SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Colégio Souza Leão
Recife – Agosto de 2015
Gêneros textuais - 01
• Júlio Henrique
• Larissa Amorim
• Maria Júlia
• Matheus Phelipe
• Vinícius Aurides
• 3ª série A – Ensino Médio
• Prof. Diógenes Afonso
Integrantes:
Turma:
Orientador:
1.Receita
2.E-mail
3.Carta do leitor
4.Crônica
5.Dissertação argumentativa
6.Considerações finais
• De inicio, são textos que utilizam a norma culta da língua além de serem claros e objetivos. Podemos
caracterizar textos desse gênero como injuntivos, ou seja, enunciam informações instrucionais a qual sua
construção verbal geralmente é apresentada na forma imperativa (ordenando o receptor a realizar uma
determinada sequência de ações). Em alguns casos, o infinitivo entra em cena e substitui o modo imperativo.
Exemplo:
Adicione 300 ml de trigo Adicionar 300 ml de trigo
• Pode ser apresentado basicamente em três partes: título, ingredientes necessários para o processo e como fazer
todo o processo obtendo seu produto final.
Ingredientes: apresenta substantivos concretos e numerais indicando quantidade.
Como fazer: indica palavras que devem ser seguidas de forma precisa (dizem o que querem dizer) com o acréscimo
de instruções que desenvolvem todo o processo.
O gênero textual receita não aborda somente o preparo de alimentos, podendo atuar com a mesma estrutura na
confecção de objetos por exemplo.
Basicamente apresenta: Título, Ingredientes e modo de fazer.
Título
Ingredientes
Modo de
preparo
Verbos
conjugados
no
imperativo
Forma culta
da língua,
clara e
objetiva
Indicação da
quantidade
referida a cada
ingrediente
http://vovopalmirinha.com.br/?receitas=pernil-natalino
Cuidado Com O Menino! – Capítulo 1
[...]
Sopa de menino
Ingredientes
(para servir um lobo faminto)
Um menino (de tamanho médio)
Um caldeirão de ferro bem grande
Uma tonelada de batatas
Um montão de cebolas
Uma tina de rabanetes
Uma carroça cheia de cenouras
Balas de frutas
Um poço cheio de água
Um barril de tijolos
Uma colher de pedreiro
Modo de fazer
1. Primeiro, pegue o menino.
2. Lave-o bem, principalmente atrás das orelhas.
3. Coloque-o firmemente dentro do caldeirão de
ferro.
4. Acrescente água, batatas, cebolas, rabanetes,
cenouras e mais as balas de frutas para temperar.
5. Sente-se no barril de tijolos e mexa bem, até
quinta-feira, usando a colher de pedreiro.
[...]
• Apresenta particularidades bem distintas mesmo se assemelhando a outros como a carta. Em tradução livre, tal termo
significa “mensagem eletrônica”, tal gênero é bastante emergente nos dias de hoje com a maior inclusão de pessoas à
tecnologia. Sua linguagem geralmente é padrão à normal culta. Entretanto, por se tratar de um meio virtual e do grau de
intimidade entre ambas as partes (quem produz e quem recebe), a linguagem pode apresentar traços de informalidade.
• Apresenta estruturas padrões como: Vocativo, texto, despedida e assinatura. Tal estrutura apresenta graus de variações
dependendo do grau de formalidade e/ou do destinatário.
• A situação a qual é estabelecida entre os interlocutores determina a variação da linguagem.
• Apresenta curtos parágrafos objetivando um texto claro e objetivo para o receptor.
• Tal gênero ainda apresenta um endereço virtual (atua como uma espécie de identificação e é obrigatório) representado
esquematicamente a seguir:
fulano@provedor.com
1. Nome do
usuário
2. Significa “em”. Informa ao
sistema o nome de usuário ao
referido domínio.
3. Refere-se a
empresa
prestadora do
serviço (domínio)
4. Com: Comercial
1
2
3
4
Título da
mensagem
Mensagem
caracterizada pela
norma culta da língua.
Vocativo, texto curto,
claro e objetivo,
despedida e assinatura
do emissor
Endereço de e-
mail do
destinatário
Outros recursos que
podem ser
incrementados a
mensagem como:
Imagens, arquivos, links
e etc.
Obs: O destinatário também recebe informações temporais (data e hora)
Em 30 de julho de 2015 20:40, Fernanda escreveu:
Giovanna,
Eu nem acredito que vc passou todas as suas férias longe de mim!!!!!!
Você aproveitou bastante todos os momentos e acredito que nem tenha ficado chateada quando acabou
a luz na casa da sua colega né? rs Você sabe nadar bem? Quem te levou lá pro fundão na praia?
Adorei saber como foram suas férias... As minhas foram boas tbm, mas não consegui aproveitar tanto
como você, o Enem está chegando né. Quero ver meu nome na lista dos aprovados. #FeraENEM
Bjoes
Fernanda
• O gênero é executado por leitores que tecem comentários sobre determinado assunto, enriquecendo a matéria
com informações adicionais, opiniões e elogios ao corpo de edição. Em contrapartida, observamos um
levantamento de argumentos, duvidas e críticas (não em todos eles) a cerca da equipe editora da matéria. Este
gênero geralmente é encontrado em revistas e jornais, tanto no meio físico quanto virtual.
• Mas por que estes, revistas e jornais, destinam um espaço exclusivo para a publicação de cartas desses leitores?
A resposta é simples: É uma estratégia bastante eficiente. As informações fornecidas por partes dos leitores
acabam gerando adaptações e aprimoramentos utilizados pelos editores a fim de agradar a opinião pública.
• Geralmente os textos são elaborados na 1ª pessoa, também podendo ir para a 3ª.
Exemplo:
“Olá Jornal X,
Eu venho comunicar minha opinião acerca...”
• Apresenta estruturas padrões de uma carta como: data, título, vocativo, texto exprimindo ponto de vista,
despedida, assinatura e em alguns casos, a localização do leitor.
• Obs: Nem sempre as cartas dos leitores são destinadas a um assunto contido no jornal/revista. O texto pode
abordar um tema recorrente da sociedade como a violência, por exemplo.
“Olá Jornal X,
Nós, Recifenses, viemos comunicar nossa opinião acerca...”
Texto
referindo-se a
uma matéria
da revista
Texto redigido na forma
culta da língua
Exposição de seu ponto
de vista sobre o
bullying.
Título
Nome do emissor da
mensagem, localização e
data
• É um gênero onde o escritor irá desenvolver uma serie de fatos históricos ou de temas atuais, fundamentados no âmbito
cronológico. O texto promove uma reflexão e interpretação dos fatos abrangendo fatos do dia a dia, ou algo não tão
