Costa, m.k.l cana_de_açúcar.

119 visualizações

Publicada em

sustentabilidade cana-de-açúcar

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Costa, m.k.l cana_de_açúcar.

  1. 1. 1 RESUMO1 Valor nutritivo de variedades de cana-de-açúcar em função da adubação nitrogenada2 3 Objetivou-se avaliar o valor nutritivo de variedades de cana-de-açúcar em função da adubação4 nitrogenada. As variedades estudadas foram RB 863129, RB 867515 e RB 92579, e as doses5 nitrogenadas 0, 60, 80, 120 e 140 kg N ha-1 . O experimento foi dividido em duas etapas,6 sendo que na primeira etapa avaliou-se a produtividade e qualidade nutricional de três7 variedades de cana-de-açúcar (Ano I - cana-planta), e na segunda, (Anos II e III) avaliou-se a8 influência da adubação nitrogenada na qualidade nutricional da primeira e segunda soca das9 mesmas variedades. Para a análise de produtividade e os demais parâmetros foram feitas três10 coletas de material vegetal, uma a cada final de ano experimental. Determinou-se os teores de11 matéria seca (MS), e, com base na MS, proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro12 (FDN), fibra em detergente ácido (FDA) e digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS).13 Na cana-planta foram determinados o teor de Brix e a relação FDN/Brix. Para a cana-planta, a14 produtividade (t ha-1 ) e os teores de MS e PB, foram superiores (P<0.05) para a variedade RB15 863129. Não houve diferença (P<0,05) entre as variedades para os teores de FDN e FDA e16 para a DIVMS. As três variedades avaliadas apresentaram composição química razoável para17 nutrição de ruminantes e digestibilidade in vitro maior que 60%. Na primeira e segunda18 soqueira houve diferença (P<0,05) entre variedades e doses de adubação para os parâmetros19 avaliados, com exceção do teor de MS e digestibilidade in vitro, que foram influenciados20 (P<0,05) pelas variedades, doses de N e anos de corte. A variedade RB 92579 apresentou nas21 duas soqueiras a melhor produtividade (131 t ha-1 de colmos), aliada aos melhores parâmetros22 nutricionais (FDA 26%, FDN 41%, PB 2,4% e DIVMS 69,4%). A produtividade da cana-de-23 açúcar, assim com a sua qualidade nutricional, pode ser influenciada de acordo com o ano de24
  2. 2. 2 corte e o manejo estabelecido em relação à adubação nitrogenada, além disso, as respostas25 observadas foram influenciadas pelas variedades na maioria dos parâmetros avaliados.26 27 Palavras-chave: digestibilidade in vitro, nutrição animal, Saccharum officinarum28 29 INTRODUÇÃO30 Na produção de ruminantes a pasto, o grande problema enfrentado pelos pecuaristas31 diz respeito à estacionalidade da produção de forragem, a qual é responsável por causar32 oscilações da produção animal, uma vez que aproximadamente 80% da matéria seca das33 forragens produzidas nas pastagens durante o ano estão disponíveis na estação chuvosa,34 tornando-se a estação seca um período crítico, no qual a produção de forragens é insuficiente35 (Bonomo et al., 2009). Diante dessa situação, a busca por fontes alternativas de alimento,36 visando suprir a deficiência de volumosos na época da seca, bem como o atendimento às37 exigências nutricionais dos animais, faz-se necessários.38 A cana-de-açúcar, como alimento alternativo, destaca-se por vários aspectos como a39 elevada produção de matéria seca (MS) por hectare, facilidade de cultivo, rusticidade e,40 principalmente, a elevada digestibilidade de matéria seca, mesmo quando a cultura atinge a41 maturidade, o que lhe confere vantagem como forragem, visto que as forrageiras tropicais42 perdem em quantidade e qualidade durante a estação seca do ano, época em que a cana-de-43 açúcar apresenta máximo conteúdo de energia em forma de sacarose (Abranches e Bolonhezi,44 2011). Diversos estudos conduzidos foram realizados visando à utilização da cana-de-açúcar45 na alimentação animal, porém, o valor nutritivo tem sido ainda, objeto de muitas indagações,46 principalmente quanto à definição de variedades com características mais adequadas à47 produção de forragem e quanto ao manejo (Siqueira et al., 2012). O conceito fundamentado48
  3. 3. 3 por Boin et al. (1987) de que as melhores variedades de cana-de-açúcar forrageira são as que49 apresentam elevada proporção de folhas e colmos em relação a massa verde total não tem hoje50 mais sustentação, devendo ser considerado, também, a produtividade de massa verde e o valor51 nutritivo, quanto ao teor de açúcares e a fração de fibra em detergente neutro (FDN), uma vez52 que, esta última, influencia diretamente no consumo e na digestibilidade de matéria seca53 (Berchielli et al., 2011, e assim sendo, diferenças em termos de qualidade nutritiva entre as54 variedades podem existir (Anon, 2007).55 De acordo com Scarpari & Beauclair (2009), as variedades de cana-de-açúcar56 apresentam curvas de maturação diferentes, sendo distintos, nessa curva, os percentuais de57 sacarose e o florescimento. Variações nos teores de proteína bruta (PB), fibra em detergente58 neutro (FDA), fibra em detergente ácido (FDA) e na digestibilidade da matéria seca (DMS)59 foram observadas por Carvalho et al. (2010).60 Além da variedade, outro fator que pode influenciar na qualidade nutritiva da cana-61 de-açúcar para a alimentação animal seria o manejo da adubação nitrogenada, porém62 pesquisas nesse sentido ainda são escassas. Entre os nutrientes essenciais para as plantas, o63 nitrogênio (N) é um dos mais exigidos em quantidade pela cana-de-açúcar, a qual apresenta64 metabolismo do tipo C4, com elevada taxa fotossintética, sendo necessário um aporte65 adequado de N para que os processos fisiológicos e as reações bioquímicas responsáveis pela66 fotossíntese se processem satisfatoriamente (Muchovej e Newman, 2004). Assim, a grande67 demanda da cana-de-açúcar por este nutriente faz com que a participação do mesmo no68 processo produtivo seja parte substancial em relação ao custo total de implantação e69 manutenção dos canaviais (Rakkiyappan et al., 2007). Entretanto, considerando a exigência70 da cultura por N, a dinâmica deste no solo e ainda, os processos bioquímicos que envolvem a71 assimilação de N, os aspectos relacionados à utilização da adubação nitrogenada,72
