SlideShare uma empresa Scribd logo
Alterações estruturais e/ou funcionais do sistema circulatório
que culminam com disfunção do fluxo de sangue. Portanto,
podem estar comprometidas desde a estrutura das cavidades
do coração até a anatomia dos vasos da base.
Essas alterações ocorrem essencialmente por um defeito na
formação embrionária do sistema cardiocirculatório.
(SARMENTO,GEORGE)
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Os principais eventos para formação do sistema
cardiovascular ocorre na 3° á 6° semana de gestação:
 Septação dos Átrios e Ventrículos
 Septação do canal atrioventricular
 Grandes vasos da base
Processo de má-formação na diferenciação celular
Altera o desenvolvimento do coração e das estruturas
adjacentes
Alterações na velocidade e direção do fluxo de sangue para os
diversos órgãos e sistemas
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Na maioria das vezes é impossível detectar a causa direta da
má-formação, mas existem fatores que predispõem as doenças
cardíacas de origem embrionária. (SARMENTO,GEORGE)
 Rubéola materna
 Uso de drogas
 Uso de medicamentos teratogênicos
 Exposição a radiação
 Alterações genéticas (SD, de Marfan, Turner)
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A época de apresentação e a sintomatologia associada
dependem da natureza e gravidade do defeito
anatômico, lesão estrutural e das alterações na fisiologia
cardiovascular (Cloherty,John).
 Cianose
 ICC (Insuficiência cardíaca congestiva)
 Sopro cardíaco assintomático
 Arritmia
 Sudorese
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestreCardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
 Ecocardiograma fetal
 Ultra-sonografia obstétrica
As malformações estruturais do coração e
vasos da base ocorrem em 8 de cada 1000
nascidos vivos , portanto são inúmeras as
vantagens em se afastar ou reconhecer as
anormalidades cardíacas fetais
(Cloherty,John).
Qualquer que seja a cardiopatia congênita em questão, ela se relaciona
diretamente com alterações no fluxo sanguíneo pulmonar, promovendo
modificações temporárias ou permanentes da estrutura do pulmão. Dessa forma
podemos classificá-las em cardiopatias de hiperfluxo ou hipofluxo pulmonar
(Cloherty,John):
Hiperfluxo pulmonar - patologias que acarretam shunt da esquerda para direita,
ocasionando aumento do fluxo sanguíneo para o pulmão.
Hipofluxo pulmonar - patologias causam obstrução ou oclusão que ocasiona a
diminuição do fluxo sanguíneo para o pulmão.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Alteração Hemodinâmica
Mistura de sangue no sentido da esquerda para direita, ou seja, quando o
sangue venoso recebe sangue arterializado. (Shunt esquerda-direita)
Hiperfluxo no território vascular pulmonar
Defeitos intracardíacos nos grandes vasos.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Defeito do septo interatrial, portanto como a pressão do átrio
direito é menor que no átrio esquerdo, ocorre shunt
esquerda-direta, que provoca hiperfluxo pulmonar.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Fonte:http://www.brunorocha.com.br/portal/?p=120
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Essa comunicação corresponde de 10 a 15% das cardiopatias
congênitas e é mais freqüente no sexo feminino, podendo ser
muitas vezes assintomática.
O tratamento cirúrgico é indicado quando o defeito é muito
grande e com repercussão clínica importante, como dispnéia e
infecções pulmonares de repetição.
Defeito cardíaco no septo interventricular.
O fluxo sanguíneo é desviado para o VD e
ganha a circulação pulmonar, que tem seu
fluxo aumentado o que culmina em
elevação da pressão da capilar pulmonar
de tal forma que a resistência pulmonar
pode elevar-se em curto período de
tempo.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Fonte: http://coracao2010.blogspot.com/2010/02/comunicacao-
interventricular.html
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Esta é a má-formação congênita mais freqüente, 25% a
35% e também a causa mais comum de ICC
(Insuficiência cardíaca congestiva).
90% das CIV fecha-se espontaneamente nos primeiros
meses de vida.
Canal arterial: situado entre a
bifurcação da artéria pulmonar e o
início da aorta descendente, o canal
arterial tem papel fundamental
durante a vida intra-uterina, pois é
através dele que a maior parte do
sangue que chega ao coração direito
atinge a circulação sistêmica do feto.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Fonte: Coleção Veja,Corpo Humano
Permite um fluxo contínuo de sangue da aorta para o
pulmão, causando hiperfluxo pulmonar.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Fonte: http://www.santalucia.com.br/cardiologia/canal/canal.htm
O fechamento funcional do canal arterial no recém-nascido a
termo ocorre com 12 a 15 horas de vida, e o permanente,
com 5 a 7 dias, alcançando, em alguns casos, até o 21º dia.
A persistência sintomática do canal arterial é definida pela
presença do sopro cardíaco, pela taquicardia, pelo precórdio
hiperdinâmico e pelo aumento da amplitude de pulso.
 Aumento do débito ventricular esquerdo
 Aumento do volume e pressão diastólica final
 Elevação da pressão atrial
Congestão pulmonar
Insuficiência Cardíaca
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Medicamentos que induzam o
fechamento do canal (Indometacina)
e se necessário cirurgia.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
O desmame da ventilação
mecânica e do O2 é difícil nestes
casos pois aumenta o risco de
displasia broncopulmonar a qual
leva à hipertensão pulmonar (Cor
pulmonale) que por sua vez é
causa de ICC (falência do
ventrículo direito).
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Na Coarctação de aorta, encontra-se
um estreitamento da aorta em sua
porção torácica descendente.
Anormalidades cardíacas associadas
a CoAo são comuns:
40% Comunicação interventricular
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Com estreitamento da aorta, a passagem de
sangue torna-se dificultosa, causando
aumento da pressão nas artérias do cérebro e
MMSS e diminuição da pressão nas de MMII.
O aumento da pós-carga do ventrículo esquerdo pode
provocar hipertrofia e dilatação Insuficiência cardíaca.
A estenose da válvula aórtica é uma redução da
abertura da válvula aórtica que aumenta a resistência à
