Anestesia

2.010 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.010
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anestesia

  1. 1. CIRURGIA E ANESTESIACIRURGIA E ANESTESIA Enfª. Daniela Campos de Andrade LourençãoEnfª. Daniela Campos de Andrade Lourenção
  2. 2. CIRURGIACIRURGIA • CLASSIFICAÇÃO: • Eletiva: Pode ser programada • Urgência: Permite preparo pré-operatório, porém deve ser realizada dentro de 24 – 30 horas. • Emergência: Imediata sob risco de vida. • Curativa: Objetiva devolver a saúde ao paciente. • Paliativa: Finalidade de atenuar as seqüelas da patologia primária. • Optativa: A decisão parte do paciente.
  3. 3. ANESTESIAANESTESIA • Pré-anestésico: Redução da ansiedade e sedar o paciente.Podem ser classificados como sedativos e hipnóticos, ansiolíticos, amnésicos, tranqüilizantes, analgésicos e anticolinérgicos. Frequentemente utilizado o Midazolan é prescrito para aliviar a tensão e promover a amnésia. Geralmente prescrito para ser administrado com uma hora de antecedência ao ato cirúrgico.
  4. 4. ANESTESIAANESTESIA
  5. 5. MONITORIZAÇÃO ANESTÉSICAMONITORIZAÇÃO ANESTÉSICA • Sinais Vitais: Pressão Arterial, pulso, temperatura. • ECG Contínuo. • Oxímetria contínua.
  6. 6. MONITORIZAÇÃO ANESTÉSICAMONITORIZAÇÃO ANESTÉSICA • Capnografia contínua conforme técnica cirúrgica. • Volume de ar respirado. • Níveis de gases sanguíneo. • pH do sangue. • Concentrações anestésicas.
  7. 7. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • GERAL: Estado de inconsciência reversível com amnésia, analgesia, depressão dos reflexos, relaxamento muscular e homeostase dos sistemas fisiológicos.
  8. 8. ANESTESIA GERALANESTESIA GERAL • Utilizam-se anestésicos líquidos voláteis, gases anestésicos e endovenosos. • Líquidos: Halotano – Fluotano Metoxiflurano – Pentrano Enflurano – Etrane Isoflurano – Forane • Gases: Óxido Nitroso e Ciclopropano. • Endovenosos: Tiopental sódico, curare (relaxante muscular).
  9. 9. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • REGIONAL: Perda reversível da sensação quando um anestésico é injetado para bloquear ou anestesiar um feixe nervoso.
  10. 10. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • MEDULAR: Introdução do anestésico local dentro do espaço subaracnóide (L4 e L5). Produz bloqueio dos membros inferiores, períneo e baixo abdome.
  11. 11. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA Punção raquidiana
  12. 12. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • EPIDURAL: Injeção do anestésico local no canal medular no espaço em torno da duramáter. Bloqueia as mesmas regiões da medular ou raquidiana. Porém as doses são maiores porque a anestesia epidural não faz contato direto com a medula.
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • BLOQUEIO DE GRANDES NERVOS PERIFÉRICOS: • Plexo Braquial - Produz anestesia no braço. • Caudal: Produz anestesia do períneo. • Paravertebral: Produz anestesia dos nervos do tórax, parede abdominal e as extremidades.
  14. 14. CLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICACLASSIFICAÇÃO ANESTÉSICA • INFILTRAÇÃO LOCAL: Injeção de solução anestésica onde foi planejada a incisão. Pode ser combinada com a epinefrina que causa vasoconstrição e previne a rápida absorção do anestésico. • ASSISTÊNCIA MONITORADA DE ANESTESIA: É a infiltração local realizada pelo cirurgião com complementação de sedação, analgesia sistêmica e monitoramento feito pelo anestesiologista.
  15. 15. INTERCORRÊNCIAS NOINTERCORRÊNCIAS NO TRANSANESTÉSICOTRANSANESTÉSICO • Hipotensão induzida: Alguns procedimentos requerem a redução da pressão para diminuir o sangramento local. Por Ex.: cirurgias no cérebro, ressecção radical de pescoço ou quadril. • Hipotermia: Pode ser resultado de baixa temperatura na SO, infusão de líquidos frios, inalação de gases frios, cavidades corporais abertas, diminuição da atividade muscular, idade avançada e agentes farmacológicos.
  16. 16. INTERCORRÊNCIAS NOINTERCORRÊNCIAS NO TRANSANESTÉSICOTRANSANESTÉSICO • Hipertermia maligna: é um estado de desordem muscular quimicamente induzida por agentes anestésicos. • Fisiopatologia: Os mecanismos de contração musculares estão estimulados pela cálcio estocado nas células dos músculos causando sintomas de contração muscular (rigidez) que causa a hipertermia e dano ao sistema nervoso central. Índice de mortalidade: Superior a 50%. • Manifestações clínicas: Taquicardia (150 bpm), disritmia ventricular, hipotensão, diminuição do débito cardíaco, oligúria e, por fim, parada cardíaca.

×