SlideShare uma empresa Scribd logo
Sandra Aymone
Histórias do nordeste
2
2
MATEUS E O BRINQUEDO DESAPARECIDO
Autora
Sandra Aymone
Coordenação editorial
Maria Fernanda Moscheta
Sílnia N. Martins Prado
Ilustração
Pierre Trabbold
Revisão de texto
Marília Mendes
Diagramação
Linea Creativa
Realização
Fundação EDUCAR DPaschoal
www.educardpaschoal.org.br
Fone: (19) 3728-8129
Esta coleção é uma homenagem ao nosso querido colega
Mateus, idealizador do projeto.
Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a
escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas.
Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m² (capa)
e Papel Couché Image Mate 145 g/m² (miolo), fabricados pela Ripasa S/A
Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica Editora
Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 127.000 exemplares,
para esta 1ª edição.
Ilustrado por Pierre Trabbold
Sandra Aymone
Histórias do nordeste
2
2
Mateus estava ansioso. Não parava de rodear o pai, que era
caminhoneiro. Ele tinha acabado de voltar de uma viagem que
tinha feito para entregar uma carga no Nordeste do Brasil.
O menino queria fazer mil perguntas, mas precisava esperar
que dona Cida, sua mãe, soubesse por que o marido havia
demorado tanto.
— É que eu tive que ajudar um colega — respondeu o pai
de Mateus, que se chamava Fernando. — Numa curva, um
caminhão passou por mim soltando uma fumaça preta que
quase me deixou sem enxergar nada!
2
2
— Quando parei num posto para almoçar — continuou seu
Fernando —, vi que aquele caminhão estava estacionado lá e
não pude deixar de falar com o motorista.
— E ele não ficou bravo? — preocupou-se a mãe de Mateus.
— Ficou, sim, no início. Mas falei de um jeito simpático e
disse a ele que a fumaça preta do caminhão faz mal à nossa
saúde e prejudica o meio ambiente. Expliquei que é preciso
manter a injeção de combustível regulada e não andar com
filtros sujos...
3
3
4
4
— Você é o verdadeiro super-herói das estradas!
— brincou dona Cida, toda orgulhosa do marido.
Mateus ouvia a conversa, muito atento, e queria saber
mais. Depois de jantar, seu Fernando começou a contar
ao filho sobre tudo de interessante que tinha visto.
— Quem vê o Rio São Francisco, o “Velho Chico”, não
esquece mais! Antigamente, os barcos que navegavam
nesse rio traziam carrancas, umas figuras de madeira,
com caras bem feias para assustar assombração...
— Os barqueiros acreditavam em Bicho-Papão?
— espantou-se Mateus.
— Isso são crendices, mas fique sabendo que o
Bicho-Papão de Pernambuco se chama Cabra-Cabriola...
4
4
— Que nome engraçado! Como é essa Cabra?
— É uma lenda antiga. Diziam que era meio cabra,
meio monstro, e soltava fogo e fumaça pelos olhos,
nariz e boca.
Mateus, sempre esperto, brincou:
— Era fumaça preta? Ah, então é porque
estava com a injeção de combustível
desregulada!
Seu Fernando e dona Cida deram muita
risada. Depois, o pai lembrou-se de algo
e foi até o caminhão. Voltou com uma
sacola cheia de frutinhos redondos e
esverdeados.
5
5
6
6
— Isso é umbu! — esclareceu ele. — Durante a viagem, passei
por muitos umbuzeiros. O povo nordestino adora essa fruta...
Mateus e sua mãe acharam uma delícia. Comeram quase tudo e
o menino guardou as sementinhas.
No dia seguinte, seu Fernando falou que teria de partir
novamente, logo depois do almoço. Tinha outra carga para
entregar. Dona Cida ficou triste, mas sabia que ele sempre
cumpria com orgulho os seus compromissos.
— Poxa, pai, você quase nunca fica comigo! Fica só viajando...
— reclamou Mateus.
