1
Universidade de Lisboa
Instituto de Educação
Licenciatura em Educação e Formação
1º Ano - 1º Semestre
2014/2015
Seminári...
2
ÍNDICE
Resumo Pág.3
Introdução Pág.4
Enquadramento metodológico Pág.6
Apresentação e interpretação de dados Pág.8
Conclu...
3
RESUMO
Este trabalho tem como objectivo o envolvimento da teoria com a prática - através de
uma entrevista, de carácter ...
4
In general, this study helped to raise our expectations for the paths that degree in
Educação e Formação allows us to fo...
5
INTRODUÇÃO
O presente trabalho foi realizado no âmbito da unidade curricular de Seminário I – Atores
e contextos em Educ...
6
ENQUADRAMENTO METODOLÓGICO
Após um enquadramento teórico proporcionado pela unidade curricular de Introdução à
Investiga...
7
Seguidamente a este processo, foi feita uma reflexão que se debruçou não só nos
resultados práticos da entrevista, mas t...
8
APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS
Nas palavras de Bogdan “A entrevista é um dos mais poderosos meios para se chegar...
9
utilizar apenas quando o entrevistado não avançar no desenvolvimento do tema proposto
(…)” (BOGDAN & BIKLEN, 1991 citado...
10
as bases que apreendeu durante os cinco anos como fundamentais para uma posterior
entrada no mercado de trabalho.
Como ...
11
exerceu funções relativas a recursos didácticos e a ensino à distância, nomeadamente o
E-Learning e coordenação de curo...
12
CONCLUSÃO
Concluindo todo este trabalho, o grupo reflectiu sobre as várias experiências por que
passou fazendo um balan...
13
longo dos 5 anos de licenciatura seriam imprescindíveis para o cumprimento das funções
que lhe competiam.
Destacou tamb...
14
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALVES, N. (2000). Trajetórias Académicas e de Inserção Profissional dos Licenciados.
1994-19...
15
ANEXOS
16
Anexo1:
17
18
19
20
21
Anexo 2:
22
23
24
25
Anexo 3:
Transcrição da Entrevista
Entrevistador: Gostaríamos de lhe pedir autorização para a entrevista ser gravada.
E...
26
nos ensinar e nos ligar a este curso. Portanto, eu fiquei logo de início agarrada e
motivada…
Entrevistador: Como evolu...
27
caso do Elarning, o nosso curso é um curso que se encaixa lindamente, não há quase
informação sobre isso mas o que é fa...
28
área onde estou também consigo contactar na mesma com pessoas dando à mesma
formação, e existem momentos em que damos f...
29
fazer outra coisas não estão tao bem preparadas e é preciso que sejamos muito
multidisciplinares e nos quando saímos de...
30
apresentar o projecto final. Sinto mesmo que estou feliz, a equipa com quem trabalho são
criativas e fazemos coisas dif...
31
Entrevistador: Que relação tem essa formação com as exigências do mercado de
trabalho?
Entrevistado: Exatamente.
Entrev...
32
curso pouco a pouco, porque o problema é não estar devidamente desenvolvido la fora.