  4. 4. 4 principalmente quanto a seus possíveis efeitos na qualidade nutricional da cana-de-açúcar73 ainda precisam ser melhor esclarecidos, pois os trabalhos encontrados na literatura são em sua74 maioria com outras forrageiras tropicais. No trabalho de Waramit et al., (2012), onde avaliou-75 se a influência de 3 doses de N (0, 65 e 140 kg N ha-1 ) no valor nutritivo de quatro gramíneas76 forrageira Indiangrass (Sorghastrum mutans L. Nash), big bluestem (Andropogon gerardii77 Vitman), Eastern gamagrass (Tripsacum dactyloides L.), and switchgrass (Panicum virgatum78 L.), observaram que a adubação nitrogenada aumentou (P<0,05) os valores da disgetibilidade79 in vitro da matéria seca (DIVMS) e da proteína bruta nas quatro espécies de gramíneas80 avaliadas, e obteve-se melhor valor de FDN (52%) com adubação intermediária de 65 kg N81 ha-1 .82 Além do possível efeito na qualidade nutricional da cana-de-açúcar, o manejo83 adequado da adubação nitrogenada pode contribuir grandemente para a sustentabilidade dos84 agroecossistemas. Neste contexto, objetivou-se avaliar o valor nutritivo de variedades de85 cana-de-açúcar em função da adubação nitrogenada.86 87 MATERIAL E MÉTODOS88 Descrição da área experimental89 O experimento foi realizado em área cedida pela Fazenda Várzea, no município de90 Brejo, Região do Baixo Parnaíba Maranhense, situada a 03°44’33” W de latitude,91 43°21'21”W de longitude. O solo foi classificado como Latossolo Amarelo (Manual de92 Classificação de Solos da Embrapa, 1997), e apresentou as seguintes características: pH 5,1293 em água, 2.2 cmolc dm-3 Ca, 2.5 cmolc dm-3 Mg, 0.02 cmolc dm-3 Na, 0.11 cmolc dm-3 K; 0.694 cmolc dm-3 Al, 9.4 cmolc dm-3 H+Al e 2.5 mg kg-1 P.95 96
  5. 5. 5 Instalação do experimento97 O experimento foi implantado no ano de 2009, com preparo convencional do solo, e o98 plantio foi realizado em sulcos de 30 cm de profundidade e espaçamento de 1,00 m entre as99 linhas. As mudas com idade entre 10 e 12 meses foram distribuídas no fundo dos sulcos,100 cruzando se pés e pontas. Depois as mudas foram picadas, manualmente, em toletes com três101 a quatro gemas, com auxílio de uma faca; após acondicionamento dos toletes, os sulcos foram102 cobertos com aproximadamente 10 cm de solo destorroado. A adubação de plantio foi103 realizada de acordo com as recomendações de análise de solo, com 120 kg ha-1 de P2O5 e 100104 kg ha-1 de K2O. O experimento teve duração de três anos (Ano I -Cana planta, Ano II-105 primeira soca e Ano III- segunda soca). Os dados de temperaturas e precipitações foram106 obtidos pelo Programa de Monitoramento Climático em Tempo Real da Região Nordeste107 (PROCLIMA) no site do CPTEC INPE (Figuras 1, 2 e 3).108 O experimento foi dividido em duas etapas: a) na primeira etapa, que constitiu no109 primeiro ano experimental (Ano I), avaliou-se a produtividade e a qualidade nutricional de110 três variedades de cana-de-açúcar (cana-planta); b) e na segunda etapa, que consistiu no111 segundo e tereceiro ano (Ano II e Ano III), avaliou-se a influência da adubação nitrogenada112 na qualidade nutricional mesmas variedades avaliadas no primeiro ano, porém observando-se113 a primeira e segunda soca, sendo estas a RB 863129, RB 867515 e RB 92579.114 Para o ano I, adotou-se o delineamento em blocos ao acaso com três tratamentos115 (variedades de cana-de-açúcar), e três repetições (parcelas experimentais), onde cada parcela116 experimental possuía uma área de 900 m2 , totalizando 8.100 m2 de área.117 Para as avaliações do Ano II e III, as parcelas do Ano I foram divididas em sub-118 parcelas para a aplicação das diferentes doses de N, adotando-se, também, o delineamento em119 blocos ao acaso, com esquema fatorial 5x3x2 com cinco doses de adubação nitrogenada (0;120
  6. 6. 6 60; 80; 120; 1e 40 kg N ha-1 ), três variedades de cana-de-açúcar (RB867515, RB 863129 e121 RB 92579) e 2 períodos (1° e 2° socas), em parcelas subdivididas, com três repetições.122 Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância pelo teste F e, em caso de123 diferença significativa, procedeu-se a comparação das médias pelo teste de Tukey a 5% de124 probabilidade, utilizando o aplicativo computacional InfoStat® (Infostat, 2004).125 126 Análises127 Para a análise de produtividade e valor nutritivo foram realizadas três coletas de cana-de-128 açúcar, uma a cada final de ano experimental. Realizou-se a análise da produtividade de129 colmos em uma área de 3 m2 em cada parcela, sendo após a avaliação do peso fresco,130 coletadas três plantas de cada parcela aleatoriamente, cada planta foi separada em colmo e131 ponta + folhas, sendo identificadas e pré-secas em estufa de circulação forçada de ar a 60°C,132 por 72 horas ou até atingirem peso constante, sendo posteriormente moídas em moinho tipo133 Willey a partículas de 1,0 mm para determinação dos teores de matéria seca (MS) e, com base134 na MS, proteína bruta (PB), segundo metodologias descritas por Silva e Queiroz (2002). A135 fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA) foram analisadas pelo136 método de Van Soest, descrito e simplificado por Souza et al. (1999).137 A digestibilidade in vitro foi realizada segundo a metodologia descrita por Tilley e138 Terry (1963), e para tal coletou-se líquido ruminal de três vacas da raça Holandesa, com peso139 médio de 600 kg , canuladas no rúmen. O inóculo ruminal foi coletado com auxílio de140 garrafas térmicas previamente aquecidas a 39ºC e levados, imediatamente, ao laboratório,141 onde foram homogeneizados e filtrados em duas camadas de gaze, sendo mantido em banho-142 maria a 39ºC sob saturação de CO2, até serem adicionadas às demais soluções para143
  7. 7. 7 reprodução das condições dos compartimentos rúmen-retículo. Foi utilizada a fórmula (MS144 incubada /MS) x 100 para obtenção dos resultados.145 O teor de Brix (%) da cana-de-açúcar foi mensurado com o auxílio de um refratômetro146 de campo conforme metodologia do Consecana (2006). onde foram retiradas três plantas por147 parcela, aleatoriamente, sendo coletadas amostras do caldo do colmo. As gotas de caldos148 foram extraídas do 4° internódio a partir da base da planta solo e da ponta do último149 internódio da bainha.150 151 RESULTADOS152 Produtividade e Valor Nutritivo da Cana-planta – Ano I153 Para o Ano I, observou-se que a produtividade da variedade RB 863129 foi maior em154 23% (P<0.05) comparada com as variedades RB 867515 e RB 92579 (Tabela 1).155 Tabela 1. Produtividade e valor nutritivo de variedades de cana-de-açúcar156 157 Não houve diferença (P<0,05) do teor de fibra em detergente neutro (FDN) e em158 detergente ácido (FDA) entre as variedades estudadas, com valor semelhante ao observado159 por Oliveira et al (2012), os quais obtiveram FDN variando de 35 a 63% e FDA de 21 a 36%.160 O teor de PB foi superior (p<0,05) para a variedade RB 863129, sendo 53% em média161 maior que as demais variedades. Não houve diferença entre as variedades (P<0,05) para a162 digestibilidade in vitro da MS. As três variedades avaliadas apresentaram digestibilidade163 maior que 60%.164 Tratamento Produtividade (t ha-1 ) MS (%) FDN (%) FDA (%) PB (%) DIVMS (%) Brix (%) FDN/Brix (%) RB863129 144a 19,2a 54,8 36,0 3,38a 64,7a 18a 3,04a RB 867515 112b 19,4a 61,8 37,5 1,70b 63,7a 17a 3,63a RB 92579 111b 18,6b 55,1 32,5 1,89b 69,5a 17a 3,24a CV (%) 18 8,3 7,6 3,5 4,8 8,0 2,1 12,3 Médias seguidas de letras minúsculas diferentes nas colunas diferem entre si pelo teste Tukey (P<0,05).
