Rastreabilidade

3.288 visualizações

Publicada em

Seminário apresentado na aula de Negócios Veterinários IV na Universidade Anhembi Morumbi

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rastreabilidade

  1. 1. Rastreabilidade Animais Marinhos Rastreabilidade Animais Marinhos Alunos: Camila Leite Maria Olivia Marcos Paloma Balboa Thais Marly Alunos: Camila Leite Maria Olivia Marcos Paloma Balboa Thaís Marly
  2. 2. Rastreabilidade <ul><li>A rastreabilidade consiste no acompanhamento e </li></ul><ul><li>registro de todos os eventos: manejo, trânsferencias e movimentações ocorridas durante a vida do animal </li></ul><ul><li>A alta mobilidade dos animais no seu ambiente natural é uma variável a mais para o entendimento do funcionamento das comunidades, aumentando a dificuldade de manejar os ecossistemas, seja com finalidade exploratória ou de conservação . </li></ul><ul><li>O avanço da tecnologia espacial trouxe a possibilidade de rastrear e monitorar alvos móveis em qualquer parte do globo </li></ul>Professor Mauricio Salvador – Negócios Veterinários IV – Universidade Anhembi Morumbi
  3. 3. Rastreabilidade <ul><li>Estes sistemas são constituídos de três </li></ul>segmentos: os transmissores que ficam presos aos animais, os satélites que captam os sinais dos transmissores e os retransmitem para a terra, e os centros de processamento e difusão dos dados coletados. <ul><li>Os transmissores, também denominados PTT (do inglês Platform Transmitter Terminal), são identificados através do código identificador (ID), que deve ser solicitado ao Centro gerenciador do sistema ou a seus representantes regionais, sendo no Brasil o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). </li></ul>Professor Mauricio Salvador – Negócios Veterinários IV – Universidade Anhembi Morumbi
  4. 4. <ul><li>Um mesmo animal pode ser rastreado por apenas um ou pelos dois sistemas simultaneamente </li></ul><ul><li>Com estes transmissores uma variada gama de animais vem sendo monitorada, como aves terrestres marinhas e aquáticas, mamíferos terrestres, mamíferos marinhos, e peixes </li></ul><ul><li>Além do rastreamento (localização) estes animais também podem ter monitoradas algumas funções </li></ul><ul><li>Todos estes dados podem ser coletados e transmitidos do animal para o pesquisador, através da internet ou via FAX </li></ul>Rastreabilidade Professor Mauricio Salvador – Negócios Veterinários IV – Universidade Anhembi Morumbi
  5. 5. <ul><li>O cálculo da posição do animal pode ser feito de duas formas: </li></ul><ul><li>na primeira forma a posição é calculada através do desvio Doppler dos sinais emitidos pelo PTT, e os erros de localização variam tipicamente em torno de algumas centenas de metros. </li></ul><ul><li>na segunda um receptor GPS é acoplado ao PTT, de modo os sistemas Argos ou SBCDA já recebem as coordenadas calculadas pelo GPS e enviadas pelo transmissor. </li></ul><ul><li>O rastreamento também é utilizado para fiscalização de embarcações de pesca no mar. </li></ul>Professor Mauricio Salvador – Negócios Veterinários IV – Universidade Anhembi Morumbi
  6. 6. Rastreabilidade Sensores O Projeto se chama Rede Oceânica de Acompanhamento (OTN, na sigla em inglês) e é fruto da fusão de dois programas: <ul><li>Monitoramento de Recifes do Oceano Pacífico. (Post, na sigla em inglês) </li></ul><ul><li>Acompanhamento das Águas do Pacífico (Topp, na sigla em inglês) </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A OTN quer levar as linhas receptoras até o oceano Ártico, com a instalação de 140 quilômetros de sensores para captar o movimento da vida entre os oceanos Ártico e Atlântico. </li></ul><ul><li>O objetivo final da OTN é instalar, em cinco anos, 5 mil receptores submarinos, e criar 60 linhas de acompanhamento em 14 regiões oceânicas. </li></ul>
  8. 8. Pingüins <ul><li>Uma forma Utilizada para monitorar pingüins é o sistema de biometria. </li></ul><ul><li>- Identificados por características exclusivas de cada um. </li></ul><ul><li>Outra forma é a colocação de uma câmera em um local por onde passam normalmente os pingüins a caminho do mar ou voltando desse. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Existe também o desenvolvimento do Sistema de Reconhecimento de Pingüins, utilizando anéis para a identificação. </li></ul><ul><li>- Não é recomendado ser usado pois precisa capturar os animais a cada necessidade de identificação. </li></ul>
