Olavo Bilac

4.896 visualizações

Publicada em

Trabalho de literatura de Samira

Publicada em: Turismo, Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.896
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
113
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Olavo Bilac

  1. 1. Olavo Bilac
  2. 2. Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac <ul><li>Filho de Brás Martins dos Guimarães Bilac e de Delfina Belmira dos Guimarães Bilac, nasceu dia 16 de dezembro de 1865 no Rio de Janeiro, e morreu dia 28 de dezembro de 1918. </li></ul><ul><li>foi jornalista e poeta brasileiro e membro fundador da Academia Brasileira de Letras. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Após o término da educação, iniciou o curso de Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, que não chegou a concluir. Tentou, então, a Faculdade de Direito de São Paulo que também não concluiu. </li></ul><ul><li>De volta ao Rio de Janeiro, passou a dedicar-se à literatura. Começou a trabalhar no jornal A Cidade de Rio, ao lado de José do Patrocínio. Neste jornal, conseguiu ser indicado correspondente em Paris no ano de 1890. De volta no ano seguinte, iniciou o romance O esqueleto, em colaboração com Pardal Mallet, que foi publicado no jornal Gazeta de Notícias em forma de folhetins e sob o pseudônimo de Vítor Leal . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A publicação de Poesias, em 1888 rendeu-lhe a consagração. Dentre outros escritos de Bilac, destacam-se: </li></ul><ul><li>Crônicas e Novelas. </li></ul>
  5. 5. Fotos
  6. 7. Obras <ul><ul><ul><ul><ul><li>Uma de suas obras foi a poesia: </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Ao coração que sofre </li></ul><ul><li>Ao coração que sofre, separado </li></ul><ul><li>Do teu, no exílio em que a chorar me vejo, Não basta o afeto simples e sagrado Com que das desventuras me protejo. Não me basta saber que sou amado, Nem só desejo o teu amor: desejo Ter nos braços teu corpo delicado, Ter na boca a doçura de teu beijo. E as justas ambições que me consomem Não me envergonham: pois maior baixeza Não há que a terra pelo céu trocar; E mais eleva o coração de um homem Ser de homem sempre e, na maior pureza, Ficar na terra e humanamente amar. </li></ul>
  7. 8. Bibliografia <ul><li>http://www.secrel.com.br/jpoesia/bilac.html </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Olavo_Bilac </li></ul>
  8. 9. Aluna: <ul><li>Samira C.Basi </li></ul>

×