SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo
                         Área Integração




O registo escrito na fixação do conhecimento.
           A galáxia de Gutenberg




                                                   Mafalda Santos nº18
                                                   Marta Pires nº19
Placa de argila de Urak
Pintura mural egípcia
Escrita Maia
Papiro
Hieróglifos/ideogramas
Pergaminho
Histórica de fidípedes e a Maratona
 Feidípides ou Fidípedes (em grego: Φειδιππιδης) foi um soldado ateniense que, segundo
   Heródoto, foi enviado para buscar ajuda em Esparta antes da batalha de Maratona, em 490
   a.C..


 Chegou a Esparta um dia depois, tendo corrido uma distância de no mínimo 200 quilómetros.
   No caminho de volta, conta a lenda que ele encontrou o deus Pan.


 A prova da maratona baseia-se em uma história que nada pode provar: segundo ela, Feidípides
   teria corrido os 42 km separando Atenas de Maratona a fim de participar da batalha de mesmo
   nome contra os persas, na primeira das guerras médicas. Os atenienses acabaram vencendo a
   batalha, e os persas recuando para os seus navios e partindo em direção à Atenas. Com medo
   de que os persas fizessem revanche contra a cidade desprotegida e desavisada sobre o destino
   da batalha de Maratona, Filípedes teria retornado, sempre correndo, à Atenas para avisar do
   sucesso na batalha. Após ter anunciado a vitória «nenikekamen!», caiu morto, devido à
   enorme exaustão. Devido ao seu gigantesco esforço, Atenas teve tempo de se organizar, fechar
   a cidade e passar ilesa ao ataque persa.
Origem da imprensa /Gutenberg
            A imprensa é uma das contribuições de Gutenberg; com anterioridade se tinham
empregado, também desde a época de Suméria, discos ou cilindros sobre os quais se tinha lavrado o
negativo do texto a imprimir que geralmente era só a rubrica do dono do cilindro e outorgava certeza
de autenticidade às tabletas que a levavam. As imprensas na Idade Média eram simples tabelas gordas e
pesadas ou blocos de pedra que se apoiavam sobre a matriz de impressão já entintada para transferir
sua imagem ao pergaminho ou papel. A imprensa de Gutenberg é uma adaptação daquelas usadas para
espremer o suco das uvas na fabricação do vinho, com as quais Gutenberg estava familiarizado, pois
Mogúncia, onde nasceu e viveu, está no vale do Reno, uma região vinícola desde a época dos romanos.
Um exemplar da Bíblia de Gutenberg na Biblioteca do Congresso emWashington D.C
            Depois da invenção dos tipos e a adaptação da prensa vinícola, Gutenberg seguiu
experimentando com a imprensa até conseguir um aparelho funcional. Também pesquisou sobre o
papel e as tintas. Uns e outras tinham que se comportar de tal modo que as tintas se absorvessem pelo
papel sem escorrer-se, assegurando a precisão dos traços; precisava-se que o secagem fosse rápida e a
impressão permanente. Por isso, Gutenberg experimentou com pigmentos a base de azeite, que não só
usou para imprimir com as matrizes, senão também para as capitulares e ilustrações que se realizavam
manualmente com o papel de trapo de origem chinesa introduzido na Europa em sua época.
Informação sobre a biblioteca antiga de Alexandria
 A Biblioteca Real de Alexandria ou Antiga Biblioteca de Alexandria foi uma das maiores
   bibliotecas do mundo antigo. Ela floresceu sob o patrocínio da dinastia ptolemaica e
   existiu até à Idade Média, quando alegadamente foi totalmente destruída por um
   incêndio cujas causas são controversas.
 Acredita-se que a biblioteca foi fundada no início do século III a.C., concebida e aberta
   durante o reinado do faraó Ptolemeu I Sóter ou durante o de seu filho Ptolomeu II.
   Plutarco (46 d.C.–120) escreveu que, durante sua visita a Alexandria em 48 a.C., Júlio
   César queimou acidentalmente a biblioteca quando ele incendiou seus próprios navios
   para frustrar a tentativa de Achillasde limitar a sua capacidade de comunicação por via
   marítima. De acordo com Plutarco, o incêndio se espalhou para as docas e daí à
   biblioteca.
Linguagem gestual
Estenografia

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Area de integração (acabado

Da antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeDa antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeTiago94
 
História da comunicacao info oral e escrita
História da comunicacao   info oral e escritaHistória da comunicacao   info oral e escrita
História da comunicacao info oral e escritaSamuel Lima
 
Apresentação - Apropriação do Livro
Apresentação -  Apropriação do LivroApresentação -  Apropriação do Livro
Apresentação - Apropriação do LivroMayara Borges
 
Historia Do Livro
Historia Do LivroHistoria Do Livro
Historia Do Livrorositalima
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
História do livro final
História do livro   finalHistória do livro   final
História do livro finaljjsf1968
 
História do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaHistória do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaAna Glenyr
 
Apostila origem da imprensa
Apostila origem da imprensaApostila origem da imprensa
Apostila origem da imprensaSimone Araujo
 
Workshop arcos de valdevez e as escritas do passado
Workshop   arcos de valdevez e as escritas do passadoWorkshop   arcos de valdevez e as escritas do passado
Workshop arcos de valdevez e as escritas do passadoAlexandra Vidal
 

Semelhante a Area de integração (acabado (15)