6
6
Seu Fernando explicou:
— Filho, é o meu trabalho. Preciso fazer isso para que a gente
tenha um pouco de conforto e para você poder estudar! Mas
você está sempre no meu pensamento e no meu coração,
mesmo quando estou longe! E você, se lembra sempre de mim?
— De você e das suas histórias cheias de aventuras! — disse
Mateus.
E o pai abraçou Mateus bem apertadinho.
Seu Fernando aproveitou o resto da manhã para contar mais
coisas sobre o Nordeste.
7
7
8
8
— Numa parada, conheci um professor que me falou sobre a
Serra da Capivara, que fica no Piauí. Lá foram descobertos
um montão de coisas dos homens das cavernas e ossos de
bichos pré-históricos...
— Que bichos? Dinossauros? Adoro dinossauros! —
entusiasmou-se Mateus.
— Não. Eram preguiças e tatus gigantes! Mas você ia
adorar um lugar que existe na Paraíba, chamado Vale dos
Dinossauros. Tem uma porção de pegadas de dinossauros ao
longo de um rio.
— Que bacana! — exclamou o menino. — Ah, um
dia quero ir até lá!
Naquele ponto, dona Cida interrompeu
a conversa, lembrando que o marido
precisava arrumar suas coisas para
a viagem.
Depois de almoçar e de muitos
abraços e beijos, seu Fernando
partiu.
8
8
À noite, antes de ir para a cama, Mateus teve uma idéia: foi
até o quintal e jogou as sementes de umbu num canteiro.
No dia seguinte, Mateus acordou bem cedo. Sua mãe ainda
dormia. Quando olhou pela janela da cozinha, tomou um susto.
Um enorme umbuzeiro tinha crescido no local onde ele jogara
as sementes. Era tão alto que alcançava as nuvens!
Mateus correu a pegar o Valente, seu caminhãozinho de
estimação, para lhe mostrar a novidade. Procurou-o pela casa
toda, mas ele tinha sumido!
Mateus teve vontade de chorar. Não podia perder seu amigo!
Mas logo tratou de descobrir o que tinha acontecido.
9
9
10
10
Tudo estava muito estranho: o caminhão tinha sumido
quase ao mesmo tempo em que o pé gigante de umbu
tinha aparecido. O menino teve outra idéia:
— Se este umbuzeiro for igual ao pé de feijão da história
do João, tem um gigante lá em cima que gosta de roubar
coisas! Deve ter sido ele! Pois eu vou até lá buscar!
Na mesma hora, Mateus começou a subir pelo umbuzeiro.
Subiu, subiu um tempão, até que chegou a uma nuvem
grandona.
Para seu espanto, encontrou uma placa onde estava escrito:
“Vale dos Dinossauros”. Perto da placa, um filhote de
dinossauro parecia esperar alguém.
— Por acaso você viu um caminhãozinho vermelho? —
perguntou Mateus.
10
10
— Não vi, não — respondeu o lagartão.
— Meu nome é Mateus. Como você se chama? — quis
saber o menino.
— Zeferino. Mas pode me chamar de Zé.
— Você quer ir comigo procurar meu caminhão?
Zeferino concordou e os dois saíram andando.
Mal tinham começado a caminhar, um ser meio cavalo, meio
gente, passou galopando. Ele carregava um objeto vermelho,
muito mal embrulhado num jornal.
11
11
12
12
— Que bicho é aquele? — gritou o menino, assustado. — Meu
caminhão está com ele! Eu vi!
Os dois decidiram ir atrás da criatura, enquanto Zeferino
falava:
— É a Besta-Fera! Ele é da turma dos monstros que assustam
as crianças!
O bicho sumiu numa caverna. Mateus ficou com medo, mas a
vontade de ter seu caminhãozinho de volta foi mais forte.
Entraram.
Lá encontraram mais três monstros folclóricos, todos muito
mal-encarados. Zeferino sabia o nome deles: o Papa-Figo
carregava um saco, o Barba- Ruiva era um velho baixinho. O
último, Mateus reconheceu: era a Cabra-Cabriola.
12
12
Quando chegaram perto das criaturas, Mateus viu que o
objeto vermelho era mesmo o Valente.
