O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão

752 visualizações

Publicada em

Tópicos para reflexão sobre o ideal humanista e o conceito de herói ao longo do poema.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão

  1. 1. De Luís Vaz de Camões Professora: Margarida Tomaz
  2. 2.  O que é um herói segundo a visão clássica: Indivíduo excepcional, que se destaca do vulgo, pelo seu carácter e formação superior e pela sua capacidade de acção, de superação de obstáculos, de luta contra as adversidades, em prol de um bem comum. Este é também o conceito de herói presente em Os Lusíadas, que recebe o prémio na Ilha do Amores, o prémio do reconhecimento pelas divindades, a glorificação, prémio que se dá com a coroação dos heróis com coroas de louro, pela via do amor e do acesso a conhecimento privilegiado, ao contactarem com ninfas, ao usufruírem dos prazeres comensais oferecidos por Vénus, e ao acederem à visão da máquina do mundo e ao conhecimento de profecias proferidas por Thétis a Vasco da Gama.
  3. 3.  Este herói, indivíduo excepcional, busca a fama através do “ouro puro”, enquanto metáfora do Bem e da verdadeira fama que deve mover o Homem e opõe-se a todo aquele que procura conquistar a fama através de objetivos egoístas e materialistas.  Devemos então distinguir dois conceitos de fama: a fama que se alcança pelo caminho da virtude, e a fama vã que se conquista em nome de valores materialistas, esta última criticada pelo poeta e pelo Velho do Restelo.
  4. 4.  O herói medieval que se realiza no plano terreno e que corresponde ao ideal cavaleiresco: destaca-se na luta pela expansão da fé, combate contra os infiéis e a conquista de territórios aos mouros – exemplo de Nuno Álvares Pereira  O herói renascentista: aquele que valoriza a ação e as artes, aquele que parte em busca do conhecimento, na luta contra a natureza adversa – Vasco da Gama
  5. 5.  A capacidade de enfrentar e de lutar contra as adversidades, na luta pelo desvendar do conhecimento – o esforço  A virtude moral e a cultura pelas artes, formação privilegiada pela genealogia linhagista – a cultura, as artes
  6. 6.  A defesa de um modelo: a realização do homem completa-se na conciliação entre os planos da ação e o caminho da virtude, o caminho da Fama em prol do Bem comum.  A crítica de Camões incide naqueles que correm atrás da fama vã, que se deixam mover por valores materialistas e egoístas, crítica que encontramos também no Velho do Restelo.
  7. 7. Síntese dos assuntos narrados e Estâncias onde podemos encontrar a Voz crítica do Poeta
  8. 8.  Proposição  Invocação  Dedicatória  Início da narração in media res  Consílio dos deuses  Chegada a Melinde – pedido do rei de Melinde  A Voz do Poeta: “grandes e gravíssimos perigos” que ameaçam o homem, tanto no mar como em terra (Canto I, est. 106)
  9. 9.  Relato de Vasco da Gama: descrição da Europa  História de Luso a Viriato;  Referência ao conde D. Henrique e à formação da nacionalidade  1ª dinastia: D. Afonso Henriques, D. Sancho I, D. Afonso III, D. Dinis, D. Afonso IV, D. Pedro I e D. Fernando
  10. 10.  Feitos da 2ª dinastia: D. João I, D. Duarte, D. Afonso V, D. João II e D. Manuel  Discurso de Nuno Álvares Pereira  Sonho profético de D. Manuel  Despedidas de Belém  Discurso do Velho do Restelo
  11. 11.  Narração da viagem desde Lisboa a Melinde  Episódio do gigante Adamastor e conclusão da narração ao rei de Melinde  A Voz do Poeta: o poeta denuncia o desprezo dos portugueses pelas Artes e pelas Letras, uma vez que esta situação prenuncia alguns sinais de decadência nacional (est. 92-100)
  12. 12.  Despedida de Melinde e viagem para a Índia  Tempestade A voz do Poeta: o valor das honras e da glória alcançadas por mérito próprio (est. 95-99) “Por meio destes hórridos perigos, Destes trabalhos graves e temores, Alcançam os que são de fama amigos As honras imortais e graus maiores” (est. 95)
  13. 13.  Chegada à Índia:  Visita de Vasco da Gama ao Samorim  Visita do Catual às naus  A Voz do Poeta: o poeta denuncia a ausência de um sentimento patriótico, aliado à luta pelo bem coletivo, sentindo-se ele próprio vítima da ingratidão (est. 78-87)
  14. 14.  Partindo do significado das figuras das bandeiras, Paulo da Gama fala ao Catual de outras figuras da História de Portugal: Luso, Viriato, Afonso Henriques…  A Voz do Poeta: o dinheiro, o poder do ouro e a ambição corrompem o povo, os reis e mesmo os sacerdotes (est. 96-99)
  15. 15.  Viagem de regresso dos portugueses  A ilha dos Amores  A Voz do Poeta: Condenação da cobiça, da ambição e da tirania e conselhos aos que aspiram a alcançar a condição de herói, o que implica a conquista do espaço e a conquista do elemento feminino, representado na ilha de Vénus (est. 92-95)
  16. 16.  A máquina do mundo – na ilha dos amores  Exortação a D. Sebastião e vaticínio de glórias futuras para os portugueses  A Voz do Poeta: lamentações do Poeta – denúncia da decadência da Pátria, renovação dos apelos já feitos ao rei na dedicatória, incentivando-o a tomar medidas que reponham o país na senda do êxito e da glória, apelando à valorização da experiência, um valor a preservar (est. 145-156)

×