SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Sumário ,[object Object]
Modelo de informação OSI para Gerenciamento
Serviços e Operações Básicas de Gerência OSI ,[object Object]
ROSE ,[object Object],[object Object]
CMIP ,[object Object]
Protocolos OSI
Arquitetura de Gerenciamento OSI ,[object Object]
A arquitetura OSI de gerenciamento oferece uma estrutura mais robusta que SNMP, permitindo a execução de tarefas mais sofisticadas
Modelo de Gerenciamento OSI ,[object Object]
Componentes de Gerenciamento
Estrutura da Informação de Gerenciamento
Serviços e protocolos para troca de informações
Gerentes e Agentes Ger Ag Ger Ag Objetos Gerenciados MIB MIB
O Modelo de Informação de Gerenciamento ,[object Object]
Operações de gerenciamento sobre o objeto ou sobre atributos do objeto
Notificações emitidas pelos objetos
Objetos Gerenciados OSI
Conceitos Envolvendo Objetos de uma MIB OSI ,[object Object]
Encapsulamento
Especialização
Relação de um objeto estar contido em outro (subordinação)
Pacotes
Comunicação entre Entidades de Gerenciamento OSI
Operações sobre Objetos Gerenciados
Serviços de Gerenciamento OSI
Serviços  de Aplicação OSI para Gerenciamento
ACSE  ( Association Control Service Element) ,[object Object]
A_RELEASE: libera a associação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3.1. thiết kế mạng cục bộ
3.1. thiết kế mạng cục bộ3.1. thiết kế mạng cục bộ
3.1. thiết kế mạng cục bộ
Kun Din
 
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
Long Kingnam
 

Mais procurados (20)

Đề tài: Thiết kế hệ thống mạng cho một công ty, HOT, 9đ
Đề tài: Thiết kế hệ thống mạng cho một công ty, HOT, 9đĐề tài: Thiết kế hệ thống mạng cho một công ty, HOT, 9đ
Đề tài: Thiết kế hệ thống mạng cho một công ty, HOT, 9đ
 
3.1. thiết kế mạng cục bộ
3.1. thiết kế mạng cục bộ3.1. thiết kế mạng cục bộ
3.1. thiết kế mạng cục bộ
 
Báo cáo tiểu luận hệ thống tên miền dns - học viện bưu chính viễn thông
Báo cáo tiểu luận   hệ thống tên miền dns - học viện bưu chính viễn thôngBáo cáo tiểu luận   hệ thống tên miền dns - học viện bưu chính viễn thông
Báo cáo tiểu luận hệ thống tên miền dns - học viện bưu chính viễn thông
 
Thiết kế mạng
Thiết kế mạngThiết kế mạng
Thiết kế mạng
 
Sistemas Distribuídos - Aula 02
Sistemas Distribuídos - Aula 02Sistemas Distribuídos - Aula 02
Sistemas Distribuídos - Aula 02
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Redes de Computadores - Aula 02
Redes de Computadores - Aula 02Redes de Computadores - Aula 02
Redes de Computadores - Aula 02
 
Mạng Máy tính
Mạng Máy tínhMạng Máy tính
Mạng Máy tính
 
Modelo de camadas TCP/IP
Modelo de camadas TCP/IPModelo de camadas TCP/IP
Modelo de camadas TCP/IP
 
Hướng dẫn xây dựng mô hình mạng với vmware
Hướng dẫn xây dựng mô hình mạng với vmwareHướng dẫn xây dựng mô hình mạng với vmware
Hướng dẫn xây dựng mô hình mạng với vmware
 
Redes de computadores 2 - Aula 4 - Divisão em sub-redes
Redes de computadores 2 - Aula 4 - Divisão em sub-redesRedes de computadores 2 - Aula 4 - Divisão em sub-redes
Redes de computadores 2 - Aula 4 - Divisão em sub-redes
 