relevante, por exemplo. É um gênero construído de forma informal. Os textos podem ser escritos na 1ª e 3ª pessoa,
apresentando marcas da subjetividade pois o texto é redigido de acordo com a ótica do autor.
• É encontrado em jornais , revistas e textos literários.
• Apresenta um discurso direto, indireto ou misto.
Exemplos
Você falou bem de mim pra ele, André? – Perguntou Mariana. / Mariana perguntou para André se ele tinha falado bem dela
para ele. / Mariana pergunta para André algo. Você falou bem de mim pra ele? Ela estava angustiada.
• Pode fazer uso da ironia, duplos sentidos, jogos de palavras, conotações, fatos reais e etc.
As crônicas podem ser: Jornalísticas, históricas, narrativas, líricas, descritivas e etc.
Apresenta como padrão uma estrutura que contém: Introdução, argumentos e conclusão.
A luta e a lição!
Texto redigido de forma
informal, não
preocupando-se com
dados técnicos
Retratação de fatos reais,
apresentando quando e
onde o fato ocorre
Apresenta sua visão
própria em relação ao
fato
Título
Apresenta uma reflexão
geral e universal para os
leitores.
Os anos passaram e o marido de Marisa já não mais morria de ciúmes. Até que um dia
descobriu num canto da lavanderia, rosas vermelhas com um cartão: Amo você. Assinado:
“Reginaldo”.
Reginaldo? O vizinho? O vizinho está enviando flores para minha esposa? Cretino!
João ficou desesperado. Chegava cedo do trabalho e procurava nas gavetas por alguma carta,
por algum sinal de adultério.
Um dia encontrou o vizinho na rua e avançou com o punho fechado. O homem correu para sua
casa, mas João, furioso, foi atrás dele. Reginaldo colocou a chave na fechadura, enquanto repetia:
- Você não entende... não é como você pensa, vizinho. João nem escutou e lhe deu vários socos
no nariz.
A irmã de Marisa ligou preocupada: “Encontrei sua vizinha fofoqueira, a Ritinha, e ela falou que
seu marido sabe que você tem um amante.”
Marisa, feliz, confessou: “Querida, paguei R$1.000 ao vizinho desempregado para que mandasse
flores, e mais R$ 2.000 para a cirurgia, mas valeu cada centavo. Meu marido me ama
novamente.”
Rosas
- Isabel F. Furini
ISSO É MUITA SABEDORIA
Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um
último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o
amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e
procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços
inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de
imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes,
nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma
surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor
concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem
melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um
amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer.
Clarice Lispector
Preciso voltar ao mercado de trabalho!
Por que me puseram para fora? Por qual razão o desemprego bateu à minha porta?
O que fiz para merecer isso? Será que vai demorar muito a aparecer uma
oportunidade? Então, que surja logo, meu Deus!
Contas chegam sem parar. Água, luz, condomínio, cartões, impostos... São tantos,
sem tê-los como honrar. E agora, não tenho mais unhas para roer, nem cabelos para
arrancar de minha cabeça que não para de pensar numa saída.
Saída e a única coisa que busco neste momento. Palavra com hiato, acentuada, que
significa uma escapatória. Assim define-se saída. O desemprego parece um hiato na
nossa carreira, nas nossas pretensões. Parece muito mais longo do que imaginamos.
Sentimos nas dificuldades que passamos e na angústia que sentimos que se trata de
uma pausa nada agradável e salutar. Ou pode ser?
[...]
Jornal do leitor(crônicas) – Por Carlos Delano Rebouças
• É um gênero textual a qual presenciamos a fusão entra a dissertação e argumentação. De grosso modo explanando, a
dissertação é responsável pela explicação sobre um determinado assunto, bastante aplicado nos meios informacionais.
Quanto a argumentação, vemos a inserção de seu ponto de vista e a elaboração da persuasão, tentando convencer o leitor do
texto sobre determinada(o) atitude/posicionamento do assunto. Tal fusão ocasiona um texto desenvolvido a fim de explicar
um acontecimento/tema e ao mesmo tempo convencer o leitor a mudar suas opiniões e até mesmo suas práticas.
• Os textos são redigidos na forma culta da língua. São proferidos na 3ª pessoa.
• Apresentam ideias claras e objetivas, um posicionamento por parte do autor e uma proposta de intervenção.
• Apresenta as seguintes estruturas: Introdução, desenvolvimento e sua conclusão – todos apresentando parágrafos.
Introdução: Retrata o tema da maneira mais geral possível, apresentando-o afim de despertar a atenção do leitor. Apropria-se de
vários recursos como as perguntas (as quais serão respondidas ao longo do texto), estabelecimento de seu raciocínio diante o
assunto que será “desenrolado” diante as outras estruturas e etc. O fundamental aqui é ser o mais claro e direto possível,
alimentando o desejo de se continuar a ler (o leitor).
Desenvolvimento: Aqui o autor irá reforçar o seu posicionamento, já existente na introdução. Diante o assunto, desenvolverá sua
tese de forma consciente com suas devidas justificativas. Deverá ser claro e objetivo. O objetivo aqui é não gerar duvida alguma
em relação aos seus argumentos defendidos para quem recebe a mensagem, promovendo meios que convençam-no de que sua
tese está correta, sendo assim, persuadindo-o.
Conclusão: Aqui o autor deve concluir todas as suas ideias de modo que nenhuma tenha gerado reflexões ambíguas. Inicia-se a
possível solução para o tema abordado, a chamada proposta de intervenção. A proposta deve abranger todo o Estado em
relação as estruturas sociais e politicas. Pode haver a sintetização dos principais argumentos abordados no texto. Cabe ao autor
verificar se seu encerramento resultou em alguma contradição com alguma ideia a qual foi abordada durante sua obra.
Parágrafo: Está visível em toda a obra. Pode ser formado por vários períodos e seu tamanho varia. Cada parágrafo deve estar
conectado aos outros em relação a tese elaborada – geralmente, essa ligação é dada por meio de conectivos e pronomes. Tais
