Jornal escolar ed. 16

1.214 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
512
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal escolar ed. 16

  1. 1. Volume 16, Edição 16 EBI DE GINETES janeiro de 2013 Coordenador: Prof. Max Teles Alunos: António Travassos, Mil- PALAVRAS D’ENCANTAR ton Ponte, Pedro Costa NESTA EDIÇÃO:Editorial 2Encontro “Partilha de 3, 4Boas Práticas”Projeto JTT 5, 6NEE “Tita a coelhinha 7, 8, 9diferente”Visita de estudo 8.º 10ano - NAVE e aero- Projeto JTTporto PDLPalestra Lusofonia - 11BrasilProjeto “Em Viagem” 12 Palestra métodos 13 contracetivos e infe- Encontro “Partilha de Boas Práticas” ções sexualmente transmissíveisSorteio de Natal – 14 Visita de estudo 8.º ano - NAVE“Encontro de Gera- e aeroporto PDLções”Clube de Inglês 15Poemas elaborados 16pelo 5ºBConcurso “Letras à 17 Palestra Lusofonia - Brasil Palestra métodos contracetivosMesa” e infeções sexualmente trans-Festa de Natal EBIG 18 missíveisAlmoço de Natal EBIG 19 Concurso “Letras à Mesa”Atletismo CDEG 20 àestrada , corta-mato e 26pistaTénis de Mesa 26CDEGVoleibol CDEG 27 Festa de Natal EBIGBadminton CDEG 27Futsal CDEG 28 Sorteio de Natal – “Encontro Almoço de Natal EBIG de Gerações”Patinagem Artística 28 àCDEG 30Vários 31 Atletismo 1.ª Corrida do Clube Desportivo Escolar de Ginetes Patinagem Artística CDEG Promoção Várias núcleos
  2. 2. Página 2 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Editorial Poderia dizer — SEM FMI “Desculpas”!!! COMENTÁRIOS! Mas como professor avisado, FMI reafirma: O principal fator de custos e penso que é por demais evi- ineficiências no setor da educação é o bai- dente a preocupação pura- xo rácio aluno-professor. mente estatística que estes Os autores do Relatório do FMI limitaram- estudos (encomendados) se a ler as estatísticas de educação e a demonstram. compará-las com as de outros países da Numa sociedade em crise, OCDE que gastam menos em Educação e provocada por acontecimen- têm melhores resultados. O baixo rácio tos internos e externos (não aluno/professor em Portugal é uma evi- vale a pena aqui enumera- dência. los), quem sofre são sempre O principal fator de custos e ineficiências os mesmos. E um dos pilares no setor da educação é o baixo rácio alu- do estado em particular — a no-professor, que reflete a presença de EDUCAÇÃO ! muitos professores com diminuição ou Seria melhor, quem dirige, ausência de componente letiva”, lê-se no pôr a mão na consciência e estudo. olhar-se ao espelho, pois as Antes disto, já os técnicos tinham escrito imperfeições começam em que as áreas da educação e da segurança nós mesmos! mostram “ineficiências” e “empregam mais Salvem a EDUCAÇÃO desta pessoas” que os países pares. Fonte: Jor- selvajaria! nal de Negócios O coordenador do Jornal escolar Prof. Max Teles
  3. 3. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 desenvolvem com sucesso, reconstruirem pro- O Encontro “Partilhar Boas cessos ainda não conseguidos e terem a cora- Práticas de Ensino” gem de implementar outras metodologias, estratégias e recursos didáticos. O Encontro Depois destes dois dias de trabalho, na “Partilhar Boas Prá- solenidade de encerramento, foram lidas as ticas de Ensino” conclusões, lançados alguns reptos à comuni- realizou-se nesta dade educativa e proferidos os agradecimen- EBI nos dias 10 e 11 de setembro, de acordo tos a todos quantos permitiram que esta inicia- com o seguinte Programa. (anexo) tiva fosse bem sucedida. Finalmente, deu-se início ao programa social que contribuiu para Neste evento, que contou com a pre- aumentar o bem-estar dos professores que a sença da senhora Diretora Regional da Edu- ele aderiram. cação na sessão de abertura, participaram professores/educadores das diferentes esco- A avaliação deste ENCONTRO, realiza- las da Região Açores. da por todos os participantes, através de um Todas as conferências e comunicações