Autonomia das escolas

1.181 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.181
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autonomia das escolas

  1. 1. Autonomia das Escolas Autonomia ≠ Independência Definições baseadasem opiniões dos seguintesautores Barroso e Macedo:  Conceito relacional (sempre autónomos)  Autogoverno – regemsse por regras próprias  Liberdade de decição  Gerir  Orientar  Valor Intrínseco à organização  Campo de força  Auto-organização  Gestão das relações  Identidade própria Segundo Macedo: “a autonomia pressupõe auto-organização (…) que seja capaz de identificar e assim se diferenciar dos outros, isto só é possivel na inter-relação com os outros.” Este defende quea autonomia das escolas é algo que se constroi na inter-relação e não algo já adquirido. Barroso refere que o conceitode autonomia de escola englopa duas dimensões: 1. Jurídico-Administrativa(competência de tomada de decisões relativamente a áreas administrativa, pedagógica e financeira) 2. Socio-organizacional (consiste nas dependênciase interdependências) Característicasde reforçoda autonomia referidaspelo autor Barroso:  Indutiva  Diversificada  Progressiva  Sustentada  Compensada  Contratualizada  Avaliada
  2. 2. Autonomia e a sua concretização School based management (SBM) Definição: movimento descentralizador que dá à escola autonomia para a sua gestão, tendo sido considerado um reforço. Consequências: implica um aumento do poder de decisão na escola (financeiro, curricular e gestão de recursos), uma colaboração e um governo partilhado que promove o sucesso académico dos alunos. O SBM, segundo o autor Barroso implica também a descentralização e desburocratização, a partilha de decisões e o aumento da influência dos pais. Wohlstetter e Mohman: A descentralização deve abordar quatro vertentes: 1. Poder 2. Conhecimento 3. Informação 4. Recompensa Barroso salienta “(…) que a gestão da escola deve ser uma gestão adequada às características organizativas de uma escola.” Deste modo, “considera que autonomia da escola deve ser construída e não decretada”. Para o autor, a autonomia “é o resultado do equilibrio de forças numa escola entre os diversos detentores de influência. A autonomia da escola pressupõe a autonomia dos seus autores.” Projecto educativo expressão de identificação da escola Decreto de lei 43/89 menciona que a autonomia na escola é concretizada tendo por base a construção de um projecto educativo, este projecto terá um papel preponderante na concretização da autonomia das escolas. Contudo este não é sinónimo de autonomia, mas uma forma de exprimi-la. Projecto educativo deve levar a escola à: 1. Identificação e relação com o meio em que está inserida; 2. Resposta das necessidades reais. (onde estamos? Quem somos?) 3. Expressão da sua identidade Considerações finais:
  3. 3. Em suma, citando o Professor João Barroso, podemos constactar que a autonomia da escola “tem de partir da própria dinâmica da escola na construção da sua identidade”, portanto “a concepção da autonomia de escola tem que ter em conta a diversidade (…) mas deve ser adequada as diferentes situações existentes”. Referências bibliográfias:  http://rmoura.tripod.com/autonomia.htm Anexo: Fonte: http://celianefarias.blogspot.com/2009_12_01_archive.html Trabalho realizadopor:  Ana Freitas  Maria Pestana

×