Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim   1                            Pr. Mauro Filgueiras F...
Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim         2                         Pr. Mauro Filgueira...
Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim   3                       Pr. Mauro Filgueiras Filho ...
Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim   4                       Pr. Mauro Filgueiras Filho ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lição 2 o propósito do curso

580 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 2 o propósito do curso

  1. 1. Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim 1 Pr. Mauro Filgueiras Filho – revisão em 16/03/2013 O Propósito da Classe De Catecúmenos1. Definição Catecúmenos vem do termo grego katēcheō que literalmente significa“instruir”, “ensinar”. Dessa palavra deriva “catecúmenos” que significa “noviço”,“aprendiz”. O propósito deste curso, portanto, é instruir novos convertidos nosprincipais fundamentos da fé cristã.2. Diretrizes gerais 2.1. Materiais de aula a) Em 1º lugar a Bíblia; ela é o nosso manual e a palavra final em todas as questões; b) Uma apostila em cada aula, para auxílio do professor e do aluno; c) Essa apostila se baseará na Confissão de Fé de Westminster e nos Catecismos Maior e Breve. Alguns teólogos serão citados eventualmente, a fim de familiarizar os alunos na imensa produção teológica que temos à disposição; d) Traga sempre papel e caneta para anotações e considerações; e) Jamais deixe de perguntar ou questionar qualquer dúvida que porventura surgir.3. Propósito do curso O propósito do curso é cumprir com o mandato de Jesus Cristo, quando disseaos seus discípulos, antes de ascender aos céus: “Ide, portanto, fazei discípulosde todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do EspíritoSanto; ensinando-os a guardar todas as cousas que vos tenho ordenado. E eisque estou convosco todos os dias até a consumação do século.” (Mt 28.19-20). Jesus disse estas palavras porque era fundamental que as pessoasconvertidas fossem instruídas na doutrina cristã, afinal, a fé não pode se apoiar naignorância. Como disse João Calvino (1509-1564): “É preciso observar ainda que afé não possui outro fundamento além da doutrina de Deus”. 1 Como cristãos, temos oprivilégio e o dever de conhecer o quanto pudermos daquilo que Deus revelou sobresi mesmo nas Escrituras: “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR, nossoDeus, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos, parasempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.” (Dt 29.29). Através desse conhecimento a nossa fé se fundamenta na Verdade. Sobreisso Calvino afirmou que “O legítimo conhecimento de Deus, portanto, que devemospossuir é aquele que se acha estabelecido em sua Palavra”. 21 João Calvino, Romanos, São Paulo, Edições Parakletos, 2001, (10.17), p. 386.2 Ibid., (10.14) p. 383.
  2. 2. Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim 2 Pr. Mauro Filgueiras Filho – revisão em 16/03/2013 Calvino formulou um Catecismo para a educação de sua igreja em Genebra –“Catecismo de Genebra”. A primeira pergunta inicia logo o propósito do aprendizadobíblico: “Qual é o principal fim da vida humana?”, e a resposta é: “Conhecer oshomens a Deus seu Criador”.3 O conhecimento de Deus, segundo o profeta Jeremias, é a glória do homem,isto é, a mais alta honra que podemos adquirir: “mas o que se gloriar, glorie-senisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízoe justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.” (Jr 9.24; vertambém 1Co 1.18-31). Este conhecimento não implica apenas um exercício do intelecto. Mais do queum envolvimento racional, é um relacionamento de amor e aliança que Deusestabeleceu conosco: “Amarás, pois o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração,de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordenoestarão no teu coração” (Dt 6.5,6).4. O resultado imediato do curso 4.1. Profissão de Fé A profissão de fé é o propósito de todos que entregaram suas vidas a Jesus,se arrependeram de seus pecados e desejam conhecer a Deus cada vez com maiorprofundidade. É através dessa profissão que o crente ingressará na igreja comomembro, pois é necessário que o crente verdadeiro creia e confesse o que a igrejaensina, enquanto esta estiver em submissão às Sagradas Escrituras. Portanto, aprofissão de fé é o cumprimento da exigência de Cristo: “Portanto, todo aqueleque me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meuPai, que estás nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens,também eu o negarei diante de meu Pai, que estás nos céus.” (Mt 10.32-33; vejatambém 1Tm 6.12). A confissão, ou profissão de fé é uma necessidade urgente: “Se com tuaboca confessares a Jesus como o Senhor, e em teu coração creres que Deus oressuscitou dos mortos serás salvo. Porque com o coração se crê para ajustiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.” (Rm 10.9,10). Parafazer parte do corpo de Cristo, através do batismo, é necessário que cada alunoconfesse e creia em tudo o que a Bíblia revela. 4.2. Privilégios Américo Ribeiro resume bem essa questão: “Por meio da profissão de fé, o candidato passa a desfrutar todos os direitos e privilégios da igreja, tais como a participação na Santa Ceia, o batismo dos filhos, a ocupação de cargos eletivos na igreja, etc. Passa, formalmente à categoria de membro comungante da igreja do Senhor Jesus”. 43 Catecismos de la Iglesia Reformada, Obras Clasicas de la Reforma Buenos Aires, Editorial LaAurora, 31, “Catecismo de Ginebra”, 1559, p. 29.4 Américo Ribeiro, Iniciação Doutrinária, vol. 1, São Paulo, CEP, p. 11.
