R E A L I S M O   F R A N C Ê S Jordana, Rayane, Karl
<ul><li>Movimento plástico e literário, surgido em França em meados do século XIX, cuja influência se estendeu a numerosos...
<ul><li>Com freqüência, retoma temas e gêneros que o Romantismo já havia promovido como tais (paisagem, retrato, cenas pop...
<ul><li>No contexto francês, o realismo tem uma influência decisiva do ponto de vista ideológico e político, já que as sua...
<ul><li>Esta corrente encontra um terreno de eleição na criação literária da segunda metade do século XIX, desenvolvendo u...
<ul><li>Nas Conferências Democráticas (1871), Eça de Queirós, grande representante dos princípios do romance realista, def...
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rayane, Jordana, Karl

956 visualizações

Publicada em

trabalho de literatura, colégio São José

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rayane, Jordana, Karl

  1. 1. R E A L I S M O F R A N C Ê S Jordana, Rayane, Karl
  2. 2. <ul><li>Movimento plástico e literário, surgido em França em meados do século XIX, cuja influência se estendeu a numerosos países europeus. Em parte, prolonga o legado do Romantismo (considerando-se mesmo, sob uma perspectiva mais abrangente, que o realismo faz parte da época cultural romântica, abalada, nos seus alicerces, apenas pelo modernismo), embora radicalizando algumas das suas características e negando outras. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Com freqüência, retoma temas e gêneros que o Romantismo já havia promovido como tais (paisagem, retrato, cenas populares ou de interiores), muito embora lhes subtraia a carga de idealismo e heroicização. Por outro lado, o realismo prolonga a ruptura com o academismo (recusando a representação de temas, alegorias, heróis míticos, quadros históricos...), ao propor uma arte crua, despojada de artifícios, versista (que pretende retratar o real tal como ele é), partindo de temas de contornos sociais. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>No contexto francês, o realismo tem uma influência decisiva do ponto de vista ideológico e político, já que as suas propostas confinam, não raras vezes, com um sentido de denúncia social e ética, tal como se pode verificar na obra dos pintores Courbet (influenciado pela ideologia socialista), Daumier e Millet. Ao realismo associa-se igualmente a idéia de natureza, mas, novamente, desprovida da carga simbólica e sublime que os românticos lhe haviam atribuído. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Esta corrente encontra um terreno de eleição na criação literária da segunda metade do século XIX, desenvolvendo uma escrita que privilegia a descrição minuciosa e desapaixonada das personagens e das situações. A França foi pioneira na constituição do realismo como escola literária, com escritores como Stendhal, Flaubert e Balzac. Em Portugal, a primeira afirmação do novo movimento artístico deu-se com a Questão Coimbrã, em 1865. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Nas Conferências Democráticas (1871), Eça de Queirós, grande representante dos princípios do romance realista, defendia o realismo como a nova expressão artística, adequada à função de análise crítica que cabia à literatura. O realismo concretizou-se de diferentes formas em outros países europeus, sendo um dos casos mais específicos o da Rússia, com Tolstoi e Dostoievski. Na seqüência do realismo, desenvolveu-se a escola naturalista. </li></ul>

×