Fisioterapia nas lesões desportivas
-
Ballet Novembro, 2014
DANÇA
• A dança produz arte e conhecimento, exercita o corpo e a mente. Pode
ser englobada tanto na área da arte como na á...
A História do Ballet
• O balé ou balê (do italiano balletto, pelo francês BALLET), é o nome dado a um
estilo de dança. O t...
A História do Ballet
• O ballet tornou-se uma regularidade na corte francesa
que cada vez mais o aprimorava em ocasiões es...
A História do Ballet no Brasil
• O ballet no Brasil desenvolveu-se com vigor a partir do início do século XX.
• O Corpo de...
BALLET ROMÂNTICO
• O Ballet Romântico é um dos mais antigos e que se
consolidaram mais cedo na história do Ballet. Surgiu
...
BALLET ROMÂNTICO
• Foi inaugurado pela bailarina Marie Taglioni, portadora do tipo físico ideal ao
romantismo, para quem f...
BALLET CLÁSSICO
• O Ballet Clássico exige uma maior técnica e limpeza dos
movimentos, buscando a perfeição de cada forma n...
BALLET CLÁSSICO
• Ballet clássico procura-se sempre incorporar seqüências complicadas de
passos, giros e movimentos que se...
BALLET CONTEMPORÂNEO
• O Ballet Contemporâneo, mais conhecido por Ballet Moderno, foi criado no
início do século. Neste es...
PASSOS DE BALLET
PLIÉ.
• O plié é um movimento de flexão vigorosa e harmoniosa dos joelhos – contra-
movimento. Consiste n...
PASSOS DE BALLET
TENDU.
• Neste movimento uma das pernas fica esticada ao lado, à frente ou atrás do
corpo. Afasta-se a pe...
PASSOS DE BALLET
JETÉ
• O significado francês literal de "jeté" é "lançado". Neste salto, o dançarino
joga uma perna a par...
PASSOS DE BALLET
ALLEGRO
• Vivo, esperto. para todos os movimentos brilhantes e vivos. Todos os passos
de elevação tais co...
PASSOS DE BALLET
GRAND BATTEMENT
• É um movimento da perna e do pé sob a forma de batida. Com o tronco e as
pernas esticad...
PASSOS DE BALLET
ROND DE JAMBE.
• Que traduzido significa rodar a perna, que pode ser feito à terre ou en l'air, no
chão o...
PASSOS DE BALLET
FRAPPÉ
• Este movimento é como se fosse uma batida ou golpe. No frappé o pé repousa
levemente sobre o tor...
PASSOS DE BALLET
ADAGIO.
• Adage é uma palavra francesa derivada do italiano ad gio e significa devagar
ou com descanso. O...
PASSOS DE BALLET
ARABESQUE
• Uma das poses básicas do ballet, que tira o seu nome de uma forma de
ornamento mourisco. No b...
PASSOS DE BALLET
EN DEHORS.
• En dehor literalmente, significa “para fora”. Basicamente é manter os
calcanhares virados pa...
BIOMECÂNICA
• Manutenção da tradição;
• Rigidez de movimentos;
• Exigência técnica.
• Eficiente potência muscular;
• Coord...
Campo Motor
Treino
até 5 horas
semana
exercícios de
aquecimento
alongamento,
flexibilidade
saltos
equilíbrio
amplitudes
exageradas de
...
Excesso de carga nas fibras
musculares e nas estruturas
ósseas;
Grande exigência das articulações
do quadril para realizar...
Primeira Posição - En dehors
• Princípio mais importante no ballet;
• Virar as pernas para fora, com as pontas dos pés
par...
Posição de Ponta
• Posição básica;
• Técnica avançada do ballet clássico;
• Essencial para a elaboração dos movimentos e s...
Posição de Ponta
• Existem diversas posições de ponta no ballet
clássico:
• diferem de acordo com a posição dos pés entre ...
Posição de Ponta
• Elevado grau de flexão plantar;
• Constantes flexões plantares e modelação
óssea;
• Essa modelação do t...
• Demi-plié - flexão ou hiperextensão
resultante do excesso posterior ou
anterior do movimento pélvico;
• Passé - coluna e...
