Lasalle

3.554 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.554
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lasalle

  1. 1. A QUALIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA COMO FORMA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR MARIA ELISA SCHUCK MEDEIROS COORDENADORA PEDAGÓGICA - COLÉGIO LA SALLE CANOAS
  2. 2. CONFORME ARTIGO 21 DA LDB – LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO, O ENSINO MÉDIO TEM ENTRE SUAS FINALIDADES, DAR CONDIÇÕES AO CIDADÃO PARA O ACES-SO AO MERCADO DE TRABALHO, PARA O PROSSEGUIMENTO AOS ESTUDOS E PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA. OU SEJA, O ALUNO CONCLUINTE DO ENSINO MÉDIO DEVE DOMINAR UM CONJUNTO AMPLO DE SABERES E HABILI-DADES PARA SER CAPAZ DE PARTICIPAR EFETIVAMENTE DA SOCIEDADE. PODEMOS DIZER QUE A LEGISLAÇÃO VIGENTE FAZ UM CON-VITE ÀS ESCOLAS: QUE FAÇAM DO AMBIENTE ESCOLAR UM ESPAÇO PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTELIGÊNCIA.
  3. 3. E PARA QUE A APRENDIZAGEM REALMENTE ACONTEÇA É PRECISO QUE TENHAMOS PROFESSORES TAMBÉM QUALI-FICADOS, CAPAZES DE FAZER DAQUELE ESPAÇO – SALA DE AULA - UM ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMEN-TO . REVISTA VEJA - 22 DE FEVEREIRO QUAL FOI O DIFERENCIAL ENCONTRADO NAS ESCOLAS MELHORES CLASSIFICADAS NO ENEM? A ESCOLA QUE FICOU EM 1º LUGAR: 80% DO CORPO DOCENTE TEM MESTRADO OU DOUTORADO E NA ESCOLA QUE FICOU EM SEGUNDO LUGAR: 70% DO CORPO DOCENTE TEM MESTRADO OU DOUTORADO.
  4. 4. O PROFESSOR IRÁ PROPOR AS ATIVIDADES DE ACORDO COM A SUA COMPREENSÃO DE COMO SE DÁ A APREN-DIZAGEM, OU SEJA, DE ACORDO COM SUA CONCEPÇÃO EPISTEMOLÓGICA. “ A EPISTEMOLOGIA TEM GRANDE IMPORTÂNCIA PARA A EDUCAÇÃO, JÁ QUE A QUESTÃO DE COMO SÃO FORMADOS OS CONHECIMENTOS ESTÁ PROFUNDAMENTE VINCULADA À QUESTÃO DE ENSINO. OS MÉTODOS DE ENSINO DEPENDEM SEMPRE DE CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS, QUE EM ALGUNS CASOS SÃO EXPLÍCITAS E EM OUTROS NÃO, MAS QUE ESTÃO SEMPRE PRESENTES.” Juan Delval
  5. 5. MODELOS DE CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS EMPIRISMO APRIORISMO INTERACIONISMO
  6. 6. EMPIRISMO - ACREDITA QUE O CONHECIMENTO PROVÉM DOS SENTIDOS - A MENTE É ENTENDIDA COMO TABULA RASA - O SUJEITO É MERO RECEPTOR
  7. 7. NESTA CONCEPÇÃO EPISTEMOLÓGICA ACREDITA-SE QUE O SUJEITO APRENDE POR ASSOCIAÇÃO OU POR ABSORÇÃO DE CONTEÚDOS. O ASSOCIACIONISMO É INTERPRETADO POR PAVLOV COMO CONDICIONAMENTO. O SUJEITO VAI FORMANDO CADA NOVA CONDUTA POR ASSOCIAÇÃO. O ORGANISMO ESTABELECE UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE UM ESTÍMULO E UMA RESPOSTA.
