior esquerda
  39. 39. relação de elementos gráficos Estudos de organização de elementos – Leitura em “L” 2 z A imagem participa ativamente na leitura, guiando sempre até a assinatura.
  40. 40. relação de elementos gráficos Estudos de organização de elementos – Leitura em “Z” O título segue até o final da página e a imagem participa da leitura até o canto inferior direito (assinatura).
  41. 41. relação de elementos gráficos Estudos de organização de elementos – Leitura Centralizada Com a centralização dos elementos, leva-se em consideração também a simetria dos lados, e geralmente é utilizado em anúncio página simples, e não dupla.
  42. 42. Adaptações de formato | Organização dos elementos Todo layout possui uma estrutura básica e já definida. Possui também os elementos que dão unidade a campanha. Para se adaptar bem as peças, otimizando todo o espaço é preciso compreender bem os dois pontos anteriormente citados, respeitando-os e realizando as alterações necessárias, de acordo com o meio, com a necessidade. relação de elementos gráficos - Em ´Z´ - Foco na imagem da casa - Tipologia - Filtro e cor do fundo Estrutura Elemento de unidade
  43. 43. relação de elementos gráficos IMPORTANTE: Geralmente o texto é alterado de uma peça para outra, se reduz por exemplo para outdoor, e se adiciona para folder.
  44. 44. Não tem como um piloto ser campeão e não conhecer o carro. Não tem como um D.A. ser bom sem saber mexer bem com os softwares desktop. Além de trabalhar bem com AI, OS, ID, o diretor de arte deve ter um vasto banco dados e referências, de preferência organizado. Lembrando que, referência se usa para sacar tendências, SE INSPIRAR, e não COPIAR. -Texturas - Fotos em alta - Fotos em média com variedade de opção - Vetores - Logos e marcas - Fontes - Tutoriais - Referências Anúncios - Referências Filmes - Perguntar quando não souber ferramentas de direção de arte
  45. 45. Obrigado pela atenção

×