• Movimentos extensos e rigorosos, sem apoio, além de exigir
mais do que força para impulsionar o corpo e grande
capacidad...
Surgimento de Lesões
• O treinamento excessivo, incorreto, mal planejado ou
inexistente pode levar a lesões crônicas, como...
Fatores de risco
• Fatores extrínsecos:
• calçados, piso e temperatura inadequados;
• Fatores intrínsecos:
• encurtamento ...
Principais lesões
calo macio, calo
duro, bolha;
hálux valgo, hálux
rígido;
Entorses de
tornozelo
fratura de
estresse no
to...
BIOMECÂNICA DO TORNOZELO
• Esse complexo deve apresentar uma estabilidade através de uma
base de suporte estável para o co...
Caso clínico
Paciente, bailarina de 18 anos praticante de balé
clássico e contemporâneo há 11 anos. Lesionou seu
tornozelo...
Tratamento Fisioterapêutico
• Desde que não haja lesão/luxação óssea associada, consiste e
controlar os sinais inflamatóri...
1ª Fase
• Protocolo R.I.C.E
• R = REST = Descanso, repouso
• É importante para que não haja esforço e sobrecarga sobre a l...
1ª Fase
• Protocolo R.I.C.E
• I = ICE = Gelo
• O objetivo é evitar a progressão do edema, diminuir a dor local e os
espasm...
1ª Fase
• Protocolo R.I.C.E
• C = COMPRESSION = Compressão
• A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema.
...
1ª Fase
• Compressão - TAPING
• Minimiza a agressão e as complicações que uma entorse pode
causar no tornozelo;
• Diminui ...
1ª Fase
• Aguiar e Mejia (2011), dizem que aplicação de bandagens nos
estágios iniciais do tratamento tem por objetivo red...
1ª Fase
• O laser de baixa intensidade vem sendo utilizado como modalidade
terapêutica em várias condições patológicas, e ...
• ULTRA SOM (US)
• Pulsado 20%, freqüência 100%, dose 0,40w/cm 2,4 min. Na região
perimaléolar lateral do tornozelo.
• Obj...
1ª Fase
• Corrente Galvânica
• A Corrente Galvânica é uma corrente do tipo contínua e com
sentido unidirecional, ou seja, ...
2ª Fase
• Usar o pé apenas dentro do limite do confortável/sem dor
• Canadianas durante a 1ª semana
• OBJETIVOS:
• Ganhar ...
2ª Fase
• Recursos:
• Flexionamento e alongamento
• Corrente diadinâmicas(no final da
Fase aguda para início da subaguda)....
2ª Fase
• Diadinâmicas
• O uso da eletroestimulação por diadinâmicas nas lesões agudas é
extremamente benéfico, pois além ...
Tratamento Fisioterapêutico
• Fase de remodelação precoce
• Reforço muscular ativo, trabalho de estabilização dinâmica e
p...
Fase III
• Segundo Silva (2007) a reeducação proprioceptiva no tratamento
da entorse de tornozelo baseia-se numa serie de ...
Fase III
• Corrente Russa
• Estimulação elétrica funcional (FES)
• Fisioterapia Aquática (que pode ser usada nas quatro fa...
Tratamento Fisioterapêutico
• (reintrodução ao trabalho/prática desportiva)
• Exercícios funcionais, relacionados com as c...
Fase IV
• EXERCÍCIOS RESISTIDOS
• Com thera-band p/dorse-flexão, inversão, eversão.
• Objetivo: aumentar o recrutamento da...
Referências
• Calder JD, Sexton SA, Pearce CJ. Return to training and playingafter
posterior ankle arthroscopy for posteri...
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atuação da fisioterapia na entorse - ballet

3.086 visualizações

Publicada em

Pequeno resumo sobre a atuação da Fisioterapia na entorse.

