





É o romance da ambigüidade, narrado em terceira pessoa,
pelo Conselheiro Aires. Pedro e Paulo seriam “os dois lad...




A narrativa machadiana vem entrecortada de fatos
políticos da história do Brasil: a abolição da
escravatura, em 1888...
* AÇÃO

O núcleo central do romance gira em torno da rivalidade entre os
dois gêmeos, sendo de fundamental importância aq...
* LUGAR
 A história se desenvolve na cidade do Rio de
Janeiro, com diversas referências a localidades
ainda hoje existent...
De acordo com a tipologia de Norman Friedman, o modo de
apresentação do romance é ONISCIÊNCIA DO AUTOREDITOR.
“O narrador ...
Este narrador também interfere na história, fazendo
comentários ao longo dela.
“O que a senhora deseja, amiga minha, é che...
De acordo com a tipologia de Wolfgang Kayser, o
romance pode ser considerado um ROMANCE
DE AÇÃO OU DE ACONTECIMENTO.
“Roma...






“E. M. Forster distingue as personagens romanescas em duas
espécies fundamentais: as personagens desenhadas ou pl...
 Conselheiro Aires

Ocupa o centro de toda a narrativa, dada a sua
importância no romance como guia espiritual dos
gêmeo...
 Pedro e Paulo

São os gêmeos que dão nome ao livro (Esaú e Jacó).
Caracteriza-os uma rivalidade que remonta ao ventre
m...
A dupla Pedro-Paulo é também um meio de
Machado pôr a vivo a situação política dos fins
do século XIX, em que igualmente e...
 Flora
 É uma personagem que atravessa a sua
curta existência sem perturbar ninguém,
sem nenhuma manifestação de naturez...
 Natividade e Santos

São os pais dos gêmeos. Ela, esposa dedicada e mãe
extremada, que não hesita em se expor em favor ...
 D. Cláudia e Batista


São os pais de Flora. D. Cláudia é o retrato
da mulher forte, que subjuga o marido
fraco. A fraq...






É o que está explícito no próprio título do livro: Esaú e
Jacó, figuras bíblicas que rotulam o romance, filhos de...
Fidelidade na descrição de situações e personagens
A verdade dos fatos é uma das principais preocupações
realistas. Ser fi...
Gosto pela análise
A análise é uma característica básica na ficção realista,
principalmente a análise psicológica. Nesta o...
Objetividade e impessoalidade
Essa é uma característica que reflete a época do
cientificismo, da precisão, da observação. ...


Narrativa lenta e pormenorizada
Se a grande preocupação do escritor realista é
com a análise, claro está que o seu proc...




As implicações freudianas são claras: o Complexo
de Édipo revelado na adoração da mãe faz com
que se lancem um contr...




Ao nomear seu livro como Esaú e Jacó, é
possível estabelecer-se logo de partida
uma intertextualidade entre a narrat...










AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da
Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984.
ASSIS, M. Esaú e Jac...
Slide   e..(1)
Slide   e..(1)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slide e..(1)

480 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Slide e..(1)

