ECONOMIA POLÍTICA - AULA 04I - O Processo de Multiplicação da Moeda EscrituralII - Ativos Reais e Ativos FinanceiroIII - E...
O que faz as pessoas acreditarem no valor de uma moeda cunhada ou de umpedaço de papel? Não se consegue obrigá-las a acred...
Multiplicador de Moeda: Quantidade gerada de moeda pelo sistema bancário apartir das suas reservas. Estas nascem de título...
(monetários/quase-monetários) é referente ao nível de desenvolvimento de cadapaís. Quanto mais desenvolvido for, emitirá m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ec 25.05 feito

651 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ec 25.05 feito

  1. 1. ECONOMIA POLÍTICA - AULA 04I - O Processo de Multiplicação da Moeda EscrituralII - Ativos Reais e Ativos FinanceiroIII - Efeito Multiplicador da MoedaIV - Velocidade de Circulação da MoedaA moeda é um meio comum de troca. Serve para facilitar e acelerar as transaçõeseconômicas. A transação econômica mais básica é a troca direta (de um produtopor outro). Se eu tiver um produto suficientemente raro de interesse de todos elesse torna uma mercadoria - moeda: sal, peles, azeite... Os grandes produtos deexportação gregos eram o azeite e a cerâmica.1) Mercadoria-Moeda: o produto é reutilizado para seu trocado por algo deinteresse. Num segundo momento, as mercadorias moedas evoluem para moeda-metal (metalismo).2) Moeda-Metal: Para ter custo legal, pode ser espontânea (todos aceitam o ouro,a prata ou o jade no caso da China). A homogeneidade e a fungibilidade sãovantagens da moeda-metal (ouro é ouro em qualquer lugar do mundo). A medidaque o comércio prospera, todos aceitam e querem a circulação do metal-moeda.Salário: vem de salPagar em pecunha: em dinheiro3) Cunhagem das Moedas (monopólio do Estado): terceiro momento. A moeda setorna abstrata. É impresso um valor que não coincide com a quantidade de ouroem peso. O padrão passa a ser abstrato; e, não, real. O Estado precisa bancar ovalor da moeda. Existem alguns Estados cujas moedas são tão fortes que têmcurso legal em outros Estados (os gregos faziam isso). Dessa forma, algumasmoedas podem transcender às fronteiras do Estado (caso dos dobrões no séc.XVI, XVII, da libra no séc. XIX e do dólar no séc. XX).Oblação: oferta que será consagrada e se transformará em corpo de Cristo.Princípio de Nominalismo: A nossa legislação diz que todas as dívidas eobrigações devem ser pagas em moeda corrente nacional, salvo se a leiexpressamente autorizar. Exceções: contratos de câmbio, de leasing (contrato dearrendamento mercantil inicialmente criado para grandes empresas conseguiremestar sempre renovando a frota de carros, por exemplo) e de exportação.
  2. 2. O que faz as pessoas acreditarem no valor de uma moeda cunhada ou de umpedaço de papel? Não se consegue obrigá-las a acreditar apenas pelo uso daforça das armas. Nos primeiros tempos, o Estado dizia que tinha um tesouronacional e que as moedas eram parte dele. Caso tudo desse errado, a moedapoderia ser trocada por uma fração do tesouro nacional.Processo de moeda baseada no lastro (tesouro nacional). Esse tipo de processosó consegue sobreviver em uma economia simples.Moeda-Papel: baseada na idéia de lastro. A partir de um determinado momento,as pessoas se dão conta de que a riqueza é dinâmica, mais importante do queconcentrar as coisas é fazê-las. Se um país mobiliza melhor seus meios deprodução, ele é muito mais rico do que aqueles que detêm muito ouro, porexemplo. Assim como não basta se ter recursos, eles devem ser devidamentealocados, também não é suficiente se ter riqueza, pois esta precisa seradequadamente distribuída. Potencialidades econômicasPapel-Moeda: noção que nasceu no século XX. O que segura uma moeda é o PIBde seu país, a sua capacidade de produção de riquezas.O conceito de moeda é ABSTRATO, porém, o volume de moeda circulanteprecisa ter certa relação com a economia real. Se