Jornal escolar palavras d'encantar 15.º ed.

1.215 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.215
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
642
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal escolar palavras d'encantar 15.º ed.

  1. 1. Volume 14, Edição 14 Nome da empresa julho de 2012 Coordenador: Prof. Max Teles Alunos: António Travassos, Mil- PALAVRAS D’ENCANTAR ton Ponte, Pedro Costa NESTA EDIÇÃO:Editorial 24x6horas com a Mate- 3-10máticaExposição Clube de 11JornalismoExposição — 12cidadaniaExposição Clube de 13 CDEG — Roberto CordeiroProteção Civil Campeão RegionalExposição História 14-15FamiliarExposição Ed. Visual 16e TecnológicaExposição Ciências 17 4x6horas com a MatemáticaHumanas e sociaisExposição Espaço 18FórumExposição NEE 19Mural Biblioteca 20OPII Ed. Visual e Tec- 21nológica CDEG — Xadrez cam- peões RegionaisElaboração da Ban- 22deira Regional Elaboração da Bandeira dos AçoresCDEG Corrida Portas 23do MarCDEG Corrida 1.º de 24MaioCDEG Campeonato 25Regional JuvenisCDEG Jogos das 25IlhasCDEG Corrida dos 26Arrifes Exposição do Clube deCDEG Taça R. Inf. 27 Jornalismoe Inc.CDEG Campeonato 28Nacional Juvenis Exposição dos vários departamentosCDEG Campeonato 29-30Nacional de Xadrez da Escola Básica 2,3 de GinetesVários 30-31 Dia Mundial da Terra Pinhal da Paz Paddy Paper
  2. 2. Página 2 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Editorial dades, mas não! Aumento de alunos por turma, podendo chegar aos 30 alunos (no Continente) numa sala de aula (irracional). Isto deveria ser Esta terceira edição, relativa ao terceiro uma sirene, um alarme, para os encarregados de período do ano letivo de 2011-2012, encerra mais educação. No ensino superior seria aceitável, um ano na Escola Básica Integrada de Ginetes. agora no ensino básico! Jovens alunos em forma- Se alguma atividade haveria a destacar, ção, procurando moldar a sua personalidade, mui- seria sem dúvida a «Escola Aberta, Escola em tos precisando de quem lhes aponte um caminho Festa», em que cada departamento primou pelo (em casa não têm esse apoio), acham que um empenho, oferecendo à Comunidade Escolar professor consegue «apagar tantos fogos», exposições, jogos e concursos, iniciativas para depois admiram-se com a indisciplina que graça angariar fundos, entre outras atividades de rele- um pouco por todos os estabelecimentos de ensi- vância que em tudo nos orgulhou. no. Ainda nesta linha de pensamento, menos alu- Apesar de toda a dedicação à sua escola nos, menos turmas, menos horários, menos pro- dos professores, funcionários, alunos e encarre- fessores, menos funcionários, menos orçamento, gados de educação, verificamos que houve mais estamos entendidos! No entanto, este «menos» um ataque ao ensino público por parte de quem não se irá traduzir em mais aproveitamento, almeja, apregoando aos quatro ventos, uma melhor ensino, melhor preparação para a vida melhor Educação. Ora, não será com cortes orça- profissional, um país mais qualificado e próspero. mentais e reduções no corpo docente que por Ainda hoje recordo uma frase emblemática «mais ventura se conseguirá atingir as tão famigeradas que herdar bens materiais, herda saber» e como «metas». Fazer muito, com muito pouco, não nos diz o povo «o saber não ocupa lugar», pelo con- venham ensinar esse provérbio, pois ele é sobeja- trário, vai connosco para todo o lado. Em tempos mente conhecido no meio académico! de crise, temos de fazer apostas, canalizar os Paulatinamente, pé ante pé, para não parcos recursos para o que realmente é importan- dizer em surdina, o emagrecimento dos estabele- te, um povo sem educação será sempre relegado cimentos escolares são uma realidade, em todos para o índice de «lixo», menção atribuída infeliz- os aspetos. Vejamos, não vou recorrer a estatísti- mente ao desempenho económico de Portugal. cas, nem a outros estratagemas fastidiosos, para Fim ao Desemprego/Empreendedorismo não dizer duvidosos, simplesmente observando de «qualidade» precisa-se! diretamente o que se passa à nossa volta. O coordenador do Clube de Jornalismo A primeira e grande justificação – a redu- Prof. Max Teles ção da natalidade, pois bem, menos alunos por turma seria o ideal, sinónimo de mais atenção a cada aluno, pelo menos àqueles com mais dificul-
