Construção de Conhecimento em Educação Online

667 visualizações

Publicada em

Particularidades da Educação Online enquanto fenômeno da Cibercultura

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
667
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construção de Conhecimento em Educação Online

  1. 1. EDUCAÇÃO ONLINE
  2. 2. A educação a distância se caracteriza como uma modalidadede educação que promove situações de aprendizagem emque professores e estudantes não compartilham os mesmosespaços e tempos curriculares, comuns nas situações deaprendizagem presencial.Para tanto, é necessária a utilização de uma multiplicidadede recursos tecnológicos que ajam como interfacesmediadoras na relaçãoprofessor/estudante/conhecimento.
  3. 3. Educação a distância (EAD) pode ser entendida comoo conjunto de métodos instrucionais nos quais as açõesdo professor são executadas a partir das ações dosalunos, incluindo aquelas situações continuadas quepodem ser feitas além do presencial e cuja comunicaçãoé facilitada por meios impressos, eletrônicos, mecânicose outros, beneficiando-se do planejamento, direção einstrução da organização do ensino.(MOORE, 1983)
  4. 4. Elementos centrais para caracterizar a EAD): separação física entre professor e aluno, que a distingue do ensinopresencial influência da organização educacional (planejamento,sistematização, plano, projeto e organização dirigida aos interesses doaluno) utilização de meios técnicos de comunicação previsão de uma comunicação de mão dupla, interacional possibilidade de encontros ocasionais com propósitos didáticos desocialização(KEEGAN,1991)
  5. 5. Gerações da EAD Tecnologias utilizadasPrimeira geração – 1850 a 1960 Começa via papel impresso e, anos maistarde, ganha a participação do rádio e da TVCaracterística: uma tecnologia predominanteSegunda geração – 1960 a 1985 Fitas de áudio, TV, fitas de vídeo, fax e papelimpresso.Características: múltiplas tecnologias, semcomputadoresTerceira geração – 1985 a 1995 Correio eletrônico, papel impresso, sessõesde chat, mediante uso de computadores,Internet, cd, videoconferência e fax.Características: múltiplas tecnologias,incluindo computadores e redes decomputadores
  6. 6. Gerações de EAD Tecnologias utilizadasQuarta geração – 1995 a 2005 Correio eletrônico, chat, computador,Internet, transmissões em banda larga,interação por vídeo e ao vivo,videoconferência, fax, papel impressoCaracterísticas: múltiplas tecnologiasincluindo o começo das tecnologiascomputacionais de banda largaQuinta geração Identificada por James C. Taylor comosendo a reunião de tudo o que a quartageração oferece mais a comunicação viacomputadores com sistema de respostasautomatizadas, além de acesso via portal aprocessos institucionais. Enquanto a quartageração é determinada pela aprendizagemflexível, a quinta é determinada poraprendizagem flexível inteligente.
  7. 7. A educação online é “o conjunto de ações de ensino-aprendizagem desenvolvidas por meio de meios telemáticos,como a internet, a videoconferência e a teleconferência”(MORAN, 2003, p. 40).Educação online é o conjunto de ações de ensino eaprendizagem ou atos de currículo mediados porinterfaces digitais que potencializam práticascomunicacionais interativas e hipertextuais.(SANTOS, 2010)
  8. 8. A educação online não equivale à educação adistância. Um curso por correspondência é a distânciae não é online. Por outro lado, não podemos confundira educação online só com cursos pela Internet esomente pela Internet no modo texto.MORAN, 2006Nas práticas tradicionais de EaD, os materiais ourecursos tecnológicos configuram-se como elementosauto-suficientes, tornando-se o centro de todo oprocesso.(SANTOS, 2005)Mais do que uma mera evolução das gerações de EAD aeducação online deve ser entendida como um fenômenoda cibercultura(SANTOS, 2010)
  9. 9. Cibercultura: forma sociocultural que emerge da relação simbióticaentre sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base microeletrônicaque surgiram com a convergência das telecomunicações com a informáticana década de 70.(LEMOS, 2003)A pregnância de manifestações ligadas à cibercultura decorrefundamentalmente de dois fenômenos relacionados às TIC:a digitalizaçãoa interconexão mundial de computadores com odesenvolvimento do protocolo www por Bernes-Lee de queresultou a Internet
  10. 10. A digitalização é possível para as mais variadas formas delinguagem: sons, imagens, gráficos, textos, enfim umainfinidade de informações. Digitalizada, a informação sereproduz, circula, se modifica e se atualiza em diferentesinterfaces.Nesse contexto a informação se torna o principal ingredientede nossa organização social, e os fluxos de mensagens eimagens facilitados pelas conexões entre computadores viaInternet vão consolidar a tessitura em rede da estrutura social(CASTELLS, 1999 ).