passagem do fluxo de sangue do ventrículo esquerdo
para a aorta.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Na estenose Valvar Aórtica, o mesmo tempo que o ventrículo
esquerdo tenta bombear sangue suficiente através da válvula
aórtica estreitada, a sua parede vai-se espessando, o que provoca
um aumento das necessidades de sangue procedente das artérias
coronárias.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A cianose é uma coloração
azulada da pele causada por
uma oxigenação insuficiente
do sangue.
Fonte:
http://picasaweb.google.com/lh/photo/ayB0kmUJLx_9XN2ZP_7ZZA
Caracteriza-se anatomicamente por quatro defeitos fundamentais:
 Dextroposição da aorta; Aorta que se sobrepõe ao defeito septal
ventricular
 Obstrução da via de saída do ventrículo direito; Diminuição de
diâmetro do trato de saída do ventrículo direito
 Comunicação interventricular
 Hipertrofia do ventrículo direito
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Os defeitos anatômicos resultam em
sangue insuficientemente oxigenado
bombeado para o corpo, o que leva a
uma cianose, dispnéia, e hipóxia.
A hipóxia é encontrada com
freqüência, predispondo os pacientes
a AVE.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A Tetralogia de Fallot é uma cardiopatia congênita
que exige precoce correção cirúrgica e uma
eficiente recuperação pós-operatória.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
O sangue do retorno venoso que ganha o ventrículo
direito encontra uma obstrução na sua via de saída, o
que diminui o fluxo pulmonar.
Com a dextroposição da aorta, o sangue venoso passar
para aorta ascendente misturando-se com o sangue
arterial.
Todas essas alterações provocam o hipofluxo pulmonar,
culminando em hipóxia e cianose.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A anomalia de Ebstein é uma cardiopatia congênita, caracterizada
por uma malformação da válvula tricúspide cuja abertura é
deslocada em direção ao ápice do ventrículo direito.
Dessa forma, quando o pequeno
ventrículo direito se contrai, o
sangue reflui pela valva
atrioventricular direita, o que torna
o átrio direito dilatado.
Quanto maior for o refluxo, mais
grave será a insuficiência cardíaca
congestiva, e conseqüentemente
mais grave a cardiopatia.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A anomalia de Ebstein pode vir
associada a outras cardiopatias,
como os defeitos dos septos
interatrial e interventricular, que
freqüentemente decorre de um
distúrbio de condução (Síndrome
de Wolf-Parkinson).
Podendo desta forma o RN cursar
com taquicardia supraventricular
paroxística.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Nessa malformação congênita a aorta se origina no VD e a
artéria pulmonar no VE.
O sangue pulmonar oxigenado circula nos pulmões sem
chegar ao corpo, e o sangue desoxigenado circula pelo
corpo sem chegar aos pulmões Cianose.
Para que esses RN sobrevivam, devem existir outros
defeitos associados que permitem a comunicação entre as
circulações sistêmica e pulmonar PCA
A persistência do canal arterial pode ser induzida de forma
medicamentosa com o uso de infusão contínua de
prostaglandina, até que seja realizado o procedimento
cirúrgico.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
 Cianose progressiva após as primeiras horas de vida
 Hipoxemia grave
 Acidose metabólica evolutiva
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Considerada a cardiopatia congênita de mais alto risco, a
atresia pulmonar caracteriza-se por apresentar uma valva
pulmonar imperfurada ou atrésica.
* Mais de 90% dos pacientes apresentam CIV ( Comunicação Interventricular)
O sistema circulatório pulmonar não
recebe sangue, o que torna a atresia
pulmonar incompatível com a vida,
exceto se houver persistência do canal
arterial que supre o fluxo pulmonar.
Portanto diz-se que a atresia pulmonar
é uma cardiopatia canal-dependente,
ou seja, se o canal arterial fechar, a
criança vai a óbito.
Cardiopatia Canal-Dependente
Após alguns dias do nascimento, a tendência de
encerramento do canal arterial induz ao agravamento
da cianose, que nestas crianças está presente desde o
nascimento. Além desse canal logo se tornar pequeno
para manter o débito pulmonar, exigindo a alternativa
cirúrgica o mais rápido possível.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
O DSAV é decorrente da incompleta fusão
dos coxins endocárdicos, que são estruturas
que fazem parte da formação do coração,
desenvolvidas na fase embrionária.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Essa anomalia corresponde a
cerca de 5% das cardiopatias
congênitas e está relacionada
com a Síndrome de Down.
Aproximadamente 15 a 20%
das crianças com essa
síndrome portam DSAV.
Fonte:http://clareardown.blogspot.com/2011/04/clara-e-
dsav-total-cardiopatia.html
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Os coxins endocárdicos contribuem normalmente para a
separação das câmaras do coração durante o desenvolvimento fetal.
As câmaras superiores (átrios) são separadas por uma parede muscular
(septo),conhecida como septo atrial.As câmaras inferiores (ventrículos) são
separadas por uma parede muscular chamada septo interventricular.
A valva tricúspide separa a AD do VD e valva mitral separa AE do VE.
Coração Normal
Coração com CIA
Qualquer anormalidade nesses coxins endocárdicos alteram
a estrutura das câmeras do coração, podendo causar
Insuficiência cardíaca.
O tratamento da cardiopatia
envolve o controle da ICC e
correção cirúrgica para
reconstrução das valvas
atrioventriculares até os seis
meses de vida.
Fonte:http://clareardown.blogspot.com/2011/04/clara-e-
dsav-total-cardiopatia.html
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
No geral, o tratamento dessas cardiopatias são de
correção do defeito estrutural através de cirurgia. O
objetivo é corrigir o defeito e suprir os segmentos
pulmonares com fluxo sangüíneo irregular, permitindo
dessa forma a sobrevivência e a melhor qualidade de vida
para os RN.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A fisioterapia é de grande importância no período pré e
pós-operatório, a fim de atingir condições clínicas que
permitam manuseio das repercussões respiratórias e
motoras das internações freqüentes e sequelas.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