  8. 8. 8 165 Produtividade de Colmos – Ano II e III166 Houve interação (P<0,05) entre variedades e doses de adubação nitrogenada para a167 produtividade de colmos na primeira e segunda soca (Tabela 2).168 Tabela 2. Produtividade (t ha-1 ) de colmos de primeira e segunda soca de variedades de cana-169 de-açúcar em função de doses de adubação nitrogenada170 Colmo t ha-1 1° Soca Dose (N ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 65,7 Bbα 82,4 ABbα 80,8ABbα 96,2 Abα 62,5 Bbα RB 863129 58,8 Cbα 69,2 BCbα 86,5ABbα 86,2 ABbα 94,4 Aaα RB 92579 110,6 Baα 116,5 ABaα 134,3 Aaα 135,6 Aaα 109,3 Baα 2° Soca Dose (N ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 65,7 Babα 82,4 ABaα 80,7 ABbα 96,1 Aaα 68,1 Bbα RB 863129 40,8 Cbβ 77,6 Baα 106,0 Aaα 95,0 Baα 105,9 Aaα RB 92579 76,0 Caβ 75,4 Caβ 81,3 BCabβ 102,5 Baβ 128,8 Aaβ Médias seguidas de letra maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas, não diferem entre si171 pelo teste de Tukey a 5% de significância. CV (%) = 16,65172 173 Os maiores valores (p<0,05) de produtividade foram observados com a variedade RB174 92579 e as doses de 80 e 140 kg N ha-1 , para a primeira e segunda soca, respectivamente.175 Para todas as variedades observou-se o incremento nos valores de produtividade com o176 aumento da dose de N, porém para as variedades RB 867515 e RB 92579 na primeira soca e177 para a variedades RB 867515 e RB 863129 na segunda soca esse incremento só ocorreu até a178 dose de 120 kg N ha-1 , tendo um decréscimo na produtividade na dose de 140 kg N ha-1 .179 Para a segunda soca foi observada uma maior variação nos valores de produtividade180 (de 40,87 a 128,80), com maior produtividade observada para a variedade RB 92579 com a181 dose de 140 kg N ha-1 . A menor produtividade para a primeira soca observou-se para a182 variedade RB 863129 com o tratamento controle, sendo este em média 40% inferior aos183 demais tratamentos.184
  9. 9. 9 A variedade RB 92579 além da maior produção de colmos, também foi a que obteve185 melhor eficiência agronômica com a dose de 140 kg N ha-1 , sendo 59% superior ao controle186 (sem aplicação de N). A resposta da soqueira também foi positiva para os demais tratamentos,187 com aplicação de 60, 80 e 120 kg N ha-1 .188 Em relação à variedade RB 863129 que foi a que obteve maior produtividade de189 colmos na cana planta, na segunda soca sua produtividade média foi inferior à observada para190 a variedade RB 92579. Os tratamentos que obtiveram maiores produtividade foram com 80 e191 140 kg N ha-1 (P<0.05), ambos com uma média de 106 t ha-1 de colmo, esta produtividade foi192 em média 38% superior à obtida no tratamento controle.193 De maneira geral, os resultados mais baixos em produtividade de colmos da segunda194 soca foram obtidos variedade RB867515, não sendo observado efeito interativo entre os anos195 experimentais para nenhuma das doses avaliadas. Para a variedade RB 863129 observou-se196 efeito temporal na produtividade apenas com o tratamento controle, sendo que na primeira197 soqueira a produtividade de colmos foi 30% superior à segunda soqueira com este tratamento.198 Já para a variedade RB 92579 houve efeito temporal para todos os tratamentos, sendo os199 valores de produtividade da primeira soqueira, para a maioria dos tratamentos, superiores a200 segunda soqueira, com exceção da dose de 140 kg N ha-1 . A média geral para produtividade201 de colmos da primeira soqueira foi superior à da segunda soqueira, um fato que pode explicar202 este comportamento é o diâmetro dos colmos, que com o passar dos anos é gradualmente203 reduzido, e desta maneira, podemos inferir que com o decréscimo no diâmetro dos colmos204 decorrente dos sucessivos cortes, decresce também o número de perfilhos das touceiras com o205 passar do tempo e, consequentemente, decresce a produtividade dos cortes da cana soca.206 207 Teor de Matéria Seca nos Colmos – 1ª e 2ª Socas208
  10. 10. 10 O teor de matéria seca (MS) para a primeira e segunda socas variaram de 20,1 a 25,6%209 os quais estão dentro do esperado para a cana-de-açúcar com idade de rebrota de 10 meses.210 Não houve interação entre as diferentes doses de nitrogênio, variedades e os anos211 experimentais (Tabela 5).212 Tabela 5. Teor de MS de colmos de primeira e segunda soqueira de três variedades de cana-213 de-açúcar em função de doses crescentes de adubação nitrogenada.214 Matéria seca 1° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 24,1Aaα 25,1Aaα 25,1Aaα 25,1Aaα 25,0Aaα RB 863129 25,0Aaα 25,6Aaα 25,6Aaα 25,3Aaα 25,6Aaα RB 92579 25,0Aaα 25,6Aaα 25,5Aaα 25,0Aaα 25,9Aaα 2° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 24,5Aaα 24,2Aaα 24,3Aaα 25,6Aaα 24,6Aaα RB 863129 24,2Aaα 24,4Aaα 25,0Aaα 25,1Aaα 25,0Aaα RB 92579 20,6Aaα 24,6Aaα 24,1Aaα 25,3Aaα 25,0Aaα Médias seguidas de letra, maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas para a mesma215 variedade, não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de significância. CV (%) = 6,18216 217 Proteína Bruta- 1° e 2° Socas218 Tabela 6. Teores de PB no colmo da primeira e segunda soqueiras de três variedades de cana-219 de-açúcar com cinco tratamentos com adubação nitrogenada.220 Proteína Bruta 1° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 1,14Aaα 1,51Aaα 1,20Aaα 2,20Aaα 1,38Aaα RB 863129 1,23BCaα 1,02Caα 1,39BCaα 2,49Aaα 2,19ABaα RB 925795 1,37Baα 1,81ABaα 1,75ABaα 2,52Aaα 1,64ABaα 2° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 1,54Aaα 1,56Aaα 2,34Aaα 2,19Aaα 2,05Aaα RB 863129 1,94Aaα 1,83Aaα 1,70Aaα 1,95Aaα 2,04Aaα RB 925795 2,09Aaα 1,74Aaα 2,00Aaα 1,75Aaα 2,39Aaα Médias seguidas de letra maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas, não diferem entre si221 pelo teste de Tukey a 5% de significância. CV (%) = 10,19222 223 Em relação aos teores de PB no colmo da 1° soca de cana-de-açúcar, houve diferença224 significativa entre as doses para as variedades RB 863129 e RB 92579, enquanto na 2° soca225
