Maricel Karina López Torres (aluna)Eugenio Andrés Díaz Merino, Dr. (orientador)
• Análise Ergonômica do Trabalho – AET (GUÉRIN et. al, 2001;   DANIELLOU, 2004)    – Obter dados    – Analisar situações d...
• O objetivo deste estudo consistiu em produzir  recomendações ergonômicas visando à transformação                    ergo...
• Levantar informações sobre o estado da maricultura no  Brasil e no mundo, sua importância sócio-econômica e a  participa...
• Ergonomia   – Contribuições aplicadas a qualquer contexto produtivo   – Possibilta diagnóstico e recomendações técnicas ...
• A Maricultura no Ribeirão da Ilha: Contribuição do Design e  da Ergonomia para o Desenvolvimento de Grupos Produtivos  A...
• Ergonomia   – AET (atividade)   – Ergonomia aplicada ao trabalho, em especial: saúde e     segurança alimentar e ocupaci...
10.136 t                                                                  2005 – Região Sul                               ...
• Promissora, com desafios e incertezas (DUBUISSON-QUELLIER,  2003; SCORVO FILHO, 2004)• Em Santa Catarina (LINS, 2006)   ...
• Segurança em empreendimentos de pequeno porte  apresenta desafios em termos de organização e de  regulamentação (FERNÁDE...
• infra-estrutura mínima   (STEVENS et al., 2008)• cultivo suspenso  flutuante, tipo espinhel ou  long-lines (BMLP, 2003; ...
• “(...) conhecimento no campo das ciências do homem  (antropometria, fisiologia, psicologia, uma pequena parte  da sociol...
• Noruega: a segurança ocupacional é obrigatória nos  negócios, independente do seu tamanho (NYTRÖ, SAKSVIK e  TORVANTN, 1...
Estudo de caso de dois GPPPf
Fontes de                    Técnicas de coleta de dados                          Alvo da Coleta       dados              ...
Esquema básico de estudo.Fonte: Elaborado com base em Guérin et al. (2001) e IEA (2000).
Indivíduo    gênero     idade            escolaridade              atividade anterior  I1-A      masculino    29       ens...
• Observação simples ou assistemática (MARCONI e LAKATOS, 2006)   – Presença do pesquisador no local e durante a realizaçã...
• NMQ – Nordic Musculoskeletal Questionnaire (KUORINKA et  al., 1987; BARROS e ALEXANDRE, 2003)   – mapeia a ocorrência de...
Conceitos-chave e categorias utilizados para classificação das evidências.Fonte: Elaborado com base em FAO (2008a; 2009).
Resultados e Discussão
• Inicial   – Identificar a existência de queixas musculoesqueléticas     relacionadas à atividade de desconcha mediante a...
• CBO (2007)  – manter área de cultivo (no mar) e instalações de beneficiamento;  – navegar fazendo uso de embarcação;  – ...
• Forma como o trabalho é executado:
• Forma como o trabalho é executado, dependendo de:   – ambiente e instrumentos de trabalho disponíveis   – existência de ...
Manipulação e movimentação de caixas e panelas contendo mexilhão, durante o cozimento (GPPPf-A).Fonte: Acervo pessoal, obt...
inclinação para a frente                                                                    arremessar              segura...
I1-A, maricultor,                                       sexo masculino                                                    ...
• Quando cozinha bem certinho, o pezinho solta. (I3-A)• As cascas quebradinhas são danadas para cortar as  mãos. (I2-A)• E...
Distribuição de ocorrência de sintomas e afastamentos por queixas de dor e/ou desconforto em partesanatômicas, no mapa cor...
Frequência de sintomas e afastamentos por queixas de dor e/ou desconforto em partes anatômicas, nomapa corporal, nos últim...
• Diferenças ao analisar: (a) desconcha e (b) todas as  etapas produtivas• Alto risco no desempenho das atividades• Difere...
Classificação das evidênciasCondicionantes
Conceito-Chave        Categoria                                Evidências                                       •   Existê...
Conceito-Chave   Categoria                              Evidências                              •   Layout deficiente, tan...
Conceito-Chave      Categoria                           Evidências                                    •   Instalações hidr...
ConsequênciasCondicionantes       Modos operatórios                                                       sobre a produção...
