Profª Marcela Magalhães M. Fujihara
Bióloga
As abelhas africanizadas conservam a sua agressividade, responsáveis por
acidentes graves e muitas vezes fatais. Acidentes...
apresentam um exoesqueleto,
que fornece proteção para os
órgãos internos e sustentação
para os músculos, além de
proteger ...
Ferrão
Órgão de defesa das abelhas encontrado no
final do abdome, presente apenas nas
operárias e rainhas.
Prende-se na su...
Para não injetar uma maior quantidade de
veneno, recomenda-se que o ferrão seja
removido pela base, utilizando-se uma lâmi...
São conhecidos três tipos de indivíduos ou casta rainha, operária e zangão. O
número de indivíduos em uma família de abelh...
Rainha - É a mãe de todos os indivíduos da colônia. Em situação normal, em cada
colméia, só existe uma rainha que, para se...
Operárias - As abelhas operárias são responsáveis por todas as tarefas dentro e
fora da colméia. Suas atividades vão obede...
Zangão - Correspondem aos indivíduos machos da comunidade. Aos 12 dias de
idade adulta atingem a maturidade sexual. Não ap...
Ocorre em função do instinto de reprodução e condições ambientais adversas.
È um fenômeno natural de migração das abelhas,...
Fumigador - Para um manejo seguro ou captura segura de enxames é
essencial o fumigador com a função de produzir fumaça par...
A - Reúna o Material - Fumigador, fósforo, papel, material carburante (maravalha
ou serragem grossa, cepilho, palha de mil...
B - Destampe o Fumigador
Figura 9 – Fumigador sem tampa
Figura 9
C - Coloque um pouco de material carburante
Figura 10 –material carburante
Figura10
D - Coloque o papel
Figura11 – colocando papel
figura 11
E - Acenda o Fumigador - Coloque fogo no material carburante com ajuda de
papel.
Figura 12 – acendendo fumigador
F - Acione o fole - Acione o fole levemente para acender o fogo.
Figura 13 – acionando o fole
G - Complete a capacidade do fumigador - Complete a capacidade do
fumigador com o material carburante.
Figura 14 – Finaliz...
H - Tampe o fumigador
Figura 15 – Fumigador pronto para uso
OBS:
1- A fumaça deve ser fria, para
não irritar as abelhas.
2...
Caixa Isca de Papelão ou Madeira Tipo Langstroth - é a
mais utilizada no Brasil devido à praticidade de manejo
e às necess...
Se preferir, poderá usar caixas de papelão próprias
para capturas de enxames, à venda em lojas
especializadas, ou ainda co...
A. Reúna o material, caixa de papelão ou madeira (destinadas ao
acondicionamento de verduras) com as dimensões de 26 cm de...
B. Coloque os sarrafos nas laterais superiores da caixa A finalidade de se colocar
sarrafos nas laterais superiores da cai...
C. Esfregue folhas de erva cidreira nas partes internas da caixa-isca. O uso das folhas
ajuda a atrair os enxames e diminu...
D. Coloque os quadros com a tira de cera alveolada na caixa-isca
Figura 21 – Caixa Isca Papelão
E. Feche a caixa com fita crepe.
Figura 22 – Caixa Isca Papelão
F. Abra o alvado - O alvado é construído por meio de uma abertura de
aproximadamente 1,5 cm de altura por 3,0 cm de compri...
G. Forre a caixa-isca com saco plástico transparente
Figura 24 – Caixa Isca Papelão
Vestimentas - O uso da vestimenta apícola é condição essencial para uma
prática e manejo seguro. Composta de macacão, másc...
1. Macacão - bem folgado, evitando o contato do tecido com a pele do apicultor.
Deve ser de cor clara (cores escuras podem...
2. Máscara - Deve ser de cor clara, com visor preto para dar maior visibilidade e
chapéu de palhas com aba dura tipo safár...
3. Deve ser capaz de evitar a inserção do ferrão na pele, podendo ser
confeccionada com diversos materiais (couro, napa ou...
• Bota - Deve ser de cor clara, de preferência
cano alto, confeccionada em borracha ou
couro.
Figura 29.Bota.
A captura de enxames em vôo ou recém-pousados é um método ativo de
captura de abelhas.
Figura 30. Enxame temporariamente p...
Enxames em Vôo - estão se deslocando da colônia original em direção a um
local pré-escolhido para estabelecerem sua nova m...
Enxames Recém-pousados
Material: Enxame em voo de deslocamento ao perceber ruídos ou vibrações
do ar que sugiram bruscas m...
Método de Captura: O enxame, ao pousar
num galho de árvore ou arbusto e formar o
cacho de abelhas, pode ser recolhido
dire...
Na falta de uma caixa ou em pontos de difícil acesso,
pode-se usar temporariamente um saco de captura.
Este consiste em um...
A primeira recomendação é correr para longe, se possível. Se afastar
rapidamente do epicentro do acontecimento continua se...
Não gritar, elas são atraídas por ruídos, principalmente os agudos. Evite
também gestos bruscos, que podem ser interpretad...
Em campo aberto corra, mas também em zigue-zague. Procure por obstáculos
e corra na direção deles (mas não em linha reta!)...
Proteja sobretudo os olhos. Uma picada certeira, dada diretamente na
superfície do olho tem quase 90% de chances de ocasio...
• Por fim, a triste verdade, que já foi reportada como lenda: cada pessoa possui uma
reação distinta à picadas, e isso var...
Profª Marcela Magalhães M. Fujihara
Bióloga
Maioria tetrápoda
Adaptados ao salto
Ventosas adesivas.
Independência parcial da água
Respiram por pulmões e pela pele.
Si...
Urodela - Algumas espécies vivem o tempo todo na água,
respirando por brânquias. Caracterizam-se por possuírem dois
pares ...
Anura - Caracterizam-se pela presença de dois pares de patas
adaptados a locomoção por saltos e ausência de caudas nos
adu...
Ambos diferenciados da seguinte maneira:
Sapos - Os sapos possuem a pele rugosa, membros
posteriores mais curtos e glândul...
Rãs - tem pele lisa, possuem membranas entre os dedos dos
membros posteriores dando uma aparência de pé de pato
que lhe pe...
Pererecas - possuem a pele, membros bastante desenvolvidos e
adaptados a grandes saltos, nas pontas de todos os dedos
poss...
Ápoda - Caracterizam-se por não possuírem patas e cauda. O
corpo é vermiforme, e todos têm hábitos subterrâneos ou
aquátic...
Urodela - Possui glândulas capazes de secretar e inclusive lançar
uma secreção cutânea, esbranquiçada e viscosa, que conté...
