SlideShare uma empresa Scribd logo

Representação e planos

O documento discute vários conceitos relacionados à composição fotográfica e representação do espaço, incluindo a regra dos terços, diferentes tipos de planos (geral, médio, close-up, detalhe), ângulos de câmera (alta, baixa, normal) e o uso do zoom. Também fornece dicas para fotografar pôr-do-sol e monumentos históricos.

1 de 52
Baixar para ler offline
Planos e Composição Prof. M árcio Duarte
Espaço da representação A representação do espaço é uma modelização do real. No caso da fotografia, devemos estar conscientes que a imagem obtida é sempre o resultado de uma operação de recorte do  continuum  espacial, uma seleção que, consciente ou inconscientemente, responde sempre aos interesses do fotógrafo. É no espaço da representação, enquanto dimensão coadjuvante e estrutural, que tem lugar o desdobramento dos elementos plásticos e as técnicas compositivas que examinámos até ao momento. A inclusão de um sub-tópico dedicado ao exame do espaço da representação deve-nos ajudar a definir como é o espaço que constrói a fotografia que analisamos, desde as suas variáveis mais materiais até às suas implicações mais filosóficas.
Espaço da representação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
todo o ato fotográfico implica  “ uma tomada de vista ou olhar na imagem ” , quer dizer, um gesto de corte. Philippe Dubois
Campo/Fora de campo O  campo fotográfico  define-se como o espaço representado na materialidade da imagem, e que constitui a expressão plena do espaço da representação fotográfica. Mas a compreensão e interpretação do campo visual pressupõe sempre a existência de um fora de campo, que se lhe supõe contíguo e que o sustenta. Sem dúvida,  o fora de campo  e a ausência são elementos estruturais de uma interpretação ou leitura da representação fotográfica, como sucede no terreno da representação fílmica.
Campo/Fora de campo As formas de representação do fora de campo em fotografia e as suas significações podem ser muito variadas. A representação fotográfica dominante, que poderíamos relacionar com o paradigma de representação clássico, caracteriza-se por oferecer um campo visual fragmentário, mas que oculta, ao mesmo tempo, a sua natureza descontínua, mediante um apagamento das marcas enunciativas para que o espectador não perceba a natureza artificial da construção visual. O paradigma clássico baseia-se na construção de uma impressão de realidade, mais acentuada ainda que noutros meios audiovisuais como o cinema e o vídeo. Independentemente de outras reflexões, torna-se evidente que os objetos ou personagens no campo podem  “ apontar ”  para o fora de campo, com o que se obtém uma complicação de ambos por contiguidade; mas, sobretudo, espelhos, sombras, etc. são elementos que inscrevem diretamente o fora de campo no campo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Thiago Araujo
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Mauricio Mallet Duprat
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualThiago Assumpção
 
Fotografia produção
Fotografia   produçãoFotografia   produção
Fotografia produçãoJúlio Rocha
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosAndreia Filipa Cardoso
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Mauricio Mallet Duprat
 
Princípios da fotografia
Princípios da fotografiaPrincípios da fotografia
Princípios da fotografiaCid Costa Neto
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaCid Costa Neto
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)#Jão Pablo
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Vinícius Souza
 
Fotografia: Introdução à composição fotográfica
Fotografia: Introdução à composição fotográficaFotografia: Introdução à composição fotográfica
Fotografia: Introdução à composição fotográficaRaphael Lanzillotte
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Mauricio Mallet Duprat
 
Elementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográficaElementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográficaSandro Bottene
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. Exposição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. ExposiçãoMódulo 1 | Fotografia Digital | 3. Exposição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. ExposiçãoNuno Barros
 
Aula fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula   fotografia - iluminação em estúdio pptAula   fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula fotografia - iluminação em estúdio pptAndré Teixeira
 
Fotografia com celular
Fotografia com celularFotografia com celular
Fotografia com celularWelber Dias
 

