Anúncio

Habeas cesare battisti eleandro em pdf

Alberto & Galante
21 de Dec de 2018
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Anúncio
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Habeas  cesare battisti  eleandro em pdf
Próximos SlideShares
Teoria dos recursos   novo cpcTeoria dos recursos novo cpc
Carregando em ... 3
1 de 8
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Apresentações para você(20)

Similar a Habeas cesare battisti eleandro em pdf(20)

Anúncio
Anúncio

Habeas cesare battisti eleandro em pdf

  1. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Tramitação prioritária: paciente maior de 60 anos - data de nascimento 18/12/54 Paciente: CESARE BATTISTI Extradição 891 do DF URGENTE: AMEAÇA DE PRISÃO EM VIRTUDE DE DECISÃO TERATOLÓGICA QUE OFENDE A COISA JULGADA E LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. Artigo Art. 88 do Estatuto do Estrangeiro: " Negada a extradição, não e admitirá novo pedido baseado no mesmo fato". Decisão que decreta prisão preventiva sem nenhuma fundamentação. Violação ao artigo 93, IX, da CF. 1
  2. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 Autoridade Coatora: PRESIDENTE DA REPÚBLICA DO BRASIL SR. Michel Temer Objeto do habeas: DECISÃO TERATOLÓGICA QUE DETERMINOU A PRISÃO DO PACIENTE ELEANDRO FRANCISCO, brasileiro, advogado, inscrito na OAB/SP sob o n. 333737, vem, com todo acatamento e respeito à presença de Vossa Excelência, tendo por fulcro e ancoradouro jurídico, o artigo 5º, LXVIII, da Constituição Federal, e artigos 647 e 648, inciso I, et alii, do Código de Processo Penal, interpor, a presente Ação Constitucional de HABEAS CORPUS COM PEDIDO DE LIMINAR, onde figura como autoridade coatora, o Sr. Michel Temer presidente da República, ordem que impetra em favor de Cesare Battisti, italiano , demais qualificações nos autos epigrafados . Para tanto, inicialmente expõe os fatos, que sedimentados pelo pedido e coloridos pelo direito, ensejarão os requerimentos, na forma que segue: PRELIMINARMENTE O impetrante esclarece que para ele não interessa o que o Sr. Battisti fez ou deixou de fazer na Itália mas não pode ficar como operador do direito inerte quando a coisa julgada e o ato jurídico perfeito são violados 2
  3. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 para não falar da violação literal de artigo de lei ( artigo 88 do Estatuto do estrangeiro) que não foi objeto de apreciação da decisão do Ministro Fux a respeito do tema sendo que ele obviamente não é a autoridade coatora mas o presidente da república que decidiu pela extradição , posto que a decisão do STF é autorizativa apenas e não pode ser dada monocraticamente. A extradição é ato privativo da autoridade coatora e a decisão monocrática – que por se monocrática tem valor escasso – é apenas medida autorizativa e não decisiva. Coator por tanto o suposto primeiro magistrado da república Sr. Michel Temer. A decisão do ministro Fux – monocrática repete-se - é claramente politica e sequer ele tenta omitir isto. O que interessa é a vontade politica ao qual a lei deve se submeter ou melhor a lei ordinária, o ato jurídico prefeito, a coisa julgada que devem ser relegadas por conveniências politicas e para fins políticos. Todavia a decisão presidencial de um presidente sem voto é inconstitucional. A questão é exposta no artigo Art. 88 do Estatuto do Estrangeiro: " Negada a extradição, não e admitirá novo pedido baseado no mesmo fato". Uma vez, porém, exercida a faculdade presidencial no ano distante de 2010, a preclusão opera, não havendo que se falar em renovação do pleito pelo Estado estrangeiro, fundamentado no mesmo fato. Importa lembrar que o site do Supremo abriga matéria a este respeito com a inclusão de parte do estatuto do estrangeiro. 3
  4. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 Link aqui: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp? idConteudo=102391 A questão como dito é exposta no artigo Art. 88 do Estatuto do Estrangeiro: " Negada a extradição, não e admitirá novo pedido baseado no mesmo fato". Negada pelo STF, ou pelo Chefe do Executivo Federal, por evidente. Este último tem a palavra final se aquele concede o pedido extradicional não interferindo quando aquele indefere (ausente legalidade). A atuação do Poder Judiciário se subsume à legalidade do pedido de extradição. Quando a extradição é indeferida é porque era ilegal. Quando a extradição é deferida compete ao Presidente da República a última palavra, à qual se dá por ato administrativo do executivo, ato administrativo vinculado ao que o Tratado Internacional estipula: (o precedente é justamente o pedido Battisti - EXTRADIÇÃO 1.085). Rever o ato administrativo vinculado a cada troca de presidente traria tamanha insegurança jurídica ao Estado que o ex-extraditando teria que fugir, "a cada troca de comando na presidência da República" e o Estado de Direito simplesmente seria uma ficção no caso pois ha violação literal de lei e a coisa julgada deixa de existir pois todas as outras tentativas do governo italiano de rever a decisão através do Supremo fracassaram e deve se -se lembrar de que o Supremo quando “redecide” algo que já decidiu sem que seja pela via do recurso incorre em crime de responsabilidade. 4