Đề tài: Xây dựng, triển khai và quản lý mô hình mạng, HAY
Đề tài: Xây dựng, triển khai và quản lý mô hình mạng, HAYĐề tài: Xây dựng, triển khai và quản lý mô hình mạng, HAY
Đề tài: Xây dựng, triển khai và quản lý mô hình mạng, HAY
 
Xây Dựng Mạng LAN
Xây Dựng Mạng LANXây Dựng Mạng LAN
Xây Dựng Mạng LAN
 
Báo cáo phân tích thiết kế mạng
Báo cáo phân tích thiết kế mạngBáo cáo phân tích thiết kế mạng
Báo cáo phân tích thiết kế mạng
 
Sistemas Distribuídos - Aula 05
Sistemas Distribuídos - Aula 05Sistemas Distribuídos - Aula 05
Sistemas Distribuídos - Aula 05
 
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
Đồ án mạng-Tìm hiểu hệ thống domain controler trên Windows Server 2003
 
BTL Lập trình C#
BTL Lập trình C#BTL Lập trình C#
BTL Lập trình C#
 
Opti600
Opti600Opti600
Opti600
 
Diagrama de Classes
Diagrama de ClassesDiagrama de Classes
Diagrama de Classes
 
Endereçamento IP
Endereçamento IPEndereçamento IP
Endereçamento IP
 

Destaque

Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura ParalelaRelatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
Lívia Cunha
 
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridiceChe puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
Efraín Suárez-Arce, M.Ed
 
Computação Paralela - Uma Abordagem Geral
Computação Paralela - Uma Abordagem GeralComputação Paralela - Uma Abordagem Geral
Computação Paralela - Uma Abordagem Geral
Igor José F. Freitas
 
Trabalho: Arquitetura e software paralelo
Trabalho: Arquitetura e software paralelo  Trabalho: Arquitetura e software paralelo
Trabalho: Arquitetura e software paralelo
Verônica Veiga
 
Aula 2 arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
Aula 2   arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfisAula 2   arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
Aula 2 arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
Hélio Martins
 
Fundamentos de banco de dados 03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
Fundamentos de banco de dados   03 arquitetura 3 esquemas e indep de dadosFundamentos de banco de dados   03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
Fundamentos de banco de dados 03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
Rafael Pinheiro
 

Destaque (18)

Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura ParalelaRelatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
Relatórios de mídias sociais digitais - Arquitetura Paralela
 
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridiceChe puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
Che puro ciel!, orfeo's aria from orfeo ed euridice
 
Aula2 caracteristicas da_tecnologia_de_banco_de_dados
Aula2 caracteristicas da_tecnologia_de_banco_de_dadosAula2 caracteristicas da_tecnologia_de_banco_de_dados
Aula2 caracteristicas da_tecnologia_de_banco_de_dados
 
Computação Paralela - Uma Abordagem Geral
Computação Paralela - Uma Abordagem GeralComputação Paralela - Uma Abordagem Geral
Computação Paralela - Uma Abordagem Geral
 
Trabalho: Arquitetura e software paralelo
Trabalho: Arquitetura e software paralelo  Trabalho: Arquitetura e software paralelo
Trabalho: Arquitetura e software paralelo
 
Aula 2 arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
Aula 2   arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfisAula 2   arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
Aula 2 arquitecturas de sgbd, utilizadores, perfis
 
Fundamentos de banco de dados 03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
Fundamentos de banco de dados   03 arquitetura 3 esquemas e indep de dadosFundamentos de banco de dados   03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
Fundamentos de banco de dados 03 arquitetura 3 esquemas e indep de dados
 
PSI - SIBC, SGBD
PSI - SIBC, SGBDPSI - SIBC, SGBD
PSI - SIBC, SGBD
 
Arquitetura paralela
Arquitetura paralelaArquitetura paralela
Arquitetura paralela
 
Arquiteturas de Gerência de Redes
Arquiteturas de Gerência de RedesArquiteturas de Gerência de Redes
Arquiteturas de Gerência de Redes
 