questionário, foi muito positiva e aponta para a (incluídas em 4 painéis: necessidade de se replicarem iniciativas desta “Desafios da Educação natureza. inclusiva”; “Práticas em Intervenção Precoce, no Um abraço, carregado de energia muito Pré-Escolar e 1º Ciclo” positiva, a todos aqueles que aderiram ao “Experiências Pedagógicas no 1º,2º e 3º Encontro Regional “PARTILHAR BOAS PRÁ- Ciclos” e “Projetos de Sucesso” ) apresenta- TICAS DE ENSINO”, das estimularam a reflexão e o debate sobre o que se entende por BOAS PRÁTICAS de Podem ver um filme no endereço: ENSINO, como se pode DESENVOLVER O http://youtu.be/j2bOeVHUPXE CURRÍCULO A PARTIR DO CONTEXTO e como um projeto de formação de professores Prof.ª Conceição Medeiros como o projeto-piloto “INTERVIR PARA VEN- CER” pode contribuir de forma eficaz para a inovação e alteração de práticas educativas, tornando-as mais ajustadas ao desafio de fazer aprender todos os alunos. Par além disto, os trabalhos partilhados ajudaram os presentes a confrontarem a sua prática educativa com os pressupostos teóri- cos que devem nortear a ação educativa e com as experiências de ensino bem sucedidas dos seus pares para confirmarem o que já
  4. 4. Página 4 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 PROGRAMA PROGRAMA SOCIAL Dia 10/09/2012 Dia 11 de Setembro 8:30 – Abertura do Secretariado 18:30 – Espetáculo “A Magia do 9:30 – Solenidade de Abertura Movimento, pelo grupo 10:00 – Conferência “De que se fala quando se fala de Bodies in (E)motion BOAS PRÁTICAS?” Fabíola Cardoso (Escola Secundária de Lagoa) 19:00 – Utilização da Piscina Termal 11:00 – Pausa para Café da Ferraria e jantar 11:30 – Conferência “Construindo o CURRÍCULO a partir do (preço por pessoa, 15€) Contexto” Ementa do jantar Raquel Dinis (Universidade dos Açores) Sopa 13:00 – Pausa para Almoço Peixe: filete salteado com 14:30 / 16:00 – Painel “ Projetos de SUCESSO” legumes e batatinha cozida OU Helena Pinto (Colégio do Castanheiro); Alexandra Carne: Laminado de frango Dâmaso (Escola Secundária de Lagoa); Maria de Lurdes Pom- com morcela regional, legumes e beiro e Marta Teves (EBI de Ginetes). arroz branco Moderador: José Domingos Sobremesa: Sugestão do 16: 00 – Pausa para Café chefe 16:30/18:30 – Painel “Desafios da EDUCAÇÃO Inclusiva” Bebidas: Água + 1 bebida à escolha (sumo/ cerveja/copo de Ana Beatriz Moniz e Conceição Fernandes (EBI Roberto vinho da casa) + café. Ivens); Margarida Teixeira (EBI Canto da Maia); Emília Martins; Márcio Ferreira (EBI de Ginetes). Moderadora: Conceição Medeiros
  5. 5. Página 5 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 “Juntos pela Escola de Todos e para Todos” (JETT) Esta partilha surge no âmbito do projeto de formação “Juntos pela Escola de Todos e para Todos” (JETT) da responsabilidade da docente Maria da Conceição Carvalho Medeiros. Sem dúvida que diariamente, a escola nos coloca novos desafios. O nosso papel como assistentes operacionais não é, nem pode ser, apenas aquela figura que trata da limpeza dos espaços e do apoio logístico ao/à docente. Na dinâmica da escola, por norma, somos mães, enfermeiras, confi- dentes e colegas de brincadeira de muitas crianças. Para que essa influência possa operar-se de modo mais objetivo e imparcial possível, necessitamos de nos informar e questionar sobre as áreas que influenciam a vida das crianças. Deste modo, a implementação destas estratégias justifica-se no âmbito deste projeto de formação como é a ação de formação “JETT”. Estas iniciativas têm como objetivo primordial a brincadeira espontânea da criança, o prazer de estar e conviver, assim como seu bem-estar e, a necessidade de quebrar a rotina recriando dinâmi- cas diferentes, e também, transmitir-lhe mensagens positivas de cidadania, partilha e valorização pessoal. Todas as semanas é colocada no painel uma mensagem positiva, de cidadania, partilha e valorização pessoal.
