ANÁLISE CRÍTICA DO POEMA ‘POÉTICA’ DE MANUEL BANDEIRA
Henri Barbosa
Mayara Sousa da Cruz Maia
Simone Tomaz
Tatiane Fernand...
trabalhar nos escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana, da qual seu pai era
funcionário.
No final do ano de 1904, o auto...
Em 1948 são reeditados três de seus livros: Poesias Completas, com acréscimo
de Belo Belo; Poesias Escolhidas e Poemas Tra...
No ano de 1965 traduz as peças Os Verdes Campos do Eden, de Antonio Gala.
A Fogueira Feliz, de J. N.Descalzo, e Edith Stei...
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar com
[cem modelos e cartas e as ...
“O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - ‘Meu cancioneiro
É bem martelado”
Nos trechos a seguir, vamos ver mais uma vez...
exceção e os inumeráveis ritmos devem participar da criação poética, pois são
manifestações linguísticas naturais, inconsc...
Considerações Finais
O objetivo do trabalho foi encontrar as características nos versos do poema “Poética” e
revelar o lir...
Bibliografia Básica:
BOSI, Alfredo. Leitura de Poesia, 59 ed. São Paulo: Editora Ática, 2010
BANDEIRA, Manuel. Antologia P...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo martha

110 visualizações

Publicada em

Artigo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
110
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo martha

  1. 1. ANÁLISE CRÍTICA DO POEMA ‘POÉTICA’ DE MANUEL BANDEIRA Henri Barbosa Mayara Sousa da Cruz Maia Simone Tomaz Tatiane Fernanda Martins Tanaka Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar as características da poesia de Manuel Bandeira encontradas no poema “Poética”, analisando-o e comparando-o com outros poemas e revelar o lirismo na poesia de Bandeira através de uma linguagem sentimental. E apresentar a sua contribuição para o Modernismo, movimento de ruptura com as antigas formas até então convencionadas. Palavras-chave: Poética; Manuel Bandeira; Modernismo. Abstract: This article aims to show the characteristics in Manuel Bandeira’s poetry found in the poem “Poética”, analyzing it and comparing it to others poems and reveal the lirism in Bandeira’s poetry through a sentimental language. And show his contribution to Modernism, movement that breaks with old forms and values stated so far. Key-words: Poética; Manuel Bandeira; Modernism. Introdução O objetivo do trabalho é analisar o poema Poética que foi publicado no livro Libertinagem, de Manuel Bandeira, em 1930, o qual contém trinta e oito poemas escritos entre 1924 e 1930; na maioria deles, podemos observar a intenção do poeta em romper com as formas tradicionais, acadêmicas e passadistas. Libertinagem tem sido considerada a obra mais vanguardista de Manuel Bandeira, aquela em ele praticou mais livremente a liberdade formal, valendo-se de versos e estrofação irregulares, abandono da rima e largo emprego da linguagem coloquial numa atitude antiformalista. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho nasceu no Recife no dia 19 de abril de 1886, na Rua da Ventura, atual Joaquim Nabuco, filho de Manuel Carneiro de Souza Bandeira e Francelina Ribeiro de Souza Bandeira. Em 1890 a família se transfere para o Rio de Janeiro e a seguir para Santos - SP e, novamente, para o Rio de Janeiro. Passa dois verões em Petrópolis. Em 1892 a família volta para Pernambuco. Manuel Bandeira frequenta o colégio das irmãs Barros Barreto, na Rua da Soledade, e, como semi-interno, o de Virgínio Marques Carneiro Leão, na Rua da Matriz. Em 1903 a família se muda para São Paulo onde Bandeira se matricula na Escola Politécnica, pretendendo tornar-se arquiteto. Estuda também, à noite, desenho e pintura com o arquiteto Domenico Rossi no Liceu de Artes e Ofícios. Começa ainda a
  2. 2. trabalhar nos escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana, da qual seu pai era funcionário. No final do ano de 1904, o autor fica sabendo que está tuberculoso, abandona suas atividades e volta para o Rio de Janeiro. Em busca de melhores climas para sua saúde, passa temporadas em diversas cidades: Campanha, Teresópolis, Maranguape, Uruquê, Quixeramobim. Em 1910 entra em um concurso de poesia da Academia Brasileira de Letras, que não confere o prêmio. Lê Charles de Guérin e toma conhecimento das rimas toantes que empregaria em Carnaval. Sob a influência de Apollinaire, Charles Cros e Mac-Fionna Leod, escreve seus primeiros versos livres,em 1912. Em 1916 falece sua mãe, Francelina. No ano seguinte publica seu primeiro livro: A cinza das horas, numa edição de 200 exemplares custeada pelo autor. João Ribeiro escreve um artigo elogioso sobre o livro. O autor perde a irmã, Maria Cândida de Souza Bandeira, que desde o início da doença do irmão, havia sido uma dedicada enfermeira, em 1918. No ano seguinte publica seu segundo livro, Carnaval, em edição custeada pelo autor. João Ribeiro elogia também este livro que desperta entusiasmo entre os paulistas iniciadores do modernismo. O pai de Bandeira, Manuel Carneiro, falece em 1920. Inicia