  8. 8. APRIORISMO - A ESTRUTURA DO CONHECIMENTO NASCE COM O SUJEITO - O CONHECIMENTO DEPENDE DE UM PROCESSO MATURACIONAL
  9. 9. NESSA CONCEPÇÃO ACREDITA-SE NA APRENDIZAGEM POR INSIGHT. QUAN-DO O SUJEITO TEM UM INSIGTH, VÊ A SITUAÇÃO DE MANEIRA NOVA . O SUJEITO NÃO PRECISA AGIR PORQUE JÁ HERDOU O CONHECIMENTO
  10. 10. VAMOS PENSAR UMA SALA DE AULA EM QUE OS PROFESSORES FUNDAMENTAM SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA NUMA DESTAS CONCEPÇÕES: NO MODELO EMPIRISTA O PROFESSOR USA A METODOLOGIA DO FALAR, EXPLICAR E O ALUNO OUVIR. O ALUNO APENAS ESCUTA A EXPLICAÇÃO VERBAL DO CONTEÚDO. APÓS O PROFESSOR PASSA ALGUNS EXER-CÍCIOS PARA FIXAÇÃO DAQUILO QUE ELE EXPLICOU. EXERCÍCIOS QUE EXIGEM APENAS A REPRODUÇÃO DE CONTEÚDOS. NESSA SALA DE AULA NADA DE NOVO ACONTECE. OS ALUNOS IRÃO APENAS REPETIR VERDADES PRONTAS E ACABADAS.
  11. 11. NO MODELO APRIORISTA O PROFESSOR ACREDITA QUE O ALUNO NÃO PRECISA MUITO DE SUA MEDIAÇÃO, POIS A APRENDIZAGEM DEPENDE DE UM PROCESSO MATURACIONAL. O ALUNO JÁ VEM COM O CONHECIMENTO. O PROFESSOR INTERFERE O MÍNIMO POSSÍVEL. É O REGIME LAISSER-FAIRE: DEIXA FAZER QUE ELE ENCONTRARÁ SEU CAMINHO. UM GRANDE PROBLEMA DESSE MODELO É QUE O PROFESSOR NÃO ACREDITA NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DO ALUNO, POIS ELE NASCEU COM SUAS ESTRUTURAS PRONTAS.
  12. 12. INTERACIONISMO - RELAÇÃO DIALÉTICA DO CONHECIMENTO – INTERAÇÃO SUJEITO E OBJETO - O CONHECIMENTO É OBRA DA AÇÃO INTERIORIZADA DO SUJEITO “ A AÇÃO – E O PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DESTA - É CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE DO DESEN-VOLVIMENTO COGNITIVO E, PORTANTO, A CONDIÇÃO PRÉVIA, O VERDADEIRO APRIORI DE TODA APRENDIZAGEM.” Fernando Becker
  13. 13. O GRANDE DESAFIO DA EDUCAÇÃO ESTÁ EM SUPERAR AS CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICA INATISTAS OU EMPRIRISTAS. NO INTERACIONISMO O CONHECIMENTO NÃO TEM ORIGEM NO SUJEITO, NEM NO OBJETO, MAS NAS RELAÇÕES DE INTERAÇÃO QUE O SUJEITO ESTABELECE COM O OBJETO DE SEU INTERESSE.
  14. 14. PIAGET AFIRMA QUE AS RELAÇÕES SÃO MAIS RICAS DO QUE AQUILO QUE OS OBJETOS PODEM FORNECER POR ELES MESMOS. ASSIMILAÇÃO E ACOMODAÇÃO
  15. 15. A ASSIMILAÇÃO É A AÇÃO DO SUJEITO TRANSFORMADORA DO OBJETO A ACOMODAÇÃO É A AÇÃO TRANSFORMADORA DO SUJEITO SOBRE SI PRÓPRIO. ESSA TRANSFORMAÇÃO DO SUJEITO SÓ PODE SER REALIZADA POR ELE PRÓPRIO, PARTINDO DE SUAS RELAÇÕES COM O MEIO.