parágrafos podem exibir ideias secundárias as quais devem estar ligadas a uma ideia geral, chamada de ideia-núcleo.
Matheus Phelipe, 17 anos – Recife
O governo federal, visando reduzir os números de acidentes de trânsito e a fim de conscientizar a população sobre o uso de
bebidas alcoólicas por parte dos motoristas, promoveu a implantação da Lei Seca. Tal medida acarreta na prisão de motoristas
que apresentem altas quantidades de álcool em seu organismo.
Os acidentes de trânsito estão se tornando cada vez mais frequentes. Apesar da Lei Seca ter reduzido esse número,
observamos mais uma vez o tratamento do efeito e não da causa. Um motorista que bebe ao ser preso, dificilmente deixará de
ingerir tais bebidas. Outro fato é de que o sistema prisional é um local inapropriado para uma pessoa que deveria mudar seus
hábitos já que apresenta diversas fragilidades, tornando-se um local de aprendizado de maus hábitos.
A Lei Seca se torna desproporcional por punir um indivíduo que passou toda a noite bebendo na mesma dose que um cidadão
que bebeu um copo de vinho de forma casual, por exemplo. O sistema não deveria voltar-se para aqueles que realmente
precisam mudar suas práticas? Na teoria, sim. Porém não funciona conforme a mesma.
Com o advento da intensa campanha publicitária e com o aprimoramento da fiscalização, a lei consegue reduzir o número de
acidentes apesar deles ainda existirem. A Lei já existe, para se tornar completamente funcional, é necessária a mudança das
práticas dos motoristas e não somente suas prisões. É cabível ao Estado a reestruturação da lei – implementando novos recursos
de abrangência que sejam destinados à educação dos condutores.
É de conhecimento geral que o Brasil, em seu estado atual [atualmente], é um país laico, ou seja, ocupa uma posição
neutra no campo religioso. Isso leva [permite que] diversas pessoas a manifestarem [manifestem] suas crenças ou até
mesmo suas descrenças [sua descrença], que é o ateísmo. Contudo, esse direito leva algumas pessoas que dizem ser
religiosas a conflituarem [entrar em conflito] com pessoas de outra religião, devido a [à] falta de respeito que uma tem
[umas têm] com a outra [as outras].
Em consequência disso, vê-se a todo instante, por exemplo, casos de pessoas de outras crenças sendo contra as religiões
afro-brasileiras, o candomblé. Essa contraposição chega a tomar rumos violentos, não somente nesse caso, mas também
em outras situações que vão de insultos à violência física.
As críticas de crentes e descrentes é [são] um direito e deve ser respeitado [devem ser respeitadas]. Entretanto, a
violência verbal e/ou física contra aqueles que praticam certa religião é, de fato, extrema ignorância, o que passa a ser
crime.
Em vista dos argumentos apresentados, faz-se necessário a criação de uma lei de proteção religiosa em que cada crença
mereça ser igualmente valorizada como todas as outras religiões. Além disso, aqueles que entram em determinada seita,
primeiramente devem ser mostrados as religiões existentes e, logo em seguida, serem orientados que deve existir
respeito mútuo entre elas.
Nota: 3,5 – Redação sem título
http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/redacao/sem-titulo-078.jhtm
[Introdução]
Muito se discute acerca dos limites que devem ser impostos à publicidade e propaganda no Brasil - sobretudo em
relação ao público infantil. Com o advento do meio técnico-científico informacional, as crianças são inseridas de
maneira cada vez mais precoce ao consumismo imposto por uma economia capitalista globalizada - a qual preconiza
flexibilidade de produção, adequando-se às mais diversas demandas. Faz-se necessário, portanto, uma preparação
específica voltada para esse jovem público, a fim de tornar tal transição saudável e gerar futuros consumidores
conscientes.
[Fragmento de desenvolvimento – Primeiro parágrafo]
Um aspecto a ser considerado remete à evolução tecnológica vivenciada nas últimas décadas. Os carrinhos e
bonecas deram lugar aos "smartphones", videogames e outros aparatos que revolucionaram a infância das atuais
gerações. Logo, tornou-se essencial a produção de um marketing voltado especialmente para esse consumidor mirim
- objetivando cativá-lo por meio de músicas, personagens e outras estratégias persuasivas. Tal fator é corroborado
com a criação de programas e até mesmo canais voltados para crianças (como Disney, Cartoon Network e Discovery
Kids), expandindo o conceito de Indústria Cultural (defendido por filósofos como Theodor Adorno) - o qual aborda o
uso dos meios de comunicação de massa com fins propagandísticos.
Juan Costa da Costa, 16 anos – Belém do Pará
• Receita
http://pedagogiaaopedaletra.com/sequencia-didatica-com-o-genero-textual-receita-culinaria/
http://blogereceita.blogspot.com.br/
http://www.todamateria.com.br/generos-textuais/
http://loucosportecnologias.blogspot.com.br/2013/08/genero-textual-receitas-culinarias.html
• E-mail:
http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/e-mail-mais-genero-ensinar-garotada-702972.shtml
http://www.estudopratico.com.br/generos-textuais/
http://www.brasilescola.com/redacao/um-genero-textual-meio-eletronico.htm
• Carta do Leitor:
http://lbganbarros.blogspot.com.br/2011/10/o-genero-textual-carta-do-leitor-o-que.html
http://praticasescrita.blogspot.com.br/2011/05/carta-de-leitor-contexto-jornalistico.html
http://lousamagica.blogspot.com.br/2012/08/carta-ao-leitor-editorial.html
Crônica:
http://www.escolakids.com/caracteristicas-da-cronica.htm
http://www.brasilescola.com/redacao/cronica.htm
http://cmais.com.br/aloescola/literatura/cronicas/caracteristicas.htm
Dissertação argumentativa:
https://www.algosobre.com.br/redacao/texto-dissertativo-argumentativo.html
http://pt.slideshare.net/ChristianeFLQueiroz/dissertao-argumentativa
http://www.brasilescola.com/redacao/as-partes-redacao.htm
http://www.mundovestibular.com.br/articles/1416/1/O-QUE-E-DISSERTACAO/Paacutegina1.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humor na sala de aula (apresentação)
Humor na sala de aula (apresentação)Humor na sala de aula (apresentação)
Humor na sala de aula (apresentação)lscosta2007
 
