2
Introdução
         O projeto de parceria desenvolvido por ANDI e UNICEF em 2006 definiu como
objetivo contribuir para que...
O balanço final, após um ano de monitoramento do comportamento da
cobertura em notícias que relacionavam Eleições & Infânc...
1. Evolução da cobertura
         Durante o período pós-eleitoral – ou seja, posterior à votação em segundo
turno (29 de o...
Gráfico 1.


                 Evolução da Cobertura sobre Eleições & Infância

    800
    700
    600
    500
    400
   ...
Mais de 60% das notícias sobre Eleições & Infância estiveram concentradas
  no período eleitoral (entre 6 de julho e 29 de...
2. Temas abordados no Período Pós-Eleitoral


      Os temas mais cobertos no período posterior às Eleições seguiram uma
c...
Tabela 4




            Tema principal das notícias sobre Eleições & Infância em 2006 (*)

                              ...
Tema                       Eleitoral       Eleitoral         Pós-
                                              Pré-Eleito...
3. Os principais atores da Cobertura 2006


         Um aspecto que sofreu significativa mudança no período pós-eleitoral ...
4. Aspectos editoriais


       A lista de jornais que apresentaram o melhor desempenho quanto ao critério
volume de notíc...
Veículos                   Eleitoral       Eleitoral      Pós-
                                  Pré-Eleitoral
  Período  ...
Além das alterações no ranking de veículos, outra modificação relevante foi
quanto ao formato dos textos sobre Eleições & ...
5. Situação Atual, Políticas Públicas e Propostas dos
Candidatos para Infância & Adolescência


        Quando levamos em ...
Tabela 8.


                                                   Notícias que Abordaram a Situação Atual de Infância & Adole...
Tabela 9.


                                           Notícias que Abordaram Políticas Públicas Atuais para Infância & Ad...
Tabela 10.


                                             Notícias que Abordaram Propostas do Candidato para Infância & Ad...
Tabela 11.


                                                    Notícias que Discutiram a Viabilidade da Proposta do Cand...
6. A cobertura 2006 e os indicadores sociais


       Por outro lado, os recursos utilizados para avaliar a Situação Atual...
Tabela 12.


                Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam avaliações sobre a Situação da...
Tabela 13.

                                             Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam av...
Tabela 14.

                                        Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam avaliaç...
7. Governabilidade & Governança

       Alguns temas relacionados a Governabilidade & Governança também
registraram avanço...
Tabela 15.


                                                Aspectos relacionados a Governabilidade & Governança das Prop...
Candidato                                                                                                                 ...
8. Fontes ouvidas na Cobertura Eleitoral e Pós-Eleitoral


        A construção de um diálogo mais estreito e fluente entr...
fato em questão. A mensuração tem como foco a seção sobre Situação Atual, Políticas
Públicas e Propostas voltadas para Inf...
Tabela 16

                   Fontes ouvidas sobre Eleições & Infância (*)

Fontes/Período                                ...
Tabela 17


                   Fontes ouvidas sobre Eleições & Infância (*)

              Fontes/Período                 ...
Por sua vez, as fontes que provinham de instituições – como ONGs,
autoridades religiosas, institutos e fundações – não con...
9. Televisão
       A quantidade de notícias registradas após as eleições nos quatro telejornais
noturnos acompanhados pel...
Tabela 20


                        Evolução do Número de Notícias sobre Eleições & Infância
                             ...
Tabela 22

              Número de Notícias sobre Eleições & Infância em Telejornais,
                               por C...
Tabela 24


      Tempo Dedicado a Assuntos Relacionados à Infância & Adolescência
       no Contexto de Cada Notícia de T...
A Agenda da Infância nas Eleições 2006
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Agenda da Infância nas Eleições 2006

710 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
710
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Agenda da Infância nas Eleições 2006