  3. 3. Página 3 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Prof.ª Mariana Cabral “4x6 horas com mate- mática” No dia 27 de Abril, o Departamento de Matemática e Informática, em parceria com a Universidade dos Açores, dinamizou o evento “4x6 horas com matemática” na EB2, 3 de Ginetes. Neste evento pretendeu-se desenvolver nos alunos uma atitude positiva face à Mate- mática e fazê-los perceber a importância da mesma no seu dia a dia. Pretendeu-se, tam- bém, junto da população em geral, possibilitar o contato direto com a ciência, nomeadamen- te com a Matemática e com outras áreas do saber que estão dependentes desta disciplina. Num excerto da página web de divulga- ção deste evento, o Professor Paulo Fragata, principal responsável por esta iniciativa, refle- tiu e concluiu: “O mundo, tal como o conhecemos hoje, seria muito diferente caso a Matemática não existisse, uma vez que toda a tecnologia, economia, ciências da saúde, ciências humanas, entre outras áreas, se desenvol- veram com base em conceitos e algoritmos matemáticos, mais ou menos complicados. A Matemática é, pois, um pilar construtor da nossa civilização e, como tal, toda a sociedade deve ter consciência disso. Assim sendo, pre- tende-se dar a conhecer aos nossos alunos a aplicação desta ciência de forma informal e sem a pressão da ava- liação, desconstruindo mitos que há muitas gerações estão implantados sobre o seu grau de dificuldade e a sua falta de aplicabilidade.” Este excerto ilustra bem as pretensões do departamento curricular com a realização desta iniciativa.
  4. 4. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14 “4x6 horas com matemática” Assim, as atividades letivas foram totalmente direcionadas para esta área cur- ricular. foram realizadas palestras de divul- gação científica, sobretudo no domínio da matemática, sobre temáticas de interesse global e regional, acessíveis ao cidadão comum. Estas palestras foram dinamizadas por docentes convidados para o efeito, de mérito reconhecido, oriundos das nossas Escolas Básicas e Secundárias, da Univer- sidade dos Açores e de outros organismos. Prof.ª Mariana Cabral
  5. 5. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14
  6. 6. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14 “4x6 horas com matemática” Houve uma “Sala Tecnológica”, onde se desenvolverão jogos matemáticos digitais e uma sala de modelação. Os jogos matemáticos também estiveram presentes, nomeadamente os jogos que constituem o campeonato regional de jogos matemáticos e jogos de grandes dimensões realizados em espaços exteriores. Foram visitadas exposições de trabalhos de alguns alunos, bem como, trabalhos resultantes do con- curso de fotografia. Por fim, no início da noite, foram feitas observações astronómi- cas. Prof.ª Mariana Cabral
  7. 7. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14
  8. 8. Página 8 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14
  9. 9. Página 9 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14
  10. 10. Página 10 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14
  11. 11. Página 11 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 EXPOSIÇÃO CLUBE DE JORNALISMO No dia 14 de junho de 2012, na EB 2,3 de Ginetes, dinamizou-se uma exposição sobre o Clube de Jornalismo / Jornal Escolar. Esta contou com a presença dos seus membros — 3 alunos e um professor.´ O Balanço final pode-se considerar posi- tivo, visto que alunos, professores, funcionários e encarregados de educação elogiaram o Jornal Escolar, adquirindo-o na reprografia. Palavras d’Encantar tem chegado tam- bém às Juntas de Freguesia e às escolas do pri- meiro ciclo e jardins de Infância. Sítio do Clube de jornalismo: clubedejornalismoblog.blogspot.com Prof. Max Teles