  1. 1.    É o romance da ambigüidade, narrado em terceira pessoa, pelo Conselheiro Aires. Pedro e Paulo seriam “os dois lados da verdade”. À medida que vão crescendo, os irmãos começam a definir seus temperamentos diversos: são rivais em tudo. Paulo é impulsivo, arrebatado, Pedro é dissimulado e conservador, o que vem a ser motivo de brigas entre os dois. Já adultos, a causa principal de suas divergências passa a ser de ordem política: Paulo é republicano e Pedro monarquista. Estamos em plena época da Proclamação da República, quando decorre a ação do romance. Até em seus amores, os gêmeos são competitivos. Flora, a moça de quem ambos gostam, se entretém com um e outro, sem se decidir por nenhum dos dois: é retraída, modesta, e seu temperamento avesso a festas e alegrias.
  2. 2.   A narrativa machadiana vem entrecortada de fatos políticos da história do Brasil: a abolição da escravatura, em 1888, vem aí mencionada opacamente, mas servindo para Paulo tecer considerações nitidamente de sentido republicano “A abolição é a aurora da liberdade; esperemos o sol; emancipado o preto, resta emancipar o branco” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 55). Queda do império e instauração da República, século XIX.
  3. 3. * AÇÃO  O núcleo central do romance gira em torno da rivalidade entre os dois gêmeos, sendo de fundamental importância aqui também a presença de Flora.  Pedro e Paulo, os gêmeos, filhos de Natividade e Santos, nascem sob o signo de uma profecia: seriam rivais na vida, mas estavam fadados à grandeza: “cousas futuras” - como previu a cabocla do Castelo. “— Coisas futuras! murmurou finalmente a cabocla. — Mas, coisas feias? — Oh! não! não! Coisas bonitas, coisas futuras! — Mas isso não basta; diga-me o resto. Esta senhora é minha irmã e de segredo, mas se é preciso sair, ela sai; eu fico, diga-me a mim só... Serão felizes? — Sim. — Serão grandes? — Serão grandes, oh! grandes! Deus há de dar-lhes muitos benefícios. Eles hão de subir, subir, subir...” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 12).
  4. 4. * LUGAR  A história se desenvolve na cidade do Rio de Janeiro, com diversas referências a localidades ainda hoje existentes, como o Morro do Castelo (hoje Esplanada do Castelo), Botafogo, Andaraí e outras. Mas no fim do romance, a ação se desloca, durante algum tempo, para Petrópolis. * TEMPO  Flashbacks;  Tempo Intratextual;  Tempo Cronológico.
  5. 5. De acordo com a tipologia de Norman Friedman, o modo de apresentação do romance é ONISCIÊNCIA DO AUTOREDITOR. “O narrador comporta-se como em deus em seu universo ficcional: está em todos os lugares e em todas as épocas. Conhece o que está dentro das personagens e o seu contexto histórico. Este narrador aparece com uma voz narrativa em terceira pessoa” (JÚNIOR, Abdala. Introdução à análise narrativa. São Paulo: Scipione, 1995). “Hás de lembrar-te que Flora não despegava os olhos dele, ansiosa de saber por que é que a achava inexplicável. A palavra rasgava-lhe o cérebro, ferindo sem penetrar. Inexplicável que era? Que se não explica, sabia; mas que se não explica por quê? Quis perguntá-lo ao conselheiro, mas não achou ocasião, e ele saiu cedo” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 34). 
  6. 6. Este narrador também interfere na história, fazendo comentários ao longo dela. “O que a senhora deseja, amiga minha, é chegar já ao capítulo do amor ou dos amores, que é o seu interesse particular nos livros. Daí a habilidade da pergunta, como se dissesse: ‘Olhe que o senhor ainda nos não mostrou a dama ou damas que têm de ser amadas ou pleiteadas por estes dois jovens inimigos. Já estou cansada de saber que os rapazes não se dão ou se dão mal; é a segunda ou terceira vez que assisto às blandícias da mãe ou aos seus ralhos amigos. Vamos depressa ao amor, às duas, se não é uma só a pessoa...’ Francamente eu não gosto de gente que venha adivinhando e compondo um livro que está sendo escrito com método. A insistência da leitora em falar de uma só mulher chega a ser impertinente” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 45). 