  1. 1. 2
  2. 2. Introdução O projeto de parceria desenvolvido por ANDI e UNICEF em 2006 definiu como objetivo contribuir para que os principais temas da Agenda da Infância e Adolescência estivessem presentes no debate eleitoral. Através do monitoramento, mobilização e qualificação dos jornalistas, a ANDI buscou sensibilizar as redações para que a mídia fizesse um acompanhamento crítico das propostas dos candidatos à presidência da República e cobrasse um plano de Governo que respondesse às principais demandas relacionadas aos direitos de crianças e adolescentes. A ação inicial deste projeto foi a realização de uma pesquisa sobre o comportamento da imprensa no ano de 2002, período das eleições presidenciais anteriores. Este monitoramento serviu como linha de base para as análises sobre a cobertura de 2006, que foram divididas em três momentos: pré-eleitoral, eleitoral e pós-eleitoral. As análises mostraram, desde o primeiro momento, uma expressiva evolução quantitativa e qualitativa da cobertura. Enquanto durante todo o ano de 2002 foram publicadas apenas 123 notícias sobre Infância & Eleições, em 2006 a ANDI registrou quase 3 mil. A cobertura veiculada durante o período eleitoral, no qual esteve concentrada a maior parte dessas notícias, foi marcada também pela sensível qualificação deste noticiário. Ao contrário do que foi verificado em 2002, conseguimos identificar que os textos publicados em jornais este ano tocaram em alguns aspectos fundamentais, como viabilidade das propostas dos candidatos, análise do contexto atual, dados orçamentários, marcos legais e jurídicos, entre outros. É importante ressaltar também que a significativa presença da pauta da Infância & Adolescência nos jornais impressos se deu em um momento em que a cobertura da mídia se encontrava pressionada pelo escândalo da compra do “dossiê Tucano” pelo PT e pela remissão a crises e denúncias de corrupção anteriores. Temática continuou presente Contrariando as expectativas, a análise do período pós-eleitoral mostra que as matérias que relacionavam as Eleições à agenda da Infância & Adolescência não desapareceram imediatamente após a finalização da contagem de votos. A média de notícias publicadas em novembro e dezembro é superior, por exemplo, àquela apresentada para os seis meses de período pré-eleitoral – quando o debate político estava naturalmente mais aquecido. Foi também neste período que a sociedade civil, até então ausente da cobertura eleitoral, mostrou um leve aumento de participação. 3
  3. 3. O balanço final, após um ano de monitoramento do comportamento da cobertura em notícias que relacionavam Eleições & Infância, permite dizer que as circunstâncias eleitorais e políticas – de 2006 – não foram um impeditivo à abordagem de temas relacionados à Infância & Adolescência pela mídia. Os resultados encontrados nas três análises elaboradas pela ANDI ao longo dos últimos meses mostram que a cobertura esteve pautada pelo contexto sócio-econômico de meninos e meninas, pelas políticas públicas relacionadas a esse segmento e, mais ainda, pelas propostas apresentadas pelos candidatos à Presidência da República. Considerando as adversidades Entretanto, é preciso reconhecer que apesar da evolução quanti-qualitativa da cobertura das Eleições 2006, ainda há sérios desafios a serem superados pelos jornalistas nos pleitos dos próximos anos. Faz-se imperativo, por exemplo, elevar a proporção de notícias que avançam para além da mera descrição das propostas dos candidatos, analisando a sua viabilidade ou utilizando recursos para abordá-las de forma crítica – tais como indicadores sociais, econômicos e orçamentários, bem como o marco de direitos. Televisão: espaços ainda limitados A análise de um novo tipo de mídia, em se tratando da experiência de monitoramento da ANDI no contexto de parcerias com o UNICEF, também permite assinalar um importante foco de oportunidades para ações futuras. A mídia televisiva apresentou uma cobertura de qualidade substantivamente inferior, demonstrando a necessidade de se pensar estratégias que privilegiem as especificidades e limitações desse meio de comunicação – hoje tão relevantes quanto a mídia impressa, ao levarmos em consideração processos de agendamento de temas relacionados à Infância e o controle social das ações governamentais pela sociedade. 4
  4. 4. 1. Evolução da cobertura Durante o período pós-eleitoral – ou seja, posterior à votação em segundo turno (29 de outubro), a ANDI prosseguiu monitorando os 54 principais jornais impressos das diversas regiões do País. A análise das matérias publicadas neste âmbito é a última da série pautada pela pesquisa iniciada em janeiro de 2006, no âmbito da parceria ANDI-UNICEF, sobre a inserção de temas relacionados à Infância no contexto eleitoral. A cobertura deste período final, em 2006, mostra que, diferentemente do que ocorreu em 2002, o volume de notícias sobre Eleições e Infância sofreu uma queda brusca, sinalizando o já esperado esfriamento do debate. Isso não significou, entretanto, que o assunto tivesse desaparecido dos noticiários. A média mensal de matérias publicadas, em novembro e dezembro, foi de 154 notícias – o que ainda representa mais de 30% daquela registrada nos meses em que a cobertura sobre eleições encontrava-se no seu ponto máximo, quando chegou a 476 textos/mês. Cuidado na Análise A leitura atenta do material selecionado, entretanto, sugere cautela na interpretação desses dados. Isso porque grande parte dessas notícias abordava assuntos pertencentes a agendas posteriores ao período eleitoral, fazendo somente brevíssima remissão às Eleições. Esse padrão foi observado particularmente na remissão a promessas e programas do candidato, focalizados de maneira lateral no noticiário. A ANDI analisou 353 textos de 30 de outubro a 31 de dezembro. Esse material refere-se, como já exposto anteriormente nos demais relatórios enviados ao UNICEF, àquelas notícias que vincularam os candidatos à Presidência da República – Luís Inácio Lula da Silva (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Heloísa Helena (PSOL), Cristóvam Buarque (PDT), dentre outros – a assuntos pertinentes ao universo de Infância & Adolescência, normalmente monitorados pela ANDI. 5
  5. 5. Gráfico 1. Evolução da Cobertura sobre Eleições & Infância 800 700 600 500 400 300 200 100 0 6 06 6 6 6 06 06 6 06 6 06 6 /0 /0 t/ 0 /0 l/0 t/0 r/0 z/ v/ n/ v/ o/ ai ar n ju se ou ab de fe no ja ju ag m m Tabela 1. Evolução da cobertura sobre Eleições & Infância Mês/Ano Número de Notícias % Jan/06 82 2,82% Fev/06 84 2,89% Mar/06 81 2,78% Abr/06 109 3,74% Mai/06 115 3,95% Jun/06 228 7,83% Jul/06 310 10,65% Ago/06 499 17,14% Set/06 419 14,39% Out/06 675 23,19% Nov/06 221 7,59% Dez/06 88 3,02% Total 2.911 100,00% 6