  11. 11. 11 não foi observado diferenças entre variedades e doses nitrogenadas. Na variedade RB 863129226 os melhores teores de PB foram observados nas doses de 120 e 140 kg N ha-1 , com teores de227 2,49 e 2,19% de PB, respectivamente. Na variedade RB 92579 o melhor valor encontrado pra228 PB foi com a dose de 120 kg N ha-1 , diferenciando estatisticamente do tratamento controle229 (Tabela 6).230 231 Fibra em Detergente Neutro - 1° e 2° Socas232 Na Tabela 7 encontram-se os teores médios de fibra em detergente neutro (FDN) da233 fração colmo das variedades de cana-de-açúcar estudadas. Considerando as respostas dos234 tratamentos para cada variedade, e a interação entre variedades e tratamentos, constatou-se235 diferença estatística para este parâmetro.236 Tabela 7. Teores de FDN no colmo da primeira e segunda soqueiras de três variedades de237 cana-de-açúcar com cinco tratamentos com adubação nitrogenada.238 Médias seguidas de letra comum, maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas, não diferem239 entre si pelo teste de Tukey a 5% de significância. CV (%) = 2,08240 241 Os valores de FDN apresentaram uma grande variabildiade, obtendo-se uma diferença242 de 20% entre o maior valor e (62,1%) e o menor valor (41,2%), ambos os valores observados243 na variedade RB 92579 e na 2° soca.244 Para todas as variedades, independente do ano experimental, o melhor teor de FDN245 diferiu do tratamento controle (p<0,05), mostrando que adubação nitrogenada tem influência246 Fibra em Detergente Neutro 1° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 53,9Aaβ 50,4Cbα 53,2Aaα 47,6Bbβ 51,6Aaα RB 863129 56,5Aaα 42,0Dcβ 45,6Cbα 57,5Aaα 50,9Baβ RB 92579 56,9Aaα 54,0Aaα 55,6Aaα 55,7Aaα 41,2Bbβ 2° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 58,2Aaα 51,0Aaα 41,3Bbβ 55,2Aaα 55,1Abα RB 863129 56,6Aaα 45,8Cbα 42,3Dbα 50,9Bbβ 55,0Abα RB 92579 56,1Baα 41,2Dcβ 46,1Caβ 56,3Baα 62,1Aaα
  12. 12. 12 positiva na redução da fração FDN na cana-de-açúcar. Quanto à interação entre as diferentes247 doses de nitrogênio e as variedades estudadas, foi observado que para todas as doses de N248 houve diferença nos teores de FDN de acordo com a variedade utilizada, sendo que dentro de249 cada dose a variação entre variedades foi em média 10,6%. Para a dose de 60 kg N ha-1 houve250 diferença entre os anos para todas as variedades, enquanto que para o tratamento controle251 observou-se diferença entre a 1a e 2ª soca apenas na variedade RB 867515, com o teor de252 FDN foi 4,3% maior para 2° soca em relação a 1°. Nesta variedade observaram-se também253 diferenças nos teores de FDN entre anos com as doses de 80 e 120 kg N ha-1 , com uma254 variação de 11,8 e 7,6% da primeira pra segunda soca, respectivamente. No entanto, com255 comportamentos distintos, pois para a dose de 80 kg N ha-1 houve decréscimo no teor de FDN256 da 1° soca para 2° soca, enquanto a dose de 120 kg N ha-1 apresentou um acréscimo.257 Para a variedade RB 863129 observaram-se diferenças nos teores de FDN entre anos258 com as doses de 120 e 140 kg N ha-1, além da de 60 kg N ha-1 já comentado, e a variedade RB259 92579 por sua vez, apresentou diferenças entre anos com as doses de 60, 80 e 140 kg N ha-1 , e260 o melhor resultado de FDN em termos de qualidade nutricional foi verificada na primeira soca261 com a aplicação de 140 kg N ha-1 .262 263 Fibra em Detergente Ácido - 1° e 2° Socas264 Os valores de fibra em detergente ácido (FDA) na primeira soca variaram de 26,4% a265 31,8%, e na segunda soca de 20,8% a 32,7 % de FDA (Tabela 8).266 Em relação aos teores de FDA no colmo da 1° soca de cana-de-açúcar, houve diferença267 significativa entre as doses de adubação nitrogenada para as variedades RB 863129 e RB268 92579, e com comportamentos distintos nos teores de FDA de cada tratamento estudado269
  13. 13. 13 dentro destas variedades. Enquanto na segunda soqueira, observa-se diferença para todas as270 variedades.271 Para a primeira soqueira observa-se para a variedade RB 863129 uma diferença de272 3,6% entre o menor e o maior valor de FDA, enquanto na variedade RB 92579 essa diferença273 foi de 5,3%. Em termos de qualidade nutricional a variedade RB 92579 com o tratamento274 controle foi a que apresentou melhor resultado de FDA (26,4%) representado pelo menor275 valor, diferenciando significativamente das doses de 80 e 120 kg N ha-1 . Na segunda soqueira276 o melhor valor de FDA (20,8%) foi encontrado na variedade RB 863129, diferenciando277 significativamente de todas as doses.278 Tabela 8. Teores de FDA no colmo da primeira e segunda soqueiras de três variedades de279 cana-de-açúcar com cinco tratamentos com adubação nitrogenada280 Fibra em Detergente Ácido 1° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 29,2Aaα 29,8Aaα 29,4Aaα 28,1Aaα 30,5Aaα RB 863129 29,3ABaα 28,1Baα 31,7ABaα 31,4ABaα 31,8Aaα RB 92579 26,4Baα 29,7ABaα 31,8Aaα 30,3Aaα 28,5ABaα 2° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 867515 31,9Aaα 31,8Aaα 25,5Bbβ 27,7Baα 32,7Aaα RB 863129 26,2Bbα 29,7Aabα 20,8Ccβ 25,5Baβ 25,7Bbβ RB 92579 27,6BCbα 28,0ABbα 30,9ABaα 24,5Caβ 31,2Aaα Médias seguidas de letra maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas, não diferem entre si281 pelo teste de Tukey a 5% de significância. CV (%) = 3,85282 283 Digestibilidade in vitro - 1° e 2° socas284 Os valores de DIVMS para a primeira soca variaram de 55 a 66%, os quais estão285 dentro do esperado para a cana-de-açúcar com idade de rebrota de 10 a 12 meses (Oliveira et286 al., 2001). Para a 2° soca os valores variaram de 63 a 79% ficando um pouco acima dos287 relatados na literatura para este período. Não houve diferença estatística entre os tratamentos e288