Apostila cantando e_aprendendo
Apostila cantando e_aprendendoApostila cantando e_aprendendo
Apostila cantando e_aprendendodialogoeducacao
 
A apresentação toshiko
A  apresentação toshikoA  apresentação toshiko
A apresentação toshikotelasnorte1
 
Algomais.edição137.interarivo
Algomais.edição137.interarivoAlgomais.edição137.interarivo
Algomais.edição137.interarivoAlgomais
 
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura Instituto Uka
 
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...UNEB
 
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209Rosa Maria Ferreira Correa
 
Revista Boa Vontade, edição 211
Revista Boa Vontade, edição 211Revista Boa Vontade, edição 211
Revista Boa Vontade, edição 211Boa Vontade
 
Os textos de memória
Os textos de memóriaOs textos de memória
Os textos de memóriaPaula Angelo
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoFabiana Esteves
 
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...UNEB
 
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...UNEB
 

Mais procurados (19)

Carta
CartaCarta
Carta
 
Caderno port1 vol2
Caderno port1 vol2Caderno port1 vol2
Caderno port1 vol2
 
Resumo Tp4 Unid. 16
Resumo Tp4   Unid. 16Resumo Tp4   Unid. 16
Resumo Tp4 Unid. 16
 
Humor na sala de aula (apresentação)
Humor na sala de aula (apresentação)Humor na sala de aula (apresentação)
Humor na sala de aula (apresentação)
 
Resumo e resenha
Resumo e resenhaResumo e resenha
Resumo e resenha
 
Apostila cantando e_aprendendo
Apostila cantando e_aprendendoApostila cantando e_aprendendo
Apostila cantando e_aprendendo
 
A apresentação toshiko
A  apresentação toshikoA  apresentação toshiko
A apresentação toshiko
 
Algomais.edição137.interarivo
Algomais.edição137.interarivoAlgomais.edição137.interarivo
Algomais.edição137.interarivo
 
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
 
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...
O entre lugar feminino a metáfora da identidade da mulher no espaço bélico en...
 
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209
Processo seletivo-solido-2014-prova-2-ano-ensino-m5151209
 
Tga
TgaTga
Tga
 
Revista Boa Vontade, edição 211
Revista Boa Vontade, edição 211Revista Boa Vontade, edição 211
Revista Boa Vontade, edição 211
 
Os textos de memória
Os textos de memóriaOs textos de memória
Os textos de memória
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
 
A literatura e o mundo
A literatura e o mundoA literatura e o mundo
A literatura e o mundo
 
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...
Iracema, rita baiana e flor diálogos e metáforas de nação em iracema, de josé...
 
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
Metaficção historiográfica literatura, as narrações da história e o pobre lei...
 