houver desequilíbrio, teremosinflação.OBS: a troca pura dificulta as trocas por culpa da dificuldade de reciprocidade deinteresses.III- Processo de Multiplicação da moeda estrutural: Emissão de títulosrepresentativos. Algumas empresas compram e vão fracionando até chegar aocidadão. Quem acaba pagando, no final, somos nós. Cabe ao banco centralfiscalizar o universo de juros para que não prejudique a economia real.Sistema de Equilíbrio: Normalmente os países desenvolvidos têm bancos dedesenvolvimento estatais e bancos comuns.Sistema de Reservas Fracionárias: um sistema bancário mantém apenas parte deseus depósitos como reserva. Isso ocorre, porque um Banco, por definição, operapor um sistema de captação de poupanças e concessão de empréstimos (lei dosistema financeiro). A diferença entre os juros pagos aos poupadores e os jurospagos aos mutuários chama-se "spread" bancário (lucro do banco).Chama-seRazão de Reserva a fração de depósitos que o banco mantém como reserva paragarantir eventuais inadimplementos e saques dos seus clientes. O banco nãoprecisa ter razão de reserva à totalidade de depósitos porque é ínfima apossibilidade de todos os clientes retirarem todo o dinheiro concomitantemente.
  3. 3. Multiplicador de Moeda: Quantidade gerada de moeda pelo sistema bancário apartir das suas reservas. Estas nascem de títulos emitidos pelo governo (BancoCentral). O Banco Central deve ser independente às políticas do governo.- 3 Mecanismos do Banco Central para Controlar a Oferta da Moeda:1) Operação de Mercado Aberto: compra e venda de títulos emitidos pelo GovernoNacional. Essas operações são repetida continuamente. Os títulos não sãodinheiro, ,são uma representação de uma fração do tesouro nacional.2) Depósito Compulsório ou Exigência de Reservas: é a regulamentação relativaao montante de reservas sobre os depósitos que os bancos devem manter. Quemregula esse Depósito Compulsório é o Banco Central. Quando se aumenta odepósito compulsório, se diminui a quantidade de moeda circulante e se reduz ainflação.3)Taxa de Redesconto: juros cobrados pelo Banco Central sobre os empréstimosconcedidos aos bancos. Também auxilia no controle da oferta da moeda.O problema é que o Banco Central não controla todos os atores desse processo.Em especial os depositantes e os próprios bancos. Há um tempo, no BR apoupança bateu Record de captação. Os depositantes podem decidir depositarmais dinheiro e isso aumenta a oferta da moeda, e, por conseqüência, o efeitomultiplicador.Bancos com maiores reservas podem conceder mais empréstimos e aquecer aeconomia. O resultado disso é inflação.IIAtivos Reais (economia real): coisas, bens e serviços que podem proporcionarrendimentos a seus detentores ou atender à satisfação direta de necessidadessociais ou individuais.Ativos Financeiros: forma de riqueza acumulada que é acumulada com meio deacesso a outra formas de riqueza que possam atender às necessidades reais dosagentes econômicos. Exemplos: títulos e moeda. Os ativos financeiros e os ativosreais devem se correlacionar. A moeda é o ativo financeiro com liquidez porexcelência.Os ativos financeiros podem ser monetários (têm liquidez absoluta e representamentre 25 e 30% dos ativos financeiros em países capitalistas desenvolvidos) ouquase-monetários (liquidez próxima à da moeda, mas precisam ser convertidosem moeda e representam entre 70 e 75% dos ativos financeiros). Essa relação
  4. 4. (monetários/quase-monetários) é referente ao nível de desenvolvimento de cadapaís. Quanto mais desenvolvido for, emitirá menos moedas e mais títulos. Aquelesmenos desenvolvidos não têm confiança no sistema financeiro, por isso emitemmais moeda e menos títulos.No Brasil os ativos financeiros quase-monetários mais comuns são: títulos dadívida pública, certificados de depósitos de poupança, certificados de depósitos aprazo, letras de câmbio e letras hipotecárias.

×