• Adoção e uso de medidas de prevenção: EPI, medida  de ordem geral ou proteção coletiva
Recomendação de alcance em superfície de bancada.Fonte: Elaborado com base em Iida (2005).                                ...
Exemplo de transporte de materiais com o uso de carrinho sobre rodas.                    Fonte: ILO; IEA (2001, p. 65).
Vacinas                                 Esquema de doses                                        Hepatite A – duas doses, a...
• Adoção de controles de despesas e de produção (BMLP,  2003)• Características dos ambientes: superfícies laváveis,  lâmpa...
• Tratamento adequado de rejeitos (KONGTIP, YOOSOOK e   CHANTANAKUL, 2008; DUBUISSON-QUELLIER, 2003)• Evitar a poluição da...
Lavatório com pedal e pedilúvio para higienizaçãodas botas.Fonte: MAPA; SEAP (2007, p. 68).                               ...
• Importante fonte de renda• Desafios:   – consumo equilibrado dos recursos naturais para produzir     alimentos   – exigê...
• Controle dos riscos ocupacionais é importante para que  não se sobreponha à saúde do trabalhador   – uso de proteções   ...
• Adoção (implementação) das recomendações indicadas  neste estudo, incluindo:  – adoção de programas de saúde que visem a...
MaricelTorresMaricel Torres (aluna) | Eugenio Merino, Dr. (orientador)             .. agradecimentos ..
21.02.11   prevenção, produtividade e preservação
21.02.11   prevenção, produtividade e preservação
21.02.11   prevenção, produtividade e preservação
21.02.11   prevenção, produtividade e preservação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

21.02.11 prevenção, produtividade e preservação

578 visualizações

Publicada em

Master degree Presentation at PPGEP/UFSC (feb/2011).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

21.02.11 prevenção, produtividade e preservação

  1. 1. Maricel Karina López Torres (aluna)Eugenio Andrés Díaz Merino, Dr. (orientador)
  2. 2. • Análise Ergonômica do Trabalho – AET (GUÉRIN et. al, 2001; DANIELLOU, 2004) – Obter dados – Analisar situações de trabalho – Propor soluções adaptadas• Setor aquícola (FAO, 2009; 2008a; BOSCARDIN, 2008; MTE, 2007) – Importância: geração de renda e de alimento – Desafios: mão-de-obra familiar, meios de produção com baixa tecnologia incorporada aos processos, cultivo em condições naturais
  3. 3. • O objetivo deste estudo consistiu em produzir recomendações ergonômicas visando à transformação ergonômicas, do trabalho de cultivo de mexilhões praticado por Grupos Produtivos de Pequeno Porte com características familiares, que contemplem três aspectos: a Prevenção a Produtividade e a Prevenção, Preservação. Preservação
  4. 4. • Levantar informações sobre o estado da maricultura no Brasil e no mundo, sua importância sócio-econômica e a participação de produtores de pequeno porte.• Identificar os condicionantes físicos relacionados ao trabalho, sem desconsiderar outros.• Analisar e diagnosticar, recomendando ações que visem à Prevenção, à Produtividade e à Preservação.
  5. 5. • Ergonomia – Contribuições aplicadas a qualquer contexto produtivo – Possibilta diagnóstico e recomendações técnicas contextualizadas• Cultivo de moluscos em Santa Catarina – Condições naturais favoráveis (tempo e volume produzido) – Diferenças quanto às capacidades e realidades produtivas (concepção das formas de trablaho)
  6. 6. • A Maricultura no Ribeirão da Ilha: Contribuição do Design e da Ergonomia para o Desenvolvimento de Grupos Produtivos Associados (CEPSH 07.11.2008)• Pesquisa social aplicada à AMPROSUL – realidade social: cultivo de mexilhões (processo produtivo) – quanto aos objetivos: pesquisa exploratória – quanto aos procedimentos técnicos: estudo de caso – abordagem: métodos e técnicas da ergonomia (AET) – técnicas de pesquisa: documentação direta e indireta, levantamento bibliográfico e documental, observação, entrevistas e formulário, NMQ e RARME
  7. 7. • Ergonomia – AET (atividade) – Ergonomia aplicada ao trabalho, em especial: saúde e segurança alimentar e ocupacional (domínio físico) – Recomendações visando a Prevenção, a Produtividade e a Preservação• Setor aquícola: Maricultura – Praticada por dois GPPPf, no Ribeirão da Ilha, Florianópolis, Santa Catarina – 6 indivíduos
  8. 8. 10.136 t 2005 – Região Sul 12.886,5 t (moluscos)Dados da produção de moluscos em Santa Catarina.Fonte: IBAMA (2003a; 2004a; 2004b; 2005; 2007a; 2007b; 2008).
