Projeto libras setores públicos municipal

569 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Projeto libras setores públicos municipal

  1. 1. CURSO DE LÍBRAS BÁSICO PLANO DE CURSO 1. JUSTIFICATIVA: Este curso para o ensino da Língua Brasileira de Sinais, a LIBRAS, foi pensado com o principal objetivo de bem atender a pessoa com surdez em todo e qualquer setor público municipal, além de ser desenvolvido para que a LIBRAS (língua oficial da comunidade surda brasileira) se difunda em nossa sociedade como forma de inclusão da pessoa com surdez, tanto na comunidade como em todas as instancias, afim de que a pessoa com surdez possa ser atendido por meio da LIBRAS, sua língua materna, de forma eficaz como todo e qualquer. Sabemos que a comunicação é a base de todas as relações, portanto não devemos oferecer ao surdo somente a nossa língua devemos conhecer e usar a língua da comunidade surda, para que assim haja a INCLUSÃO de fato e não somente a INTEGRAÇAO do surdo em nossa sociedade. Para que a pessoa surda possa ser atendida na educação como qualquer indivíduo da comunidade, é importante e necessário, que em todo setor público municipal, possa haver um representante que comunique-se em LIBRAS, língua materna da pessoa com surdez. 1. EMENTA Estudos da Língua Brasileira de Sinais, considerada atualmente de relevância para que haja a inclusão da pessoa com surdez na sociedade. Discussão de aspectos referentes a estudos linguísticos e Língua de Sinais Brasileira: história da educação dos surdos. A importância da LIBRAS no desenvolvimento sócio-cultural dos surdos. Vocabulário básico e funcional da LIBRAS. 2. OBJETIVOS Desenvolver o conhecimento básico da LIBRAS, que auxilie as secretarias e demais setores públicos municipais no atendimento ao publico podendo inclusive atender a pessoa com surdez.
  2. 2. 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 3.1. Implicações culturais, históricas e linguísticas da educação dos surdos. 3.2. A Língua Brasileira de Sinais. Características da língua, seu uso e variações regionais. 3.3. Vocabulário básico e uso da gramática da LIBRAS. Noções básicas da Libras: configurações de mão, movimento, locação, orientação da mão, expressões não-manuais, números; expressões socioculturais positivas: cumprimento, agradecimento, desculpas, expressões socioculturais negativas: desagrado, verbos e pronomes, noções de tempo e de horas. 3.4. Vocabulário funcional para o atendimento da pessoa com surdez nos setores públicos. 4. METODOLOGIA E RECURSOS INSTRUCIONAIS 4.1- Metodologia: O curso será desenvolvido em quinze encontros presenciais sendo que cada encontro terá de uma a duas horas de duração. Serão utilizados recursos como: - aulas expositivas com análise de textos; - aulas práticas de LIBRAS; - dinâmicas de grupos envolvendo situações do cotidiano da vida do surdo; - música e apresentação de Coral para ensino da Língua Brasileira de Sinais; - teatro e dramatizações. 4.2. Recursos: - leitura de textos que abordam os aspectos da surdez, a importância do uso da LIBRAS e da educação bilíngue pela comunidade surda; - vídeos, PowerPoint, música, outros; - Apostila de Libras. 4.3. Estratégias: - Aula expositiva sobre Abordagens e Metodologias de ensino das Libras; - Apresentação e discussão da evolução das práticas de ensino de Libras; - Aulas com a presença de surdo para treino da língua, se possível. 5. DESENVOLVIMENTO
  3. 3. O curso terá carga horária de trinta horas que serão desenvolvidas em quinze encontros presencias no caso de serem duas horas de duração em cada encontro semanal, e em trinta encontros, no caso de ser em uma hora por semana. O curso será ministrado pelas professoras, especialistas na área de pessoas com surdez e na Língua Brasileira de Sinais, Laudinete da Silva Nery, Chaline Salesse N. Vantini e pela orientadora pedagógica da Educação Especial Inclusiva, Mariane Della Coletta Savioli Garzotti de Araujo. Serão três turmas, sendo duas a iniciarem logo no início do mês de junho e outra no mês de julho. Os locais das aulas serão; EMEB. Professora Carmélia Mello Fonseca, Secretaria Municipal de Educação e nas Dependências do Centro de Assistência odontológica à Pessoa com deficiência – CAOE, unidade Auxiliar de Estrutura Complexa, da Faculdade de odontologia do Campus de Araçatuba da UNESP ou outro local conforme disponibilidade. 6. PÚBLICO ALVO Funcionários das Diversas Secretarias e Setores Públicos Municipais de Araçatuba, Profissionais do Centro de Assistência odontológica à Pessoa com deficiência – CAOE, unidade Auxiliar de Estrutura Complexa, da Faculdade de odontologia do Campus de Araçatuba da UNESP, Professores e cuidadores de alunos com surdez matriculados na rede municipal de educação de Araçatuba e etc. 7. CULMINANCIA: Ao final do curso as turmas farão apresentações de acordo com o combinado com o grupo e suas respectivas professoras com data e local a definir. 8. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BRASIL. Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educacionais especiais. Brasília: Corde, 1994. _______. Decreto nº 5626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário oficial da União. Brasília, 22 dez. 2005. _______. Lei 10.098. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção de acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com
  4. 4. mobilidade reduzida e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 19 dez. 2000. _______. Lei 10.436. Dispõe sobre a Língua brasileira de sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 24 abr. 2002. _______. Constituição Federal. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2001. _______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva - MEC/SEESP, 2007. CAPOVILLA e RAPHAEL, Fernando César e Walkiria Duarte. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue – Língua Brasileira de Sinais. V. 1 e V. 2. São Paulo: EDUSP, 2006. FÁVERO, PANTOJA e MONTOAN, Eugênia Augusta Gonzaga, Luíza de Marillac P. e Maria Teresa Eglér. Atendimento Educacional Especializado, Aspectos Legais e Orientações Pedagógicas. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga. Direitos das Pessoas com Deficiência, Garantia de Igualdade na Diversidade. Rio de Janeiro: Ed. WVA, 2007. HONORA e FRIZANCO, Márcia e Mary Lopes Esteves. Livro Ilustrado de Língua Brasileira de Sinais – Desvendando a Comunicação usada pelas Pessoas com Surdez. V. 1. São Paulo: Ciranda Cultural, 2009. KOJIMA e SEGALA, Catarina Kiguti e Sueli Ramalho. Língua Brasileira de Sinais, A Imagem do Pensamento. V. 1. São Paulo: Ed. Escala, 2008. _______. Língua Brasileira de Sinais, A Imagem do Pensamento. V. 2. São Paulo: Ed. Escala, 2008. _______. Língua Brasileira de Sinais, A Imagem do Pensamento. V. 3. São Paulo: Ed. Escala, 2008. _______. Língua Brasileira de Sinais, A Imagem do Pensamento. V. 4. São Paulo: Ed. Escala, 2008.

×