  6. 6. Mais de 60% das notícias sobre Eleições & Infância estiveram concentradas no período eleitoral (entre 6 de julho e 29 de outubro). Apesar desse dado sinalizar uma tendência óbvia de uma menor cobertura nos dois outros períodos, é interessante notar como a agenda da Infância & Adolescência teve uma presença também relevante nestes momentos: mais de 35% do total dos textos publicados. Isto não é pouco, dado o volume de quase três mil notícias analisadas ao longo do ano. Tabela 2. Evolução da cobertura ao longo dos diferentes períodos Período Número de Notícias % Pré-Eleitoral 724 24,87% Eleitoral (1º. Turno) 1.203 41,33% Eleitoral (2º. Turno) 641 22,02% Pós-Eleitoral 343 11,78% Total 2.911 100,00% Boa parte das notícias sobre Eleições & Infância no período Pós-Eleitoral tenderam a focalizar o candidato vencedor – Luís Inácio Lula da Silva. Esse é um fato natural e já esperado. O surpreendente, entretanto, é termos o candidato Cristóvam Buarque e as notícias que não focalizavam o nome de um candidato específico garantindo uma proporção tão relevante na cobertura. Tabela 3. Candidatos mais focalizados (*) Período Período Período Pós- Candidato Período Eleitoral Eleitoral Eleitoral Período Pré-Eleitoral 1º. Turno 2º Turno Luís Inácio Lula da Silva (PT) 81,63% 38,82% 54,45% 87,17% Geraldo Alckmin (PSDB) 25,55% 11,22% 26,99% 0,87% Cristóvam Buarque (PDT) 5,66% 25,94% 8,27% 4,08% Heloísa Helena (PSOL) 1,38% 9,73% 0,00% 0,00% Nanicos, outros Pré-Candidatos 10,30% 6,91% 14,30% 7,87% e Candidato Indefinido Total de Notícias Analisadas 724 1.203 641 353 (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 7
  7. 7. 2. Temas abordados no Período Pós-Eleitoral Os temas mais cobertos no período posterior às Eleições seguiram uma configuração similar às apresentadas nas análises já enviadas ao UNICEF: o predomínio das questões relativas à Educação e Pobreza & Exclusão Social. Pouca novidade observou-se também quanto aos aspectos de Educação mais cobertos: Educação de maneira geral (ou a abordagem simultânea a vários níveis de ensino) continuou a ser o foco predominante dessa cobertura, seguido por Acesso ao Ensino Superior. E, no âmbito de Pobreza & Exclusão Social, programas assistenciais focados sobre famílias – sem destaque para crianças e adolescentes em específico – também permaneceram enfatizados. Muitos assuntos desapareceram por completo dos noticiários – como Educação Infantil, Questões relacionadas a Cor/Etnia, Medidas de Reinserção Social, Nutrição, Violência, Sexualidade e Esportes & Lazer. Vieram somar-se, assim, a um conjunto de questões que esteve absolutamente ausente da mídia impressa na cobertura eleitoral sobre Infância & Adolescência em 2006 – como é o caso de Educação de Jovens, Gênero, Deficiências, Questões Demográficas, Habitação, Aids, Doenças da Pobreza (Malária, Hanseníase e Tuberculose), Acesso a Água Potável, Violência entre Crianças e Adolescentes, Violência Institucional, Gangues, Conflitos Armados (incluído Tráfico de Drogas), Abandono, Abrigos & Situação de Rua, Crianças Desaparecidas ou Migração & Deslocamento. Outros temas que já haviam encontrado pouco espaço nos períodos anteriores tenderam a permanecer em patamares extremamente baixos de atenção na cobertura. 8
  8. 8. Tabela 4 Tema principal das notícias sobre Eleições & Infância em 2006 (*) Tema Eleitoral Eleitoral Pós- Pré-Eleitoral Eleitoral período 1º. Turno 2º Turno Educação 47,65% 44,64% 46,33% 40,52% Vários níveis de ensino 37,29% 37,24% 35,41% 31,78% Acesso ao Ensino Superior 3,73% 3,33% 5,15% 5,83% Educação Profissionalizante 1,66% 0,17% 0,00% 0,29% Ensino Fundamental 1,10% 1,16% 1,25% 0,87% Analfabetismo de Jovens 0,69% 0,50% 0,62% 0,29% Educação - Educação Infantil 0,14% 0,25% 0,16% 0,00% Educação - Ensino Médio 0,14% 0,83% 0,62% 0,29% Educação de Jovens (EJA) 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Outros assuntos relacionados a 2,90% 1,16% 3,12% 1,17% Educação Direitos & Justiça 43,24% 38,07% 44,46% 49,27% Pobreza & Exclusão Social 42,13% 33,17% 39,78% 46,06% Pobreza & Exclusão Social/Especificando Crianças & - 3,57% 2,18% 2,04% Adolescentes Marco Legal, Jurídico & 0,83% 3,16% 1,56% 0,87% Institucional Convivência Familiar/Direitos de 0,28% 0,50% 0,47% 0,29% Família Cor/Etnia 0,00% 0,50% 0,47% 0,00% Gênero 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Deficiências 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% Questões Demográficas 0,00% 0,25% 0,00% 0,00% Medidas de Reinserção Social 3,59% 0,50% 1,09% 0,00% Trabalho Legal 1,52% 1,25% 0,94% 0,87% Habitação 0,97% 0,58% 0,00% 0,00% Trabalho Infantil 0,83% 0,75% 0,16% 0,58% Comportamento 0,28% 6,23% 4,06% 3,21% Meio Ambiente 0,28% 0,00% 0,00% 0,58% Mídia (TV, Rádio, Impressos e 0,28% 0,00% 0,00% 1,17% Internet) Exploração & Abuso Sexual 0,28% 0,33% 0,00% 0,29% 9
  9. 9. Tema Eleitoral Eleitoral Pós- Pré-Eleitoral período 1º. Turno 2º Turno Eleitoral Saúde 0,83% 2,08% 1,42% 1,75% Saúde Materna 0,41% 1,16% 0,94% 0,58% Mortalidade Infantil 0,28% 0,33% 0,16% 0,58% Saúde - Nutrição 0,00% 0,25% 0,16% 0,00% Saúde - Aids 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Saúde - Malária, Hanseníase e 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% Tuberculose Outros assuntos relacionados a 0,14% 0,25% 0,16% 0,58% Saúde Consumo 0,14% 0,00% 0,00% 0,58% Acesso à Água Potável 0,14% 0,00% 0,00% 0,00% Violência 0,00% 0,58% 0,47% 0,00% Violência praticada contra 0,00% 0,08% 0,31% 0,00% crianças e adolescentes Violência praticada por crianças 0,00% 0,00% 0,16% 0,00% e adolescentes Violência entre crianças e 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% adolescentes Violência Institucional 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% Gangues 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Conflitos Armados 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Outros tipos de Violência 0,00% 0,33% 0,00% 0,00% Drogas 0,00% 0,58% 0,31% 0,58% Abandono, Abrigos & Situação 0,00% 0,25% 0,00% 0,00% de Rua Desaparecidos 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Migração ou Deslocamento 0,00% 0,58% 0,00% 0,00% Sexualidade 0,00% 0,08% 0,16% 0,00% Cultura 0,00% 0,08% 0,31% 0,58% Esporte & Lazer 0,00% 0,25% 0,31% 0,00% Total de notícias analisadas 724 1.203 641 343 • Os itens assinalados correspondem aos temas que têm sido alvo de ações de mobilização e qualificação por parte de ANDI e UNICEF (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 10
