SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
DIETOTERAPIA
Opa! Boa noite
Eu sou o Mauro Junior
Enfermeiro especialista em Gestão da Qualidade
em Serviços de Saúde
You can find me at maurojuniorenf@hotmail.com
2
“
É o tratamento do paciente através da
ingestão de alimentos ajustados as
exigências especificas de cada caso, em
relação aos componentes nutritivos,
valor calórico, quantidade, apresentação
e consistência dos alimentos na dieta.
3
“
É aplicada nas áreas das enfermidades
agudas ou crônicas, transmissíveis ou
não, na clínica cirúrgica e no preparo
para exames.
4
“
FINALIDADE:
○ Curar o paciente;
○ Prevenir as alterações da nutrição. Ex: pré e
pós-operatório;
○ Restabelecer as condições de nutrição quando
se encontram alteradas.
5
DIETAS
HOSPITALARE
De acordo com o valor nutritivo
Dietas
○ Dieta normal ou geral: usada quando o paciente pode receber qualquer
tipo de alimento. É normal em calorias e nutrientes. Ex: dieta geral
○ Dieta carente: apresenta taxa de nutrientes e calorias abaixo dos
padrões normais. Seu prefixo é hipo. Ex: dieta hipocalórica
○ Dieta excessiva: apresenta taxa de nutrientes e calorias acima dos
padrões normais. Seu prefixo é hiper. Ex: dieta hiperprotéica
○ Super alimentação: Usada para indivíduos desnutridos ou que
necessitem de um considerável aumento no valor calórico da dieta.
○ Dietas com aumento parcial de nutrientes ou calorias: Usadas em casos
específicos onde é necessário a elevação da taxa normal de nutrientes.
○ Dieta hiperprotéica: Com elevada taxa de proteínas, indicada em
qualquer situação onde ocorra aumento das necessidades de proteínas.
Ex: pós-operatório, doenças infecciosas na convalescença.
○ Dieta hipercalórica: Dieta com valor calórico total acima de 3000
calorias diárias. É indicada nos casos de anorexia severa.
○ Dieta hiperglicídica ou hiperhidrocarbonada: Dieta com taxa elevada de
glicídios ou carboidratos. É usada em situações que exijam taxas de
glicídios abaixo dos padrões de normalidade.
7
Dietas
○ Dietas com diminuição parcial de nutrientes e calorias: Usadas em
casos específicos, cuja indicação seja diminuição da taxa normal de
nutrientes (proteínas, carboidratos e gorduras, sais minerais e etc).
○ Dieta hipoprotéica: Dieta com taxa reduzida de proteínas, indicada
para evitar progressão de lesões renais.
○ Dieta hipocalórica: Dieta com valor calórico total abaixo dos padrões
de normalidade, indicada em obesidade e programas de redução de
peso.
○ Dieta hipogordurosa ou hipolipídica: Dieta com taxa reduzida de
gorduras. Usada em casos de hepatite, colecistite, pancreatite,
colelitíase e etc.
○ Dieta hipossódica: Dieta com taxa reduzida de sódio, utilizada em
casos de edema cardíaco e renal, hipertensão arterial, cirrose
hepática acompanhada de ascite, toxemia gravídica.
○ Dietas com omissão de algum componente: São indicadas quando há
necessidade de retirada total de algum componente do cardápio.
○ Dieta assódica: Dieta sem sódio, ou seja, sem sal. Geralmente
utilizada em casos de hipertensos graves e doenças renais.
8
DE ACORDO COM
A CONSISTÊNCIA
DOS ALIMENTOS,
AS DIETAS
HOSPITALARES
SÃO:
○ Dieta hídrica: chá, água, caldo de legumes coado.
○ Dieta liquida: alimentos de consistência liquida normal em calorias e
nutrientes, requerendo o mínimo de trabalho digestivo. Ex: chá, leite,
café, sopas coadas, gelatinas, suco de frutas.
○ Dieta leve: alimentos de consistência semi liquida e bem cozidos
liquidificados e peneirados. É usado em pré e pós-operatório, em
situações em que se devem poupar o trabalho gastrointestinal,
doenças infecciosas e febris, pacientes com dificuldade de
mastigação e deglutição de alimentos sólidos.
○ Dieta pastosa: alimentos de consistência cremosa, minimizando
