Aliteração, Assonância,
Paronomásia e Onomatopéia
• O que caracteriza as figuras sonoras é a sua função de
gerar efeitos sonoros específicos. Tais figuras são mais
bem iden...
• Tais figuras foram muito exploradas pelos poetas
simbolistas lusobrasileiros, como Camilo Pessanha,
Eugênio de Castro, C...
• É a repetição proposital e ordenada de sons consonantais
idênticos ou semelhantes. O efeito serve para reforçar a
imagem...
• A aliteração tem como efeito, geralmente, o reforço do
ritmo que o escritor pretende imprimir à frase. Ela é mais
comum ...
• É a repetição proposital de sons vocálicos idênticos ou
semelhantes.
"A linha feminina é carimá
Moqueca, pititinga, caru...
• Independente da vogal usada, pode-se levar o assunto
adiante como se fosse um texto comum. Assim:
"A fala atracada à fac...
• Figura de retórica que consiste no uso de palavras com som p
arecido mas de significado diferente, com o propósitolúdico...
• A paronomásia é também um artifício retórico utilizado n
os trava-línguas infantis:
"Debaixo daquela pipa
Está uma pita....
• Onomatopeia. Significa imitar um som com um fonema ou
palavra. Ruídos, gritos, canto de animais, sons da natureza,
barul...
• Veja outros exemplos:
• “E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o
plic-plic-plic-plic da agulha...
• Exemplos de palavras onomatopaicas:
• Atchim – espirro.
Piu-piu: canto do passarinho
Din-don: o som da campainha
Tibum: ...
•
•
•
•

Mariana Barroso
Caroline Estevão
Ana Beatriz
Marilía Fernanda

Obrigada Fãs ;*
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Figuras sonoras da linguagem

2.672 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Figuras sonoras da linguagem

  1. 1. Aliteração, Assonância, Paronomásia e Onomatopéia
  2. 2. • O que caracteriza as figuras sonoras é a sua função de gerar efeitos sonoros específicos. Tais figuras são mais bem identificadas quando as lemos em voz alta. • Chamam-se figuras de som aquelas que se ligam aos aspectos fonéticofonológicos das palavras. São elas: aliteração, assonância, paronomásia e onomatopeia.
  3. 3. • Tais figuras foram muito exploradas pelos poetas simbolistas lusobrasileiros, como Camilo Pessanha, Eugênio de Castro, Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens. Além do subjetivismo, do misticismo e da musicalidade, havia uma certa preocupação com a sugestão, com o emprego de sensações (sinestesias) e com a repetição de consoantes e vogais idênticas ou parecidas. • Tendo em vista que a música é dos recursos que mais sugerem e melhor evocam o vago, o indefinível, o simbolista buscava explorar o conteúdo musical das palavras. Visando à aproximação da poesia com a música, os poetas lançaram mão de vários recursos, como a aliteração e a assonância.
  4. 4. • É a repetição proposital e ordenada de sons consonantais idênticos ou semelhantes. O efeito serve para reforçar a imagem que se quer transmitir. • "Esperando, parada, pregada na pedra do porto." (Dalla, Pallotino, Chico Buarque) • A reiteração e a sonoridade da consoante oclusiva bilabial /p/, principalmente no início das palavras, sugerem a fixação, a imutabilidade da personagem. "Chove chuva choverando Que a cidade de meu bem Está-se toda se lavando." (Oswald de Andrade) • Neste exemplo do poeta modernista, a repetição do som fricativo / ch/ enriquece a ideia de chuva.
  5. 5. • A aliteração tem como efeito, geralmente, o reforço do ritmo que o escritor pretende imprimir à frase. Ela é mais comum na poesia do que na prosa. Vejamos um exemplo na prosa de Guimarães Rosa, em que a aliteração serve para enfatizar o significado central do texto: "Boi bem bravo, bate baixo, bota baba, boi berrando...“ • Nos textos em prosa de caráter não literário, a aliteração torna-se um defeito (vício de linguagem) e deve ser evitada. Chama-se colisão: Vejamos um exemplo: "Prefeituras param no Paraná para contestar medidas." (Folha de S. Paulo)
  6. 6. • É a repetição proposital de sons vocálicos idênticos ou semelhantes. "A linha feminina é carimá Moqueca, pititinga, caruru Mingau de puba, e vinho de caju Pisado num pilão de Piraguá." (Gregório de Matos) • Note que, além das aliterações, existem sons vocálicos usados repetidamente: a, i, u.
  7. 7. • Independente da vogal usada, pode-se levar o assunto adiante como se fosse um texto comum. Assim: "A fala atracada à faca Ataca a graça abalada da traça Perene que fere, repele E ensebe esse blefe de pele Que incide livre, insigne e triste No horror dos sonhos nos coros Num sururu de urubus em cruz" • Com essa sequência alfabética de vogais, o texto pode continuar, enquanto a imaginação e o divertimento persistirem
  8. 8. • Figura de retórica que consiste no uso de palavras com som p arecido mas de significado diferente, com o propósitolúdico de jogar com as palavras ou com o propósito estético de criar a mbiguidades. A paronomásia é uma figura derepetição que se cruza frequentemente com o poliptoto, com o trocadilho (enqu anto aproveitamento do sentido duplode uma palavra) e com o jogo de palavras. "Sagres sagrou então a Descoberta E partiu encoberto a descobrir" (Miguel Torga) "Aquela cativa que me tem cativo porque nela vivo já não quer que viva" (Camões, Redondilhas)
  9. 9. • A paronomásia é também um artifício retórico utilizado n os trava-línguas infantis: "Debaixo daquela pipa Está uma pita. Pinga a pipa, Chia a pita, Chia a pita, Pinga a pipa." (Delgado, N. J. 1957. Aspetos curiosos da nossa Etnogra fia e do nosso Folclore: Jogos Infantis Tradicionais, Leng alengas e Adivinhas, in "Mensário das Casas do Povo", Li sboa, ano XI.)
  10. 10. • Onomatopeia. Significa imitar um som com um fonema ou palavra. Ruídos, gritos, canto de animais, sons da natureza, barulho de máquinas, o timbre da voz humana fazem parte do universo das onomatopeias. • Leia esses versos de Jorge de Lima: • “(…) foguetes, bombas, chuvinhas, chios, chuveiros, chiando, chiando chovendo chuvas de fogo chá – Bum?” • Observe que o eu lírico construiu o sentido do poema explorando palavras cujo som dos fonemas lembra a coisa representada. Ou seja, o que acontece nesses versos é a imitação, por palavras, do som natural das coisas. Chamamos essa figura de linguagem de onomatopeia.
  11. 11. • Veja outros exemplos: • “E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano.” (Machado de Assis) • “Passa tempo Tic-tac Tic-tac Passa hora chega logo Tic-tac Tic-tac E vai-te embora Passa tempo Bem depressa Não atrasa Nem demora (…) (Vinícius de Morais) • “E tia Gabriela sogra grasnadeira grasnou graves grosas de infâmia.” (Oswald de Andrade) • Neste último exemplo, a repetição do som das letras “gr” imitam o som que expressa “raiva”, enfatizando assim o sentido que as palavras pretendem transmitir.
  12. 12. • Exemplos de palavras onomatopaicas: • Atchim – espirro. Piu-piu: canto do passarinho Din-don: o som da campainha Tibum: o som de alguém caindo Buá: o choro de alguém Snif: fungado.
  13. 13. • • • • Mariana Barroso Caroline Estevão Ana Beatriz Marilía Fernanda Obrigada Fãs ;*

×