Publicada em: Saúde e medicina

Atuação da fisioterapia na entorse - ballet

  1. 1. Fisioterapia nas lesões desportivas - Ballet Novembro, 2014
  2. 2. DANÇA • A dança produz arte e conhecimento, exercita o corpo e a mente. Pode ser englobada tanto na área da arte como na área da educação e da atividade física. Ela consiste em uma coordenação estética que conta com o ritmo plástico que constrói movimentos corporais no espaço. • A dança é uma forma de arte que depende completamente do movimento humano para a comunicação; enquanto forma de arte expressiva, esta totalmente dependente das capacidades físicas do bailarino.
  3. 3. A História do Ballet • O balé ou balê (do italiano balletto, pelo francês BALLET), é o nome dado a um estilo de dança. O termo deriva do italiano ballare que significa bailar. • O primeiro ballet registrado aconteceu em 1489, comemorando o casamento do Duque de Milão com Isabel de Árgon. • Os ballets da corte possuíam graciosos movimentos de cabeça, braços e tronco e pequenos e delicados movimentos de pernas e pés, estes dificultados pelo vestuário feito com material e ornamentos pesados
  4. 4. A História do Ballet • O ballet tornou-se uma regularidade na corte francesa que cada vez mais o aprimorava em ocasiões especiais, atingiu ao auge de sua popularidade quase 100 anos mais tarde através do rei Luiz XIV . • No começo todos os bailarinos eram homens, mas no fim do século XVII, a Escola de Dança passou a formar bailarinas mulheres, que ganharam logo importância, apesar de terem seus movimentos ainda limitados pelos complicados figurinos.
  5. 5. A História do Ballet no Brasil • O ballet no Brasil desenvolveu-se com vigor a partir do início do século XX. • O Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro foi à primeira companhia profissional do Brasil, fundada sobre a escola aberta por Maria Olenewa em 1927.
  6. 6. BALLET ROMÂNTICO • O Ballet Romântico é um dos mais antigos e que se consolidaram mais cedo na história do Ballet. Surgiu na primeira metade do século XIX, em 1830, atraiu muitas pessoas na época devido o Movimento Romântico Literário que ocorria na Europa. • O balé romântico prezam pela magia e a delicadeza de movimentos. A protagonista é sempre frágil, doce, delicada e apaixonada. A marca registrada do balé romântico é a sapatilha de ponta e em seguida os corsets e o tutu.
  7. 7. BALLET ROMÂNTICO • Foi inaugurado pela bailarina Marie Taglioni, portadora do tipo físico ideal ao romantismo, para quem foi criado o ballet "A Sílfide", o primeiro grande ballet romântico que iniciou o trabalho nos sapatos de ponta. • Outro ballet romântico, "Giselle", que consagrou a bailarina Carlota Grisi, foi a mais pura expressão de período romântico, além de representar o maior de todos os testes para a bailarina até os dias de hoje.
  8. 8. BALLET CLÁSSICO • O Ballet Clássico exige uma maior técnica e limpeza dos movimentos, buscando a perfeição de cada forma na dança, com os joelhos esticados e pontas de pés perfeitas. É um trabalho bem mais técnico e minucioso, exigindo bem mais do bailarino(a). • "O Ballet clássico visa à postura e a leveza dos bailarinos. Por falar nisso, a leveza é tão importante que para isso foi criada a sapatilha de ponta, que dá à bailarina um ar superior, angelical, dando a impressão de que está voando, no céu."
  9. 9. BALLET CLÁSSICO • Ballet clássico procura-se sempre incorporar seqüências complicadas de passos, giros e movimentos que se adaptem com a história e façam um conjunto perfeito. No Ballet Clássico a roupa mais comumente usada eram os tutus pratos, aquelas sainhas finas de tule.Como exemplos de Ballets Clássicos temos o já citado 'O Lago dos Cisnes' e 'A Bela Adormecida'.
  10. 10. BALLET CONTEMPORÂNEO • O Ballet Contemporâneo, mais conhecido por Ballet Moderno, foi criado no início do século. Neste estilo de dança a coreografias começam a ter ideologias diferentes. O ballet contemporâneo esquecerá os passos clássicos, com movimentos harmônicos e delicados, dando ênfase aos movimentos corporais assimétricos. • Via de regra geral o Contemporâneo não se preocupa com os joelhos esticados e pontas de pés, dado isso que a maioria das apresentações se dá sem a sapatilha de ponta.