O menino quase não conseguia falar, de tão assustado! De
repente, lembrou-se do que tinha acontecido com o pai na
estrada, tomou coragem e falou:
— Eu não vim brigar com vocês, não. Acho até que vocês
podiam ser legais... Só queria meu caminhãozinho de volta.
Gosto muito dele, porque foi meu pai que me deu.
Os monstros fizeram cara de espanto. Nunca ninguém tinha
demonstrado respeito por eles. A Cabra-Cabriola logo mudou a
cara enfezada e confessou:
13
13
14
14
— A idéia foi minha. Fiquei muito zangada com a piada que
você fez sobre a minha fumaça... Não gostei e chamei os
outros monstros para dar sumiço no seu brinquedo...
— Não foi por mal. — desculpou-se Mateus. — Foi só uma
brincadeira.
— Você disse que nós podemos ser legais? — estranhou o
Papa-Figo. — Não sabe que pomos medo nas crianças?
— Sei. — respondeu Mateus. — mas meu pai me ensinou que às
vezes as pessoas se comportam mal porque pensam que
não gostamos delas. Ele sempre diz: “Todos
merecem ser tratados com respeito”.
Ao ouvir aquilo, os quatro
Bichos-Papões arregalaram os
olhos e, depois de pensar
um pouco, disseram:
14
14
— É, você está certo. Estamos cansados dessa história
de todo o mundo só gritar e correr quando vê a gente...
Prometemos não assustar mais ninguém e tentar ser amigos
das crianças. Tome seu brinquedo, pode levar!
Mateus pegou seu caminhão de volta e agradeceu. Os
monstros ficaram encantados com o menino e começaram a
brincar de agradecer, dando grandes risadas.
Mateus e Zeferino fizeram de conta que o Valente era bem
grande, subiram no caminhão e partiram para casa.
Ao chegarem, viram que o umbuzeiro gigante tinha
desaparecido.
15
15
16
16
— Umbuzeiro mágico é assim mesmo. Não dura
nada. — explicou Zeferino, ao mesmo tempo em
que decidia morar embaixo da cama do Mateus.
Quando seu Fernando voltou, dias depois, Mateus
correu para os braços dele, contando:
— Pai, você é o maior! Pensando em você, eu
consegui me livrar daqueles monstros e recuperar
meu caminhãozinho! Agora sei que você está
sempre comigo!
Seu Fernando deu um grande sorriso, enquanto falava
para dona Cida:
— Que imaginação tem esse menino!
16
16
SER PAI CAMINHONEIRO...
...não é fácil. É viagem atrás de viagem para ganhar dinheiro,
pagar as contas e manter a família. Aqui vão algumas dicas
para aproveitar melhor o tempo que você passa com o seu
filho:
• O mais importante não é a QUANTIDADE de tempo que
o pai passa com os filhos , e sim a QUALIDADE. Você pode
brincar, ajudar na lição e contar histórias. Esses momentos,
com certeza, serão especiais para eles!
• Leve-os para passear. Elogie quando merecerem e dê as
“broncas” necessárias, porque tudo isso significa algo de que
eles precisam muito: sua atenção.
• Participe das reuniões da escola e procure estar presente
nas festinhas. As crianças adoram ouvir histórias da infância
dos pais e saber como eram suas brincadeiras.
• Quando estiver viajando, telefone sempre que puder
para falar com seus filhos. Ao retornar, mostre que pensou
neles, falando de coisas que eles gostariam de ter visto ou
mesmo trazendo lembranças que nem sempre precisam ser
compradas, como, por exemplo, este livrinho!
neles, falando de coisas que eles gostariam de ter visto ou
mesmo trazendo lembranças que nem sempre precisam ser
compradas, como, por exemplo, este livrinho!
Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.
Viaje por todo mundo. Leia!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourãoO Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
Saudade Roxo
 
Adivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te AmoAdivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te Amo
miriam catao
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
beebgondomar Judite
 
O boneco de_neve_do_chapeu_azul
O boneco de_neve_do_chapeu_azulO boneco de_neve_do_chapeu_azul
O boneco de_neve_do_chapeu_azul
laranjonani
 
Kiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leiteKiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leite
Isa Crowe
 
E book historias infantis
E book historias infantisE book historias infantis
E book historias infantis
MariGiopato
 
História da árvore de natal
História da árvore de natalHistória da árvore de natal
História da árvore de natal
labeques
 
Chapeuzinho redondo
Chapeuzinho redondoChapeuzinho redondo
Chapeuzinho redondo
Ana Lídia Martins Lemes Alves
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
Professora Cida
 
História da letra A
História da letra AHistória da letra A
História da letra A
Professora
 
Uma história de carnaval
Uma história de carnavalUma história de carnaval
Uma história de carnaval
Ana Arminda Moreira
 
Vamos fazer amigos
Vamos fazer amigosVamos fazer amigos
Vamos fazer amigos
Patricia Carvalho
 
A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
Jairtes Lima
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
Silvares
 
Quando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangadoQuando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangado
LurdesRFernandes
 
A história do pai natal
A história do pai natalA história do pai natal
A história do pai natal
Ana Teresa
 
O espirro do vulcão
O espirro do vulcãoO espirro do vulcão
O espirro do vulcão
emeicantinhodoceu
 
A minha mae
A minha maeA minha mae
A minha mae
Joana Sobrenome
 
O caracol
O caracol O caracol

Mais procurados (20)

O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourãoO Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
 
Adivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te AmoAdivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te Amo
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
 
O boneco de_neve_do_chapeu_azul
O boneco de_neve_do_chapeu_azulO boneco de_neve_do_chapeu_azul
O boneco de_neve_do_chapeu_azul
 
Kiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leiteKiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leite
 
E book historias infantis
E book historias infantisE book historias infantis
E book historias infantis
 
História da árvore de natal
História da árvore de natalHistória da árvore de natal
História da árvore de natal
 
Chapeuzinho redondo
Chapeuzinho redondoChapeuzinho redondo
Chapeuzinho redondo
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
 
História da letra A
História da letra AHistória da letra A
História da letra A
 
Uma história de carnaval
Uma história de carnavalUma história de carnaval
Uma história de carnaval
 
Vamos fazer amigos
Vamos fazer amigosVamos fazer amigos
Vamos fazer amigos
 
A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
 
As gotinhas e e arco-íris
As gotinhas e e arco-írisAs gotinhas e e arco-íris
As gotinhas e e arco-íris
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
 
Quando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangadoQuando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangado
 
A história do pai natal
A história do pai natalA história do pai natal
A história do pai natal
 
O espirro do vulcão
O espirro do vulcãoO espirro do vulcão
O espirro do vulcão
 
A minha mae
A minha maeA minha mae
A minha mae
 
O caracol
O caracol O caracol
O caracol
 

Semelhante a Mateus e o brinquedo desaparecido

Mateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitãMateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitã
Marisa Seara
 
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhosCaminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
Marcelo Santos
 
De volta para o para
De volta para o paraDe volta para o para
De volta para o para
Marisa Seara
 
Chegadas e despedidas
Chegadas e despedidasChegadas e despedidas
Chegadas e despedidas
Marisa Seara
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
Marisa Seara
 
52 rei dos canudos para site1
52 rei dos canudos para site152 rei dos canudos para site1
52 rei dos canudos para site1
Vanessa Reis
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de ArnelasPedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Virgínia Ferreira
 
10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal
IsabelPereira2010
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
Leandro Ferreira
 
Miguilim
MiguilimMiguilim
Miguilim
30071968
 
Miguilim
MiguilimMiguilim
Miguilim
30071968
 
Pedro das malasartes picoto ppt
Pedro das malasartes   picoto pptPedro das malasartes   picoto ppt
Pedro das malasartes picoto ppt
Virgínia Ferreira
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
andreadc
 
O livro que_queria_ser_brinquedo
O livro que_queria_ser_brinquedoO livro que_queria_ser_brinquedo
O livro que_queria_ser_brinquedo
Edilene Dias Cabral
 
A terceira margem do rio
A terceira margem do rioA terceira margem do rio
A terceira margem do rio
Natalia Toda
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
AldneideAlmeida1
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo AlvoPedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Virgínia Ferreira
 
ADE FUND 8 ano.pdf
ADE FUND 8 ano.pdfADE FUND 8 ano.pdf
ADE FUND 8 ano.pdf
AurelianoSantos3
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
Assuntos da Intenet
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
Mariana Correia
 

Semelhante a Mateus e o brinquedo desaparecido (20)

Mateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitãMateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitã
 
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhosCaminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
Caminhao nas estrelas - Relacionamento entre pais e filhos
 
De volta para o para
De volta para o paraDe volta para o para
De volta para o para
 
Chegadas e despedidas
Chegadas e despedidasChegadas e despedidas
Chegadas e despedidas
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
 
52 rei dos canudos para site1
52 rei dos canudos para site152 rei dos canudos para site1
52 rei dos canudos para site1
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de ArnelasPedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
 
