O uso correto de talabartes duplos
O sistema individual de proteção de queda é formado por um dispositivo de ancoragem, um...
100% DO TEMPO CONECTADO
O talabarte duplo possibilita um deslocamen-
to onde o usuário permanece 100% do tem-
po conectado...
TIPO DO ABSORVEDOR DE ENERGIA
O absorvedor de impacto pode ser no formato de “pacote” onde a
fita especial rompe-se após u...
TALABARTE EM “Y”
Este modelo de talabarte possui um absorvedor de impacto co-
mum para as suas “2 pernas” e, para que func...
ALÇA DESTACÁVEL
Para que os riscos de ficar suspenso de forma inadequada e de
receber um impacto muito alto sejam eliminad...
É muito importante o trabalhador estar ciente deste risco, pois
a sensação de estar mais protegido conectado pelas duas “p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Uso do Talabarte

394 visualizações

Publicada em

Artigo técnico sobre o equipamento de proteção

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uso do Talabarte

  1. 1. O uso correto de talabartes duplos O sistema individual de proteção de queda é formado por um dispositivo de ancoragem, um dis- positivo de união e um cinturão paraquedista. O talabarte é um dispositivo de união dentro deste sistema e tem a função de conectar o trabalhador à estrutura ou servir de elo entre o cinturão para- quedista e um dispositivo de ancoragem. Por: Marcos Amazonas, Gerente Técnico | Trabalho em Altura | Honeywell Produtos de Segurança.  FIGURA 1 - Sistema pessoal de proteção de queda O TALABARTE DENTRO DO SISTEMA
  2. 2. 100% DO TEMPO CONECTADO O talabarte duplo possibilita um deslocamen- to onde o usuário permanece 100% do tem- po conectado a um dispositivo de ancoragem alternando sua conexão em pontos de anco- ragem dispostos de forma planejada. Isso au- menta a segurança do trabalhador, diferente de um talabarte simples, onde seria neces- sário soltar-se de um ponto para conectar-se ao próximo, expondo o usuário a um risco de queda momentâneo, o que é inaceitável! TALABARTES “Y” e “V” Identificando melhor o talabarte duplo, apare- cem algumas peculiaridades do equipamento, que devem ser entendidas para que não se- jam criados novos riscos de trabalho. Existem dois tipos de talabartes duplos: Em “Y” e em “V”conforme ilustrações das figuras 4 e 5 res- pectivamente. Representação dos talabartes “Y” e “V” FIGURA 4 FIGURA 5 TALABARTES SIMPLES E DUPLOS Os talabartes dividem-se em dois modelos com relação à sua estrutura: os simples e os duplos. Os simples são utilizados em situações onde o trabalhador não terá de soltar-se de um dispositivo de ancoragem para se conectar a outro. Ele ficará no mes- mo lugar, como em uma PTA (Plataforma de Trabalho Aéreo) ou conectar-se a um dispositivo móvel de ancoragem, em uma linha de vida horizontal, que o acompanha- rá onde existir o risco de queda de altura. O talabarte duplo é utilizado em situações em que exista a necessidade de deslocamento por estruturas, sem uma linha de vida ou através de pontos fixos de ancoragem. Figura 2 - Talabarte Simples Figura 3 - Talabarte Duplo
  3. 3. TIPO DO ABSORVEDOR DE ENERGIA O absorvedor de impacto pode ser no formato de “pacote” onde a fita especial rompe-se após uma queda gerando um mecanismo de desaceleração. Em alguns produtos esse efeito pode ser alcan- çado durante o rasgamento da costura em fitas tradicionais, em outras situações a absorção de energia se dá em fitas especiais produzidas para esta finalidade. Em ambas as tecnologias o rom- pimento ocorre de forma controlada até que o usuário atinja a inér- cia. O talabarte com absorvedor de pacote pode ser nos modelos “Y”(1 “pacote”) ou em “V”(2 “pacotes”). Outra tecnologia disponível no mercado consiste na inserção do absorvedor de energia dentro de uma fita tubular conforme ilustrado na figura 13. Este modelo é obrigatoriamente em “V”, pois o absorvedor de impacto faz parte das próprias pernas dos talabartes. Em breve é possível que sur- jam outras alternativas técnicas no mercado. “PERNAS” DO TALABARTE O talabarte duplo obrigatóriamente possui 3 pontas. Uma que deve ser conectada ao elemento de engate de retenção de queda do cin- turão paraquedista e que fica no vértice do “Y” ou do “V” e as outras duas, que podem ser identificadas como “pernas” do talabarte a se- rem conectadas a um dispositivo de ancoragem.Aqui também é utili- zada uma terminologia que facilita o entendimento da estrutura do ta- labarte e que pode ser identificado como uma utilização equivocada gerando riscos desnecessários. Isso acontece quando o trabalhador, conecta uma das pernas no seu cinturão e a outra na ancoragem dei- xando livre o vértice do “Y” ou do “V”. Quando utilizado desta maneira o talabarte passa a ter o dobro do seu tamanho, comprometendo a sua funcionalidade. Para quem está acostumado, isso parece im- possível de acontecer! No entanto, trata-se de um risco existente e merece um alerta! 6kN O dispositivo de união (neste caso o talabarte) é o componente do sistema individual de proteção de queda, responsável pela ab- sorção do impacto. O valor aceitável a ser recebido pelo corpo da pessoa, que também é repassado ao dispositivo de ancoragem é de 6kN. Esse pode variar de país para país em função das diferen- tes normas internacionais vigentes. É o absorvedor que irá defor- mar-se de forma projetada, para reduzir a força dentro do mínimo espaço de frenagem. A falta de um absorvedor de impacto pode gerar forças muito superiores a 6kN. A matéria prima do talabarte pode resistir ao alto impacto gerado pela queda sem um absor- vedor, porém, o ser humano não suporta. No Brasil, é proibida a utilização de talabartes sem absovedor de impacto para retenção de queda a menos que a aplicação seja especifica para trabalhos de posicionamento. FIGURA 6 - Representação de um talabarte em “V” sem “pacote”. FIGURA 7 - Risco de utilização errada do talabarte.