  11. 11. PASSOS DE BALLET PLIÉ. • O plié é um movimento de flexão vigorosa e harmoniosa dos joelhos – contra- movimento. Consiste numa flexão do joelho ou joelhos, que serve para tornar os músculos mais flexíveis e maleáveis e os tendões mais elásticos. • Demi- plié • Grand-plié
  12. 12. PASSOS DE BALLET TENDU. • Neste movimento uma das pernas fica esticada ao lado, à frente ou atrás do corpo. Afasta-se a perna na direção pretendida, arrastando também o respectivo pé. Levanta-se primeiro o calcanhar e, de seguida a planta do pé, mantendo a ponta do pé apoiada no chão e os ossos dos quadris ficam sempre em linha com os ombros
  13. 13. PASSOS DE BALLET JETÉ • O significado francês literal de "jeté" é "lançado". Neste salto, o dançarino joga uma perna a partir do corpo, enquanto salta de um pé para o outro. A personagem principal feminina em Giselle realiza este tipo de salto algumas vezes enquanto pula na horizontal através do ar.
  14. 14. PASSOS DE BALLET ALLEGRO • Vivo, esperto. para todos os movimentos brilhantes e vivos. Todos os passos de elevação tais como entrechats, cabrioles, assemblés, jetés etc. obedecem a esta classificação. As qualidades mais importantes que se deve ter em mira num allegro são a leveza, a suavidade, o balanço e a vivacidade.
  15. 15. PASSOS DE BALLET GRAND BATTEMENT • É um movimento da perna e do pé sob a forma de batida. Com o tronco e as pernas esticadas, afasta-se a perna de trabalho da perna de base, com um movimento vigoroso, para a frente e para o alto. Pode ser feito em qualquer direção.
  16. 16. PASSOS DE BALLET ROND DE JAMBE. • Que traduzido significa rodar a perna, que pode ser feito à terre ou en l'air, no chão ou no ar. Se for feita no chão, a perna tem de desenhar no chão um semi- círculo ou a letra D. Pode ser feito de trás para frente ou ao contrário. Se for feito no ar, a perna sai para for e faz um círculo, em que a coxa aparentemente não se mexe.
  17. 17. PASSOS DE BALLET FRAPPÉ • Este movimento é como se fosse uma batida ou golpe. No frappé o pé repousa levemente sobre o tornozelo do pé de apoio, para de seguida esticar a perna e dar um golpe. Pode ser feito para a frente, para trás ou para o lado.
  18. 18. PASSOS DE BALLET ADAGIO. • Adage é uma palavra francesa derivada do italiano ad gio e significa devagar ou com descanso. Os professores ingleses de ballet usam adage, a adaptação francesa, enquanto que os americanos preferem o original italiano.
  19. 19. PASSOS DE BALLET ARABESQUE • Uma das poses básicas do ballet, que tira o seu nome de uma forma de ornamento mourisco. No ballet, é uma posição do corpo, apoiado numa só perna que pode estar na vertical ou em demi plié, com a outra perna estendida para trás e em ângulo reto com ela, sendo que os braços estão estendidos em várias posições harmoniosas criando a linha mais longa possível da ponta dos dedos da mão à dos pés. Os ombros devem ser mantidos retos em frente à linha de direção.
  20. 20. PASSOS DE BALLET EN DEHORS. • En dehor literalmente, significa “para fora”. Basicamente é manter os calcanhares virados para fora. Mas ele exige muito mais do que só os calcanhares, pois para mantê-los nessa posição é necessária a boa colocação das pernas e quadril e também postura, ou seja: o En Dehors é um dos itens considerados essenciais no ballet.
  21. 21. BIOMECÂNICA • Manutenção da tradição; • Rigidez de movimentos; • Exigência técnica. • Eficiente potência muscular; • Coordenação.