10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
 
Miguilim
MiguilimMiguilim
Miguilim
 
Miguilim
MiguilimMiguilim
Miguilim
 
Pedro das malasartes picoto ppt
Pedro das malasartes   picoto pptPedro das malasartes   picoto ppt
Pedro das malasartes picoto ppt
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
O livro que_queria_ser_brinquedo
O livro que_queria_ser_brinquedoO livro que_queria_ser_brinquedo
O livro que_queria_ser_brinquedo
 
A terceira margem do rio
A terceira margem do rioA terceira margem do rio
A terceira margem do rio
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo AlvoPedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
 
ADE FUND 8 ano.pdf
ADE FUND 8 ano.pdfADE FUND 8 ano.pdf
ADE FUND 8 ano.pdf
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 

Mais de Marisa Seara

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
Marisa Seara
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
Marisa Seara
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
Marisa Seara
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
Marisa Seara
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
Marisa Seara
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
Marisa Seara
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
Marisa Seara
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
Marisa Seara
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
Marisa Seara
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
Marisa Seara
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Marisa Seara
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
Marisa Seara
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
Marisa Seara
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
Marisa Seara
 
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADESENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE
Marisa Seara
 
PRUDÊNCIA
PRUDÊNCIAPRUDÊNCIA
PRUDÊNCIA
Marisa Seara
 

Mais de Marisa Seara (20)

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
 
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADESENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE
 
PRUDÊNCIA
PRUDÊNCIAPRUDÊNCIA
PRUDÊNCIA
 

Último

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 

Último (20)

