Pensando o vitalismo 2

560 visualizações

Publicada em

Pensando o vitalismo: Vitalismo, Matéria e o Ser Vivo .

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
560
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pensando o vitalismo 2

  1. 1. Pensando o Vitalismo Vitalismo, Matéria e o Ser Vivo Maria Thereza do Amaral
  2. 2. 1 – Apresentação2 – Vitalismo, Matéria e o Ser Vivo3 – Sugestões de Leitura7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 2
  3. 3. Maria Thereza do Amaral7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 3
  4. 4. VeterináriaUnesp - Jaboticabal7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 4
  5. 5. HomeopatiaVeterináriaclínica homeopataFaculdadeHomeopatia médica – 1988-1989Homeopatia veterinária – 1993 e 19967/11/2011 Maria Thereza do Amaral 5
  6. 6. HomeopatiaVeterináriahomeopataEnsino de HomeopatiaPesquisa em Homeopatia7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 6
  7. 7. História da CiênciaPUC/SPMestre – 2002Doutora – 20107/11/2011 Maria Thereza do Amaral 7
  8. 8. WEB e ciaDesde 19947/11/2011 Maria Thereza do Amaral 8
  9. 9. Pressupostos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 9
  10. 10. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 10
  11. 11. Pensamento biológico7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 11
  12. 12. Pensamento biológicoe7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 12
  13. 13. Pensamento biológicoepensamento clínico7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 13
  14. 14. Pensamento biológicoVisão biológicaVer tudo do pontode vista deum ser vivo 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 14
  15. 15. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 15
  16. 16. Abordagemtransdisciplinar7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 16
  17. 17. transdisciplinar Abordagem7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 17
  18. 18. Abordagemtransdisciplinar7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 18
  19. 19. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 19
  20. 20. Redes7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 20
  21. 21. Redes7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 21
  22. 22. RedesVisão sistêmica7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 22
  23. 23. RedesFuncionar/ver / pensarEm Redes7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 23
  24. 24. Pesquisadora7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 24
  25. 25. PesquisadoraHistória da CiênciaDoutorado (2010)7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 25
  26. 26. PesquisadoraHistória da CiênciaDoutorado7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 26
  27. 27. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 27
  28. 28. Q7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 28
  29. 29. Q7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 29
  30. 30. Q7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 30
  31. 31. Q7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 31
  32. 32. Vitalismo, Matéria eo Ser Vivo
  33. 33. MATÉRIA7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 33
  34. 34. MatériaViva Morta ou bruta7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 34
  35. 35. Importantes para o estudo do ser vivo do ponto de vista da “matéria” TERMOS E DEFINIÇÕES7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 35
  36. 36. • Gregos • Filosofia Natural /• Filosofia História Natural• Pré-socráticos • Filósofos / cientistas• Aristóteles (século XIX)• Anatomia • Disciplinas / especialização• Harvey • Biologia• Fisiologia • Célula• Médicos • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 36
  37. 37. • Gregos (ciência ocidental)• Filosofia• Pré-socráticos• Aristóteles• Anatomia• Harvey• Fisiologia• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 37
  38. 38. • Gregos• Filosofia (= teoria)• Pré-socráticos• Aristóteles• Anatomia• Harvey• Fisiologia• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 38
  39. 39. • Gregos• Filosofia• Pré-socráticos (matéria)• Aristóteles• Anatomia• Harvey• Fisiologia• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 39
  40. 40. • Gregos• Filosofia• Pré-socráticos• Aristóteles (ciência ocidental)• Anatomia• Harvey• Fisiologia• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 40
  41. 41. • Aristóteles (ciência ocidental)Não como “fundador”,mas como “referência”. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 41
  42. 42. • Gregos • ANATOMIA• Filosofia• Pré-socráticos• Aristóteles• Anatomia • fisiologia• Harvey• Fisiologia• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 42