 Avaliação
São avaliadas as repercussões respiratórias das cardiopatias congênitas.
 Estabilização e manutenção da função respiratória
Evitando infecções pulmonares ou de via aérea superior
 Ausculta pulmonar
Ferramenta de avaliação contínua para localização de secreção na via aérea.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A higiene brônquica e redução do
desconforto respiratório, a fim de evitar
infecções, propiciar conforto e condições
para melhora da oxigenação é de grande
importância para correção cirúrgica do RN.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
 Colapso alveolar
 Risco elevado de infecção respiratória
 Alterações na integridade da caixa torácica
 Alterações na biomecânica dos músculos respiratórios
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A criança em pós-operatório é admitida na UTI intubada
e sob efeito anestésico, assim sendo o primeiro contato
do fisioterapeuta visa estabelecer os parâmetros da
ventilação mecânica e avaliar as condições de ventilação
da mesma.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Ventilação mecânica
Manter pérvia a via aérea, a fim de abreviar o tempo de ventilação
mecânica e prevenir complicações respiratórias.
Manobras de higiene brônquica
 Vibrocompressão
 Drenagem postural
 Bag squezing
 AFE – Aumento do fluxo expiratório
 ELPr – Expiração lenta e prolongada
Fonte: http://www.inspirar.com.br/cascavel/?p=339
O hiperfluxo pulmonar nos portadores de cardiopatias
congênitas pode provocar mudança na mecânica pulmonar,
aumentando o trabalho respiratório e o consumo de oxigênio,
com agravo da insuficiência cardíaca.
Portanto, deve-se fazer uma minuciosa avaliação prévia para que se
possa realizar um atendimento fisioterapêutico eficaz e seguro,
trazendo um mínimo de repercussões respiratórias e/ou
hemodinâmicas. E este é o principal motivo para que o suporte
ventilatório dessas crianças, quando necessário, deve-se obter total
cuidado e cautela.
http://www.hupaaufal.org/index.php?option=com_content&view
De modo geral, pode-se dizer que os principais objetivos da
fisioterapia em crianças que cursam com quadros de aumentos
excessivos na pressão de artéria pulmonar estão na possibilidade
de ofertar níveis adequados de oxigênio, tendo em vista a sua
característica vasodilatadora pulmonar e evitar elevações na
concentração de gás carbônico arterial, uma vez que esta
substância é considerada um potente vasoconstritor pulmonar.
Manobras de Desobstrução Brônquica
A higiene brônquica é fundamental para que se possa minimizar o
acúmulo de secreção brônquica, porém determinadas manobras
para desobstrução brônquica, podem desencadear uma
hiperatividade brônquica, que evolui para um broncoespasmo e
piora o quadro de hipertensão pulmonar.
Deve-se considerar a real necessidade da terapia e,
mesmo que momentaneamente possa haver um
aumento da pressão intratorácica, posteriormente, o
estado geral da criança será beneficiado pela
minimização das secreções brônquicas, manutenção dos
volumes e capacidades pulmonares e redução da
hipoxemia. Além disso, é possível reduzir a hipercapnia
com manobras que busquem a higiene brônquica e a
expansibilidade pulmonar.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A principal recomendação para o sucesso no pós-
operatório imediato é a manutenção da oxigenação
adequada. Porém os casos que apresentam hipertensão
pulmonar são tratados com especial atenção sob ponto
de vista da oxigenação, uma vez que a diminuição desta
pode provocar aumento súbito da pressão capital
pulmonar, cujas conseqüências podem ser letais.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
A manipulação excessiva da cânula com a criança agitada pode,
além da extubação acidental, precipitar um processo
inflamatório.
O posicionamento da criança também deve ser levado em
consideração, deixando-as em decúbito elevado, a fim de
favorecer a mecânica respiratória e a hemodinâmica, reduzindo
assim a pós-carga ventricular.
Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
Após o tratamento cirúrgico e alcançada a instabilidade
hemodinâmica, a criança é transferida para unidade de enfermaria.
Onde nessa fase, o fisioterapeuta deve observar o restabelecimento
e a adequação da motricidade e o desenvolvimento psicomotor,
utilizando técnicas de estimulação sensório-motora convencionais.
O avanço das técnicas cirúrgicas e o aperfeiçoamento do tratamento
fisioterapêutico, promovendo a manutenção da oxigenação
adequada, através de manobras ou equipamentos de ventilação a fim
de propiciar conforto e condições para melhor oxigenação é de suma
importância, pois é através destes que podemos alcançar a
estabilidade hemodinâmica e respiratória da criança.
Comunicação Interatrial.
Disponível em:http://www.bibliomed.com.br/book/showdoc.cfm?bookid=159&bookcatid=3&bookchptrid=8358
Acesso em: 18 de maio,2011.
Valvulopatias
Disponível em: http://www.manualmerck.net/?id=45&cn=644
Acesso em: 19 de maio,2011
Doenças congênitas
Disponível em:http://www.ebah.com.br/content/ABAAABrW8AK/doencas-congenitas
Acesso em: 10 de maio,2011
Persistência do canal arterial
Disponível em: http://www.brunorocha.com.br/portal/?p=142
Acesso em: 10 de maio,2011
Cardiopatias Congênitas
Disponível em: http://portaldacirurgiacardiaca.com.br/materias.php?c=infarto-do-miocardio&e=77
Acesso em: 18 de maio,2011
Cardiopatias congênitas Acianogênicas
Disponível em: http://www.drpaulomiranda.net/home/home.asp?furl=cardioimagens.asp
Acesso em: 20 de maio,2011
Persistência do canal arterial em recém-nascidos prematuros. Nelson Miyague
Disponível em: http://www.inspirar.com.br/revista/2010/06/comparacao-dos-parametros-
clinicos-na-fisioterapia-respiratoria-de-criancas-com-cardiopatia-congenita/
Fatores associados ao insucesso no desmame ventilatório de crianças submetidas a
cirurgia cardíaca pediátrica;
Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-
Fisioterapia na hipertensão pulmonar; Dra. Jacqueline Bertagna do Nascimento
Disponível em: http://www.institutopaulistano.com/artigos/fisioterapia-hipertensao-pulmonar
Doenças congênitas Disponível em: http://www.pted.org/?id=sp/list#1
Acesso em:4 jun,2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - OrtopediaAula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
David Sadigursky
 
Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicasCardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
resenfe2013
 
Aula Cardiopatias congênitas
Aula   Cardiopatias congênitasAula   Cardiopatias congênitas
Aula Cardiopatias congênitas
Viviane Fernandes
 
Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
resenfe2013
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Inglid Fontoura
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
César Milani
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Laped Ufrn
 
Cardiopatias Congênitas Cianogênicas
Cardiopatias Congênitas CianogênicasCardiopatias Congênitas Cianogênicas
Cardiopatias Congênitas Cianogênicas
Sueli Mazzero Polizel
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Karen Kaline
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Paulo Alambert
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Patricia de Rossi
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 

Mais procurados (20)

Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - OrtopediaAula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
 
Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicasCardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
 
Aula Cardiopatias congênitas
Aula   Cardiopatias congênitasAula   Cardiopatias congênitas
Aula Cardiopatias congênitas
 
Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
Cardiopatias Congênitas Cianogênicas
Cardiopatias Congênitas CianogênicasCardiopatias Congênitas Cianogênicas
Cardiopatias Congênitas Cianogênicas
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 

Destaque

Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Mel Medina
 
Cardiopatias congenitas (3)
Cardiopatias congenitas (3)Cardiopatias congenitas (3)
Cardiopatias congenitas (3)
Fierroangelica
 
Ataque Cardíaco - Morte Súbita
Ataque Cardíaco - Morte SúbitaAtaque Cardíaco - Morte Súbita
Ataque Cardíaco - Morte Súbita
Cidio Halperin
 
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USPCardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
João Antônio Granzotti
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
Professor Robson
 
Cardiopatias
 Cardiopatias Cardiopatias
Cardiopatias
Frederico Custodio
 
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiroUltrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Iared
 
Dor no pescoço e dor irradiada para o braço
Dor no pescoço e dor irradiada para o braçoDor no pescoço e dor irradiada para o braço
Dor no pescoço e dor irradiada para o braço
pauloalambert
 
Slide Idoso
Slide IdosoSlide Idoso
Slide Idoso
Rosangela Gomes
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
Omar Mohamad Abdallah
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
Carol Alves
 

Destaque (16)

Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
 
Cardiopatias congenitas (3)
Cardiopatias congenitas (3)Cardiopatias congenitas (3)
Cardiopatias congenitas (3)
 
Ataque Cardíaco - Morte Súbita
Ataque Cardíaco - Morte SúbitaAtaque Cardíaco - Morte Súbita
Ataque Cardíaco - Morte Súbita
 
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USPCardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
Cardiopatias com hiperfluxo pulmonar FMRP USP
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
 
Cardiopatias
 Cardiopatias Cardiopatias
Cardiopatias
 
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiroUltrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
 
Dor no pescoço e dor irradiada para o braço
Dor no pescoço e dor irradiada para o braçoDor no pescoço e dor irradiada para o braço
Dor no pescoço e dor irradiada para o braço
 
Slide Idoso
Slide IdosoSlide Idoso
Slide Idoso
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Cinesioterapia
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 

Semelhante a CARDIOPATIAS CONGÊNITAS RN

Fisioterapia Neonatal
Fisioterapia NeonatalFisioterapia Neonatal
Fisioterapia Neonatal
Mel Medina
 
Fisioterapia Neonatal
Fisioterapia NeonatalFisioterapia Neonatal
Fisioterapia Neonatal
Mel Medina
 
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíacaAnestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
gisa_legal
 
Cardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas originalCardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas original
Carlos Carvalho
 
Cardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas originalCardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas original
Carlos Carvalho
 
Ecg nos rn e na 1° infância
Ecg nos rn e na 1° infânciaEcg nos rn e na 1° infância
Ecg nos rn e na 1° infância
gisa_legal
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
gisa_legal
 
Bruna e de caso
Bruna e de casoBruna e de caso
Bruna e de caso
Bruna Larissa Almeida
 
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdfSistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
0001animes
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
gisa_legal
 
Modificações cardiovasculares durante a infância
Modificações cardiovasculares durante a infânciaModificações cardiovasculares durante a infância
Modificações cardiovasculares durante a infância
João Antônio Granzotti
 
Enfcardio04
Enfcardio04Enfcardio04
Enfcardio04
Claudio Viegas
 
Valvulopatia
ValvulopatiaValvulopatia
Valvulopatia
Laiz Cristina
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 
cardiovascular
cardiovascular cardiovascular
cardiovascular
Drª Sandra silva
 
ICC nas CC do adulto
ICC nas CC do adultoICC nas CC do adulto
ICC nas CC do adulto
gisa_legal
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 
Desproporção ventricular
Desproporção ventricularDesproporção ventricular
Desproporção ventricular
gisa_legal
 
DAVVPP e SIA íntegro.
DAVVPP e SIA íntegro.DAVVPP e SIA íntegro.
DAVVPP e SIA íntegro.
gisa_legal
 
Dapvvpp e sia íntegro.
Dapvvpp e sia íntegro.Dapvvpp e sia íntegro.
Dapvvpp e sia íntegro.
gisa_legal
 

Semelhante a CARDIOPATIAS CONGÊNITAS RN (20)

Fisioterapia Neonatal
Fisioterapia NeonatalFisioterapia Neonatal
Fisioterapia Neonatal
 
Fisioterapia Neonatal
Fisioterapia NeonatalFisioterapia Neonatal
Fisioterapia Neonatal
 
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíacaAnestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
Anestesia para criança cardiopata submetida à cirurgia não cardíaca
 
Cardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas originalCardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas original
 
Cardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas originalCardiopatias congênitas original
Cardiopatias congênitas original
 
Ecg nos rn e na 1° infância
Ecg nos rn e na 1° infânciaEcg nos rn e na 1° infância
Ecg nos rn e na 1° infância
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
 
Bruna e de caso
Bruna e de casoBruna e de caso
Bruna e de caso
 
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdfSistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
Sistema Cardiovascular anatomia dos sistemas.pdf
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
 
Modificações cardiovasculares durante a infância
Modificações cardiovasculares durante a infânciaModificações cardiovasculares durante a infância
Modificações cardiovasculares durante a infância
 
Enfcardio04
Enfcardio04Enfcardio04
Enfcardio04
 
Valvulopatia
ValvulopatiaValvulopatia
Valvulopatia
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 
cardiovascular
cardiovascular cardiovascular
cardiovascular
 
ICC nas CC do adulto
ICC nas CC do adultoICC nas CC do adulto
ICC nas CC do adulto
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 
Desproporção ventricular
Desproporção ventricularDesproporção ventricular
Desproporção ventricular
 
DAVVPP e SIA íntegro.
DAVVPP e SIA íntegro.DAVVPP e SIA íntegro.
DAVVPP e SIA íntegro.
 
Dapvvpp e sia íntegro.
Dapvvpp e sia íntegro.Dapvvpp e sia íntegro.
Dapvvpp e sia íntegro.
 