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 

Mateus e o brinquedo desaparecido

  • 2. 2 2 MATEUS E O BRINQUEDO DESAPARECIDO Autora Sandra Aymone Coordenação editorial Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado Ilustração Pierre Trabbold Revisão de texto Marília Mendes Diagramação Linea Creativa Realização Fundação EDUCAR DPaschoal www.educardpaschoal.org.br Fone: (19) 3728-8129 Esta coleção é uma homenagem ao nosso querido colega Mateus, idealizador do projeto. Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m² (capa) e Papel Couché Image Mate 145 g/m² (miolo), fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 127.000 exemplares, para esta 1ª edição.
  • 3. Ilustrado por Pierre Trabbold Sandra Aymone Histórias do nordeste
  • 4. 2 2 Mateus estava ansioso. Não parava de rodear o pai, que era caminhoneiro. Ele tinha acabado de voltar de uma viagem que tinha feito para entregar uma carga no Nordeste do Brasil. O menino queria fazer mil perguntas, mas precisava esperar que dona Cida, sua mãe, soubesse por que o marido havia demorado tanto. — É que eu tive que ajudar um colega — respondeu o pai de Mateus, que se chamava Fernando. — Numa curva, um caminhão passou por mim soltando uma fumaça preta que quase me deixou sem enxergar nada! 2 2
  • 5. — Quando parei num posto para almoçar — continuou seu Fernando —, vi que aquele caminhão estava estacionado lá e não pude deixar de falar com o motorista. — E ele não ficou bravo? — preocupou-se a mãe de Mateus. — Ficou, sim, no início. Mas falei de um jeito simpático e disse a ele que a fumaça preta do caminhão faz mal à nossa saúde e prejudica o meio ambiente. Expliquei que é preciso manter a injeção de combustível regulada e não andar com filtros sujos... 3 3
  • 6. 4 4 — Você é o verdadeiro super-herói das estradas! — brincou dona Cida, toda orgulhosa do marido. Mateus ouvia a conversa, muito atento, e queria saber mais. Depois de jantar, seu Fernando começou a contar ao filho sobre tudo de interessante que tinha visto. — Quem vê o Rio São Francisco, o “Velho Chico”, não esquece mais! Antigamente, os barcos que navegavam nesse rio traziam carrancas, umas figuras de madeira, com caras bem feias para assustar assombração... — Os barqueiros acreditavam em Bicho-Papão? — espantou-se Mateus. — Isso são crendices, mas fique sabendo que o Bicho-Papão de Pernambuco se chama Cabra-Cabriola... 4 4
  • 7. — Que nome engraçado! Como é essa Cabra? — É uma lenda antiga. Diziam que era meio cabra, meio monstro, e soltava fogo e fumaça pelos olhos, nariz e boca. Mateus, sempre esperto, brincou: — Era fumaça preta? Ah, então é porque estava com a injeção de combustível desregulada! Seu Fernando e dona Cida deram muita risada. Depois, o pai lembrou-se de algo e foi até o caminhão. Voltou com uma sacola cheia de frutinhos redondos e esverdeados. 5 5
  • 8. 6 6 — Isso é umbu! — esclareceu ele. — Durante a viagem, passei por muitos umbuzeiros. O povo nordestino adora essa fruta... Mateus e sua mãe acharam uma delícia. Comeram quase tudo e o menino guardou as sementinhas. No dia seguinte, seu Fernando falou que teria de partir novamente, logo depois do almoço. Tinha outra carga para entregar. Dona Cida ficou triste, mas sabia que ele sempre cumpria com orgulho os seus compromissos. — Poxa, pai, você quase nunca fica comigo! Fica só viajando... — reclamou Mateus. 6 6
  • 9. Seu Fernando explicou: — Filho, é o meu trabalho. Preciso fazer isso para que a gente tenha um pouco de conforto e para você poder estudar! Mas você está sempre no meu pensamento e no meu coração, mesmo quando estou longe! E você, se lembra sempre de mim? — De você e das suas histórias cheias de aventuras! — disse Mateus. E o pai abraçou Mateus bem apertadinho. Seu Fernando aproveitou o resto da manhã para contar mais coisas sobre o Nordeste. 7 7
  • 10. 8 8 — Numa parada, conheci um professor que me falou sobre a Serra da Capivara, que fica no Piauí. Lá foram descobertos um montão de coisas dos homens das cavernas e ossos de bichos pré-históricos... — Que bichos? Dinossauros? Adoro dinossauros! — entusiasmou-se Mateus. — Não. Eram preguiças e tatus gigantes! Mas você ia adorar um lugar que existe na Paraíba, chamado Vale dos Dinossauros. Tem uma porção de pegadas de dinossauros ao longo de um rio. — Que bacana! — exclamou o menino. — Ah, um dia quero ir até lá! Naquele ponto, dona Cida interrompeu a conversa, lembrando que o marido precisava arrumar suas coisas para a viagem. Depois de almoçar e de muitos abraços e beijos, seu Fernando partiu. 8 8
  • 11. À noite, antes de ir para a cama, Mateus teve uma idéia: foi até o quintal e jogou as sementes de umbu num canteiro. No dia seguinte, Mateus acordou bem cedo. Sua mãe ainda dormia. Quando olhou pela janela da cozinha, tomou um susto. Um enorme umbuzeiro tinha crescido no local onde ele jogara as sementes. Era tão alto que alcançava as nuvens! Mateus correu a pegar o Valente, seu caminhãozinho de estimação, para lhe mostrar a novidade. Procurou-o pela casa toda, mas ele tinha sumido! Mateus teve vontade de chorar. Não podia perder seu amigo! Mas logo tratou de descobrir o que tinha acontecido. 9 9