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de DadosAula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
 
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de DadosAula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
 
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dadosArquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
 
Arquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memóriasArquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memórias
 
Curso Básico de Word 2013 - Parte II
Curso Básico de Word 2013 - Parte IICurso Básico de Word 2013 - Parte II
Curso Básico de Word 2013 - Parte II
 
Curso Básico de Word 2013 - Parte IV
Curso Básico de Word 2013 - Parte IVCurso Básico de Word 2013 - Parte IV
Curso Básico de Word 2013 - Parte IV
 
Curso de Básico de Excel 2013 - Parte I
Curso de Básico de Excel  2013 - Parte ICurso de Básico de Excel  2013 - Parte I
Curso de Básico de Excel 2013 - Parte I
 

Semelhante a Gerência de Redes - 6.Arquitetura de Gerenciamento OSI

Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRSGerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Mauro Tapajós
 
Gerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
Gerência de Redes - 8.Tópicos AvançadosGerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
Gerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
Mauro Tapajós
 
ApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO MetodologiaApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO Metodologia
Marcos Yonamine
 
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuídoOnix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
welingtonms
 

Semelhante a Gerência de Redes - 6.Arquitetura de Gerenciamento OSI (20)

Gerana
GeranaGerana
Gerana
 
Agr aula3
Agr aula3Agr aula3
Agr aula3
 
S1 - Analise de Redes.pdf
S1 - Analise de Redes.pdfS1 - Analise de Redes.pdf
S1 - Analise de Redes.pdf
 
Aula 008 - Gerenciamento e Desempenho de Redes: Halexsandro Sales
Aula 008 - Gerenciamento e Desempenho de Redes: Halexsandro SalesAula 008 - Gerenciamento e Desempenho de Redes: Halexsandro Sales
Aula 008 - Gerenciamento e Desempenho de Redes: Halexsandro Sales
 
Snmp
SnmpSnmp
Snmp
 
SNMP - UFRJ Redes de Computadores curso
SNMP - UFRJ  Redes de Computadores cursoSNMP - UFRJ  Redes de Computadores curso
SNMP - UFRJ Redes de Computadores curso
 
Resumo SCEA
Resumo SCEAResumo SCEA
Resumo SCEA
 
Protocolo SNMP
Protocolo SNMPProtocolo SNMP
Protocolo SNMP
 
Gerencia e Administração de Redes
Gerencia e Administração de RedesGerencia e Administração de Redes
Gerencia e Administração de Redes
 
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRSGerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
 
Gerência de redes e computadores
Gerência de redes e computadoresGerência de redes e computadores
Gerência de redes e computadores
 
Gerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
Gerência de Redes - 8.Tópicos AvançadosGerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
Gerência de Redes - 8.Tópicos Avançados
 
Zabbix + SNMP: Compartilhando experiências sobre SNMP
Zabbix + SNMP: Compartilhando experiências sobre SNMPZabbix + SNMP: Compartilhando experiências sobre SNMP
Zabbix + SNMP: Compartilhando experiências sobre SNMP
 
Gerência de Redes - 1.Introdução e Conceitos de Gerência de Redes
Gerência de Redes - 1.Introdução e Conceitos de Gerência de RedesGerência de Redes - 1.Introdução e Conceitos de Gerência de Redes
Gerência de Redes - 1.Introdução e Conceitos de Gerência de Redes
 
Protocolo SNMP
Protocolo SNMPProtocolo SNMP
Protocolo SNMP
 
ApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO MetodologiaApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO Metodologia
 
Gerência - Aula 02
Gerência - Aula 02Gerência - Aula 02
Gerência - Aula 02
 
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuídoOnix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
Onix, uma plataforma de desenvolvimento para controle distribuído
 
Middleware Reflexivo
Middleware ReflexivoMiddleware Reflexivo
Middleware Reflexivo
 
