Aula violencia sexual.ppt

3.199 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.199
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula violencia sexual.ppt

  1. 1. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Atendimento a pessoas de sexo feminino ou masculino que sofreu ferimentos e/ou lesões decorrentes de violência sexual sendo necessária avaliação médica e/ou especialistas de acordo com a necessidade, onde obrigatoriamente serão realizados exames laboratoriais e oferecido profilaxias para DST/ HIV, hepatite B e anticoncepção emergencial (caso se aplique).
  2. 2. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Objetivos: •Assistir, estabilizar e encaminhar adequadamente a pessoa vítima de violência sexual; •Prevenir a disseminação de DST’s em vítimas de violência sexual; •Tomar medidas preventivas imediatas para evitar a concepção resultante de violência sexual;
  3. 3. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Responsáveis: Médicos Enfermeiros Técnicos de enfermagem
  4. 4. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Inspecionar o paciente; Iniciar com a abertura da ficha de notificação de violência; O profissional que recepciona orienta a vítima ou o responsável acerca o direito (se assim o desejar) de lavratura do Boletim de Ocorrência. Obs.: a lavratura do BOP é obrigatória para menores de 18 anos assim como é compulsório a notificação ao Conselho Tutelar;
  5. 5. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL O profissional médico avalia as condições gerais e, se necessário, solicita a intervenção da equipe médica especializada, assim como de outros profissionais, faz os pedidos de exames necessários, prescreve as medicações do protocolo de do kit de prevenção incluindo a contracepção de emergência e encaminha caso julgue necessário;
  6. 6. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Condições para aplicação do “Kit de profilaxia dos agravos resultantes da violência sexual”: Leitura e a assinatura conjunta do termo de esclarecimento e consentimento; Orientação para uso dos medicamentos; Obtenção da assinatura de concordância da pessoa em tomar os medicamentos e realizar o exame de testagem para HIV.
  7. 7. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Os profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos) que atenderem a pessoa em situação de violência, devem fazer descrição detalhada do atendimento em prontuário.
  8. 8. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Acolher adequadamente o paciente vitima de violência assegurando discrição, sigilo e privacidade Realizar anamnese; Lavar as mãos; Calçar luvas e aguardar para que o médico realize coleta do material (secreções) Caso a vitima compareça com as vestes da ocorrência da violência retirar cuidadosamente, ou pedir para que a mesma retire as peças de roupa colocando-a em um saco plástico identificando com nome e data.
  9. 9. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Não higienizar, nem remover roupas ou secreções antes da coleta de material para identificação do agressor, a não ser que haja ameaça à vida Realizar inspeção física do paciente; Caso julgue necessário encaminhar paciente para reparação de danos físicos através de procedimentos clínicos e/ou cirúrgicos; Notificar o caso para o Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar – Ramal 250
  10. 10. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Tão logo quanto haja condições a vítima será encaminhada para o Centro de Referência DST – CTA. Para orientação acerca da possibilidade de realização da sorologia do agressor sob consentimento informado do mesmo: HIV (teste rápido, HCV, HBsAg, VDRL) Reforçar sobre o compromisso do tempo de seguimento da vítima – 6 meses, recomendando a contra-indicação sobre não doar sangue/órgãos, não engravidar e não amamentar neste período.
  11. 11. ATENDIMENTO EMERGENCIAL AO PACIENTE VITIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL Em caso de anormalidades não resolvidas, comunicar a enfermeira da CCIH para adotar as condutas omissas neste POP.
  12. 12. Exames a serem realizados e solicitados no primeiro atendimento. Beta HCG; Teste Rápido de Sífilis; Teste Rápido HIV (consentimento); Sorologias para hepatites;
  13. 13. Esquema A ou ideal
  14. 14. Pesquisa de esperma Será feita por meio da coleta do conteúdo vaginal e/ou anal, através de swabs. Além das secreções vaginal e anal, pode-se fazer a coleta de secreções na boca, na pele, sub-ungueal e, também encaminhar outros materiais contaminados por sêmen que podem ser periciados, como: calcinha utilizada pela vítima na hora da agressão, peças de roupas do agressor, assim como preservativos. Swabs ➢  Devem ser submetidos à secagem, em temperatura ambiente, sem a utilização de fontes de calor artificial ou exposição ao sol; ➢  Após a secagem, devem ser embalados individualmente em envelope de papel devidamente identificado, sendo o mesmo anexado à Requisição de Perícias Laboratoriais; ➢  Devem ser armazenados em geladeira (temperaturas de 2 a 8ºC) por um período que não ultrapasse 24 horas; passando este período, os swabs devem ser armazenados em freezer. Roupas ➢  Devem ser submetidos à secagem, em temperatura ambiente, sem a utilização de fontes de calor artificial ou exposição ao sol; ➢  Após a secagem, devem ser acondicionadas individualmente em embalagens de papel; ➢  Podem ser armazenadas à temperatura ambiente. Preservativos ➢  Devem ser acondicionados em frascos de coleta universal, devidamente

×