“Escolas cheias, cadeias vazias”
NOTA SOBRE AS RAÍZES IDEOLÓGICAS DO PENSAMENTO EDUCACIONAL
BRASILEIRO
Escola pública no Brasil atual
 A improdutividade dos ensinos Fundamental e Médio
como principal produto da escola públic...
Escola pública no Brasil atual
 Rede de empresas privadas de Ensino Superior, de
ingresso fácil e de qualidade duvidosa, ...
Racismo científico
 Assistimos à continuidade de uma crença que ganhou
força sob a influência do “racismo científico” das...
Criminalização das condutas de pobres e
negros como prática de natureza política.
 O Brasil do Segundo Império não é o Br...
Historia lenta
retorno da tragédia como farsa
 A história brasileira é história lenta, em que tudo muda
para que tudo per...
“Escolas cheias, cadeias vazias”:
os Pareceres de Rui Barbosa
 Comissão de Instrução Pública da Assembléia Constituinte d...
Instrução das massas e preparo das elites
 Na “instrução das massas”, a escola profissional era tida por
intelectuais do ...
“Quem não sabe escrever em
linha reta, não sabe agir em linha reta”
 Começava a encontrar espaço no imaginário dos que
co...
1879 sobre a reforma do ensino, da autoria
do ministro Leôncio de Carvalho
 A obrigatoriedade do ensino já se justificava...
Instrução dos trabalhadores e promoção da
ordem social e do desenvolvimento
econômico da nação
 Nas palavras do ministro ...
Rui Barbosa e o projeto de reforma geral
da educação escolar nacional
 Rui Barbosa foi autor do primeiro projeto de refor...
intelectuais estrangeiros e ambiguidade
 Fichte, Comte, Littré, Spencer, Thomas Huxley e Horace
Mann, representantes das ...
Rui Barbosa e os intelectuais
conservadores estrangeiros
 Rui rejeita “esse detestável erro, que promove o Estado
ao pape...
Rui Barbos e a conciliação
 Stuart Mill, que discutiu a questão da educação à luz da lei de
mercado liberal, a seguinte p...
Qual o desejo de Rui Barbosa ?
 Não tinha em mente garantir a educação escolar como um direito do
cidadão e um dever do E...
Funções da Escola para Rui Barbosa
 “a educação geral do povo [...] é, na mais liberal acepção da palavra,
 o primeiro e...
Escola e ordem social
 A educação escolar, é, acima de tudo, instituição que tem por
finalidade garantir a ordem social. ...
Escola e ordem social
 O entendimento da escola como antídoto da desordem
pública vinha dos Estados Unidos, a “grande rep...
Escola e promoção da segurança
e poder econômico
 projeto tem em vista uma educação escolar que promova a
segurança e o p...
problemas sociais trazidos pela
dissolução da ordem imperial
 Caberia à educação temperar os homens para as agruras da po...
Rui Barbosa e a disciplina
 Economia política
 Para definir o objetivo do ensino da Economia Política – “o estudo
da riq...
Rui Barbosa e a disciplina
 moral,
 deve ser científica, de modo a afastar crendices e superstições. Só
assim é possível...
Sociedade disciplinar
 As longas transcrições das posturas ideais e viciosas dos alunos
durante a escrita ilustram bem as...
Exercícios físicos
 A ginástica e os exercícios militares são tratados nos pareceres no
mesmo tom fanático com que eram p...
Ensino primário obrigatório
 No Projeto de Reforma do Ensino Primário, o principal argumento a
favor da obrigatoriedade o...
o preconceito contra o povo brasileiro
 a relação persecutória dos ricos com os “de baixo”, que acreditavam “voltados
par...
Culpabilização do povo
 Pires de Almeida (1889, p.93-4), depois de arrolar as várias causas que vinham
sendo apontadas ao...
Culpabilização do povo
 As escolas são para os pais desta categoria apenas um meio de
ficarem desobrigados da vigilância ...
Paradoxo
 No Império, um discurso entusiasmado pela educação escolar
convivia com uma rede escolar rarefeita.
 O descaso...
Rede publica efetiva no império
 a expansão da rede pública de escolas primárias e profissionalizantes era
reduzida à ofe...
Filantropia no imperio
 . À medida que novos problemas sociais iam sendo postos pelo fim do
trabalho escravo e os proprie...