Anura – Só na Floresta Amazônica existem algumas pequenas rãs coloridas
que possuem veneno, mas este está contido na pele ...
Figura8 - Glândulas de Veneno.
Os sapos, rãs e pererecas são animais de extrema importância para o
equilíbrio da natureza, pois são os principais control...
No Brasil a secreção produzida pela espécie Phyllomedusa bicolor é
muito utilizada por algumas nações indígenas da região ...
Profª Marcela Magalhães M. Fujihara
Bióloga
As taturanas, também conhecida como tatarana (tata =
"fogo" e rana = "semelhante"), popularmente chamadas
de lagarta-de-fo...
As mariposas e borboletas colocam seus ovos em plantas das
quais as lagartas irão se alimentar. A preferência por árvores
...
As lagartas são mais abundantes no período de outubro a
março, vivem em grupos e podem ser vistas durante o dia nos
tronco...
O ciclo vida das borboletas varia de acordo com a espécie. Na
Lonomia obliqua, cuja fase de lagarta causa muitos acidentes...
Nas taturanas urticantes, as cerdas são estruturas de ponta
aguda e resistente, contendo glândulas produtoras de
veneno. E...
Podalia annulipes;
Megalopyge lanata
Megalopyge albicollis
Edebessa purens
São estruturas de ponta aguda e resistente, contendo uma única
glândula na base da cerda
São cerdas longas e simples, que ...
Automeris illustrisDirphia araucariae
Hylesia metabus Lonomia obliqua
Cerda de Saturniidae ampliada 400 X
Cerdas de Saturniidae
São cerdas constituídas de ramificações,
Possuem glândulas de ve...
Normalmente ocorrem da seguinte forma: manuseando a
vegetação, a pessoa toca a lagarta com as mãos ou a espreme
com os ded...
Acidentes com lonomias apresentam, além dos sintomas citados
inicialmente, edema e eritema de intensidade e duração variáv...
Acidentes com lagartas Lonômias
Olhar, atentamente, para as folhas e troncos de árvores, evitando contato com
as taturanas.
Verificar presença de folhas r...
Remova as taturanas que porventura adentrar a residência, com uso de pá,
graveto, pinça etc.
Utilize caixas de papelão par...
Lavar o local de contato com água e sabão e procurar unidade de saúde mais
próxima. Se possível coletar exemplar da tatura...
O Instituto Butantã desenvolveu o soro para acidentes com a Lonômia, o
antilonômico, feito a partir das cerdas que tem pro...
As lacraias ou centopéias são animais terrestres,
de vida solitária e carnívoros, alimentando-se
principalmente de minhoca...
- Manter limpos quintais, jardins, sótãos, garagens e depósitos, evitando
acúmulo de folhas secas, lixo e demais materiais...
Profª Marcela Magalhães M. Fujihara
Bióloga
Conhecimento antigo e usos diversos.
Atualmente muitas pesquisas são realizadas buscando conhecer os
princípios ativos das...
Os princípios ativos que provocam reações tóxicas no organismo são
alcaloides que estão presentes em 10 a 15% das plantas ...
Vocês sabiam que de cada dez casos de intoxicação por plantas tóxicas
registradas no Brasil, seis ocorrem com crianças men...
O tratamento deve seguir as seguintes rotinas básicas: Descontaminação cutânea,
ocular e esvaziamento gástrico, inativação...
Emese: As medidas provocadoras de vômitos são recomendadas particularmente
quando a espécie ingerida e conhecida e muito t...
Carvão ativado: De uso bastante restrito, não deve ser usado na ingestão de
plantas com ação local irritante ou caustica, ...
Cuidados gerais a serem tomados para evitar intoxicação por plantas:
Não cultive plantas toxicas ou desconhecidas nas resi...
Não coma folhas, frutos e raízes desconhecidas. Lembre-se que não ha regras
ou testes seguros para distinguir as plantas c...
COMIGO-NINGUÉM-PODE
Sintomas: Campeã das intoxicações está presente nos mais variados lugares, a
ingestão e o contato de f...
TINHORÃO
Sintomas: a ingestão e o contato pode causar sensação de queimação, edema
(inchaço) de lábios, boca e língua, náu...
COROA DE CRISTO
Sintomas: Muito usada para cercas-vivas, a seiva leitosa (látex irritante) em contato
com a pele e mucosas...
AVELOZ
Princípio ativo: Látex Irritante, Toxalbumina.
Sintomas: Seiva leitosa (látex irritante) causa lesão na pele e muco...
BICO-DE-PAPAGAIO
Sintomas: O contato do látex com a pele pode provocar reação semelhante a
coroa-de-Cristo, e a ingestão d...
PINHÃO-ROXO
Sintomas: a ingestão do fruto causa náuseas, vômitos, cólicas abdominais,
diarréia mucosa e até sanguinolenta,...
MAMONA
Sintomas: a ingestão das sementes mastigadas causa náuseas, vômitos, cólicas
abdominais, diarréia mucosa e até sang...
ESPIRRADEIRA
Sintomas: a ingestão ou o contato com o látex podem causar dor em queimação
na boca, salivação, náuseas, vômi...
HERA
Sintomas: O uso interno somente com acompanhamento médico, frutos contêm
substâncias tóxicas sua ingestão causa náuse...
BUCHINHA
Sintomas: Ação biológica: as cucurbitacinas apresentam ações laxativas,
hemolíticas,embriotóxicas e abortivas. Os...
CHAPÉU-DE-NAPOLEÃO
Sintomas: Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos. Ingestão:
dor/queimação, sialorréia, náuseas...
SAIA BRANCA
Sintomas: Náuseas, vômitos (rápido) seguido de sintomas anticolinérgicos (pele
quente, seca e avermelhada, sec...
TAIOBA-BRAVA
Sintomas: Não perde a sua toxicidade mesmo se for cozida a ingestão e o
contato podem causar sensação de quei...
CICUTA
Sintomas: Antigamente era com esta planta que os governos ordenavam o
envenenamento e morte dos condenados pela ing...
BELADONA
Sintomas: A ingestão causa: Pele seca, quente e vermelha, principalmente no
rosto; boca seca, dificultando a degl...
Aula
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula

562 visualizações

Publicada em

Plantas toxicas e animais peçonhentos

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
562
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Ferrão de uma operaria, Apis mellifera adamsoni
  • LEPDOPTERAS
  • Aula

    1. 1. Profª Marcela Magalhães M. Fujihara Bióloga
    2. 2. As abelhas africanizadas conservam a sua agressividade, responsáveis por acidentes graves e muitas vezes fatais. Acidentes causados por múltiplas picadas de abelhas passaram a ser constatados com mais freqüência após a introdução da abelha africana (Apis mellifera adamsoni).
