COIMBRA, SEMPRE ELA, <br />                 SEMPRE BELA!<br />
COIMBRA Coimbra é uma cidade portuguesa banhada pelo rio Mondego, foi o berço de nascimento de seis reis de Portugal e da ...
A história escreveu-se com sonoridades celtas até ao séc. II AC, século marcado pela chegada dos romanos.<br />
Ruínas romanas de Conímbriga<br />Aeminium- nome romano de Coimbra –O seu centro vital emanava do fórum, construído sobre ...
Entre 586 e 640, os visigodos, sob os reinados de: Recaredo, Liuva II, Sisebuto e Chintila conduziriam novamente a cidade,...
Em 711, os mouros entraram na Península, Coimbra transformou-se sob o domínio árabe em uma cidade mourisca e moçárabe: Alm...
Em 871 tornou-se Condado de Coimbra, mas apenas em 1064 a cidade foi definitivamente reconquistada por Fernando Magno de L...
Em 1129, o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, tornou Coimbra a capital, substituindo Guimarães, para viabiliza...
No século XII, Coimbra apresentava uma estrutura urbana, dividida entre a cidade alta:Alta ou Almedina, onde viviam os ari...
e a Baixa, do comércio, do artesanato e dos bairros ribeirinhos.<br />
Em Coimbra reuniam-se as Cortes, em 1385. João das Regras levou ao trono D. João I - Mestre de Avis.<br />
Coimbra é uma cidade românticaOs amores proibidos do rei D. Pedro e Inês de Castro é um dos seus episódios mais marcantes....
Nos Lusíadas, Camões imortalizou o amor de Pedro e Inês:“Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo doce...
O Românico e o Gótico viriam a erguer em Coimbra construções de inegável beleza: Sé Velha, Santiago, S. Salvador, Santa Cl...
Coimbra “Cidade dos estudantes” ou “Lusa-AtenasA Universidade de CoimbraUma das mais antigas e prestigiadas universidades ...
Após uma itinerância atribulada entre Lisboa e Coimbra durante os séculos XIII e XIV, a universidade viria a estabelecer-s...
Na década de 40 do século XX, uma parte da história de Coimbra foi irremediavelmente amputada com a  destruição quase comp...
Jardim Botânico<br />
Festas AcadémicasLatada: ou a Festa das Latas e imposição das insígnias: No início do ano escolar, para dar as boas vindas...
Queima das Fitas<br />No início do mês de Maio, começando na noite de quinta-feira para sexta-feira com a Serenata Monumen...
É a maior festa estudantil de toda a Europa e tem a duração de 9 dias, um dia para cada faculdade da universidade:Letras, ...
Fado de CoimbraA palavra fado vem do latim fatum, ou seja, &quot;destino&quot;. Ligado às tradições académicas da Universi...
A afinação pretende transmitir à música uma sonoridade mais soturna e a técnica de execução é diferente a fim de projectar...
Festa da Rainha Santa IsabelFeriado municipal em  4 de Julho<br />
Igreja de Stº António dos Olivais<br />
Jardim da Manga<br />
Arco de Almedina<br />Arco<br /> de <br />Almedina<br />
Quebra-Costas<br />
Livraria Almedina<br />
Praça do Comércio<br />
A casa onde morava minha mãe-1ª à esq. ao lado do cipreste<br />
Despedimo-nos, até outro dia…<br />
Temas musicais: 1ºROMANCE Nº1, de Carlos Paredes (1968)Guitarra: Bruno CostaViola: Nuno Botelho2ºCOIMBRACoro dos Antigos O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coimbra, Sempre Ela, Sempre Bela!!

3.107 visualizações

Publicada em

Coimbra - Fotos e Apontamentos históricos

Publicada em: Educação, Turismo, Negócios
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
146
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coimbra, Sempre Ela, Sempre Bela!!