  12. 12. Página 12 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Exposição - Cidadania Ao longo do ano letivo 2011/2012, os alunos das quatro turmas do sétimo ano foram convidados a tra- zer para a escola objetos / artigos de moda que tinham lá em casa, que não estavam a ser usados e cujo destino seria o caixote do lixo. Nós, os alunos da turma A, nas aulas de Cidadania e com a ajuda das docentes Rosa Martins, Lúcia Cosme e Elvira Santos, procedemos à transformação / reutilização dos obje- tos que ao longo do ano chegaram até nós. Tais obje- tos serviram para no final do ano, durante a “Escola Aberta / Escola em Festa”, realizarmos uma feira de usados e reciclados que foi um sucesso, provando mais uma vez que aquilo que para uns é lixo, poderá ser útil e ganhar nova vida nas mãos de outra pessoa. Prof.ª Rosa Martins Exposição Encontro de Gerações
  13. 13. Página 13 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Exposição Clube da Proteção Civil O Clube de Proteção Civil tem as seguintes finalidades: - Informar a população escolar sobre os ris- cos coletivos; - Envolver a comunidade educativa na cons- trução de uma cultura de segurança; - Educar para a prevenção e minimização de riscos; - Promover uma cidadania ativa e participan- te. O Clube de Proteção Civil tem como objeti- vos principais: - Sensibilizar os alunos para a proteção civil; - Conhecer protagonistas e intervenientes; - Identificar riscos naturais e tecnológicos; - Adquirir hábitos de segurança; - Desenvolver competências no âmbito da proteção civil; - Promover atitudes e comportamentos ade- quados em situações de emergência. O Clube é constituído por um professor res- ponsável e por um grupo de alunos que se inscreverá anualmente. Caso o número de alunos seja elevado poderá existir um segundo professor responsável pela dinami- zação das atividades do Clube. O Clube estará também disponível à partici- pação do pessoal não docente. Prof.ª Eunice Santos
  14. 14. Página 14 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Em busca da nossa identidade. os que tem origem na hereditariedade, para compreender e ajudar os que vierem a seguir. Quem somos nós? Enfim, também se pode identificar: o tipo A família é a unidade básica da socieda- de sangue; a cor dos olhos através deste estudo. de é nela que são contruidas as personalidades Por isso, a história familiar deveria ser uma parte das pessoas desde bebés até adultos. Bem, estruturante de todo o menino e menina. sabemos que é muito mais que isto. Há situações em que por vezes a dada altura da A maneira de ser das famílias está rela- investigação se perde o rasto, porque em virtude de diversas circunstâncias da vida na terra, as pessoas são separadas dos seus progenitores. São situações que lançam por um lado curiosi- dade e por outro algum sofrimento pois é um elo onde se perdeu a informação. Este desconheci- mento de suas origens deve causar algum tipo de preocupação principalmente quando são familiares diretos ou relativamente próximos. Algum dia as pessoas acabarão por des- cobrir. Por vezes é resultado de décadas de investigação. cionada com a escolhas das pessoas que se casam para formar uma unidade de desenvolvi- Todos nós em algum ramo de nossa mento que favoreça todos. Em certa medida, árvore encontrará situações destas. As mais fre- hoje somos o resultado das escolhas de nossos quentes são o desconhecer o progenitores mas- pais e de nossos avós. Claro que, por sua vez, culino, mas há também situações em que se per- eles (os avós) também foram, em certa medida, de a informação de quem foi a mãe e conhece- o resultados das escolhas de seus pais e ante- mos quem foi o pai isto nos