então, em 1922, a se corresponder com Mário de Andrade. Bandeira não participa da Semana de Arte Moderna, realizada em fevereiro em são Paulo, no Teatro Municipal. Em 1924 publica, às suas expensas, Poesias, que reúne A Cinza das Horas, Carnaval e um novo livro, O Ritmo Dissoluto. Colabora no "Mês Modernista", série de trabalhos de modernistas publicado pelo jornal A Noite, em 1925. Escreve crítica musical para a revista A Idéia Ilustrada. Escreve também sobre música para Ariel, de São Paulo. Em 1936 Publica Estrela da Manhã (com papel presenteado por Luís Camilo de Oliveira Neto e contribuição de subscritores) e Crônicas da Província do Brasil. Recebe o prêmio da Sociedade Filipe de Oliveira por conjunto de obra, em 1937, e publica Poesias Escolhidas e Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Romântica. No ano seguinte é nomeado professor de literatura do Colégio Pedro II e membro do Conselho Consultivo do Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Publica Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Parnasiana e Guia de Ouro Preto. Em 1940 é eleito para a Academia Brasileira de Letras, na vaga de Luís Guimarães Filho. Toma posse em 30 de novembro, sendo saudado por Ribeiro Couto. Publica Poesias Completas, com a inclusão da Lira dos Cinqüent'Anos (também esta edição foi custeada pelo autor). Publica ainda Noções de História das Literaturas e, em separata da Revista do Brasil, A Autoria das Cartas Chilenas. Começa a fazer crítica de artes plásticas em A Manhã, em 1941, no Rio de Janeiro. No ano seguinte é nomeado membro da Sociedade Filipe de Oliveira. Recebe o prêmio de poesia do IBEC por conjunto de obra, em 1946. Publica Apresentação da Poesia Brasileira e Antologia dos Poetas Brasileiros Bissextos Contemporâneos.
  3. 3. Em 1948 são reeditados três de seus livros: Poesias Completas, com acréscimo de Belo Belo; Poesias Escolhidas e Poemas Traduzidos. Publica Mafuá do Malungo (impresso em Barcelona por João Cabral de Melo Neto) e organiza uma edição crítica das Rimas de João Albano. No ano seguinte publica Literatura Hispano-Americana e traduz O Auto Sacramental do Divino Narciso de Sóror Juana Inés de la Cruz. A pedido de amigos, apenas para compor a chapa, candidata-se a deputado pelo Partido Socialista Brasileiro, em 1950, sabendo que não tem quaisquer chances de eleger-se. No ano seguinte publica Opus 10 e a biografia de Gonçalves Dias. No ano de 1954 publica Itinerário de Pasárgada e De Poetas e de Poesia. Faz conferência no Teatro Municipal do Rio de Janeiro sobre Mário de Andrade. Publica 50 Poemas Escolhidos pelo Autor, em 1955. Traduz Maria Stuart, de Schiler, encenado no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em junho, inicia colaboração como cronista no Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro, e na Folha da Manhã, de São Paulo. Faz conferência sobre Francisco Mignone no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Traduz Macbeth, de Shakespeare, e La Machine Infernale, de Jean Cocteau, em 1956. É aposentado compulsoriamente, por motivos da idade, como professor de literatura hispano-americana da Faculdade Nacional de Filosofia. Traduz as peças Juno and the Paycock, de Sean O'Casey, e The Rainmaker, de N. Richard Nash, em 1957. Nesse ano, publica Flauta de Papel. Escreve, até 1961, crônicas bissemanais para o Jornal do Brasil e a Folha de São Paulo. Em 1958, publica Gonçalves Dias, na coleção "Nossos Clássicos" da Editora Agir. Traduz a peça Colóquio-Sinfonieta, de Jean Tardieu. Publicada pela Aguilar, sai em dois volumes sua obra completa -- Poesia e Prosa. No ano seguinte traduz The Matchmaker (A Casamenteira), de Thorton Wilder. A Sociedade dos Cem Bibliófilos publica Pasárgada, volume de poemas escolhidos, com ilustrações de Aldemir Martins. Em 1960 traduz o drama D. Juan Tenório, de Zorrilla. Pela Editora Dinamene, da Bahia, saem em edição artesanal Estrela da Tarde e uma seleção de poemas de amor intitulada Alumbramentos. Sai na França, pela Pierre Seghers, Poèmes, antologia de poemas de Manuel Bandeira em tradução de Luís Aníbal Falcão, F. H. Blank-Simon e do próprio autor. No ano seguinte traduz Mireille, de Fréderic Mistral. Começa a escrever crônicas semanais para o programa "Quadrante" da Rádio Ministério da Educação. Em 1962 traduz o poema Prometeu e Epimeteu de Carl Spitteler. Escreve para a Editora El Ateneo, em 1963, biografias de Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Castro Alves. A Editora das Américas edita Poesia e Vida de Gonçalves Dias. Traduz a peça Der Kaukasische Kreide Kreis, de Bertold Brecht. Escreve crônicas para o programa "Vozes da Cidade" da Rádio Roquette-Pinto, algumas das quais lidas por ele próprio, com o título "Grandes Poetas do Brasil". Traduz as peças O Advogado do Diabo, de Morris West, e Pena Ela Ser o Que É, de John Ford. Sai nos EUA, pela Charles Frank Publications, A Brief History of Brazilian Literature (tradução, introdução e notas de R. E. Dimmick), em 1964.
