Esporte e rendimento com nosso video

4.547 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.547
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
176
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esporte e rendimento com nosso video

  1. 1. Esporte
  2. 2. O Esporte Escolar tem sido um tema polêmico quando se trata de sua inclusão nas aulas de Educação Física. Em decorrência da infiltração cada vez maior do esporte de competição como produto de importação dos países industrializados na educação física escolar e no mundo.
  3. 3. <ul><li>Com base em BRACHT (2000), o esporte tem sido </li></ul><ul><li>o conteúdo hegemônico das aulas e se tornou a expressão dominante da cultura corporal </li></ul><ul><li>do movimento do mundo moderno. A partir dos anos de 1980 a literatura tem questionado </li></ul><ul><li>o caráter alienante da educação física na escola e proposto alternativas metodológicas </li></ul><ul><li>atreladas às transformações sociais, econômicas, políticas objetivando desta forma, a </li></ul><ul><li>superação das desigualdades sociais </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Segundo Valter Bracht “o esporte moderno refere-se a uma atividade corporal de movimento com caráter competitivo surgida no âmbito da cultura européia por volta do século 18, resultante de um processo de modificação de elementos da cultura corporal de movimentos das classes populares e da nobreza inglesas cujas características básicas são a competição , o rendimento físico-tecnico, o recorde , a racionalização e a cientificização do treinamento </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Valter Bracht cita Huizinga, afirmando,que este já advertia para o risco de o esporte corromper características fundamentais do jogo como a espontaneidade e a despreocupação , racionalizando o lúdico </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Tubino (1993) afirma que o esporte-educação, também chamado de esporte </li></ul><ul><li>educacional, não deve ser compreendido como uma extensão do esporte-performance para a </li></ul><ul><li>escola. Ao contrário, em vez de reproduzir o esporte de rendimento, esta manifestação deve </li></ul><ul><li>ser mais um processo educativo na formação dos jovens, uma preparação para o exercício da </li></ul><ul><li>cidadania. O esporte-educação tem um caráter formativo, por isso, ele deve ser desenvolvido </li></ul><ul><li>na infância e na adolescência, na escola e fora dela, com a participação de todos, evitando a </li></ul><ul><li>seletividade e a competição acirrada . </li></ul>
  6. 6. <ul><li>No seu desenvolvimento conseqüente no interior desta cultura o esporte assumiu </li></ul><ul><li>suas características básicas: competição, rendimento, físico-técnico, recorde, etc. Este </li></ul><ul><li>fenômeno esportivo com estas características tornou-se como um assalto ao mundo da </li></ul><ul><li>cultura corporal dos movimentos hegemônico, esportivizando a mesma. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O principal equívoco histórico do entendimento do esporte-educação é a sua </li></ul><ul><li>percepção como um ramo do esporte rendimento. Nesta percepção equivocada, as </li></ul><ul><li>competições escolares, que deveriam ter um sentido educativo, em vez disto, </li></ul><ul><li>simplesmente reproduzem as competições de alto nível, com todas suas características, </li></ul><ul><li>inclusive com seus vícios deformando qualquer conceituo de educação. </li></ul><ul><li>A educação, que tem um fim eminentemente social, ao compreender o esporte </li></ul><ul><li>como manifestação educacional, tem que exigir do chamado esporte-educação um </li></ul><ul><li>conteúdo fundamentalmente educativo. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>O Esporte-participação ou popular tem relações íntimas com o lazer e o tempo livre. </li></ul><ul><li>manifestação, que ocorre em espaços não comprometidos com o tempo e fora de </li></ul><ul><li>obrigações da vida diária, de modo geral, tem como propósitos a descontração, a </li></ul><ul><li>diversão, o desenvolvimento pessoal e as relações entre as pessoas. </li></ul><ul><li>oportunidades de liberdade a cada praticante, a qual inicia na própria participação </li></ul><ul><li>voluntária. A outra face de notável relevância social do esporte-participação é relativa à questão da participação, considerada como um aspecto essencial de democratização. </li></ul><ul><li>O esporte-participação como a própria