Apresentação PNE

8.501 visualizações

Publicada em

Apresentação do Plano Nacional de Exportações.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.501
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.466
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação PNE

  1. 1. PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES 2015-2018
  2. 2. PRECISAMOS CONFERIR NOVO STATUS AO COMÉRCIO EXTERIOR
  3. 3. PAÍSES PIB EXPORTAÇÃO DE BENS US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões Part. % nas exp. mundiais Ranking 1 - Estados Unidos 17.419 22,5 1.623 8,8 2º 2 - China 10.380 13,4 2.343 12,7 1º 3 - Japão 4.616 6,0 684 3,7 4º 4 - Alemanha 3.860 5,0 1.511 8,2 3º 5 - Reino Unido 2.945 3,8 507 2,7 10º 6 - França 2.847 3,7 583 3,1 6º 7 - Brasil 2.353 3,0 225 1,2 25º NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA Obs.: Dados de 2014 | Fontes: FMI e OMC
  4. 4. PERFIL DA PAUTA EXPORTADORA BRASILEIRA Fonte: SECEX/MDIC 29,3 29,2 32,1 36,9 40,5 44,6 47,8 46,8 46,7 48,7 46,2 13,5 14,2 13,6 13,7 13,4 14,0 14,1 13,6 12,6 12,9 14,1 55,1 54,4 52,3 46,8 44,0 39,4 36,0 37,4 38,4 35,6 37,1 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 jan/mai Exportação por Fator Agregado - Participação % na Pauta Básicos Semimanufaturados Manufaturados
  5. 5. MUDANÇA DE CENÁRIO TRAZ OPORTUNIDADES Fonte: Banco Central, SECEX/MDIC e FUNCEX 1,50 1,70 1,90 2,10 2,30 2,50 2,70 2,90 3,10 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 jan/mai 0,0 50,0 100,0 150,0 200,0 250,0 Preço de Exportação de Produtos Básicos e Taxa de Câmbio Índice de preço de exportação de produtos básicos (eixo direito) Taxa de câmbio R$/US$ (eixo esquerdo)
  6. 6. COMÉRCIO MUNDIAL CRESCE ACIMA DO PIB Fonte: FMI 1993-2002 2003-2008 2009 2010-2014 2015-2020 (projeção) PIB mundial (%) 3,3 4,4 - 0,7 4,0 3,8 Comércio mundial (%) 6,5 7,5 - 10,7 5,8 4,8 Taxa de crescimento média
  7. 7. POR QUE UM PLANO DE EXPORTAÇÕES
  8. 8. Há um PIB equivalente a 32“Brasis”além das nossas fronteiras
  9. 9. EUA e Canadá US$ 4,9 trilhões Corrente de Comércio das Regiões do Mundo América Latina (exc. Brasil) US$ 1,7 trilhão US$ 13,9 trilhões Europa US$ 14,7 trilhões Ásia África US$ 1,1 trilhão Oceania US$ 601 bilhões Brasil US$ 454 bilhões Fonte: ONU/COMTRADE Dados de 2014
  10. 10. VALOR ADICIONADO NAS EXPORTAÇÕES DE BENS E SERVIÇOS Dados de 2011 | Fonte: OCDE 32,0 25,4 25,0 22,8 14,9 14,6 10,7 China Alemanha França Reino Unido Estados Unidos Japão Brasil Participação % do Valor Adicionado pelas Importações nas Exportações
  11. 11. BENEFÍCIOS GERADOS PELO COMÉRCIO EXTERIOR • Manutenção e ampliação de empregos • 50 mil trabalhadores => cada US$ 1 bilhão em exportações • Melhor qualificação e remuneração da mão de obra • Estímulo à inovação • Maior produtividade e competividade COMÉRCIO EXTERIOR - VETOR DO CRESCIMENTO ECONÔMICO
  12. 12. PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES
  13. 13. • Mais empresas brasileiras exportando • Mais empregos e renda • Mais competitividade e crescimento •MAIS BRASIL NO MUNDO PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES OBJETIVOS
  14. 14. • Previsibilidade • Abordagem sistêmica do comércio exterior • Desenvolvimento regional PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PRINCÍPIOS