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS RN

  • 1.
  • 2. Alterações estruturais e/ou funcionais do sistema circulatório que culminam com disfunção do fluxo de sangue. Portanto, podem estar comprometidas desde a estrutura das cavidades do coração até a anatomia dos vasos da base. Essas alterações ocorrem essencialmente por um defeito na formação embrionária do sistema cardiocirculatório. (SARMENTO,GEORGE) Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 3. Os principais eventos para formação do sistema cardiovascular ocorre na 3° á 6° semana de gestação:  Septação dos Átrios e Ventrículos  Septação do canal atrioventricular  Grandes vasos da base
  • 4. Processo de má-formação na diferenciação celular Altera o desenvolvimento do coração e das estruturas adjacentes Alterações na velocidade e direção do fluxo de sangue para os diversos órgãos e sistemas Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 5. Na maioria das vezes é impossível detectar a causa direta da má-formação, mas existem fatores que predispõem as doenças cardíacas de origem embrionária. (SARMENTO,GEORGE)  Rubéola materna  Uso de drogas  Uso de medicamentos teratogênicos  Exposição a radiação  Alterações genéticas (SD, de Marfan, Turner) Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 6. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A época de apresentação e a sintomatologia associada dependem da natureza e gravidade do defeito anatômico, lesão estrutural e das alterações na fisiologia cardiovascular (Cloherty,John).  Cianose  ICC (Insuficiência cardíaca congestiva)  Sopro cardíaco assintomático  Arritmia  Sudorese
  • 7. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestreCardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre  Ecocardiograma fetal  Ultra-sonografia obstétrica As malformações estruturais do coração e vasos da base ocorrem em 8 de cada 1000 nascidos vivos , portanto são inúmeras as vantagens em se afastar ou reconhecer as anormalidades cardíacas fetais (Cloherty,John).
  • 8. Qualquer que seja a cardiopatia congênita em questão, ela se relaciona diretamente com alterações no fluxo sanguíneo pulmonar, promovendo modificações temporárias ou permanentes da estrutura do pulmão. Dessa forma podemos classificá-las em cardiopatias de hiperfluxo ou hipofluxo pulmonar (Cloherty,John): Hiperfluxo pulmonar - patologias que acarretam shunt da esquerda para direita, ocasionando aumento do fluxo sanguíneo para o pulmão. Hipofluxo pulmonar - patologias causam obstrução ou oclusão que ocasiona a diminuição do fluxo sanguíneo para o pulmão. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 9.
  • 10. Alteração Hemodinâmica Mistura de sangue no sentido da esquerda para direita, ou seja, quando o sangue venoso recebe sangue arterializado. (Shunt esquerda-direita) Hiperfluxo no território vascular pulmonar Defeitos intracardíacos nos grandes vasos. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 11. Defeito do septo interatrial, portanto como a pressão do átrio direito é menor que no átrio esquerdo, ocorre shunt esquerda-direta, que provoca hiperfluxo pulmonar. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 12. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Fonte:http://www.brunorocha.com.br/portal/?p=120
  • 13. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Essa comunicação corresponde de 10 a 15% das cardiopatias congênitas e é mais freqüente no sexo feminino, podendo ser muitas vezes assintomática. O tratamento cirúrgico é indicado quando o defeito é muito grande e com repercussão clínica importante, como dispnéia e infecções pulmonares de repetição.
  • 14. Defeito cardíaco no septo interventricular. O fluxo sanguíneo é desviado para o VD e ganha a circulação pulmonar, que tem seu fluxo aumentado o que culmina em elevação da pressão da capilar pulmonar de tal forma que a resistência pulmonar pode elevar-se em curto período de tempo. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 15. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Fonte: http://coracao2010.blogspot.com/2010/02/comunicacao- interventricular.html
  • 16. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Esta é a má-formação congênita mais freqüente, 25% a 35% e também a causa mais comum de ICC (Insuficiência cardíaca congestiva). 90% das CIV fecha-se espontaneamente nos primeiros meses de vida.
  • 17. Canal arterial: situado entre a bifurcação da artéria pulmonar e o início da aorta descendente, o canal arterial tem papel fundamental durante a vida intra-uterina, pois é através dele que a maior parte do sangue que chega ao coração direito atinge a circulação sistêmica do feto. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Fonte: Coleção Veja,Corpo Humano
  • 18. Permite um fluxo contínuo de sangue da aorta para o pulmão, causando hiperfluxo pulmonar. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Fonte: http://www.santalucia.com.br/cardiologia/canal/canal.htm
  • 19. O fechamento funcional do canal arterial no recém-nascido a termo ocorre com 12 a 15 horas de vida, e o permanente, com 5 a 7 dias, alcançando, em alguns casos, até o 21º dia. A persistência sintomática do canal arterial é definida pela presença do sopro cardíaco, pela taquicardia, pelo precórdio hiperdinâmico e pelo aumento da amplitude de pulso.
  • 20.  Aumento do débito ventricular esquerdo  Aumento do volume e pressão diastólica final  Elevação da pressão atrial Congestão pulmonar Insuficiência Cardíaca Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 21. Medicamentos que induzam o fechamento do canal (Indometacina) e se necessário cirurgia. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre O desmame da ventilação mecânica e do O2 é difícil nestes casos pois aumenta o risco de displasia broncopulmonar a qual leva à hipertensão pulmonar (Cor pulmonale) que por sua vez é causa de ICC (falência do ventrículo direito).
  • 22. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Na Coarctação de aorta, encontra-se um estreitamento da aorta em sua porção torácica descendente. Anormalidades cardíacas associadas a CoAo são comuns: 40% Comunicação interventricular
  • 23. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Com estreitamento da aorta, a passagem de sangue torna-se dificultosa, causando aumento da pressão nas artérias do cérebro e MMSS e diminuição da pressão nas de MMII.
  • 24. O aumento da pós-carga do ventrículo esquerdo pode provocar hipertrofia e dilatação Insuficiência cardíaca.