  6. 6. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 “Juntos pela Escola de Todos e para Todos” (JETT) continuação Brincadeira espontânea Convívio Bem-estar Quebrar a rotina Novas dinâmicas E nossa intenção continuar a introduzir na rotina dos alunos, novas ideias Até à próxima…. As Assistentes Operacionais da EB1/JI Comendador Ângelo José Dias Maria José Cecília Isabel
  7. 7. Página 7 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 O Núcleo de Educação Especial Tita, partilha convosco uma das inúmeras histórias exis- a coelhinha diferente tentes, que nos remetem para uma reflexão sobre as questões relacionadas com a inclusão. Neste sentido, importa proporcionar às crianças leituras de textos e histórias deste género, para que desde cedo, desenvolvam atitudes de inclusão e possam evidenciar, no aluno “diferente”, as suas Uma história de: Maria Jesus Sousa (Juca) capacidades em detrimento das limitações. A Tita é uma coelha muito linda. Tem olhos grandes e A Tita nasceu com uma orelha só e, por esse motivo, brilhantes, pelo branquinho e é muito esperta. Tem tudo ela nunca sai da toca, ou quando sai, corre rapidamente para ser feliz, mas não é, porque é um pouquinho diferente das outras coelhas de um lado para o outro para que ninguém a veja A Tita é uma coelha muito linda. Tem olhos grandes e A Tita nasceu com uma orelha só e, por esse motivo, brilhantes, pelo branquinho e é muito esperta. Tem tudo ela nunca sai da toca, ou quando sai, corre rapidamente para ser feliz, mas não é, porque é um pouquinho diferente das outras coelhas de um lado para o outro para que ninguém a veja NOTAS: ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________
  8. 8. Página 8 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Por isso vive a lamentar-se: - Ai, ai, quem me dera ser igual Nesse momento, passava por ali uma carreirinha de a todos os outros coelhos, ter duas orelhas, só assim eu formigas trabalhadeiras que cortava caminho por poderia andar livremente sem precisar me esconder. Quem dentro da toca da Tita e ouviram as lamentações da gostará de uma coelha com uma orelha só? pobre coelha. As formiguinhas resolveram então parar um pouco A coelhinha assustou-se e imediatamente foi logo para conversar e consolar a coelhinha. E esconder-se. chamaram por ela: Tita, ó Tita ... – E agora, o que faço? Ninguém me pode ver assim feia, como sou - Somos nós, Tita, as formigas trabalhadeiras. Anda -Que disparate! Nós andamos por esse mundo fora e já cá falar connosco vimos muita coisa Ninguém é igualzinho a ninguém, todos - Não posso, não quero, eu sou muito feia, falta-me nós temos alguma coisa especial, por isso não faz mal uma orelha e vocês não iam gostar de mim sentires-te diferente! E a Tita começou a espreitar mais um pouquinho por detrás do arbusto. NOTAS: ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________
  9. 9. Página 9 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 -Olha eu também sou diferente.., nasci sem uma Então decidiu: - De hoje em diante não vou ter patinha, mas não me importo e faço a minha vida vergonha, não me vou esconder, vou fazer a minha vida normal com as outras formigas! normal, como todas as coelhinhas! As formigas foram embora e Tita ficou a pensar sobre E a Tita ficou muito contente depois desta decisão. o que elas disseram. Arranjou-se, pôs-se bonita e saiu. Cheia de medo, Um belo dia, a um lugar muito distante chegou a mas saiu. Primeiro, estranharam que ela só tivesse notícia que havia uma coelhinha muito famosa, uma orelha mas depois, todos os bichinhos queriam simpática e bonita de uma orelha só. Kiko era um conhecer a Tita, a coelhinha de uma orelha só, pois coelho lindo, que ouviu a notícia enquanto pintava. ela era muito simpática. Tita olhou para Kiko e reparou que ele também só E Kiko pôs-se a caminho, até encontrar a casa de tinha uma orelha. Mas não importava nada, ele Tita foi fácil de encontrar, pois todos sabiam onde era o coelhinho mais lindo do mundo! ela morava. Levava uma flor para lhe oferecer. Os dois casaram e foram felizes para sempre! FIM NOTAS: ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________
  10. 10. Página 10 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Visita de Estudo 8.ºano NAVE e Aeroporto de Ponta Delgada No dia 11 de dezembro de 2012, as quatro turmas do 8.ºano foram em Visita de Estudo à NAVE e ao Aeroporto de Ponta Delgada. Os alunos puderam conhecer as várias ins- talações ligadas às comunicações aéreas açoria- nas, bem como os vários profissionais ligados ao ramo. Assim, ficou definido dividirmos os alunos em grupos de 20. Começamos pelo ARO, ou seja, o local onde se fazem os planos de voo, entre outros serviços aeronáuticos. A nossa guia (profissional no ARO) mostrou-nos as instalações, explicou como se faziam os planos de voo e ela- borou um plano de voo fictício com a ajuda dos alunos da nossa escola. De seguida, fomos visitar as instalações da Torre de Controlo aéreo. Nesse local, dois enge- nheiros da manutenção dos equipamentos expli- caram como funcionavam alguns aparelhos e como solucionavam os vários problemas ligados a todo o equipamento necessário ao funcionamento da Torre de Controlo. Finalmente, subimos à Torre de Controlo por umas escadas em forma de caracol até ao topo do edifício. Quando lá chegamos, tivemos uma perspetiva de 360 graus e uma visão total da pista de aterragem e descolagem. Tivemos sorte, pois precisamente nesse momento em avião da TAP ia descolar. Assim, os dois técnicos respon- sáveis explicaram-nos os procedimentos dessa descolagem e vimos “in loco” toda a manobra. Foi muito fixe! Professores: Clementina Botelho, Max Teles, Sílvia Salgado, Cláudia Barata e Luís Beça.