  11. 11. Com a emergência da “sociedade em rede” , novos espaços digitais evirtuais de aprendizagem vêm se estabelecendo a partir do acesso e do usocriativo das novas tecnologias da comunicação e da informação. Novasrelações com o saber vêm se instituindo num processo híbrido entrehumanos e objetos técnicos tecendo teias complexas de relacionamentos eaprendizagens.Ter clareza e entender o atual paradigma comunicacional e a ciberculturaé fundamental para podermos atuar e formar professores e professorascapazes de dialogar com esse novo aluno que emerge da cibercultura.
  12. 12. O que muda então com a educação online?Além da auto- aprendizagem, as interfaces dos ambientes virtuais deaprendizagem (AVA) permitem a interatividade e a aprendizagemcolaborativa, ou seja, além de aprender com o material, oparticipante aprende na dialógica com outros sujeitos envolvidos –professores, tutores e principalmente outros cursistas – através deprocessos de comunicação síncronos e assíncronos (fórum de discussão,lista, chats, blogs, webfólios entre outros).Isso é revolucionário, inclusive quebra e transforma o conceito dedistância.
  13. 13. Interatividade ou mais comunicacional é atitude de partilharsaberes intervindo no discurso do outro, produzindo coletivamente amensagem, a comunicação e a aprendizagem.
  14. 14. FUNDAMENTOS DA INTERATIVIDADE:Participação-intervenção: participar não é apenas responder "sim" ou"não" ou escolher uma opção dada, significa modificar a mensagem.Bidirecionalidade-hibridação: a comunicação é produçãoconjunta da emissão e da recepção, é co-criação, os dois pólos codificam edecodificam.Permutabilidade-potencialidade: a comunicação supõe múltiplas redesarticulatórias de conexões e liberdade de trocas, associações esignificações.(SILVA, 2000)
  15. 15. Potencialidades das TICSComunicaçãoLeitura não linearVirtualizaçãoInteratividade HipertextoSimulaçãoAutoria PolifoniaCriatividadeContribuições para a Educação Online
  16. 16. Tecnologias digitais mais utilizadas nas práticas deEducação Online:• Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA)• Teleconferências• Videoconferências
  17. 17. AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVA)Um ambiente virtual é um espaço fecundo de significação onde sereshumanos e objetos técnicos interagem potencializando a construção deconhecimento, logo a aprendizagem. (SANTOS, 2005)É possível encontrar no ciberespaço comunidades que utilizam omesmo AVA com uma variedade incrível de práticas e posturaspedagógicas e comunicacionais. Tais práticas podem ser tantoinstrucionistas, quanto interativas e cooperativas.
  18. 18. Os ambientes virtuais agregam uma das características fundantes da internet: aconvergência de mídias, ou seja, a capacidade de hibridizar e permutar nummesmo ambiente várias mídias.Mídia é todo o suporte que veicula a mensagem expressada por umamultiplicidade de linguagens (sons, imagens, gráficos, textos em geral).Em alguns casos suporte e linguagem se hibridizam. Em outras palavras é aunião das tecnologias da informática e suas aplicações com as tecnologias dastelecomunicações e com as diversas formas de expressão,linguagens. Podemos citar como exemplos: uso de vídeos, tv interativa,cinema, rádio, além das mídias próprias da internet e dos AVAs: chats, fórunsde discussão, diários eletrônicos, blogs, etc.