denominação sugere, ao promover a participação, </li></ul><ul><li>ao obter sucesso neste seu objeto principal, pode-se afirmar, equilibra o quadro de </li></ul><ul><li>desigualdades de oportunidades esportivas, encontrado na dimensão do esporte rendimento. </li></ul><ul><li>O esporte-participação favorece o prazer a todos que dele desejarem tomar parte . </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Esportes Rendimento </li></ul><ul><li>Dimensão social do esporte que exerce efeitos importantes na sociedade. Por </li></ul><ul><li>exigir uma organização complexa de investimento, o esporte rendimento, cada vez mais, </li></ul><ul><li>passa a ser de responsabilidade de iniciativa privada. Traz consigo o propósito de novos </li></ul><ul><li>êxitos esportivos, a vitória sobre os adversários nos mesmos códigos, e é exercido sob </li></ul><ul><li>regras preestabelecidas pelos organismos internacionais de cada modalidade. O que </li></ul><ul><li>impede de ser considerada uma ação democrática, é que ele tem uma tendência natural </li></ul><ul><li>para que seja praticado principalmente pelos chamados talentos esportivos. </li></ul><ul><li>É no esporte rendimento que se encontra a crítica aguda ao esporte, </li></ul><ul><li>principalmente pelos autores que combatem o capitalismo, que consideram parte da </li></ul><ul><li>competição e suas vinculações com negócios financeiras sintomas evidentes de um </li></ul><ul><li>capitalismo exacerbado. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>As paixões e interesses que envolvem o esporte-rendimento, somada as </li></ul><ul><li>aspirações dos praticantes, explicam em parte os desvios e as violências identificadas </li></ul><ul><li>nas disputas. Pode-se citar como violências mais identificadas do esporte rendimento: a </li></ul><ul><li>violência nos espetáculos esportivos; doping, suborno, limite biológico dos atletas, </li></ul><ul><li>encerramento prematuro da carreira e a força de trabalho escravizada nas possibilidades </li></ul><ul><li>de mobilidade social </li></ul>
  11. 11. <ul><li>colocações de Kunz (1994), que vem ao encontro </li></ul><ul><li>ao pensamento de que há necessidade de clarear várias problemáticas no esporte ,como </li></ul><ul><li>por exemplo a especialização precoce e o doping para que se encontrem maneiras de </li></ul><ul><li>conhecer e denunciar as causas que levam aos abusos no esporte de rendimento,bem </li></ul><ul><li>como, o de Verenger (1989), que aponta para não considerar o Esporte apenas como </li></ul><ul><li>fenômeno motor, mas,também,observá-lo como produto das relações sociais atuais aos </li></ul><ul><li>diversos níveis de envolvimento. </li></ul>
  12. 12. JOGO
  13. 13. Esporte
  14. 14. Esporte-Educação
  15. 15. De que forma você utiliza os esportes em suas aulas?
  16. 17. <ul><li>Referências Bibliográficas </li></ul><ul><li>BRACHT, Valter - Sociologia Critica do Esporte , 2ed. Revisada; Ijuí : Unijuí, 2003-136 </li></ul><ul><li>p- (Coleção Educação Física) </li></ul><ul><li>BREGOLATO, Roseli Aparecida. Cultura Corporal do Esporte : Ícone, 2007- (Coleção </li></ul><ul><li>Educação Física Escolar: no princípio de totalidade e na concepção histórico-crítico </li></ul><ul><li>social, v.3) </li></ul><ul><li>BROHM, Jean-Marie. Esporte, um grande negócio: A lei da selva. 2000. Disponível em </li></ul><ul><li>http://diplo.uol.com.br/2000-06,a1774?var_recherche=esporte acesso em 20 dez 2007. </li></ul><ul><li>BROHM, Jean-Marie. Sociologie politique du Sport. In: BERTHAUDE, G. e col. Sport, </li></ul><ul><li>culture et repression. Paris:FM, 1976. </li></ul><ul><li>BROHM; Jean-Marie; PERELMMAN; Marc; VASSORT; Patrick. A ideologia do esporteespetáculo </li></ul><ul><li>e suas vítimas. 2004. Disponível em http://diplo.uol.com.br/2004-06,a931 </li></ul><ul><li>acesso em 20 dez 2007. </li></ul><ul><li>KUNZ, Eleonor - Transformação Didático - Pedagógico do Esporte - 6ed. - Ijuí: Unijuí, </li></ul><ul><li>2004-160p (Coleção Educação Física) </li></ul><ul><li>PEDRINELLI e VERENGER . Educação Física Adaptada: Introdução ao Universo das </li></ul><ul><li>Possibilidades in: Atividade Física adaptada. São Paulo: IBRASA, 1989 . </li></ul><ul><li>TUBINO, Manoel José Gomes, 1939. Dimensões Sociais do Esporte /Manoel José </li></ul><ul><li>Gomes Tubino; 2ed. Revista São Paulo: Cortez, 2001- (Coleção Questões da Nossa </li></ul><ul><li>época; v11) </li></ul><ul><li>www.efdeportes.com/esporte-escolar-o-jogo-educar </li></ul>

×