O nosso curso por um lado tem uma ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho seminário

146 visualizações

Publicada em

trabalho final de Seminário

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Trabalho seminário

  1. 1. 1 Universidade de Lisboa Instituto de Educação Licenciatura em Educação e Formação 1º Ano - 1º Semestre 2014/2015 Seminário I – Atores e Contextos de Educação e Formação Da Investigação à Educação, o que nos reserva o nosso curso Docente: Profº. Hélder Bernardes Discentes: Lisandra Araújo Maria Núncio Maria Sousa 12-01-2015
  2. 2. 2 ÍNDICE Resumo Pág.3 Introdução Pág.4 Enquadramento metodológico Pág.6 Apresentação e interpretação de dados Pág.8 Conclusão Pág.12 Referências Bibliográficas Pág.14 Anexos Pág.15
  3. 3. 3 RESUMO Este trabalho tem como objectivo o envolvimento da teoria com a prática - através de uma entrevista, de carácter semi-directico, com um docente licenciado em Ciências da Educação. No âmbito das disciplinas de Introdução à Investigação Educacional e de Seminário I - Atores e contextos em Educação e Formação, foram integrados processos da actividade investigacional, tendo a entrevista sido o meio de recolha de dados mais adequado para a análise dos factos que se pretendiam estudar. Esta fase do processo foi muito bem sucedida como explicitamos no conteúdo deste mesmo trabalho. Essencialmente, a experiência elucidou-nos relativamente às potencialidades do nosso curso, recentemente reestruturado e denominado Educação e Formação. Conseguimos aperceber-nos, de uma forma mais objectiva, da versatilidade que o curso nos permite. As ciências da educação abrangem uma serie de ciências que futuramente permitirão a abertura do nosso campo de acção. De um modo geral, o presente trabalho contribuiu para aumentar as nossas expectativas relativamente aos caminhos que a licenciatura em Educação e Formação nos permite seguir, ilustrando a sua abrangência e como se mantém essencial no mercado de trabalho. ABSTRACT This work aims the involvement of theory and practice - through an interview, with a Educational Sciences profissional. As part of the courses of Introdução à Investigação Educacional and Seminario I - Actores e Contexto em Educação e da Formação, the investigational activity processes have been integrated, and the interview was the most appropriate method of data collection for the analysis of the facts that were intended to study . This stage of the process was very successful as we make explicit in the content of this work. Essentially, the experience elucidated to the potential of our graduation, recently restructured and named Educação e Formação. We were able to perceive us, more objectively, the versatility that allows us to work in Educacional Sciences. The educational sciences include a series of sciences that the future will allow the opening of our profissional field.
  4. 4. 4 In general, this study helped to raise our expectations for the paths that degree in Educação e Formação allows us to follow, illustrating its scope and how remains essential in the labor market.
  5. 5. 5 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi realizado no âmbito da unidade curricular de Seminário I – Atores e contextos em Educação e Formação, a pedido do professor Hélder Bernardes. Em primeiro lugar a escolha do título deste trabalho prede-se com o facto de nos ter proporcionado um reconhecimento acerca do que nos pode reservar o futuro. Futuro este que pode passar pelas áreas de investigação, educação, formação, tutoria, auditoria e entre outras possibilidades. O conteúdo do mesmo inclui um enquadramento que comtempla a descrição da metodologia utilizada pelo grupo. Além disso conta com a explicação de todo o processo através do qual foi possível retirar algumas conclusões, muito úteis na posição de futuras profissionais da Educação. Os seus objectivos foram definidos no contexto da unidade curricular supra referida e também no âmbito da disciplina de Introdução à Investigação Educacional. Por um lado, permitiu um primeiro contacto com a investigação em educação tendo possibilitado uma primeira abordagem aos métodos e técnicas desse mesmo trabalho. Por outro lado, através desta experiência foi-nos possível uma outra que consideramos fundamental: a do contacto com a realidade do mundo laboral, através de profissionais da área da Educação – numa entrevista semi-directiva. No seu conjunto, as referidas disciplinas permitiram, ao longo do semestre, a construção de uma base de conhecimentos essenciais à componente prática, mais tarde desenvolvida. Desde os conhecimentos teóricos que nos foram transmitidos, até à preparação de todo o processo de entrevista e sua análise, o presente trabalho passou por diversas fases essenciais à desmistificação de alguns conceitos e ideias. Posto isto, para a realização deste trabalho o grupo esteve bastante motivado. Consideramos, sem dúvida, uma mais-valia no programa da licenciatura em Educação e Formação, trabalhos que permitam uma multifuncionalidade e abrangência. Desta forma, foi-nos possível relacionar os temas de ambas as disciplinas adoptando uma atitude científica.