    3. 3. apresentam um exoesqueleto, que fornece proteção para os órgãos internos e sustentação para os músculos, além de proteger o inseto contra a perda de água. O corpo é dividido em três partes: cabeça, tórax e abdome
    4. 4. Ferrão Órgão de defesa das abelhas encontrado no final do abdome, presente apenas nas operárias e rainhas. Prende-se na superfície ferroada, dificultando sua retirada por ser constituído por um estilete usado na perfuração e duas lancetas que possuem farpas que o prendem. O veneno fica armazenado, em uma pequena bolsa que esta ligada ao ferrão. As contrações musculares da bolsa de veneno permitem que o veneno continue sendo injetado mesmo depois da saída da abelha. Desse modo, quanto mais depressa o ferrão for removido, menor será a quantidade de veneno injetada. Figura 1 Ferrão de uma operaria, Apis mellifera adamsoni
    5. 5. Para não injetar uma maior quantidade de veneno, recomenda-se que o ferrão seja removido pela base, utilizando-se uma lâmina ou a própria unha, evitando-se pressioná-lo com os dedos. Quando a abelha tenta voar ou sair do local após a ferroada, ocorre uma ruptura de seu abdome e conseqüente morte pois o ferrão fica preso na superfície picada. Na rainha, as farpas do ferrão são menos desenvolvidas que nas operárias e a musculatura ligada ao ferrão é bem forte para que a rainha não o perca após utilizá-lo.
    6. 6. São conhecidos três tipos de indivíduos ou casta rainha, operária e zangão. O número de indivíduos em uma família de abelhas é variável de acordo com a época do ano e com a região.
    7. 7. Rainha - É a mãe de todos os indivíduos da colônia. Em situação normal, em cada colméia, só existe uma rainha que, para ser fecundada, realiza o voo nupcial. A rainha pode durar até 5 anos, no entanto, nas condições tropicais brasileiras, sua vida útil é de aproximadamente 1 ano. A rainha consegue manter as abelhas unidas dentro da colmeia por meio de um cheiro produzido por ela, o feromônio de agregação.
    8. 8. Operárias - As abelhas operárias são responsáveis por todas as tarefas dentro e fora da colméia. Suas atividades vão obedecer a uma escala de trabalho que normalmente está associada com a idade do indivíduo e ao desenvolvimento das suas glândulas.
    9. 9. Zangão - Correspondem aos indivíduos machos da comunidade. Aos 12 dias de idade adulta atingem a maturidade sexual. Não apresentam estrutura específica para o trabalho e sua função na colméia é fecundar a rainha, sendo que logo após fecundar, morrem, por perderem partes dos seus órgãos sexuais, os quais ficam presos na genitália da rainha.
    10. 10. Ocorre em função do instinto de reprodução e condições ambientais adversas. È um fenômeno natural de migração das abelhas, que pode ocorrer com parte dos indivíduos e a rainha (divisão da colmeia) ou todo o enxame (abandono da colmeia). Quando ocorre a morte da rainha ou quando ela deixa de produzir feromônios e de realizar posturas. Em caso de população grande, a rainha velha enxameia com, aproximadamente, metade da população antes do nascimento de uma nova rainha. Em alguns casos, quando a rainha está muito cansada, ela pode permanecer na colmeia em convivência com a nova rainha por algumas semanas, até sua morte natural. Também pode ocorrer que a nova rainha elimine a rainha antiga, logo após o nascimento.
    11. 11. Fumigador - Para um manejo seguro ou captura segura de enxames é essencial o fumigador com a função de produzir fumaça para o manejo. Figura 7 – Partes que compõem um fumigador: (A) tampa, (B) fole, (C) fornalha, (D) grelha, (E) bico de pato.
    12. 12. A - Reúna o Material - Fumigador, fósforo, papel, material carburante (maravalha ou serragem grossa, cepilho, palha de milho ou qualquer produto de origem vegetal). Figura 8 – Reunião material Figura 8
    13. 13. B - Destampe o Fumigador Figura 9 – Fumigador sem tampa Figura 9
    14. 14. C - Coloque um pouco de material carburante Figura 10 –material carburante Figura10
    15. 15. D - Coloque o papel Figura11 – colocando papel figura 11
    16. 16. E - Acenda o Fumigador - Coloque fogo no material carburante com ajuda de papel. Figura 12 – acendendo fumigador
    17. 17. F - Acione o fole - Acione o fole levemente para acender o fogo. Figura 13 – acionando o fole
    18. 18. G - Complete a capacidade do fumigador - Complete a capacidade do fumigador com o material carburante. Figura 14 – Finalizando fumigador
    19. 19. H - Tampe o fumigador Figura 15 – Fumigador pronto para uso OBS: 1- A fumaça deve ser fria, para não irritar as abelhas. 2 - A fumaça deve ser aplicada com, pelo menos, 20 cm de distância da colmeia.
    20. 20. Caixa Isca de Papelão ou Madeira Tipo Langstroth - é a mais utilizada no Brasil devido à praticidade de manejo e às necessidades biológicas das abelhas. Nas épocas de enxameação (períodos naturais de divisão e deslocamento de enxames), as capturas devem ser feitas em caixas com três a cinco quadros com cera alveolada. Figura 17 – Caixa Isca Madeira
    21. 21. Se preferir, poderá usar caixas de papelão próprias para capturas de enxames, à venda em lojas especializadas, ou ainda confeccionar caixas de madeira de baixa qualidade. As caixas-iscas podem ser confeccionadas ou compradas em madeira ou papelão. Figura 16 – Caixa Isca Papelão
    22. 22. A. Reúna o material, caixa de papelão ou madeira (destinadas ao acondicionamento de verduras) com as dimensões de 26 cm de altura X 48,5 cm de comprimento X 22cm de largura, 5 quadros de ninho, cera alveolada nova, sarrafo de madeira, pregos, martelo, folhas de erva cidreira, plástico, arame, faca e fita crepe. Figura 18 – Caixa Isca Papelão
    23. 23. B. Coloque os sarrafos nas laterais superiores da caixa A finalidade de se colocar sarrafos nas laterais superiores da caixa é dar sustentação aos quadros de ninho com cera nova. Figura 19 – Caixa Isca Papelão
    24. 24. C. Esfregue folhas de erva cidreira nas partes internas da caixa-isca. O uso das folhas ajuda a atrair os enxames e diminuir ou eliminar cheiros estranhos na caixa de papelão. Figura 20 – Caixa Isca Papelão
    25. 25. D. Coloque os quadros com a tira de cera alveolada na caixa-isca Figura 21 – Caixa Isca Papelão
    26. 26. E. Feche a caixa com fita crepe. Figura 22 – Caixa Isca Papelão
    27. 27. F. Abra o alvado - O alvado é construído por meio de uma abertura de aproximadamente 1,5 cm de altura por 3,0 cm de comprimento, na parte inferior da caixa. Figura 23 – Caixa Isca Papelão
    28. 28. G. Forre a caixa-isca com saco plástico transparente Figura 24 – Caixa Isca Papelão
    29. 29. Vestimentas - O uso da vestimenta apícola é condição essencial para uma prática e manejo seguro. Composta de macacão, máscara, luva e bota, apresenta algumas características específicas. Figura 25 –. Vestimenta apícola completa: (A) jaleco com máscara e calça, (B) luvas, (C) bota
    30. 30. 1. Macacão - bem folgado, evitando o contato do tecido com a pele do apicultor. Deve ser de cor clara (cores escuras podem irritar as abelhas), confeccionado com brim (grosso) ou materiais sintéticos (nylon, polyester, etc.). Pode ser inteiriço ou composto de duas peças (calça e jaleco), com elásticos nas extremidades (pernas e braços), tendo a máscara já acoplada ou não. Os modelos que têm a máscara separada necessitam de chapéu (de palha); outros mais modernos, dispensam o seu uso. Figura 26. Macacão.