Filantropia no imperio
 A instrução popular como favor tornara-se ideologia do Estado, para o que
era preciso ignorar a c...
Iluminismo e caridade
 Ao mesmo tempo que o motivo declarado para educar o povo era a
formação “de uma inteligência instr...
 No mesmo período, leis e resoluções sobre a instrução secundária
“encontraram muitas dificuldades em sua aplicação” (Pir...
 escolar às assembléias provinciais, transformando-a em peça de
um jogo político que queria sossegar o separatismo das pr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escolas cheias, cadeias vazias

368 visualizações

Publicada em

educação para rui barbosa brasil

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
368
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Tais programas em geral promovem formas
    de “inclusão marginal”, não raro de natureza perversa.3 Paralelamente cresce uma
    rede de empresas privadas de Ensino Superior, de ingresso fácil e de qualidade
    duvidosa, recentemente beneficiadas pelo governo federal por meio do Pró-Uni.
  • Escolas cheias, cadeias vazias

    1. 1. “Escolas cheias, cadeias vazias” NOTA SOBRE AS RAÍZES IDEOLÓGICAS DO PENSAMENTO EDUCACIONAL BRASILEIRO
    2. 2. Escola pública no Brasil atual  A improdutividade dos ensinos Fundamental e Médio como principal produto da escola pública.  Bolsas-família que têm como exigência a obrigatoriedade de freqüência à escola das crianças das famílias beneficiadas, não importa a qualidade do ensino oferecido  Programas educativos desenvolvidos por organizações não-governamentais que não concebem a educação como direito à formação intelectual. Tais programas em geral promovem formas de “inclusão marginal”, não raro de natureza perversa
    3. 3. Escola pública no Brasil atual  Rede de empresas privadas de Ensino Superior, de ingresso fácil e de qualidade duvidosa, recentemente beneficiadas pelo governo federal por meio do Pró-Uni.  O discurso dominante traz ao primeiro plano uma concepção de escola como instituição salvadora, cuja missão impossível é tirar das ruas crianças e jovens moradores nas áreas urbanas mais precárias das cidades e assim diminuir os índices de criminalidade, seja  Ensinando-lhes princípios de moral e bons costumes  Fornecendo-lhes um diploma ilusório em tempos de desemprego estrutural.
    4. 4. Racismo científico  Assistimos à continuidade de uma crença que ganhou força sob a influência do “racismo científico” das teorias raciais oitocentistas  Os pobres são menos capazes, mais ignorantes, mais propensos à delinqüência – seja  por motivos constitucionais  por deficiências no ambiente familiar,  Uma das concepções mais pregnantes da função social da escola, é, a de prevenção da criminalidade,  praticamente anula a escola como instituição que tem o dever de garantir o direito de todos ao letramento e ao saber
    5. 5. Criminalização das condutas de pobres e negros como prática de natureza política.  O Brasil do Segundo Império não é o Brasil atual, pois o processo histórico é feito de descontinuidade.  A história é um processo de descontinuidade e de continuidade  A história oficial da educação brasileira tem sido escrita em chave evolutiva, centrada no elogio dos progressos realizados, o que dá margem a uma historiografia celebrativa e lacunar, plena de abstrações e inversões típicas do discurso ideológico, sem nenhuma atenção ao engajamento político, ou seja, à relação das idéias com a realidade concreta onde são engendradas e ganham relevo.
    6. 6. Historia lenta retorno da tragédia como farsa  A história brasileira é história lenta, em que tudo muda para que tudo permaneça como está (Martins, 1999).  Quando qualificamos como farsa as recorrências de fatos históricos que foram trágicos no passado, estamos contemplando a continuidade, mas sobretudo a descontinuidade histórica, pois a passagem da tragédia à farsa se dá no bojo de diferenças econômicas, sociais, políticas e culturais historicamente produzidas para que se garanta a continuidade da lógica cruel que sustenta a sociedade num país capitalista de Terceiro Mundo.
    7. 7. “Escolas cheias, cadeias vazias”: os Pareceres de Rui Barbosa  Comissão de Instrução Pública da Assembléia Constituinte de 1823 como “verdadeiro método de ensinar” e “luminoso sistema”  que deveria ser adotado em todas as províncias do Brasil”, trazia, na superfície, proposta de criação de uma base geral da instrução escolar  Pedro I anunciou a abertura de uma escola lancasteriana na capital do Império, engrenagem de ensino baseada na divisão precisa do trabalho de mestres de alunos e de controle do comportamento por meio de sinos, palmas, gestos e olhares, acoplados a rígida hierarquia.