  6. 6. 6 ENQUADRAMENTO METODOLÓGICO Após um enquadramento teórico proporcionado pela unidade curricular de Introdução à Investigação Educacional, o grupo ficou a conhecer todo um conjunto de processos no que toca à actividade investigacional. Além disso, os respectivos métodos e técnicas usadas para estudar determinados acontecimentos constituíram uma importante componente de base para que pudéssemos de facto passar à prática, neste caso através de uma entrevista de tipo semi-directiva. Tendo em vista também o contacto com profissionais da área das Ciências da Educação, a realização de uma entrevista foi o processo escolhido para um contacto mais próximo com um dos processos da investigação. Para que se procedesse ao contacto com o entrevistado, bem como à marcação da entrevista, foram tidos em conta vários critérios de escolha. Estes critérios recaíam sobre os seguintes aspectos: 1. O entrevistado teria que ter uma licenciatura em Ciências da Educação pré- Bolonha (de 5 anos), ou uma licenciatura pós-Bolonha (3 anos) e um mestrado. 2. Teria também que ter pelo menos cinco anos de experiência no mercado de trabalho na área da educação e/ou da formação. Posto isto, procedemos ao contacto com vários nomes sugeridos pelo prof. Hélder Bernardes, e pelos tutores prof. Fernando Albuquerque Costa e prof. Tomás Patrocínio. Após vários contactos sem sucesso, procedemos então à marcação da entrevista. Já no local onde a mesma decorreu, preparámos a sua futura análise gravando em formato áudio as perguntas e respostas (após autorização da entrevistada). De seguida, um elemento do grupo procedeu ao início da entrevista tendo esta decorrido sem percalços e respeitando o guião previamente estabelecido e fornecido ao grupo. Após a recolha de dados deste testemunho, seguiu-se a transcrição de todo o processo de um ficheiro áudio para um documento escrito em formato digital. Desta forma, o grupo teve acesso às informações recolhidas de forma a prosseguir para a análise das mesmas.
  7. 7. 7 Seguidamente a este processo, foi feita uma reflexão que se debruçou não só nos resultados práticos da entrevista, mas também em todo o processo de aprendizagem ao longo do semestre acerca da actividade de investigar. Desta forma, e segundo a bibliografia recomendada pelos professores, pudemos ter uma noção mais real daquilo que implica investigar. Nas palavras de Bogdan Após um breve ensaio de uma entrevista, realizado em aula, todos os grupos da turma puderam aperceber-se dos erros mais comuns, tentado corrigi-los no momento do contacto com o profissional escolhido. Assim, o grupo teve em conta uma série de requisitos na preparação do trabalho. Previamente foi-nos fornecido pelos professores um guião no qual nos deveríamos basear, orientando a entrevista segundo blocos temáticos. Além disso, antes de iniciar a entrevista deveríamos garantir ao entrevistado o anonimato das respostas, bem como pedir a sua autorização para a gravação em ficheiro áudio de todo o processo. Explicitar os objectivos e finalidades da recolha de dados e agradecer a colaboração foram também questões abordadas pelas alunas. Assim sendo, seria iniciada a entrevista tendo em vista cuidados como o de não fazer perguntas às quais o entrevistado já tivesse respondido anteriormente. Desta forma, estiveram garantidas as condições para o processamento e tratamento da informação. Após a transcrição da entrevista para um ficheiro escrito, prosseguiu-se à organização da mesma por temas, tornando facilitada a sua análise e de seguida a organização de uma síntese.
  8. 8. 8 APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Nas palavras de Bogdan “A entrevista é um dos mais poderosos meios para se chegar ao entendimento dos seres humanos e para a obtenção de informações nos mais diversos campos.” (BOGDAN & BIKLEN, 1991 citado por Amado, J. & Ferreira S., p. 207) Foi através de uma entrevista de carácter semi-directivo que o nosso grupo tomou contacto com uma profissional da educação. Deste modo, o guião a que tivemos acesso constituiu um plano prévio da orientação do trabalho. No entanto, e como é característico desde método de recolha de dados foi dada “(…) uma grande liberdade de resposta ao entrevistador.” (BOGDAN & BIKLEN, 1991 citado por Amado, J. & Ferreira S., p. 208). Tendo em conta a análise a que procedemos, podemos então caracterizar os