    31. 31. 2. Máscara - Deve ser de cor clara, com visor preto para dar maior visibilidade e chapéu de palhas com aba dura tipo safári. Figura 27. Máscara.
    32. 32. 3. Deve ser capaz de evitar a inserção do ferrão na pele, podendo ser confeccionada com diversos materiais (couro, napa ou mesmo borracha), principalmente porque as mãos do apicultor são áreas muito visadas pelas abelhas. Figura 28. Luvas.
    33. 33. • Bota - Deve ser de cor clara, de preferência cano alto, confeccionada em borracha ou couro. Figura 29.Bota.
    34. 34. A captura de enxames em vôo ou recém-pousados é um método ativo de captura de abelhas. Figura 30. Enxame temporariamente pousado em galho de árvore
    35. 35. Enxames em Vôo - estão se deslocando da colônia original em direção a um local pré-escolhido para estabelecerem sua nova moradia. Sua motivação pode ser migratória ou enxameatória. Em ambos os processos de deslocamento, as abelhas melíferas podem ser capturadas: no momento em que estão voando com a rainha para o novo local, ou quando estão temporariamente assentadas, na forma de cacho em locais como árvores, arbustos ou edificações. Figura 31 – Enxame em voo
    36. 36. Enxames Recém-pousados Material: Enxame em voo de deslocamento ao perceber ruídos ou vibrações do ar que sugiram bruscas mudanças climáticas (tempestade, trovões, chuva), imediatamente pousam em um galho de árvore ou outro substrato para se reorganizar. Se no local escolhido e este já estiver ocupado ou bloqueado por alguma razão, quando o enxame chegar, então as abelhas pousam temporariamente para procurar um outro local. Neste momento, o enxame pode ser facilmente capturado. Uma caixa padrão, tipo Langstroth, por exemplo, pode ser usada para alojar o novo enxame. Ela deve ser completada com todos os caixilhos e os mesmos devem estar apenas com tiras de cera alveolada Figura 32- Preparo da caixa para captura e instalação do enxame recém-pousado.
    37. 37. Método de Captura: O enxame, ao pousar num galho de árvore ou arbusto e formar o cacho de abelhas, pode ser recolhido diretamente para dentro da caixa vazia. A caixa é colocada sob o enxame e o mesmo é suavemente derrubado para dentro dela, por sobre os caixilhos. Para facilitar a descida das abelhas, 2 a 4 caixilhos centrais podem ser previamente retirados da caixa, conforme o tamanho do enxame. Figura 33. Enxame em fase de migração, pousado em uma árvore e Captura do enxame na caixa, após ter sidoderrubado sobre os caixilhos da mesma.
    38. 38. Na falta de uma caixa ou em pontos de difícil acesso, pode-se usar temporariamente um saco de captura. Este consiste em uma bolsa de tela e pano, com um fecho de corda na boca que, além de facilitar a coleta do enxame, possibilita o confortável transporte do enxame até o apiário. O saco de captura pode ser fixado na ponta de um longo e resistente sarrafo, permitindo que se alcance o enxame recém-pousado que estiver a grandes alturas ou em local de difícil acesso. Figura 34 - um saco de captura
    39. 39. A primeira recomendação é correr para longe, se possível. Se afastar rapidamente do epicentro do acontecimento continua sendo a maneira mais simples e eficiente de minimizar um ataque de abelhas. Caso não haja possibilidade de fuga, procure rapidamente algum arbusto ou vegetação fechada, e entre o mais que puder debaixo da folhagem, ficando imóvel e em silêncio. Outra possibilidade, esta para locais de vegetação rasteira, é permanecer deitado e de bruços (barriga para baixo). No capinzal, deite e se enfie o mais que puder , cobrindo-se puxando-o pra cima de sí. Cubra a cabeça com os braços e tente não deixar muitas aberturas na sua roupa. Se tiver um casaco, lona plástica ou qualquer objeto que possa ajudar a cobrí-lo, use-o e tente ficar o mais imóvel possível, com o rosto protegido pelo casaco/camiseta/mochila etc.
    40. 40. Não gritar, elas são atraídas por ruídos, principalmente os agudos. Evite também gestos bruscos, que podem ser interpretados como uma ameaça. Quanto mais escura a sua roupa, tanto mais elas podem atacar. Cores escuras alvoroçam as abelhas. É por esse motivo que a maioria dos macacões de apicultor são brancos ou claros, porque essas cores as acalmam. Se você tem várias abelhas grudando em você, entre na vegetação em silêncio e vá se esfregando nas moitas (quando há moitas pra se esfregar), que além de derrubar aquelas penduradas pelo ferrão vai disfarçando o cheiro do hormônio de ataque nas folhas. Existem 2 tipos ligados a ataques. Ele são volatilizados no ar em menos de dois segundos após a picada, e permanecem durante uns 20 segundos sendo exalados, atraindo rapidamente outras abelhas, já com a ordem irrevogável de que devem atacar. Esse é o motivo pelo qual na maioria dos casos de ataques ocorrem grandes "concentrações" de picadas em pequenas regiões do corpo, também chamados de "empeloteamento de abelhas", e outras área do corpo com poucas ou nenhuma.