Mais procurados (20)

Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
 
2. Cinematografia
2. Cinematografia2. Cinematografia
2. Cinematografia
 
Fotografia produção
Fotografia   produçãoFotografia   produção
Fotografia produção
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
 
Planos de câmera
Planos de câmeraPlanos de câmera
Planos de câmera
 
Princípios da fotografia
Princípios da fotografiaPrincípios da fotografia
Princípios da fotografia
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição Fotográfica
 
Composicao
ComposicaoComposicao
Composicao
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
 
Fotografia: Introdução à composição fotográfica
Fotografia: Introdução à composição fotográficaFotografia: Introdução à composição fotográfica
Fotografia: Introdução à composição fotográfica
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
 
Elementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográficaElementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográfica
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. Exposição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. ExposiçãoMódulo 1 | Fotografia Digital | 3. Exposição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 3. Exposição
 
A máquina fotográfica
A máquina fotográficaA máquina fotográfica
A máquina fotográfica
 
Aula fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula   fotografia - iluminação em estúdio pptAula   fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula fotografia - iluminação em estúdio ppt
 
Fotografia com celular
Fotografia com celularFotografia com celular
Fotografia com celular
 

Destaque

Aula i. linguagem. ugs
Aula i. linguagem. ugsAula i. linguagem. ugs
Aula i. linguagem. ugsLeYa
 
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos I
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos IPortfólio de Técnicas e Processos Artísticos I
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos IZimaldo Melo
 
Fotografia retratos
Fotografia   retratosFotografia   retratos
Fotografia retratosJúlio Rocha
 
Aula3 Imagem
Aula3 ImagemAula3 Imagem
Aula3 Imagemdribas
 
Desenho de observação por betty edwards para a formação do professor de arte
Desenho de observação  por betty edwards para a formação do professor de arteDesenho de observação  por betty edwards para a formação do professor de arte
Desenho de observação por betty edwards para a formação do professor de arteMira Benvenuto
 
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
Desenho
DesenhoDesenho
DesenhoCEF16
 
Ficha de desenho à vista
Ficha de desenho à vistaFicha de desenho à vista
Ficha de desenho à vistaruiseixas
 
Representação Gràfica Rigorosa Geometria
Representação Gràfica Rigorosa   GeometriaRepresentação Gràfica Rigorosa   Geometria
Representação Gràfica Rigorosa GeometriaCarlos Teodoro
 
Formas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenhoFormas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenhoLídia Ganhito
 
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosLinguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosAna Carolina Simionato
 
Fundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 IIFundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 IIRenato Garcia
 
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDO
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDODESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDO
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDOFlávia Gonzales Correia
 
Os Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalOs Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalScott Rains
 
Oficina Design para quem não é Designer
Oficina Design para quem não é DesignerOficina Design para quem não é Designer
Oficina Design para quem não é DesignerAndreza Jackson
 
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fuga
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fugaDesenho em perspectiva_dois_pontos_de_fuga
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fugaVania Vieira
 

Destaque (20)

Aula i. linguagem. ugs
Aula i. linguagem. ugsAula i. linguagem. ugs
Aula i. linguagem. ugs
 
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos I
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos IPortfólio de Técnicas e Processos Artísticos I
Portfólio de Técnicas e Processos Artísticos I
 
Fotografia retratos
Fotografia   retratosFotografia   retratos
Fotografia retratos
 
Aula3 Imagem
Aula3 ImagemAula3 Imagem
Aula3 Imagem
 
Desenho de observação por betty edwards para a formação do professor de arte
Desenho de observação  por betty edwards para a formação do professor de arteDesenho de observação  por betty edwards para a formação do professor de arte
Desenho de observação por betty edwards para a formação do professor de arte
 
Arquitectura
ArquitecturaArquitectura
Arquitectura
 
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010
Introdução à Investigação em Feridas ELCOS Cova da Beira 2010
 