    8. 8. Instrução das massas e preparo das elites  Na “instrução das massas”, a escola profissional era tida por intelectuais do Império como instituição para fechar a  porta “às idéias de revolução e mudança de governo e dirigir as idéias do povo para as fontes do trabalho agrícola, industrial e comercial”;  no preparo das elites, a educação para o trabalho seria recurso poderoso para distanciar os alunos de “teorias e perigosas utopias”
    9. 9. “Quem não sabe escrever em linha reta, não sabe agir em linha reta”  Começava a encontrar espaço no imaginário dos que conduziam o Império. Numa época em que  A ordem imperial e escravocrata estava prestes a desabar  Movimentos migratórios internos e externos começavam a inchar os centros urbanos que se industrializavam,  Diminuir a criminalidade urbana passou a fazer parte do plano de metas políticas.
    10. 10. 1879 sobre a reforma do ensino, da autoria do ministro Leôncio de Carvalho  A obrigatoriedade do ensino já se justificava como:  Recurso de desenvolvimento das forças produtivas  Diminuição de gastos públicos com segurança pública:  “Toda despesa feita com a instrução do povo importa, na realidade, uma economia, porque está provado, por escrupulosos trabalhos estatísticos, que a educação, diminuindo consideravelmente o número de indigentes, de enfermos e de criminosos, aquilo que o Estado despende com as escolas poupa em maior escala com asilos, hospitais e cadeias.” (Moacyr, 1936, p.183)
    11. 11. Instrução dos trabalhadores e promoção da ordem social e do desenvolvimento econômico da nação  Nas palavras do ministro Leôncio:  “moralizando o povo, inspirando-lhe o hábito e o amor ao trabalho”, a instrução “desenvolve todos os ramos da indústria, aumenta a produção e com esta a riqueza pública e as rendas do Estado”.
    12. 12. Rui Barbosa e o projeto de reforma geral da educação escolar nacional  Rui Barbosa foi autor do primeiro projeto de reforma geral da educação escolar nacional fundado em tratamento sistematizado das questões do ensino segundo a última palavra dos “competentes”,  (políticos e intelectuais europeus e norte-americanos de prestígio no campo educacional)  O parecer foi proposta substitutiva de mais de 1.500 páginas, divididas em dois pareceres, que expõem os fundamentos teóricos e práticos de um novo projeto de reforma do Ensino Primário, Secundário e Superior.
    13. 13. intelectuais estrangeiros e ambiguidade  Fichte, Comte, Littré, Spencer, Thomas Huxley e Horace Mann, representantes das idéias então dominantes na Alemanha, na França, na Inglaterra e nos Estados Unidos.  Veia liberal, defende a legitimidade do ensino de todas as teorias políticas, de todos os sistemas de organização social.  Contrário ao princípio de que “as crianças pertencem à república, antes de pertencerem aos pais”,
    14. 14. Rui Barbosa e os intelectuais conservadores estrangeiros  Rui rejeita “esse detestável erro, que promove o Estado ao papel de Mentor do espírito humano e pai dos pais de famílias” e lhe dá o status inaceitável de “pontífice ultra-divino”.  Quando dominam os princípios positivistas, ele quer a presença forte do Estado na educação escolar e defende o princípio positivista de que o progresso não se faz por iniciativa da sociedade inteira, mas deve ser organizado por uma só mão – a dos dirigentes do Estado positivo.
    15. 15. Rui Barbos e a conciliação  Stuart Mill, que discutiu a questão da educação à luz da lei de mercado liberal, a seguinte passagem de Principles of political economy:  Gente inculta não pode avaliar o preço da cultura da alma [...] Qualquer governo um pouco civilizado e de boas intenções pode, sem presunção, acreditar-se provido de uma instrução superior à média da sociedade governada, e ter-se por capaz de oferecer uma educação e um ensino melhores do que o povo, entregue a si mesmo, reclamaria. É, portanto, a educação uma das coisas que, podemo-lo admitir como princípio, o governo deve distribuir ao povo. Ela constitui um dos casos a que não se aplicam necessariamente os motivos da regra da não intervenção.