    41. 41. Em campo aberto corra, mas também em zigue-zague. Procure por obstáculos e corra na direção deles (mas não em linha reta!). Certamente você levará algumas picadas, mas escapará do grosso do ataque. A velha estratégia de mergulhar na água pode funcionar, desde que você seja um bom mergulhador e consiga sair da área crítica por baixo da água. Desnecessário dizer que é melhor tomar umas picadas a se afogar, ou pior, mergulhar num local que não permita a fuga, e cada vez que se respirar tomar mais picadas no rosto, e depois se afogar... Extintores de incêndio, sejam qual for, nunca estão disponíveis em casos de ataques, e seu raio de ação é restrito, por razões óbvias. Procure manter a calma, como em todas as situações de acidente. Parece bobo recomendar isso, mas há relatos de pessoas que mantiveram a calma e tomaram um número significativamente menor de picadas do que outras mais desesperadas e que estavam bem ao lado. Abelhas são seres muito sensitivos e refinados. Alguma coisa em nosso nervosismo as alvoroça
    42. 42. Proteja sobretudo os olhos. Uma picada certeira, dada diretamente na superfície do olho tem quase 90% de chances de ocasionar a perda total da visão. Há casos relatados. Na pior das hipóteses, se o ataque for muito forte e você não conseguir abandonar o lugar, pense direto nos olhos, e não os abra. Fique de bruços no chão e cubra a cabeça o mais que puder, de olhos apertados. A magnitude do ataque é diretamente proporcional ao tamanho do enxame. Quanto mais numeroso, mais instável é o clima "político" nele, mais encorajado fica. Enxames populosos "clamam" por uma nova rainha, pra poder se dividir e migrar, no seu ciclo normal. Esse é um momento ruim pra cruzar um enxame desses. Por outro lado, uma vez dividido, se está ainda enxameando, ou seja, procurando por uma casa, ou acabado de chegar a um lugar que considerou adequado, passam a ser muito mais mansos.
    43. 43. • Por fim, a triste verdade, que já foi reportada como lenda: cada pessoa possui uma reação distinta à picadas, e isso varia demais. Há casos de mortos com 3 picadas (sim, três) e casos de sobreviventes com mais de 250. Cientificamente, se diz que um ser humano pouquíssimo alérgico suporta no máximo 400 picadas. Neste caso a presença de um anti-histamínico no estojo de primeiros socorros é fundamental. Tudo acontece sempre muito rápido, por isso mesmo é importante tomar uma atitude logo que a coisa inicia, pois logo depois instaura-se o caos e o desespero, impedindo- nos de pensar em uma atitude a tomar. Esse pânico representa perigo; podemos, em nosso desespero, cair de um desnível perigoso, tropeçar, escorregar, ou mesmo se demorar a fazer algo e levar um número fatal de picadas. No caso de muitas picadas, o procedimento é basicamente o mesmo: ministra-se um anti-histamínico à vítima, e esta deve ser removida imediatamente a um hospital para que os procedimentos adequados possam ser tomados. O veneno contém inúmeros elementos, dentre eles anti-coagulantes, elementos que causam insuficiência renal e respiratória e hipertensão arterial. Não é brincadeira! O perigo é potencialmente maior que uma picada de escorpião! Em todo o caso, se não existe um passo a passo, pelo menos é bom memorizar algumas coisas, e tentar se lembrar de algumas delas se um dia precisarem.
    44. 44. Profª Marcela Magalhães M. Fujihara Bióloga
    45. 45. Maioria tetrápoda Adaptados ao salto Ventosas adesivas. Independência parcial da água Respiram por pulmões e pela pele. Sistema circulatório e digestório completo. Carnívoros. Pele sempre úmida, rica em glândulas Pecilotérmicos
    46. 46. Urodela - Algumas espécies vivem o tempo todo na água, respirando por brânquias. Caracterizam-se por possuírem dois pares de patas na fase adulta, com cauda bem desenvolvida. São representantes desta ordem as salamandras e tritões. Foto 1 – Salamandra e TritãoFigura 1
    47. 47. Anura - Caracterizam-se pela presença de dois pares de patas adaptados a locomoção por saltos e ausência de caudas nos adultos; possuem o corpo dotado para saltar com as patas posteriores muito alongadas Fazem parte desse grupo as rãs, sapos, pererecas, etc... Foto 2 – Sapo, Pereréca e Rã
    48. 48. Ambos diferenciados da seguinte maneira: Sapos - Os sapos possuem a pele rugosa, membros posteriores mais curtos e glândulas de veneno nas laterais da cabeça, atrás dos olhos. Figura 5 – Sapo-comum (Bufo ictericus) - Fêmea Glândulas de Veneno
    49. 49. Rãs - tem pele lisa, possuem membranas entre os dedos dos membros posteriores dando uma aparência de pé de pato que lhe permite um melhor desempenho ao nadar. Figura 6 – Rã-marrom (Leptodactylus flavopictus) - Macho Rã touro (Lithobates catesbeianus) – membrana membro posterior.
    50. 50. Pererecas - possuem a pele, membros bastante desenvolvidos e adaptados a grandes saltos, nas pontas de todos os dedos possuem ventosas nas que são discos adesivos que facilitam a escalada possibilitando caminhar em superfícies verticais. Figura 7 – Perereca-gargalhada (Scinax rizibilis) – Fêmea.Detalhe da pata dianteira mostrando a ponta dos dedos, em forma de disco.
    51. 51. Ápoda - Caracterizam-se por não possuírem patas e cauda. O corpo é vermiforme, e todos têm hábitos subterrâneos ou aquáticos, e com aspecto de pequenas cobras; “cega”, pois seus olhos são pouco desenvolvidos. Representantes podem ser as cecílas. (cobra cega) Foto 3 – Cecílias “Cobra cega”
    52. 52. Urodela - Possui glândulas capazes de secretar e inclusive lançar uma secreção cutânea, esbranquiçada e viscosa, que contém uma toxina chamada de Salamandrina, cujos efeitos são neurotoxicos, irritante para os olhos e que quando ingerida pode provocar má disposição e alucinações. Em todo o caso, é possível tocar nelas e mesmo agarrá-las desde que não sejam apertadas. Figura 4 – Cecília “cabra cega”
    53. 53. Anura – Só na Floresta Amazônica existem algumas pequenas rãs coloridas que possuem veneno, mas este está contido na pele e, como não mordem, não há meios de aplicarem esse veneno nas pessoas, porem não se deve lambê-las. Os sapos têm uma bolsa em cada lado da cabeça, denominada glândula parotóide, com uma estrutura esponjosa contendo um líquido leitoso. O veneno só contamina alguém quando o animal sofre um tipo de agressão que faz essas glândulas se romperem, esparramando o veneno e, eventualmente, atingindo o agressor", afirma o biólogo Célio Fernando Haddad, da Universidade Estadual de São Paulo (UnespFigura). Se isso acontecer, e as toxinas forem ingeridas ou atingirem mucosas ou alguma ferida aberta, a pessoa pode realmente ficar intoxicada, causando irritação e alguns podem ser alucinógenos - e se a peçonha cair no olho pode mesmo cegar. O veneno de certos sapos chega a matar. É o caso de diversas espécies do sapo cururu (Bufo sp.), cuja peçonha ataca gravemente o coração humano.