  11. 11. Página 11 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Palestra sobre Lusofonia – Brasil (CRESAÇOR) No dia 6 de dezembro de 2012, os alunos do 8.ºano assistiram a uma palestra sobre Lusofonia – Brasil. Esta palestra enquadrou-se no projeto que tem vindo a ser desenvolvido desde o 7.ºano (ano letivo 2010-2011 l Lusofonia - Angola), pelo grupo de Português do 3.º Ciclo. Deste modo, três técnicas convidadas da CRESAÇOR falaram sobre a geografia, demografia, cultura, gastronomia, entre outras curiosidades do Brasil, o maior país Lusófono. Os alunos do 8.ºano ficaram a conhecer alguns aspetos deste grande país, com uma econo- mia emergente, geradora de novas oportunidades para os habitantes locais, como também para quem lá queira investir e trabalhar. Por fim, houve lugar à degustação de um doce típico brasileiro, conhecido em Portugal como briga- deiro. Professores: Clementina Botelho, Max Teles, Sílvia Salgado.
  12. 12. Página 12 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Projeto em Viagem 1 - Os objetivos do Projeto Em Viagem são: - troca de ideias por escrito entre alunos da mesma idade de diferentes escolas onde se ensine a língua portuguesa ou escolas de países de expressão portuguesa; - enriquecimento pessoal através da comparação de diferentes culturas, experiências, vivências, costumes e tradições. 2 – Este projeto é da responsabilidade dos professores de Português do 8º ano da Escola Básica 2,3 de Ginetes. A professora Clementina Botelho é a coordenadora. Os professores Max Teles e Sílvia Salga- do colaboram na execução do projeto. 3 - A duração do projeto será de dois anos letivos. 4 - O Projeto Em Viagem dirige-se a alunos com idades compreendidas entre os 12/15 anos. Podem, no entanto, participar alunos de outras idades se estiverem a frequentar a escola/a turma envolvida no projeto. 5 - A troca de correspondência será feita uma vez por mês através da internet. Cada escola participante deverá criar um email com o nome do projeto e da escola. O email da escola de Ginetes será: emviagemginetes@hotmail.com 6 - As cartas dos alunos serão recolhidas pelo/a professor/a e enviadas para o email da escola com quem pretende trocar correspondência. 7- A troca de correspondência será feita uma vez por mês e deverá obedecer a um tema pre- viamente escolhido. novembro: apresentação dos alunos dezembro: apresentação da escola janeiro: apresentação do lugar onde vivem fevereiro: festas tradicionais março: músicas da terra onde vivem abril: monumentos maio: gastronomia junho: projetos para as férias 8 - O projeto não envolve qualquer custo para os participantes. 9 - No final do projeto, os participantes deverão ter: - enriquecido a sua cultura com os conhecimentos adquiridos; - desenvolvido a curiosidade em relação ao mundo que os rodeia; - melhorado a sua relação com os outros e consigo próprios, - tornando-se cidadãos mais responsáveis e tolerantes. Nota: Como a duração do projeto será de dois anos letivos, os temas da correspondência entre os alunos, para o próximo ano letivo, poderão ser sugeridos por eles próprios ou pelos seus professores, no final do corrente ano, de acordo com os interesses manifestados.
  13. 13. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 Sessão de esclarecimento sobre métodos contracetivos e infeções sexualmente transmissíveis As turmas A, B, C e D do 9º ano de escolarida- de participaram numa sessão de esclarecimento sobre métodos contracetivos e infeções sexualmente trans- missíveis no dia 11 de dezembro de 2012, ministrada pela enfermeira Marlene do Centro de Saúde de Ponta Delgada. Esta sessão de esclarecimento foi promovida pela docente Corália Henriques, em colaboração com a coordenadora do Programa Regional de Saúde Escolar e Saúde Infanto-Juvenil, professora Andrea Fonseca, uma vez que a “Reprodução humana” é uma temática que faz parte do programa curricular das Ciências Naturais no 9º ano de escolaridade pelo que já há alguns anos tem sido habitual o desenvolvimento de atividades desse género na nossa escola. Prof.ª Corália Henriques
  14. 14. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 Sorteio de Natal – “Encontro de gerações” A turma A do 9º ano de escolaridade organizou a venda de bilhetes para um sorteio de Natal que teve lugar no dia 14 de dezembro de 2012. Este sorteio foi desenvolvido no âmbito do pro- jeto “Encontro de gerações” e teve como objetivo a angariação de fundos para a realização de uma ativi- dade de finalistas a realizar pela turma no final deste ano letivo. Os prémios conseguidos para o sorteio devem- se à colaboração dos pais dos alunos (cabaz de Natal, panos bordados e conjunto de bijutaria), empresa “Quintal dos Açores” (cabaz de produtos regionais) e à funcionária Luísa Câmara com a elaboração de um arranjo de Natal, por isso a todos eles bem hajam. Os alunos do 9º A e as professoras Corália Henriques e Helena Carreiro