  5. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 In casu temos apenas uma atitude oportunista de rever a decisão aproveitando a troca de mandatário. Se fosse lógica, racional e principalmente legal a teratológica decisão autorizativa – autorizativa repita-se - o paciente ou qualquer outro em situação semelhante seria presa fácil de arapucas do Estado requerente. Alguém poderia dizer "ah se a extradição foi negada pelo Executivo, obedecendo ao que o Tratado estipula, e de nada valeu, o Tratado em si, nada vale!". Seria necessário perquirir onde estaria a ilegitimidade do ato presidencial anterior para anulá-lo agora uma vez que a recusa se deu por razões que constam do Tratado de Extradição com a República da Itália. Foi recusa vinculada e não discricionária. Mesmo houvesse anulação, o caso, certamente pararia, de volta, ao STF, agora para analisar se a anulação foi válida e não de forma monocrática. Ou seja, o STF estaria, por via reflexa, ao confirmar a legalidade da anulação, rescindindo o próprio julgamento da Extradição e isto seria divisão da jurisdição o que, em tese, é crime de responsabilidade. Violação da coisa julgada, violação havendo teratologia é indiferente se o paciente tem ou não advogado constituído, pois se torna imperativo o habeas corpus de ofício, máxime porque neste tema em momento algum cita o artigo 88 do estatuto do estrangeiro. Importa ressaltar que o Ministro Fux decidiu monocraticamente antes que o presidente da república decidisse e ele poderia decidir no sentido 5
  6. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 contrário mas é claro que não o fez para ganhar umas migalhas de popularidade entre os leigos. A tese do ministro Fux que decidiu monocraticamente sobre a extradição o que é teratológico e ainda - mais teratologia - decretou a prisão preventiva sem qualquer fundamentação ou mesmo singela remissão aos dispositivos autorizadores da prisão cautelar. Em síntese acha que o governante de plantão mesmo que seja o vice pode decidir sobre a extradição a qualquer momento. Tal posição é absurda, pois o próprio governante que concedeu poderia revogá-la, algo absurdo e teratológico ao mesmo tempo. Importa salientar que o ministro menciona o artigo 63 do estatuto do estrangeiro mas não se pronuncia sobre ele: Eis o que dita o referido artigo: “Art. 63. Não se procederá à deportação se implicar em extradição inadmitida pela lei brasileira”. E isto ele o faz porque a extradição pode ser decretada a qualquer momento sem atinar que a competência para a extradição é inerente é atinente ao cargo, jamais à pessoa do chefe do Poder Executivo. Reegra do direito internacional reforçada pelo Estatuto do estrangeiro no artigo 88 posto que é o cargo que decide e não por aquele que o ocupa ou ocupará e vincular o indeferimento ou não da extradição ao governante transitório agride a soberania nacional. De fato, pois esta ficaria condicionada ao puro arbítrio do mandatário mor e de seus aliados. In casu o governo italiano tendo fracassado 6
  7. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 antes agora procura em flagrante violação a lei internacional dafazer valer sua pretensão com apoio em presidentes simpatizantes ao seu pleito. URGÊNCIA DO PEDIDO E NECESSIDADE DA LIMINAR O artigo 88 do Estatuto do estrangeiro foi flagrantemente violado. Demonstrado, pois o fumus boni juris, sendo visível e inegável o periculum in mora e assim justifica-se a concessão de liminar, sob pena de se perpetuar ainda por mais alguns dias o constrangimento ilegal ao qual está submetido o paciente. O referido artigo é cogente, prevalece sobre a decisão da autoridade coatora baseada na AGU que é uma interpretação questionável e obviamente política. A interpretação cessa nas coisas claras (Interpretatio cessat in claris ) e portando não pode suplantar um artigo de lei claríssimo. DO PEDIDO ANTE AO EXPOSTO, REQUER: Por todo o exposto, requer-se aos Nobres Ministros seja a ordem concedida liminarmente, fazendo cessar o constrangimento ilegal ora suportado pelo paciente, tornando-a definitiva após regular processamento, havendo como consequência a expedição urgente do competente CONTRAMANDADO DE PRISÃO. Desta forma este Sodalício decidirá com os excelsos ditames da Lei, do Direito e da JUSTIÇA! 7 R e s u l t a d o s d a W e b
  8. Eleandro Francisco Advogado OAB/SP 333737 Termos em que Pede deferimento, ELEANDRO FRANCISCO SILVA OAB 333737 8
Anúncio