  4. 4. No ano de 1965 traduz as peças Os Verdes Campos do Eden, de Antonio Gala. A Fogueira Feliz, de J. N.Descalzo, e Edith Stein na Câmara de Gás de Frei Gabriel Cacho. Sai na França, pela Pierre Seghers, na coleção "Poètes d'Aujourd'hui", o volume Manuel Bandeira, com estudo, seleção de textos, tradução e bibliografia por Michel Simon. Comemora 80 anos, em 1966, recebendo muitas homenagens. A Editora José Olympio realiza em sua sede uma festa de que participam mais de mil pessoas e lança os volumes Estrela da Vida Inteira (poesias completas e traduções de poesia) e Andorinha Andorinha (seleção de textos em prosa, organizada por Carlos Drummond de Andrade). Compra uma casa em Teresópolis, a única de sua propriedade ao longo de toda sua vida. Com problemas de saúde, Manuel Bandeira deixa seu apartamento da Avenida Beira-Mar e se transfere para o apartamento da Rua Aires Saldanha, em Copacabana, de Maria de Lourdes Heitor de Souza, sua companheira dos últimos anos. No dia 13 de outubro de 1968, às 12 horas e 50 minutos, morre o poeta Manuel Bandeira, no Hospital Samaritano, em Botafogo, sendo sepultado no Mausoléu da Academia Brasileira de Letras, no Cemitério São João Batista Análise do poema POÉTICA (Manuel Bandeira) Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e [manifestações de apreço ao Sr. diretor Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho verná- [culo de um vocábulo Abaixo os puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis Estou farto do lirismo namorador Político Raquítico Sifilítico De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.
  5. 5. De resto não é lirismo Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar com [cem modelos e cartas e as diferentes [ maneiras de agradar às mulheres, etc Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare - Não quero mais saber do lirismo que não é libertação. A partir da primeira leitura da obra, pode-se observar a forte influência da estética modernista, que é um período de radicalidade, de rompimento com as estruturas até então utilizadas no processo de criação de poemas. É uma época que mostra a necessidade que acabar com as regras, metrificações e o rebuscamento das palavras, como se utilizavam os parnasianos, dando mais valor ao léxico e à sintaxe do português Brasileiro, um português corriqueiro, a língua falada pelo povo nas ruas. Em “Poética” (um metapoema, pois é um poema que fala de poesia) são claras essas características que descrevem o momento literário que o Brasil estava passando. A vontade de criar uma poesia nacional, com vocabulário simplificado, musicado, sem rimas e métricas e a preferência pelo uso direto na disposição das palavras no verso. O poema é composta por versos livres (sem números regulares de sílabas) e versos bárbaros (versos com 12 sílabas) e sem pontuação. No título do poema, Poética, do grego poiein (fazer,criar) é “o estudo da criação poética em si mesma”, ou seja é a criação do poema. “Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente e [manifestações de apreço ao Sr. diretor Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário o cunho [vernáculo de um vocábulo Abaixo os puristas’’ Logo na primeira estrofe, Bandeira já faz uma dura crítica às escolas literárias anteriores, principalmente aos parnasianos, o purismo da linguagem e a contenção emocional. Também fazendo objeção à métrica, à rima e ao vocabulário culto. No verso “Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo”, há uma forte crítica aos parnasianos, que estavam sempre em busca da forma mais bela, do vocábulo mais rebuscado. No poema “Os Sapos” de Manuel Bandeira, reforça a ideia da objeção que o autor faz dos parnasianos, especialmente à Olavo Bilac, um grande defensor das métricas, das rimas e do rebuscamento das palavras.
