Memória e Aprendizagem

6.156 visualizações

Publicada em

Apresentação do capítulo 6 do livro "Manual de Psicologia Cognitiva".

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.156
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
236
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memória e Aprendizagem

  1. 1. Memória e Aprendizagem Manual de Psicologia Cognitiva Cap. 6 Dhiego Carvalho dos Santos João Vortmann Mauricio Volkweis Astiazara Renan Rosado de Almeida
  2. 2. Sumário● Arquitetura da memória● Memória de trabalho● Processos da memória● Aprendizagem implícita● Teorias do esquecimento
  3. 3. Arquitetura da memóriaAbordagem Multiarmazenamento (Atkinson e Shiffrin).Foram propostos três tipos de armazenamento:● Armazenamentos sensoriais: retenção extremamente breve das informações e limitação a uma modalidade sensorial;● Armazenamento de curto prazo: capacidade muito limitada;● Armazenamento de longo prazo: essencialmente ilimitada; retenção de informações por períodos de tempo extremamente longos.
  4. 4. Arquitetura da memória Atenção Armazenamentos Sensoriais Recitação Decaimento Armazenamento de Curto Prazo Deslocamento Armazenamento de Longo Prazo Interferência
  5. 5. Armazenamento SensoriaisA maioria das informações das quais nossos sentidos sãobombardeados não receber nenhuma atenção;As informações de toda modalidade sensorial persistem porbreve tempo depois do final da estimulação, ajudando a tarefade extrair seus aspectos fundamentais para uma análiseposterior;
  6. 6. Armazenamento SensoriaisTeste: Você está sentindo a textura da cadeira agora?
  7. 7. Armazenamentos Sensoriais: IcônicoArmazenamento visualAs informações declinam em cerca de 1/2 segundoÉ extremamente importante: os mecanismos responsáveis pelapercepção visual sempre operam no ícone, em vez dediretamente no ambiente visual
  8. 8. Armazenamentos Sensoriais: EcóicoArmazenamento auditivo transitório (retém informaçãorelativamente não processada)Duração temporal de informações auditivas não absorvidas naarmazenagem ecóica é de cerca de 2 segundos
  9. 9. Armazenamento de curto prazo Capacidade muito limitada 7Fragilidade de armazenamento, pois qualquer distraçãoprovoca o esquecimentoTeste de memória
  10. 10. Efeito de RecênciaO efeito da recência na recordação livre (lembrar os itens emqualquer ordem) refere-se ao fato de que os últimos itens emuma lista são em geral mais bem lembrados na recordaçãoimediata do que os itens do meio da lista.
  11. 11. Dissociação DuplaDois indivíduos têm desempenho diferente em tarefasdiferentes:O indivíduo 1 tem desempenho normal na tarefa A edesempenho deficiente na tarefa B e o indivíduo 2 temdesempenho normal na tarefa B mas desempenho deficientena tarefa A
  12. 12. AvaliaçãoO modelo de multiarmazenamento proporcionou umaexplicação sistemática das estruturas e dos processos damemória.Para justificar a existência de três tipos qualitativamentediferentes de armazenamento na memória, precisamos definirdiferenças importantes entre eles:● duração temporal● capacidade de armazenamento● mecanismo(s) de esquecimento● efeitos de lesão cerebral
  13. 13. AvaliaçãoO modelo de multiarmazenamento é muito simplificado:● Supôs-se que os armazenamentos de curto e longo prazo operam sempre de uma maneira, de forma uniforme;● Além disso, nesse modelo o armazenamento de curto prazo atua como uma passagem dos armazenamentos sensoriais para a memória de longo prazo;● Supôs-se que o principal meio das informações serem transferidas para a memória de longo prazo era por meio da recitação na memória de curto prazo, no entanto o papel da recitação no cotidiano e bem mais limitado.
  14. 14. Memória de curto prazo: modelo padrãoInterpretações revisadas (abordagem de Nairne):● As informações no armazenamento de curto prazo estão em um estado de ativação;● O conhecimento permanente é ativado, como um subproduto do processamento cognitivo on-line, e passa a residir na memória de curto prazo. A memória de curto prazo é simplesmente definida como o conjunto coletivo destas informações ativas na memória;● As informações atualmente ativadas podem ser acessadas imediatamente e sem esforço● Supõe-se que a ativação seja frágil e possa ser rapidamente perdida - com a operação do decaimento - na ausência da recitação.