  19. 19. Os ambientes virtuais de aprendizagem se estruturam em dois conjuntosfundamentais de interfaces:Interfaces faces de conteúdoInterfaces de comunicação
  20. 20. Interfaces de conteúdo são os dispositivos que permitem produzir,disponibilizar e compartilhar conteúdo em diversos formatos elinguagens (textos, áudio, imagens estáticas e dinâmicas) mixadas ounão.Interfaces de comunicação são aquelas que favorecem ainteratividade entre os interlocutores podendo ser síncronas, isto é, decomunicação em tempo real (chats, e webconferências) ouassíncronas, de comunicação em diferentes tempos (e-mails, fóruns,wikis, listas de discussão, etc.)
  21. 21. AVA Organização/autora Endereço wwwAulaNet PUC-RJ http://guiaaulanet.eduweb.com.br(Brasil)Blackboard Blackboard http://www.blackboard.com(EUA)CoSE Staffordshire University(UK Reino Unido)http://www.staffs.ac.uk/caseMoodle AUSTRÁLIA http://www.moodle.orgTeleduc Unicamp NIED (Brasil) http://www.hera.nied.unicamp.br/teleduc/WebCT WebCT, Univ. British http://webct.comAlguns AVAs disponíveis no mercado e no ciberespaçogratuitamente
  22. 22. Deve-se ter em conta que conteúdo e comunicação são elementoshíbridos e imbricados na Educação online: conteúdos são construídospelos interlocutores que, dialogicamente, produzem sentidos esignificados mediados pelas interfaces síncrona e assíncronas decomunicação.Por isso não se deve conceber conteúdo apenas como informação paraautoestudo ou como material didático construído previamente peloprofessor ou pela equipe de produção. Aqui a regra é co-criar,colaborar; receptor e emissor se fundem na pragmática comunicacionaltodos-todos.
  23. 23. O grande desafio da educação online é pois garantir que os conteúdos esituações de aprendizagem contemplem o potencial pedagógico,comunicacional e tecnológico do computador online bem como dasdisposições de interatividade próprias dos ambientes virtuais deaprendizagem.É por via do desenho didático que se torna possível o planejamento,produção e operacionalização de conteúdos e situações de aprendizagemque estruturam processos de construção de conhecimento na sala de aulaonline
  24. 24. O desenho didático deve contemplar umaintencionalidade pedagógica que garanta a educaçãoonline como obra aberta, plástica, fluída, hipertextuale interativa.(SILVA, 2010)
  25. 25. EAD (o modelo queprevalece)EOL (possibilidades naWeb 2.0)Desenho didático dosconteúdos e atividades deaprendizagemPré-definido, fechado, linear,controlado por uma fonte emissora.Textos, multimídia e audiovisuaisunidirecionaisPré-definido e redefinido deforma colaborativa, co-regulada. Hipertextos, multi ehipermídia multidirecional, emrede.Tecnologias de informaçãoe comunicação (TIC)Tecnologias unidirecionais e reativas(impressos, rádio, TV, DVD e até ocomputador online quandosubutilizadas em suas potencialidadescomunicacionais e hipertextuais).Modelo um-todosTecnologias interativas online(computador, celular, internetem múltiplas interfaces (chats,fóruns, wikis, blogs, fotos,Twitter, Facebook. Orkut,videologs, etc.) para expressãouni, bi e multidirecional emrede. Modelo todos-todos.Pedagogia Instrucionista, transmissiva, tarefista,aprendizagem solitária, auto-instrução, avaliação somativaConstrucionista,interacionismo, interatividade ecolaboração. Avaliaçãoformativa e somativa
  26. 26. EAD (o modelo queprevalece)EOL (possibilidades naWeb 2.0)Mediação daaprendizagemRelações assimétricas, verticais:autor/emissor separado deaprendiz/receptor. Cursista nãointerage com cursista.Relações horizontais: hibridizaçãoe co-autoria. Os cursistas seencontram com o docente econstroem a comunicação e oconhecimento.Avaliação daaprendizagemAvaliação unidirecional, professoravalia alunos. Pontual e somativa.Trabalhos e testes individuaisdurante e no fim do cursoAutoavaliação, coavaliação ehetero avaliação. Somativa eformativa. Definição coletiva decritérios e rubricas de avaliação.Uso de múltiplas interfaces paraavaliação de participação (wikis,fóruns, mapas colaborativos,webquests, blogs, chat, podcasting,etc.)