Destaque (18)

Slidedaedna 090327115700-phpapp02
Slidedaedna 090327115700-phpapp02Slidedaedna 090327115700-phpapp02
Slidedaedna 090327115700-phpapp02
 
Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Luisdecames1
 
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literaturaTipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
 
A teoria dos gêneros
A teoria dos gênerosA teoria dos gêneros
A teoria dos gêneros
 
Tipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisTipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuais
 
Atos de fala e Gêneros textuais/discursivos: Uma breve discussão
Atos de fala e Gêneros textuais/discursivos: Uma breve discussãoAtos de fala e Gêneros textuais/discursivos: Uma breve discussão
Atos de fala e Gêneros textuais/discursivos: Uma breve discussão
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
 
Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Tipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisTipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuais
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Build Features, Not Apps
Build Features, Not AppsBuild Features, Not Apps
Build Features, Not Apps
 

Semelhante a Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)

Gêneros textuais 02 (3ª série - A)
Gêneros textuais   02 (3ª série - A)Gêneros textuais   02 (3ª série - A)
Gêneros textuais 02 (3ª série - A)Diógenes de Oliveira
 
Gêneros textuais 01 (3ª série - A)
Gêneros textuais   01 (3ª série - A)Gêneros textuais   01 (3ª série - A)
Gêneros textuais 01 (3ª série - A)Diógenes de Oliveira
 
coesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptxcoesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptxBerlaPaiva
 
port_2-_6o_ano_abc (1).pdf
port_2-_6o_ano_abc (1).pdfport_2-_6o_ano_abc (1).pdf
port_2-_6o_ano_abc (1).pdfSashaSteell
 
Gênero Textual Diário
Gênero Textual DiárioGênero Textual Diário
Gênero Textual DiárioJomari
 
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptx
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptxEducação de Jovens e Adultos - EJA .pptx
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptxJosGeraldoFaustinode
 
Apostila salvador site
Apostila salvador siteApostila salvador site
Apostila salvador siteRosi Dias
 
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdfNivea Neves
 
A carta pessoal e os gêneros digitais
A carta pessoal e os gêneros digitaisA carta pessoal e os gêneros digitais
A carta pessoal e os gêneros digitaisemmanuellecrbar
 
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013Blog jornal folha pg 18 edição out 2013
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013Zoraide Motta
 
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o FuturoCrônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o FuturoReginalda Silva
 
Paulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naoPaulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naotonyesther
 

Semelhante a Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a) (20)

Gêneros textuais 02 (3ª série - A)
Gêneros textuais   02 (3ª série - A)Gêneros textuais   02 (3ª série - A)
Gêneros textuais 02 (3ª série - A)
 
Gêneros textuais 01 (3ª série - A)
Gêneros textuais   01 (3ª série - A)Gêneros textuais   01 (3ª série - A)
Gêneros textuais 01 (3ª série - A)
 
Carta pessoal
Carta pessoalCarta pessoal
Carta pessoal
 
coesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptxcoesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptx
 
port_2-_6o_ano_abc (1).pdf
port_2-_6o_ano_abc (1).pdfport_2-_6o_ano_abc (1).pdf
port_2-_6o_ano_abc (1).pdf
 
Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3
 
Gênero Textual Diário
Gênero Textual DiárioGênero Textual Diário
Gênero Textual Diário
 
NEJA MÓDULO 03 LCT
NEJA MÓDULO 03 LCTNEJA MÓDULO 03 LCT
NEJA MÓDULO 03 LCT
 
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptx
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptxEducação de Jovens e Adultos - EJA .pptx
Educação de Jovens e Adultos - EJA .pptx
 
Apostila salvador site
Apostila salvador siteApostila salvador site
Apostila salvador site
 
Diario
DiarioDiario
Diario
 
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf
3ºBIMESTRE-BLOCO 5- 26-07 a20-08-2021-8º ANO B.pdf
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
A carta pessoal e os gêneros digitais
A carta pessoal e os gêneros digitaisA carta pessoal e os gêneros digitais
A carta pessoal e os gêneros digitais
 
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013Blog jornal folha pg 18 edição out 2013
Blog jornal folha pg 18 edição out 2013
 
Csr news
Csr news Csr news
Csr news
 
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o FuturoCrônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Crônicas para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
 
Apresentação Sorocaba
Apresentação SorocabaApresentação Sorocaba
Apresentação Sorocaba
 
Apresentação Sorocaba
Apresentação SorocabaApresentação Sorocaba
Apresentação Sorocaba
 
Paulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naoPaulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia nao
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaMatheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaMatheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaMatheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisMatheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoMatheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)