registos, em cerca passados. Cada pessoa procura conhecer a sua de 30 e poucos anos de pesquisa só recente- identidade nos seus familiares. Costuma-se mente deparei-me com uma destas situações.. dizer: “és muito parecido com teu avô, ou com Na escola dos Ginetes procura-se fazer teu tio”, ou, sendo menina, “´és muito parecida este trabalho de pesquisa genealógica com os com tua mãe ou com tua tia avó”. As fisionomias alunos interessados. Desde que para lá fui traba- e feições são apenas um dos aspetos. Mas há lhar por volta de 2004 tenho implementado o muito mais onde buscamos ver a nossa identida- conhecimentos de suas raízes principalmente de, vemos tipologias comportamentais, traços de com os alunos do 3º ciclo. personalidade, isto é, os aspetos cognitivos, afe- Basicamente, o que é feito? tivos e volitivos que a formam. Começam por preencher um gráfico de Por isso o trabalho de fazer a nossa linhagem de seis gerações, e, depois faz-se a genealogia é muito mais de que recolher os informatização dos nomes no progrma PAF. nomes datas e locais de onde nasceram, casa- Numa fase posterior completam-se os grupos ram e faleceram. familiares, buscando os nomes de tios e tias de Há as pessoas que procuram respostas para seus antepassados. certas doenças hereditárias, para certos tipos de (cont.) cancro, há os que têm origem no ambiente e há
  15. 15. Página 15 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 www.familysearch.com sitio da internet que per- Partilhar esta informação é uma forma de mite a pesquisa dos registos ai disponibilizados, conhecer outros familiares pois nas ilhas ( nosso presentemente há uma grande base de dados caso arquipélagos dos Açores e Madeira) há para pesquisa dos registos de Portugal. Pode- muitos emigrantes. Acabamos por descobrir que mos também submeter a informação genealógi- nossos antepassados vieram de uma outra ilha ca. e até de um outro continente. Há alunos que tem Na exposição estavam disponíveis dois PCs antepassados que passaram por 3 ou mais con- portáteis onde os alunos eram acompanhados e tinentes Asia, Africa e Europa. Mais recente- puderam escrever diretamente no PAF os seus mente alguns de seus descendentes foram nomes e de seus antepassados. Também esta- parar ao continente americano. Muitos dos emi- va disponível uma base de dados, ligada a um grantes nos Açores foram para aos Estados Uni- vídeo projetor onde os alunos com ajuda do pro- dos da América e Canadá. Esta necessidade de fessor pesquisavam os nomes. Os restantes compilar a historia familiar vai-se alastrando por presentes aprendiam assim a utilizar estes todo o mundo. Numa fase posterior e no sentido meios. Ao sair registavam as suas impressões de partilhar a informação e com o consentimento sobre esta experiência. dos pais submete-se os nomes no Prof. João Pinto www.familysearch.com uma das maiores base de dados do mundo. É gratuita e segura. Acaba- mos por via, dessa partilha, por ser contactados por primos e outros familiares que vêm em bus- ca dos seus. Acabam por criar laços de amizade que se forta- lecem com o tempo. E nisto, nossa alegria trans- borda para outros, levando-os a fazer o mesmo trabalho, o de organizar e buscar os seus ante- passados. Descobrem-se muitas coisas, que nos preenchem e ajudam a construir a nossa identidade. Na semana aberta da Escola dos Ginetes, altura em que a escola está aberta à comunidade escolar, fazem-se várias atividades e aproveitando os trabalhos dos alunos fez-se uma pequeníssima exposição de seus gráficos de linhagem, que serviu para motivar os novos alunos, a conhecer, a explorar este trabalho de descoberta. Vocabulário: PAF, software de genealogia. Cuja sigla significa Personal Ancestor File Gráfico de linhagem, representação gráfica em forma de árvore com espaços/linhas para preen- cher os nomes, locais e datas dos acontecimen- tos vitais como o nascimento casamento e o falecimento.