    16. 16. Qual o desejo de Rui Barbosa ?  Não tinha em mente garantir a educação escolar como um direito do cidadão e um dever do Estado, mas como um direito do Estado de impedir a ignorância e suas nefastas conseqüências sociais e um dever dos pais de garantir a presença dos filhos nos bancos escolares.  Rui participava do mito da escola redentora: à “ignorância popular, mãe da servilidade e da miséria, formidável inimigo, o inimigo intestino que se asila nas entranhas do país” (ibidem, p.121-2), ele contrapunha a escola como “o alfa e o ômega”, o princípio e o fim de tudo, dotado de poder absoluto de modelagem da vida social.
    17. 17. Funções da Escola para Rui Barbosa  “a educação geral do povo [...] é, na mais liberal acepção da palavra,  o primeiro elemento de ordem,  a mais decisiva condição de superioridade militar  a maior de todas as forças produtivas”  “o trabalho não é o castigo; é a santificação das criaturas. Tudo o que nasce do trabalho, é bom. Tudo o que se amontoa pelo trabalho, é justo. Tudo o que se assenta no trabalho, é útil. Por isso, a riqueza, por isso o capital, que emanam  do trabalho, são, como ele, providenciais; como ele, necessários; benfazejos  como ele.”  Nos pareceres, a educação escolar, é, acima de tudo, instituição que tem por finalidade garantir a ordem social.
    18. 18. Escola e ordem social  A educação escolar, é, acima de tudo, instituição que tem por finalidade garantir a ordem social. Rui Barbosa se perguntou:  “como fazer face à crescente criminalidade urbana? O que fazer com os degradados que vão surgir da senzala para a liberdade? Como conservar-lhes a força de trabalho que a emancipação poderá esmorecer?”.  A resposta está “no ensino, que disciplina a plebe e a capacita para o trabalho” (ibidem, p.179). Daí a máxima que, estava na boca de políticos e homens de ciência, aqui e no exterior:  “o dinheiro gasto com escolas é outro tanto economizado em prisões” (ibidem, p.186).
    19. 19. Escola e ordem social  O entendimento da escola como antídoto da desordem pública vinha dos Estados Unidos, a “grande república do norte”, onde políticos e intelectuais vaticinavam a tragédia da anarquia social que líderes despóticos podiam instalar no vazio da educação popular. Para eles, evitar a ruína da república é missão do mestre-escola.
    20. 20. Escola e promoção da segurança e poder econômico  projeto tem em vista uma educação escolar que promova a segurança e o poder nacional. Nesse aspecto, o modelo é a Alemanha  a educação pública é requisito do progresso econômico: “se há, com efeito, verdade econômica bem estabelecida hoje, ela está em que o país mais ilustrado é, ou há de ser, se ainda não o é, o mais rico” .  A industrialização do país é meta que justifica o investimento  em educação, pois “o trabalho industrial é elemento imprescindível de civilização e de riqueza, ainda que entre os povos lavradores”.
    21. 21. problemas sociais trazidos pela dissolução da ordem imperial  Caberia à educação temperar os homens para as agruras da pobreza por meio da crença na redenção pelo trabalho.  Essa mesma leitura da função social da escola estará entre os ducadores da Primeira República, assombrados pelo fantasma dos movimentos sociais, então chamados “questão social”, que para alguns era um “caso de polícia” e para outros, um “caso de educação escolar”.
    22. 22. Rui Barbosa e a disciplina  Economia política  Para definir o objetivo do ensino da Economia Política – “o estudo da riqueza,sua produção, sua distribuição, seu caráter” –, ele faz suas as palavras do biólogo e pensador inglês Thomas Huxley, que afirma que ele só vale se evitar o conflito entre o capital e o trabalho; se incutir nas “partes menos afortunadas emais duramente laboriosas da nação [...] a convicção do caráter providencial das desigualdades”; se apagar “a chama sinistra das paixões niveladoras”; se produzir o “bom-senso contra as loucuras socialistas, contra os ódios inspiradores da subversão revolucionária” (ibidem, p.361-2).