assim o trabalho digestivo. É indicada nas doenças gastrointestinais,
favorecendo assim os processos digestivos, no pós-operatório em
transição para uma dieta normal, para pacientes com dificuldades na
mastigação e deglutição.
○ Dieta branda: é normal em calorias e nutrientes, com condimentação
suave. São evitados alimentos que promovem, excessiva
fermentação e também as frituras e alimentos crus. São indicadas em
patologias do aparelho digestivo, em pós-operatório na transição
para dieta normal e para convalescentes pela facilidade de digestão.
9
10
PAPEL DO
TÉCNICO DE
ENFERMAGEM
DA
DIETOTERAPIA.
○ O técnico de enfermagem deve
administrar a dieta aos pacientes
impossibilitados de fazê-lo por si
próprio. Após anotar no prontuário
a aceitação alimentar do paciente.
○ Deverá também, na ausência do
enfermeiro, notificar ao serviço de
nutrição e dietética, as admissões e
transferências, altas e óbitos de
pacientes, bem como as alterações
dietéticas prescritas pelo médico.
11
NUTRIÇÃO
ENTERAL
são administradas através da
boca, sonda nasal ou ostomias
(estômago, intestinos)
NUTRIÇÃO
ENTERAL
○ O trato gastrointestinal tem a função de
decompor as nutrientes pelo processo da
digestão. O transito do alimento ocorre através
do trato digestivo, passando pela boca,
esôfago, estômago, intestinos e ânus.
○ É realizado por via nasogástrica ou
nasoenteral, através de uma sonda que passa
pelo nariz, estômago e vai até o duodeno e
jejuno.
○ Esse método é empregado quando os
pacientes apresentam: anorexia extrema,
lesões na boca, esôfago, pacientes
inconscientes, disfágicos, com reflexo
gastesofágico e outros casos.
13
14
15
TIPOS DE
SONDA
○ A NE é feita por meio de
uma sonda que chega
diretamente ao estômago
ou intestino delgado e
pode ter diferentes vias de
acesso, como:
○ Nasogástrica;
○ Nasoentérica;
○ Faringostomia;
○ Gastrostomia;
○ Jejunostomia.
16
MANUTENÇÃO
DA SONDA
○ Deve-se verificar o posicionamento correto da sonda antes de iniciar qualquer infusão;
○ Administrar a dieta em temperatura ambiente e não infundi-la rapidamente a fim de
minimizar o risco de diarreia ou má absorção do alimento. Respeitar a orientação médica
ou nutricionista;
○ Manter o usuário em posição sentado ou semisentado durante e após (20 a 30 minutos) o
processo de administração da dieta para diminuir risco de aspiração;
○ Ao infundir a dieta, observar seu aspecto, detectando alterações como: presença de
elementos estranhos, integridade do frasco, data de fabricação / manipulação, volume,
fórmula e horário confirmando estes dados na prescrição. A validade e manutenção da
dieta deve seguir a orientação do fabricante;
○ Ficar atento à fixação da sonda, alternando o local para não lesar a pele das narinas;
○ Utilizar frascos de até 300 ml;
○ Os medicamentos devem ser em forma líquida. Devendo-se então macerar e administrar
separadamente cada droga;
○ Lavar com 40 a 60 ml de água filtrada antes e após a administração de medicamentos ou
fórmulas alimentares a fim de evitar a obstrução da sonda. No caso de haver mais de uma
medicação no mesmo momento, deve-se infundir 10 ml de água entre uma aplicação e
outra, sempre respeitando a demanda hídrica do paciente.
○ Caso a sonda estiver sem fixação e retraída, nunca inserir novamente, devendo-se retirar
toda a sonda e realizar nova passagem.
17
FIXAÇÃO DA
SONDA
18
LAVAGEM
GÁSTRICA
19
Vá firme em
direção da sua
meta.
Vittalle – Revista de Ciências da Saúde v. 33, n. 1
(2021) 9-28
22
Thanks!
Any questions?
You can find me mauro.junior@madrecor.com.br
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
Rita Galrito
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
deboradamata
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
Jefferson Costa
 