  27. 27. Uma estratégia para ampliar o potencial de interação quepode ser desenvolvido pela rede telemática, seria avalorização da figura do professor/tutor ou mediadorconsiderado enquanto agente de aprendizagem com afunção de manter o aluno realizando o ciclo deaprendizagem.(VALENTE, 2002).O professor propõe e conduz atividades de construção doconhecimento por meio de estratégias significativas. Essasestratégias consistem em atividades facilitadoras daaprendizagem que prevêem o uso do raciocínio indutivo ediante delas o aluno é orientado a fazer descobertas, achegar à conclusões e a sistematizá-las, construindo assimsignificativamente o conhecimento.
  28. 28. QUESTÕES PROBLEMÁTICAS EM EDUCAÇÃOONLINE Subutlização das potencialidades do computadorNa Educação Virtual é a comunicação e a interatividade que determinamo diferencial pedagógico, o que para muitos ainda não está claro. EmAzevedo encontra-se que:...a origem desta dificuldade reside numa visão limitada do que é aInternet e do que são as novas tecnologias da informação e dacomunicação. Predomina o aspecto "informação" sobre a "comunicação"na percepção de muitos. Enxerga-se muito mais as possibilidades dedistribuição e organização da informação que as possibilidades decomunicação mediada por computador, especialmente de interaçãocoletiva.(AZEVEDO, 2002)
  29. 29.  Aproveitamento mercadológico de empresas e instituições de ensinocomprometendo a qualidade das redes disponíveis e ausência de serviçosde suporte Políticas públicas que buscam a massificação e interiorização dauniversidade Dificuldade discente em manter uma postura passiva na situação deaprendizagem Uso do computador pelos professores e imersão na cibercultura Infrastrutura
  30. 30. ALGUMAS SOLUÇÕES PARA ASSEGURAR QUALIDADE NAEDUCAÇÃO ONLINE Formação de professoresOs professores precisam ser formados para o uso crítico e criativo dosmeios de comunicação e ultrapassar a mera racionalidade tecnológica,entendendo os meios como ferramentas de comunicação e não de simplestransmissão, promovendo o diálogo e a participação, para gerar e potenciarnovos emissores ao invés de contribuir para o crescimento de emissorespassivos(KAPLÚN, 1999)
  31. 31.  Abordagem seletiva de contextos de formação• Disciplinas específicas em nível de graduação ou ensino médio –flexibilidade de horários• Formação continuada de professores, médicos e outros profissionais• Formação corporativa• Pós-graduaçãoProcessos de avaliação assentes em critérios eindicadores objetivos (MEC)
  32. 32. As novas tecnologias quando utilizadas atentando para o componentepedagógico podem criar circunstâncias nas quais a expressão dosindivíduos seja mais ampla e a aprendizagem contemple outros aspectosalém do lógico-formal, tais como o estético e o emocional, isto porque,a formação de redes de pessoas interagindo facilita a exploração deoutras dimensões do ser humano.VALENTE, 2002
  33. 33. Qualquer desenvolvimento tecnológico pode significar uma resposta adeterminados problemas, a ampliação de nossas possibilidades deatuação e a criação de novos contextos para a ação, ao mesmo tempoque apresenta novos desafios e – se não o assumirmos de formamecânica – possibilita a revisão de nossas teorias e nossas práticas. AsTICs não são exceção, pelo que, para os educadores, podem ser apenasum conjunto de ferramentas caras – só ao alcance de alguns – paracontinuar fazendo praticamente o mesmo, ou um recurso para a análise,avaliação e a melhora das propostas educativas.(SANCHO, 2010)

×