  10. 10. Tubarão <ul><li>São colocados artefatos para monitoramento por satélite, para monitorar seus movimentos. </li></ul><ul><li>Ciêntistas sentem dificuldade de colocar o rastreador nas barbatanas destes animais. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>São com um longas viagens para esta espécie de tubarões, tornando-se vulneráveis a pesca. </li></ul><ul><li>Sabendo-se que tubarões menores são capturados desta forma. </li></ul>
  12. 12. Baleia Jubarte <ul><li>Telemetria por satélite </li></ul><ul><li>Projeto Monitoramento de Baleias </li></ul><ul><li>por Satélite (PMBS ) </li></ul><ul><li>As jubartes foram escolhidas para dar início ao projeto porque são encontradas próximas à costa e são de fácil aproximação com pequenas embarcações. </li></ul>
  13. 13. As Baleias precisam ser &quot;marcadas&quot; em movimento, através de sistemas remotos. A pesquisa é organizada em três fases: - A preparação - O trabalho de campo - O acompanhamento dos sinais emitidos pelo Sistema de Satélites Argos. Obs: Entre 2001 e 2004 já foram colocados 21 transmissores em baleias jubarte.
  14. 14. Baleia Franca <ul><li>Foto-identificação / impressão digital – acompanhamento sem nenhuma interferência. </li></ul><ul><li>As calosidades em geral são da cor cinza escuro, ligeiramente mais claras que a cor da pele das francas. </li></ul>
  15. 15. Os levantamentos aéreos realizados pelo Projeto Baleia Franca permitiram a criação do Catálogo Brasileiro de Foto-identificação de Baleias Francas. Contendo dados sobre: - Taxa reprodutiva - Ocorrência - Localização
  16. 16. Ilhas rostrais
  17. 17. Peixe - Boi <ul><li>Habitat: rios, estuários e o mar nas regiões intertropicais. </li></ul><ul><li>O peixe-boi marinho é hoje o mamífero aquático mais ameaçado de extinção no Brasil. </li></ul><ul><li>Rádio-telemetria </li></ul>
  18. 18. Tartaruga
  19. 20. <ul><li>Telemetria é utilizada na conservação e pesquisa aplicadas em tartarugas </li></ul><ul><li>Ate o final da década de 70 não havia nenhum trabalho de conservação marinha </li></ul><ul><li>1976 a 1978 teve as primeiras expedições a Fernando de Noronha e Atol das Rochas </li></ul><ul><li>1980 foi criado o Projeto Tamar </li></ul><ul><li>O trabalho começou na Bahia (praia do Forte), Espírito Santo(Comboios) e Sergipe (Pirambú) </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Marcação e recaptura com grampos metálicos desenvolvidos pelo Tamar, que constitue uma fonte importante de dados: tamanho das populações; a fecundidade das fêmeas; a periodicidade de retorno as praias, a sua distribuição geográfica. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>Antônio de Pádua Almeida começou a instalar transmissores em tartarugas para rastreá-las através de satélites </li></ul><ul><li>Os sinais enviados só podem ser captados pelo satélite se a tartaruga estiver na superfície </li></ul><ul><li>O sinal só é exato se a tartaruga estiver exatamente embaixo da rota de passagem do satélite </li></ul>
  22. 23. Modelo Kiwisat 101 – Sirtrack Limited
  23. 30. Resultados parciais do monitoramento de Dermochelys coriacea <ul><li>03 transmissores instalados </li></ul><ul><li>- 01 transmissor foi monitorado por 27 dias e desligado após a morte da fêmea </li></ul><ul><li>- 02 transmissores estão sendo rastreados por cerca de 2 meses. </li></ul><ul><li>- 01 transmissor foi instalado dia 12/02 em uma fêmea capturado na pesca </li></ul><ul><li>- 03 transmissores estão em operação atualmente </li></ul>
  24. 31. <ul><li>Os principais problemas que afetam a radiotelemetria : </li></ul><ul><li>- CUSTO </li></ul><ul><li>- BUROCRACIA </li></ul><ul><li>- DIFICULDADE DE CAPTURA DE ANIMAL </li></ul><ul><li>- INADEQUAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ÀS CONDIÇÕES DO PAÍS </li></ul><ul><li>Ela traz resultados imediatos e exatos e permite medidas de manejo da fauna mais próximas da realidade. Permite às vezes até contestar o que se imagina ser a realidade. </li></ul>
  25. 32. Os sistemas de rastreamento estão cada vez mais sensíveis, de modo que os transmissores instalados nos animais não precisam ter elevada potência de transmissão, prolongando a vida útil. Em breve os transmissores instalados nos animais serão capazes de trocar informações com os satélites, o que poderá ser usado para modificar a programação de coleta de dados, prolongar a vida útil e coletar dados das mais diversas maneiras. Conclusão
  26. 40. Bibliografia <ul><li>www. tamar .org. br </li></ul><ul><li>www. projetopeixe-boi .com. br </li></ul><ul><li>www. projetobaleiafranca .com. br </li></ul>

×