  16. 16. Página 16 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Educação Visual e Tecnológica Exposição A exposição final, inserida na atividade da “Escola Aberta, Escola em Festa”, dos trabalhos realizados pelos alunos decorreu de forma positiva. Grupo de Educação Visual e Tecnológica EXPOSIÇÃO
  17. 17. Página 17 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Exposição Departamento de Ciências Humanas e Sociais, O departamento de Ciências Humanas e Sociais, durante a realização da “Semana aberta, semana em festa”, dinamizou uma série de atividades lúdico pedagógicas na” Oficina de História, Geografia e Educação Moral e Religião Católica”, inseridas nos con- teúdos programáticos das referidas discipli- nas. Os alunos aderiram de forma ativa, con- tribuindo para a consolidação dos conheci- mentos previamente adquiridos. Dado o sucesso da atividade, o departamento consi- dera pertinente a continuidade da citada ofici- na no presente ano letivo. Departamento de Ciências Humanas e Sociais
  18. 18. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14 vas a varias atividades desenvolvidas ao O PRESENCA DO ESPA- longo do ano. CO FORUM NA SEMA- Durante o dia foram muitos os alu- nos que por la passaram para verem a sua NA ABERTA, SEMANA participação na visita de estudo a Gruta do Carvão ou para se relembrarem dos EM FESTA momentos passados nas Olimpíadas de Português, por exemplo. Sempre ao som de música muito animada, O PROJETO MEMORIA DIGITAL da os visitantes foram entrando e saindo ao responsabilidade do Espaço Fórum visa a longo do dia todo. recolha de fotografias e vídeos de ativida- O Espaço Fórum pretende continuar des realizadas na EBI de Ginetes desde a a desenvolver a sua atividade no próximo sua fundação até ao presente ano letivo. ano letivo, por isso relembra a todos a As fotografias têm sido fornecidas necessidade que tem de continuar a rece- ao Espaço Fórum pelos professores que ber fotografias e agradece a todos quantos realizam atividades, pelos alunos, pelas contribuíram para a realização deste proje- assistentes técnicas e operacionais e por to disponibilizando o seu material. familiares dos próprios alunos. Prof.ª Clementina Botelho Na sala de apoio do segundo piso, os responsáveis pelo Espaço Fórum, pro- Prof. Luís Quadros fessora Clementina Botelho e professor Luís Quadros, projetaram fotografias relati-
  19. 19. Página 19 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Exposição NEE validados e adequados a cada visitante acerca da perceção de cada um sobre a inclusão. Foi É preciso ter consciência de que não há neste sentido que foram disponibilizados ques- duas pessoas iguais e que em educação e na tionários distintos para o pessoal docente e não vida não há fórmula que sirva a todos, pois cada docente e para os alunos que também diferiram um tem o seu ritmo próprio de realização e conforme o seu ciclo de ensino. aprendizagem, diferenças ao nível das capaci- O Núcleo espera que as ideias propostas dades intelectuais e diferenças da natureza da a reflexão conjunta sejam a semente para um sua problemática e da sua própria personalida- crescimento pessoal e profissional de todos. Núcleo Ensino Especial de. Abraçando este ideal, o Núcleo de Edu- cação Especial participou nas atividades desen- volvidas durante a Semana Aberta da EBI de Ginetes com a organização de uma exposição que refletisse a filosofia de inclusão onde se pro- move a igualdade de oportunidades, o direito à diferença, a relatividade da deficiência e a capa- cidade de progresso de todos. Nesta sala, com enfoque na tolerância e no respeito pela diferença, foram apresentados, em diversos suportes, desde o cartaz ao vídeo, algumas características únicas, podendo ser definidas