  4. 4. TALABARTE EM “Y” Este modelo de talabarte possui um absorvedor de impacto co- mum para as suas “2 pernas” e, para que funcione corretamen- te, atente-se a alguns detalhes que devem ser respeitados: Em muitas situações, o trabalhador tem uma das “pernas” do talabarte conectado à estrutura e a outra fica livre, fixada em algum ponto do cinturão para que não o incomode. Aqui está o maior problema: esta “perna” livre acaba por ser conectada em alguma parte estrutural do cinturão, assim como nas argolas (elementos de engate) de posicionamento ou nas fitas estru- turais do cinturão. Caso venha a ocorrer uma queda, o absor- vedor de energia pode não abrir-se por completo, o que afeta diretamente sua performance. Também pode fazer com que o trabalhador fique suspenso pelo ponto do cinturão onde a “per- na” foi fixada, deixando-o em uma péssima posição à espera de um resgate. Veja que a abertura do absorvedor de energia (ver figura 9) pode ser maior do que a “perna” do talabarte e em caso de queda sua eficiência será comprometida caso seja feito um mal uso do ta- labarte. Devido a este fato, existem novos requisitos de norma, na Europa e nos Estados Unidos, que ensaiam os talabartes conectados por duas “pernas” de forma a identificar se existe a possibilidade de haver o rasgamento no vértice do produto, que pode causar a falha do talabarte. A forma correta de evitar este risco é fixar esta “perna”, que não está conectada à um ponto de ancoragem, em um local específico para isso, por exemplo a um porta-talabarte destacável ou alça destacável. FIGURA 8 Representação dos talabartes “Y” e “V” FIGURA 9 - A abertura do absorve- dor pode ser maior do que a “perna” do talabarte. 1x 1,5x CERTO CERTOERRADO Norma Queda livre máxima Comprimento máximo do talabarte Comprimento mínimo do talabarte Força de pico máxima para retenção de queda Abertura máxima do absorvedor de impacto NBR 14629 e NBR 15834 4m 2m Não existe requisito 6kN 1,75m TABELA 1 Requisitos de norma para talabartes de retenção de queda
  5. 5. ALÇA DESTACÁVEL Para que os riscos de ficar suspenso de forma inadequada e de receber um impacto muito alto sejam eliminados, foi desenvol- vido pela Honeywell um ponto específico para porta-talabartes. Esta alça destacável não tem resistência para mais do que al- guns quilos e se for acionada solta-se facilmente do cinturão. A alça destacável também protege o trabalhador quando a “perna” conectada ao cinturão (ou mesmo as duas quando não estiver trabalhando em altura) venha a engatar-se acidentalmente em alguma saliência. TALABARTES EM “V” Este modelo de talabate possui um absorvedor de impacto para cada “perna”, ou seja, dois absorvedores. Uma das vantagens deste modelo é que ele possui uma amplitude maior de alcance quando comparado ao modelo em “Y”, o que gera uma autono- mia maior ao trabalhador. O risco neste caso pode ocorrer quando a pessoa está conecta- da às duas “pernas” de forma simultânea, ou seja, dois absorve- dores de impacto. Foi visto acima que um absorvedor é projeta- do para refletir na pessoa um impacto em torno de 6 kN. Então, se dois absorvedores de energia forem solicitados por apenas uma pessoa, irão repassar um impacto mais alto. Em algum mo- mento, durante um deslocamento, o trabalhador terá que ficar conectado as duas “pernas” do talabarte em “V” e deverá estar ciente deste risco e não manter-se nesta situação. O talabarte em “V” não tem limitações com relação a conexão da perna livre no cinturão, uma vez que cada perna possui seu próprio absorvedor de impacto funcionando de forma indepen- dente. FIGURA 10 – Um modelo de porta talabarte destacável. FIGURA 11 – Talabartes “Y e “V” com mesmo comprimento e ampli- tudes diferentes. FIGURA 12 - Forma certa e errada de se utilizar o talabarte em “V” CERTO ERRADO
  6. 6. É muito importante o trabalhador estar ciente deste risco, pois a sensação de estar mais protegido conectado pelas duas “per- nas” não é verdadeira neste modelo de equipamento. Não é possível identificar qual é o melhor modelo para cada realidade de trabalho. O importante é conhecer as características de cada um dos modelos e com isso identificar o mais adequado à de- manda da sua empresa. A Honeywell está pronta para auxiliar na escolha do equipamento correto e também para auxiliar na cultura de segurança, com informações técnicas e suporte. Honeywell, protegemos mais que um trabalhador, estamos protegendo uma vida. FIGURA 13 - Modelo de talabarte em “V”, onde os absorvedores de impacto ficam dentro da fita tubular das “pernas”. BIBLIOGRAFIA • ANSI/ASSE Z359.13-2009 Personal Energy Absorbers and Energy Absorbing Lanyards. • BS 8513:2009 Personal fall protection equipment – Twin-legged energy-absorbing lanyards – Specification. • BS 8437:2005 Code of practice for selection, use and maintenance of personal fall protection systems and equip- ment for use in the workplace. • WAHSA Technical Guidance Note 4 “Guidance on the use of single and twin energy absorbing lanyards”

×