  10. 10. 3. Os principais atores da Cobertura 2006 Um aspecto que sofreu significativa mudança no período pós-eleitoral foi o que diz respeito aos personagens mais presentes na cobertura. Após o término das eleições, as organizações não-governamentais, fundações e institutos passaram a ser alvo das notícias dos jornais com maior freqüência. Durante o período eleitoral, elas haviam claramente se retirado do debate. Uma das possibilidades levantadas nos relatórios passados é a de que, por receio de gerar um desconforto com o Governo, estas organizações tenham preferido manter-se fora da pauta. Outra explicação para este fato seria a dificuldade de agendamento das temáticas sociais diante da concorrência com temas da agenda política – escândalos e dossiês. Outro ponto de mudança foi o aumento da participação do Governo como protagonista das notícias. Esta alteração já era esperada. Como havia sido antecipado na análise de mídia anterior, as matérias tendiam a transferir questões ligadas ao cenário eleitoral para o cenário governamental. Nada mais natural, já que o vencedor da disputa foi o próprio Presidente. Tabela 5 Esferas abordadas nas notícias (*) Esfera Pré- Eleitoral Eleitoral Pós- Período Eleitoral 1º. Turno 2º Turno Eleitoral Institucional 91,29% 84,28% 88,14% 87,46% Candidato Político 47,65% 64,17% 77,85% 29,74% Setor Privado 0,00% 0,08% 0,00% 0,29% Terceiro setor 0,00% 0,83% 0,16% 4,37% Governo 36,46% 15,79% 8,42% 33,53% Parceria explícita 0,14% 0,42% 0,00% 0,00% Partido Político 7,04% 2,00% 1,09% 0,58% Organizações 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% Multilaterais Coligação 0,00% 0,91% 0,62% 0,00% Temático 6,77% 9,48% 6,86% 6,71% População geral 0,69% 4,49% 4,21% 4,66% Caso individual/singular 1,24% 1,75% 0,78% 1,17% (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 11
  11. 11. 4. Aspectos editoriais A lista de jornais que apresentaram o melhor desempenho quanto ao critério volume de notícias publicadas seguiu, em grande parte, a tendência já identificada nos relatórios passados. Vale destacar, entretanto, alguns pontos: em primeiro lugar, a queda progressiva da participação de O Estado de S. Paulo, aquele que mais havia concedido espaço à temática Eleições & Infância no primeiro semestre; o progresso sem retrocessos da cobertura do Jornal do Brasil ao longo do ano; e o súbito aumento da participação de A Notícia, de Santa Catarina, Hoje em Dia, de Minas Gerais, e O Povo, do Ceará, neste período posterior às eleições. Tabela 6. Jornais que mais publicaram notícias sobre Eleições & Infância (*) Veículos Eleitoral Eleitoral Pós- Pré-Eleitoral Período 1º. Turno 2º Turno Eleitoral O Estado de S. Paulo-SP 8,70% 7,90% 5,30% 3,50% Correio Braziliense-DF 7,60% 5,24% 6,24% 6,71% Folha de S. Paulo-SP 7,32% 4,90% 7,64% 5,54% O Globo-RJ 6,63% 10,72% 7,02% 6,41% Estado de Minas-MG 4,28% 3,41% 3,43% 3,21% Valor Econômico-SP 4,01% 3,99% 3,90% 3,50% Jornal do Brasil-RJ 3,59% 3,41% 4,21% 4,66% Gazeta Mercantil-SP 3,31% 1,83% 1,40% 2,62% O Tempo-MG 3,04% 2,99% 2,65% 2,04% Correio da Bahia-BA 3,04% 0,91% 2,65% 1,46% O Povo-CE 2,76% 0,08% 0,00% 2,92% Jornal do Commercio-PE 2,62% 3,49% 1,09% 1,75% O Liberal-PA 2,49% 1,08% 0,16% 1,17% A Tarde-BA 2,35% 1,75% 2,65% 4,08% Diário de Pernambuco-PE 2,35% 1,58% 4,21% 2,33% O Popular-GO 2,07% 1,83% 2,34% 1,75% Tribuna da Bahia-BA 2,07% 2,24% 1,87% 0,87% Jornal da Tarde-SP 1,93% 1,25% 2,81% 0,58% Zero Hora-RS 1,93% 1,83% 2,03% 1,75% 12
  12. 12. Veículos Eleitoral Eleitoral Pós- Pré-Eleitoral Período 1º. Turno 2º Turno Eleitoral Diário do Nordeste-CE 1,80% 2,91% 3,59% 2,33% Correio da Paraíba-PB 1,66% 1,75% 1,09% 1,75% Meio Norte-PI 1,66% 0,00% 0,00% 1,17% Jornal de Brasília-DF 1,66% 3,24% 1,09% 1,17% O Estado do Maranhão-MA 1,52% 1,25% 1,25% 0,29% Jornal da Cidade - SE 1,52% 2,58% 0,94% 2,04% Hoje em Dia-MG 1,38% 2,00% 3,12% 3,79% Diário de Cuiabá-MT 1,38% 1,50% 2,03% 0,00% A Gazeta-ES 1,38% 1,25% 2,65% 2,04% Correio do Estado-MS 1,24% 0,83% 0,94% 0,87% Gazeta do Povo-PR 1,24% 2,49% 2,03% 2,33% Diário Catarinense-SC 1,10% 1,75% 2,81% 1,17% A Gazeta-MT 1,10% 2,33% 3,43% 0,87% A Notícia-SC 1,10% 0,75% 0,94% 5,83% Correio do Povo-RS 1,10% 0,67% 0,00% 0,87% Tribuna de Alagoas-AL 0,97% 1,00% 0,31% 1,17% Diário da Manhã-GO 0,97% 2,99% 2,65% 3,21% Gazeta de Alagoas-AL 0,83% 0,42% 0,00% 0,00% O Norte-PB 0,69% 1,50% 2,03% 0,29% Diário do Pará-PA 0,69% 1,58% 1,72% 0,87% Correio de Sergipe-SE 0,55% 0,33% 0,31% 0,87% Jornal do Tocantins-TO 0,55% 1,41% 0,94% 1,17% O Rio Branco-AC 0,41% 0,00% 0,47% 0,87% Tribuna do Norte - RN 0,28% 1,41% 0,94% 3,21% Folha de Londrina-PR 0,28% 0,83% 0,16% 0,00% A Crítica - Manaus-AM 0,14% 0,17% 0,94% 0,29% Diário de S. Paulo-SP 0,14% 0,00% 0,00% 0,00% Diário de Natal-RN 0,14% 0,25% 0,00% 0,00% O Dia-PI 0,14% 0,00% 0,00% 0,00% O Dia-RJ 0,14% 0,58% 0,31% 0,00% O Estadão do Norte-RO 0,14% 0,50% 0,62% 0,87% Diário do Amapá – AP 0,00% 1,00% 1,09% 0,29% Folha de Boa Vista – RR 0,00% 0,25% 0,00% 1,17% Diário da Amazônia - RO 0,00% 0,08% 0,00% 0,00% A Gazeta 0,00% 0,00% 0,00% 0,29% Total 724 1.203 641 343 (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 13
  13. 13. Além das alterações no ranking de veículos, outra modificação relevante foi quanto ao formato dos textos sobre Eleições & Infância. Pode-se perceber, a partir da Tabela 7, que apesar de as reportagens seguirem sendo as principais responsáveis pela cobertura, a partir do dia 29 de outubro os artigos e colunas de opinião, as cartas dos leitores e os editoriais registraram crescimento visível. Tabela 7. Formato das notícias sobre Eleições & Infância (*) Formato Eleitoral Eleitoral Pós- Pré-Eleitoral Eleitoral Período 1º. turno 2º Turno Reportagem 90,1% 86,03% 90,17% 60,64% Artigo 4,3% 5,57% 5,15% 21,87% Nota 2,2% 4,99% 0,94% 2,04% Entrevista 2,3% 0,91% 1,25% 5,54% Editorial 0,4% 0,83% 0,62% 3,50% Coluna de Consulta 0,7% 0,75% 0,62% 1,46% Carta do leitor 0,0% 0,67% 0,62% 4,96% Opinião 0,0% 0,25% 0,47% 0,00% Enquete 0,0% 0,0% 0,16% 0,00% Total de notícias 724 1.203 641 343 (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 14
  14. 14. 5. Situação Atual, Políticas Públicas e Propostas dos Candidatos para Infância & Adolescência Quando levamos em consideração estes três aspectos – analisados pela ANDI desde o início do ano de 2006 – verificamos que a cobertura permaneceu razoavelmente estável. Houve, é verdade, uma pequena redução da proporção de notícias que abordou o contexto sócio-econômico de meninos e meninas, as políticas públicas voltadas para Infância, ou mesmo a proposta dos candidatos à Presidência da República – neste período, praticamente concentrada sobre o presidente reeleito, Luís Inácio Lula da Silva. Mas não foi uma perda tão expressiva, sendo menor do que se poderia esperar de um período no qual já não há mais tantas novidades no cenário político. É preciso, entretanto, aprofundar a análise dos números. A leitura das notícias publicadas mostra que a cobertura às idéias apresentadas pelos candidatos, no período pós-eleitoral, pode ser caracterizada como tímida: afinal, elas constavam muito mais como remissões – ou lembretes – inseridos em um texto que versava sobre assuntos relacionados a Infância & Adolescência. Poucos foram os textos que, de fato, retomaram as propostas do vencedor e fizeram uma avaliação mais detalhada. Prova disso é a manutenção, em baixíssimos patamares, do número de matérias que discutem a viabilidade de propostas. Isto se refere, vale assinalar, a notícias que ao menos abordaram restrições à implementação das proposições apresentadas. O passo seguinte, contestação da viabilidade das propostas, esteve presente em um volume ainda mais reduzido de textos. 15