  15. 15. Memória de curto prazo: modelo padrão Itens Ativados Itens Não Ativados
  16. 16. EvidênciasSegundo o modelo padrão, a memória de curto prazo deve sermelhor para as palavras que podem ser recitadas rapidamentedo que para as palavras que demoram mais tempo para seremrecitadas: a recitação rápida mantém a ativação e por issoevita o decaimento;Segundo o mesmo modelo, o esquecimento da memória decurto prazo se deve ao decaimento. Entretanto, a interferênciaproativa (destruição da aprendizagem e memória atuais pelaaprendizagem prévia) também desempenha um importantepapel no esquecimento da memória de curto prazo;Há evidências contra a suposição do modelo de que asinformações na memória de curto prazo são diretamenteacessíveis. A lembrança da memória de curto prazo dependeda natureza da pista ou indício de recuperação.
  17. 17. AvaliaçãoSupõe que a taxa de esquecimento é fixa, mas os dadossugerem que são variáveis;Sugere que o principal veículo para armazenamento de curtoprazo é a recitação, mas na verdade existe grande variação daretenção independente da recitação;Conclui que a recordação é um subproduto direto da ativação,na verdade existe um processo de recuperação de informação;
  18. 18. Memória de TrabalhoBaddeley e Hitch substituíram o conceito do armazenamentode curto prazo pela memória de trabalho;Divida em quatro componentes de capacidade limitada erelativamente independentes: ● Executivo Central ● Alça Fonológica ● Esboço Visuoespacial ● Buffer Episódico Se duas tarefas usam o mesmo componente, não podem serrealizadas juntas com sucesso. Caso contrário, sim.
  19. 19. Memória de Trabalho Executivo Central Recitação Recitação Esboço Alça Fonológica Buffer Episódico Visuoespacial
  20. 20. Memória de Trabalho: Alça FonológicaListas de palavras com similaridade fonológica são maisdifíceis de lembrar. Exemplo: fee, he, knee, me, she;Efeito do comprimento da palavra: palavras longas sãoocupam mais memória;Palavras apresentadas auditivamente produzem acesso diretoao armazenamento fonológico;Palavras apresentadas visualmente produzem acesso indiretopor meio da articulação subvocal (recitação).
  21. 21. Memória de Trabalho: Alça Fonológica Apresentação Armazenamentoauditiva da palavra Fonológico Apresentação visual da palavra
  22. 22. AvaliaçãoA Alça Fonológica aumenta a abrangência da memória, mastem pouco importância nas atividades diárias;Pessoas com alça fonológica gravemente deficiente tem bomdesempenho em atuações da vida cotidiana;Alguns autores afirmam que a alça fonológica é muitoimportante porque é necessária para aprendizagem de novaspalavras e não para recordação de palavras conhecidas;
  23. 23. Memória de Trabalho: EsboçoVisuoespacialUsado no armazenamento temporário e manipulação deinformação visual e espacial;Logie afirma que é dividida em dois componentes: ● Cache Visual: armazena informações sobre forma visual e cor; ● Scribe Interna: lida com informações espaciais e de movimento. Ela repete as informações da cache visual, envia informações para o executivo central e está envolvida no planejamento e na execução dos movimentos do corpo e dos membros.
  24. 24. Memória de Trabalho: EsboçoVisuoespacial Esboço Visuoespacial Cache Visual Scribe Interna
  25. 25. Memória de Trabalho: EsboçoVisuoespacialFoi estudado um homem com derrame com lesão na árearesponsável pela cache visual;Ele não conseguia descrever detalhadamente imagens emborativesse os órgãos receptores intáctos;Porém, com auxilio de um desenho ele tem um desempenhomelhor na tarefa: em vez de usar representação interna, eleutilizada uma representação externa.
  26. 26. AvaliaçãoVários experimentos comprovam a existência separada destesdois componentes;Porém, algumas tarefas exigem o uso combinado dos doiscomponentes;Não está entendido como os componentes colaboram nestescasos específicos.
  27. 27. Executivo CentralComponente mais importante e versátil da memória detrabalho.Baddeley identificou as seguinte funções: ● Mudança nos planos de resgate de informação; ● Compartilhamento nos estudo de tarefa dupla; ● Atenção seletiva a alguns estímulos enquanto ignora outros; ● Ativação temporária da memória de longo prazo.
  28. 28. Executivo CentralSmith e Jonides identificaram funções semelhantes: ● Mudança na atenção entre tarefas; ● Planejamento de subtarefas para atingir algum objetivo; ● Atenção e inibição seletivas; ● Codificação das representações na memória de trabalho para o tempo e local do aparecimento.
  29. 29. Executivo CentralPacientes com síndrome disexecutiva: ● Atenção prejudicada; ● Tendência a se distrair aumentada; ● Dificuldade na captação da totalidade de um estado; ● Capaz de atuar nas velhas rotinas; ● Não consegue dominar novos tipos de tarefa e situações. Executiv o Central Alça Buffer Esboço Fonológica Episódico Visuoespacial
  30. 30. Executivo CentralDifícil mapeamento da área do cérebro responsável peloExecutivo Central;Parece que não há uma única área central.Pode-se formular a hipótese de que existem regiões maisespecializadas em tarefas específicas...
