SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Texto:  Um discurso sobre as Ciências  (Santos, 2009 – pág. 7-40)
 
Todo o conhecimento científico é  socialmente construído , que o seu rigor tem limites inultrapassáveis e que a sua objetividade não implica a sua  neutralidade .
A ciência, em geral, depois de ter rompido com o senso comum, deve transformar-se num novo e mais esclarecido senso comum.
Sombras que vêm do passado que ora pensamos já não sermos, ora pensamos não termos ainda deixado de ser, sombras que vêm do futuro que ora pensamos já sermos, ora pensamos nunca virmos a ser.
Conhecimento TRANSIÇÃO Quem eu fui? Quem eu sou? Quem eu quero ser?
Campo Teórico que nos move atualmente Adam Smith   David Ricardo Antoine Lavoisier   Darwin
Emile Durkheim Pareto Weber Einstein Humboldt Como seria nosso conhecimento sem estes senhores? E como eu faria esta apresentação? Bill Larry Page
 
 
Os perigos cada vez mais verossímeis da catástrofe ecológica ou da guerra nuclear fazem-nos temer que o século XXI termine antes de começar. WTC
 
A ambigüidade e a complexidade da situação do tempo presente, um tempo de transição.
O progresso das ciências e das artes contribuirá para purificar ou para corromper os nossos costumes?  Obs: eu não podia perder a piada
Há alguma relação entre a ciência e a virtude? Há alguma razão de peso para substituirmos o conhecimento vulgar que temos da natureza e da vida e que partilhamos com os homens e mulheres da nossa sociedade pelo conhecimento científico produzido por poucos e inacessível à maioria? Contribuirá a ciência para diminuir o fosso crescente na nossa sociedade entre o que se é e o que se aparenta ser?
x x
 
Paris Hilton = Fútil? Diamantes de Sangue na África Dolly
Minas Terrestres
REFUGIADOS
Não somos, do mesmo modo que o éramos há quinze ou vinte anos.
Estamos numa fase de transição.
Contributo positivo ou negativo da ciência para a nossa felicidade.
É muito diferente perguntar pela utilidade ou pela felicidade que o automóvel me pode proporcionar se a pergunta é feita quando ninguém na minha vizinhança tem automóvel, quando toda a gente tem exceto eu ou quando eu próprio tenho carro há mais de vinte anos. X ,[object Object],[object Object]
Ao contrário da ciência aristotélica, a ciência moderna desconfia sistematicamente das evidências da nossa experiência imediata. Tais evidências, que estão na base do conhecimento vulgar, são ilusórias.
É total a separação entre a natureza e o ser humano. A natureza é tão-só extensão e  movimento ; é passiva, eterna e reversível. O Homem visa conhecer a natureza para a dominar e controlar. Como diz Bacon,  a ciência fará da pessoa humana" o senhor e o possuidor da natureza '"
 
 
Conhecer significa quantificar. O rigor científico afere-se pelo rigor das medições.
O que não é quantificável é cientificamente irrelevante.
O mundo é complicado e a mente humana não o pode compreender completamente. Conhecer significa dividir e classificar para depois poder determinar relações sistemáticas entre o que se separou. Já em Descartes uma das regras do  Método  consiste precisamente em "dividir cada uma das dificuldades ... em tantas parcelas quanto for possível. Delimitação do tema do mestrado/doutorado.
Conhecimento científico rompe com o conhecimento do senso comum.
 
Um conhecimento baseado na formulação de leis tem como pressuposto [...], a idéia de que o passado se repete no futuro.
Tal como foi possível descobrir as leis da natureza, seria igualmente possível descobrir as leis da sociedade. Bacon, Vico e Montesquieu são os grandes precursores. Bacon afirma a plasticidade da natureza humana e, portanto, a sua perfectibilidade, dadas as condições sociais, jurídicas e políticas adequadas, condições que é possível determinar com rigor". Vico sugere a existência de leis que governam deterministicamente a evolução das sociedades e tornam possível prever os resultados das ações coletivas.
As ciências sociais não podem estabelecer leis universais porque os fenômenos sociais são historicamente condicionados e culturalmente determinados; as ciências sociais não podem produzir previsões fiáveis porque os seres humanos modificam o seu comportamento em função do conhecimento que sobre ele se adquire;
O que isso influencia na construção do meu projeto de Tese? IMAGEM DO PAÍS   = O que somos? O que representamos? BRAND NATION
 
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Teoria do Conhecimento

Texto32 P7
Texto32 P7Texto32 P7
Texto32 P7
renatotf
 
Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
Lívia Willborn
 
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.pptINTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
ssuser2af87a
 