  15. 15. Página 15 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 CLUBE DE INGLÊS “The English Club is fun! We do many different things.” Carolina, Élson e Helena 7º C “1,2,3 you can learn English with me, 1,2,3 join the English Club and see!” Carolina O, Carolina F, Filipa 8º A “In the English Club we have a blog and we talk with some Japanese stu- dents. We are twelve and when we are together we talk about our trip to London. We are very excited about it and we’ve been working hard, so we hope we can make it.” Alexandra, Bruno Silva, Maria, Mariana F 8º A CLOTHES WORD SEARCH A M P M J S B O O T S K Find the words: F U U X H H K S J J G W Q H Y Q Q I V J H A U E Boots Coat T C O A T R G U A C B Y Dress Gloves D R E S S T L M T K M S Hat Jacket M I S K N E Y P Y E K H Jumper Pyjamas U D M F E V E E N T N O Shirt Shoes D S O C K S A R B C P R Shorts B B E G L O V E S W Y T Socks Trousers X E N T R O U S E R S S J S H O E S E T T B J T N P Y J A M A S Z P E U Jokes and Riddles What gets wetter and wetter the more it dries? An ideal homework excuse: Teacher: Where is your homework? Pupil: I lost it fighting this kid who said you werent the best teacher in the school. Prof.ª Cláudia Barata
  16. 16. Página 16 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Poemas elaborados pelo 5ºB Trava-línguas Lengalenga do vento Panela, panelinha, panelão traz a menina ao caldeirão Andava o senhor vento debaixo da panela muito escondidinha com o seu urso muito quietinha. A passear pelo quintal Quando encontrou um agricultor. Elisa Cordeiro 5ºB - Senhor vento, que força! Ai que me cai o trator. Poema Andava o senhor vento A vaguear pelo jardim AI QUEM ME DERA Quando encontrou uma rosinha. Ai quem me dera ter asas - Senhor vento, que força! para voar sobre as casas Ai que me cai uma pétala minha. Ai quem me dera ser rei para formar qualquer lei Andava o senhor vento A correr pela Ferraria Ai quem me dera ser ator e pintor Quando encontrou um faroleiro. para inventar histórias de amor - Senhor vento, que força! Ai que se vai o meu dinheiro. Ai quem me dera ser famoso, ser presidente e bondoso Andava o senhor vento Ai quem me dera ser inventor A espairecer por S. Miguel para fazer Quando encontrou uma manada. uma máquina que desse paz e - Senhor vento, que força! amor. Ai que se vão as ervas e ficamos sem nada. Henrique Carreiro Diógenes Andava o senhor vento 5º B A viajar por Portugal Quando encontrou um rapaz. - Senhor vento, que força! Ai que me manda para o hospital. Turma 5ºB na disciplina de Português
  17. 17. Página 17 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Concurso “Letras à Mesa” Introdução O concurso consiste na elaboração de uma mensagem de Natal, em prosa ou em verso, isto num papel de cor e tendo como contexto uma mesa decorada com motivos natalícios. Após a sua elaboração, o grupo de Português do 3.ºciclo irá selecionar a mensa- gem natalícia mais consistente e original, fun- cionando como uma espécie de júri. Regulamento O concurso é aberto a alunos, funcio- nários e professores; A mensagem natalícia tem que ser ela- borada no momento, numa folha de papel de cor fornecida pelo júri; A mensagem é escrita em prosa ou em verso; O júri seleciona a mensagem mais consistente e original; Existe um prémio a atribuir ao vence- dor(a) (livro); Os casos omissos serão apreciados pelo júri. Objetivos Fomentar o gosto pela escrita; Preservar e cultivar o espírito natalício; Envolver toda a comunidade escolar. O Representante do Grupo de Português Prof. Max Teles
  18. 18. Página 18 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Festa de Natal no Auditório Da Escola Básica 2,3 de Ginetes No dia 14 de dezembro, no auditório da Escola Básica 2,3 de Ginetes, realizou se a tradicional Festa de Natal. Toda a comunidade foi convidada a assistir e muitos são os que participam nas atividades. Desde de alunos, passando pelos funcionário e finalizando nos professores. A Comissão de festas e sobretudo os professores de Educação Musical, Carlos Mendes e Paulo Alendouro, estão na génese desta organização, que por sinal se pauta pela excelência. Assim, assistimos a um leque variado de espetáculos, que vão da música à comédia, passando pelas variedades e terminando na moda. Espera-se que estes eventos prossigam o seu caminho e sejam cada vez mais trabalhados, de forma a proporcionar aos espetadores um bom entretenimento. Prof. Max Teles