  22. 22. Campo Motor
  23. 23. Treino até 5 horas semana exercícios de aquecimento alongamento, flexibilidade saltos equilíbrio amplitudes exageradas de movimento forças dinâmica, estática e explosiva giros trabalho sobre sapatilha de ponta resistência aeróbica e anaeróbica
  24. 24. Excesso de carga nas fibras musculares e nas estruturas ósseas; Grande exigência das articulações do quadril para realizar movimentos de rotação externa e abdução com grandes amplitudes; Articulações das extremidades inferiores passam a realizar um esforço maior como forma de compensação; Correta colocação postural do ballet clássico necessita que o peso do corpo seja sustentado pelos pés e o arco medial do pé deve ser estimulado para cima, evitando a sobrecarga no hálux.
  25. 25. Primeira Posição - En dehors • Princípio mais importante no ballet; • Virar as pernas para fora, com as pontas dos pés para fora, tornozelos para dentro, joelhos e coxas acompanhando as pontas dos pés; • Um bailarino chega a atingir 180 graus de rotação externa da articulação femoral, muitas vezes, as custas de compensação nos joelhos e tornozelos.
  26. 26. Posição de Ponta • Posição básica; • Técnica avançada do ballet clássico; • Essencial para a elaboração dos movimentos e sequências próprias dessa dança; • Consiste em colocar o corpo sobre a ponta dos pés; • Instabilidade das articulações do pé e tornozelo exigindo o máximo da capacidade dos músculos e ligamentos.
  27. 27. Posição de Ponta • Existem diversas posições de ponta no ballet clássico: • diferem de acordo com a posição dos pés entre si; • Possuem em comum a base de sustentação extremamente diminuída: • grande esforço muscular e neurofisiológico; • impactos nos saltos e giros.
  28. 28. Posição de Ponta • Elevado grau de flexão plantar; • Constantes flexões plantares e modelação óssea; • Essa modelação do tornozelo acontece para compensar a hiperextensão do joelho, normalmente presente nas bailarinas clássicas.
  29. 29. • Demi-plié - flexão ou hiperextensão resultante do excesso posterior ou anterior do movimento pélvico; • Passé - coluna e pélvis ficam sustentadas por um pé, no qual todo o peso do corpo é colocado, e ainda faz-se balanços e giros, deixando a coluna em hiperextensão; • No relevé, a instabilidade da coluna e o desalinhamento na linha da pélvis, pelo peso do corpo estar todo sobre os dedos dos pés. Demi-plié, Passé e Relevé
  30. 30. • Movimentos extensos e rigorosos, sem apoio, além de exigir mais do que força para impulsionar o corpo e grande capacidade para coordenar movimentos mais elevados, como o equilíbrio. O salto
  31. 31. Surgimento de Lesões • O treinamento excessivo, incorreto, mal planejado ou inexistente pode levar a lesões crônicas, como a fratura por stress no tornozelo e tendinites, frequentes em bailarinas clássicas, causadas pelo alto número de repetições exigido para aperfeiçoamento da performance. • Em busca da perfeição e precisão de padrões de movimentos, mais de 50% das bailarinas clássicas apresentam, em algum momento de suas vidas, lesões musculoesqueléticas.
  32. 32. Fatores de risco • Fatores extrínsecos: • calçados, piso e temperatura inadequados; • Fatores intrínsecos: • encurtamento muscular, hipermobilidade, fraqueza muscular, dietas inadequadas. • As lesões mais comuns são as de pé e tornozelo, seguidas das de joelho e quadril, e as que menos acontecem são as de membro superior; • A maioria ocorre por estresse, e acontece quase sempre no mesmo local, principalmente pé e tornozelo.
  33. 33. Principais lesões calo macio, calo duro, bolha; hálux valgo, hálux rígido; Entorses de tornozelo fratura de estresse no tornozelo; bursite no tornozelo e joelhos; neuroma de Morton; Tendinites; laceração do menisco; luxação e subluxação do tornozelo e da patela lesão ligamentar; artrite degenerativa no quadril; lombalgia; espondilolistese degenerativa, espondilólise.