profissionais de educação como sendo sobretudo muito versáteis, flexíveis e dotados de grande multifuncionalidade. São estas características, imprescindíveis em muitas outras profissões, mas essencialmente em projectos relacionados com educação e formação, que tornam os profissionais de Educação necessários em múltiplas empresas. Prova desta multifuncionalidade foi o relato da entrevistada a que o nosso grupo teve acesso. Tendo por base um guião previamente elaborado e fornecido pelos professores, a entrevista decorreu durante sensivelmente trinta minutos, numa das salas disponíveis do edifício da empresa Nova Sabe, no Parque das Nações. Numa primeira abordagem, a pedido da entrevistada, foi mostrado o guião a fim de conseguirmos respostas mais objectivas da sua parte e uma análise consequentemente facilitada. Após uma breve leitura do mesmo deu-se início à gravação da entrevista (depois de devidamente autorizada). Dividido por blocos temáticos, o guião da entrevista é o documento na qual “(…) constam a formulação do problema, os objectivos que se pretendem alcançar, as questões fundamentais (orientadoras) numa ordem lógica ou prática, e as perguntas de recurso a
  9. 9. 9 utilizar apenas quando o entrevistado não avançar no desenvolvimento do tema proposto (…)” (BOGDAN & BIKLEN, 1991 citado por Amado, J. & Ferreira S., p. 214). Em primeiro lugar foi então fundamental o bloco de apresentação no sentido em que explicitou e deixou claros os objectivos da entrevista e “ (…) evita interpretações enviesantes das perguntas.” (FODDY, 2002:23 citado por BOGDAN & BIKLEN, 1991 citado por Amado, J. & Ferreira S., p. 215). Assim, o guião para este trabalho continha uma primeira abordagem acerca do momento de frequência escolar e universitária, no Instituto de Educação; um segundo momento que visava a integração no mercado de trabalho; um terceiro acerca da formação ao longo da vida e, por fim, questões debruçadas sobre a visibilidade dos profissionais da educação. Posto isto, a entrevistada caracterizou primeiramente o seu percurso escolar como bem- sucedido, sem grandes percalços, tendo optado pela área de Línguas e Humanidades para concluir o ensino secundário. Após essa fase, quando deparada com a escolha do curso em que iria ingressar, tinha como principal interesse a investigação, sendo as Ciências da Comunicação a sua principal ambição profissional. Licenciando-se nessa área conseguiria conciliar o Jornalismo com a Investigação, opção que lhe agradava. Assim, ao candidatar- se ao ensino superior hierarquizou da seguinte forma as opções de ingresso: a primeira opção foi Jornalismo, a segunda Publicidade e Marketing e, em terceiro lugar, optou por Ciências da Educação, no Instituto de Educação. Acabou então por ingressar na terceira opção, não tendo tido média suficiente para integrar os restantes cursos. No entanto, rapidamente se apercebeu de que aquilo que tinha sido a sua terceira opção lhe abriria muitas portas ao que realmente ambicionava fazer profissionalmente: investigar. Por este motivo, a entrevistada manteve em todo o percurso académico as expectativas altas relativamente aos caminhos a que o curso a levaria, tendo-se mantido desta forma positiva até à finalização do mestrado. Ainda relativamente à frequência académica, foi perceptível o agrado da entrevistada relativamente à preparação que lhe foi proporcionada pela licenciatura. No fundo, destaca
  10. 10. 10 as bases que apreendeu durante os cinco anos como fundamentais para uma posterior entrada no mercado de trabalho. Como pontos fortes do programa da licenciatura destaca sobretudo a componente prática, que permitiu uma noção da realidade importante para a realização de futuros trabalhos. O estágio profissional que realizou constituiu uma aprendizagem que considera a mais significativa pois permitiu que não sentisse um grande choque ao entrar no mundo profissional vindo de uma licenciatura essencialmente teórica. Foi numa empresa de consultoria que a entrevistada estagiou, tendo por lá permanecido durante um ano e meio, no qual fez questão de aprender todos os processos com os quais iria tomar contacto futuramente. Destaca como pontos menos favoráveis as unidades curriculares que apesar de fazerem parte do programa da licenciatura, não são exactamente aplicadas na prática profissional acabando por acrescentar apenas um conhecimento