Aula14

1.995 visualizações

Publicada em

Teoria Geral da Administração

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.995
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula14

  1. 1. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 14 Nesta aula vamos falar sobre a ABORDAGEM SISTÊMICA . Vamos ver como as teorias mais antigas foram somadas e incorporadas numa visão moderna da administração. Como puderam perceber nas aulas anteriores, muitas teorias surgiam para combater outras mas, sabiamente, a Administração soube extrair com bom senso o melhor de cada uma delas ao longo dos anos. O papel do Administrador é justamente este: avaliar a melhor resposta, descobrir o melhor caminho, ter fundamento para tomar decisões que favoreçam a organização, as pessoas que nela trabalham e a sociedade como um todo.
  2. 2. 1. ABORDAGEM SISTÊMICA – ORIGENS E CONCEITOS A teoria geral da administração passou por uma gradativa e crescente ampliação do enfoque desde a abordagem clássica até a abordagem sistêmica. A ABORDAGEM CLÁSSICA havia sido profundamente influenciada por três princípios intelectuais dominantes em quase todas as ciências: É o principio que se baseia na crença de que todas as coisas podem ser decompostas e reduzidas em seus elementos fundamentais que constituem as suas unidades invisíveis, como átomo na Física, a célula na Biologia, a substancias simples na Química, e outros. O reducionismo faz com que as pessoas raciocinem sobre um determinado assunto sem uma visão ampla das coisas. É como se o cérebro estivesse dividido em setores, e para cada assunto teria um único setor. <ul><li>REDUCIONISMO </li></ul>
  3. 3. Continuação É o principio que se baseia na relação simples de causa e efeito entre dois fenômenos . Esta relação empregava o que hoje chamamos de sistema fechado. Por outro lado as leis de causa e efeito não prevêem as exceções, e os efeitos são totalmente determinados pelas causas. <ul><li>MECANICISMO </li></ul>Serve para explicar as coisas ou compreende-las melhor. A análise consiste em decompor o todo, em partes mais simples, que são mais facilmente explicadas ou solucionadas. Os conceitos de divisão do trabalho e de especialização do operário são manifestações do pensamento analítico. <ul><li>PENSAMENTO ANALÍTICO </li></ul>
  4. 4. Continuação Contrastando com a abordagem clássica, a ABORDAGEM SISTÊMICA vê a organização como um sistema unificado, compostos de partes inter-relacionados . Isso permite que as pessoas enxerguem a empresa como um todo e parte do ambiente externo. A teoria dos sistemas nos diz que a atividade de qualquer segmento de uma organização afeta em graus variados a atividade de todos os outros segmentos STONER (1999). Fundamenta-se nestes preceitos: É o principio que sustenta que todo o fenômeno é parte de um fenômeno maior . O expansionismo não nega que cada fenômeno seja constituído de partes, mas sua ênfase reside na focalização do todo do qual o fenômeno faz parte. Ele se preocupa com o globalismo e com a totalidade. <ul><li>EXPANSIONISMO </li></ul>
  5. 5. Seria o oposto do pensamento analítico, porque ele trabalha direto com o todo , por exemplo, uma montadora de automóveis, o pensamento sintético se preocuparia com os setores que são responsáveis pela montagem do veículo e não com os setores que descobrem os materiais para construção das peças para montagem do mesmo. Continuação <ul><li>PENSAMENTO SINTÉTICO </li></ul>É o estudo do comportamento com finalidade de alcançar objetivos que passou a influenciar poderosamente as ciências. Na concepção teleológica, o comportamento é explicado por aquilo que ele produz ou por aquilo que é seu propósito ou objetivo de produzir. A partir desta concepção, os sistemas passaram a ser visualizados como entidades globais e funcionais em busca de objetivos e finalidades. <ul><li>TELEOLOGIA </li></ul>
  6. 6. ABORDAGEM CLÁSSICA ABORDAGEM SISTÊMICA ESQUEMA COMPARATIVO Reducionismo Pensamento analítico Mecanicismo Expansionismo Pensamento sintético Teleologia