  1. 1. COIMBRA, SEMPRE ELA, <br /> SEMPRE BELA!<br />
  2. 2. COIMBRA Coimbra é uma cidade portuguesa banhada pelo rio Mondego, foi o berço de nascimento de seis reis de Portugal e da Primeira Dinastia, assim como da primeira Universidade do país e uma das mais antigas da Europa.<br />
  3. 3. A história escreveu-se com sonoridades celtas até ao séc. II AC, século marcado pela chegada dos romanos.<br />
  4. 4. Ruínas romanas de Conímbriga<br />Aeminium- nome romano de Coimbra –O seu centro vital emanava do fórum, construído sobre uma plataforma que assentava num magnífico criptopórtico - sob o actual Museu Nacional Machado de Castro.Com o aumento da sua importância passou aser sede de Diocese, substituindo a cidade romana de Conímbriga, a qual derivou o seunovo nome.<br />
  5. 5. Entre 586 e 640, os visigodos, sob os reinados de: Recaredo, Liuva II, Sisebuto e Chintila conduziriam novamente a cidade, agora Emínio, ao equilíbrio e prosperidade<br />
  6. 6. Em 711, os mouros entraram na Península, Coimbra transformou-se sob o domínio árabe em uma cidade mourisca e moçárabe: Almedina era o nome da cidade dentro das muralhas, quando chegou o tempo da Reco<br />.<br />
  7. 7. Em 871 tornou-se Condado de Coimbra, mas apenas em 1064 a cidade foi definitivamente reconquistada por Fernando Magno de Leão.<br />
  8. 8. Em 1129, o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, tornou Coimbra a capital, substituindo Guimarães, para viabilizar a independência do novo país.<br />Em 1255, a capital passou a ser Lisboa<br />D. Afonso Henriques (1109-1185) - Fundador do Reino de Portugal - Está sepultado na Igreja de Santa Cruz<br />
  9. 9. No século XII, Coimbra apresentava uma estrutura urbana, dividida entre a cidade alta:Alta ou Almedina, onde viviam os aristocratas, os clérigos e, mais tarde, os estudantes, e a Baixa, do comércio, do artesanato e dos bairros ribeirinhos.<br />
  10. 10. e a Baixa, do comércio, do artesanato e dos bairros ribeirinhos.<br />
  11. 11. Em Coimbra reuniam-se as Cortes, em 1385. João das Regras levou ao trono D. João I - Mestre de Avis.<br />
  12. 12.
  13. 13. Coimbra é uma cidade românticaOs amores proibidos do rei D. Pedro e Inês de Castro é um dos seus episódios mais marcantes.A Quinta das Lágrimas foi o cenário dos amores proibidos de D. Pedro e Dona Inês de Castro, uma fidalga galega, dama de companhia da sua mulher Dona Constança. Segundo a lenda, foi na Quinta das Lágrimas que Dona Inês chorou pela última vez, enquanto era trespassada pelos punhais. As lágrimas então derramadas terão dado origem à Fonte das Lágrimas.<br />
  14. 14. Nos Lusíadas, Camões imortalizou o amor de Pedro e Inês:“Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo doce fruto, Naquele engano de alma, ledo e cego,Que a Fortuna não deixa durar muito, Nos saudosos campos de Mondego, De teus formosos olhos nunca enxuto, Aos montes ensinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas”<br />
  15. 15. O Românico e o Gótico viriam a erguer em Coimbra construções de inegável beleza: Sé Velha, Santiago, S. Salvador, Santa Clara-a-Velha.A Sé Velha, sagrada em 1184, testemunha ainda hoje o imaginário da Arte Românica. <br />
  16. 16. Coimbra “Cidade dos estudantes” ou “Lusa-AtenasA Universidade de CoimbraUma das mais antigas e prestigiadas universidades da Europa Herdeira do Estudo Geral solicitado ao Papa pelo Rei D. Dinis e por um conjunto de prelados portugueses em 1288, e que viria a obter confirmação pontifícia pela bula do Papa Nicolau IV, em 9 de Agosto de 1290, tendo-se estabelecido inicialmente em Lisboa.O Estudo Geral abrangia as faculdades de: Artes, Direito Canónico, Direito Civil e Medicina, Teologia.A Universidade recebeu os seus primeiros estatutos em 1309, com o nome Charta magna privilegiorum.<br />
  17. 17. Após uma itinerância atribulada entre Lisboa e Coimbra durante os séculos XIII e XIV, a universidade viria a estabelecer-se estavelmente em Coimbra em 1537, tendo o Rei D. João III cedido o próprio paço real para as instalações. Estas instalações foram adquiridas pela Universidade no reinado de Filipe I, sendo desde então conhecidas por Paço das Escolas.<br />
  18. 18. Na década de 40 do século XX, uma parte da história de Coimbra foi irremediavelmente amputada com a destruição quase completa da Alta para edificação dos novos edifícios universitários.Retiraram de Coimbra muito da sua história, da sua tradição, da sua poesia.<br />