  7. 7. De acordo com a tipologia de Wolfgang Kayser, o romance pode ser considerado um ROMANCE DE AÇÃO OU DE ACONTECIMENTO. “Romance caracterizado por uma intriga concentrada e fortemente desenhada, com princípio, meio e fim bem estruturados” (KAYSER, Wolfgang. Apud AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984, p. 685).  Brigas dentro da barriga da mãe;  Brigas por causa Flora;  Brigas após a morte da mãe e de Flora. 
  8. 8.    “E. M. Forster distingue as personagens romanescas em duas espécies fundamentais: as personagens desenhadas ou planas e as personagens modeladas ou redondas” (FORSTER, E. M. Apud AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984, p. 709). “As personagens desenhadas são definidas linearmente apenas por um traço, por um elemento característico básico que os acompanham durante todo o texto” (AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984, p. 710). “As personagens modeladas oferecem uma complexidade muito acentuada e o romancista tem de lhes consagrar uma atenção vigilante, esforçando-se por caracterizá-las sob diversos aspectos” (AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984, p. 710).
  9. 9.  Conselheiro Aires  Ocupa o centro de toda a narrativa, dada a sua importância no romance como guia espiritual dos gêmeos. Era estimado e respeitado pela sua conduta ímpar, pela sua hombridade, experiência e dignidade.  Como observa Massaud Moisés, “é um homem de nervos, sangue, cheio de humanidade, de contradição por isso mesmo, dono duma vitalidade incomum à idade e, simultaneamente, duma melancólica e conformista visão da existência”, no que lembra o próprio Machado de Assis.
  10. 10.  Pedro e Paulo  São os gêmeos que dão nome ao livro (Esaú e Jacó). Caracteriza-os uma rivalidade que remonta ao ventre materno, quando já brigavam. Não constituem individualidades autônomas, não passando de símbolos da dualidade do ser humano, na sua natureza complexa e intrincada.  Em um momento do livro os gêmeos são descritos assim: “No valor e no ímpeto podia comparar o coração ao gêmeo Paulo; o espírito, pela arte e sutileza, seria o gêmeo Pedro” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 127). Sendo o coração e o espírito, nada além de uma dualidade do mesmo ser.
  11. 11. A dupla Pedro-Paulo é também um meio de Machado pôr a vivo a situação política dos fins do século XIX, em que igualmente está implícita a ambiguidade humana: Pedro era monarquista (conservador), Paulo republicano (liberal): “A razão parece-me ser que o espírito de inquietação está em Paulo, e o de conservação em Pedro” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 149). 
  12. 12.  Flora  É uma personagem que atravessa a sua curta existência sem perturbar ninguém, sem nenhuma manifestação de natureza ruidosa. “Flora toca-nos, comove-nos até, mas desaparece mansamente do romance como desaparece mansamente de nossa memória sem deixar maior rasto impressivo, como deixa Capitu para sempre e sempre”.
  13. 13.  Natividade e Santos  São os pais dos gêmeos. Ela, esposa dedicada e mãe extremada, que não hesita em se expor em favor dos filhos, como no caso da consulta à cabocla do Castelo: “tinha fé, mas tinha também vexame da opinião” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 10).  Ele, comerciante bem sucedido e banqueiro de grande respeito, como toda personagem machadiana. Daí até o baronato foi um pulo: “...no despacho imperial da véspera o Sr. Agostinho José dos Santos fora agraciado com o título de Barão de Santos” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 38).
  14. 14.  D. Cláudia e Batista  São os pais de Flora. D. Cláudia é o retrato da mulher forte, que subjuga o marido fraco. A fraqueza do Batista e a fortaleza da mulher podem ser vistas no Cap. XLVII, onde Machado coloca a mulher como sinônimo do diabo. O Batista é o tipo do político que quer subir, mas é fraco; D. Cláudia a mulher ambiciosa que quer tudo para o marido, porque serão delas os privilégios e regalias do sucesso e das glórias dele.
  15. 15.    É o que está explícito no próprio título do livro: Esaú e Jacó, figuras bíblicas que rotulam o romance, filhos de lsaac e Rebeca, que se caracterizaram pela rivalidade. No romance, os irmãos têm nome de Pedro e Paulo, o que evoca os dois apóstolos, também rivais, segundo a explicação do velho Plácido. A dualidade de Pedro e Paulo deveria ser a personificação dos dois gênios que todos temos dentro de nós. Machado poderia muito bem pegar uma só pessoa e analisar essa complexidade dual, mas não o fez. Preferiu isolar os dois componentes básicos do ser humano: coração (Paulo) e espírito (Pedro), o que torna a obra ainda mais complexa para ser estudada.