    23. 23. Rui Barbosa e a disciplina  moral,  deve ser científica, de modo a afastar crendices e superstições. Só assim é possível ensinar a “esperar o infortúnio ou a prosperidade como conseqüências naturais da nossa obediência às condições necessárias da nossa vida” (ibidem, p.373).  Por isso, a instrução moral destina-se a inculcar aos meninos o amor ao dever, a idéia de trabalho, da atividade, da frugalidade, do bom emprego do tempo, da probidade, da sinceridade absoluta, do self- control, do acatamento dos direitos do próximo, da obediência devida à lei, da decência, da pureza e polidez da linguagem, da lealdade, da caridade, do amor da pátria. (ibidem, p.372)
    24. 24. Sociedade disciplinar  As longas transcrições das posturas ideais e viciosas dos alunos durante a escrita ilustram bem as proporções delirantes tomadas pelo objetivo de padronização absoluta do ambiente escolar (ibidem, X(IV), p.1-65).  Num país em que o suplício comandava o espetáculo da punição física, Rui Barbosa encantou-se com a penalidade incorporal como estratégia política que almejava produzir corpos dóceis por meio de técnicas de quadriculamento do tempo e do espaço em que se encaixariam os indivíduos, tendo em vista fabricá-los como partes submissas e produtivas da engrenagem social
    25. 25. Exercícios físicos  A ginástica e os exercícios militares são tratados nos pareceres no mesmo tom fanático com que eram prescritos na Europa industrial capitalista  aulas de educação física recebe forte apoio, porque desenvolve  “os elementos morais compendiados na palavra disciplina: atenção forte e viva, obediência pronta, império do indivíduo sobre si mesmo, silêncio, paciência respeito da autoridade” (ibidem, p.95), além de “assentar insensivelmente a base de hábitos morais” (ibidem, p.98-9).  Ao destacar o objetivo de construir “insensivelmente” determinados hábitos por meio do treinamento do corpo – ou seja, de implantá-los sem que o educando o perceba –, Rui deixava como herança a contribuição mais poderosa da pedagogia moderna como parte das novas técnicas de controle das condutas.
    26. 26. Ensino primário obrigatório  No Projeto de Reforma do Ensino Primário, o principal argumento a favor da obrigatoriedade ou “coercitividade legal” da educação era seu poder comprovado de reduzir a criminalidade, o que justificava a imposição truculenta, se preciso fosse, da freqüência à escola às crianças do povo.  Para frequência obrigatória , Rui Barbosa não economizou prescrições autoritárias. estava o controle rigoroso dos dados escolares e a atualização permanente das estatísticas.  Aos mestres omissos, previu penas crescentes, até a perda do emprego; aos pais resistentes, vários níveis de castigos, até a detenção.
    27. 27. o preconceito contra o povo brasileiro  a relação persecutória dos ricos com os “de baixo”, que acreditavam “voltados para o mal”, “portadores de hábitos viciosos”, predispostos ao crime e à loucura.  A gratuidade do ensino encontrou resistência dos que alegavam que ela transformaria a escola em “escola de indigentes”, aumentaria os “perigos da miscigenação de pessoas” e poderia estimular o desinteresse pela escola.  Na coleção de fantasmas que assombravam Rui Barbosa, estava o da “mistura social”: “não venham gabar-nos os benefícios desse regimen igualista, que pode assentar ombro a ombro, acotovelando-se, o filho grosseiro de uma família qualquer ao pé de uma jovem educada por uma mãe instruída, casta e de grande coração” (Moraes, 1916, p.31),
    28. 28. Culpabilização do povo  Pires de Almeida (1889, p.93-4), depois de arrolar as várias causas que vinham sendo apontadas ao longo do século, responsabilizou o povo, que, “ignorante e bárbaro, não se interessava pela escola”. Sob influência das teorias raciais, sentenciou:  nas cidades em geral e no Rio de Janeiro, em particular, há dois elementos presentes: uma classe média inteligente e, em geral, voltada para o bem, e classes inferiores muito miscigenadas, beirando em alguns pontos a classe média, mas quase todas possuindo um fundo hereditário de depravação que transparecerá nas ocasiões de faltas e maus exemplos... As classes ocupadas com trabalhos anuais ou degradadas pelos hábitos ociosos e viciosos parecem, em muitos casos, comprazer-se com a ignorância.