  19. 19. Jardim Botânico<br />
  20. 20. Festas AcadémicasLatada: ou a Festa das Latas e imposição das insígnias: No início do ano escolar, para dar as boas vindas aos novos estudantes: caloiros ou novatos. As Latadas começaram no século XIX, quando os estudantes exprimiam a sua alegria pelo término do ano lectivo em Maio e usavam latas. A partir dos anos 50/60 as Latadas passaram a ocorrer no início do ano lectivo, coincidindo com a abertura da Universidade e a chegada da população escolar de férias. Actualmente os calouros vestem uma fantasia pessoal com as cores da sua faculdade ou a batina virada do avesso, transportando cartazes com legendas de conteúdo crítico, alusivos à vida escolar ou nacional. Os calouros seguem em duas filas paralelas, com os padrinhos que devem ter um comportamento digno de um estudante de Coimbra, dando o exemplo aos novatos que se estão a iniciar na Praxe Académica. No fim do cortejo nas ruas da cidade, os novos estudantes são baptizados no rio Mondego: &quot;Ego te baptizo in nomine solemnissima praxis&quot;<br />
  21. 21. Queima das Fitas<br />No início do mês de Maio, começando na noite de quinta-feira para sexta-feira com a Serenata Monumental nas escadas da Sé Velha. <br />
  22. 22. É a maior festa estudantil de toda a Europa e tem a duração de 9 dias, um dia para cada faculdade da universidade:Letras, Direito, Medicina, Ciências e Tecnologia, Farmácia, Economia, Psicologia e Ciências do Desporto e Educação Físicae antigos alunos.O aparecimento da Queima das Fitas começou em 1899 em Coimbra.Para os Quartanistas Fitados e Veteranos, marca a última jornada universitária, o derradeiro trajecto de vivência coimbrã. Programa tradicional da Queima de Fitas:Serenata Monumental, Sarau de Gala, Baile de Gala das Faculdades, Garraiada (Figueira da Foz), Venda da Pasta &quot;Queima&quot; do Grelo e Cortejo dos Quartanistas, Chá Dançante Noites do Parque.<br />
  23. 23. Fado de CoimbraA palavra fado vem do latim fatum, ou seja, &quot;destino&quot;. Ligado às tradições académicas da Universidade de Coimbra, é exclusivamente cantado por homens e tanto os cantores como os músicos usam o traje académico: calças e batina pretas, cobertas por capa de lã preta. Canta-se à noite, quase às escuras, em praças ou ruas da cidade. Os locais mais típicos são as escadarias do Mosteiro de Santa Cruz e da Sé Velha. Também é tradicional organizar serenatas.O fado de Coimbra é acompanhado igualmente por uma guitarra portuguesa e uma guitarra clássica, também chamada de “viola”.<br />
  24. 24. A afinação pretende transmitir à música uma sonoridade mais soturna e a técnica de execução é diferente a fim de projectar o som do instrumento nos espaços exteriores, que são o palco privilegiado deste fado Alguns dos mais conhecidos fados de Coimbra: Fado Hilário - Do Choupal até à Lapa - Balada da Despedida do 6º Ano Médico de 1958: “Coimbra tem mais encanto, na hora da despedida”- os primeiros versos, são mais conhecidos do que o título. O meu menino é d’oiro - SamaritanaCuriosamente, não é um fado de Coimbra, mas uma canção, o mais conhecido tema falando da cidade: Coimbra é uma lição..<br />
  25. 25. Festa da Rainha Santa IsabelFeriado municipal em 4 de Julho<br />
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28.
  29. 29.
  30. 30.
  31. 31. Igreja de Stº António dos Olivais<br />
  32. 32.
  33. 33. Jardim da Manga<br />
  34. 34.
  35. 35.
  36. 36.
  37. 37.
  38. 38.
  39. 39.
  40. 40. Arco de Almedina<br />Arco<br /> de <br />Almedina<br />
  41. 41. Quebra-Costas<br />
  42. 42.
  43. 43.
  44. 44.
  45. 45.
  46. 46. Livraria Almedina<br />
  47. 47.
  48. 48.
  49. 49.
  50. 50.
  51. 51.
  52. 52.
  53. 53.
  54. 54.
  55. 55.
  56. 56.
  57. 57.
  58. 58.
  59. 59.
  60. 60.
  61. 61.
  62. 62.
  63. 63.
  64. 64.
  65. 65. Praça do Comércio<br />
  66. 66.
  67. 67.
  68. 68. A casa onde morava minha mãe-1ª à esq. ao lado do cipreste<br />
  69. 69.
  70. 70.
  71. 71.
  72. 72.
  73. 73. Despedimo-nos, até outro dia…<br />
  74. 74. Temas musicais: 1ºROMANCE Nº1, de Carlos Paredes (1968)Guitarra: Bruno CostaViola: Nuno Botelho2ºCOIMBRACoro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra3ºBalada de Despedida do 6º ano Médico de 1958Música e letra de Fernando Machado SoaresIntérpretes: Nuno Silva, João Farinha e Coro dos Antigos Orfeonistas1ª guitarra: Octávio Sérgio2ª guitarra: Tiago Henriques da Cunhaviola: Luís Ferreirinha<br />

×