Serviços na Plataforma .NET (SOA, REST, Microservices, WCF, Web API)
Serviços na Plataforma .NET (SOA, REST, Microservices, WCF, Web API)Serviços na Plataforma .NET (SOA, REST, Microservices, WCF, Web API)
Serviços na Plataforma .NET (SOA, REST, Microservices, WCF, Web API)
 

Mais de Mauro Tapajós

Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 

Mais de Mauro Tapajós (20)

Proyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATIProyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATI
 
Propostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMPPropostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMP
 
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma LivreIntegração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma Livre
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
 
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
 
Migração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas UniversidadesMigração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas Universidades
 
Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)
 
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
 
Software Winrad
Software WinradSoftware Winrad
Software Winrad
 
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livreintegração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
 
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livreAtualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
 
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
 
Processo de Startup do Linux
Processo de Startup do LinuxProcesso de Startup do Linux
Processo de Startup do Linux
 
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e InstalaçãoAspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e Instalação
 
Avaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições LinuxAvaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições Linux
 
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e ServiçosFISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
 
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para VídeoconferênciaFISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
 
Suporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no LinuxSuporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no Linux
 

Gerência de Redes - 6.Arquitetura de Gerenciamento OSI

Notas do Editor

  1. A OSI gerou vários dos padrões e modelos comuns no mundo de redes e sistemas abertos. Dentre eles o modelo OSI de interconexão de redes e o serviço de diretório X.500. Foram definidos vários protocolos nativos OSI.
  2. Também foi definida uma arquitetura de gerenciamento OSI. Ela foi criada com a idéia de ser o padrão definitivo para gerenciamento. Na prática a arquitetura SNMP é a mais popular e se tornou um padrão de facto. Mesmo assim, a robustez e a sofisticação das operações de gerenciamento possíveis na arquitetura OSI, fazem com que ela seja referência em gerenciamento. Por que não é largamente adotado: Complexo – inibiu muito as implementações Baseado no modelo OSI e em sua arquitetura o que demanda mais processamento e memória nos dispositivos Esta documentação está na série X.700 de documentos
  3. A arquitetura de gerenciamento OSI necessita de uma entidade de gerenciamento mais potente capaz de realizar várias operações
  4. O papel de gerente e agente dependerá do contexto da aplicação de gerenciamento. No modelo OSI de gerenciamento, a distribuição da carga de trabalho entre agente e gerente é mais equilibrada. Durante a sua execução, os blocos funcionais da arquitetura alternam seu comportamento assumindo um dos dois possíveis papéis: Gerente - enviando comandos de gerência a um outro bloco funcional Agente - executando os comandos recebidos de um outro bloco funcional e atuando sobre os Objetos Gerenciados
  5. Como a arquitetura SNMP de gerenciamento, a arquitetura OSI também apresenta uma estrutura para a informação de gerenciamento. A modelagem de informação de gerenciamento OSI é mais complexa e permite a modelagem de aspectos gerenciais dos recursos gerenciados, sob uma ótica totalmente baseada em orientação a objetos. Por que uma abordagem orientada a objeto? Aplicações na área de redes requerem diferentes formas de manipular dados. Existem várias diferenças nos dados armazenados, nos relacionamentos entre estes dados, os usuários e acesso aos mesmos. A MIB então deve conter uma base que reflita o mundo real, mas de uma forma funcional com todas as suas características e peculiaridades. Isto implica num conjunto de facilidades que consiga modelar os vários tipos de entidades e os relacionamentos entre estas várias entidades.