  31. 31. Memória de Trabalho Verbal XMemória de Trabalho EspacialShah e Miyake discordaram da noção de que há um executivocentral que serve para várias funções;Propuseram separação em memória de trabalho verbal eespacial. Executivo Executivo Verbal Espacial
  32. 32. Buffer EpisódicoIntegra informações de uma série de fontes em uma únicaestrutura ou episódio complexo;Atua como um buffer entre os demais componentes (alçafonológica e esboço visuoespacial) que usam códigosdiferentes combinando-os em uma representaçãomultidimensional unitária;Esse processo de união exige muito do sistema atencional decapacidade limita que constitui o Executivo Central;Este hipótese preenche várias lacunas.
  33. 33. Buffer Episódico
  34. 34. AvaliaçãoO Buffer Episódico é um acréscimo valioso ao modelo dememória de trabalho (só foi acrescido 25 anos depois da teoriainicial);Existe necessidade de pesquisa futura para esclarecer osprocessos que determinam quais informações sãoarmazenadas e como elas são integradas.
  35. 35. Processos da MemóriaAnalisa os efeitos do processamento de estímulos sobre arecordação;Surpreendentemente poucas pesquisas antes de 1972envolveram o estudo dos processos de aprendizagem e o seuefeito sobre a memória;Processos de atenção e percepção na aprendizagemdeterminam quais informações são armazenadas na memóriade longo prazo;
  36. 36. Processos da MemóriaCapacidade de memorização é influenciada pelo nível deprocessamento;Há vários níveis de processamento:Variam da análise superficial ou física de um estímulo àanálise profunda ou semântica (processamento de palavras);
  37. 37. Processos da MemóriaNíveis de análise mais profundos produzem traços de memóriamais elaborados, mais fortes, e de mais longa duração que osníveis superficiais;A memória de longo prazo também depende do tipo eintensidade da elaboração;Recordação é melhor para comparações minimamenteelaboradas;Traços de memória distintivos ou singulares são maisfacilmente recuperados do que aqueles que se assemelham;
  38. 38. Processos da MemóriaA teoria da adequação para transferência prevê que odesempenho da memória depende do tipo de processamentona codificação e na recuperação;Morris e colaboradores (1977) detectaram uma alta adequaçãoquando o processamento semântico foi seguido por um testede reconhecimento de padões;Da mesma forma quando o processamento da rima foi seguidopor um teste de rima;Além disso, o desempenho da memória foi superior no primeiroteste;
  39. 39. Processos da MemóriaO processamento profundo (semântico) é essencial para umaboa memória de longa duração, porém não é suficiente [Craik(2002)];Pacientes amnésicos apresentam processamento profundo(semântico) quase intacto, porém a memória de logo prazogeralmente é muito deficiente;Boa memória de longo prazo envolve um processamentoprofundo e um processo de consolidação;Pacientes amnésicos apresentam memória de longo prazodeficiente pois possuem processos de consolidaçãodeficientes.
  40. 40. Aprendizagem ImplícitaO termo "aprendizagem implícita" indica que a abordagem dosníveis de processamento que estava preocupada com osprocessos envolvidos na aquisição e na recuperaçãoconsciente das informações não se aplica para todo tipo deaprendizado;É "a aprendizagem de informações complexas sem umconhecimento verbalizável completo do que é aprendido"(Seger, 1994);De forma geral se refere à aprendizagem onde o aprendiz nãotem percepção consciente do que foi aprendido;
  41. 41. Aprendizagem Implícita X ExplícitaProposto por Reber em 1993, mas nenhuma definitivamenteestabelecida:1. Robustez: os sistemas implícitos relativamente pouco afetados pelos transtornos que afetam os sistema explícitos (amnésia)2. Independência da idade: é pouco influenciada pela idade ou pelo nível de desenvolvimento3. Baixa variabilidade: há diferenças individuais menores na aprendizagem e na memória implícitas do que na aprendizagem e memória explícita4. Independência de QI: o desempenho nas tarefas implícitas é relativamente pouco afetado pelo QI5. Atributos comuns do processo: os sistemas implícitos são comuns à maioria das espécies
  42. 42. Aprendizagem Implícita3 tipos principais de pesquisa:1. Ênfase em verificar se participantes saudáveis podem aprender materiais muito complexos na ausência de percepção consciente do que aprenderam2. Estudos sobre pacientes com lesão cerebral com amnésia em que se faz a tentativa de decidir se a aprendizagem implícita está essencialmente intacta, ainda que a aprendizagem explícita seja seriamente deficiente3. Estudos de imagens cerebrais em que o principal enfoque é verificar se as áreas cerebrais associadas à aprendizagem implícita diferem das associadas à aprendizagem explícita