  • 12. 10 10 Tudo estava muito estranho: o caminhão tinha sumido quase ao mesmo tempo em que o pé gigante de umbu tinha aparecido. O menino teve outra idéia: — Se este umbuzeiro for igual ao pé de feijão da história do João, tem um gigante lá em cima que gosta de roubar coisas! Deve ter sido ele! Pois eu vou até lá buscar! Na mesma hora, Mateus começou a subir pelo umbuzeiro. Subiu, subiu um tempão, até que chegou a uma nuvem grandona. Para seu espanto, encontrou uma placa onde estava escrito: “Vale dos Dinossauros”. Perto da placa, um filhote de dinossauro parecia esperar alguém. — Por acaso você viu um caminhãozinho vermelho? — perguntou Mateus. 10 10
  • 13. — Não vi, não — respondeu o lagartão. — Meu nome é Mateus. Como você se chama? — quis saber o menino. — Zeferino. Mas pode me chamar de Zé. — Você quer ir comigo procurar meu caminhão? Zeferino concordou e os dois saíram andando. Mal tinham começado a caminhar, um ser meio cavalo, meio gente, passou galopando. Ele carregava um objeto vermelho, muito mal embrulhado num jornal. 11 11
  • 14. 12 12 — Que bicho é aquele? — gritou o menino, assustado. — Meu caminhão está com ele! Eu vi! Os dois decidiram ir atrás da criatura, enquanto Zeferino falava: — É a Besta-Fera! Ele é da turma dos monstros que assustam as crianças! O bicho sumiu numa caverna. Mateus ficou com medo, mas a vontade de ter seu caminhãozinho de volta foi mais forte. Entraram. Lá encontraram mais três monstros folclóricos, todos muito mal-encarados. Zeferino sabia o nome deles: o Papa-Figo carregava um saco, o Barba- Ruiva era um velho baixinho. O último, Mateus reconheceu: era a Cabra-Cabriola. 12 12
  • 15. Quando chegaram perto das criaturas, Mateus viu que o objeto vermelho era mesmo o Valente. O menino quase não conseguia falar, de tão assustado! De repente, lembrou-se do que tinha acontecido com o pai na estrada, tomou coragem e falou: — Eu não vim brigar com vocês, não. Acho até que vocês podiam ser legais... Só queria meu caminhãozinho de volta. Gosto muito dele, porque foi meu pai que me deu. Os monstros fizeram cara de espanto. Nunca ninguém tinha demonstrado respeito por eles. A Cabra-Cabriola logo mudou a cara enfezada e confessou: 13 13
  • 16. 14 14 — A idéia foi minha. Fiquei muito zangada com a piada que você fez sobre a minha fumaça... Não gostei e chamei os outros monstros para dar sumiço no seu brinquedo... — Não foi por mal. — desculpou-se Mateus. — Foi só uma brincadeira. — Você disse que nós podemos ser legais? — estranhou o Papa-Figo. — Não sabe que pomos medo nas crianças? — Sei. — respondeu Mateus. — mas meu pai me ensinou que às vezes as pessoas se comportam mal porque pensam que não gostamos delas. Ele sempre diz: “Todos merecem ser tratados com respeito”. Ao ouvir aquilo, os quatro Bichos-Papões arregalaram os olhos e, depois de pensar um pouco, disseram: 14 14
  • 17. — É, você está certo. Estamos cansados dessa história de todo o mundo só gritar e correr quando vê a gente... Prometemos não assustar mais ninguém e tentar ser amigos das crianças. Tome seu brinquedo, pode levar! Mateus pegou seu caminhão de volta e agradeceu. Os monstros ficaram encantados com o menino e começaram a brincar de agradecer, dando grandes risadas. Mateus e Zeferino fizeram de conta que o Valente era bem grande, subiram no caminhão e partiram para casa. Ao chegarem, viram que o umbuzeiro gigante tinha desaparecido. 15 15
  • 18. 16 16 — Umbuzeiro mágico é assim mesmo. Não dura nada. — explicou Zeferino, ao mesmo tempo em que decidia morar embaixo da cama do Mateus. Quando seu Fernando voltou, dias depois, Mateus correu para os braços dele, contando: — Pai, você é o maior! Pensando em você, eu consegui me livrar daqueles monstros e recuperar meu caminhãozinho! Agora sei que você está sempre comigo! Seu Fernando deu um grande sorriso, enquanto falava para dona Cida: — Que imaginação tem esse menino! 16 16
  • 19. SER PAI CAMINHONEIRO... ...não é fácil. É viagem atrás de viagem para ganhar dinheiro, pagar as contas e manter a família. Aqui vão algumas dicas para aproveitar melhor o tempo que você passa com o seu filho: • O mais importante não é a QUANTIDADE de tempo que o pai passa com os filhos , e sim a QUALIDADE. Você pode brincar, ajudar na lição e contar histórias. Esses momentos, com certeza, serão especiais para eles! • Leve-os para passear. Elogie quando merecerem e dê as “broncas” necessárias, porque tudo isso significa algo de que eles precisam muito: sua atenção. • Participe das reuniões da escola e procure estar presente nas festinhas. As crianças adoram ouvir histórias da infância dos pais e saber como eram suas brincadeiras. • Quando estiver viajando, telefone sempre que puder para falar com seus filhos. Ao retornar, mostre que pensou neles, falando de coisas que eles gostariam de ter visto ou mesmo trazendo lembranças que nem sempre precisam ser compradas, como, por exemplo, este livrinho! neles, falando de coisas que eles gostariam de ter visto ou mesmo trazendo lembranças que nem sempre precisam ser compradas, como, por exemplo, este livrinho!
  • 20. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. Viaje por todo mundo. Leia!