  6. Os Objetos Gerenciados são representações (dados) dos recursos físicos ou lógicos que desejamos gerenciar. Eles ficam armazenados nas Bases de Informação de Gerenciamento – MIB’s. Cada objeto é definido por uma classe e podem existir relacionamentos entre eles. Notificações são emitidas pelos objetos em função de eventos internos ou externos. As informações contidas nas notificações são parte da definição da classe do objeto. Um objeto gerenciado é representado pelos seguintes conjuntos de características: Atributos – característica específicas do recurso Operações – podem ser aplicadas a um conjunto de atributos Ações sobre o objeto Comportamento – como o objeto reage às operações executadas sobre ele Notificações – podem ser enviadas em resposta à eventos externos ou ações A arquitetura OSI de gerenciamento utiliza um método/guia para a definição dos seus objetos. GDMO (Guidelines for the Definition of Managed Objects) é um conjunto de regras usadas no momento de definição dos objetos que irão compor a função gerencial. GDMO define classes de objetos via templates. Os tipos de dados a serem usados na definição dos objetos serão descritos em ASN.1
  7. Alomorfismo – capacidade de um objeto gerenciado (definido numa subclasse) ser gerenciado como um outro (definido numa superclasse) Encapsulamento – permite que os atributos de um objeto gerenciado (estado) sejam somente acessados via operações definidas pelo próprio objeto Especialização – permite à objetos gerenciados que implementem novos atributos, operações e notificações de forma a dar um comportamento específico na subclasse Relação de um objeto estar contido em outro ( subordinação ) – permite que OG (superior) contenham outros (subordinados). Os superiores acessam todas as facilidades de seus subordinados, mas o contrário não acontece Pacotes – Coleção de características (atributos, notificações, operações e comportamento) obrigatórios ou condicionais que podem ser instanciados em objetos gerenciados
  8. Um entidade de gerenciamento OSI é um sistema aberto com capacidades de gerenciamento.
  9. Existem basicamente dois tipos: - Operações sobre atributos de um objeto - Operações sobre um (ou mais) objetos como um todo
  10. MIS – Management Information Service – é uma entidade específica para gerenciamento e que deve estar presente em ambos os lados na comunicação. Elementos de serviços de aplicação (ASE's) – funções gerais de gerenciamento que servem a diversas aplicações de gerenciamento. Serviço de transporte de dados de gerenciamento (protocolos) – interface para os ASE's
  11. A filosofia OSI diz que muitas funcionalidades são comuns a várias aplicações e devem ser disponibilizadas na forma de ASEs (Application Service Element). Quando determinado serviço de suporte é requerido, o ASE correspondente a aplicação do usuário então utiliza os serviços previstos. Qualquer aplicação de gerenciamento OSI necessita de um suporte de protocolos de aplicação OSI. Este suporte é oferecido pelo SMAE (Systems Management Application Entity) que permite o gerenciamento remoto de objetos dentro de um ambiente aberto (open system), além de oferecer a infra-estrutura necessária para gerenciar os diversos sistemas de rede. O SMAE na verdade é composto de 3 níveis de entidades de protocolos de aplicação que suportam o gerenciamento: - SMASE – System Management Aplication Service Element - CMISE – Common Management Information Service Element - ACSE/ROSE – Association Control Service Element/Remote Operations Service Element
  12. Conexões lógicas entre aplicações são chamadas de associações. O ACSE estabelece, configura e desfaz associações entre aplicações. Recebe como parâmetros informações como o PDU a ser enviado, o nome da aplicação, endereço de origem e destino previstos para esta associação, contexto de execução, parâmetros de sessão, etc.