Desenho
DesenhoDesenho
Desenho
 
Ficha de desenho à vista
Ficha de desenho à vistaFicha de desenho à vista
Ficha de desenho à vista
 
Desenho de Observação I
Desenho de Observação IDesenho de Observação I
Desenho de Observação I
 
Representação Gràfica Rigorosa Geometria
Representação Gràfica Rigorosa   GeometriaRepresentação Gràfica Rigorosa   Geometria
Representação Gràfica Rigorosa Geometria
 
Formas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenhoFormas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenho
 
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosLinguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
 
Fundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 IIFundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 II
 
introducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnicointroducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnico
 
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDO
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDODESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDO
DESENHO: CAMINHO PARA UMA NOVA VISÃO DE MUNDO
 
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprirespaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
 
Os Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho UniversalOs Sete Princpios de Desenho Universal
Os Sete Princpios de Desenho Universal
 
Oficina Design para quem não é Designer
Oficina Design para quem não é DesignerOficina Design para quem não é Designer
Oficina Design para quem não é Designer
 
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fuga
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fugaDesenho em perspectiva_dois_pontos_de_fuga
Desenho em perspectiva_dois_pontos_de_fuga
 

Semelhante a Representação e planos

2ª Aula De Fotografia
2ª Aula De Fotografia2ª Aula De Fotografia
2ª Aula De Fotografiaelizetearantes
 
Vídeo noções básicas
Vídeo   noções básicasVídeo   noções básicas
Vídeo noções básicasRebeca Esteves
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualmelzynhabessa
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualmelzynhabessa
 
Elementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básicaElementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básicaDiego Avila
 
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosEstética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosClara Ferreira
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuaisOswaldo Hernandez
 
Análisedeimagem Mágni Paranaíba
Análisedeimagem Mágni ParanaíbaAnálisedeimagem Mágni Paranaíba
Análisedeimagem Mágni Paranaíbamagnijorge
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualIpsun
 
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...DESIGN DIGITAL UNIARA 2012
 
EstúDio Moderno Onde O Menos é Mais
EstúDio Moderno   Onde O Menos é MaisEstúDio Moderno   Onde O Menos é Mais
EstúDio Moderno Onde O Menos é Maisjoelreichert
 
Design configuração
Design   configuraçãoDesign   configuração
Design configuraçãosergioborgato
 
Perspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e texturaPerspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e texturaAvatar Cuamba
 
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceito
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceitoArlindo Machado - A fotografia como expressão do conceito
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceitoFantoches de Luz
 

Semelhante a Representação e planos (20)

Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
 
2ª Aula De Fotografia
2ª Aula De Fotografia2ª Aula De Fotografia
2ª Aula De Fotografia
 
Aula foto composiç o
Aula foto   composiç oAula foto   composiç o
Aula foto composiç o
 
Vídeo noções básicas
Vídeo   noções básicasVídeo   noções básicas
Vídeo noções básicas
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
 
Elementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básicaElementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básica
 
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosEstética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
 
imago lucis
imago lucisimago lucis
imago lucis
 
Análisedeimagem Mágni Paranaíba
Análisedeimagem Mágni ParanaíbaAnálisedeimagem Mágni Paranaíba
Análisedeimagem Mágni Paranaíba
 
G Design Visual.ppt
G Design Visual.pptG Design Visual.ppt
G Design Visual.ppt
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
 
Fotografia
Fotografia  Fotografia
Fotografia
 
Fotografia
Fotografia   Fotografia
Fotografia
 
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...
Design Digital I Anatomia da Mensagem Visual respresentação, simbolismo, abst...
 