  15. 15. Tabela 8. Notícias que Abordaram a Situação Atual de Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Positiva 14,21% 10,75% 4,01% 13,02% 2,92% 0,00% 10,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,53% 0,00% 4,00% 3,36% 0,00% Negativa 17,60% 16,89% 17,06% 29,17% 19,48% 0,00% 10,00% 30,77% 0,00% 34,15% 30,40% 50,00% 12,00% 24,12% 25,93% Positiva e Negativa 3,72% 4,75% 1,67% 7,81% 0,97% 0,00% 0,00% 0,85% 0,00% 0,00% 1,09% 0,00% 2,00% 0,84% 7,41% Neutra 4,74% 2,91% 2,01% 2,08% 0,32% 0,00% 0,00% 1,71% 0,00% 0,00% 1,63% 0,00% 2,00% 4,19% 3,70% Não Avalia 2,37% 11,75% 12,04% 1,04% 9,09% 0,00% 0,00% 9,40% 0,00% 0,00% 4,93% 14,29% 2,00% 15,95% 7,41% Percentual de notícias que abordou a Situação 33,67% 47,05% 36,79% 39,06% 32,78% 0,00% 20,00% 42,74% 0,00% 34,15% 38,59% 64,29% 14,00% 57,51% 44,44% Atual de I&A Total de notícias analisadas em cada 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 período (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. Os itens assinalados correspondem aos temas que têm sido alvo de ações de mobilização e qualificação por parte de ANDI e UNICEF
  16. 16. Tabela 9. Notícias que Abordaram Políticas Públicas Atuais para Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Positiva 44,84% 23,28% 16,39% 21,88% 10,06% 0,00% 30,00% 8,55% 0,00% 9,76% 3,01% 0,00% 4,00% 5,04% 7,41% Negativa 33,33% 16,79% 20,74% 27,60% 12,66% 0,00% 30,00% 17,95% 0,00% 34,15% 20,82% 14,29% 10,00% 9,66% 14,81% Positiva e Negativa 10,66% 9,68% 6,69% 5,73% 4,22% 0,00% 0,00% 12,82% 0,00% 4,88% 4,11% 7,14% 2,00% 1,68% 0,00% Neutra 15,40% 9,44% 8,36% 8,85% 2,92% 0,00% 0,00% 1,71% 0,00% 7,32% 3,09% 0,00% 0,00% 3,36% 11,11% Não Avalia 7,45% 21,69% 19,40% 2,60% 31,82% 33,33% 0,00% 19,66% 0,00% 0,00% 7,67% 7,14% 2,00% 10,51% 11,11% Percentual de notícias que abordou Políticas 84,09% 80,88% 71,57% 54,69% 61,79% 33,33% 60,00% 60,68% 0,00% 46,34% 38,71% 28,57% 12,00% 30,25% 44,44% Públicas sobre I&A Total de notícias analisadas em cada 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 período (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. Os itens assinalados correspondem aos temas que têm sido alvo de ações de mobilização e qualificação por parte de ANDI e UNICEF
  17. 17. Tabela 10. Notícias que Abordaram Propostas do Candidato para Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Positiva 30,29% 10,79% 11,37% 39,06% 17,53% 66,67% 60,00% 22,22% 0,00% 75,61% 40,27% 28,57% 50,00% 7,98% 0,00% Negativa 19,97% 10,30% 5,69% 7,81% 5,84% 0,00% 0,00% 8,55% 0,00% 0,00% 6,85% 14,29% 2,00% 5,04% 11,11% Positiva e Negativa 6,09% 1,10% 2,01% 1,04% 1,62% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 3,28% 7,14% 2,00% 0,84% 0,00% Neutra 10,32% 5,76% 5,35% 4,69% 7,79% 0,00% 0,00% 4,27% 0,00% 4,88% 7,94% 0,00% 12,00% 2,52% 7,41% Não Avalia 6,43% 20,34% 21,74% 3,13% 42,20% 0,00% 10,00% 35,04% 0,00% 12,20% 30,96% 14,29% 2,00% 16,39% 14,81% Percentual de notícias que abordou Propostas 56,85% 48,28% 46,15% 51,56% 74,99% 66,67% 100,00% 70,09% 0,00% 87,80% 89,30% 64,29% 62,00% 32,77% 33,33% dos Candidatos Total de notícias analisadas em cada 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 período (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. Os itens assinalados correspondem aos temas que têm sido alvo de ações de mobilização e qualificação por parte de ANDI e UNICEF 18
  18. 18. Tabela 11. Notícias que Discutiram a Viabilidade da Proposta do Candidato (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Viabilidade Jurídica 1,02% 0,12% 1,34% 0,00% 0,65% 0,00% 0,00% 2,56% 0,00% 0,00% 1,09% 0,00% 0,00% 0,84% 0,00% ou Constitucional Viabilidade Política (coalizão e apoio 0,51% 1,84% 1,67% 0,00% 0,65% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,46% 0,00% 0,00% 0,42% 0,00% legislativo) Viabilidade Gerencial 2,88% 2,33% 0,00% 4,69% 1,95% 0,00% 0,00% 4,27% 0,00% 2,44% 9,86% 0,00% 2,00% 0,84% 0,00% ou Administrativa Viabilidade 4,40% 3,43% 3,68% 0,52% 2,27% 0,00% 0,00% 5,98% 0,00% 2,44% 13,15% 0,00% 0,00% 2,10% 7,40% Orçamentária Contestação da Viabilidade pelos Textos Jornalísticos A Viabilidade é - 1,47% 1,34% - 2,92% 0,00% - 1,71% 0,00% - 5,48% 7,14% - 1,68% 0,00% questionada Total de notícias 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 analisadas (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. Os itens assinalados correspondem aos temas que têm sido alvo de ações de mobilização e qualificação por parte de ANDI e UNICEF 19
  19. 19. 6. A cobertura 2006 e os indicadores sociais Por outro lado, os recursos utilizados para avaliar a Situação Atual, Políticas Públicas existentes e Propostas Elaboradas – sempre com desdobramentos para Infância & Adolescência – apresentaram-se em proporção animadora na cobertura. Também houve, como nos aspectos analisados na seção anterior, uma redução no volume de textos, porém isto não consistiu em uma queda drástica – a proporção manteve-se bastante semelhante àquela do material publicado durante o ápice do período eleitoral. Por conseguinte, esse é um resultado positivo, tendo em vista as observações já realizadas sobre o declínio que se esperava da cobertura, com o fim da campanha eleitoral. Um dado sutil, que precisa ser salientado, consiste no uso do Marco Legal ou Jurídico. É interessante que, no período pós-eleitoral, leis, direitos, portarias e decisões jurídicas tenham sido mais abordadas com a finalidade de avaliar os três conjuntos de aspectos já citados. 20
  20. 20. Tabela 12. Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam avaliações sobre a Situação da Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Menciona 24,03% 18,87% 11,37% 17,19% 9,41% 0,00% 0,00% 14,53% 0,00% 7,32% 10,69% 14,29% 0,00% 19,75% 3,70% indicadores sociais Menciona Indicadores - 5,76% 5,02% - 1,62% 0,00% - 5,13% 0,00% - 0,55% 7,14% - 3,36% 0,00% Econômicos Menciona Direitos da 0,34% 0,49% 0,00% 0,00% 0,65% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,44% 0,27% 0,00% 0,00% 1,26% 0,00% Infância Menciona Marco 1,35% 0,61% 0,67% 1,56% 0,32% 0,00% 0,00% 0,85% 0,00% 2,44% 0,00% 0,00% 0,00% 1,26% 3,70% Legal ou Jurídico Menciona Dados 2,37% 2,32% 1,67% 0,00% 1,62% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,19% 14,29% 0,00% 0,42% 0,00% Orçamentários Menciona 5,25% 13,35% 10,37% 3,65% 11,04% 0,00% 0,00% 13,68% 0,00% 4,88% 19,45% 28,57% 4,00% 15,96% 18,52% Impressões Pessoais Menciona um caso individual ou 6,43% 3,92% 2,68% 0,00% 0,65% 0,00% 10,0% 2,56% 0,00% 7,32% 1,91% 0,00% 2,00% 6,72% 7,41% específico Total de notícias 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 analisadas (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 21