  19. 19. Página 19 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Almoço de Natal na Escola Básica 2,3 de Ginetes No dia 14 de dezembro, na Escola Básica 2,3 de Ginetes, realizou- se um almoço convívio de Natal. Nesse evento marcaram a sua presença professores e funcionários da EBIG. O almoço foi servido em forma de buffet, ou seja, cada um tinha toda a liberdade de fazer o seu prato, à sua medida e gosto. Pelas expressões faciais dos convivas, notou-se que o manjar foi saboroso e dentro das expectativas dos comensais. Após o repasto, em que nin- guém deu nota de estar maldisposto, procedeu-se à troca de presentes (pequenos “souvenires”) uns manufa- turados em casa, portanto mais casei- ros, outros de estilo standard, compra- dos em grandes, médias ou pequenas superfícies comerciais. No entanto, o que contava na altura era, sem duvida, a intenção, o gesto, o toma lá dá cá da praxe, que sempre enche de alegria “envergonhada” quem a recebe e por sua vez fica não menos envergonhado que a oferece. Finalmente, depois dos calores que o ambiente proporciona, os foliões com manias que sabem cantar, arra- nham uma canção POP, acompanha- dos de uma música estridente e ruido- sa. Boas Festas!!! Prof. Max Teles
  20. 20. Página 20 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Atletismo CDEG III Dupla Légua dos Arrifes O Clube Des- portivo Esco- lar de Gine- Infantis João Ben-David 2.º lugar tes participou na III Dupla Légua dos Arrifes, realizada no dia 06 de outubro de 2012, nos Arrifes, pelas 10h00. Após um discurso alusivo à comemoração da implementação da Republica foram distribuí- dos os prémios. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – Infantis M 2.º lugar e Veterano I Max Teles 3.º lugar. Veterano I Max Teles 3.º lugar Atletismo CDEG VIII Milha, em Ponta Delgada O Clu- be Desporti- vo Escolar de Ginetes Inf. M 1.º Mário Sebastião e Ben-David 3.º participou na VIII Milha, em Ponta Delgada, realizada no dia 21 de outubro de 2012, pelas 11h15, com atletas Benjamins M e Infantis M. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – Infantis M Mário Sebastião 1.º lugar e Ben-David 3.º lugar e Veterano I Max Teles 2.º lugar. Veterano I Max Teles 2.º lugar
  21. 21. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 (Arrifes PDL) (pódios individuais 3/ pódios equipas 0) 7- CDSVF Clube Desportivo S. Vicente Ferreira I Corrida do Clu- (S. Vicente Ferreira PDL) be (pódios individuais 1/ pódios equipas 0) 8- CDSC Clube Desportivo Santa Clara (Santa Desportivo Esco- Clara PDL) (pódios individuais 1/ pódios equipas 0) lar de Ginetes IND Individual O Clube Desportivo Escolar de Ginetes, em colaboração com a Junta de Freguesia de Na qualidade de Presidente do Clube Des- Ginetes, a EBI de Ginetes, a Associação Juventu- portivo Escolar de Ginetes, em meu nome e dos de de Ginetes, o Atlético Clube de Ginetes e a restantes órgãos sociais do clube, queremos enal- AASM, organizou no dia 28 de outubro, pelas tecer a dedicação e empenho das várias entida- 10:00 horas, a 1º Corrida de Atletismo do Clube des que apoiaram, incondicionalmente, esta Gran- Desportivo Escolar de Ginetes. de Prova de Atletismo, nomeadamente a Junta de Freguesia de Ginetes e o seu Presidente, João No rescaldo da I Corrida do CDEG, pode- Paulo Medeiros, bem como a Associação Juven- mos referir que se inscreveram 37 atletas do tude de Ginetes , o Atlético Clube de Ginetes e a CDEG. Obtivemos individualmente 10 pódios - 2.º EBI de Ginetes. Também uma palavra de apreço equipa mais medalhada (1.ª o COD com 16) e para os Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada obtivemos por equipas 3 pódios - 1.ª equipa mais e a Câmara Municipal de Ponta Delgada. Espere- medalhada (2.º o COD com 2 pódios). Participa- mos que seja o princípio de muitas mais edições, ram 8 equipas e individuais: obtivemos o 2.º lugar nesta pelo menos, conseguimos mobilizar as prin- em pódios individuais e coletivos. cipais forças vivas da Freguesia de Ginetes e o Legenda: Clubes participantes – 8 clubes público em geral, para um evento de salutar con- vívio e marcado pela fraterna vivência desportiva! 1- COD Clube Operário Desportivo - Lagoa Parabéns a todos e obrigado! (pódios individuais 16/pódios equipas 2) 2- CDEG Clube Desportivo Escolar dos Ginetes (Ginetes PDL) (pódios individuais 10/ pódios equipas 3) 3- JIV Clube Desportivo e Cultural Juventude Ilha Verde (Ribeira Grande) (pódios individuais 5/ pódios equipas 1) 4- NSSM Núcleo Sportinguista de São Miguel (Arrifes PDL) (pódios individuais 4/ pódios equipas 1) 5- CDEF Clube Desportivo Escolar dos Fuzeiros (Ribeira Grande) (pódios individuais 1/ pódios equipas 1) O Presidente do CDEG Prof. Max Teles 6- EBA Clube Escolar de Desporto da EBI Arrifes