Hermes no ciberespaço completo - 22.06.2011
Hermes no ciberespaço   completo - 22.06.2011Hermes no ciberespaço   completo - 22.06.2011
Hermes no ciberespaço completo - 22.06.2011
claudiocpaiva
 
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher AurettaPoderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
Joaquim Melro
 

Semelhante a Teoria do Conhecimento (20)

Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptxAula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
 
Texto32 P7
Texto32 P7Texto32 P7
Texto32 P7
 
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docxNovo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
Novo_Livro_Prof_Sousa_Lara-63555972 (1).docx
 
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno LatourA Constituição Não Moderna em Bruno Latour
A Constituição Não Moderna em Bruno Latour
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
 
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.pptINTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
 
As estrelas do Brasil.pdf
As estrelas do Brasil.pdfAs estrelas do Brasil.pdf
As estrelas do Brasil.pdf
 
Boaventura
BoaventuraBoaventura
Boaventura
 
Hermes no ciberespaço completo - 22.06.2011
Hermes no ciberespaço   completo - 22.06.2011Hermes no ciberespaço   completo - 22.06.2011
Hermes no ciberespaço completo - 22.06.2011
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
 
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdfCiência, tecnologia e bioética.pdf
Ciência, tecnologia e bioética.pdf
 
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
 
Jamais fomos modernos cap 4
Jamais fomos modernos cap 4Jamais fomos modernos cap 4
Jamais fomos modernos cap 4
 
Encontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxEncontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptx
 
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
 
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher AurettaPoderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
Poderes e limites da ciência - Ciclo de conferências Christopher Auretta
 
Fluzz capítulo 11
Fluzz capítulo 11Fluzz capítulo 11
Fluzz capítulo 11
 
Epistemologia um olhar didático
Epistemologia   um olhar didáticoEpistemologia   um olhar didático
Epistemologia um olhar didático
 

Mais de Marta Cunha

Mensagem por que as pessoas gritam
Mensagem por que as pessoas gritamMensagem por que as pessoas gritam
Mensagem por que as pessoas gritam
Marta Cunha
 
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundo
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundoSlide fotos as estradas mais incríveis do mundo
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundo
Marta Cunha
 
Slide mensagem telas quadros dupla visão
Slide mensagem telas quadros dupla visãoSlide mensagem telas quadros dupla visão
Slide mensagem telas quadros dupla visão
Marta Cunha
 

Mais de Marta Cunha (20)

Vamos às compras - resumo do livro
Vamos às compras -  resumo do livroVamos às compras -  resumo do livro
Vamos às compras - resumo do livro
 
Cases Revista Exame
Cases Revista ExameCases Revista Exame
Cases Revista Exame
 
A Nova sociedade Brasileira
A Nova sociedade Brasileira A Nova sociedade Brasileira
A Nova sociedade Brasileira
 
marcas luxo
marcas luxomarcas luxo
marcas luxo
 
Preikestolen pulpit
Preikestolen pulpit  Preikestolen pulpit
Preikestolen pulpit
 
Rio omo africa - por hans sylvester
Rio omo   africa - por hans sylvesterRio omo   africa - por hans sylvester
Rio omo africa - por hans sylvester
 
O baile da vida (kk)
O baile da vida (kk)O baile da vida (kk)
O baile da vida (kk)
 
A saudade
A saudade A saudade
A saudade
 
Mensagem vocabulário espírita
Mensagem vocabulário espíritaMensagem vocabulário espírita
Mensagem vocabulário espírita
 
Fotos pinturas clássicas
Fotos pinturas clássicasFotos pinturas clássicas
Fotos pinturas clássicas
 
Mensagem por que as pessoas gritam
Mensagem por que as pessoas gritamMensagem por que as pessoas gritam
Mensagem por que as pessoas gritam
 
Pinturas Leonid Afremov
Pinturas Leonid AfremovPinturas Leonid Afremov
Pinturas Leonid Afremov
 
Buenos Aires
Buenos AiresBuenos Aires
Buenos Aires
 
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundo
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundoSlide fotos as estradas mais incríveis do mundo
Slide fotos as estradas mais incríveis do mundo
 
Slides mensagens frases vietnam
Slides mensagens frases vietnamSlides mensagens frases vietnam
Slides mensagens frases vietnam
 
Slide mensagem telas quadros dupla visão
Slide mensagem telas quadros dupla visãoSlide mensagem telas quadros dupla visão
Slide mensagem telas quadros dupla visão
 
Slides fotos pinturas la obsesion de van gogh e millet
Slides fotos pinturas la obsesion de van gogh e milletSlides fotos pinturas la obsesion de van gogh e millet
Slides fotos pinturas la obsesion de van gogh e millet
 
Slides fotos do mundo in giro per_il_mondo
Slides fotos do mundo in giro per_il_mondoSlides fotos do mundo in giro per_il_mondo
Slides fotos do mundo in giro per_il_mondo
 