  14. 14. 14 nem interação entre as diferentes doses de nitrogênio, variedades e os anos experimentais289 (Tabela 9).290 Tabela 9. Teores de digestibilidade no colmo da primeira e segunda soqueiras de três291 variedades de cana-de-açúcar com cinco tratamentos com adubação nitrogenada292 Digestibilidade 1° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 63,9Aaα 64,5Aaα 64,9Aaα 66,2Aaα 61,0Aaα RB 863129 63,5Aaα 67,5Aaα 64,5Aaα 58,8Aaα 63,8Aaα RB 92579 61,1Aaα 56,3Aaα 58,6Aaα 55,0Aaα 65,5Aaα 2° Soca Dose de N (kg ha-1 ) Variedade 0 60 80 120 140 RB 8675515 68,4Aaα 79,8Aaα 71,8Aaα 63,2Aaα 64,6Aaα RB 863129 68,4Aaα 67,9Aaα 75,5Aaα 68,9Aaα 69,2Aaα RB 92579 69,5Aaα 71,3Aaα 68,7Aaα 69,7Aaα 68,0Aaα Médias seguidas de letra maiúscula nas linhas, minúscula nas colunas e gregas nas tabelas, não diferem entre si293 pelo teste de Tukey a 5% de significância, CV (%) = 10,19294 295 DISCUSSÃO296 Produtividade e Valor Nutritivo da Cana-planta – Ano I297 Para a cana planta a média de produtividade das três variedades foi de 122,33 t ha-1 ,298 sendo este valor considerado acima da média nacional que é atualmente 74,1 ton ha-1 299 (CONAB, 2014). A elevada produtividade pode ser justificada pelas condições ambientais300 durante o período experimental, as quais foram determinantes para a expressão da capacidade301 de perfilhamento das variedades, sendo a média de temperatura durante o período302 experimental de 29°C, e a média de precipitação de 153 mm nos primeiros 180 dias do ciclo303 da cultura (Figura 1), período onde ocorre maior perfilhamento, e consequentemente, se tem304 maior necessidade de disponibilidade hídrica e de temperaturas favoráveis. Segundo Inman-305 Bamber (2004) a deficiência hídrica na fase inicial de desenvolvimento vegetativo limita o306 crescimento, desenvolvimento e a produtividade da cana-de-açúcar.307
  15. 15. 15 A variedade RB 863129 apresentou uma produtividade superior às médias regional e308 nacional que são de 57 e 77 t ha-1 respectivamente (CONAB, 2011). Essa maior produtividade309 da RB 863129 tem estreita relação com os dados de análise de crescimento que foram obtidos310 para esta variedade neste ano experimental, como número de plantas (média de 14 plantas por311 metro linear) e massa seca de colmos (2700 g planta-1 ), parâmetros nos quais esta variedade312 obteve os melhores resultados em relação às demais.313 A média de FDN das três variedades na cana planta foi de 57%, ao contrário do que314 ocorre em outras gramíneas tropicais, na cana-de-açúcar os teores de FDN são menores nos315 colmos do que nas folhas. Este aspecto é importante, pois a FDN ou parede celular, representa316 a fração química da forragem que guarda mais estreita relação com o consumo e desempenho317 animal. A FDA é a fração menos digerível da parede celular das forrageiras, sendo constituída318 na sua quase totalidade de lignina e celulose (Silva & Queiroz 2002). De acordo com Van319 Soest (1994), quanto maior o teor de FDA menor será a digestibilidade, enquanto que a FDN320 tem correlação negativa com o consumo das forrageiras, considerando teores acima de 40%321 de FDA e 60% de FDN, como limitantes da digestibilidade e ao consumo, respectivamente.322 Sendo assim, os valores obtidos para estas frações nesta pesquisa estão fora da faixa limitante323 para a digestibilidade e o consumo de bovinos.324 Variações no teor de PB entre variedade de cana-de-açúcar parece ser uma325 característica intrínseca de cada variedade, principalmente por conta das diferentes relações326 colmo/folha que são observadas entre variedades e, também, podem variar de acordo com a327 idade de corte, sendo que há relatos de tendência de queda no teor de PB durante o ciclo da328 cultura (Andrade et al., 2002).329 A média para a digestibilidade in vitro deste estudo foi semelhante à obtida por Okano330 et al. (2006) e Carvalho et al. (2010). A relação FDN/Brix apresentou uma média de 3,3,331
  16. 16. 16 pode-se aceitar este valor como adequado para esta relação entre as variedades analisadas,332 para evitar que o maior teor de FDN de algumas variedades limite o consumo de cana-de-333 açúcar pelo animal, que é o componente que fornece a maior parte da energia digestível para o334 animal. Deve-se ressaltar que uma variedade que apresente um teor de FDN menor permitirá335 ao animal maior consumo de energia, comparada com outra de teor um pouco melhor de336 açúcar, porém com teor de FDN mais alto.337 338 Produtividade de Colmos – Ano II e III339 A média da produção de colmos para a variedade RB 92579 foi semelhante ao máximo de340 produtividade por área segundo dados do CONAB (2013) referentes à safra 2011/2012. Tal fato341 justifica- se principalmente pela manutenção da palhada em solo, pela reposição de nutrientes,342 através das adubações, e pela melhor distribuição de chuvas durante o ciclo vegetativo da cultura.343 A temperatura média entre os meses de novembro/2010 a abril/2011, correspondentes aos344 primeiros 180 dias do ciclo da cultura, oscilou entre 23 a 26ºC; e o balanço hídrico para a cultura345 apresentou um curto e reduzido período de déficit hídrico (Figura 2). Sendo assim, as condições346 ambientais que prevaleceram durante este ano experimental foram determinantes para a expressão347 da capacidade de perfilhamento da variedade. A medida que a temperatura do ar se eleva em torno348 de 30°C, há um aumento considerável de perfilhamento e crescimento em altura, favorecendo349 maior propagação vegetativa da cana-de-açúcar (Bonnet et al. 2006).350 351 352 353 354 355 356