  15. 15. • Participação na elaboração do Plano: oMais de 80 entidades do setor produtivo e de trabalhadores oReuniões com a comunidade exportadora em todas as regiões do Brasil oContribuição dos estados (Conselho Nacional dos Secretários de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES TRANSPARÊNCIA E PARCERIA
  16. 16. GOVERNO MDIC (APEX, BNDES, SUFRAMA, INPI, ABDI) Casa Civil MRE MAPA MF MP MDA SMPE SEP CAMEX BC BB CONSEDIC (governos estaduais) ENTIDADES EMPRESARIAIS CNI CNA CNC FECOMERCIO FEBRABAN OCB FIESP FIRJAN FIEPE FIEAM FIERGS FIEP AMCHAM IEDI SEBRAE AEB FUNCEX ABDIB ANFAVEA ABIQUIM ABIMOVEL ABICALÇADOS ABIROCHAS ABAL ABESPETRO ABIT ABIMAQ ABINEE ABITAM ABRINQ ELETROS FARMABRASIL ABIEC IABr IBRAM ONIP SINDIPEÇAS SINAVAL ÚNICA ABECE IBÁ BRASSCOM ABIA ABIHPEC ABIOVE ABEDESIGN ABIFA CICB ABIFINA ABRIGRAF ANFACER BM&A ABACT ABAE SINDAÇÚCAR ABBA COGEN ABIQUIFI ABCCMM ABCZ ABEAM ABEMEL ABEST ABF ABILUX ABIMDE ABIMO INP ABHB ABIACAV ABINPET ABIARROZ ABICAB ABIEPAN ABIESV IBRAC ABITAM ABPA IBRAVIN ABPITV ABRA ABRABE CBL ABRAFRUTAS ABRAGAMES CEBC ABRAL ABRAMEQ ABRAVA CECAFÉ ABRESE AGDI AICSUL ANAFIMA CECIEX ANIB ANIMASEG SOFTEX ANPROTEC APLA APRO IBF ASBEA ASSINTECAL BSCA CECOMPI IBGM IPD EMPRESAS Embraer Vale Gerdau BR Foods 3M WEG Bunge Caterpillar FIAT BOSCH Braskem CSN Goodyear Marcopollo ABB Bradesco Bayer P&G Oxiteno Whirlpool BIC Amazônia Blue Tree Itaú Pirelli Rhodia-Solvay Dow Corning Fujitsu Scania Honda Odebrecht CEAL Toyota Andrade Gutierrez Banco de Tokyo - Mitsubishi Fujifilm Panasonic Mitsubishi Pioneer Pitu Samsung Siemens Adeka IHI Procex Eastman Kaduna Tramontina Columbian Chemicals Lanxess Kyocera PWC Boxon Toshiba Cabot Sony Bramont Agrogen Yamaha Kikkoman Casio Yakult EATON Gimasa Daiwa Alatur/Quickly Ecogen Kurashiki Miolo Projexport Dana Holding JFE Shoji Jetro Amada do Brasil Raasini-NHK Tokio Marine Nissin Ajinomoto AP Muller Denso Docomo COIMPA Optex MHI APAR Mitsui CBC Multimóveis EQM Banco Mizuho Autotravi Nitro Azbil Hitachi CGC Geotecnia NTT Eishin Logistics Indi K Line Wirth Starts Innova/Videolar Elekeiroz Sojitz Nagase Voith Sumitomo Nagawa Marubeni Sinto MRL Tadano Unigel Kawasaki A&P Nisso Kanetamsu Tsubaki Japan Airlines Hoss Schuler Suntory Recofarma MCC TDK Sankyu Oxinor Ebara Toyobo Nippon Express International Paper Soprano KBK Horiba Evonik SAC Melco Itochu NEC Select MOL Fidens OMI Cristal Tecon Rio Grande Nesic Nova Era Silicon Idemitsu Lube MN Própolis Nisshinbo Hillo NTN Siniem Merco Shipping MTR Ubik Suzuyo Yusen Flosul Cromex Maxlinker NGK Shimadzu UBE Daikin Mcquay GBI Yasuda Jica Kaneka K-I Chemical Niagro Patrimônio Yacon Sanyotex Toda Toray Labortecne ENTIDADES DE TRABALHADORES CNTI CUT UGT CTB Força sindical
  17. 17. PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PILARES Aperfeiçoamento de mecanismos e regimes tributários de apoio às exportações Acesso a mercados Promoção comercial Facilitação de comércio Financiamento e garantia às exportações 1 2 3 4 5
  18. 18. • Atuação nas frentes bilateral, regional e multilateral • Negociações sobre temas tarifários e não tarifários • Construção de uma ampla rede de acordos com países de todas as regiões Política comercial focada na ampliação de mercados, remoção de barreiras e maior integração à rede de acordos comerciais Acesso a mercados 1