  9. 9. • Promissora, com desafios e incertezas (DUBUISSON-QUELLIER, 2003; SCORVO FILHO, 2004)• Em Santa Catarina (LINS, 2006) – recursos ambientais e sócio-culturais não garantem o crescimento do setor – importante analisar os fatores: capital humano, capital social e capital natural• Efeitos indesejados – exemplo: acidentes registrados em diversos países (SÁEZ et. al, 2004; PEREZ-LABAJOS et. al, 2006; MENSIL, 2008; FERNÁDEZ-MUÑIZ, MONTES-PEÓN e VÁZQUEZ-ORDÁS, 2009; PINIELLA, NOVALBOS e NOGUEROLES, 2008; WINDLE et. al, 2008; NOGUEIRA, RIGOTTO e TEIXEIRA, 2009)
  10. 10. • Segurança em empreendimentos de pequeno porte apresenta desafios em termos de organização e de regulamentação (FERNÁDEZ-MUÑIZ, MONTES-PEÓN e VÁZQUEZ-ORDÁS, 2007; BROOKS, 2008; KONGTIP, YOOSOOK e CHANTANAKUL, 2008; HASLE, KINES e ANDERSEN, 2009) – Segurança alimentar (AHUMADA e VILLALOBOS, 2009) – Segurança ocupacional atualmente sob o enfoque do Trabalho Seguro e Decente (FAO, 2009; MTE, 2007; MUCHNIK, CAÑADA e SALCIDO, 2008)
  11. 11. • infra-estrutura mínima (STEVENS et al., 2008)• cultivo suspenso flutuante, tipo espinhel ou long-lines (BMLP, 2003; BORGHETTI e SILVA, 2008) Ilustração da estrutura de cultivo: espinhel ou long-line. Fonte: BMLP (2003, p. 17).
  12. 12. • “(...) conhecimento no campo das ciências do homem (antropometria, fisiologia, psicologia, uma pequena parte da sociologia (...)”, constituindo parte importante para a melhoria das condições de trabalho (WISNER, 1987, p. 12)• AET / Ação Ergonômica – “conjunto de etapas e ações” que visam a transformação do trabalho (GUÉRIN, 2001; ABRAHÃO et. al, 2009, p. 180)• processo construtivo e participativo (MTE, 2002, p. 16)• coleta de dados em campo (DANIELLOU, 2004)
  13. 13. • Noruega: a segurança ocupacional é obrigatória nos negócios, independente do seu tamanho (NYTRÖ, SAKSVIK e TORVANTN, 1998)• Reino Unido: sistema eficaz de saúde e de gestão da segurança ocupacional, para empresa de pequeno porte (WALKER e TAIT, 2004)• Brasil: normas regulamentadoras (EQUIPE ATLAS, 2009) – NR-17 - Ergonomia – NR-31 - Segurança e Saúde no Trabalho na agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura
  14. 14. Estudo de caso de dois GPPPf
  15. 15. Fontes de Técnicas de coleta de dados Alvo da Coleta dados Instalações físicas de 02 (dois) produtores (rancho ou outro Observação local em que se realiza o cultivo e o beneficiamento dos mexilhões). Entrevista 06 (seis) informantes (maricultores) que cultivam e Formulário beneficiam mexilhões, junto às suas famílias. NMQ Primários 06 (seis) maricultores durante a atividade de cultivo, Protocolo RARME distribuídos em 02 (duas) instalações físicas distintas. Documentos de arquivos públicos disponibilizados por Dados compilados órgãos governamentais brasileiros (SINAU e IBAMA). Informação nacional e internacional sobre maricultura, Pesquisa bibliográfica ergonomia e segurança ocupacional, publicadas em periódicos, anais de eventos, dissertações, teses e livros. Documentos, leis, regulamentos, notas técnicas e estudos disponíveis em portais da internet, produzidos por institutos e órgãos governamentais brasileiros (MTE, SEAP, Epagri, ANVISA, FUNDACENTRO – Fundação Jorge Duprat Figueiredo Secundários Análise documental de Segurança e Medicina do Trabalho, MPAS, IBAMA) e internacionais (OIT, OSHA, INHST, OPAS), organizações e agências internacionais de agricultura, aquicultura e segurança ocupacional, dentre outros.Síntese das técnicas de coleta de dados.Fonte: Elaborado com base em Marconi e Lakatos (2006), Gil (2008) e Medeiros (2008).