NutriçãO E Qualidade De Vida
NutriçãO E Qualidade De VidaNutriçãO E Qualidade De Vida
NutriçãO E Qualidade De Vida
penacozinha
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
Eliane Cristina
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
melodilva
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 

Mais procurados (20)

Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Apresentação TNE
Apresentação TNEApresentação TNE
Apresentação TNE
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
NutriçãO E Qualidade De Vida
NutriçãO E Qualidade De VidaNutriçãO E Qualidade De Vida
NutriçãO E Qualidade De Vida
 
Alimentação infantil
Alimentação infantilAlimentação infantil
Alimentação infantil
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
 
Dietas
DietasDietas
Dietas
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Doenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosDoenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentos
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
 
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapiaNutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
 

Semelhante a DIETOTERAPIA.pdf

Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
querolen
 
Manual de nutrição cap.4
Manual de nutrição cap.4Manual de nutrição cap.4
Manual de nutrição cap.4
adrianomedico
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
adrianomedico
 
Manual do paciente cap.2
Manual do paciente cap.2Manual do paciente cap.2
Manual do paciente cap.2
adrianomedico
 

Semelhante a DIETOTERAPIA.pdf (20)

Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
 
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptxAlimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
 
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONALAULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
 
TERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONALTERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONAL
 
alimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxalimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptx
 
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
 
aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptx
 
Manual de nutrição cap.4
Manual de nutrição cap.4Manual de nutrição cap.4
Manual de nutrição cap.4
 
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfAula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
 
Manual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissionalManual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissional
 
Manual do paciente cap.2
Manual do paciente cap.2Manual do paciente cap.2
Manual do paciente cap.2
 
DIETAS HOSPITALARES - ESTUDANTES DE ENFERMAGEM
DIETAS HOSPITALARES - ESTUDANTES DE ENFERMAGEMDIETAS HOSPITALARES - ESTUDANTES DE ENFERMAGEM
DIETAS HOSPITALARES - ESTUDANTES DE ENFERMAGEM
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 

Mais de mauromaumau (8)

Farmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxFarmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptx
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdfAULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
 
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptxAULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
 
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdfAULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
 
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pdf
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pdfAULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pdf
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pdf
 

Último

henograma .pdf
henograma                                  .pdfhenograma                                  .pdf
henograma .pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                    o.pdfrelatorio para alun                    o.pdf
relatorio para alun o.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

henograma .pdf
henograma                                  .pdfhenograma                                  .pdf
henograma .pdf
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                    o.pdfrelatorio para alun                    o.pdf
relatorio para alun o.pdf
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
 