  19. 19. • Mapa Estratégico de Mercados e Oportunidades Comerciais: 32 mercados prioritários • Maior coordenação intragovernamental das ações de promoção comercial – Calendário Unificado de Missões • Difusão da cultura exportadora com foco em capacitação de empresas para exportação. Abrir, consolidar, manter e recuperar mercados. Promoção comercial 2
  20. 20. 32 MERCADOS PRIORITÁRIOS
  21. 21. • Implementação do Acordo de Facilitação de Comércio da OMC. • Portal Único de Comércio Exterior: • Eliminação completa do papel nos controles administrativo e aduaneiro – 2015. • Redesenho de todos os processos de exportação e importação – 2017. • Redução nos prazos de exportação de 13 para 8 dias e de importação de 17 para 10 dias – 2017. • Reconhecimento mútuo do Operador Econômico Autorizado (OEA) com outros países. Simplificação e racionalização da legislação e dos processos administrativos e aduaneiros. Facilitação de comércio 3
  22. 22. • Proex-Equalização: o Aumento da dotação orçamentária em cerca de 30% em relação a 2014 o Compromisso de atendimento de toda a demanda prevista para 2015 • BNDES EXIM: o Pós-Embarque: aumento de recursos (de US$ 2 bilhões para US$ 2,9 bilhões) o Pré-Embarque: ampliação do acesso Aperfeiçoamento e reforço dos mecanismos de financiamento e garantia adequando-os às necessidades dos exportadores Financiamento e garantias às exportações 4
  23. 23. • Incentivo ao financiamento privado às exportações: o Seguro de Crédito à Exportação (SCE): simplificação e redução de prazos o Seguro performance – cobertura do risco do exportador pelo SCE/FGE • Fundo de Garantia às Exportações (FGE): o Ampliação em US$ 15 bilhões do limite para a aprovação de novas operações. • Ampliação do acesso ao SCE às pequenas e médias empresas • Desburocratização na concessão de financiamento público o Integração com o Portal Único de Comércio Exterior. Aperfeiçoamento e reforço dos mecanismos de financiamento e garantia adequando-os às necessidades dos exportadores Financiamento e garantias às exportações 4
  24. 24. • Novo Drawback: introdução de um sistema de cadastro positivo, beneficiando empresas que possuam fluxo contínuo de operações. • RECOF: ampliação do acesso ao regime, modificando as regras de habilitação. • Reforma do PIS/COFINS: simplificação na apuração dos créditos, celeridade nos ressarcimentos e redução dos resíduos tributários das cadeias produtivas exportadoras. Efeito de maior competitividade para o produto doméstico. • REINTEGRA: previsibilidade, recomposição e melhor operacionalização. Melhoria do ambiente tributário para as empresas exportadoras Aperfeiçoamento dos regimes e mecanismos tributários de apoio às exportações 5
  25. 25. • MONITORAMENTO: o Indicadores de desempenho: • volume e valor das exportações; • valor agregado nas exportações; • número de novas empresas exportadoras (total e por região); • índice de concentração das exportações. o Metas Qualitativas – indicadas em cada pilar e definidas anualmente. • GOVERNANÇA: o Governo: CAMEX o Participação direta do setor privado na implementação e acompanhamento • CNDI • CONEX PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES Monitoramento e Governança

×