  16. 16. Esquema básico de estudo.Fonte: Elaborado com base em Guérin et al. (2001) e IEA (2000).
  17. 17. Indivíduo gênero idade escolaridade atividade anterior I1-A masculino 29 ensino médio incompleto não informada I2-A feminino 58 até 4a série (ens. fundamental) aposentada I3-A masculino 19 até 8a série (ens. fundamental) guia turístico I1-B masculino 53 até 8a série (ens. fundamental) militar I2-B masculino 16 ensino médio incompleto* nenhuma (menor) I3-B feminino 43 até 8a série (ens. fundamental) secretária financeira
  18. 18. • Observação simples ou assistemática (MARCONI e LAKATOS, 2006) – Presença do pesquisador no local e durante a realização do trabalho (GUÉRIN et al., 2001) – Registros: anotações, imagem e vídeo – Análises: identificação de observáveis, de riscos ocupacionais e outras evidências relacionadas ao processo produtivo• Entrevistas com formulário (MARCONI e LAKATOS, 2006) e Verbalizações - explicações dadas pelo maricultor (GUÉRIN et al., 2001)
  19. 19. • NMQ – Nordic Musculoskeletal Questionnaire (KUORINKA et al., 1987; BARROS e ALEXANDRE, 2003) – mapeia a ocorrência de sintomas nos últimos 12 meses e nos últimos 7 dias de trabalho e de afastamentos relacionados aos sintomas indicados, estes ocorridos nos últimos 12 meses (com ou sem confirmação clínica)• RARME - Roteiro para Avaliação de Riscos Musculoesqueléticos (SATO e GIL COURY, 2005) – uso em situações de natureza repetitiva e com manuseio de cargas, à sua maneira representando semelhanças com as atividades avaliadas na maricultura – Níveis de avaliação: sem risco, leve, médio ou alto risco
  20. 20. Conceitos-chave e categorias utilizados para classificação das evidências.Fonte: Elaborado com base em FAO (2008a; 2009).
  21. 21. Resultados e Discussão
  22. 22. • Inicial – Identificar a existência de queixas musculoesqueléticas relacionadas à atividade de desconcha mediante a aplicação das técnicas em ergonomia - NMQ e o RARME.• Atualizada – Reconhecer condicionantes físicos, de infraestrutura ou outros, listando os principais riscos ocupacionais e de segurança alimentar existentes nas atividades e identificando partes do corpo do maricultor que possam estar sendo acometidas pelos esforços presentes durante a execução das atividades.
  23. 23. • CBO (2007) – manter área de cultivo (no mar) e instalações de beneficiamento; – navegar fazendo uso de embarcação; – confeccionar coletores; – coletar sementes de mexilhões; – confeccionar pencas contendo mexilhões; – colocar pencas contendo mexilhões para engorda (no mar); – debulhar pencas e coletores (repicagem) e selecionar mexilhões; – cozer e desconchar (desmariscar) mexilhões; e – armazenar e comercializar a carne dos mexilhões desmariscados.
  24. 24. • Forma como o trabalho é executado:
  25. 25. • Forma como o trabalho é executado, dependendo de: – ambiente e instrumentos de trabalho disponíveis – existência de riscos ocupacionais – existência de condicionantes ergonômicos – eficiência e eficácia das medidas adotadas para a prevenção em relação – existência de queixas de dor e risco musculoesquelético relacionados ao exercício do trabalho
  26. 26. Manipulação e movimentação de caixas e panelas contendo mexilhão, durante o cozimento (GPPPf-A).Fonte: Acervo pessoal, obtida pelo autor. 08/07/2008.
  27. 27. inclinação para a frente arremessar segurar/abrirArremesso da carne. Flexão da cabeça.Fonte: Acervo pessoal, obtida pelo autor. 07/08/2008.