  7. 7. 2. CIBERNÉTICA E ADMINISTRAÇÃO A cibernética foi um movimento criado por Norbet Wiener por volta de 1943, para esclarecer as chamadas “áreas brancas do mapa da ciência”. Cibernética é a ciência da comunicação e do controle que permite que conhecimentos e descobertas de uma ciência possam ter condições de aplicação a outras ciências, isto é, oferece sistema de organização e de processamento de informações e controles que auxiliam as outras ciências . Os sistemas são o campo de estudo da cibernética . Os sistemas seriam os elementos que estão dinamicamente relacionados entre si, formando uma atividade para atingir um objetivo.
  8. 8. 3. CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS <ul><li>Complexos simples, mas dinâmicos, </li></ul><ul><li>Complexos descritivos são altamente elaborados inter-relacionados; </li></ul><ul><li>Excessivamente complexos e não podem ser descritos de forma precisa e detalhada. </li></ul>Há uma classificação arbitrária dos sistemas para facilitar o seu estudo. <ul><li>Quanto à complexidade, os sistemas podem ser: </li></ul><ul><li>Quanto à diferença de sistemas determinísticos e probabilísticos : </li></ul><ul><li>Sistema determinístico - é aquele no quais as partes interagem de uma forma perfeitamente previsível, podendo-se prever sem nenhum risco ou erro, o seu estado seguinte. </li></ul><ul><li>Sistema probabilístico - é aquele que não poderá ser oferecido uma previsão detalhada. Por exemplo: se oferecermos carne para um leão, ele poderá se aproximar, e não ligar, como também se afastar. </li></ul>
  9. 9. Essa classificação arbitrária conduz três categorias de sistemas: Adaptado de Maximiano, 2002 Cérebro Humano Reflexo Condicionado Movimento de um músculo Economia Nacional Mercado de Ações Jogo de Dados Probabilísticos Automação Arranjo físico da sala de máquinas Sistema Planetário Jogo de Bilhar Computador Digital Encaixe de janela Determinísticos Hipercomplexos Complexos Simples Sistemas
  10. 10. <ul><li>São excessivamente complexos; </li></ul><ul><li>São probabilísticos; </li></ul><ul><li>São auto-regulados </li></ul>Os sistemas cibernéticos apresentam três itens principais: Destas três propriedades, destaca-se o probabilístico , que nos sistemas mais simples pode ser abordado como estatística . O sistema cibernético é uma máquina manipuladora de informações, a atividade de seu mecanismo depende de sua capacidade de receber, armazenar, transmitir e modificar informações. A hierarquia dos sistemas é formada por sistemas hierárquicos ou piramidais, o próprio universo é um sistema constituído por uma infinidade de sistemas e subsistemas.
  11. 11. Kenneth Boulding propõe uma hierarquia de sistemas, com nove níveis, e cada nível também se caracteriza por uma relação de sistemas. 4. HIERARQUIZAÇÃO DOS SISTEMAS 9. Sistemas Simbólicos 8. Sistemas Sócio-culturais 7. Homem 6. Animais 5. Organismos inferiores 4. Sistemas Abertos 3. Sistemas Cibernéticos Simples 2. Sistemas Dinâmicos Simples 1. Sistemas Estáticos SISTEMAS ABERTOS SISTEMAS FECHADOS Adaptado de Chiavenato, 2002
  12. 12. Com a união do computador com as máquinas o homem está perdendo não só o valor de seu esforço muscular mais também o seu valor racional ou capital intelectual. Duas principais conseqüências disto são: A Automação que é a melhor combinação dos meios, com elas surgem fábricas auto-geridas isto é, fábricas em que seus grupos de trabalho são formados por robôs, e a mão-de-obra humana é bem pouco explorada ou empregada. A informática transformou-se em um instrumento, necessário para o desenvolvimento tanto econômico quanto social do homem. Instrumento este que cada vez mais ganha espaço e está presente em nosso dia a dia. 5 CONSEQÜÊNCIAS DA CIBERNÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO
  13. 13. ATIVIDADE Encontre outros exemplos para sistemas SIMPLES e COMPLEXOS, DETERMINÍSTICOS E PROBABILÍSTICOS. Analise o slide 12 e fale mais sobre as consequências da cibernética na administração. Encontre aspectos positivos e negativos.
  14. 14. PRÓXIMA AULA: A TEORIA GERAL DOS SISTEMAS MODELOS DE SISTEMAS ABERTOS E FECHADOS AMBIENTES
  15. 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO, I . Introdução à teoria geral da Administração. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. MAXIMIANO , A. C. A. Teoria geral da Administração : da revolução urbana à revolução digital . São Paulo: Atlas, 2002

×