  34. 34. BIOMECÂNICA DO TORNOZELO • Esse complexo deve apresentar uma estabilidade através de uma base de suporte estável para o corpo mesmo frente às variadas posturas apresentadas na descarga de peso, evitando assim uma atividade muscular e um gasto energético desnecessário, bem como agir como uma alavanca rígida para dar o impulso eficiente no momento da marcha. • Mas é preciso também que tal estrutura tenha uma mobilidade adequada para que haja uma flexibilidade suficiente para absorver o choque do peso do corpo quando os pés se apoiam no chão, e permitir ao pé que se adapte aos variados terrenos sobre os quais eles são colocados.
  35. 35. Caso clínico Paciente, bailarina de 18 anos praticante de balé clássico e contemporâneo há 11 anos. Lesionou seu tornozelo durante um ensaio da apresentação. Sinais e sintomas: Dor e calor na face lateral, Inchaço , Hematoma na face lateral, Dificuldade em caminhar/colocar o pé no chão e inchaço. Foi vista pelo médico no mesmo dia e diagnosticada com entorse lateral de tornozelo grau II. Seu tornozelo foi envolto em gelo e ela foi enviada para acompanhamento imediato do fisioterapeuta.
  36. 36. Tratamento Fisioterapêutico • Desde que não haja lesão/luxação óssea associada, consiste e controlar os sinais inflamatórios, através de descanso, gelo, compressão e elevação. • OBJETIVOS: • Orientar a paciente para evitar atividades que aumentem a sua dor; • Controlar o edema; • Reduzir ou eliminar a dor. 1ª fase
  37. 37. 1ª Fase • Protocolo R.I.C.E • R = REST = Descanso, repouso • É importante para que não haja esforço e sobrecarga sobre a lesão e não atrapalhe a recuperação, além também de não expor o membro afetado a lesões secundárias, permitindo assim um reestabelecimento mais eficiente da área lesada.
  38. 38. 1ª Fase • Protocolo R.I.C.E • I = ICE = Gelo • O objetivo é evitar a progressão do edema, diminuir a dor local e os espasmos musculares.
  39. 39. 1ª Fase • Protocolo R.I.C.E • C = COMPRESSION = Compressão • A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema. Essa compressão pode ser feita por meio de bandagens. • E = ELEVATION = Elevação • Elevar o membro ajuda no retorno venoso, com consequente diminuição do edema. Essa drenagem ocorre de maneira mais eficaz caso o segmento em questão esteja acima do nível do coração.
  40. 40. 1ª Fase • Compressão - TAPING • Minimiza a agressão e as complicações que uma entorse pode causar no tornozelo; • Diminui o tempo de afastamento da atividade funcional dessa articulação; • Pode aumentar a propriocepção que normaliza o tônus muscular; • Reduz a dor; • Corrige o posicionamento, por estimular os receptores cutâneos (PEREIRA, 2008)
  41. 41. 1ª Fase • Aguiar e Mejia (2011), dizem que aplicação de bandagens nos estágios iniciais do tratamento tem por objetivo reduzir os efeitos da inflamação e nos estágios finais é auxiliar o paciente no retorno às suas atividades.
  42. 42. 1ª Fase • O laser de baixa intensidade vem sendo utilizado como modalidade terapêutica em várias condições patológicas, e dentre os objetivos, está a analgesia, promovendo aumento da endorfina circulante e aumento do limiar de excitabilidade dos receptores dolorosos. (VICENZI;CARVALHO, 2002). • PARÂMETROS PARA USO NA ENTORSE • Comprimento de onda: 900 nm • Densidade de energia: 0,1 a 0,2 J/cm² • Princípio de aplicação
  43. 43. • ULTRA SOM (US) • Pulsado 20%, freqüência 100%, dose 0,40w/cm 2,4 min. Na região perimaléolar lateral do tornozelo. • Objetivos: Reduzir dor e processo inflamatório. Segundo. O US leva a cavitação e as correntezas acústicas que vão alterar a permeabilidade da membrana celular, liberando (serotonina e histamina) que farão a limpeza do tecido lesado e as difusões de íons, provocando a estimulação da fagocitose, redução do edema, produção de um tecido de granulação sadio, aumentando a atividade dos fibroblastos, promovendo assim um efeito antiinflamatório e síntese de colágeno e a formação de um tecido conjuntivo mais forte, auxiliando na regeneração dos tecidos lesados. Diminui o espasmo muscular, relaxamento muscular e normaliza o ph. (STARKEY, 2001) 1ª Fase
  44. 44. 1ª Fase • Corrente Galvânica • A Corrente Galvânica é uma corrente do tipo contínua e com sentido unidirecional, ou seja, os elétrons caminham num só sentido do polo negativo para o positivo. São utilizados dois eletrodos, um positivo e outro negativo, havendo necessidade de ambos estarem em contato com o paciente fechando o circuito. • Paciente com entorse = situação aguda = corrente anôdica – para promover anoeletrotônus.