  17. 17. 17 A resposta da cana-soca à aplicação de fertilizante nitrogenado pode ser explicada por357 vários fatores. Anjos (1995) sugere que a explicação está na diferença de vigor dos sistemas358 radiculares da cana planta e das soqueiras, muito menos vigoroso neste último caso, o que os torna359 menos aptos para absorver o N em profundidade.360 A adubação nitrogenada com doses crescentes de até 180 kg N ha-1 resulta em361 aumento linear na produtividade de colmos de segunda soca, e o efeito se estende para a362 terceira soca (Vitti et al. 2007). Em estudo realizado por Uribe (2010), a maior produtividade de363 colmos foi verificada quando se aplicou 140 kg N ha-1 , confirmando os resultados obtidos neste364 trabalho.365 Esses resultados podem ser atribuídos ao efeito da mineralização do N da palhada366 remanescente, acumulada dos anos anteriores, pois embora a palhada deixada sobre a367 superfície do solo apresente baixo teor de nitrogênio (quando comparada à reserva do solo) as368 colheitas sucessivas sem despalha a fogo devem contribuir, com o tempo, para um maior369 acúmulo de N no solo. O efeito positivo da presença de palhada sobre a produtividade da cana-370 de-açúcar também foi relatado em outros trabalhos ( Oliveira et al., 1999).371 A maior parte da literatura disponível com adubação nitrogenada em cana-planta ou372 soqueiras avalia somente um ano agrícola, não levando em consideração a resposta à aplicação de373 fertilizantes nos ciclos agrícolas subsequentes, por meio do efeito residual, uma vez que a cana-374 de-açúcar é uma cultura semi-perene, que utiliza as reservas do sistema radicular para a rebrota375 (Vitti et al., 2007).376 O rendimento de colmos da cana-de-açúcar pode estar relacionado às características377 genéticas da variedade, com destaque para tolerância à seca e crescimento rápido com alta378 produtividade (Schultz et al., 2010). Aliado a isso, tem-se o fato da cana-de-açúcar ser uma379 excelente extratora de nitrogênio do solo devido ao longo ciclo e ao sistema radicular abundante.380 Dados recentes de pesquisa mostram que existe uma gama enorme de variação na extração de N381
  18. 18. 18 pelas diversas variedades de cana-de-açúcar no Brasil, variando de 100 a 200 kg N ha-1 para a382 produção de 100 t ha-1 de colmos. Do N extraído, 18 % a 64 % são exportados pelos colmos,383 dependendo da variedade. No trabalho realizado por Paes (1997), testando três variedades de384 cana-de-açúcar, combinadas com três doses de adubação nitrogenada 0, 50 e 100 kg ha-1 de N,385 obteve resposta positiva para aumento de produtividade de colmos por hectare em duas das três386 variedades estudadas, concluindo-se assim que existe diferença na eficiência de utilização do387 nitrogênio entre as variedades de cana-de-açúcar.388 389 Teor de Matéria Seca nos Colmos – 1ª e 2ª Socas390 Os valores encontrados na literatura apresentam-se na faixa de 20,4 a 33,9% de MS.391 Sallas et al., (1992), que avaliaram a variação de composição bromatológica de 20 variedades392 de cana usadas na alimentação de ruminantes, observaram variações no teor de MS entre 20,1393 e 27,8%. Orlando Filho et al. (1980) encontraram que a matéria seca acumulada na folha +394 ponteiro para as variedades SP79-1011, RB72454, RB855113, RB867515, RB92579,395 RB93509, Co997 e CB 4176r, foi superior à do colmo até os 180 e 300 DAP,396 respectivamente, sendo esses períodos semelhantes aos observados neste estudo.397 398 Proteína Bruta- 1° e 2° Socas399 No trabalho de Oliveira et al (2012) avaliando a composição bromatológica e a400 digestibilidade in vitro de 4 variedades, entre elas a RB 867515, encontraram teor de PB401 variando de 2,39 a 2,52%. Não foi observado efeito do ano de corte nos teores de PB para as402 variedades e doses nitrogenadas. No trabalho de Viana et al., (2011), foram observados efeito403 linear para o teor de proteína bruta em resposta ao nitrogênio aplicado. Este aumento do teor404 de proteína propiciado pela adubação nitrogenada é observado em vários trabalhos, no entanto405 com outras gramíneas forrageiras (Puoli et al., 1991; Kering et al., 2011).406
  19. 19. 19 Normalmente as folhas da cana-de-açúcar têm conteúdo de nitrogênio cinco a seis407 vezes superior aos colmos, provavelmente, devido a maior atividade enzimática presente nas408 folhas, mas como colmos representam aproximadamente 80% da planta, o teor de proteína409 bruta na planta inteira raramente ultrapassa 2% da MS.410 411 Fibra em Detergente Neutro - 1° e 2° Socas412 As variaçõe nos teores de FDN deste estudo estão de acordo com a encontrada por413 Nussio et al. (2006), onde os autores observaram uma grande amplitude de variação para o414 FDN de 37,9 a 63,9% em amostras de cana-de-açúcar. Essa diferença em unidades415 percentuais é de grande importância, considerando-se a capacidade limitada de ingestão de416 FDN pelos animais.417 De maneira geral, observa-se que o teor de FDN da cana-de-açúcar é baixo quando418 comparado a outras forrageiras tropicais com alto potencial de produção de matéria seca por419 hectare. Esse fato é explicado principalmente pela idade do corte da planta, que ocorreu aos420 10 meses, período em que a cana já chegou a sua maturidade e apresenta alto teor de sacarose.421 Korndorfer et al. (2002), ao compararem o efeito da adubação nitrogenada em sete422 variedades de cana-de-açúcar, observaram que os teores de fibras nas canas diminuíram com423 o aumento do nitrogênio. De acordo com Toppa et al,. (2010) o N aumenta o comprimento424 dos colmos da cana-de-açúcar, o que provoca redução na espessura da parede celular,425 podendo levar à redução na porcentagem de fibras na planta. Em trabalhos com outras426 forrageiras tem-se atribuído a redução dos teores de FDN à adubação nitrogenada (Costa et427 al., 2006; Dupas et al., 2010). A FDN da cana-de-açúcar apresenta baixa digestibilidade, em428 média 40% e, portanto, a redução em seus teores implica em melhor qualidade do volumoso429 (Maeda et al., 2011).430