EstúDio Moderno Onde O Menos é Mais
EstúDio Moderno   Onde O Menos é MaisEstúDio Moderno   Onde O Menos é Mais
EstúDio Moderno Onde O Menos é Mais
 
Design configuração
Design   configuraçãoDesign   configuração
Design configuração
 
Perspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e texturaPerspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e textura
 
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceito
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceitoArlindo Machado - A fotografia como expressão do conceito
Arlindo Machado - A fotografia como expressão do conceito
 

Mais de Marcio Duarte

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVMarcio Duarte
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a InternetMarcio Duarte
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaMarcio Duarte
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer ValorizadoMarcio Duarte
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)Marcio Duarte
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesMarcio Duarte
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMarcio Duarte
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoMarcio Duarte
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoMarcio Duarte
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoMarcio Duarte
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoMarcio Duarte
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoMarcio Duarte
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaMarcio Duarte
 

Mais de Marcio Duarte (20)

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TV
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a Internet
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Pre-história
Pre-históriaPre-história
Pre-história
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na Moda
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
 
Conceitos de Design
Conceitos de DesignConceitos de Design
Conceitos de Design
 
Wordpress
WordpressWordpress
Wordpress
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismo
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
 

Último

4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 

Último (20)

4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 

Representação e planos

  • 1. Planos e Composição Prof. M árcio Duarte
  • 2. Espaço da representação A representação do espaço é uma modelização do real. No caso da fotografia, devemos estar conscientes que a imagem obtida é sempre o resultado de uma operação de recorte do continuum espacial, uma seleção que, consciente ou inconscientemente, responde sempre aos interesses do fotógrafo. É no espaço da representação, enquanto dimensão coadjuvante e estrutural, que tem lugar o desdobramento dos elementos plásticos e as técnicas compositivas que examinámos até ao momento. A inclusão de um sub-tópico dedicado ao exame do espaço da representação deve-nos ajudar a definir como é o espaço que constrói a fotografia que analisamos, desde as suas variáveis mais materiais até às suas implicações mais filosóficas.
  • 3.
  • 4. todo o ato fotográfico implica “ uma tomada de vista ou olhar na imagem ” , quer dizer, um gesto de corte. Philippe Dubois
  • 5. Campo/Fora de campo O campo fotográfico define-se como o espaço representado na materialidade da imagem, e que constitui a expressão plena do espaço da representação fotográfica. Mas a compreensão e interpretação do campo visual pressupõe sempre a existência de um fora de campo, que se lhe supõe contíguo e que o sustenta. Sem dúvida, o fora de campo e a ausência são elementos estruturais de uma interpretação ou leitura da representação fotográfica, como sucede no terreno da representação fílmica.
  • 6. Campo/Fora de campo As formas de representação do fora de campo em fotografia e as suas significações podem ser muito variadas. A representação fotográfica dominante, que poderíamos relacionar com o paradigma de representação clássico, caracteriza-se por oferecer um campo visual fragmentário, mas que oculta, ao mesmo tempo, a sua natureza descontínua, mediante um apagamento das marcas enunciativas para que o espectador não perceba a natureza artificial da construção visual. O paradigma clássico baseia-se na construção de uma impressão de realidade, mais acentuada ainda que noutros meios audiovisuais como o cinema e o vídeo. Independentemente de outras reflexões, torna-se evidente que os objetos ou personagens no campo podem “ apontar ” para o fora de campo, com o que se obtém uma complicação de ambos por contiguidade; mas, sobretudo, espelhos, sombras, etc. são elementos que inscrevem diretamente o fora de campo no campo.