  28. 28. I1-A, maricultor, sexo masculino caixa contendo mexilhão cozido para desconcharAtividade de abastecimento, realizada por maricultor.Fonte: Acervo pessoal, obtida pelo autor. 07/08/2008.
  29. 29. • Quando cozinha bem certinho, o pezinho solta. (I3-A)• As cascas quebradinhas são danadas para cortar as mãos. (I2-A)• Eu não lavo o marisco porque perde peso, além disso, é lavado na peixaria. (I1-A)• Que é uma vida sacrificada, é… essa de pescador. (I2- A)• ...é muito desgastante... não quero mais isto. (I2-B)• ...dá pra tirar um bom dinheiro. (I1-B)
  30. 30. Distribuição de ocorrência de sintomas e afastamentos por queixas de dor e/ou desconforto em partesanatômicas, no mapa corporal, nos últimos 12 meses.
  31. 31. Frequência de sintomas e afastamentos por queixas de dor e/ou desconforto em partes anatômicas, nomapa corporal, nos últimos 12 meses. Distribuição por gênero (feminino - ♀ e masculino - ♂)
  32. 32. • Diferenças ao analisar: (a) desconcha e (b) todas as etapas produtivas• Alto risco no desempenho das atividades• Diferenças quanto ao uso de força e manipulação de carga por gênero (♂ / ♀). – ♂ - ∑<28,5 (n=4) – ♀ - ∑>20 (n=2)
  33. 33. Classificação das evidênciasCondicionantes
  34. 34. Conceito-Chave Categoria Evidências • Existência de riscos ergonômicos e de acidentes, capazes de provocar doenças e/ou lesões e podendo levar à incapacidade para o trabalho. Saúde e Segurança • Existência de Medidas de Prevenção insuficientes para Ocupacional os diversos riscos ocupacionais identificados. • Ausência de controle médico de saúde. • Falta de treinamento ou capacitação profissional em todos os aspectos. Prevenção • Ausência de controle médico de saúde. • Falta de imunização através de vacinação. • Ausência de procedimentos formalizados de higiene pessoal. • Insuficiência de condições adequadas para asseio Segurança Alimentar pessoal. • Ausência de procedimentos formalizados de limpeza do ambiente. • Falta de treinamento ou capacitação profissional em todos os aspectos.
  35. 35. Conceito-Chave Categoria Evidências • Layout deficiente, tanto relativo ao ambiente construído, quanto ao seqüenciamento da produção. • Características construtivas incompatíveis com as atividades. • Ausência de programas que visem à redução de Processos desperdícios e a redução de custos. • Baixa tecnologia incorporada ao processo e existência deProdutividade ferramentas e utensílios inadequados para a execução das tarefas. • Insuficiência de conhecimentos sobre exigências legais. • Ausência de controle para aferição do investimento versus o retorno. Resultados • Falta de padronização dos alimentos embalados para distribuição e comercialização. • Inexistência de certificação dos produtos e dos processos.
  36. 36. Conceito-Chave Categoria Evidências • Instalações hidro-sanitárias insuficientes ou inexistentes. Ambiente interno • Inexistência de sistema de captação e/ou tratamento de efluentes. Preservação • Mapeamento, certificação, autorização e registro da área de cultivo. Ambiente externo • Descarte inadequado de resíduos gerados no processo produtivo.