  43. 43. • Gregos • ANATOMIA• Filosofia• Pré-socráticos• Aristóteles• Anatomia • Fisiologia• Harvey (1578 – 1657, circulação)• Fisiologia • Movimento• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 43
  44. 44. • Gregos • ANATOMIA• Filosofia • FISIOLOGIA• Pré-socráticos• Aristóteles • Movimento• Anatomia• Harvey• Fisiologia • Anatomia animata• Médicos7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 44
  45. 45. • Médicos • Mestre de ofícios• Filosofia Natural / (mestre – aprendiz) História Natural• Filósofos / cientistas • Gradações: (século XIX) De Médico de• Disciplinas / academia a Barbeiro especialização • “Pesquisa”7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 45
  46. 46. • Médicos• Filosofia Natural / História Natural (antes do século XIX)• Filósofos / cientistas (século XIX)• Disciplinas / especialização7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 46
  47. 47. • Filosofia Natural / História Natural • Filósofos / cientistas (século XIX) • Disciplinas / especialização • Biologia • Célula • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 47
  48. 48. • Especialização • Filosofia Natural / História Natural • Filósofos / cientistas (século XIX) • Disciplinas /• Disciplinaridades especialização (século XIX) • Biologia • Célula • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 48
  49. 49. • Especialização • Filosofia Natural / História Natural Aprofundar o • Filósofos / cientistas conhecimento (século XIX) • Disciplinas /• Disciplinaridades especialização (século XIX) Dividir o • Biologia conhecimento • Célula • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 49
  50. 50. • A palavra, o termo, a • Filosofia Natural / disciplina... História Natural • Filósofos / cientistas (século XIX)• Só a partir do século • Disciplinas / XIX especialização • Biologia (começo do século XIX) • Célula • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 50
  51. 51. • Disciplinas / especialização • Biologia • Célula – nome, Robert Hooke, 1660; – primeira teoria celular, 1838 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann) • Átomo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 51
  52. 52. Célula – nome, Robert Hooke, 1660; – primeira teoria celular, 1838 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann – o modelo ao lado? Primeira metade do século XX...7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 52
  53. 53. • Química • Filosofia Natural / História Natural • Filósofos / cientistas• Física (século XIX) • Disciplinas / especialização • Biologia • Célula • Átomo (conceitos mais modernos, a partir de 1800)7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 53
  54. 54. • Química • Filosofia Natural / História Natural • Filósofos / cientistas• Física (século XIX) • Disciplinas / especialização • Biologia • Célula • Átomo (conceitos mais modernos, a partir de 1800)7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 54
  55. 55. Como se vê o ser vivo Como se pensa que o ser vivo é Como se pensa que o ser vivo “funciona”7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 55
  56. 56. Como se Como se vê pensa que o o ser vivo ser vivo é Como se Como se pensa que o estuda o ser ser vivo vivo “funciona”7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 56
  57. 57. Como se estuda o ser vivo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 57
  58. 58. Como se estuda o ser vivoO vital O vital da matériaVida A vida na matériaA matériaDefinições de vidaDefinições de matériaDefinições de ser vivo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 58
  59. 59. Como se estuda o ser vivoO vital O vital da matériaVida A vida na matériaMatériaDefinições de vida Como a vida “funciona” naDefinições de matéria matériaDefinições de ser vivo Fisiologia7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 59
  60. 60. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 60
  61. 61. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 61
  62. 62. Como se estuda o ser vivo• E o que vem acontecendo, dos gregos até aqui, não um “vitalismo”, mas diferentes modos de se estudar vida, matéria e o ser vivo.• E que ocorreu inclusive com criador do vitalismo médico de Montpellier, no século XVIII, Paul-Joseph Barthez.7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 62
  63. 63. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 63
  64. 64. Um caminho diferente... Da biologia para o design, via a Biomimética7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 64
  65. 65. Biomimética Biomimicry or biomimetics Bionics, bio-inspiration, and biognosis. http://en.wikipedia.org/wiki/Biomimicry7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 65