  22. 22. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 1.º lugar Vet. I Max Teles F Mais de uma centena de atletas correram na I Corrida E do Clube desportivo Escolar de Ginetes, dando um S bonito colorido ao centro da Freguesia de Ginetes. T A D O A T L E T A 1.º lugar Juv. F Catarina Cordeiro 1.º lugar por equipas Juvenis M 3.º lugar Inc. F Maria Tabau 2.º lugar Juv. M Laudalino Vasconcelos
  23. 23. P á g i n a 2 1 P a l a v ra s d ’ E n c a n t a r Volume 16, Edição 16 2.º lugar Lucas Resendes 3.º lugar Mariana Gonçalves 1.º lugar Mário Sebastião / 3.º lugar João-Ben- 1.º lugar por equipas Infantis M David 3.º lugar Maria Tabau 1.º lugar por equipas Infantis F FESTA DO ATLETISMO CDEG
  24. 24. Página 24 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 ATLETISMO CDEG I Corrida da Decatlhon 2012 O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou na I Corrida da Decathlon, em Ponta Delgada, realizada no dia 11 de novembro de 2012, pelas 10h15, com atletas Infan- tis M e Veterano M. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – 3.º lugar Mário Sebastião Infantis M e 2.º lugar Max Teles Veterano I. Outros resultados: João Ben David 6.º lugar e Fábio Sousa 9.º lugar. A prova contou com 137 participantes, distribuídos pelos vários escalões. Tendo o seu início nas Portas da Cidade, percorrendo várias artérias da cidade de Ponta Delgada, finalizando nas instalações da Decatlhon. 2.º lugar Max Teles Veteranos I 3.º lugar Mário Sebastião Infantis M
  25. 25. Página 25 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Atletismo CDEG I Corrida do JIV O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou na I Corrida do JIV (Juventude Ilha Verde) , em Ponta Delgada, realizada no dia 18 de novembro de 2012, pelas 10h30, com atletas Benjamins M, Infantis M e Veterano M. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – 1.º lugar Mário Sebastião Infantis M e 1.º 2.º lugar Benj. F Mariana Gonçalves lugar Max Teles Veterano I. Outros atletas participan- tes do CDEG: Vasco Teles Benjamim M 9.º lugar; Infan- tis M João Ben David 5.º lugar, Patrício Silva 6.º lugar e Fábio Sousa 7.º lugar. E ainda 1.º lugar por equipas em Infantis M com 12 pontos (1+5+6). 2.º lugar Infantis M Mário Sebastião 1.º lugar Max Teles Veterano I 1.º lugar Mário Sebastião Infantis M Atletismo CDEG 14.ª Corrida do Natal RG O Clube Desportivo Escolar de Ginetes participou na 14.ª Corrida do Natal RG, na Ribeira Grande, realiza- 3.º lugar Marco Frias Juniores M da no dia 08 de novembro de 2012, pelas 10h00, com atletas Benjamins M; Infantis M, Iniciados F; Juvenis M; Juniores M e Veterano M. O CDEG obteve os seguintes resultados: Pódios – 2.º lugar Mariana Gonçalves; 2.º lugar Mário Sebastião Infantis M; 3.º lugar Marco Frias Juniores M e 2.º lugar Max Teles Veterano I. Outros atletas participantes do CDEG: Vasco Teles Ben- jamim M; Ema Baldé Benjamim F; Infantis M João Ben David, Patrício Silva e Fábio Sousa; Iniciadas F Maria Baldé e Juvenis M Hélio Medeiros. 2.º lugar Veteranos M Max Teles
  26. 26. Página 26 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Atletismo CDEG Ténis de Mesa CDEG 49.ª S. Silvestre, em Ponta Delgada Encontros de Ténis de Mesa realizaram- O Clube Desportivo Escolar de Ginetes se no Pavilhão Desportivo da Escola Básica participou na 49.ª S. Silvestre, em Ponta Del- Integrada de Ginetes, organizando-se um Tor- gada, realizada no dia 15 de dezembro de neio Individual misto de Ténis de Mesa. 2012, pelas 19h00, com atletas Juvenis M e Participaram neste torneio vários alunos, sendo do sexo masculino e do sexo feminino. Veterano M. O CDEG obteve os seguintes Todos os participantes receberam um certifica- resultados: Pódios – 3.º lugar Laudalino do de participação e os três primeiros classifica- Vasconcelos e 3.º lugar Max Teles Veterano dos receberam troféus. I. Por equipas obtivemos o 2.º lugar em Juve- Professores: Paulo Santos e José Rocha nis M, equipa composta pelos atletas: Lauda- lino Vasconcelos; Luís Vasconcelos e João Vasconcelos.