    29. 29. Culpabilização do povo  As escolas são para os pais desta categoria apenas um meio de ficarem desobrigados da vigilância dos filhos. Já se conhece como são os filhos destes pais: pálidos, fracos, mal-nutridos; trazem em seu rosto um descaramento precoce; instintos perversos já se apropriam do coração destes pequenos seres, que fumam como adultos e não hesitam diante de um copo de pinga.  Rui Barbosa concluiu que antes assalariar o mestre-escola do que o oficial de polícia; este protege a minha fazenda; o outro ensina a respeitá-la. Previnamos o mal: é melhor do que ter de reprimi-lo. Cada dólar que desembolsamos pela instrução é um prêmio de seguro que pagamos para o tempo vindouro. O Estado, no Brasil, consagra a esse serviço apenas 1,99% do orçamento geral, enquanto as despesas militares nos devoram 20,86% da despesa total
    30. 30. Paradoxo  No Império, um discurso entusiasmado pela educação escolar convivia com uma rede escolar rarefeita.  O descaso pela criação de um sistema escolar assumia duas formas complementares:  o barateamento aos cofres do Império das despesas com educação;  a substituição da responsabilidade do Estado pela ação de entidades filantrópicas.  A apologia oficial da instrução popular tinha muito de desejo de parecer europeu.
    31. 31. Rede publica efetiva no império  a expansão da rede pública de escolas primárias e profissionalizantes era reduzida à oferta ao povo de rudimentos de leitura e escrita, alguma habilidade manual e muita doutrinação moral e religiosa, tarefa sob medida para instituições filantrópicas religiosas ou leigas.  O método Lancaster de ensino mútuo, no qual alunos ensinavam alunos  de modo a atender o maior número possível de educandos com o mínimo de  gastos.
    32. 32. Filantropia no imperio  . À medida que novos problemas sociais iam sendo postos pelo fim do trabalho escravo e os proprietários acresciam ao seu rol de preocupações o medo de “caos social”, a beneficência alastrou-se, e quase todas as províncias passaram a contar com instituições orfanológicas subvencionadas pelos cofres provinciais ou por doações de beneméritos. Entre os membros dessas sociedades, não raro havia conselheiros, militares, comendadores, comerciantes, barões, marqueses e viscondes  Orfanatos, cursos profissionalizantes e pequenas unidades escolares primárias efêmeras eram mantidos pela “generosidade dos particulares” promovendo chás e quermesses para angariar fundos para a criação estabelecimentos de ensino que, em geral, levavam o nome do benfeitor ou de um membro da família
    33. 33. Filantropia no imperio  A instrução popular como favor tornara-se ideologia do Estado, para o que era preciso ignorar a concepção iluminista da educação escolar como direito do cidadão, mesmo que a expressão “difusão das Luzes” fizesse parte dos projetos de reforma escolar desde o Alvará de 1759.  A educação das crianças das classes oprimidas em chave assistencialista  atingiu o auge em 1883, com a fundação da Associação Protetora da Infância Desamparada, por iniciativa do marido da princesa, o conde D’Eu
    34. 34. Iluminismo e caridade  Ao mesmo tempo que o motivo declarado para educar o povo era a formação “de uma inteligência instruída e de uma razão esclarecida” – e assim os nossos eruditos sentiam-se em dia com as Luzes –, falava-se, sem embaraço, em “caridade intelectual” como meio de elevar o nível de moralidade dos pobres.  Pelo mesmo motivo, exaltavam-se os asilos para “moças desamparadas”, “sementeiras de moças cristãmente educadas”, que recebiam “educação prática”, nome dado à execução de “todo o serviço interno de vestidos, cozinha, cuidados de limpeza das salas e suas dependências, da capela, lavagem não somente da roupa pessoal,
    35. 35.  No mesmo período, leis e resoluções sobre a instrução secundária “encontraram muitas dificuldades em sua aplicação” (Pires de Almeida, 1889, p.61).  O Ato Adicional de 1834 veio para conciliar as três forças políticas em confronto: a preservação da condição vitalícia dos senadores foi concessão aos restauradores; a autonomia das províncias, pela criação de assembléias legislativas provinciais, contemplou os liberais radicais; a abolição do Conselho de Estado e a transformação da Regência Trina em Regência Una satisfizeram o  anseio de centralização política dos liberais moderados. Ao delegar a educação
    36. 36.  escolar às assembléias provinciais, transformando-a em peça de um jogo político que queria sossegar o separatismo das províncias do norte e calar os clamores de liberais radicais em torno dos direitos do homem e do cidadão, os articuladores da reforma constitucional entregaram a educação escolar fundamental, sem nenhuma diretriz, a administrações sem recursos técnicos, humanos e financeiros, deixando-a à mercê de latifundiários que não tinham nenhum interesse em escolarizar o povo.  O resultado

    ×