Slides mensagem borboletas da vida
Slides mensagem borboletas da vidaSlides mensagem borboletas da vida
Slides mensagem borboletas da vida
 
100 perguntas
100 perguntas100 perguntas
100 perguntas
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Teoria do Conhecimento

  • 1. Texto: Um discurso sobre as Ciências (Santos, 2009 – pág. 7-40)
  • 2.  
  • 3. Todo o conhecimento científico é socialmente construído , que o seu rigor tem limites inultrapassáveis e que a sua objetividade não implica a sua neutralidade .
  • 4. A ciência, em geral, depois de ter rompido com o senso comum, deve transformar-se num novo e mais esclarecido senso comum.
  • 5. Sombras que vêm do passado que ora pensamos já não sermos, ora pensamos não termos ainda deixado de ser, sombras que vêm do futuro que ora pensamos já sermos, ora pensamos nunca virmos a ser.
  • 6. Conhecimento TRANSIÇÃO Quem eu fui? Quem eu sou? Quem eu quero ser?
  • 7. Campo Teórico que nos move atualmente Adam Smith David Ricardo Antoine Lavoisier Darwin
  • 8. Emile Durkheim Pareto Weber Einstein Humboldt Como seria nosso conhecimento sem estes senhores? E como eu faria esta apresentação? Bill Larry Page
  • 9.  
  • 10.  
  • 11. Os perigos cada vez mais verossímeis da catástrofe ecológica ou da guerra nuclear fazem-nos temer que o século XXI termine antes de começar. WTC
  • 12.  
  • 13. A ambigüidade e a complexidade da situação do tempo presente, um tempo de transição.
  • 14. O progresso das ciências e das artes contribuirá para purificar ou para corromper os nossos costumes? Obs: eu não podia perder a piada
  • 15. Há alguma relação entre a ciência e a virtude? Há alguma razão de peso para substituirmos o conhecimento vulgar que temos da natureza e da vida e que partilhamos com os homens e mulheres da nossa sociedade pelo conhecimento científico produzido por poucos e inacessível à maioria? Contribuirá a ciência para diminuir o fosso crescente na nossa sociedade entre o que se é e o que se aparenta ser?
  • 16. x x
  • 17.  
  • 18. Paris Hilton = Fútil? Diamantes de Sangue na África Dolly
  • 21. Não somos, do mesmo modo que o éramos há quinze ou vinte anos.
  • 22. Estamos numa fase de transição.
  • 23. Contributo positivo ou negativo da ciência para a nossa felicidade.
  • 24.
  • 25. Ao contrário da ciência aristotélica, a ciência moderna desconfia sistematicamente das evidências da nossa experiência imediata. Tais evidências, que estão na base do conhecimento vulgar, são ilusórias.
  • 26. É total a separação entre a natureza e o ser humano. A natureza é tão-só extensão e movimento ; é passiva, eterna e reversível. O Homem visa conhecer a natureza para a dominar e controlar. Como diz Bacon, a ciência fará da pessoa humana" o senhor e o possuidor da natureza '"
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. Conhecer significa quantificar. O rigor científico afere-se pelo rigor das medições.
  • 30. O que não é quantificável é cientificamente irrelevante.
  • 31. O mundo é complicado e a mente humana não o pode compreender completamente. Conhecer significa dividir e classificar para depois poder determinar relações sistemáticas entre o que se separou. Já em Descartes uma das regras do Método consiste precisamente em "dividir cada uma das dificuldades ... em tantas parcelas quanto for possível. Delimitação do tema do mestrado/doutorado.
  • 32. Conhecimento científico rompe com o conhecimento do senso comum.
  • 33.  
  • 34. Um conhecimento baseado na formulação de leis tem como pressuposto [...], a idéia de que o passado se repete no futuro.
  • 35. Tal como foi possível descobrir as leis da natureza, seria igualmente possível descobrir as leis da sociedade. Bacon, Vico e Montesquieu são os grandes precursores. Bacon afirma a plasticidade da natureza humana e, portanto, a sua perfectibilidade, dadas as condições sociais, jurídicas e políticas adequadas, condições que é possível determinar com rigor". Vico sugere a existência de leis que governam deterministicamente a evolução das sociedades e tornam possível prever os resultados das ações coletivas.
  • 36. As ciências sociais não podem estabelecer leis universais porque os fenômenos sociais são historicamente condicionados e culturalmente determinados; as ciências sociais não podem produzir previsões fiáveis porque os seres humanos modificam o seu comportamento em função do conhecimento que sobre ele se adquire;
  • 37. O que isso influencia na construção do meu projeto de Tese? IMAGEM DO PAÍS = O que somos? O que representamos? BRAND NATION
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.