  16. 16. A APRENDIZAGEM HUMANA É ENTENDIDA COMO A CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURAS DE ASSIMILAÇÃO A APRENDIZAGEM É UM PROCESSO ATIVO EM QUE O SUJEITO PENSA, COORDENA SUAS AÇÕES, CONSTRÓI E RE-CONSTRÓI ESQUEMAS DE ASSIMILAÇÃO. A ESCOLA TEM PAPEL IMPORTANTE PARA O DESENVOLVIMENTO DO SUJEITO, POIS PODE OFERECER INTERAÇÕES SIGNIFICATIVAS E QUANTO MAIOR FOR A INTERAÇÃO DO SUJEITO COM O MUNDO, MELHOR SERÁ O DESENVOLVIMENTO DE SEU CONHECIMENTO.
  17. 17. O AMBIENTE DE SALA DE AULA NÃO PODE SER LIMITADOR. O SUJEITO PRECISA TER A OPORTUNIDADE DE INTERAGIR COM O MEIO, E ESSA INTERAÇÃO PRECISA SER CADA VEZ MAIS ENRIQUECEDORA, PRECISA LEVAR À COMPREENSÃO DOS PROCESSOS DINÂMICOS DE SUA AÇÃO, OU SEJA À TOMADA DE CONSCIÊNCIA.
  18. 18. A ESCOLA PRECISA SUBSTITUIR A REPETIÇÃO DE CONTEÚDOS PELA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO. PRECISA DESAFIAR O ALUNO A PENSAR COMO A ESCOLA PODE DESAFIAR O ALUNO A PENSAR?
  19. 19. UMA DAS POSSIBILIDADES É APRESENTAR SITUAÇÕES-PROBLEMA, CONTEXTUALIZANDO O CONTEÚDO DESENVOLVIDO COM SITUAÇÕES DO COTIDIANO. A SITUAÇÃO- PROBLEMA LEVA O ALUNO A BUSCAR SOLUÇÃO PARA SUAS DÚVIDAS, PARA SUAS INCERTEZAS. LEVA O ALUNO A CRIAR HIPÓTESES. LEVA O ALUNO A TER PERGUNTAS.
  20. 20. A PERGUNTA PRECISA ESTAR PRESENTE EM SALA DE AULA. O ALUNO PRECISA FAZER PERGUNTAS, POIS A PEDAGOGIA DA PERGUNTA, SEGUNDO PAULO FREIRE ROMPE COM A PASSIVIDADE INTELECTUAL. A PERGUNTA É O CAMINHO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO, UMA VEZ QUE IMPLICA AÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DO SUJEITO. A PERGUNTA LEVA O SUJEITO A CORRER RISCOS COMO O DE ERRAR, QUE NÃO É MALÍGNO PARA O DESENVOLVIMENTO, POIS O CAMINHO DO ERRO PODE LEVAR AO NÃO ERRO, AO CONHECIMENTO VERDADEIRO.
  21. 21. O PAPEL DO PROFESSOR É O DE QUALIFICAR A PERGUNTA DO ALUNO, POR MAIS INGÊNUA QUE ESTA PODE PARECER. MUITAS VEZES O ALUNO TEM A PERGUNTA, MAS NÃO EXPÕE POR ALGUNS RECEIOS (COMENTÁRIO DOS COLEGAS OU DOS PROFESSORES).
  22. 22. <ul><li>SE A ESCOLA: </li></ul><ul><li>CONTEXTUALIZAR CONTEÚDOS; </li></ul><ul><li>PROBLEMATIZAR CONTEÚDOS; </li></ul><ul><li>APROXIMAR A TEORIA COM A PRÁTICA FAZENDO COM QUE O ALUNO COMPREENDA O SIGNIFICADO DO QUE FOI APRENDIDO; </li></ul><ul><li>DESENVOLVER A PESQUISA... </li></ul><ul><li>ESTARÁ CONTRIBUINDO PARA QUE O ALUNO SEJA SUJEITO DE SEU CONHECIMENTO E NÃO MERO RECEPTOR. </li></ul>
  23. 23. ASSIM, A ESCOLA ESTARÁ DANDO CONDIÇÕES PARA QUE O ALUNO DESENVOLVA COMPETÊNCIAS PARA CONTINUAR APRENDENDO, DE FORMA AUTÔNOMA E CRÍTICA, EM NÍVEIS MAIS COMPLEXOS DE ESTUDOS.