  37. 37. ConsequênciasCondicionantes Modos operatórios sobre a produção sobre a saúde • custo com aquisição, • escoriações e/ou ferimentos leva ao uso de EPI ou risco de corte treinamento e diminuição do • dor e desconforto manuseio cuidadoso ritmo de trabalho • custo com aquisição, • problemas de pele provocados leva ao uso de treinamento e diminuição do por umidade umidade vestimenta e bota de ritmo de trabalho • problemas ou doenças do segurança sistema respiratório • no cozimento: maior IBUTG • no cozimento: queimaduras, execução das tarefas • sob o sol: escolha de horários maior gasto energético, câimbras sob condição de para trabalho externo e outros calor desconforto térmico, • custo com aquisição e • sob o sol: insolação, levando ao uso de treinamento para uso de queimaduras solares e outros EPI proteção execução das tarefas • custo com aquisição e • problemas ou doenças do frio sob condição de treinamento para uso de sistema respiratório desconforto térmico proteção • aumento da tensão muscular Outros: risco de queda ou escorregamento | posto de trabalho | proteção inexistente ou insuficiente | layout insuficiente/inadequado | características das superfícies e utensílios | falta de instalações hidro-sanitárias próprias para o desempenho da maricultura | falta de treinamento | ausência de controles para aferir e avaliar custos | investimentos eoutros | ausência de procedimento de asseio | falta de imunização através de vacinação | inobservância da legislação sanitária | descarte de conchas e outros resíduos sólidos no lixo comum ou em terrenos localizados nas proximidades
  38. 38. • Adoção e uso de medidas de prevenção: EPI, medida de ordem geral ou proteção coletiva
  39. 39. Recomendação de alcance em superfície de bancada.Fonte: Elaborado com base em Iida (2005). Recomendações de altura de bancada para trabalho em pé, a partir da altura do cotovelo. Fonte: Kroemer e Grandjean (2005, p. 48).
  40. 40. Exemplo de transporte de materiais com o uso de carrinho sobre rodas. Fonte: ILO; IEA (2001, p. 65).
  41. 41. Vacinas Esquema de doses Hepatite A – duas doses, a segunda seis meses após a primeira Hepatite B – três doses: a segunda um mês após a primeira e Hepatite A ou B ou A/B a terceira seis meses após a segunda Hepatite A/B – três doses: a segunda um mês após a primeira e a terceira seis meses após a segunda Difteria, tétano e Com vacinação básica completa, reforço a cada dez anos com coqueluche dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto) Influenza (gripe) Dose única anual Raiva (obtida de cultura Três doses: a segunda sete dias após a primeira e a terceira celular) 14 a 21 dias após a segundaCalendário de vacinação ocupacional para profissionais que lidam com alimentos e bebidas e que lidam com animais.Fonte: Elaborado com base em SBIm (2007, apud MORAES, 2008b).
  42. 42. • Adoção de controles de despesas e de produção (BMLP, 2003)• Características dos ambientes: superfícies laváveis, lâmpadas protegidas, iluminação adequada, proteção elétrica, dentre outros (MAPA; SEAP, 2007)• Mecanização (SCALICE, 2003; HAMAD et. al, 2005) assegurando condições seguras (EQUIPE ATLAS, 2009)• Controle de vetores: telas nas janelas e outros
  43. 43. • Tratamento adequado de rejeitos (KONGTIP, YOOSOOK e CHANTANAKUL, 2008; DUBUISSON-QUELLIER, 2003)• Evitar a poluição das águas (MACHADO, 2008; PETRIELLI, 2008)• Valorização de resíduos da maricultura (SANTOS et. al, 2007) Fonte: Acervo Blocaus, obtida e disponibilizada por Bernadete Batalha Batista. 17/08/2009. Projeto Bloco Verde.
  44. 44. Lavatório com pedal e pedilúvio para higienizaçãodas botas.Fonte: MAPA; SEAP (2007, p. 68). Armário para guarda de roupas Fonte: MAPA; SEAP (2007, p. 67).
  45. 45. • Importante fonte de renda• Desafios: – consumo equilibrado dos recursos naturais para produzir alimentos – exigências mínimas determinadas pela legislação brasileira – exploração dos recursos naturais, segurança alimentar e saúde e segurança ocupacional• AET: permitiu identificar condicionantes em diversos aspectos
  46. 46. • Controle dos riscos ocupacionais é importante para que não se sobreponha à saúde do trabalhador – uso de proteções – projeto do posto de trabalho – vacinação – outros• Capacitação: importante e necessária!
  47. 47. • Adoção (implementação) das recomendações indicadas neste estudo, incluindo: – adoção de programas de saúde que visem a implementação de práticas de prevenção e acompanhamento – uso de EPIs, verificando se são suficientes – criação de programas de treinamento e capacitação de trabalhadores que abordem os diferentes riscos ocupacionais e práticas de prevenção – avaliação sistemática dos agentes insalubres elencados – redesenho de postos de trabalho – mecanização ajustada aos conceitos de trabalho seguro
  48. 48. MaricelTorresMaricel Torres (aluna) | Eugenio Merino, Dr. (orientador) .. agradecimentos ..

×