  3. 3. Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim 3 Pr. Mauro Filgueiras Filho – revisão em 16/03/20135. O privilégio do conhecimento de Deus O conhecimento das Escrituras é suficiente para habilitar todos os crentesnuma vida digna e justa aos olhos de Deus. É isso o que Paulo escreve a Timóteo:“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão,para a correção, para a educação na justiça, a fim de que todo homem de Deusseja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2Tm 3.16,17). Deus nos deu as Escrituras para que, em primeiro lugar, o glorifiquemos,aprendendo quem ele é. E essa é a primeira coisa apresentada por Paulo. A Bíblia éútil para o ensino porque nela contém tudo o que é necessário para a nossasalvação e para uma vida reta. Ela nos comunica a vontade de Deus e sua naturezaperfeita. Ela ensina tudo aquilo que o homem precisa saber de si mesmo e quantoao seu relacionamento com Deus. A principal função da igreja se baseia nisso, natransmissão correta das verdades de Deus. O segundo termo é repreensão. Em toda disciplina que nos é necessária, aPalavra de Deus nos orienta e nos corrige. A Bíblia é um livro que repreende porqueela nos acusa dos nossos erros e nos convence dos nossos pecados, ao mesmotempo em que nos aponta a graça restauradora de Deus e os seus mandamentos,nos quais devemos andar. O conhecimento bíblico finca nossos pés na realidade,sem esconder quem realmente somos. Esse aspecto é o negativo, no entanto, aterceira e a quarta palavras são positiva, correção e educação. A Bíblia nos colocarnos trilhos. Ela mostra como concertar os erros e abandonar uma vida de pecado.Negligenciar isso deixa qualquer pessoa passível a todo tipo de influência enganosa. E a quarta utilidade mostrada pelo apóstolo é a educação. Educação aqui sãoas diretrizes apontadas pela Palavra de Deus. Ser educado pela Bíblia significacaminhar nas veredas da justiça, nas pisadas de Cristo, buscando ser tal como eleé. Significa receber o treinamento adequado para demonstrarmos uma conduta euma filosofia de vida coerentes com o plano de Deus para todos os cristãos. Sereducado por elas é ser educado pelo próprio Deus. Cristo é nosso Mestre, nossoprofessor e pedagogo. Enfim, Paulo afirma que as Escrituras Sagradas formam o homemintegralmente. Por “completo” entendemos que tudo aquilo que o homem deve ser, aBíblia pode proporcionar. Paulo escreve aos efésios: “com vistas aoaperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para aedificação do corpo de Cristo, até que cheguemos à unidade da fé e do plenoconhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estaturada plenitude de Cristo” (Ef 4.12,13). Semelhantemente aos colossenses o apóstoloapresenta o alvo do seu ministério: “o qual nós anunciamos, advertindo a todohomem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de queapresentemos todo homem perfeito em Cristo” (Cl 1.28). O conhecimento bíbliconão tem o objetivo de simplesmente nos informar sobre Deus, mas fazer com quesejamos seus filhos íntimos. Através dessa intimidade, a Palavra produzirá em nósfrutos que nos tornem pessoas úteis e de valor diante de Deus e dos homens.
  4. 4. Lição nº 1 do Curso de Catecúmenos – Igreja Presbiteriana em Erechim 4 Pr. Mauro Filgueiras Filho – revisão em 16/03/2013 Conclusão Que Deus nos abençoe e nos ajude a compreender a sua Palavra; e que elatransforme dia a dia a nossa vida, para que o conhecimento não seja algopuramente teórico, mas prático e transformador em nossa vida. Tenhamos por metae princípio de vida o contato diário com a Bíblia. Visto que ela é o nosso parâmetroinfalível para uma vida bem sucedida, então não nos permitamos dar ao luxo dedispensar momentos silenciosos e exclusivos para a leitura e a meditação dasEscrituras. Somente assim teremos progresso numa vida de santidade e obediência: “Será, pois, que, se, ouvindo estes juízos, os guardardes e cumprires, o SENHOR, teu Deus, te guardará a aliança e a misericórdia prometida sob juramento a teus pais; ele te amará, e te abençoará, e te fará multiplicar; também abençoará os teus filhos, e o fruto da tua terra, e t o teu cereal, e o teu vinho, e o teu azeite, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas, na terra que, sob juramento a teus pais, prometeu dar-te” (Dt 7.12,13).

×