  66. 66. Biomimética A biomimética é uma área da ciência que tem porobjetivo o estudo das estruturas biológicas e das suasfunções, procurando aprender com a Natureza (e não sobre ela).E utiliza esse conhecimento em diferentes domínios da ciência.Provém da combinação das palavras gregas bíos, que significa vida e mímesis que significa imitação. http://pt.wikipedia.org/wiki/Biomim%C3%A9tica7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 66
  67. 67. Biomimética Dito de modo simples, a biomimética é a imitação da vida.7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 67
  68. 68. Biomimética Dito de modo simples, a biomimética é a imitação da vida. Mas no sentido de observação de sua lógicapara usar em outros campos, além da biologia. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 68
  69. 69. Biomimética Trata-se de uma área multidisciplinar que pode envolver diversos ramos da ciência, tais como Biologia, Química, Física, Informática, Matemática e Electrónica. Na Natureza existem vários milhões de espécies das quais menos de dois milhões estão catalogadas atéagora. Isto representa uma gigantesca base de dadosde soluções inspiradas em sistemas biológicos para a resolução de problemas de engenharia e de outros campos da tecnologia.7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 69
  70. 70. BiomiméticaVelcroDesenvolvido a partir de 1941 pelo engenheiroGeorge de Mestral a partir da observação desementes de grama dotadas de espinhos e ganchosque se prendiam nos pelos de seu cão. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 70
  71. 71. BiomiméticaSuperfícies de baixo atritoInspirada na forma como a pele dospeixes reage ao contato com a água.A mesma tecnologia tem sidoaplicada também em cascos denavios, submarinos e mesmo aviões. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 71
  72. 72. BiomiméticaTelas "asa-de-borboleta“São superfícies de visualização de baixíssimoconsumo de energia, baseadas na forma como asasas de borboletas refletem a luz. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 72
  73. 73. BiomiméticaTurbina "WhalePower“Inspirada na forma das nadadeiras dabaleia jubarte, as lâminas nervuradas desse tipo deturbina eólica produzem32% menos atrito e 8% dedeslocamento de ar que aslâminas lisas convencionais. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 73
  74. 74. BiomiméticaEfeito lótusBaseado na forma como as folhas do lótus repele aágua e a sujeira, diversas soluções estão sendodesenvolvidas pela indústria para aplicaçãoem tecidos, metais, para-brisas de aviões e faróis deautomóveis. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 74
  75. 75. Biomimética Design “mergulhando” na Biologia7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 75
  76. 76. BiomiméticaDesign“mergulhando”na Biologia Sustentabilidade7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 76
  77. 77. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 77
  78. 78. Como se estuda o ser vivo7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 78
  79. 79. Fonte: revista veterinária Nosso Clínico7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 79
  80. 80. Como se olha o ser vivoE para ir um pouco mais longe: “Matéria bruta” como base de pensamento, muitas vezes resulta em: ‘para que “bem estar animal”?’ 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 80
  81. 81. Como se olha o ser vivoE para ir um pouco mais longe:“Matéria viva” comobase de pensamento,sempre resulta em:‘como não um “bem estaranimal”?’ 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 81
  82. 82. E fechamos com o que já falamos anteriormente:E o que vem acontecendo, dos gregos até aqui, não um “vitalismo”, mas diferentes modos de se estudar vida, matéria e o ser vivo. Vitalismo é outro história.E uma visão através da óptica de uma historiadora da ciência está em “vitalismo 1”. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 82
  83. 83. Sugestões de Leitura
  84. 84. Sugestões de Leitura• WAISSE-PRIVEN, S. . Hahnemann: Um Médico de seu Tempo. São Paulo: EDUC/FAPESP, 2005. v. 1. 131 p.• WAISSE PRIVEN, S.I. . d & D: duplo Dilema. du Bois- Reymond e Driesch, ou a vitalidade do Vitalismo. 1a. ed. São Paulo: Educ; Fapesp, 2009. v. 1. 340 p.• CIMINO, Guido, DUSCHENEAU, François. Vitalisms: from Haller to the Cell Theory. Proceedings of the Zaragoza Symposium XIXth International Congress of History of Science 22-29 August 1993, Firenze, Olschki, 1997. 7/11/2011 Maria Thereza do Amaral 84
  85. 85. Maria Thereza do Amaral Email: mariathereza.amaral@gmail.com Twitter: @mariatheBR Blog: mariatherezaamaral.wordpress.com Blog Consultoria: http://mthconsultoria.wordpress.comSlideshare: http://www.slideshare.net/mariatherezaamaral

×