como deficiência ou não, e a forma como se poderá superar essas mesmas dificul- dades/deficiências. Para além do espaço dedi- cado à exposição, foi ainda elaborado um qua- dro alusivo ao tema, onde cada participante teve a possibilidade de dar o seu contributo pessoal, fazendo-se uso de material reciclado. O Núcleo congratulou-se com o feedback positivo dado pela comunidade educativa que visitou este espaço dedicado à promoção da inclusão. Tanto alunos como corpo docente e não docente visitaram a sala e de uma forma livre, puderam ler, ver e refletir sobre a questão da inclusão. No final da visita à exposição, foram preenchidos os questionários, cientificamente
  20. 20. Página 20 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Mural Identificativo da Biblioteca A comissão dinamizadora da biblioteca realizou um mural identificativo da biblioteca, com os alunos da turma D do 6º ano de escolari- dade, que voluntariamente participaram neste projeto. Este mural foi baseado numa sessão foto- gráfica realizada no ano letivo anterior. Prof.ª Paula Morais Prof.º Francisco Cunha
  21. 21. Página 21 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 OP.II na disciplina de Educação Visual e Tecnológica Os alunos de OP.II na disciplina de Educação Visual e Tecnológica realizaram as decorações para a festa de final de ano letivo inserida na atividade “Escola Aberta, Escola em Festa”. O resultado final demonstra o empe- nho e interesse que os alunos manifestaram na realização da atividade. Realizaram também porta-chaves para as chaves das salas de aula da escola. Aproveitando tacos de madeira e imagens de revistas. Prof. ª Paula Morais
  22. 22. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14 Elaboração da Bandeira Regional dos Açores Os docentes de Educação Visual e Tecnológica realizaram com os alunos do 2º ciclo um painel comemorativo do Dia da Autonomia em articulação com os docentes de História e Geografia de Portugal. Aqui fica o registo.
  23. 23. P á g i n a 6 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 14, Edição 14 Corrida Portas do Mar O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou na I Corrida Portas do Mar, realizada no dia 22 de abril de 2012, em Ponta Delgada, pelas 16h00. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – Infantis João Martins 1.º lugar; Inicia- dos F Catarina Cordeiro 1.º lugar; Iniciados M Luís Vasconcelos 2.º lugar; Júnior M Artur Vasconcelos 3.º lugar e Veterano I Max Teles 2.º lugar. Viva o Atletismo – Prof. Max Teles
  24. 24. Página 24 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Corrida do Trabalhador 1.º de maio O Clube Desportivo Escolar de Ginetes parti- cipou na Corrida do trabalhador 1.º de Maio, rea- lizada no dia 1 de maio de 2012, em Ponta Del- gada, pelas 10h00. Após um discurso alusivo à comemoração do 1.º de Maio foram distribuídos os prémios. O CDEG obteve os seguintes resul- tados: Pódios – Infantis João Martins 1.º lugar; Júnior M Artur Vasconcelos 3.º lugar e Veterano I Max Teles 1.º lugar. Viva o Atletismo – Prof. Max Teles
  25. 25. Página 25 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Campeonato Regional de Juvenis O Clube Desportivo Escolar de Ginetes partici- pou no Campeonato Regional de Juvenis, lha Ter- ceira, no sábado, 12 de maio de 2012, no Estádio João Paulo II - Angra do Heroísmo O Roberto Cordeiro sagrou-se Campeão Regio- nal: 3.000 Metros 1º Roberto Cordeiro 96 JUV CDEG 9 3 8,26 2.000 Mt.Obstáculos 1º Roberto Cordeiro 96 JUV CDEG 6 4 1,20 Viva o Atletismo – Prof. Max Teles Jogos das Ilhas Sardenha Itália (22-26 de maio de 2012) O nosso atleta Roberto Cor- deiro participou nos Jogos das Ilhas na Sardenha, Itália, obtendo os seguintes resulta- dos: Roberto Cordeiro 1.500 Metros 11º Roberto Cor- deiro 96 JUV CDEG 9 3 8,26 2.000 Mt.Obstáculos 4º Roberto Cordeiro 96 JUV CDEG 6 4 1,20