teórico, que, a seu ver, não colabora na preparação para o meio laboral. Além deste aspecto, refere ter sentido algumas lacunas no que diz respeito à proximidade com as tecnologias. Apesar de, antes da reformulação do curso de Ciências da Educação, fazerem parte do seu programa algumas disciplinas sobre tecnologias, a entrevistada considera que foi dada pouca atenção a esse aspecto. Neste âmbito, sentiu alguma falta de preparação aquando da entrada para a empresa Nova Sabe, quando lhe foram pedidos alguns trabalhos que implicavam o uso de programas que desconhecia. Além disso, teve conhecimento dos trabalhos internacionais feitos na área da educação, deparando-se com um significativo atraso relativamente ao que é feito em Portugal. Ao aperceber-se deste factor desvantajoso, foi necessário uma maior preparação do que noutras tarefas com as quais estava familiarizada. No que toca à pós-graduação e à escolha da área de especialização, a entrevistada refere que foi um importante passo no seu percurso tendo em conta que teve uma melhor percepção daquilo que realmente objectivava fazer enquanto profissional da educação. Passando à integração no mercado de trabalho, a entrevistada relata que o seu percurso foi bem-sucedido tendo passado por empresas como a CNS, o centro de novas oportunidades da Universidade Autónoma e actualmente, a Nova Base. Neste âmbito
  11. 11. 11 exerceu funções relativas a recursos didácticos e a ensino à distância, nomeadamente o E-Learning e coordenação de curos à distância. Além disso apoiou programas de tutoria e o recrutamento de professores para uma Universidade Angolana. Atualmente dedica-se à formação de empresas de áreas variadas, desde a banca à administração pública. Esta variedade de funções permitiu um amplo conhecimento sobre múltiplos processos aos quais a profissional contactada teve que se adaptar. De facto, não existiram, neste caso, barreiras à integração no mercado de trabalho. Pelo contrário, por todos os meios profissionais por onde passou, foi recepcionada de forma entusiasta sendo sempre reconhecido o valor da faculdade que frequentou bem como a necessidade de profissionais de Educação nas mais diversas funções. Posto isto, em suma podemos concluir que a entrevistada é um caso de sucesso dos profissionais de educação pois além do percurso académico bem-sucedido, o âmbito profissional é agora uma área na qual se sente plenamente realizada. Relativamente à formação ao longo da vida, foi-nos dito que a variedade de clientes da Nova Sabe, actual empregadora de vários profissionais formados no Instituto de Educação, exige uma constante adaptação e aprendizagem de novos temas. Esta componente do trabalho desenvolvido na referida empresa reflecte-se numa necessidade de actualização por parte dos empregados, constantemente desafiados a cada projecto que surge. No âmbito social, foi discutido o reconhecimento dos profissionais de Ciências da Educação por parte da sociedade e dos empregadores. Assim, constatou-se que e necessária uma desmistificação das verdadeiras potencialidades da licenciatura. Neste âmbito, os professores da mesma tem um papel fundamental no sentido em que preparam desde cedo os alunos a responder às questões.
  12. 12. 12 CONCLUSÃO Concluindo todo este trabalho, o grupo reflectiu sobre as várias experiências por que passou fazendo um balanço muito positivo. Podemos então afirmar que se tratou de processo altamente complexo e demorado em todas as suas vertentes. Reconhecemos o apoio que nos foi dado como essencial uma vez que alguns dos elementos base da realização do trabalho nos foram, à partida, fornecidos. Apesar disso, este trabalho exigiu do grupo uma enorme disponibilidade. Por não incorporar apenas a teoria, mas também a prática, exigiu encontros sistemáticos em que foram discutidas as etapas do processo e diferentes pontos de vista; bem como a deslocação ao local onde decorreu a entrevista. No entanto, frisamos a sua importância, num primeiro semestre da licenciatura, por nos ter proporcionado tamanha diversidade de experiências essenciais ao futuro. O elemento essencial para a realização deste trabalho foi, sem dúvida, a recolha de dados através de uma entrevista semi-directiva. Apesar das dificuldades para conciliar as disponibilidades do grupo e dos entrevistados, o processo foi bem-sucedido. Após a realização da