Introducao do Espaco Geografico Brasileiro

14.301 visualizações

Publicada em

  • O espaço geográfico é aquele que foi modificado pelo homem ao longo da história. Que contém um passado histórico e foi transformado pela organização social, técnica e econômica daqueles que habitaram ou habitam os diferentes lugares (“o espaço geográfico é o palco das realizações humanas”).
    Um conceito bastante presente na geografia em geral, o espaço geográfico apresenta definição bastante complexa e abrangente. Outros conceitos também relacionados ao espaço geográfico, ou antes, que estão contidos nele são: lugar, que é um conceito ligado a um local que nos é familiar ou que faz parte de nossa vida, e paisagem que é a porção do espaço que nossa visão alcança e é produto da percepção.

    A primeira definição de “espaço” foi feita pelo filósofo Aristóteles para o qual este era inexistência do vazio e lugar como posição de um corpo entre outros corpos. Aristóteles ignorava o homem como constituinte do espaço, contudo, ele já considerava um aspecto importante da estrutura do espaço geográfico, a localização.

    Mais adiante, no século XVIII, Immanuel Kant define o espaço como sendo algo não passível de percepção, porém, o que permite haver a percepção. Ou seja, Kant introduziu a idéia de que o espaço é algo separado dos demais elementos espaciais. Entretanto, suas idéias não permitem concebê-lo como algo constituído de significado ou estrutura própria.

    Mais tarde, outros filósofos inserem o homem como um componente essencial para a compreensão do espaço, com ser que cria e modifica espaços de acordo com suas culturas e objetivos. Por último, seguiu-se a concepção filosófica de espaço proposta por Maurice Merleau-Ponty: “O espaço não é o meio (real ou lógico) onde se dispõe as coisas, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.”. Todas estas são concepções filosóficas do espaço que, entretanto, diferem um pouco da concepção geográfica.

    A concepção geográfica de espaço que predominou de 1870 a meados de 1950, embora este ainda não fosse considerado como objeto de estudo, foi a introduzida por Ratzel e Hartshorne para os quais a concepção de “espaço vital” se confundia com a de território a medida em que era atrelado à ele uma relação de poder. Hatshorne usa o conceito de Kant, ou seja, para ele o espaço em si não existe, o que existe são os fenômenos que se materializam neste referencial. Aqui, espaço e tempo são desprezados.

    A partir de 1950 o espaço passa a ser associado à noção de “planície isotrópica” (superfície plana com as mesmas propriedades físicas em todas as direções, homogênea) sob a ação de mecanismos unicamente econômicos (uso da terra, relações centro – periferia, etc.).

    Em 1970 surge uma nova concepção atrelada à geografia crítica, que tem com base os pensamentos marxistas e para a qual o espaço é definido como o locus da reprodução das relações sociais de produção. Nesta concepção espaço e sociedade estão intimamente ligados.

    Mais tarde surge uma nova concepção epistemológica para geografia que passa a encarar o espaço como fenômeno materializado. Ou, nas palavras de ALVES (1999), o espaço “é produto das relações entre homens e dos homens com a natureza, e ao mesmo tempo é fator que interfere nas mesmas relações que o constituíram. O espaço é, então, a materialização das relações existentes entre os homens na sociedade.”.sfwerwe
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • O espaço geográfico é aquele que foi modificado pelo homem ao longo da história. Que contém um passado histórico e foi transformado pela organização social, técnica e econômica daqueles que habitaram ou habitam os diferentes lugares (“o espaço geográfico é o palco das realizações humanas”).
    Um conceito bastante presente na geografia em geral, o espaço geográfico apresenta definição bastante complexa e abrangente. Outros conceitos também relacionados ao espaço geográfico, ou antes, que estão contidos nele são: lugar, que é um conceito ligado a um local que nos é familiar ou que faz parte de nossa vida, e paisagem que é a porção do espaço que nossa visão alcança e é produto da percepção.

    A primeira definição de “espaço” foi feita pelo filósofo Aristóteles para o qual este era inexistência do vazio e lugar como posição de um corpo entre outros corpos. Aristóteles ignorava o homem como constituinte do espaço, contudo, ele já considerava um aspecto importante da estrutura do espaço geográfico, a localização.

    Mais adiante, no século XVIII, Immanuel Kant define o espaço como sendo algo não passível de percepção, porém, o que permite haver a percepção. Ou seja, Kant introduziu a idéia de que o espaço é algo separado dos demais elementos espaciais. Entretanto, suas idéias não permitem concebê-lo como algo constituído de significado ou estrutura própria.

    Mais tarde, outros filósofos inserem o homem como um componente essencial para a compreensão do espaço, com ser que cria e modifica espaços de acordo com suas culturas e objetivos. Por último, seguiu-se a concepção filosófica de espaço proposta por Maurice Merleau-Ponty: “O espaço não é o meio (real ou lógico) onde se dispõe as coisas, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.”. Todas estas são concepções filosóficas do espaço que, entretanto, diferem um pouco da concepção geográfica.

