SlideShare uma empresa Scribd logo

R1454

1 de 1
Baixar para ler offline
Filosofando no cinema 
25 filmes para entender o desejo 
Ollivier Pourriol 
Para conhecer o desejo, o filósofo francês Ollivier Pourriol mostra 
que precisamos tanto de Jean-Paul Sartre, Hegel e Gilles Deleuze 
quanto de Wong Kar Wai, George Lucas ou Martin Scorcese. O 
autor segue o sucesso do método usado em seu Cinefilô, lançado 
pela Zahar em 2009, e ensina a filosofia aliando grandes pensa-dores 
a filmes conhecidos de todos. 
Em Filosofando no cinema, o pensamento de Deleuze está pre-sente 
na eletricidade sexual de Sharon Stone em Cassino; o de 
Hegel, na luta mortal entre Al Pacino e Robert De Niro em Fogo 
contra fogo. A partir dos brinquedos de Toy Story, em sua luta para 
serem mais do que meramente brinquedos, Pourriol discute o 
desejo do reconhecimento. 
A fantástica fábrica de chocolate e suas barras de chocolate premia-das 
exemplificam o desejo de diferença. Através do protagonista 
de Beleza americana, dividido entre um casamento acomodado e 
a paixonite por uma adolescente, o autor reflete sobre os tempos 
do desejo e a morte do desejo. 
Num texto em que o tom coloquial se mescla a belas passagens, 
Pourriol dirige-se ao filósofo e ao amante da sétima arte, ao 
pensador leigo e ao espectador mais despretensioso. Um livro 
inteligente, que une cinema e filosofia em um mesmo objetivo: 
desejar cada vez mais e melhor. 
OLLIVIER POURRIOL, professor de filosofia, ensaísta e roman-cista, 
desde 2005 realiza as conferências Studiophilo, em que 
ensina filosofia a partir de filmes. Diante da ótima recepção 
ao método na França, Pourriol tem levado suas conferências 
também para outros países. Em 2009, lotou auditótios no Rio de 
Janeiro e na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). 
200pp 
Tradução: 
André Telles 
“Brigitte Bardot e Jean-Paul Satre, 
Gilles Deleuze e Sharon Stone: 
novos casais lendários nas telonas? 
Esse livro é a versão em papel 
de um método já comprovado: a filosofia 
explicada pelo cinema e vice-versa.” 
Libération 
“Um registro ‘pop filosófico’, do qual 
Pourriol é claramente um virtuose.” 
Nouvel Observateur

Recomendados

Andre fotobiografia.paul.auster
Andre fotobiografia.paul.austerAndre fotobiografia.paul.auster
Andre fotobiografia.paul.austerIsabel Freitas
 
Tarefa_filosofia_inception
Tarefa_filosofia_inception Tarefa_filosofia_inception
Tarefa_filosofia_inception Isabel Moura
 
Resolvi ficar do lado do lulla
Resolvi ficar do lado do lullaResolvi ficar do lado do lulla
Resolvi ficar do lado do lullaFelix Lescinskiene
 
O Primeiro Momento de Wittgenstein - Filosofia
O Primeiro Momento de Wittgenstein - FilosofiaO Primeiro Momento de Wittgenstein - Filosofia
O Primeiro Momento de Wittgenstein - FilosofiaIsabela Theodoro
 
Bongda2012
Bongda2012Bongda2012
Bongda2012kata48
 

Mais conteúdo relacionado

Mais de Mauro Oliveira (6)

T1270
T1270T1270
T1270
 
Res1 rev6
Res1 rev6Res1 rev6
Res1 rev6
 
Lista de filmes
Lista de filmesLista de filmes
Lista de filmes
 
493028750 8a0146f9054c
493028750 8a0146f9054c493028750 8a0146f9054c
493028750 8a0146f9054c
 
22831
2283122831
22831
 
22830
2283022830
22830
 

R1454

  • 1. Filosofando no cinema 25 filmes para entender o desejo Ollivier Pourriol Para conhecer o desejo, o filósofo francês Ollivier Pourriol mostra que precisamos tanto de Jean-Paul Sartre, Hegel e Gilles Deleuze quanto de Wong Kar Wai, George Lucas ou Martin Scorcese. O autor segue o sucesso do método usado em seu Cinefilô, lançado pela Zahar em 2009, e ensina a filosofia aliando grandes pensa-dores a filmes conhecidos de todos. Em Filosofando no cinema, o pensamento de Deleuze está pre-sente na eletricidade sexual de Sharon Stone em Cassino; o de Hegel, na luta mortal entre Al Pacino e Robert De Niro em Fogo contra fogo. A partir dos brinquedos de Toy Story, em sua luta para serem mais do que meramente brinquedos, Pourriol discute o desejo do reconhecimento. A fantástica fábrica de chocolate e suas barras de chocolate premia-das exemplificam o desejo de diferença. Através do protagonista de Beleza americana, dividido entre um casamento acomodado e a paixonite por uma adolescente, o autor reflete sobre os tempos do desejo e a morte do desejo. Num texto em que o tom coloquial se mescla a belas passagens, Pourriol dirige-se ao filósofo e ao amante da sétima arte, ao pensador leigo e ao espectador mais despretensioso. Um livro inteligente, que une cinema e filosofia em um mesmo objetivo: desejar cada vez mais e melhor. OLLIVIER POURRIOL, professor de filosofia, ensaísta e roman-cista, desde 2005 realiza as conferências Studiophilo, em que ensina filosofia a partir de filmes. Diante da ótima recepção ao método na França, Pourriol tem levado suas conferências também para outros países. Em 2009, lotou auditótios no Rio de Janeiro e na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). 200pp Tradução: André Telles “Brigitte Bardot e Jean-Paul Satre, Gilles Deleuze e Sharon Stone: novos casais lendários nas telonas? Esse livro é a versão em papel de um método já comprovado: a filosofia explicada pelo cinema e vice-versa.” Libération “Um registro ‘pop filosófico’, do qual Pourriol é claramente um virtuose.” Nouvel Observateur