entrevista, podemos concluir que o factor mais marcante foi sem dúvida a motivação que foi transmitida ao grupo. Esta motivação prendeu-se com o percurso bem-sucedido da entrevistada que frisou a crucial preparação que lhe foi proporcionada pela licenciatura em Ciências de Educação no Instituto de Educação. Além disso, e analisando o seu percurso profissional, com todas as funções que desempenhou, constatamos que a multifuncionalidade está presente na vida profissional dos licenciados em Ciências da educação. Tendo referido vários exemplos de colegas de curso, a entrevistada frisou mais uma vez a importância da licenciatura no seu ingresso no mundo laboral. Isto porque, ao integrar as equipas de algumas empresas apercebeu-se de que a componente prática exercitada ao
  13. 13. 13 longo dos 5 anos de licenciatura seriam imprescindíveis para o cumprimento das funções que lhe competiam. Destacou também, como já foi referido, o facto de ser necessária uma constante capacidade de adaptação nos cargos que até agora desempenhou, tornando-se necessária a formação ao longo da vida como meio de actualização. Apesar deste ponto do trabalho representar apenas um caso de uma profissional de educação, simbolizou um importante contributo no sentido da clarificação de algumas ideias que, para nós, enquanto alunas de uma licenciatura recentemente reformulada, foram essenciais. Em conversa com a entrevistada foi-nos possível compreender que não só o seu caso foi de sucesso como também outras colegas licenciadas na mesma época têm sido bem recebidas no mundo do trabalho o que transmitiu uma grande confiança ao grupo. Além disso, saímos da entrevista com a motivação reforçada devido ao entusiasmo com que fomos recebidas e com que se debateu o valor do curso, por vezes desvalorizado. No fundo, há funções que dizem respeito aos profissionais da educação e são exactamente quem continua a ser procurado para determinados cargos, devido à sua reconhecida preparação. Em contraste com outras instituições, o Instituo de Educação destaca-se em contexto laboral visto que os seus alunos são para as empresas e instituições garantia de profissionalismo. Seguindo-se a análise da entrevista, o grupo teve um acesso facilitado às informações e tal como foi referido, o entusiasmo que nos foi transmitido facilitou esta fase do processo, uma vez que nos foi útil rever toda a informação e reter os conselhos que consideramos mais importantes. Em suma, a realização deste trabalho, tendo exigido uma grande dedicação e disciplina, contribuiu em grande medida para o nosso crescimento enquanto alunas.
  14. 14. 14 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, N. (2000). Trajetórias Académicas e de Inserção Profissional dos Licenciados. 1994-1998. Lisboa: Reitoria da Universidade de Lisboa. ALVES, N. (2005). Trajetórias Académicas e de Inserção Profissional dos Licenciados. 1999-2003. Lisboa: Reitoria da Universidade de Lisboa. BOGDAN, R. & BIKLEN, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora.
  15. 15. 15 ANEXOS
  16. 16. 16 Anexo1:
  17. 17. 17
  18. 18. 18
  19. 19. 19
  20. 20. 20
  21. 21. 21 Anexo 2:
  22. 22. 22
  23. 23. 23
  24. 24. 24
  25. 25. 25 Anexo 3: Transcrição da Entrevista Entrevistador: Gostaríamos de lhe pedir autorização para a entrevista ser gravada. Entrevistado: Claro. Podem estar à vontade. Entrevistador: Desde já queríamos-lhe agradecer por nos ter recebido, como lhe tínhamos dito, esta entrevista ira ser realizada no âmbito da disciplina de Seminário I e de Investigação, onde a parte tórica é referente à disciplina de Investigação e a parte da entrevista à disciplina de Seminário I. Como sabe, garantimos o anonimato das respostas iram ser apenas para efeitos da realização deste trabalho. Então, podemos assim dar inicio à nossa entrevista … Que razões a levaram a entrar na licenciatura em Ciências da Educação? Entrevistado: Ok … Eu não tinha a licenciatura de Ciências da Educação como primeira opção, como é o caso de muitos dos vossos colegas ou até do vosso, era a minha terceira opção fiquei a saber do curso na altura das candidaturas à faculdade e vi que o curso tinha a parte de investigação e da educação e como me atraia muito essa área, pois a minha primeira opção era jornalismo e como queria investigar alguma coisa acabei então por optar em terceiro lugar por esta e acabei por entrar em ciências