Da antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeDa antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidade
 
Ai trabalho
Ai trabalhoAi trabalho
Ai trabalho
 
Area de integração
Area de integraçãoArea de integração
Area de integração
 
História da comunicacao info oral e escrita
História da comunicacao   info oral e escritaHistória da comunicacao   info oral e escrita
História da comunicacao info oral e escrita
 
Apresentação - Apropriação do Livro
Apresentação -  Apropriação do LivroApresentação -  Apropriação do Livro
Apresentação - Apropriação do Livro
 
Historia Do Livro
Historia Do LivroHistoria Do Livro
Historia Do Livro
 
Historia Do Livro
Historia Do LivroHistoria Do Livro
Historia Do Livro
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
História do livro final
História do livro   finalHistória do livro   final
História do livro final
 
História do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaHistória do livro e da biblioteca
História do livro e da biblioteca
 
Vasco da gama
Vasco da gamaVasco da gama
Vasco da gama
 
Apostila origem da imprensa
Apostila origem da imprensaApostila origem da imprensa
Apostila origem da imprensa
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
História do livro
História do livroHistória do livro
História do livro
 
Workshop arcos de valdevez e as escritas do passado
Workshop   arcos de valdevez e as escritas do passadoWorkshop   arcos de valdevez e as escritas do passado
Workshop arcos de valdevez e as escritas do passado
 

Area de integração (acabado

  • 1. Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo Área Integração O registo escrito na fixação do conhecimento. A galáxia de Gutenberg Mafalda Santos nº18 Marta Pires nº19
  • 2. Placa de argila de Urak
  • 8. Histórica de fidípedes e a Maratona  Feidípides ou Fidípedes (em grego: Φειδιππιδης) foi um soldado ateniense que, segundo Heródoto, foi enviado para buscar ajuda em Esparta antes da batalha de Maratona, em 490 a.C..  Chegou a Esparta um dia depois, tendo corrido uma distância de no mínimo 200 quilómetros. No caminho de volta, conta a lenda que ele encontrou o deus Pan.  A prova da maratona baseia-se em uma história que nada pode provar: segundo ela, Feidípides teria corrido os 42 km separando Atenas de Maratona a fim de participar da batalha de mesmo nome contra os persas, na primeira das guerras médicas. Os atenienses acabaram vencendo a batalha, e os persas recuando para os seus navios e partindo em direção à Atenas. Com medo de que os persas fizessem revanche contra a cidade desprotegida e desavisada sobre o destino da batalha de Maratona, Filípedes teria retornado, sempre correndo, à Atenas para avisar do sucesso na batalha. Após ter anunciado a vitória «nenikekamen!», caiu morto, devido à enorme exaustão. Devido ao seu gigantesco esforço, Atenas teve tempo de se organizar, fechar a cidade e passar ilesa ao ataque persa.
  • 9. Origem da imprensa /Gutenberg A imprensa é uma das contribuições de Gutenberg; com anterioridade se tinham empregado, também desde a época de Suméria, discos ou cilindros sobre os quais se tinha lavrado o negativo do texto a imprimir que geralmente era só a rubrica do dono do cilindro e outorgava certeza de autenticidade às tabletas que a levavam. As imprensas na Idade Média eram simples tabelas gordas e pesadas ou blocos de pedra que se apoiavam sobre a matriz de impressão já entintada para transferir sua imagem ao pergaminho ou papel. A imprensa de Gutenberg é uma adaptação daquelas usadas para espremer o suco das uvas na fabricação do vinho, com as quais Gutenberg estava familiarizado, pois Mogúncia, onde nasceu e viveu, está no vale do Reno, uma região vinícola desde a época dos romanos. Um exemplar da Bíblia de Gutenberg na Biblioteca do Congresso emWashington D.C Depois da invenção dos tipos e a adaptação da prensa vinícola, Gutenberg seguiu experimentando com a imprensa até conseguir um aparelho funcional. Também pesquisou sobre o papel e as tintas. Uns e outras tinham que se comportar de tal modo que as tintas se absorvessem pelo papel sem escorrer-se, assegurando a precisão dos traços; precisava-se que o secagem fosse rápida e a impressão permanente. Por isso, Gutenberg experimentou com pigmentos a base de azeite, que não só usou para imprimir com as matrizes, senão também para as capitulares e ilustrações que se realizavam manualmente com o papel de trapo de origem chinesa introduzido na Europa em sua época.
  • 10. Informação sobre a biblioteca antiga de Alexandria  A Biblioteca Real de Alexandria ou Antiga Biblioteca de Alexandria foi uma das maiores bibliotecas do mundo antigo. Ela floresceu sob o patrocínio da dinastia ptolemaica e existiu até à Idade Média, quando alegadamente foi totalmente destruída por um incêndio cujas causas são controversas.  Acredita-se que a biblioteca foi fundada no início do século III a.C., concebida e aberta durante o reinado do faraó Ptolemeu I Sóter ou durante o de seu filho Ptolomeu II. Plutarco (46 d.C.–120) escreveu que, durante sua visita a Alexandria em 48 a.C., Júlio César queimou acidentalmente a biblioteca quando ele incendiou seus próprios navios para frustrar a tentativa de Achillasde limitar a sua capacidade de comunicação por via marítima. De acordo com Plutarco, o incêndio se espalhou para as docas e daí à biblioteca.