  45. 45. 2ª Fase • Usar o pé apenas dentro do limite do confortável/sem dor • Canadianas durante a 1ª semana • OBJETIVOS: • Ganhar amplitude de movimento; • Treinar a flexibilidade. Fase 2
  46. 46. 2ª Fase • Recursos: • Flexionamento e alongamento • Corrente diadinâmicas(no final da Fase aguda para início da subaguda). • Corrente interferencial
  47. 47. 2ª Fase • Diadinâmicas • O uso da eletroestimulação por diadinâmicas nas lesões agudas é extremamente benéfico, pois além do efeito galvânico tem-se o bombeamento da fibra muscular, reduz o edema e previne hipotrofia. • Frequência > 80Hz = ‘’Seleciona’’ nervos sensitivos • Frequência < 60Hz = ‘’seleciona’’ nervos motores Difásica = Para ações sensitivas Monofásica = para ações motoras
  48. 48. Tratamento Fisioterapêutico • Fase de remodelação precoce • Reforço muscular ativo, trabalho de estabilização dinâmica e propriocepção. • Treino de equilíbrio e coordenação (em atividades que envolvam esforço equivalente em ambos os membros inferiores) • Pode utilizar-se um pé elástico para dar suporte enquanto o paciente não for capaz de realizar os exercícios com segurança. • Introduzir caminhadas, escadas e corrida progressivamente. • Devem ser dados conselhos sobre o calçado mais adequado, inclusive para a prática desportiva, e possível uso de palmilhas. Fase 3
  49. 49. Fase III • Segundo Silva (2007) a reeducação proprioceptiva no tratamento da entorse de tornozelo baseia-se numa serie de procedimentos com a finalidade de restaurar a função ou modificar os conhecimentos da percepção com um novo programa neuromotor.
  50. 50. Fase III • Corrente Russa • Estimulação elétrica funcional (FES) • Fisioterapia Aquática (que pode ser usada nas quatro fases)
  51. 51. Tratamento Fisioterapêutico • (reintrodução ao trabalho/prática desportiva) • Exercícios funcionais, relacionados com as competências necessárias durante as atividades da vida diária (gesto específico do trabalho/desporto praticado) • Seguir um plano de exercícios terapêuticos efetuado em casa ao mesmo tempo que retorna à atividade. • Objetivo: Controle motor Fase 4
  52. 52. Fase IV • EXERCÍCIOS RESISTIDOS • Com thera-band p/dorse-flexão, inversão, eversão. • Objetivo: aumentar o recrutamento das unidades motoras, promover a estabilização da articulação do tornozelo através de contrações musculares. As fontes de energia necessárias para acionar a contração muscular aumentam após o treinamento resistido, pois em geral os níveis de ATP, fosfato de creatinina, mioquinase e de fosfotrutoquinase aumentam em resposta a um programa de exercícios resistidos.
  53. 53. Referências • Calder JD, Sexton SA, Pearce CJ. Return to training and playingafter posterior ankle arthroscopy for posterior impingement in elite professional soccer. Am J Sports Med. 2010;38(1):120-4 • VICENSI, C.; CARVALHO, P. T. C. Efeito do laser arsenieto de gálio (AsGa) na inflamação articular aguda induzida em ratos wista através do adjuvante completo de Freud. Fisioterapia Brasil. V.3, n.4, p. 223-230, 2002.

×