  • 1. Colégio Souza Leão Recife – Agosto de 2015 Gêneros textuais - 01
  • 2. • Júlio Henrique • Larissa Amorim • Maria Júlia • Matheus Phelipe • Vinícius Aurides • 3ª série A – Ensino Médio • Prof. Diógenes Afonso Integrantes: Turma: Orientador:
  • 4. • De inicio, são textos que utilizam a norma culta da língua além de serem claros e objetivos. Podemos caracterizar textos desse gênero como injuntivos, ou seja, enunciam informações instrucionais a qual sua construção verbal geralmente é apresentada na forma imperativa (ordenando o receptor a realizar uma determinada sequência de ações). Em alguns casos, o infinitivo entra em cena e substitui o modo imperativo. Exemplo: Adicione 300 ml de trigo Adicionar 300 ml de trigo • Pode ser apresentado basicamente em três partes: título, ingredientes necessários para o processo e como fazer todo o processo obtendo seu produto final. Ingredientes: apresenta substantivos concretos e numerais indicando quantidade. Como fazer: indica palavras que devem ser seguidas de forma precisa (dizem o que querem dizer) com o acréscimo de instruções que desenvolvem todo o processo. O gênero textual receita não aborda somente o preparo de alimentos, podendo atuar com a mesma estrutura na confecção de objetos por exemplo.
  • 5. Basicamente apresenta: Título, Ingredientes e modo de fazer. Título Ingredientes Modo de preparo Verbos conjugados no imperativo Forma culta da língua, clara e objetiva Indicação da quantidade referida a cada ingrediente
  • 7. Cuidado Com O Menino! – Capítulo 1 [...] Sopa de menino Ingredientes (para servir um lobo faminto) Um menino (de tamanho médio) Um caldeirão de ferro bem grande Uma tonelada de batatas Um montão de cebolas Uma tina de rabanetes Uma carroça cheia de cenouras Balas de frutas Um poço cheio de água Um barril de tijolos Uma colher de pedreiro Modo de fazer 1. Primeiro, pegue o menino. 2. Lave-o bem, principalmente atrás das orelhas. 3. Coloque-o firmemente dentro do caldeirão de ferro. 4. Acrescente água, batatas, cebolas, rabanetes, cenouras e mais as balas de frutas para temperar. 5. Sente-se no barril de tijolos e mexa bem, até quinta-feira, usando a colher de pedreiro. [...]
  • 8.
  • 9. • Apresenta particularidades bem distintas mesmo se assemelhando a outros como a carta. Em tradução livre, tal termo significa “mensagem eletrônica”, tal gênero é bastante emergente nos dias de hoje com a maior inclusão de pessoas à tecnologia. Sua linguagem geralmente é padrão à normal culta. Entretanto, por se tratar de um meio virtual e do grau de intimidade entre ambas as partes (quem produz e quem recebe), a linguagem pode apresentar traços de informalidade. • Apresenta estruturas padrões como: Vocativo, texto, despedida e assinatura. Tal estrutura apresenta graus de variações dependendo do grau de formalidade e/ou do destinatário. • A situação a qual é estabelecida entre os interlocutores determina a variação da linguagem. • Apresenta curtos parágrafos objetivando um texto claro e objetivo para o receptor. • Tal gênero ainda apresenta um endereço virtual (atua como uma espécie de identificação e é obrigatório) representado esquematicamente a seguir: fulano@provedor.com 1. Nome do usuário 2. Significa “em”. Informa ao sistema o nome de usuário ao referido domínio. 3. Refere-se a empresa prestadora do serviço (domínio) 4. Com: Comercial 1 2 3 4
  • 10. Título da mensagem Mensagem caracterizada pela norma culta da língua. Vocativo, texto curto, claro e objetivo, despedida e assinatura do emissor Endereço de e- mail do destinatário Outros recursos que podem ser incrementados a mensagem como: Imagens, arquivos, links e etc. Obs: O destinatário também recebe informações temporais (data e hora)
  • 11. Em 30 de julho de 2015 20:40, Fernanda escreveu: Giovanna, Eu nem acredito que vc passou todas as suas férias longe de mim!!!!!! Você aproveitou bastante todos os momentos e acredito que nem tenha ficado chateada quando acabou a luz na casa da sua colega né? rs Você sabe nadar bem? Quem te levou lá pro fundão na praia? Adorei saber como foram suas férias... As minhas foram boas tbm, mas não consegui aproveitar tanto como você, o Enem está chegando né. Quero ver meu nome na lista dos aprovados. #FeraENEM Bjoes Fernanda
  • 12.
  • 13.
  • 14. • O gênero é executado por leitores que tecem comentários sobre determinado assunto, enriquecendo a matéria com informações adicionais, opiniões e elogios ao corpo de edição. Em contrapartida, observamos um levantamento de argumentos, duvidas e críticas (não em todos eles) a cerca da equipe editora da matéria. Este gênero geralmente é encontrado em revistas e jornais, tanto no meio físico quanto virtual. • Mas por que estes, revistas e jornais, destinam um espaço exclusivo para a publicação de cartas desses leitores? A resposta é simples: É uma estratégia bastante eficiente. As informações fornecidas por partes dos leitores acabam gerando adaptações e aprimoramentos utilizados pelos editores a fim de agradar a opinião pública. • Geralmente os textos são elaborados na 1ª pessoa, também podendo ir para a 3ª. Exemplo: “Olá Jornal X, Eu venho comunicar minha opinião acerca...” • Apresenta estruturas padrões de uma carta como: data, título, vocativo, texto exprimindo ponto de vista, despedida, assinatura e em alguns casos, a localização do leitor. • Obs: Nem sempre as cartas dos leitores são destinadas a um assunto contido no jornal/revista. O texto pode abordar um tema recorrente da sociedade como a violência, por exemplo. “Olá Jornal X, Nós, Recifenses, viemos comunicar nossa opinião acerca...”
  • 15. Texto referindo-se a uma matéria da revista Texto redigido na forma culta da língua Exposição de seu ponto de vista sobre o bullying. Título Nome do emissor da mensagem, localização e data