    A concepção geográfica de espaço que predominou de 1870 a meados de 1950, embora este ainda não fosse considerado como objeto de estudo, foi a introduzida por Ratzel e Hartshorne para os quais a concepção de “espaço vital” se confundia com a de território a medida em que era atrelado à ele uma relação de poder. Hatshorne usa o conceito de Kant, ou seja, para ele o espaço em si não existe, o que existe são os fenômenos que se materializam neste referencial. Aqui, espaço e tempo são desprezados.

    A partir de 1950 o espaço passa a ser associado à noção de “planície isotrópica” (superfície plana com as mesmas propriedades físicas em todas as direções, homogênea) sob a ação de mecanismos unicamente econômicos (uso da terra, relações centro – periferia, etc.).

    Em 1970 surge uma nova concepção atrelada à geografia crítica, que tem com base os pensamentos marxistas e para a qual o espaço é definido como o locus da reprodução das relações sociais de produção. Nesta concepção espaço e sociedade estão intimamente ligados.

    Mais tarde surge uma nova concepção epistemológica para geografia que passa a encarar o espaço como fenômeno materializado. Ou, nas palavras de ALVES (1999), o espaço “é produto das relações entre homens e dos homens com a natureza, e ao mesmo tempo é fator que interfere nas mesmas relações que o constituíram. O espaço é, então, a materialização das relações existentes entre os homens na sociedade.”.dfgfdgdfgdfgd
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • O espaço geográfico é aquele que foi modificado pelo homem ao longo da história. Que contém um passado histórico e foi transformado pela organização social, técnica e econômica daqueles que habitaram ou habitam os diferentes lugares (“o espaço geográfico é o palco das realizações humanas”).
    Um conceito bastante presente na geografia em geral, o espaço geográfico apresenta definição bastante complexa e abrangente. Outros conceitos também relacionados ao espaço geográfico, ou antes, que estão contidos nele são: lugar, que é um conceito ligado a um local que nos é familiar ou que faz parte de nossa vida, e paisagem que é a porção do espaço que nossa visão alcança e é produto da percepção.

    A primeira definição de “espaço” foi feita pelo filósofo Aristóteles para o qual este era inexistência do vazio e lugar como posição de um corpo entre outros corpos. Aristóteles ignorava o homem como constituinte do espaço, contudo, ele já considerava um aspecto importante da estrutura do espaço geográfico, a localização.

    Mais adiante, no século XVIII, Immanuel Kant define o espaço como sendo algo não passível de percepção, porém, o que permite haver a percepção. Ou seja, Kant introduziu a idéia de que o espaço é algo separado dos demais elementos espaciais. Entretanto, suas idéias não permitem concebê-lo como algo constituído de significado ou estrutura própria.

    Mais tarde, outros filósofos inserem o homem como um componente essencial para a compreensão do espaço, com ser que cria e modifica espaços de acordo com suas culturas e objetivos. Por último, seguiu-se a concepção filosófica de espaço proposta por Maurice Merleau-Ponty: “O espaço não é o meio (real ou lógico) onde se dispõe as coisas, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.”. Todas estas são concepções filosóficas do espaço que, entretanto, diferem um pouco da concepção geográfica.

    A concepção geográfica de espaço que predominou de 1870 a meados de 1950, embora este ainda não fosse considerado como objeto de estudo, foi a introduzida por Ratzel e Hartshorne para os quais a concepção de “espaço vital” se confundia com a de território a medida em que era atrelado à ele uma relação de poder. Hatshorne usa o conceito de Kant, ou seja, para ele o espaço em si não existe, o que existe são os fenômenos que se materializam neste referencial. Aqui, espaço e tempo são desprezados.

    A partir de 1950 o espaço passa a ser associado à noção de “planície isotrópica” (superfície plana com as mesmas propriedades físicas em todas as direções, homogênea) sob a ação de mecanismos unicamente econômicos (uso da terra, relações centro – periferia, etc.).

    Em 1970 surge uma nova concepção atrelada à geografia crítica, que tem com base os pensamentos marxistas e para a qual o espaço é definido como o locus da reprodução das relações sociais de produção. Nesta concepção espaço e sociedade estão intimamente ligados.