  20. 20. 20 431 Fibra em Detergente Ácido - 1° e 2° Socas432 PATE et al. (2001), em estudo do valor nutricional de variedades comerciais de cana-433 de-açúcar, observaram uma ampla variação na porcentagem da FDA (28,3% a 41,5%), no434 entanto com avaliação de 66 variedades.435 Em termos gerais, não foi observada nesta pesquisa tendência clara na melhoria dos436 teores de FDA com o aumento da dose de adubação nitrogenada. E as diferenças entre os437 tratamentos quanto ao teor de FDA podem ser explicadas pela característica intrínseca de438 estiolamento e distância internódios de cada variedade.439 Com outras forrageiras tropicais se tem verificado ou não uma melhoria nestes teores440 com o aumento da dose nitrogenada. No trabalho de Kering et al. (2011) foi avaliado a441 qualidade nutricional do Cynodon dactylon adubado com 4 doses de adubação nitrogenada,442 sendo verificado uma diminuição nos teores de FDA de 25% com a maior taxa de N.443 Enquanto Dupas et al., (2010) avaliando a influência de 5 doses de N na qualidade nutricional444 do capim-marandu (Brachiaria brizantha, cv. Marandu) , observaram que os teores de FDN445 decresceram com as doses de nitrogênio, enquanto os de FDA não foram influenciados pela446 adubação.447 448 Digestibilidade in vitro - 1° e 2° socas449 Apesar da semelhança estatística das médias, numericamente as diferenças entre as450 variedades ocorrem, devido a fatores como acúmulo de açúcares na planta da cana e pelo451 estágio de maturidade da planta no momento da colheita (Suzuki et al., 2010). O valor452 elevado de DIVMS é uma característica da cana-de-açúcar, uma vez que essa forrageira453 mantém a digestibilidade elevada, inclusive com ligeiro aumento no final do ciclo vegetativo454
  21. 21. 21 coincidindo com a maturação. Assim como no trabalho de Waramit et al (2012), nesta455 pesquisa também não houve padrão consistente em resposta DIVMS devido à adubação456 nitrogenada, sendo portanto dificil tirar conclusões sobre o efeito benéfico da adubação com457 N na DIVMS.458 Rodrigues et al. (1997), estudaram 11 variedades de cana-de-açúcar, também459 observaram elevados coeficientes de digestibilidade, encontraram variações de 67,57 a460 77,23% na DIVMS, no entanto na planta inteira.461 462 CONCLUSÕES463 A variedade de cana-de-açúcar RB 863129 apresenta a melhor produtividade e qualidade464 nutritiva, quando cana-planta, com 144 t ha-1 de colmos, 54,80% de FDN, 36,0% de FDA, 3,38%465 de PB e relação FDN/BRIX de 3,04. A variedade RB 92579 apresenta melhor produtividade,466 aliada aos melhores parâmetros nutricionais, com médias de 131 t ha-1 de colmos, 26% de FDA,467 41% de FDN e 2,44% de PB quando no 2º e 3º ano posteriores ao plantio, associada a doses de468 adubação nitrogenada de 120 e 140 kg N ha-1 .469 A produtividade de cana-de-açúcar, assim com a sua qualidade nutricional pode sofrer470 uma aumento considerável quando é feito o manejo adequado da adubação nitrogenada mas471 soqueiras, além disso, as respostas observadas foram influenciadas pelas variedades na472 maioria dos parâmetros avaliados.473 474 475 476 477 478
  22. 22. 22 REFERÊNCIAS479 480 Abranches, J.L., and A.C. Bolonhezi. 2011. Desenvolvimento inicial de variedades e clones481 de cana-de-açúcar em Latossolo Vermelho Distrófico, Aparecida do Taboado - MS. Rev.482 Bras. Ciênc. Agrár. 6:369-375.483 Andrade, J.B., E. Ferrari Júnior, R.A. Possenti, I.P. Otsuk, L. Zimback, and M.G.A. Landell,484 Produção e composição de cultivares de cana-de-açúcar. In: REUNIÃO ANUAL DA485 SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 39., 2002, Recife. Anais... Recife:486 Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2002. 1 CD-ROM.487 ANJOS, I.A. Avaliação do potencial forrageiro e industrial de variedades de cana-de-açúcar488 (canasoca), sob diferentes doses de nitrogênio. 1995. 59 f. Dissertação (Mestrado em489 Fitotecnia) - Universidade Federal de Lavras. Lavras, 1995.490 ANON., 2007. Annual Report 2006. Mauritius Sugar Industry Research Institute, pp. 87–90.491 Berchielli, T. T., A. V. Pires and S.G. Oliveira. 2011. Nutrição de ruminantes. 2. ed.492 Jaboticabal: Funep.493 Boin, C., W.R.S. Mattos and R.D. D'arce, 1987. Cana de açúcar e seus subprodutos na494 alimentação de ruminantes. In: Paranhos, S.B. Cana de açúcar, cultivo e utilização. Campinas,495 Fundação Cargil. 2:805-856.496 Bonnett, G. D., M. L. Hewitt and D. Glassop. 2006. Effects of high temperature on the growth497 and composition of sugarcane internodes. Aust. J. Agr. Res. 57:1087-1095.498 Bonomo, P., C. M. M. Cardoso, M.S. Pedreira, C.C. Santos, A.J.V. Pires, F.F. Silva, 2009.499 Potencial forrageiro de variedades de cana-de-açúcar para alimentação de ruminantes. Acta500 Sci. Anim. Sci, 31:53-59.501
  23. 23. 23 Carvalho, M.V., P.H.M. Rodrigues, M.L.P. Lima, I.A. Anjos, M.G.A. Landell, M.V. Santos,502 L.F.P. Silva. 2010. Composição bromatológica e digestibilidade de cana-de-açúcar colhida em503 duas épocas do ano. Braz J Vet Res Anim Sci. 47:298-306.504 Conab. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira: cana-505 de-açúcar, safra 2010/2011, terceiro levantamento, janeiro/2011. Companhia Nacional de506 Abastecimento, Brasília, 2011. 19p507 Conab. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira: cana-508 de-açúcar, safra 2012/2013, quarto levantamento, abril/2013. Companhia Nacional de509 Abastecimento, Brasília, 2011. 17p510 Conab. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira: cana-511 de-açúcar, safra 2013/2014, segundo levantamento, agosto/2014. Companhia Nacional de512 Abastecimento, Brasília, 2014. 17p513 Costa, G. C; Campos, J. M. S.;Valadares Filho, S. C.; Valadares, R. F. D.; Costa, K.A.P.;514 Oliveira, I.P.; Faquim, V. (2006) Efeitos quantitativos e qualitativos do nitrogênio e do515 potássio no desenvolvimento da Brachiaria Brizantha cv. MG5. Revista Eletrônica516 Faculdade Montes Belos, 1:56-70.517 Dupas, E., S. Buzetti, A.L. Sarto. 2010. Dry matter yield and nutritional value of Marandu518 grass under nitrogen fertilization and irrigation in cerrado in São Paulo. Rev. Bras. Zootecn.519 39:2598-2603.520 Inman-Bamber, N.G. 2004. Sugarcane water stress criteria for irrigation and drying off. Field.521 Crop. Res. 89:107-122.522