    54. 54. Figura8 - Glândulas de Veneno.
    55. 55. Os sapos, rãs e pererecas são animais de extrema importância para o equilíbrio da natureza, pois são os principais controladores de pragas em plantações e propagação de doenças como a dengue, malária e febre amarela pois eles controlam a população de insetos e de outros animais invertebrados e servem de comida para muitas espécies de répteis, aves e mamíferos. Uma parte desses animais pertencente ao grupo dos anuros possui substâncias em sua pele que contém propriedades que estão sendo estudadas para o desenvolvimento de medicamentos para o tratamento de diversas doenças.
    56. 56. No Brasil a secreção produzida pela espécie Phyllomedusa bicolor é muito utilizada por algumas nações indígenas da região amazônica para usos medicinais (através de um medicamento conhecido como vacina do sapo ou kambô) que reforça o sistema imunológico e possui propriedades capazes de combater bactérias. que atualmente está sendo testado por cientistas para o desenvolvimento de medicamentos. Figura 9 - Phyllomedusa bicolor, aplicação do Kambô
    57. 57. Profª Marcela Magalhães M. Fujihara Bióloga
    58. 58. As taturanas, também conhecida como tatarana (tata = "fogo" e rana = "semelhante"), popularmente chamadas de lagarta-de-fogo, mandrová, taturana-gatinho, são na verdade larvas de borboletas ou mariposas (Lepidoptera) Figura 1 Figura 1 - Taturanas e Borboletas
    59. 59. As mariposas e borboletas colocam seus ovos em plantas das quais as lagartas irão se alimentar. A preferência por árvores frutíferas. As lagartas são mais abundantes no período de outubro a março, vivem em grupos e podem ser vistas durante o dia nos troncos das árvores, ocasião em que ocorrem os acidentes. Colônia de lagartas L. obliqua
    60. 60. As lagartas são mais abundantes no período de outubro a março, vivem em grupos e podem ser vistas durante o dia nos troncos das árvores, ocasião em que ocorrem os acidentes. Figura 2 - Taturanas , Crisálida e Borboletas Monarcas
    61. 61. O ciclo vida das borboletas varia de acordo com a espécie. Na Lonomia obliqua, cuja fase de lagarta causa muitos acidentes (inclusive com óbitos) no sul do país, o ciclo completo dura em média 125 dias. Figura 3 - Ciclo de Vida
    62. 62. Nas taturanas urticantes, as cerdas são estruturas de ponta aguda e resistente, contendo glândulas produtoras de veneno. Existem diferenças morfológicas que variam conforme a família.
    63. 63. Podalia annulipes; Megalopyge lanata Megalopyge albicollis Edebessa purens
    64. 64. São estruturas de ponta aguda e resistente, contendo uma única glândula na base da cerda São cerdas longas e simples, que se camuflam nos pêlos; Figura 5Cerdas de Megalopygidae
    65. 65. Automeris illustrisDirphia araucariae Hylesia metabus Lonomia obliqua
    66. 66. Cerda de Saturniidae ampliada 400 X Cerdas de Saturniidae São cerdas constituídas de ramificações, Possuem glândulas de veneno nos ápices
    67. 67. Normalmente ocorrem da seguinte forma: manuseando a vegetação, a pessoa toca a lagarta com as mãos ou a espreme com os dedos. A dor é imediata e violenta com sensação de queimação, podendo irradiar-se para outras partes do corpo. O local fica vermelho e inchado, podendo ocorrer ínguas. Acidentes com Lagartas Megalopygidae e Saturnidae
    68. 68. Acidentes com lonomias apresentam, além dos sintomas citados inicialmente, edema e eritema de intensidade e duração variáveis, dependendo do número de cerdas que entraram em contato com a pele, quantidade de veneno inoculado e de características individuais de cada paciente. Após um período variável de uma (01) a setenta e duas (72) horas ocorre o aumento do Tempo de Coagulação (TC) até ficar incoagulável O sangramento pode ocorrer nas primeiras horas após o acidente mas é mais comum que o quadro hemorrágico instale-se após vinte e quatro(24) horas. São comuns os hematomas na pele, hemorragias pelas gengivas e urina escura. Este último sintoma caracteriza haver problemas com o funcionamento dos rins (insuficiência renal). . Também pode e sangramento grave (pulmão e cérebro) resultando em óbito.
    69. 69. Acidentes com lagartas Lonômias
    70. 70. Olhar, atentamente, para as folhas e troncos de árvores, evitando contato com as taturanas. Verificar presença de folhas roídas, casulos ou pupas e fezes de lagartas no solo. Usar luvas quando manipular troncos, árvores frutíferas ou em atividades de jardinagem. Ao manusear frutas e vegetação de hortas e jardins, verifique antes se não há taturanas. Para efetuar poda de árvores/ arbustos, utilize camisas de manga comprida, chapéu ou boné, botas e luvas, a fim de evitar o contato com as lagartas.
    71. 71. Remova as taturanas que porventura adentrar a residência, com uso de pá, graveto, pinça etc. Utilize caixas de papelão para acondicionar as taturanas recolhidas. Não utilize veneno para controle de taturanas. Tome cuidado com as crianças. Pois muitas taturanas possuem colorido vibrante que atrai a atenção e a curiosidade das crianças.
    72. 72. Lavar o local de contato com água e sabão e procurar unidade de saúde mais próxima. Se possível coletar exemplar da taturana causadora do acidente e encaminhá-lo para a identificação correta. Compressa de água fria no local. Caso a dor seja insuportável anestésico local. Anti-histamínico oral Procurar um médico para o tratamento adequado, juntamente com a lagarta para identificá-la. O instituto butantan desenvolveu o soro antilonômico, que tem propriedade de reverter o distúrbio causado pela taturana.
    73. 73. O Instituto Butantã desenvolveu o soro para acidentes com a Lonômia, o antilonômico, feito a partir das cerdas que tem propriedade de reverter o distúrbio causado pela taturana.