  27. 27. Página 27 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Voleibol CDEG Badminton CDEG Encontros de Voleibol realizaram-se no Pavilhão da Escola Básica 2,3 de Ginetes, organi- Encontros de Badminton realizaram-se no zando-se um Torneio de Duplas misto de Voleibol, Pavilhão da Escola Básica 2,3 de Ginetes, organi- por series passado para a próxima fase os primei- zando-se um torneio individual misto de Badmin- ros de cada serie e os segundos melhores classi- ton, com eliminação à segunda derrota. ficados de cada serie. Nas próximas fases elimi- Participaram neste torneio vários alunos, sendo nação direta, ou seja, quem perde sai. do sexo feminino e sexo masculino. Participaram neste torneio vários alunos, Os três primeiros classificados receberam sendo sexo feminino e do sexo masculino. medalhas, sendo que os restantes receberam um As três primeiras duplas receberam medalhas, diploma de participação. sendo que os restantes receberam um diplomas de participação. Professores: Magda Neto e Paulo Santos Prof.ª Magda Neto
  28. 28. Página 28 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Futsal Feminino CDEG Patinagem Artística CDEG O Núcleo de Encontros realizaram-se no Pavilhão Des- Patinagem Artística portivo da Escola Básica Integrada de Ginetes, do CDEG irá iniciar a onde se organizou um Torneio de Futsal Feminino, sua atividade com- com várias jogadoras. Devido a estar a iniciar esta petitiva, agora, no nova modalidade na escola e ainda só ter estas 16 mês de janeiro 2013. alunas inscritas, promovi este torneio com a for- mação de equipas com 3 elementos, em campos Estão abertas reduzidos, para poder desenvolver mais jogos. as inscrições para os patinadores atuais ou Nesta competição, jogaram todas as equipas con- para novos patinadores. tra todas. Todos os participantes receberam um certificado de participação e as três primeiras equi- pas receberam troféus. Prof. José Rocha Sílvia Sousa — Treinadora
  29. 29. Página 29 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Patinagem Artística CDEG Estão abertas as inscrições para o núcleo de patinagem artística. Poderão inscrever-se todas as crianças e jovens dos 5 anos aos 15 anos. Serão aceites inscrições ao longo da época, desde 2 de janeiro a 30 de dezembro. Cada patinador obriga-se ao pagamento de: 2.1. Uma cota anual no valor de 30€ ou uma cota mensal no valor de 3€, durante os 12 meses do ano. 2.2. O pagamento da cota deverá ser efetuado até ao dia 15 de fevereiro, caso opte pela cota mensal esta deverá ser paga até ao dia 8 de cada mês. 3- O incumprimento dos pontos 2.1. e 2.2 implica a exclusão do patinador de todas as ativi- dades da secção de patinagem do Clube Desportivo Escolar de Ginetes. 3.1. Também será alvo de exclusão qualquer atleta, mesmo com a cota em dia, que atentar contra o bom nome do clube ou o prejudicar em qualquer situação. 4- Cada patinador obriga-se a efetuar a sua inscrição anual na Federação de Patinagem de Portugal (FPP). 4.1. Para a inscrição na FPP são necessários os seguintes documentos: 1.ª inscrição Revalidação 2 fotografia tipo BI. Exame médico desportivo com data Fotocópia do BI/Célula pessoal ou do aniversário. Cartão de Cidadão. Assinatura no Boletim de revalidação Boletim de Inscrição na FPP devida- de inscrição na FPP. mente preenchido. Exame médico desportivo. 4.2. Para despesas de inscrição e seguro desportivo cada patinador obriga-se a pagar o seguinte valor: 1.ª Inscrição Revalidação Até aos 11 anos 20 € 7,5 € 12 e 13 20 € 10 € 14 e 15 27 € 19 € 16 e 17 27 € 21 € 18 e 19 27 € 26 € 20 ou mais 27 € 38 €
  30. 30. Página 30 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Patinagem Artística CDEG (cont.) Estão abertas as inscrições para o núcleo de patinagem artística. 5 – É obrigatório a frequência de 1 treino semanal. 6- O patinador deve comparecer aos treinos devidamente equipado. 7- Horários Quartas Sábados 19:00 / 20:30 10:30 / 12:00 12:00 / 13:30
  31. 31. Página 31 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Dicas para a preparação de um trabalho de grupo Um trabalho de grupo não pode ser feito de qualquer maneira. O objetivo é trabalhar, tal como a palavra se refere, “em gru- po” e não individualmente. Por exemplo, se cada aluno elabora uma parte do trabalho de uma forma independente, quando o grupo se reúne, o trabalho pode tornar-se confuso e não estruturado. Cuidado!Esta forma de trabalhar em grupo está errada. Na verdade,tudo não passa de um “quebra-cabeças” que deve ser resolvi-do coletivamente, com a participação de todos os integrantes.Para isso, é preciso organização, bom senso e “arregaçaras mangas” para pesquisar. Concretizar os nossos sonhos Técnicas de memorização Com a apro- ximação dos exa- mes, é fundamental que os alunos orga- nizem o seu estudo consoante o núme- ro, o tipo de provas e do estudo feito ao longo do semestre. Antes de começar a estudar cada discipli- na, é fundamental que o estudante identifi- que os seus objetivos e que estratégias de Todos nós sabemos a importância de ati- estudo vai utilizar. As técnicas de memo-tudes como a persistência, o esforço, a generosi- rização através da associação de palavrasdade, a dedicação, a criatividade, o entusiasmo e ideias, expressada em música e movi-ou a capacidade de não renunciar os nossos mento, ajudam a interiorizar e memorizarsonhos. Mas exprimir estes sentimentos com certos conteúdos com mais eficácia e sãopalavras concretas não é tão simples quanto boas atividades para trabalhar a memória,isso. atenção e concentração. Aqui entram as mnemónicas como auxiliares de memó- ria.
  32. 32. Página 32 Palavras d’Encantar Volume 16, Edição 16 Casas curiosas Carros curiosos

×