  13. O ROSE manipula interações request/reply e notificações entre aplicações. Implementa mecanismos para uma aplicação disparar procedimentos remotos. Normalmente, parâmetros são passados e resultados são obtidos da execução.
  14. Esta entidade de serviço implementa operações básicas de gerenciamento. Ele consiste de uma definição de serviço (CMIS) e de uma especificação de protocolo (CMIP). O CMIS faz com que aplicações de gerenciamento utilizem o protocolo CMIP, segundo um conjunto de serviços para disparar remotamente procedimentos de gerenciamento (operações, notificações e outras funcionalidades de manipulação de dados). Os serviços são baseados em trocas de mensagens request/reply (confirmadas) e também mensagens unidirecionais (não-confirmadas). O CMISE utiliza o suporte das entidades ACSE e ROSE. Existem 3 classes de serviços oferecidos pelo CMIS: - Associações de gerenciamento:estabelece e libera conexões, controlar a inicialização e terminação - Notificações de gerenciamento: oferece serviço de envio de notificação em função de eventos e situações anormais - Operações de gerenciamento: oferece serviços para a execução de operações específicas de gerenciamento Alguns dos serviços podem ser executados sobre um objeto ou sobre múltiplos objetos
  15. M-GET: serviço confirmado que recupera informações de um ou mais objetos gerenciados. Pode incluir informações de segurança para validar a operação. Se um atributo não é especificado, todos os atributos do objeto são requisitados. No caso de objetos múltiplos, é enviada uma resposta para cada objeto individual pedido Parâmetros obrigatórios: número de sequência e identificação do objeto gerenciado M-CANCEL-GET: serviço confirmado que solicita o cancelamento de uma operação de M-GET, desde que nenhuma resposta tenha sido recebida senão retorna erro. Caso tenha sucesso, uma mensagem de erro é enviada para o serviço M-GET anterior. Parâmetros obrigatórios: número de sequência para esta requisição e número de sequência para a requisição sendo cancelada M-SET: Serviço confirmado ou não que modifica atributos em um ou mais objetos gerenciados. No caso de objetos múltiplos, é enviada uma resposta para cada objeto individual pedido. Respostas múltiplas só podem ser obtidas em modo confirmado Parâmetros obrigatórios: número de sequência e identificação do objeto gerenciado, operador de modificação (replace, set-with-default, add ou remove) Para saber mais: CMIS: http://penta.ufrgs.br/gr952/trab1/z_cmis1.html
  16. M-EVENT-REPORT: Relata a ocorrência de um evento para outro sistema aberto. As reações a este evento não são especificadas neste serviço. Pode ser enviado de maneira confirmada ou não-confirmada. Parâmetros obrigatórios: número de sequência, modo de serviço (confirmado ou não confirmado), tipo de evento e horário da ocorrência do evento M-ACTION: Serviço confirmado ou não que requisita uma ação sobre um ou mais objetos gerenciados. O tipo da ação é especificado na definição do objeto. Pode agregar parâmetros específicos da ação sendo pedida e pode incluir informações de segurança para validar a operação Parâmetros obrigatórios: número de sequência e identificação do objeto gerenciado, tipo de ação M-CREATE: Serviço confirmado que requisita a criação de um objeto gerenciado. Pode oferecer vários métodos de criação, como realizar uma cópia de um objeto existente M-DELETE: serviço confirmado que requisita a deleção de um ou mais objetos gerenciados. No caso de objetos múltiplos, é enviada uma resposta para cada objeto individual pedido Parâmetros obrigatórios: número de sequência e identificação do objeto gerenciado
  17. Quando um serviço é confirmado, a resposta indicará sucesso ou falha na execução do serviço. Podem ser erros gerais (no such object instance, processing failure) ou erros específicos do serviço como: - no such event type (M-EVENT-REPORT) - no such action (M-ACTION) - acess denied (M-GET, M-SET, M-CREATE)
  18. É a implementação dos serviços CMIS (define como os serviços CMIS serão executados pelas PDU’s CMIP). Está descrito nas normas X.710, X.711, em termos das várias semânticas das operações, sintaxe das informações trocadas e procedimentos que devem ser suportados pela máquina de protocolo. A sintaxe das PDU’s são descritas em ASN.1 Para mais informações: Introdução ao CMIP: http://www.gta.ufrj.br/grad/cmip.html