  26. 26. Página 26 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Corrida dos Arrifes O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou na Corrida dos Arrifes, realizada no dia 10 de junho de 2012, em Ponta Delgada, pelas 10h00. Alusivo à comemoração do dia da Freguesia. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – Roberto Cordeiro 1.º lugar e Laudalino Vasconcelos 2.º lugar juvenis M; Júnior M Artur Vasconcelos 1.º lugar e Veterano I Max Teles 2.º lugar. Viva o Atletismo – Prof. Max Teles
  27. 27. Página 27 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Taça Regional de Infantis e Iniciados Ponta Delgada (9/10-06-2012) O Clube Desportivo Escolar de Ginetes partici- pou na Taça Regional de Infantis e Iniciados com quatro atletas integrados na seleção de Atletismo de S. Miguel: pódios — 60m barr – 1.º lugar Rafael Pereira e 2.º lugar João Martins Salto em alt. - 1.º lugar Rafael Pereira 1000m marcha – 2.º lugar Patrício Silva Salto em comp. – 3.º lugar Rafael Pereira 60m - 1.º lugar João Martins 600m - 1.º lugar João Martins RR Dardo - 2.º lugar Patrício Silva Estafeta 4x60m – 1.º lugar Rafael Pereira; João Mar- tins e Patrício Silva 800m – 3.º lugar Rodrigo Tavares
  28. 28. Página 28 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Campeonato Nacional de Juvenis (01-07-2012) O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou no Campeonato Nacional de Juve- nis, Ourique, com o atleta Roberto Cordeiro integrado na seleção de Atletismo de S. Miguel. Viva o Atletismo — Prof. Max Teles Paddy Paper Dia Mundial da Terra Na comemoração do Dia Mundial da Terra, 29 de abril, várias turmas da nossa escola foram fazer um Paddy Paper/caça ao tesouro, no Pinhal da Paz. Os participantes estiveram muito empenhados em encontrar e seguir as várias pistas que con- duziriam ao “Tesouro” - a Mãe Natureza. Participaram também alguns professores que deram tudo para ajudar as suas equipas. Despenderam-se muitas energias, sobretudo físicas, nesta atividade saudável e ao ar livre. Prof. Max Teles
  29. 29. Página 29 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 classificação final, outra imagem esta retira- da da fonte axraa.org. A época do nosso núcleo Milton Ponte 8.ºA de Xadrez do CDEG António Travassos 8.ºA Depois de na época transata termos subido de divisão e termos ingressado a 3ª divisão nacional, este ano tivemos de dispu- tar a permanência ou subida, não interessan- do de maneira alguma a descida de divisão. Pelo meio tivemos outros campeonatos, tam- bém com vitórias do nosso clube. O primeiro campeonato a valer foi o campeonato Regional de Jovens, com algum sucesso deste nosso clube, obtendo dois pri- meiros lugares e um terceiro, entre outros. Milton Ponte e Tiago Meireles foram campeões, do escalão sub-14 e sub-16 res- petivamente. Chegava então a altura do campeona- to Nacional da 3ª divisão, onde iriamos parti- cipar, e onde participamos, conseguido ficar em 3º lugar com os mesmos pontos do 2º, num lote de 7 equipas, contando com equi- pas de elevado valor e com jogadores mais velhos, provando assim que a idade não con- ta neste desporto de raciocínio. O seguinte quadro, retirado do site da AXRAA (Associação de xadrez da Região Autónoma dos Açores) mostra os jogos dis- putados e o respetivo resultado. De seguida temos a classificação final, sendo P.M. e P.E. critérios de desempate. Imagem também retirada do site da AXRAA, axraa.org. Acabava a época com a última jornada do torneio Juventude, estando de seguida a