  21. 21. Tabela 13. Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam avaliações sobre Políticas Públicas voltadas para Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Menciona 42,13% 27,57% 20,07% 14,58% 5,52% 0,00% 0,00% 13,68% 0,00% 7,32% 10,69% 14,29% 0,00% 6,30% 3,70% indicadores sociais Menciona Indicadores 0,00% 12,13% 13,04% 0,00% 1,29% 0,00% 0,00% 5,98% 0,00% 0,00% 0,27% 14,29% 0,00% 2,10% 0,00% Econômicos Menciona Direitos da 0,17% 0,48% 0,00% 0,00% 0,65% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,27% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Infância Menciona Marco 1,86% 1,22% 4,68% 0,00% 1,29% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,27% 7,14% 0,00% 0,42% 7,41% Legal ou Jurídico Menciona Dados 18,10% 8,46% 8,36% 0,52% 1,30% 0,00% 0,00% 2,56% 0,00% 7,32% 2,74% 21,43% 2,00% 0,84% 0,00% Orçamentários Menciona 15,06% 16,39% 4,69% 18,83% 0,00% 0,00% 29,91% 0,00% 12,20% 16,99% 0,00% 4,00% 9,24% 18,52% Impressões Pessoais Menciona um caso individual ou 17,77% 6,50% 4,35% 7,29% 3,57% 0,00% 0,00% 1,71% 0,00% 12,20% 3,29% 0,00% 0,00% 2,10% 3,70% específico Total de notícias 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 analisadas (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 22
  22. 22. Tabela 14. Recursos utilizados pelas notícias que abordaram ou formularam avaliações sobre as Propostas dos Candidatos voltadas para Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Menciona 30,29% 6,62% 3,01% 7,29% 6,49% 33,33% 0,00% 10,26% 0,00% 12,20% 9,04% 7,14% 0,00% 4,62% 0,00% indicadores sociais Menciona Indicadores 0,00% 2,45% 3,68% 0,00% 0,97% 0,00% 0,00% 4,27% 0,00% 0,00% 1,64% 0,00% 0,00% 0,84% 0,00% Econômicos Menciona Direitos da 0,00% 0,24% 0,33% 1,04% 0,32% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,44% 0,82% 7,14% 0,00% 0,42% 0,00% Infância Menciona Marco 1,35% 0,73% 3,34% 1,04% 97,82% 0,00% 0,00% 0,85% 0,00% 4,88% 0,27% 14,29% 0,00% 1,26% 0,00% Legal ou Jurídico Menciona Dados 10,00% 3,18% 2,68% 1,04% 0,97% 0,00% 0,00% 9,40% 0,00% 4,88% 4,39% 7,14% 6,00% 0,42% 3,70% Orçamentários Menciona 9,31% 11,15% 13,38% 8,85% 18,18% 33,33% 0,00% 18,80% 0,00% 21,95% 33,15% 28,57% 28,00% 10,93% 18,52% Impressões Pessoais Menciona um caso individual ou 9,14% 2,70% 1,34% 6,25% 4,22% 33,33% 0,00% 1,71% 0,00% 12,20% 3,29% 0,00% 12,00% 1,68% 0,00% específico Total de notícias 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 analisadas (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 23
  23. 23. 7. Governabilidade & Governança Alguns temas relacionados a Governabilidade & Governança também registraram avanços durante a cobertura pós-eleitoral. A ação integrada entre instituições governamentais vinculadas a Infância & Adolescência foi alvo de 1,67% das 299 notícias que versaram nesse período sobre o candidato vencedor nas urnas, Luís Inácio Lula da Silva. Já a responsabilidade fiscal foi evocada em 3,34% dos textos sobre Lula e em uma das 14 notícias que versaram sobre o candidato Cristóvam Buarque (PDT). A liberdade de expressão, a participação da sociedade civil na formulação de propostas de governo e a transparência na gestão de políticas públicas relacionadas à Infância também registraram aumento em relação aos períodos anteriormente pesquisados. Ainda que esses sejam percentuais baixos, os avanços não devem ser desconsiderados, dado que o uso desses conceitos na construção de notícias não é nada freqüente na cobertura sobre Infância & Adolescência em geral. Quando nos voltamos para outros elementos também relacionados a boas práticas de governo, entretanto, verificamos o seu completo esvaziamento perante os meios de comunicação após o período eleitoral. Dentre eles, encontram-se questões referentes à participação do eleitorado jovem, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e o Sistema de Garantia de Direitos (SGD). 24
  24. 24. Tabela 15. Aspectos relacionados a Governabilidade & Governança das Propostas dos Candidatos para Infância & Adolescência (*) Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Apresenta ou propõe ação integrada entre 2,37 instituições 0,36% 1,67% 1,04% 1,30% 0,00% 3,42% 0,85% 0,00% 4,88% 3,84% 0,00% 2,00% 1,68% 0,00% % governamentais vinculadas a I&A Eficácia Apresenta ou propõe avaliação de políticas 1,02 4,78% 3,34% 0,00% 1,95% 0,00% 5,13% 3,42% 0,00% 4,88% 2,74% 0,00% 0,00% 0,84% 0,00% públicas voltadas para % I&A Aborda responsabilidade 0,17 2,57% 3,34% 0,52% 2,60% 0,00% 9,40% 5,13% 0,00% 7,32% 3,29% 7,14% 0,00% 0,84% 3,70% fiscal % Utiliza perspectiva de 0,17 Democracia & Participação Direitos Humanos/ 1,47% 0,67% 0,00% 1,62% 0,00% 0,00% 9,40% 0,00% 9,76% 1,37% 0,00% 0,00% 4,63% 3,70% % Direitos da Infância Aborda liberdade de 0,00 imprensa ou liberdade de 0,12% 1,34% 0,52% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,42% 0,00% % expressão Apresenta ou propõe participação da sociedade 1,18 civil na formulação de 1,59% 1,67% 5,21% 0,97% 0,00% 0,00% 0,85% 0,00% 4,88% 1,64% 0,00% 0,00% 5,46% 3,70% % propostas do candidato para I&A 25
  25. 25. Candidato Nanicos, outros Pré- Lula Geraldo Alckmin Heloísa Helena Cristóvam Candidatos e Candidato Avaliação Indefinido Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Pré Eleit Pós Faz referência ao 0,17 eleitorado 3,19% 0,00% 0,00% 3,89% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,74% 0,00% 0,00% 22,27% 3,70% Democracia & Participação % adolescente/jovem Faz referência explí- cita aos Objetivos de 0,00 Desenvolvimento do 0,37% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 4,88% 0,27% 0,00% 0,00% 1,26% 0,00% % Milênio, ou a Um Mundo para as Crianças Aborda o Sistema de Garantias de Direitos ou 0,00 0,73% 0,00% 0,00% 0,32% 0,00% 5,98% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,84% 3,70% instituições vinculadas a % Sustentabilidade ele Menciona compromissos 2,03 anteriormente firmados 8,70% 5,35% 0,52% 6,17% 0,00% 11,97% 5,98% 0,00% 2,44% 10,41% 7,14% 0,00% 0,00% 0,00% % pelo candidato para I&A Aborda corrupção ou 3,89 mecanismos de combate 3,55% 3,01% 2,08% 2,27% 0,00% 1,71% 11,97% 0,00% 0,00% 2,54% 7,14% 0,00% 2,10% 3,70% % à corrupção Transparência Aborda transparência de 0,00 informações e da gestão 0,49% 0,67% 0,00% 0,64% 0,00% 117 1,71% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% % pública Total de notícias analisadas em cada 591 816 299 192 308 3 10 117 0 41 365 14 50 238 27 período (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 26