  16. 16. Fidelidade na descrição de situações e personagens A verdade dos fatos é uma das principais preocupações realistas. Ser fiel àquilo que descreve é uma norma que o escritor realista, tanto quanto possível, procura seguir. O escritor realista encara a realidade direta e objetivamente e procura mostrar o que é, não o que deve ser, como os românticos. “Não me peças a causa de tanto encolhimento no anúncio e na missa, e tanta publicidade na carruagem, lacaio de libré. Há contradições explicáveis. Um bom autor, que inventasse a sua história, ou prezasse a lógica aparente dos acontecimentos, levaria o casal Santos a pé ou em caleça de praça ou de aluguel; mas eu, amigo, eu sei como as causas se passaram, e refiro-as tais quais. Quando muito, explicoas, com a condição de que tal costume não pegue” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 17). 
  17. 17. Gosto pela análise A análise é uma característica básica na ficção realista, principalmente a análise psicológica. Nesta obra, atém-se à análise da complexidade dual do ser humano. Machado procura desvendar e esclarecer os segredos da alma humana, como é o caso do trecho abaixo, extraído do Cap. XCIII: “Talvez a causa daquelas síncopes da conversação fosse a viagem que o espírito da moça fazia à casa da gente Santos. Uma das vezes, o espírito voltou para dizer estas palavras ao coração: “Quem és tu, que não atas nem desatas? Melhor é que os deixes de vez. Não será difícil a ação, porque a lembrança de um acabará por destruir a de outro, e ambas se irão perder com o vento, que arrasta as folhas velhas e novas, além das partículas de cousas, tão leves e pequenas, que escapam ao olho humano. Anda, esquece-os: se os não podes esquecer, fazer por não os ver mais; o tempo e a distância farão o resto” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 127). 
  18. 18. Objetividade e impessoalidade Essa é uma característica que reflete a época do cientificismo, da precisão, da observação. Ao contrário do Romantismo, no Realismo o escritor não interfere na conduta de suas personagens; tanto quanto possível, ele se afasta delas, desenvolvendo assim uma narrativa objetiva e impessoal. “Ao cabo, não estou contando a minha vida, nem as minhas opiniões, nem nada que não seja das pessoas que entram no livro. Estas é que preciso por aqui integralmente com as suas virtudes e imperfeições, se as têm. Entende-se isto, sem ser preciso notá-lo, mas não se perde nada em repetilo” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 69). 
  19. 19.  Narrativa lenta e pormenorizada Se a grande preocupação do escritor realista é com a análise, claro está que o seu processo narrativo será lento. Os pormenores, detalhes aparentemente dispensáveis, contribuem, por outro lado, para o painel ou retrato da realidade que se quer expor. “Perdoa estas minúcias. A ação podia ir sem elas, Mas eu quero que saibas que casa era, e que rua e, mas digo que ali havia uma espécie de clube...” (ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990, p. 27).
  20. 20.   As implicações freudianas são claras: o Complexo de Édipo revelado na adoração da mãe faz com que se lancem um contra o outro. É bom lembrar que Machado de Assis escrevia antes mesmo do termo ser inventado. O mesmo Complexo pode explicar o fato de ambos se apaixonarem pela mesma mulher.
  21. 21.   Ao nomear seu livro como Esaú e Jacó, é possível estabelecer-se logo de partida uma intertextualidade entre a narrativa de Machado e a narrativa bíblica do gênesis sobre os filhos de Isaac. Há também a relação intratextual, no que se refere ao perfil dos personagens da narrativa
  22. 22.       AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da Literatura, Coimbra: Livraria Almedina, 1984. ASSIS, M. Esaú e Jacó, Ed. Ática, São Paulo, 1990. ASSIS, M. Esaú e Jacó, FTD, São Paulo, 2002. ASSIS, Machado. Esaú e Jacó, L&PM Editores, 2º Ed., 2004. JÚNIOR, Abdala. Introdução à análise narrativa. São Paulo: Scipione, 1995. NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. 2. ed. São Paulo: Ática, 2008.

×