    Mais tarde surge uma nova concepção epistemológica para geografia que passa a encarar o espaço como fenômeno materializado. Ou, nas palavras de ALVES (1999), o espaço “é produto das relações entre homens e dos homens com a natureza, e ao mesmo tempo é fator que interfere nas mesmas relações que o constituíram. O espaço é, então, a materialização das relações existentes entre os homens na sociedade.”.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Introducao do Espaco Geografico Brasileiro

  1. 1. INTRODUÇÃO AO ESPAÇO GEOGRÁFICO BRASILEIRO Por Ângela de Abreu
  2. 2. OS ÍNDIOS E SEUS ESPAÇOS
  3. 3. -Os índios viviam em harmonia com o meioambiente;-A maioria dos indígenas se dedicava àagricultura, à caça e à pesca;-Alguns eram nômades e autossuficientes;- coletividade;-Segundo o antropólogo Darcy Ribeiro 85milhões de nativos foram massacrados peloseuropeus em toda a América em menos de 200anos.
  4. 4. O IMPACTO DO TRATADO DE TORDESILHAS-Portugal e Espanha estabelecem a corrida pelodomínio de terras da América (potências);-Cristovão Colombo (Espanha) conquista em1492 as primeiras terras;-O Tratado foi assinado em 1494, devido apressão portuguesa para garantir acontinuidade de sua expansão;
  5. 5. O PAU-BRASIL NO SÉCULO XVI• Falta de interesse no Brasil pelos portugueses (primeiros 30 anos), mas expedições de reconhecimento e defesa para garantir a dominação;• Exploração do pau-brasil pela facilidade para fabricação de tecido devastação.
  6. 6. A CANA-DE-AÇÚCAR NO SÉCULO XVI- Queda nos lucros no Oriente implantação do plantio alto valor no mercado europeu;- Busca de investidores pela monarquia, visando ocupar as terras e fazê-las produzir Doação a ricos comerciantes portugueses, que arcariam com gastos da ocupação CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
  7. 7. • Os donatários teriam de colonizá-las, atraindo outros colonizadores;• Progresso de poucas capitanias:- Conflitos com nativos;- Afastamento de colonizadores;- Solos inapropriados;- Não despertaram interesse dos donatários. Destaques: São Vicente e Pernambuco.
  8. 8. CAPITANIAS:• São Vicente: • Pernambuco:- Já tinha uma vila; - Proximidade com a- Desenvolvimento de Europa; gado e cana. - Barateamento do transporte; - Solo de massapê. Solo úmido, argiloso, de aspecto escuro, com alta capacidade de produção.
  9. 9. • Vinda de escravos negros;• Imensas áreas continuaram despovoadas;• Queda dos preços na Europa prejuízos;
  10. 10. INTERIORIZAÇÃO DO BRASIL (Séc. XVII/XVIII)• Declínio econômico na capitania de São Vicente bandeiras (expedições em busca de riquezas no interior);• Primeiramente aprisionavam indígenas, posteriormente buscavam riquezas minerais e vegetais conhecidos como drogas do sertão (cascas, folhas e raízes com aplicações farmacêuticas, canela, pimenta, cravo, urucum, etc.
  11. 11. RESULTADOS:- Despovoamento indígena: massacre; Escravização; Transmissão de inúmeras doenças provocando epidemias;- Ruptura do Tratado de Tordesilhas;- Descobrimento das riquezas minerais;- Ouro (MG, GO e MT).
  12. 12. AGRICULTURA E PECUÁRIA- BAHIA: Fumo;- Nordeste: Cana-de-açúcar, lavouras de algodão, gado (interiorização e povoamento). Rebanho para a margem do Rio São Francisco = Rio dos currais- Minas Gerais: gado para alimentar mineradores;- Levou a interiorização do povoamento.
  13. 13. A AMAZÔNIA- Província do Grão-Pará e Maranhão;- Abrigou fortes e bases militares para proteção de invasões;- Serviram como pontos de apoio para caçadores de índios, sertanistas e jesuítas;- Domínio de área espanhola.
  14. 14. O SUL-Expulsão de jesuítas espanhois e prendendo índios;- Atração de colonizadores portugueses;- Criação de gado (pastagens = pampa);- Expansão de Estâncias;- Abastecimento do sudeste do país;- Redefinição territorial (Tratado de Madri – 1750).
  15. 15. EXPANSÃO TERRITORIAL:• 1864: conflito com o Paraguai – Região dos rios da Prata, Paraguai e Paraná;• Final do século XIX – fornecedor mundial de matéria-prima;• Maior produtor mundial de café;• Ciclo da borracha – indústria de automóveis;• Fluxo de migrantes para a Amazônia;• Acordo com a Bolívia (1903) – compra do Acre.
  16. 16. BRASIL HOJE
  17. 17. CONCLUSÕES:• As atividades econômicas definem o espaço geográfico;• Mudança da ocupação indígena para a exploração dos europeus;• Surgimento de vilas, engenhos, quilombos, atividades agropecuárias e mineradoras diversas.• Quanto mais a economia se desenvolvia, mais formas variadas de ocupação surgiam;
  18. 18. • Interiorização e povoamento;- Estâncias;- Fortes e bases militares;- Criação de gado.
  19. 19. FONTES BIBLIOGRÁFICAS:1. Material Didático da FTD2. Imagens: www.google.com.br

×