  • 25. A estenose da válvula aórtica é uma redução da abertura da válvula aórtica que aumenta a resistência à passagem do fluxo de sangue do ventrículo esquerdo para a aorta. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 26. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Na estenose Valvar Aórtica, o mesmo tempo que o ventrículo esquerdo tenta bombear sangue suficiente através da válvula aórtica estreitada, a sua parede vai-se espessando, o que provoca um aumento das necessidades de sangue procedente das artérias coronárias.
  • 27.
  • 28. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A cianose é uma coloração azulada da pele causada por uma oxigenação insuficiente do sangue. Fonte: http://picasaweb.google.com/lh/photo/ayB0kmUJLx_9XN2ZP_7ZZA
  • 29. Caracteriza-se anatomicamente por quatro defeitos fundamentais:  Dextroposição da aorta; Aorta que se sobrepõe ao defeito septal ventricular  Obstrução da via de saída do ventrículo direito; Diminuição de diâmetro do trato de saída do ventrículo direito  Comunicação interventricular  Hipertrofia do ventrículo direito Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 30. Os defeitos anatômicos resultam em sangue insuficientemente oxigenado bombeado para o corpo, o que leva a uma cianose, dispnéia, e hipóxia. A hipóxia é encontrada com freqüência, predispondo os pacientes a AVE. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A Tetralogia de Fallot é uma cardiopatia congênita que exige precoce correção cirúrgica e uma eficiente recuperação pós-operatória.
  • 31. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre O sangue do retorno venoso que ganha o ventrículo direito encontra uma obstrução na sua via de saída, o que diminui o fluxo pulmonar. Com a dextroposição da aorta, o sangue venoso passar para aorta ascendente misturando-se com o sangue arterial.
  • 32. Todas essas alterações provocam o hipofluxo pulmonar, culminando em hipóxia e cianose.
  • 33. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A anomalia de Ebstein é uma cardiopatia congênita, caracterizada por uma malformação da válvula tricúspide cuja abertura é deslocada em direção ao ápice do ventrículo direito.
  • 34. Dessa forma, quando o pequeno ventrículo direito se contrai, o sangue reflui pela valva atrioventricular direita, o que torna o átrio direito dilatado. Quanto maior for o refluxo, mais grave será a insuficiência cardíaca congestiva, e conseqüentemente mais grave a cardiopatia.
  • 35. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A anomalia de Ebstein pode vir associada a outras cardiopatias, como os defeitos dos septos interatrial e interventricular, que freqüentemente decorre de um distúrbio de condução (Síndrome de Wolf-Parkinson). Podendo desta forma o RN cursar com taquicardia supraventricular paroxística.
  • 36. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Nessa malformação congênita a aorta se origina no VD e a artéria pulmonar no VE. O sangue pulmonar oxigenado circula nos pulmões sem chegar ao corpo, e o sangue desoxigenado circula pelo corpo sem chegar aos pulmões Cianose.
  • 37.
  • 38. Para que esses RN sobrevivam, devem existir outros defeitos associados que permitem a comunicação entre as circulações sistêmica e pulmonar PCA A persistência do canal arterial pode ser induzida de forma medicamentosa com o uso de infusão contínua de prostaglandina, até que seja realizado o procedimento cirúrgico. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 39. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre  Cianose progressiva após as primeiras horas de vida  Hipoxemia grave  Acidose metabólica evolutiva
  • 40. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Considerada a cardiopatia congênita de mais alto risco, a atresia pulmonar caracteriza-se por apresentar uma valva pulmonar imperfurada ou atrésica. * Mais de 90% dos pacientes apresentam CIV ( Comunicação Interventricular)
  • 41. O sistema circulatório pulmonar não recebe sangue, o que torna a atresia pulmonar incompatível com a vida, exceto se houver persistência do canal arterial que supre o fluxo pulmonar. Portanto diz-se que a atresia pulmonar é uma cardiopatia canal-dependente, ou seja, se o canal arterial fechar, a criança vai a óbito.
  • 42. Cardiopatia Canal-Dependente Após alguns dias do nascimento, a tendência de encerramento do canal arterial induz ao agravamento da cianose, que nestas crianças está presente desde o nascimento. Além desse canal logo se tornar pequeno para manter o débito pulmonar, exigindo a alternativa cirúrgica o mais rápido possível. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 43. O DSAV é decorrente da incompleta fusão dos coxins endocárdicos, que são estruturas que fazem parte da formação do coração, desenvolvidas na fase embrionária. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 44. Essa anomalia corresponde a cerca de 5% das cardiopatias congênitas e está relacionada com a Síndrome de Down. Aproximadamente 15 a 20% das crianças com essa síndrome portam DSAV. Fonte:http://clareardown.blogspot.com/2011/04/clara-e- dsav-total-cardiopatia.html Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 45. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Os coxins endocárdicos contribuem normalmente para a separação das câmaras do coração durante o desenvolvimento fetal. As câmaras superiores (átrios) são separadas por uma parede muscular (septo),conhecida como septo atrial.As câmaras inferiores (ventrículos) são separadas por uma parede muscular chamada septo interventricular. A valva tricúspide separa a AD do VD e valva mitral separa AE do VE.
  • 46. Coração Normal Coração com CIA Qualquer anormalidade nesses coxins endocárdicos alteram a estrutura das câmeras do coração, podendo causar Insuficiência cardíaca.
  • 47. O tratamento da cardiopatia envolve o controle da ICC e correção cirúrgica para reconstrução das valvas atrioventriculares até os seis meses de vida. Fonte:http://clareardown.blogspot.com/2011/04/clara-e- dsav-total-cardiopatia.html Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 48.