  19. Escopo é determinar um conjunto de objetos, onde será aplicada uma operação. Filtragem é um mecanismo de aplicação de critérios para selecionar objetos a fim de determinar se uma operação deve ou não ser executada sobre o objeto. O parâmetro filter é um conjunto de uma ou mais asserções sobre a presença ou valor de um atributo num objeto gerenciado As asserções são testadas usando regras de comparação
  20. Existem tipos de associações entre as entidades de aplicação: Event – permite que dois sistemas enviem notificações (M-EVENT-REPORT) entre si Event/Monitor – permite o envio de mensagens de notificação e de coleta de informações (M-GET) Monitor/Control – permite o envio de qualquer mensagem de monitoramento e controle. A mensagem não permitida é a de notificação Full Manager/Control – suporta todos os tipos de serviços CMISE
  21. A RFC 2126 ( ISO Transport Service on top of TCP (ITOT) ) propõe formas de realizar o transporte nativo OSI sobre o protocolo TCP, permitindo, desta forma, a execução de operações de gerenciamento CMIP sobre redes TCP/IP.
  22. O CMISE é um padrão internacional, porém implementa somente serviços básicos gerais. É deixado para o implementador a definição e estrutura da MIB, as operações que poderão ser executadas assim como as notificações enviadas em função de cada objeto gerenciado (adequado para redes pequenas). Para redes maiores este trabalho se complica, de modo semelhante ao que foi visto para SNMP, outro exemplo de serviços básicos de gerenciamento. O SMASE dá suporte maior às áreas funcionais do gerenciamento. Sua função é possibilitar serviços que permitam um sistema integrado de gerenciamento de rede, assim é necessário mais uma camada com serviços específicos que extrapolam a definição básica de sistemas abertos (gerenciamento da segurança, serviços de log ... ). Ao final o SMASE é um conjunto de funções de gerenciamento. Estas funções podem ser combinadas para executar uma atividade de gerenciamento específica. A existência de serviços definidos para a interação entre aplicações de gerência é uma grande diferença da arquitetura OSI de gerenciamento com relação ao SNMP
  23. Alguns exemplos de FG OSI: F. Gerenciamento do Objeto F. Gerenciamento do Estado F. Gerenciamento do Relacionamento F. Relatório de Alarme F. Gerenciamento de Relatório de Evento F. Controle de Log F. Relatório de Alarmes de Segurança F. Registro para Auditoria de Segurança F. Controle de Acesso F. Medida de Contabilização F. Monitoração de Carga de Trabalho F. Gerenciamento de Testes F. Sumarização
  24. Separação de partições do ambiente de gerenciamento OSI: - Propósito funcional (falha ou segurança) ou propósito de gerenciamento (divisão geográfica, tecnológica ou organizacional) - Definem papéis de gerentes e agentes para cada propósito dentro do conjunto de objetos gerenciados - Podem se sobrepor um ao outro - Facilitam formas de controle como políticas de segurança
  25. Os dois modelos apresentam uma arquitetura de gerenciamento com elementos (agentes e gerentes), um modelo de informação e um protocolo para a execução das operações gerenciais Ambos já possuem algumas definições de objetos as quais se recomenda sua adoção nos casos em que se aplicam (MIB’s padrões como a MIB II) Alguns problemas com CMIP: - Gera uma grande quantidade de overhead - Necessita de uma pilha OSI implementada o que significa muita memória e capacidade de processamento - Alguns dispositivos não tem esta capacidade requerida para implementar CMIP - Competição com abordagens distribuídas como CORBA Para saber mais: SNMP x CMIP: http://penta2.ufrgs.br/gere96/cmipXsnmp/cmip_stra.htm
  26. 1. Que diferenças básicas se pode notar no suporte à definição dos objetos gerenciados no modelo SNMP e no modelo OSI? 2.Como são feitas as definições das notificações na arquitetura OSI de gerenciamento? 3.Como está estruturada a camada de aplicação OSI para suportar aplicações de gerência? 4. Qual é a diferença entre o CMISE e o SMASE? 5. O que é uma função de gerenciamento OSI? 6. Quais são os comandos/serviços e suas funções oferecidos pelo CMISE para atuação em entidades remotas?