    74. 74. As lacraias ou centopéias são animais terrestres, de vida solitária e carnívoros, alimentando-se principalmente de minhocas, vermes, grilos, baratas, etc. A presa é detectada, e muitas vezes imobilizada, através dainoculação do veneno presente nos dois ferrões na parte debaixo da cabeça. Possuem hábitos noturnos e alojam-se sob pedras, cascas de árvores, folhas no solo e troncos em decomposição, ou constroem sistema de galerias, contendo uma câmara onde o animal se esconde. São frequentemente encontradas em hortas, entulhos, vasos, xaxins, sob tijolos, e em outros locais que não receba luz solar e seja úmido. As lacraias ou centopéias são animais peçonhentos, uma vez que possuem glândula inoculadora de veneno e podem produzir acidentes dolorosos, porém não são graves . A maioria dos acidentes ocorre pela manipulação de objetos onde este animal está escondido.
    75. 75. - Manter limpos quintais, jardins, sótãos, garagens e depósitos, evitando acúmulo de folhas secas, lixo e demais materiais como entulho, telhas, tijolos, madeiras e lenha. - Ao manusear materiais de construção, usar luvas de raspa de couro e calçados. - Rebocar paredes e muros para que não apresentem vãos e frestas. - Vedar soleiras de portas com friso de borracha ou rolos de areia. - Usar telas em ralos do chão, pias ou tanques. - Acondicionar o lixo em recipientes fechados para evitar baratas e outros insetos, que servem de alimento para lacraias e outros animais peçonhentos. - Realizar roçada de terrenos. - Manter berços e camas afastados das paredes
    76. 76. Profª Marcela Magalhães M. Fujihara Bióloga
    77. 77. Conhecimento antigo e usos diversos. Atualmente muitas pesquisas são realizadas buscando conhecer os princípios ativos das plantas para fins terapêuticos. Muitas dessas plantas podem determinar quadros tóxicos a depender da quantidade, parte da planta utilizada, forma do contato, cutâneo ou ingestão, dentre outros fatores. Os princípios ativos devem ser considerados. Se uma planta possui componentes capazes de produzir efeitos terapêuticos, podem conter, também, componentes tóxicos.
    78. 78. Os princípios ativos que provocam reações tóxicas no organismo são alcaloides que estão presentes em 10 a 15% das plantas conhecidas e atuam no sistema nervoso central e os glicosídeos cardiotônicos onde sua absorção ocorre de forma cumulativa, utilizados em problemas cardíacos. O perigo está na facilidade de manipulação, já que estas plantas são encontradas em jardins e quintais, vasos ornamentais e terrenos baldios. Existem também muitas plantas extremamente tóxicas e que se parecem com plantas que possuem propriedades medicinais, portanto, é muito importante saber distinguir umas das outras.
    79. 79. Vocês sabiam que de cada dez casos de intoxicação por plantas tóxicas registradas no Brasil, seis ocorrem com crianças menores de 10 anos, e que 84% do total dessas intoxicações são acidentais? A falta de informação pode causar sérios danos à saúde. Reconhecer as plantas tóxicas mais freqüentes pode evitar muita dor de cabeça. As peculiaridades de oito belas espécies, que são as que mais causam intoxicações no país e que estão mais presentes no dia-a-dia serão apresentadas.
    80. 80. O tratamento deve seguir as seguintes rotinas básicas: Descontaminação cutânea, ocular e esvaziamento gástrico, inativação do componente toxico e tratamento geral de suporte e sintomático. Esvaziamento gástrico - Eliminar o material nocivo do corpo o quanto antes por medidas provocadoras de vomito (Emese) e lavagem gástrica (LG). Estas medidas quando realizadas em serviços bem equipados, por pessoal experiente e, principalmente, em momento oportuno, seus resultados são bastante satisfatórios
    81. 81. Emese: As medidas provocadoras de vômitos são recomendadas particularmente quando a espécie ingerida e conhecida e muito toxica, e decorreu pouco tempo da ingestão. Deve-se, no entanto, ter o cuidado de posicionar o paciente de forma a evitar aspiração do material vomitado, pois é possível a presença de fragmentos sólidos e sementes, que poderão causar sérios problemas obstrutivos. Nos casos em que o vomito já tenha ocorrido precoce e intensamente, o esvaziamento gástrico estaria contraindicado, sendo necessário em muitos casos o uso de antiemeticos. Lavagem gástrica: Indicada quando a emese não for eficaz ou para reforçar seus resultados. Usar sondas de maior calibre possível, que permitam retirar os fragmentos das plantas, desde que não represente perigo para o paciente. As principais contraindicações para o esvaziamento gástrico, de uma maneira geral são: crianças menor de dois anos, vitima inconsciente ou em convulsão, ingestão de substancias causticas ou derivados de petróleo.
    82. 82. Carvão ativado: De uso bastante restrito, não deve ser usado na ingestão de plantas com ação local irritante ou caustica, por piorar as lesões da mucosa. Ingerir bastante água; Nas alterações cutâneas causadas por plantas alguns cuidados devem ser seguidos, qualquer que seja a espécie envolvida. Além de identificar a espécie envolvida e proteger contra novas exposições, deve-se evitar tratamentos muito enérgicos. Se aconteceu contato com látex, lavar com bastante água; Em caso de irritação dos olhos, lavar estes órgãos com água corrente limpa abundante ou Soro Fisiológico; Providenciar socorro médico o mais breve possível, tendo- se o cuidado de levar junto com o paciente o material responsável ela intoxicação.
    83. 83. Cuidados gerais a serem tomados para evitar intoxicação por plantas: Não cultive plantas toxicas ou desconhecidas nas residencias; Mantenha as plantas toxicas fora do alcance de crianças e animais domésticos; Conheça as plantas toxicas existentes em sua região pelo nome e características; Ensine as crianças, o mais cedo possível, a não colocar plantas na boca, assim como a não utiliza-las como brinquedos (fazer comidinhas, tirar leite, etc.), alertando sobre os perigos em potencial;
    84. 84. Não coma folhas, frutos e raízes desconhecidas. Lembre-se que não ha regras ou testes seguros para distinguir as plantas comestíveis das venenosas. Nem sempre o cozimento elimina a toxicidade da planta; Não prepare remédios e chás caseiros com plantas, sem orientação profissional adequada; Tome cuidado ao podar plantas que liberam látex, o qual pode provocar irritação na pele e principalmente nos olhos, podendo levar a cegueira. Evite deixar os galhos em qualquer local onde possam vir a ser manuseados; Use sempre luvas e lave bem as mãos quando lidar com plantas.