  • 49. No geral, o tratamento dessas cardiopatias são de correção do defeito estrutural através de cirurgia. O objetivo é corrigir o defeito e suprir os segmentos pulmonares com fluxo sangüíneo irregular, permitindo dessa forma a sobrevivência e a melhor qualidade de vida para os RN. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 50. A fisioterapia é de grande importância no período pré e pós-operatório, a fim de atingir condições clínicas que permitam manuseio das repercussões respiratórias e motoras das internações freqüentes e sequelas. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 51.  Avaliação São avaliadas as repercussões respiratórias das cardiopatias congênitas.  Estabilização e manutenção da função respiratória Evitando infecções pulmonares ou de via aérea superior  Ausculta pulmonar Ferramenta de avaliação contínua para localização de secreção na via aérea. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 52. A higiene brônquica e redução do desconforto respiratório, a fim de evitar infecções, propiciar conforto e condições para melhora da oxigenação é de grande importância para correção cirúrgica do RN. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre
  • 53.  Colapso alveolar  Risco elevado de infecção respiratória  Alterações na integridade da caixa torácica  Alterações na biomecânica dos músculos respiratórios
  • 54. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A criança em pós-operatório é admitida na UTI intubada e sob efeito anestésico, assim sendo o primeiro contato do fisioterapeuta visa estabelecer os parâmetros da ventilação mecânica e avaliar as condições de ventilação da mesma.
  • 55. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Ventilação mecânica Manter pérvia a via aérea, a fim de abreviar o tempo de ventilação mecânica e prevenir complicações respiratórias. Manobras de higiene brônquica  Vibrocompressão  Drenagem postural  Bag squezing  AFE – Aumento do fluxo expiratório  ELPr – Expiração lenta e prolongada
  • 56. Fonte: http://www.inspirar.com.br/cascavel/?p=339 O hiperfluxo pulmonar nos portadores de cardiopatias congênitas pode provocar mudança na mecânica pulmonar, aumentando o trabalho respiratório e o consumo de oxigênio, com agravo da insuficiência cardíaca.
  • 57. Portanto, deve-se fazer uma minuciosa avaliação prévia para que se possa realizar um atendimento fisioterapêutico eficaz e seguro, trazendo um mínimo de repercussões respiratórias e/ou hemodinâmicas. E este é o principal motivo para que o suporte ventilatório dessas crianças, quando necessário, deve-se obter total cuidado e cautela. http://www.hupaaufal.org/index.php?option=com_content&view
  • 58. De modo geral, pode-se dizer que os principais objetivos da fisioterapia em crianças que cursam com quadros de aumentos excessivos na pressão de artéria pulmonar estão na possibilidade de ofertar níveis adequados de oxigênio, tendo em vista a sua característica vasodilatadora pulmonar e evitar elevações na concentração de gás carbônico arterial, uma vez que esta substância é considerada um potente vasoconstritor pulmonar.
  • 59. Manobras de Desobstrução Brônquica A higiene brônquica é fundamental para que se possa minimizar o acúmulo de secreção brônquica, porém determinadas manobras para desobstrução brônquica, podem desencadear uma hiperatividade brônquica, que evolui para um broncoespasmo e piora o quadro de hipertensão pulmonar.
  • 60. Deve-se considerar a real necessidade da terapia e, mesmo que momentaneamente possa haver um aumento da pressão intratorácica, posteriormente, o estado geral da criança será beneficiado pela minimização das secreções brônquicas, manutenção dos volumes e capacidades pulmonares e redução da hipoxemia. Além disso, é possível reduzir a hipercapnia com manobras que busquem a higiene brônquica e a expansibilidade pulmonar.
  • 61. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A principal recomendação para o sucesso no pós- operatório imediato é a manutenção da oxigenação adequada. Porém os casos que apresentam hipertensão pulmonar são tratados com especial atenção sob ponto de vista da oxigenação, uma vez que a diminuição desta pode provocar aumento súbito da pressão capital pulmonar, cujas conseqüências podem ser letais.
  • 62. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre A manipulação excessiva da cânula com a criança agitada pode, além da extubação acidental, precipitar um processo inflamatório. O posicionamento da criança também deve ser levado em consideração, deixando-as em decúbito elevado, a fim de favorecer a mecânica respiratória e a hemodinâmica, reduzindo assim a pós-carga ventricular.
  • 63. Cardiopatias Congênitas do RN; Fisioterapia Neonatal; 6° semestre Após o tratamento cirúrgico e alcançada a instabilidade hemodinâmica, a criança é transferida para unidade de enfermaria. Onde nessa fase, o fisioterapeuta deve observar o restabelecimento e a adequação da motricidade e o desenvolvimento psicomotor, utilizando técnicas de estimulação sensório-motora convencionais.
  • 64. O avanço das técnicas cirúrgicas e o aperfeiçoamento do tratamento fisioterapêutico, promovendo a manutenção da oxigenação adequada, através de manobras ou equipamentos de ventilação a fim de propiciar conforto e condições para melhor oxigenação é de suma importância, pois é através destes que podemos alcançar a estabilidade hemodinâmica e respiratória da criança.
  • 65.
  • 66. Comunicação Interatrial. Disponível em:http://www.bibliomed.com.br/book/showdoc.cfm?bookid=159&bookcatid=3&bookchptrid=8358 Acesso em: 18 de maio,2011. Valvulopatias Disponível em: http://www.manualmerck.net/?id=45&cn=644 Acesso em: 19 de maio,2011 Doenças congênitas Disponível em:http://www.ebah.com.br/content/ABAAABrW8AK/doencas-congenitas Acesso em: 10 de maio,2011 Persistência do canal arterial Disponível em: http://www.brunorocha.com.br/portal/?p=142 Acesso em: 10 de maio,2011 Cardiopatias Congênitas Disponível em: http://portaldacirurgiacardiaca.com.br/materias.php?c=infarto-do-miocardio&e=77 Acesso em: 18 de maio,2011 Cardiopatias congênitas Acianogênicas Disponível em: http://www.drpaulomiranda.net/home/home.asp?furl=cardioimagens.asp Acesso em: 20 de maio,2011
  • 67. Persistência do canal arterial em recém-nascidos prematuros. Nelson Miyague Disponível em: http://www.inspirar.com.br/revista/2010/06/comparacao-dos-parametros- clinicos-na-fisioterapia-respiratoria-de-criancas-com-cardiopatia-congenita/ Fatores associados ao insucesso no desmame ventilatório de crianças submetidas a cirurgia cardíaca pediátrica; Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- Fisioterapia na hipertensão pulmonar; Dra. Jacqueline Bertagna do Nascimento Disponível em: http://www.institutopaulistano.com/artigos/fisioterapia-hipertensao-pulmonar Doenças congênitas Disponível em: http://www.pted.org/?id=sp/list#1 Acesso em:4 jun,2011