  43. 43. Aprendizagem ImplícitaSegundo Anderson, 1983/1996, em seu modelo do ControleAdaptativo do Pensamento:O que acontece durante o desenvolvimento das habilidadesautomáticas é que as representações conscientes sãogradualmente transformadas em representaçõesinconscientes;Ou seja, um processo inicial de aprendizagem explícita éseguido pela aprendizagem implícita;É questionada a real existência da aprendizagem implícita poisos resultados parecem inconsistentes porque a extensão depossibilidade de aprendizagem implícita varia de tarefa paratarefa;
  44. 44. Aprendizagem ImplícitaShanks e St. John (1994) propuseram dois critérios:Critério da informação: as informações que os participantessão solicitados a proporcionar no teste da consciência devemser as informações responsáveis pelo nível de desempenhomelhoradoCritério da sensibilidade: "Devemos ser capazes de mostrarque o nosso teste da consciência é sensível a todoconhecimento relevante" (Shanks e St. John, 1994). Aspessoas poder ser perceptivamente conscientes de maisconhecimento relevante para a tarefa do que aparentam emum teste insensível à percepção consciente, e isso pode noslevar a subestimar seu conhecimento consciente acessível
  45. 45. Aprendizagem ImplícitaO fato de que evidências razoáveis de aprendizagem implícita têmsido obtidos de três abordagens sugere que ela provavelmente existee é diferente da aprendizagem explícitaÉ provável que uma mistura de aprendizagem implícita e explícitaesteja envolvida em muitas tarefas, o que ajuda a considerar algumasaparentes inconsistências na literaturaÉ necessário se concentrar mais nas questões relacionadas àspossíveis interações entre a aprendizagem implícita e explícita, masno futuro provavelmente necessitaremos nos afastar dessa divisão"o conhecimento não é em si necessariamente implícito ou explícito,mas pode ser dinâmico na sua natureza, com a acessibilidade para aconsciência explícita depdendendo da qualidade de representaçãobásica (determinada por três características: estabilidade, distinção eforça)"
  46. 46. Teste de Associação Implícita https://implicit.harvard.edu/implicit/brazil/ Sugerido: cor da pele Vamos fazer?
  47. 47. Teorias do esquecimento● Estudado por Hermann Ebbinghaus (1909) ○ Foi o primeiro a desenvolver testes de inteligência ○ A funçao de esquecimento é logarítmica● Rubin e Wenzel (1996) ○ Descobriram que as funçoes logarítmicas se ajustam a maioria dos dados● A maior parte dos estudos concentram-se: ○ Memória explícita (aprendida das interações com os obj.) ○ Memória implícita (onde a consciência não tem acesso. Ex. habilidades motoras )●
  48. 48. Teorias do Esquecimento Memorização Intervalo de Retenção (horas)
  49. 49. Teorias do esquecimento - Repressão● Freud (1915) ○ Usou o termo repressão para descrever a incapacidade de se obter acesso à percepção consciente diante de: ■ algo muito ameaçador; ■ provocador de ansiedade; e ■ eventos traumáticos.
  50. 50. Teoria da interferência● Supõe que a capacidade de aprendizado pode ser destruída ou sofrer interfência daquilo que aprendemos previamente ou no futuro● Interferência proativa - Quando a informação que já foi aprendida interfere sobre uma aprendizagem posterior. Ex. Aprender um conjunto de tarefas similares dentro de um curto periodo de tempo.● Interferência retroativa - Quando a informação informação adquirida posteriomente interfere na lembrança de material previamente aprendido. Ex. Um jogador de tênis que se dedica ao squash pode notar, por algum tempo, uma piora no seu tênis.
  51. 51. Teoria da interferência● De acordo com a teoria da inferência o esquecimento é uma conseqüência da aquisição e do armazenamento de novas lembranças.● A pesquisa da teoria da interferencia é limitada nos pontos: ○ Ignora grande parte dos processos inibitórios ○ Tem um enfoque principal na inferência da memoria explícita ○ Enfoque em estímulos que unem duas resposta diferentes ○ Falta de estudo sobre os processos ativos usados para minimizar a interferência
  52. 52. Razões para o esquecimentoSegundo Tulving (1974), há duas razões para o esquecimento:Esquecimento dependente do traçoAs informações não são mais armazenas na memóriaEsquecimento dependente de indíciosA informação está na memória mas não pode ser acessada
  53. 53. Esquecimento dependente de indícios● Dependem dos: ○ Indícios externos ■ Ex. Conversa na durante a apresentação ○ Indícios Internos ■ Ex. Estado de humor● Porém não há indícios claros disso.● A memória de reconhecimento é melhor que a de recordação. Ex. Recordar o nome de um conhecido, quando alguem menciona lembramos.
  54. 54. Perguntas ?

×