  30. 30. Página 30 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 As várias modalidades que o Clube Desportivo Escolar de Ginetes tem ou já teve! Atletismo - competição (S) Xadrez - competição (S) Ténis de Mesa (S) Badminton (S) Equitação adaptada (N) Dança (N) Legendas: S– modalidade existente N - modalidade inexistente Patinagem Artística (S)
  31. 31. Página 31 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 Anedotas Escolares Professor: - Se és tu a cantar, dizes: eu canto. Se for o teu irmão que canta, como é que dizes ? Aluno: - Cala a boca, Alberto! Aluno: Professora, alguém pode ser castigado por uma coisa que não fez ? Professora: Não, claro que não! Aluno: É que eu não fiz os trabalhos de casa. Diz o pai para o filho: - Acorda, Pedro, tens de ir para escola... - Paizinho, vou dar-lhe 3 razões pra não ir: 1) Estou com muito sono; 2) Não gosto de ir à escola; 3) as crianças riem- se de mim. Diz o pai: - Então vou dar-te 3 razões para ires: 1) É o teu dever; 2) Já tens 45 anos; 3) És o diretor da escola !!! – Na escola a professora dirige-se a um aluno africano: -José, diz-me um verbo! -Bicicreta! - Não, isso é um substantivo; além disso não é "bicicreta", é "bicicleta". Tenta de novo. - Prástico! -Não, isso também não é um verbo, é um substantivo; além disso, não se diz "prástico", mas "plástico". Tenta de novo! -Hospedar. -Muito bem! Agora constrói uma frase com esse verbo. -Hospedar da minha bicicreta são de prástico!!! Na escola, a professora ensina três cores em inglês: green, yellow, pink. No final da aula manda de T.P.C. que todos os alunos façam uma frase com essas cores. No dia seguinte... - Menino Luisinho, qual foi a sua frase? - Ontem fui a um parque que era bué de green e esta- va lá uma garina com uma blusa bué de yellow e uma saia bué de pink. - Muito bem, menino Luisinho! Agora o menino Zézinho diga a sua frase! - Ontem estava sentado no sofá quando o telefone "green, green, green". Eu levantei-me e perguntei "yellow? yellow?"; como do outro lado não diziam nada, eu "pink"... O filho do Jardel: - Papai, hoje aprendi uma coisa nova na escola!!! - Foi?? O que foi que você aprendeu?? - Álgebra!! - Ah é?? Então diz lá o nome do papai em algebrês!! - Mãe, hoje na escola deram-me 5 euros para eu subir a uma árvore. - Sua parva, era para te verem as cuecas. - Não faz mal, eu tirei-as.
  32. 32. Página 32 Palavras d’Encantar Volume 14, Edição 14 P R O V É R B I O S P O P U L AR E S - L E T R A A A ambição cerra o coração. A apressada pergunta, vagarosa resposta. A ave de rapina não canta. A barriga não tem fiador. A boa mão, do Rocim faz cavalo; e a ruim, do Cavalo faz Rocim. A boca do ambicioso só se fecha com terra da sepultura. A boda e a batizado não vás sem ser convidado. A cada Bacorinho, vem seu S. Martinho (11/11). A cada boca uma sopa. A cadela, com pressa, pariu os cachorros cegos. A campo fraco, Lavrador forte. A casamento e batizado, não vás sem ser convidado. A cavalo dado não se olha o dente. A chuva de S. João (24/6), bebe o Vinho e come o Pão. A chuva e o frio, metem a Lebre a caminho. A conselho amigo, não feches o postigo. A culpa morreu solteira. A desgraça não marca encontro. A encomenda é igual ao cabaz. A espada e o anel, segundo a mão em que estiverem. A falta do amigo há de se conhecer mas não aborrecer. A fama longe soa. E mais depressa a má que a boa. A fome é a melhor cozinheira. A fome é boa mostarda. A fome é o melhor tempero. A fome faz sair o lobo do mato. A galinha da vizinha é sempre melhor que a minha. A ganhar se perde e a perder se ganha. A gosto danado, o doce é amargo. A ignorância e o vento são do maior atrevimento. A justiça tarda mas não falha. A Laranja, de manhã é Ouro, de tarde é Prata, e à noite mata. A lei é dura, mas é para se cumprir. A melhor Cozinheira, é a azeiteira. A Morte abre a porta da Fama e fecha a da Inveja.

×