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. • É um gênero onde o escritor irá desenvolver uma serie de fatos históricos ou de temas atuais, fundamentados no âmbito cronológico. O texto promove uma reflexão e interpretação dos fatos abrangendo fatos do dia a dia, ou algo não tão relevante, por exemplo. É um gênero construído de forma informal. Os textos podem ser escritos na 1ª e 3ª pessoa, apresentando marcas da subjetividade pois o texto é redigido de acordo com a ótica do autor. • É encontrado em jornais , revistas e textos literários. • Apresenta um discurso direto, indireto ou misto. Exemplos Você falou bem de mim pra ele, André? – Perguntou Mariana. / Mariana perguntou para André se ele tinha falado bem dela para ele. / Mariana pergunta para André algo. Você falou bem de mim pra ele? Ela estava angustiada. • Pode fazer uso da ironia, duplos sentidos, jogos de palavras, conotações, fatos reais e etc. As crônicas podem ser: Jornalísticas, históricas, narrativas, líricas, descritivas e etc. Apresenta como padrão uma estrutura que contém: Introdução, argumentos e conclusão.
  • 20. A luta e a lição! Texto redigido de forma informal, não preocupando-se com dados técnicos Retratação de fatos reais, apresentando quando e onde o fato ocorre Apresenta sua visão própria em relação ao fato Título Apresenta uma reflexão geral e universal para os leitores.
  • 21. Os anos passaram e o marido de Marisa já não mais morria de ciúmes. Até que um dia descobriu num canto da lavanderia, rosas vermelhas com um cartão: Amo você. Assinado: “Reginaldo”. Reginaldo? O vizinho? O vizinho está enviando flores para minha esposa? Cretino! João ficou desesperado. Chegava cedo do trabalho e procurava nas gavetas por alguma carta, por algum sinal de adultério. Um dia encontrou o vizinho na rua e avançou com o punho fechado. O homem correu para sua casa, mas João, furioso, foi atrás dele. Reginaldo colocou a chave na fechadura, enquanto repetia: - Você não entende... não é como você pensa, vizinho. João nem escutou e lhe deu vários socos no nariz. A irmã de Marisa ligou preocupada: “Encontrei sua vizinha fofoqueira, a Ritinha, e ela falou que seu marido sabe que você tem um amante.” Marisa, feliz, confessou: “Querida, paguei R$1.000 ao vizinho desempregado para que mandasse flores, e mais R$ 2.000 para a cirurgia, mas valeu cada centavo. Meu marido me ama novamente.” Rosas - Isabel F. Furini
  • 22. ISSO É MUITA SABEDORIA Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer. Clarice Lispector
  • 23. Preciso voltar ao mercado de trabalho! Por que me puseram para fora? Por qual razão o desemprego bateu à minha porta? O que fiz para merecer isso? Será que vai demorar muito a aparecer uma oportunidade? Então, que surja logo, meu Deus! Contas chegam sem parar. Água, luz, condomínio, cartões, impostos... São tantos, sem tê-los como honrar. E agora, não tenho mais unhas para roer, nem cabelos para arrancar de minha cabeça que não para de pensar numa saída. Saída e a única coisa que busco neste momento. Palavra com hiato, acentuada, que significa uma escapatória. Assim define-se saída. O desemprego parece um hiato na nossa carreira, nas nossas pretensões. Parece muito mais longo do que imaginamos. Sentimos nas dificuldades que passamos e na angústia que sentimos que se trata de uma pausa nada agradável e salutar. Ou pode ser? [...] Jornal do leitor(crônicas) – Por Carlos Delano Rebouças
  • 24. • É um gênero textual a qual presenciamos a fusão entra a dissertação e argumentação. De grosso modo explanando, a dissertação é responsável pela explicação sobre um determinado assunto, bastante aplicado nos meios informacionais. Quanto a argumentação, vemos a inserção de seu ponto de vista e a elaboração da persuasão, tentando convencer o leitor do texto sobre determinada(o) atitude/posicionamento do assunto. Tal fusão ocasiona um texto desenvolvido a fim de explicar um acontecimento/tema e ao mesmo tempo convencer o leitor a mudar suas opiniões e até mesmo suas práticas. • Os textos são redigidos na forma culta da língua. São proferidos na 3ª pessoa. • Apresentam ideias claras e objetivas, um posicionamento por parte do autor e uma proposta de intervenção. • Apresenta as seguintes estruturas: Introdução, desenvolvimento e sua conclusão – todos apresentando parágrafos. Introdução: Retrata o tema da maneira mais geral possível, apresentando-o afim de despertar a atenção do leitor. Apropria-se de vários recursos como as perguntas (as quais serão respondidas ao longo do texto), estabelecimento de seu raciocínio diante o assunto que será “desenrolado” diante as outras estruturas e etc. O fundamental aqui é ser o mais claro e direto possível, alimentando o desejo de se continuar a ler (o leitor). Desenvolvimento: Aqui o autor irá reforçar o seu posicionamento, já existente na introdução. Diante o assunto, desenvolverá sua tese de forma consciente com suas devidas justificativas. Deverá ser claro e objetivo. O objetivo aqui é não gerar duvida alguma em relação aos seus argumentos defendidos para quem recebe a mensagem, promovendo meios que convençam-no de que sua tese está correta, sendo assim, persuadindo-o.
  • 25. Conclusão: Aqui o autor deve concluir todas as suas ideias de modo que nenhuma tenha gerado reflexões ambíguas. Inicia-se a possível solução para o tema abordado, a chamada proposta de intervenção. A proposta deve abranger todo o Estado em relação as estruturas sociais e politicas. Pode haver a sintetização dos principais argumentos abordados no texto. Cabe ao autor verificar se seu encerramento resultou em alguma contradição com alguma ideia a qual foi abordada durante sua obra. Parágrafo: Está visível em toda a obra. Pode ser formado por vários períodos e seu tamanho varia. Cada parágrafo deve estar conectado aos outros em relação a tese elaborada – geralmente, essa ligação é dada por meio de conectivos e pronomes. Tais parágrafos podem exibir ideias secundárias as quais devem estar ligadas a uma ideia geral, chamada de ideia-núcleo.