da educação. No início, do primeiro ano foi muito bem defendido o curso e fiquei muito motivada para o fazer. Portanto continuei … Entrevistador: E como foi o seu percurso escolar até à entrada na licenciatura em Ciências da Educação? Ou seja no secundário … Entrevistado: Eu sempre tive um percurso no secundário super normal, optei na altura pelo quarto agrupamento, ou seja área de humanidades, que me dava mais abertura para entrar em vários caminhos, pois na altura andava um bocado perdida entre o jornalismo e outra área, e tudo o que tivesse a ver com a educação também me motivava mas gostava mais da outra vertente … Foi um percurso normal sem grandes sobressaltos, sempre fiz as disciplinas em todos os anos sem interrupções. Entrevistador: Quais as expectativas que construiu no inico do curso? Entrevistado: Como vos disse ainda há pouco, as espectativas foram logo muito positivas porque acho que o curso é muito bem defendido logo assim na entrada, pois ao início achamo-nos um bocado perdidos porque o curso não é muito conhecido. E no início os professores mostram-nos exemplo de pessoas que já tiraram o curso, e o mundo do mercado de trabalho porque ao início não sabemos muito bem o que o curso nos dá, e vão
  26. 26. 26 nos ensinar e nos ligar a este curso. Portanto, eu fiquei logo de início agarrada e motivada… Entrevistador: Como evoluíram essas expectativas? Sempre de forma positiva? Entrevistado: Sim, sempre em forma bastante positiva… Entrevistador: E atualmente como se sente enquanto profissional? Entrevistado: A formação que tive… foi em formação de base, ou seja, foi que eu já no estágio curricular não fiz, não apliquei aquilo que aprendi, ou seja, taxativamente eu não levei ferramentas e apliquei. Mas tudo aquilo que o curos nos dá, experiencias de falar com outras pessoas que me preparou para aquilo que eu tinha há minha espera no estágio curricular e no mercado de trabalho. Portanto, prepara-nos muito bem mas não quer dizer que vamos aplicar tudo o que aprendermos. Entrevistador: Quais os pontos fortes? E os fracos? Entrevistado: Os pontos fortes é a parte muito prática, na licenciatura dos 5 anos, a componente prática era ainda maior e depois tínhamos muitos trabalhos onde tínhamos varias cadeiras conjuntas e tínhamos esses trabalhos de investigação, analise e etc. e tal… E são esses os trabalhos que mais nos dão ferramentas e a atitude que depois não vão fazer a referência no mercado de trabalho, e acho que é muito isso que distingue o nosso curso dos outros por ter uma componente pratica muito importante. Não tenho a certeza, mas penso que ainda hoje é um bocado assim… Em relação aos pontos fracos, existem algumas disciplinas, na altura tive história da educação e apesar de serem interessantes acaba se por não saber muito bem para a parte da investigação, acaba se por não saber muito bem onde vamos aplicar esses conhecimentos. Eu não tenho muitos pontos fracos para dar ao curos, mas talvez alguns componentes mais teóricos não existem grande forma de os aplicar. Entrevistador: Que aspetos não fora contemplados no curso e que pensa que deveriam ser? Entrevistado: A parte tecnológica, eu tive na altura quatro cadeiras de tecnologias educativas e estavam muito atras, eu aprendi a lidar com o MSN, fiz Blogues, trabalhei com FrontPage, eram coisas interessantes na altura mas podíamos estar mais a frente. Quando vim para o mercado de trabalho e me pediram para trabalhar no StoryBoard e no E-Learning, eu não sabia o que isso era, então acho que na parte da investigação na parte de tecnologias educativas devia-se de investigar mais para a frente para as pessoas não estarem a pensar só no que se passa no momento. Não é questão de estarmos alinhados no agora, eu acho que devíamos estar a pensar sempre no que há mais para a frente. No