  26. 26. 8. Fontes ouvidas na Cobertura Eleitoral e Pós-Eleitoral A construção de um diálogo mais estreito e fluente entre os diversos segmentos sociais envolvidos com a infância e a adolescência é certamente um dos fatores que contribuíram para impulsionar as iniciativas de promoção e defesa dos direitos. Setores governamentais, organizações da sociedade civil, especialistas de diversas áreas e universidades são alguns dos atores que nos últimos anos tem buscado fortalecer na agenda pública o debate sobre a realidade de meninos e meninas. A ANDI já havia registrado nos últimos anos, para o universo mais amplo de Infância & Adolescência, uma tendência da imprensa, de uma maneira geral, em reduzir a priorização das fontes de informação oficiais, principalmente as ligadas ao Poder Executivo. É importante ressaltar que um dos requisitos básicos defendidos pela ANDI, assim como por inúmeros estudiosos, para o exercício de um bom jornalismo é a existência de pluralidade de fontes de informação na cobertura. Isso porque, ao consultar um conjunto limitado de vozes, os profissionais da mídia acabam por colocar em risco a qualidade e mesmo a credibilidade da informação. A pequena diversidade de pontos de vista, dessa maneira, afeta o debate público democrático e reduz o horizonte temático. Poucas Fontes Ouvidas Por outro lado, embora a pluralidade de vozes seja um forte indicador de qualidade, cabe dizer que esse não é um fator suficiente para assegurar, por si só, a maior qualificação das notícias. A diversidade de fontes não garante, por exemplo, a apresentação de visões divergentes sobre um mesmo fato, cenário ou opinião abordada pela notícia. No caso da cobertura sobre Eleições & Infância, houve em média pouco mais de uma fonte consultada para cada notícia publicada no período eleitoral. Com o fim das eleições, esse número se reduz para pouco menos de uma fonte ouvida por texto analisado – tendência que acaba por dificultar a existência de versões diferentes para um mesmo fato em uma notícia e, conseqüentemente, a sua contextualização. A leitura sobre o grau de divergência de opiniões encontra-se, nesta pesquisa, na identificação de avaliações positivas e negativas, em uma mesma notícia, sobre o 27
  27. 27. fato em questão. A mensuração tem como foco a seção sobre Situação Atual, Políticas Públicas e Propostas voltadas para Infância & Adolescência. O simples fato de haver uma baixa proporção de fontes por notícia já nos leva a deduzir que são poucos os textos construídos a partir de diferentes visões. Afinal, são raros os casos em que uma única fonte é responsável pela apresentação de versões contraditórias sobre a realidade ou sua própria atuação. Pluralidade comprometida Durante o período eleitoral, mais de 70% das notícias deram voz aos candidatos – um percentual, de longe, muito superior a todos os demais atores disponíveis para opinar sobre o processo eleitoral ou questões referentes à infância. De um lado, isso confirma o que já havia sido observado como regra, quando se analisava o protagonista da notícia – os candidatos foram os atores enfocados no maior espaço disponível em cada notícia. Tal aspecto significa dizer que, além de os candidatos terem sido os personagens enfocados em maior medida, eles foram ao mesmo tempo fonte do jornalista – opinando na grande maioria das vezes sobre si mesmos. A situação não é tão grave, entretanto, quando observamos que, dos quatro principais candidatos, três obtiveram participações bastante semelhantes na cobertura sobre Eleições & Infância. Heloísa Helena foi a única a registrar presença dois terços inferior, em relação aos demais candidatos – em grande medida, por não apresentar uma plataforma similar aos outros presidenciáveis em se tratando de crianças e adolescentes. 28
  28. 28. Tabela 16 Fontes ouvidas sobre Eleições & Infância (*) Fontes/Período Eleitoral Pós-Eleitoral Crianças 0,87% 0,87% Adolescentes 1,30% 0,87% Jovens 1,36% 1,17% Candidatos políticos/Autoridades 73,86% 30,03% Luís Inácio Lula da Silva 18,44% 18,08% Geraldo Alckmin 17,19% 0,58% Heloísa Helena 6,72% 0,29% Cristóvam Buarque 18,33% 3,50% Luciano Caldas Bivar 0,49% 0,00% Rui Costa Pimenta 0,16% 0,00% José Maria Eymael 0,49% 0,00% Ana Maria Teixeira Rangel 0,11% 0,00% Autoridades/Candidatos Políticos associados à Coligação PT-PRB- 5,04% 3,50% PCdoB Autoridades/Candidatos Políticos 4,83% 3,79% associados à Coligação PSDB-PFL Autoridades/Candidatos Políticos associados à Coligação PSTU-PCB- 0,70% 0,00% PSOL Autoridades/Candidatos Políticos 1,36% 0,29% associados à campanha do PDT Autoridades/Candidatos Políticos 0,00% 0,00% associados à campanha do PSL Autoridades/Candidatos Políticos 0,00% 0,00% associados à campanha do PCO Autoridades/Candidatos Políticos 0,00% 0,00% associados à campanha do PSDC Autoridades/Candidatos Políticos 0,00% 0,00% associados à campanha do PRP (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. Ao longo do período pós-eleitoral, a participação dos candidatos como fonte de informação decaiu. Isso se deu, como se pode perceber, devido à retirada de cena dos candidatos derrotados. Ao mesmo tempo, as fontes governamentais que não estiveram diretamente envolvidas com a campanha eleitoral de Lula tenderam a crescer em grande medida, ocupando o espaço deixado pelos demais candidatos. Infelizmente, alguns atores permaneceram pouco privilegiados ou praticamente fora de cena quando verificamos as fontes ouvidas pelos jornalistas. O Poder Legislativo, o Poder Judiciário e os Conselhos se incluem nessa situação. 29
  29. 29. Tabela 17 Fontes ouvidas sobre Eleições & Infância (*) Fontes/Período Eleitoral Pós-Eleitoral Governo 6,78% 20,99% Presidência da República (exceto equipe de Campanha e 0,05% 0,00% Autoridades que compõem a Coligação) Ministérios do Governo Federal(exceto equipe de 3,31% 5,83% Campanha eAutoridades que compõem aColigação) Outras Instituições do Poder Executivo Federal (exceto equipe de Campanha e 0,38% 2,62% Autoridades que compõem a Coligação) Executivo Estadual (exceto equipe de Campanha e 0,38% 1,46% Autoridades que compõem a Coligação) Executivo Municipal (exceto equipe de Campanha e 1,08% 0,29% Autoridades que compõem a Coligação) Deputados Federais (exceto equipe de Campanha e 0,98% 2,92% Autoridades que compõem a Coligação) Senadores da República (exceto equipe de Campanha e 0,33% 7,00% Autoridades que compõem a Coligação) Outras instituições do Poder 0,05% 0,29% Legislativo Federal Legislativo Estadual 0,16% 0,58% Legislativo Municipal 0,00% 0,00% TCU – Tribunal de Contas da 0,00% 0,00% União Autoridades Policiais 0,05% 0,00% Judiciário 2,06% 0,58% Ministério Público 0,16% 0,58% TSE – Tribunal Superior 1,74% 0,00% Eleitoral STF – Superior Tribunal Federal 0,11% 0,00% Outras instituições do Poder 0,05% 0,00% Judiciário Conselhos 0,11% 0,00% Conselhos de Políticas Públicas 0,11% 0,00% Conselhos de Direitos da 0,00% 0,00% Infância Conselhos Tutelares ou de 0,00% 0,00% Atenção Direta Empresas 0,22% 0,58% (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 30