  • 26. Matheus Phelipe, 17 anos – Recife O governo federal, visando reduzir os números de acidentes de trânsito e a fim de conscientizar a população sobre o uso de bebidas alcoólicas por parte dos motoristas, promoveu a implantação da Lei Seca. Tal medida acarreta na prisão de motoristas que apresentem altas quantidades de álcool em seu organismo. Os acidentes de trânsito estão se tornando cada vez mais frequentes. Apesar da Lei Seca ter reduzido esse número, observamos mais uma vez o tratamento do efeito e não da causa. Um motorista que bebe ao ser preso, dificilmente deixará de ingerir tais bebidas. Outro fato é de que o sistema prisional é um local inapropriado para uma pessoa que deveria mudar seus hábitos já que apresenta diversas fragilidades, tornando-se um local de aprendizado de maus hábitos. A Lei Seca se torna desproporcional por punir um indivíduo que passou toda a noite bebendo na mesma dose que um cidadão que bebeu um copo de vinho de forma casual, por exemplo. O sistema não deveria voltar-se para aqueles que realmente precisam mudar suas práticas? Na teoria, sim. Porém não funciona conforme a mesma. Com o advento da intensa campanha publicitária e com o aprimoramento da fiscalização, a lei consegue reduzir o número de acidentes apesar deles ainda existirem. A Lei já existe, para se tornar completamente funcional, é necessária a mudança das práticas dos motoristas e não somente suas prisões. É cabível ao Estado a reestruturação da lei – implementando novos recursos de abrangência que sejam destinados à educação dos condutores.
  • 27. É de conhecimento geral que o Brasil, em seu estado atual [atualmente], é um país laico, ou seja, ocupa uma posição neutra no campo religioso. Isso leva [permite que] diversas pessoas a manifestarem [manifestem] suas crenças ou até mesmo suas descrenças [sua descrença], que é o ateísmo. Contudo, esse direito leva algumas pessoas que dizem ser religiosas a conflituarem [entrar em conflito] com pessoas de outra religião, devido a [à] falta de respeito que uma tem [umas têm] com a outra [as outras]. Em consequência disso, vê-se a todo instante, por exemplo, casos de pessoas de outras crenças sendo contra as religiões afro-brasileiras, o candomblé. Essa contraposição chega a tomar rumos violentos, não somente nesse caso, mas também em outras situações que vão de insultos à violência física. As críticas de crentes e descrentes é [são] um direito e deve ser respeitado [devem ser respeitadas]. Entretanto, a violência verbal e/ou física contra aqueles que praticam certa religião é, de fato, extrema ignorância, o que passa a ser crime. Em vista dos argumentos apresentados, faz-se necessário a criação de uma lei de proteção religiosa em que cada crença mereça ser igualmente valorizada como todas as outras religiões. Além disso, aqueles que entram em determinada seita, primeiramente devem ser mostrados as religiões existentes e, logo em seguida, serem orientados que deve existir respeito mútuo entre elas. Nota: 3,5 – Redação sem título http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/redacao/sem-titulo-078.jhtm
  • 28. [Introdução] Muito se discute acerca dos limites que devem ser impostos à publicidade e propaganda no Brasil - sobretudo em relação ao público infantil. Com o advento do meio técnico-científico informacional, as crianças são inseridas de maneira cada vez mais precoce ao consumismo imposto por uma economia capitalista globalizada - a qual preconiza flexibilidade de produção, adequando-se às mais diversas demandas. Faz-se necessário, portanto, uma preparação específica voltada para esse jovem público, a fim de tornar tal transição saudável e gerar futuros consumidores conscientes. [Fragmento de desenvolvimento – Primeiro parágrafo] Um aspecto a ser considerado remete à evolução tecnológica vivenciada nas últimas décadas. Os carrinhos e bonecas deram lugar aos "smartphones", videogames e outros aparatos que revolucionaram a infância das atuais gerações. Logo, tornou-se essencial a produção de um marketing voltado especialmente para esse consumidor mirim - objetivando cativá-lo por meio de músicas, personagens e outras estratégias persuasivas. Tal fator é corroborado com a criação de programas e até mesmo canais voltados para crianças (como Disney, Cartoon Network e Discovery Kids), expandindo o conceito de Indústria Cultural (defendido por filósofos como Theodor Adorno) - o qual aborda o uso dos meios de comunicação de massa com fins propagandísticos. Juan Costa da Costa, 16 anos – Belém do Pará
  • 29. • Receita http://pedagogiaaopedaletra.com/sequencia-didatica-com-o-genero-textual-receita-culinaria/ http://blogereceita.blogspot.com.br/ http://www.todamateria.com.br/generos-textuais/ http://loucosportecnologias.blogspot.com.br/2013/08/genero-textual-receitas-culinarias.html • E-mail: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/e-mail-mais-genero-ensinar-garotada-702972.shtml http://www.estudopratico.com.br/generos-textuais/ http://www.brasilescola.com/redacao/um-genero-textual-meio-eletronico.htm • Carta do Leitor: http://lbganbarros.blogspot.com.br/2011/10/o-genero-textual-carta-do-leitor-o-que.html http://praticasescrita.blogspot.com.br/2011/05/carta-de-leitor-contexto-jornalistico.html http://lousamagica.blogspot.com.br/2012/08/carta-ao-leitor-editorial.html Crônica: http://www.escolakids.com/caracteristicas-da-cronica.htm http://www.brasilescola.com/redacao/cronica.htm http://cmais.com.br/aloescola/literatura/cronicas/caracteristicas.htm Dissertação argumentativa: https://www.algosobre.com.br/redacao/texto-dissertativo-argumentativo.html http://pt.slideshare.net/ChristianeFLQueiroz/dissertao-argumentativa http://www.brasilescola.com/redacao/as-partes-redacao.htm http://www.mundovestibular.com.br/articles/1416/1/O-QUE-E-DISSERTACAO/Paacutegina1.html