  24. 24. 24 Kering, M. K., J. Guretzky, E. Funderburg and J. Mosali. 2011. Effect of nitrogen fertilizer523 rate and harvest season on forage yield, quality and macronutrient concentrations in Midland524 bermuda grass. Commun. Soil Sci. Plant Anal. 42:1958-1971.525 Korndorfer, G. H: et al. Desempenho de variedades de cana-de-açúcar cultivadas com e sem526 nitrogênio. In: CONGRESSO NACIONAL DA SOCIEDADE DOS TÉCNICOS527 AÇUCAREIROS E ALCOOLEIROS DO BRASIL – STAB. 8., Recife. Anais... Recife:528 [s.n.], 2002. p. 234-238.529 Maeda, E.M., L.M. Zeoula, C.C. Jobim, F. Bertaglia, R. C. Jonker, L. J. V. Geron, and D. S.530 Henrique. 2011. Chemical composition, fermentation, in vitro digestibility and in situ531 degradability of sugar cane silages with Lactobacillus, urea and agricultural byproduct. Rev.532 Bras. Zootecn. 40:2866-2977.533 Muchovej, R.M. and P. R. Newman. 2004. nitrogen fertilization of sugarcane on a sandy soil:534 ii. soil and groundwater analyses. J. Amer. Soc. Sugar Cane Technol. 24:210- 224.535 Nussio, L.G.; Schmidt, P.; Schogor, A.L.B.; Mari, L.J. Cana-de-açúcar como alimento para536 bovinos. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO ESTRATÉGICO DA PASTAGEM, 3., 2006,537 Viçosa. Anais... Viçosa : UFV, DZO, 2006. p. 277-328.538 Okano, K., Y. Iida, M. Samsuri, B. Prasetya, T. Usagawa, and T. Watanabe. 2006.539 Comparison of in vitro digestibility and chemical composition among sugarcane bagasses540 treated by four white-rot fungi. Anim. Sci. J. 77: 308-313.541 Oliveira, M.D.S., A. A. Casagrande, and E.F.S. Oliveira, 2001. Efeito da digestibilidade in542 vitro de variedades de cana-de-açúcar sobre seu valor como alimento para bovinos. Ars Vet.543 17:238-243.544
  25. 25. 25 Oliveira, M. W., Trivelin, P. C. O., Gava, G. J. C.; Penatti, C. P.1999. Degradação da palhada545 de cana-de-açúcar. Sci. Agric. 56:803-809.546 Oliveira, M. D. S., A. C. Rego, M. P. R. Sforcini, J. E. Freitas Junior, J. Santos, and M. V.547 Carvalho. 2012. Bromatological characteristics and in vitro digestibility of four sugarcane548 varieties subjected or not to the application of quicklime. Acta Sci Anim Sci. 34:355-361.549 Paes, J.M.V., N. Marciano, C.H. Brito, A.A. Cardoso, H.H.P. Martinez, A. Mendes, 1997.550 Estudo de espaçamentos e doses de nitrogênio na produção e em algumas características551 biométricas de três variedades de cana-de-açúcar. Rev. Stab, 15:18 20.552 Pate, F.M., J. Alvarez, J.D. Phillips, et al. Sugarcane as a cattle feed: production and553 utilization. Florida: University of Florida/ Cooperative Extension Service, 2001. 25p.554 Puoli, J.R., G.A. Jung, and R.L. Reid. 1991. Effects of nitrogen and sulfur on digestion and555 nutritive quality of warm-season grass hays for cattle and sheep. J Anim Sci. 69:843–852.556 Rodrigues, A. A., O. Primavesi, S. N. Esteves. 1997. Efeito da qualidade de variedades de557 cana-de-açúcar sobre seu valor como alimento para bovinos. Pesq. Agropec. Bras. 32:1333-558 1338.559 Rakkiyappan, P., S. Thangavelu, K. V. Bhagyalakshmi and R. Radhamani. 2007. Uptake of560 nitrogen, phosphorus and potassium by some promising mid late maturing sugarcane clones.561 Sugar Tech. 9:23-27.562 Sallas, M., G. Aumont, G. Biessy, and E. Magnie. 1992. Effect of variety, stage of maturity563 and nitrate fertilization on nutritive values of sugar canes. Anim Feed Sci Tech. 39: 265-277.564 Schultz. N., Eduardo L., M. G. Pereira, E. Zonta. Efeito residual da adubação na cana-planta e565 da adubação nitrogenada e potássica na cana-soca colhidas com e sem a queima da palhada.566 2010. R. Bras. Ci. Solo. 34:811-820.567
  26. 26. 26 Silva, D.J., A.C. Queiroz. 2002. Análise de alimentos: métodos químicos e biológicos. 3.ed.568 Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa.569 Siqueira, G.R., M.T.P. Roth, M.H. Moretti, J. M. B. Benatti, and F. D. Resende. 2012. Uso da570 cana-de-açúcar na alimentação de ruminantes. R.B.S.P.A. 13:991-1008.571 Scarpari, M. S., E. G. F. Beauclair. 2009. Physiological model to estimate the maturity of572 sugarcane. Sci. Agric. 66:622-628.573 Souza, G. B., A. R. A. Nogueira, L. N. Sumi, and L. A. R. Batista. Método alternativo para a574 determinação de fibra em detergente neutro e detergente ácido. São Carlos: Embrapa575 Pecuária Sudoeste, 1999. 21 p.576 Suzuki, T., T. Sakaigaichi, Y. Terajima, M. Matsuoka, Y. Kamiya, I. Hattori, and M. Tanaka.577 2010. Chemical composition and in situ degradability of two varieties of sugarcane at578 different growth stages in subtropical Japan. Grassl. Sci. Eur.. 56:134-140.579 Tilley, J.M.A., R.A. Terry. 1963. A two stage technique for the in vitro digestion of forage580 crops. J. Br. Grassl. Soc.. 18:104-111.581 Toppa, E. V. B., C. J. Jadoski, A. Julianetti, T. Hulshof, E. O. Ono, J. D. Rodrigues, 2010.582 Aspectos da fisiologia de produção da cana-de-açúcar (Saccharum Officinarum L.). Appl.583 Res. & Agrotec. 3:215-221.584 Uribe, R. A. M. Produtividade e estimativa de acúmulo da biomassa em soqueira de cana-de-585 açúcar irrigada por gotejamento subsuperficial com diferentes doses de N-fertilizante. 2010. 67 p.586 Tese (Doutorado em Agronomia/Irrigação e Drenagem) – Faculdade de Ciências Agronômicas,587 Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2010.588 Van SoesT, PJ. 1994. Nutritional ecology of the ruminat. Cornel University Press, Ithaca,589 New York590
  27. 27. 27 Vitti, A.C., P.C.O. Trivelin, G.J.C. Gava, C.P. Penatti, I.R. Bologna, C.E. Faroni, H.C.J.F. Franco.591 2007. Produtividade da cana-de-açúcar relacionada ao nitrogênio residual da adubação e do592 sistema radicular. Pesquisa Agropecuária. 42:249-256.593 Viana, M. C. M., F.M. Freire, J. J. Ferreira, G. A. R. Macêdo, R. B. Cantarutti, and M. H. T.594 Mascarenhas. 2011. Adubação nitrogenada na produção e composição química do595 capimbraquiária sob pastejo rotacionado, Rev. Bras. Zootecn. 40:1497-1503.596 Waramit, N., K. J. Moore, and S. L. Fale. 2012. Forage quality of native warm-season grasses in597 response to nitrogen fertilization and harvest date. Anim Feed Sci Tech. 174: 46-59.598 599 600

×