  30. 30. Por sua vez, as fontes que provinham de instituições – como ONGs, autoridades religiosas, institutos e fundações – não consistiram nas mais ouvidas pelos meios de comunicação impressa. Em lugar delas, predominaram durante o período eleitoral as citações a depoimentos de cidadãos comuns. Após as eleições, as autoridades religiosas passaram também a ser consultadas em maior medida, elevando a participação da sociedade civil como voz na cobertura sobre Eleições & Infância. É importante notar, entretanto, que enquanto fonte de informação, organizações da sociedade civil chegaram até mesmo a diminuir a sua participação após o pleito. Especialistas e técnicos, usualmente fontes às quais recorrem os jornalistas, aumentaram sua presença na transição dos dois períodos; organismos internacionais viram sua voz cair razoavelmente, assim como professores e educadores. As demais fontes permaneceram em patamares estáveis. Tabela 18 Fontes ouvidas sobre Eleições & Infância (*) Fontes/Período Eleitoral Pós-Eleitoral Sociedade Civil 11,11% 18,65% Cidadãos 5,04% 9,33% Organizações da Sociedade Civil 2,55% 0,29% Fundações/Institutos 2,06% 2,04% Sindicatos/Entidades de Classe 1,08% 0,87% Autoridades religiosas 0,27% 5,83% ANDI ou Agências da Rede ANDI 0,11% 0,29% Especialistas/Técnicos 4,01% 6,71% Professores/educadores 2,77% 1,75% Universidades 3,15% 3,21% Organizações e Agências Internacionais 0,60% 0,29% UNICEF 0,22% 0,00% UNESCO 0,16% 0,00% PNUD 0,11% 0,00% Outros Organismos Internacionais 0,11% 0,29% Mídia 12,53% 13,12% Jornalistas ou 11,33% 12,24% Profissionais/Empresas de Mídia Celebridades 1,19% 0,87% Total de Fontes Ouvidas 2.226 339 Total de Notícias Analisadas 1.844 343 Média de Fontes Ouvidas por Notícia 1,21 0,99 (*) As porcentagens referem-se ao total de notícias que abordou cada um dos candidatos no período correspondente. 31
  31. 31. 9. Televisão A quantidade de notícias registradas após as eleições nos quatro telejornais noturnos acompanhados pela ANDI ao longo de 2006 – Jornal Nacional, Jornal da Band, Jornal da Record e SBT Brasil – foi muito baixa. Somente oito matérias foram veiculadas, sendo que nenhuma delas no SBT. Esse consiste obviamente em um número por demais reduzido para que mereça a exposição de todos os aspectos da cobertura eleitoral sobre Tevê desenvolvida no âmbito do projeto ANDI/UNICEF. Algumas observações, entretanto, merecem ser feitas. Tabela 19 Quantidade de Notícias Registradas por Período Eleitoral, para Telejornais Número de Período % Notícias Pré-Eleitoral 6 4,65% Eleitoral (1º. Turno) 96 74,42% Eleitoral (2º. Turno) 19 14,73% Pós-Eleitoral 8 6,20% Total 129 100,00% Dessas oito notícias sobre Eleições & Infância selecionadas, seis foram veiculadas nos últimos dois dias de outubro, em um momento imediatamente posterior ao pleito – enquanto ainda duravam discussões sobre a contagem de votos. Significa que, ao longo de novembro e dezembro, restaram somente duas veiculações sobre o assunto – suficiente para considerar o tema ausente do debate televisivo no período posterior às eleições. Esse dado coloca em evidência uma informação relevante: a de que os padrões observados para os jornais de mídia impressa não repercutiram direta ou indiretamente naqueles de mídia televisiva. 32
  32. 32. Tabela 20 Evolução do Número de Notícias sobre Eleições & Infância ao Longo dos Meses, para Telejornais Número de Meses % Notícias Jan/06 0 0,00% Fev/06 0 0,00% Mar/06 0 0,00% Abr/06 1 0,78% Mai/06 2 1,55% Jun/06 3 2,33% Jul/06 27 20,93% Ago/06 52 40,31% Set/06 17 13,18% Out/06 (1º a 29) 19 14,73% Out/06 (30 e 31) 6 4,65% Nov/06 1 0,78% Dez/06 1 0,78% Total 129 100,00% Tabela 21 Número de Notícias sobre Eleições & Infância, por Telejornal Analisado Total de notícias Pré- Pós- Telejornais % Eleitoral % % em todos % eleitoral Eleitoral os Períodos SBT Brasil 0 0,00% 22 19,13% 0 0,00% 22 17,05% Jornal da Band 0 0,00% 21 18,26% 3 25,00% 24 18,60% Jornal da Record 4 66,67% 18 15,65% 3 37,50% 25 19,38% Jornal Nacional 2 33,33% 54 46,96% 2 37,50% 58 44,96% Total 6 100,00% 115 100,00% 8 100,00% 129 100,00% 33
  33. 33. Tabela 22 Número de Notícias sobre Eleições & Infância em Telejornais, por Candidato Abordado Período Período Pré- Período Período Pós- Total Candidato Eleitoral Eleitoral Eleitoral Cristovam Buarque (PDT) 16,67% 32,17% 0,00% 29,46% Geraldo Alckmin (PSDB) 16,67% 15,65% 0,00% 14,73% Luís Inácio Lula da Silva (PT) 16,67% 14,78% 100,00% 20,16% Heloísa Helena (PSOL) 33,33% 18,26% 0,00% 17,83% Nanicos, outros Pré-Candidatos 16,67% 16,52% 0,00% 15,50% e Candidato Indefinido Total de Notícias Analisadas 6 115 8 129 Tabela 23 Total de Notícias Analisadas até 31 de Dezembro de 2006 (Para 4 telejornais e 54 jornais) Período Período Período Período Período Pré- Eleitoral: Eleitoral: Pós- Total Eleitoral Mídia 1º. Turno 2º Turno Eleitoral Telejornais 6 96 19 8 129 Média de notícias por 1,5 24 4,75 2 32,25 telejornal Jornais Impressos 724 1.203 641 343 2.911 Média de notícias por 13,4 22,3 11,9 6,4 54,0 jornal impresso O comportamento do jornalismo televisivo, entretanto, foi semelhante à do jornalismo impresso em alguns aspectos, no período pós-eleitoral. Em primeiro lugar, o candidato mais coberto consistiu também no reeleito presidente Lula. Em segundo, a cobertura – já exígua – apresentou um vínculo muito tênue entre Eleições & Infância. Isso se deu, no entanto, pelo caminho oposto ao registrado nos jornais impressos: não se tratava de um pequeno espaço reservado à remissão ao período eleitoral; mas uma insignificante menção às questões da Infância, na remissão. Metade das oito notícias analisadas apresentaram temas relacionados a meninos e meninas – todas referentes à Educação e Pobreza – em menos de 10% do tempo total dedicado a cada reportagem. 34
  34. 34. Tabela 24 Tempo Dedicado a Assuntos Relacionados à Infância & Adolescência no Contexto de Cada Notícia de Telejornal, no Período Pós-Eleitoral Conteúdo sobre I&A está presente em menos de 10% do 4 50,00% tempo cronometrado para a notícia Conteúdo sobre I&A está presente em menos de 50% do 3 37,50% tempo cronometrado para a notícia Conteúdo sobre I&A está presente em mais de 50% do 1 12,50% tempo cronometrado para a notícia Conteúdo sobre I&A está presente em 100% do tempo 0 0,00% cronometrado para a notícia Total de notícias analisadas 8 100,00% Equipe Responsável: Coordenação, Redação e Análise: Ruli Peluti. [Tabulação: Manoela Hartz. [Edição: Carlos Ely e Manoela Hartz. [Apoio à Análise e Equipe de pesquisa: Manoela Hartz, Vitor Aratanha, Luiz Antônio Guerra, Elisa Mendes, Maria Alice Amorim, Leandro Andrade, Hermes Pena, Rodolfo Ribeiro, Daisy Duarte, Dayene Peixoto, Max Milliano Melo, Ana Rita da Cunha, Natanael Lopes e Marina de Sá. 35

×