  6. 6. “O sapo-tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: - ‘Meu cancioneiro É bem martelado” Nos trechos a seguir, vamos ver mais uma vez o seu lado farto: ‘’Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis Estou farto do lirismo namorador Político Raquítico Sifilítico De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.’’ Nesses versos nota- se mais uma vez a ideologia de Manuel Bandeira, esse tom de Manifesto. Se recusando do lirismo bem comportado, métrico. Dos “Barbarismos” e das “Sintaxes”, essa busca da liberdade da formalidade, da sintaxe rebuscada, do exagero da erudição, que encontrados nos dicionários, a busca pela forma perfeita. Manuel Bandeira se volta para o coloquialismo e à liberdade linguística. Depois ele se coloca como farto, mais uma vez desse conservadorismo, do amor extremo, idealizado e desse lirismo sentimentalista o “lirismo namorador”. Esse em que ele se opõe a tradição romântica, o “mal do século” que os deixam em um estado doentio e debilitado. E também ao engajamento político dos poetas o raquítico e sifilítico, que se apegam a solidão e ficam doentes. Essa valorização dos substantivos que fogem da normalidade poética, controladas pelas escolas literárias e que se recusa aos lirismos comedidos e previsíveis. A defesa de um lirismo espontâneo, qualquer coisa que saia fora dessas amarras. Completamente modernista descreve o “eu” farto de todos os outros movimentos, com regras e características que não os permitem ousar. Nos versos 16 a 19 ele ironiza o lirismo sem criatividade, que segue um modelo pré-estabelecido, contido e racional. ‘’De resto não é lirismo Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar com [cem modelos e cartas e as diferentes [ maneiras de agradar às mulheres, etc’’ Manuel Bandeira defende a lírica livre de formalidades ao reforçar que todas as palavras, construções e ritmos, em especial os barbarismos universais, sintaxes de
  7. 7. exceção e os inumeráveis ritmos devem participar da criação poética, pois são manifestações linguísticas naturais, inconscientes e movidas pelo impulso. O poeta utiliza de forma bastante inteligente, a defesa de um lirismo de loucos, bêbados e clowns. Manuel Bandeira utilizou estes tipos humanos para pregar a liberdade artística. Estas personagens são conhecidas por seus desequilíbrios de sanidade (louco), conduta (bêbado) e seriedade (palhaço), ou seja, se comportam de maneira espontânea, sem censuras e repressão. Podemos dizer que rompem com as regras sociais, de “lirismo” bem comportado, por isso, funcionam como símbolos de liberdade de padrões pré-estabelecidos. Manoel Bandeira apela pela necessidade de libertar os conteúdos impostos pela sociedade, assim como o fazem loucos , bêbados e clowns. ‘’Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare’’ No ultimo verso, o poeta demonstra a insatisfação com os valores estéticos tradicionais. O poeta projeta neste verso o seu desabafo, a não- aceitação da arte poética tradicional, do lirismo que não é libertação. O poeta quer deixar claro que não quer mais nenhum lirismo comedido e bem comportado; negando as formas tradicionais de arte para afirmar a liberdade poética como forma de arte autêntica. ‘’- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.’’
  8. 8. Considerações Finais O objetivo do trabalho foi encontrar as características nos versos do poema “Poética” e revelar o lirismo encontrado de Manuel Bandeira. Os Fragmentos nos versos são possíveis identificá-lo no cenário modernista, mostrando seu entusiasmo pela nova estética, embora não tenha participado da Semana de Arte Modernista de 1922, sua poesia “Os sapos” foi declamada por Ronald de Carvalho, publicado no livro Carnaval apresenta uma crítica ao parnasianismo. Mas é no livro libertinagem que ele mostra todas as suas aspirações à poética da libertação. Ele não renúncia completamente à forma clássica e sim um desligamento do lirismo tradicional. Através da leitura podemos identificar a várias possibilidades poéticas. Foi prazerosa a leitura deste poema. Você consegue entender pelas marcas encontradas nos versos que o lirismo pode existir de diferentes formas.
  9. 9. Bibliografia Básica: BOSI, Alfredo. Leitura de Poesia, 59 ed. São Paulo: Editora Ática, 2010 BANDEIRA, Manuel. Antologia Poética, 12 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001 Bibliografia digital: LOPES, Marciano. Especial Manuel Bandeira [2] – a ‘’Poética’’ e o Modernismo. Retirado do site: http: http://poetasdobrasil.arteblog.com.br/433259/Especial-Manuel- Bandeira-2-a-Poetica-e-o-Modernismo/ acesso em 02/05/2015 http: www.releituras.com/mbandeira_bio.asp acesso em 02/05/2015 COSTA, Cristiane. Análise Crítica: Poética, de Manuel Bandeira. Retirado do site (blog): http: //glamourliterario.blogspot.com.br/2010/07/analise-critica-poetica-de- manuel_25.html acesso em 20/05/2015

×