  • 7. Aberto/Fechado Este par de conceitos não se refere somente à dimensão física ou material da representação. A representação de um espaço aberto tem uma série de implicações no que respeita às determinações que este contém relativamente ao sujeito ou objeto fotografado, e também com o tipo de relação de fruição que a imagem promove no espectador. O mesmo sucede com os espaços fechados.
  • 8. Interior/Exterior Este par de conceitos não se refere somente à dimensão física ou material da representação. A representação de um espaço interior tem uma série de implicações no que respeita às determinações que este contém relativamente ao sujeito ou objeto fotografado, e também com o tipo de relação de fruição que a imagem promove no espectador. O mesmo sucede com os espaços exteriores.
  • 9. Concreto/Abstracto Este par de conceitos não se refere somente à dimensão física ou material da representação. A representação de um espaço concreto tem uma série de implicações no que respeita às determinações que este contém relativamente ao sujeito ou objeto fotografado, e também com o tipo de relação de fruição que a imagem promove no espectador. O mesmo sucede com os espaços abstratos. Os efeitos metafóricos que a representação de um ou outro tipo de espaço supõe.
  • 10. Profundo/Plano No estudo do sistema compositivo temos feito referência à importância da perspectiva e da profundidade de campo na construção do espaço da representação. Neste nível de análise, trata-se de avaliar em que medida a representação plana do espaço corresponde a um olhar mais estandardizado ou normalizado como o classicismo, em confronto com a representação em profundidade, mais próxima da configuração plástica barroca.
  • 11. Habitabilidade Segundo o grau de abstração da imagem, torna-se mais ou menos fácil que o espaço possa ser habitável pelo espectador. A habitabilidade faz referência ao tipo de implicação que a representação fotográfica promove na operação de leitura da imagem. Deste modo, a habitabilidade em função da identificação ou distanciamento, atua como forças centrípeta e centrifuga, que o espaço sugira ao espectador. A caracterização de um espaço como espaço simbólico produz-se quando a representação fotográfica se afasta da vocação indicial da fotografia, enquanto marca do real. Santos Zunzunegui assinala, a propósito da fotografia de paisagem, que uma paisagem será indicial “ quando nela predomine a sua dimensão constatativa ” , enquanto que uma paisagem fotografada será considerada “ simbolista ou simbólica ” , “ na medida em que o fundamental da sua estratégia significativa coloque o visível ao serviço do não visível ” (p. 145). Se em alguns fotógrafos David Kinsey ou Timothy O ’ Sullivan a fotografia de paisagem tem um valor testemunhal, em Ansel Adams todo o trabalho parece dirigir-se para “ a construção de uma visão substancialmente estética do mundo e das coisas ” . Em Adams, a poética indicialista é substituída por “ um trabalhado jogo luminoso que estende pontes entre a cascata, o rio e o arco-íris criando uma emotiva sensibilidade dramática ante a luz ” (p. 152). De facto, o espaço simbólico de que vimos falando poderia considerar-se como um espaço subjectivo, em termos estritamente semânticos. O reconhecimento de uma poética simbólica é algo que dependerá do sujeito que realize a análise, já que na operação de leitura o que irrompe é também a própria experiência subjectiva do intérprete.
  • 12. Enceneção O dispositivo fotográfico não pode ser entendido como uma mero agente reprodutor, mas antes como um meio desenhado para produzir determinados efeitos, isto é, a impressão de realidade, entre outros. Neste sentido, a imagem fotográfica não é estranha a uma ação deliberada de enunciação textual, a uma encenação que transporta uma ideologia concreta e que qualquer análise não pode ignorar.
  • 13. Outros Este espaço fica reservado para a inclusão de outros conceitos que possam estar relacionados com o nível compositivo da análise da fotografia. Permanece aberto ad libitum ao analista ou estudioso da imagem.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 26.
  • 27. Plano médio e plano americano:
  • 28. Plano médio e plano americano:
  • 29. Plano médio e plano americano:
  • 30. Plano médio e plano americano:
  • 31. Plano Médio ou Plano Americano
  • 32.
  • 33. Primeiro plano ou close-up:
  • 34. Primeiro plano ou close-up:
  • 35. Vários Primeiro plano ou close-up:
  • 36.
  • 40.
  • 41.
  • 42. Câmera alta (visão superior):
  • 43. Câmera alta (visão superior):
  • 44.
  • 45. Câmera baixa (visão inferior):
  • 46. Câmera baixa (visão inferior):
  • 47.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52. FIM