  24. 24. ESTE É O MODELO DE CONCEPÇÃO PEDAGÓGICA QUE ACREDITA QUE O ALUNO É CONSTRUTOR DE SEU CONHECIMENTO E QUE O PROFESSOR É MEDIADOR DESSE PROCESSO, PROPONDO ATIVIDADES DESAFIADORAS E NÃO DESMOTIVADORAS.
  25. 25. PESQUISAS RECENTES COMPROVAM QUE AINDA EXISTE UM GRANDE DISTANCIAMENTO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA, INTERFERINDO NO FAZER PEDAGÓGICO.
  26. 26. REALIZEI PESQUISA COM ENSINO MÉDIO E O RESULTADO OBTIDO DEMONSTRA UM CENÁRIO EDUCACIONAL MUITO DISTANTE DAQUELE QUE ACREDITAMOS SER O IDEAL PARA A EDUCAÇÃO . VERIFICAMOS QUE A PRÁTICA PEDAGÓGICA ESTÁ FUNDAMENTADA NAS CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS: EMPIRISTA E APRIORISTA. A PEDAGOGIA E A DIDÁTICA FUNDAMENTADA NESSAS CONCEPÇÕES NÃO PROPÕE AO ALUNO AÇÕES PROVIDAS DE SIGNIFICADO. A SALA DE AULA CARECE DE AÇÕES QUE POSSIBILITAM O ENFRENTAMENTO DA INCERTEZA, A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS.
  27. 27. FIZEMOS UMA ANÁLISE SOBRE OS QUESTIO-NAMENTOS REALIZADOS PELOS ALUNOS EM SALA DE AULA. ACREDITANDO NUMA ESCOLA QUE VISA O DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO, A PERGUNTA TEM UM VALOR RELEVANTE. ATRAVÉS DA PERGUNTA DESENCADEIA-SE O LEVAN-TAMENTO DE HIPÓTESES E AS CONSEQÜENTES DEDU-ÇÕES. ENCONTRAMOS NO ENSINO MÉDIO, SALAS DE AULAS EM QUE AS PERGUNTAS NÃO SÃO EXPRESSADAS PELOS ALUNOS. OS PROFESSORES É QUE PERGUNTAM, MAS SÃO PERGUNTAS QUE JÁ TEM RESPOSTAS PRONTAS, SÃO DE REPETIÇÃO DE CONTEÚDO.
  28. 28. A MAIORIA DAS AÇÕES, PROPOSTAS PELOS PROFESSORES ERAM DESPROVIDAS DE SIGNIFICADO PARA O ALUNO, GERANDO DESINTERESSE PELO ESTUDO, A NÃO REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PROPOSTAS E A INDISCIPLINA.
  29. 29. TAMBÉM VIMOS QUE OS PROFESSORES NÃO COM-PREENDEM O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO ADOLESCENTE COMO UMA CONSTRUÇÃO QUE A-CONTECE POR FORÇA DA AÇÃO DO SUJEITO, EM INTERAÇÃO COM O MEIO FÍSICO E SOCIAL. CONSE-QÜENTEMENTE SUA DIDÁTICA NÃO É ADEQUADA, TAMPOUCO EFICIENTE.
  30. 30. “ PENSAR É PROCURAR POR SI MESMO, É CRITICAR LIVREMENTE E É DEMONSTRAR DE MANEIRA AUTÔNOMA. O PENSAMENTO SUPÕE, PORTANTO, O LIVRE JOGO DAS FUNÇÕES INTELECTUAIS, E NÃO O TRABALHO SOB COERÇÃO E A REPETIÇÃO VERBAL” Jean Piaget A ESCOLA PRECISA APRENDER A DESAFIAR O ALUNO A PENSAR
  31. 31. Maria Elisa Schuck Medeiros Mestre em Educação pela UFRGS Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica pelo UNILASALLE Graduada em Pedagogia pelo UNILASALLE Coordenadora Pedagógica do Colégio La Salle Canoas [email_address]

×