    85. 85. COMIGO-NINGUÉM-PODE Sintomas: Campeã das intoxicações está presente nos mais variados lugares, a ingestão e o contato de forma direta ou indireta pode provocar severa irritação da pele ou inflamação, acompanhada de edema e fortes dores, que podem durar algumas semanas. Os sintomas se desenvolvem rapidamente, ocorrendo irritação com sensação de queimação, salivação intensa, edema dos lábios, boca, língua e garganta, podendo dificultar ou impedira de engolir fala e causar distúrbios respiratórios (asfixia), náuseas, diarreia. O contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea Figura 1 - Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia picta Schott.)
    86. 86. TINHORÃO Sintomas: a ingestão e o contato pode causar sensação de queimação, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, náuseas, vômitos, diarreia, salivação abundante, dificuldade de engolir e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea. Figura 2 - Tinhorão (Caladium bicolor Vent.)
    87. 87. COROA DE CRISTO Sintomas: Muito usada para cercas-vivas, a seiva leitosa (látex irritante) em contato com a pele e mucosas pode causar sérias irritações e lesão. As lesões caracterizam-se inicialmente por edema de lábios, boca e língua evoluindo para a formação de vesículas e pústulas, normalmente pruriginosas, doloridas e queimação; o contato do látex ou dos dedos contaminados com os olhos provoca irritação, lacrimejamento, edema das pálpebras e dificuldade de visão; conjuntivite e, em casos mais graves, cegueira temporária. A ingestão pode causar gastrenterite severa com forte diarreia e vômitos, há dilatação da pupila, tontura, delírio com convulsão e colapso circulatório. Figura 3 - Coroa de cristo (Euphorbia milii L.)
    88. 88. AVELOZ Princípio ativo: Látex Irritante, Toxalbumina. Sintomas: Seiva leitosa (látex irritante) causa lesão na pele e mucosa, edema de lábios, boca e língua, dor, queimação e prurido; o contato com os olhos provoca irritação, lacrimejamento, edema das pálpebras e dificuldade de visão; a ingestão pode causar náuseas, vômitos e diarreias. Figura 4 - Aveloz (Tirucalli L.)
    89. 89. BICO-DE-PAPAGAIO Sintomas: O contato do látex com a pele pode provocar reação semelhante a coroa-de-Cristo, e a ingestão de partes do vegetal pode causar lesões graves. Em alguns locais, porém a ingestão do vegetal não desenvolveu sintomas graves de intoxicação, apenas sintomas leves como vômito e diarréia. Figura 5 - Bico-de-Papagaio (Euphorbia pulcherrima Willd.)
    90. 90. PINHÃO-ROXO Sintomas: a ingestão do fruto causa náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia mucosa e até sanguinolenta, dispnéia, arritmia e parada cardíaca. Figura 6 - Pinhão roxo (Jatropha gossypiifolia )
    91. 91. MAMONA Sintomas: a ingestão das sementes mastigadas causa náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia mucosa e até sanguinolenta; lesões renais, distúrbios neurológicos, letargia, apnéia nos casos mais graves podem ocorrer convulsões, coma e óbito. A ingestão de uma a seis sementes pode ser fatal para uma criança. Figura 7 - Mamona (Ricinus communis L.)
    92. 92. ESPIRRADEIRA Sintomas: a ingestão ou o contato com o látex podem causar dor em queimação na boca, salivação, náuseas, vômitos intensos, cólicas abdominais, diarréia, tonturas e distúrbios cardíacos que podem levar a morte. Figura 8 - Espirradeira (Nerium oleander L.)
    93. 93. HERA Sintomas: O uso interno somente com acompanhamento médico, frutos contêm substâncias tóxicas sua ingestão causa náuseas, vômitos, salivação excessiva, cólicas abdominais, diarreia mucosa e até sanguinolenta e podem afetar as células dos rins e do fígado, dispneia, arritmia e parada cardíaca. Figura 9 - Hera (Hedera helix L.)
    94. 94. BUCHINHA Sintomas: Ação biológica: as cucurbitacinas apresentam ações laxativas, hemolíticas,embriotóxicas e abortivas. Os sintomas aparecem cerca de 24 horas após a ingestão de chás preparados com os frutos da planta. Náuseas, vômitos, dores abdominais e dores de cabeça são os sintomas primários. Posteriormente advêm hemorragias que podem levar ao coma e à morte. Figura 10 - Buchinha (Luffa operculata Cogn.)
    95. 95. CHAPÉU-DE-NAPOLEÃO Sintomas: Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos. Ingestão: dor/queimação, sialorréia, náuseas, vômitos, cólicas abdominais,diarréia. Manifestações neurológicas com cefaléia, tonturas, confusão mental e distúrbios visuais. Distúrbios cardiovasculares: arritmias, bradicardia, hipotensão. Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento. Figura 11 - Chapéu de Napoleão (Thevetia peruviana Schum)
    96. 96. SAIA BRANCA Sintomas: Náuseas, vômitos (rápido) seguido de sintomas anticolinérgicos (pele quente, seca e avermelhada, secura de mucosas, principalmente bucal e ocular, taquicardia, midríase intensa, disúria, oligúria, distúrbio de comportamento, confusão mental e agitação psicomotora. Alucinação visual seguido de depressão neurológica e até coma profundo, distúrbios cardiovasculares, respiratórios e nos casos mais graves, pode levar à morte). Figura 12 - Saia Branca (Datura suaveolens L.)
    97. 97. TAIOBA-BRAVA Sintomas: Não perde a sua toxicidade mesmo se for cozida a ingestão e o contato podem causar sensação de queimação, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, glote, náuseas, vômitos, diarréia, salivação abundante, dificuldade de engolir e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação dos olhos e lesão da córnea. Figura 13 – Taioba-Brava (Colocasia Antiquorum Schott.)
    98. 98. CICUTA Sintomas: Antigamente era com esta planta que os governos ordenavam o envenenamento e morte dos condenados pela ingestão da cicuta, Narcótico, que produz várias perturbações orgânicas, causando paralisia progressiva começando pelos membros inferiores e atingindo os músculos respiratórios, para finalmente ocasionara morte por asfixia. as intoxicações com esta planta são mais comuns em animais. São eles: náuseas, vômitos, e às vezes com sangue; vertigens, distúrbios neurológicos, confusão mental, paralisia e coma. Figura 14 – Cicuta (Conium maculatum L.)
    99. 99. BELADONA Sintomas: A ingestão causa: Pele seca, quente e vermelha, principalmente no rosto; boca seca, dificultando a deglutição e articulação das palavras; sede intensa; febre; aumento da frequência cardíaca; dilatação das pupilas; movimentos desordenados; agitação; alteração de comportamento, podendo ficar agressivo; confusão mental e alucinações. Figura 15 – Beladona (Atroppa belladona)

    ×