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
 

DIETOTERAPIA.pdf

  • 2. Opa! Boa noite Eu sou o Mauro Junior Enfermeiro especialista em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde You can find me at maurojuniorenf@hotmail.com 2
  • 3. “ É o tratamento do paciente através da ingestão de alimentos ajustados as exigências especificas de cada caso, em relação aos componentes nutritivos, valor calórico, quantidade, apresentação e consistência dos alimentos na dieta. 3
  • 4. “ É aplicada nas áreas das enfermidades agudas ou crônicas, transmissíveis ou não, na clínica cirúrgica e no preparo para exames. 4
  • 5. “ FINALIDADE: ○ Curar o paciente; ○ Prevenir as alterações da nutrição. Ex: pré e pós-operatório; ○ Restabelecer as condições de nutrição quando se encontram alteradas. 5
  • 7. Dietas ○ Dieta normal ou geral: usada quando o paciente pode receber qualquer tipo de alimento. É normal em calorias e nutrientes. Ex: dieta geral ○ Dieta carente: apresenta taxa de nutrientes e calorias abaixo dos padrões normais. Seu prefixo é hipo. Ex: dieta hipocalórica ○ Dieta excessiva: apresenta taxa de nutrientes e calorias acima dos padrões normais. Seu prefixo é hiper. Ex: dieta hiperprotéica ○ Super alimentação: Usada para indivíduos desnutridos ou que necessitem de um considerável aumento no valor calórico da dieta. ○ Dietas com aumento parcial de nutrientes ou calorias: Usadas em casos específicos onde é necessário a elevação da taxa normal de nutrientes. ○ Dieta hiperprotéica: Com elevada taxa de proteínas, indicada em qualquer situação onde ocorra aumento das necessidades de proteínas. Ex: pós-operatório, doenças infecciosas na convalescença. ○ Dieta hipercalórica: Dieta com valor calórico total acima de 3000 calorias diárias. É indicada nos casos de anorexia severa. ○ Dieta hiperglicídica ou hiperhidrocarbonada: Dieta com taxa elevada de glicídios ou carboidratos. É usada em situações que exijam taxas de glicídios abaixo dos padrões de normalidade. 7
  • 8. Dietas ○ Dietas com diminuição parcial de nutrientes e calorias: Usadas em casos específicos, cuja indicação seja diminuição da taxa normal de nutrientes (proteínas, carboidratos e gorduras, sais minerais e etc). ○ Dieta hipoprotéica: Dieta com taxa reduzida de proteínas, indicada para evitar progressão de lesões renais. ○ Dieta hipocalórica: Dieta com valor calórico total abaixo dos padrões de normalidade, indicada em obesidade e programas de redução de peso. ○ Dieta hipogordurosa ou hipolipídica: Dieta com taxa reduzida de gorduras. Usada em casos de hepatite, colecistite, pancreatite, colelitíase e etc. ○ Dieta hipossódica: Dieta com taxa reduzida de sódio, utilizada em casos de edema cardíaco e renal, hipertensão arterial, cirrose hepática acompanhada de ascite, toxemia gravídica. ○ Dietas com omissão de algum componente: São indicadas quando há necessidade de retirada total de algum componente do cardápio. ○ Dieta assódica: Dieta sem sódio, ou seja, sem sal. Geralmente utilizada em casos de hipertensos graves e doenças renais. 8
  • 9. DE ACORDO COM A CONSISTÊNCIA DOS ALIMENTOS, AS DIETAS HOSPITALARES SÃO: ○ Dieta hídrica: chá, água, caldo de legumes coado. ○ Dieta liquida: alimentos de consistência liquida normal em calorias e nutrientes, requerendo o mínimo de trabalho digestivo. Ex: chá, leite, café, sopas coadas, gelatinas, suco de frutas. ○ Dieta leve: alimentos de consistência semi liquida e bem cozidos liquidificados e peneirados. É usado em pré e pós-operatório, em situações em que se devem poupar o trabalho gastrointestinal, doenças infecciosas e febris, pacientes com dificuldade de mastigação e deglutição de alimentos sólidos. ○ Dieta pastosa: alimentos de consistência cremosa, minimizando assim o trabalho digestivo. É indicada nas doenças gastrointestinais, favorecendo assim os processos digestivos, no pós-operatório em transição para uma dieta normal, para pacientes com dificuldades na mastigação e deglutição. ○ Dieta branda: é normal em calorias e nutrientes, com condimentação suave. São evitados alimentos que promovem, excessiva fermentação e também as frituras e alimentos crus. São indicadas em patologias do aparelho digestivo, em pós-operatório na transição para dieta normal e para convalescentes pela facilidade de digestão. 9
  • 10. 10
  • 11. PAPEL DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM DA DIETOTERAPIA. ○ O técnico de enfermagem deve administrar a dieta aos pacientes impossibilitados de fazê-lo por si próprio. Após anotar no prontuário a aceitação alimentar do paciente. ○ Deverá também, na ausência do enfermeiro, notificar ao serviço de nutrição e dietética, as admissões e transferências, altas e óbitos de pacientes, bem como as alterações dietéticas prescritas pelo médico. 11
  • 12. NUTRIÇÃO ENTERAL são administradas através da boca, sonda nasal ou ostomias (estômago, intestinos)
  • 13. NUTRIÇÃO ENTERAL ○ O trato gastrointestinal tem a função de decompor as nutrientes pelo processo da digestão. O transito do alimento ocorre através do trato digestivo, passando pela boca, esôfago, estômago, intestinos e ânus. ○ É realizado por via nasogástrica ou nasoenteral, através de uma sonda que passa pelo nariz, estômago e vai até o duodeno e jejuno. ○ Esse método é empregado quando os pacientes apresentam: anorexia extrema, lesões na boca, esôfago, pacientes inconscientes, disfágicos, com reflexo gastesofágico e outros casos. 13
  • 14. 14
  • 15. 15
  • 16. TIPOS DE SONDA ○ A NE é feita por meio de uma sonda que chega diretamente ao estômago ou intestino delgado e pode ter diferentes vias de acesso, como: ○ Nasogástrica; ○ Nasoentérica; ○ Faringostomia; ○ Gastrostomia; ○ Jejunostomia. 16
  • 17. MANUTENÇÃO DA SONDA ○ Deve-se verificar o posicionamento correto da sonda antes de iniciar qualquer infusão; ○ Administrar a dieta em temperatura ambiente e não infundi-la rapidamente a fim de minimizar o risco de diarreia ou má absorção do alimento. Respeitar a orientação médica ou nutricionista; ○ Manter o usuário em posição sentado ou semisentado durante e após (20 a 30 minutos) o processo de administração da dieta para diminuir risco de aspiração; ○ Ao infundir a dieta, observar seu aspecto, detectando alterações como: presença de elementos estranhos, integridade do frasco, data de fabricação / manipulação, volume, fórmula e horário confirmando estes dados na prescrição. A validade e manutenção da dieta deve seguir a orientação do fabricante; ○ Ficar atento à fixação da sonda, alternando o local para não lesar a pele das narinas; ○ Utilizar frascos de até 300 ml; ○ Os medicamentos devem ser em forma líquida. Devendo-se então macerar e administrar separadamente cada droga; ○ Lavar com 40 a 60 ml de água filtrada antes e após a administração de medicamentos ou fórmulas alimentares a fim de evitar a obstrução da sonda. No caso de haver mais de uma medicação no mesmo momento, deve-se infundir 10 ml de água entre uma aplicação e outra, sempre respeitando a demanda hídrica do paciente. ○ Caso a sonda estiver sem fixação e retraída, nunca inserir novamente, devendo-se retirar toda a sonda e realizar nova passagem. 17
  • 20. Vá firme em direção da sua meta.
  • 21.
  • 22. Vittalle – Revista de Ciências da Saúde v. 33, n. 1 (2021) 9-28 22
  • 23. Thanks! Any questions? You can find me mauro.junior@madrecor.com.br 23