  27. 27. 27 caso do Elarning, o nosso curso é um curso que se encaixa lindamente, não há quase informação sobre isso mas o que é facto é que nós conseguimos adaptar-nos a isso. Existe muita informação, mas o que existe de informação é quase tudo brasileiro. Entrevistador: Que importância teve para si a escolha da área de especialização/mestrado? Entrevistado: Portanto, no terceiro ano, quando escolhíamos a área de especialização, foi importante porque consegui entrar naquilo que mais gostava. Na altura balancei um bocadinho entre administração e educação de adultos, porque também gostava do tema de administração educacional era interessante, mas foi bom para mim ter escolhido a formação de adultos porque comecei a ter disciplinas que eram mais focadas para aquilo que eu queria realmente explorar em vez de estar a receber toda a informação, já estava focada naquilo que eu pretendia no futuro. Entrevistador: Qual o contributo do estágio no panorama geral da sua formação? Entrevistado: Fiz estágio claro, e é super importante porque são os momentos mais fundamentais no nosso curso. Quando fiz o estágio foi como se tivesse entrado para o mercado de trabalho, porque estava mesmo a tempo inteiro, fiz o estágio numa consultora que já não existe que era a CNS, onde estagiei já na área do E-Learning. Foi numa altura em que o E-Learning ainda era um recurso didático, mas em formato de CD mas já era numa perfectiva de se falar sobre o Elarging etc. Esse estágio foi muito importante para mim porque comecei a pisar o mercado de trabalho, que depois viria a ser o meu local de trabalho, e via uma realidade de forma completamente diferente e é um dos momentos mais importantes e é importante fazer esse acompanhamento para receber algum feedback por parte de quem nos orienta. Entrevistador: Pode falar-nos um pouco do seu percurso profissional? Entrevistado: Ok… Eu tive um percurso profissional muito feliz graças a Deus, portanto, eu fiz o estágio curricular nessa consultora e depois fui logo convidada para fazer o estágio profissional e nem sequer estive uma semana sem estar desempregada, dizemos assim. Continuei nessa consultora, onde eu fazia um pouco de ID, ou seja na área do E- Learning, e também fiz consultoria e mais tarde tutoria online com o Moodle. Depois, sai desse ramo, porque senti falta de estar em contacto com os adultos presencialmente, e na altura tínhamos só centros de novas oportunidades e como era uma área que me interessava e trabalhei la durante um ano e meio, da Universidade Autónoma, ate aprender tudo aquilo que achava que devia de aprender sobre os processos de formação de adultos. Depois voltei a sentir falta do E-Learning, que é o que eu realmente gosto de fazer, e na
  28. 28. 28 área onde estou também consigo contactar na mesma com pessoas dando à mesma formação, e existem momentos em que damos formação à distancia e temos que interagir com os candidatos e agora que estou aqui na Nova Base sinto que consigo fazer tudo aquilo que eu gosto de fazer, mas sinto que estas mudanças de postos de trabalho foram bastante importantes. Entrevistador: Ao terminar o curso, quais as dificuldades que encontrou na inserção no mundo do trabalho? Entrevistado: Nunca estive desempregada, se é isso que querem saber, todos os locais de trabalho onde tive foi sempre por opção que mudei. Entrevistador: Qual o papel da faculdade/instituto na sua inserção profissional? Entrevistado: Acho que é fundamental porque o curso preparamos para tanta coisa. Saímos de la com muitas ferramentas, e faz nos ter uma forma de ser que nos distingue das outras universidades, senti isso quando entrei na CNS porque não conheciam o nosso curso e nunca tinham tido contacto com o curso. Pois não conhecem e muitas vezes nem sabem para o que é que servem, nos vamos ser desde sempre preparadas para responder a essa pergunta e ainda bem, e depois vamos dar provas disso no local de trabalho e foi isso que senti. Desde sempre, eu e outra minha colega que também estava a trabalhar la na CNS, recebemos sempre um óptimo feedback e quando saímos de lá e avisamos que queríamos agarrar outros desafios, estivemos a ajuda-los no recrutamento de pessoas porque a coordenadora queria exatamente uma pessoa com o nosso perfil, e sei que enquanto durou eles procuram sempre uma pessoa com o nosso perfil. A sensação que tenho é que nós marcamos sempre pela diferença, porque vimos realmente muito bem preparadas e depois deixamos na instituição vontade de irem buscar uma pessoa com aquele perfil e ai, só para fazer um aparte, já tive contacto com pessoas foram preparadas para o nosso curos noutras instituições e não tem o mesmo tipo de preparação, considero que nos saímos muito mais bem preparados. Dos meus colegas, que tiraram o curso comigo, não conheço nenhum que esteja desempregado. Foi sempre muito fácil arranjar, e cada vez há mais procura. Ainda, por cima, é um curso que dá para trabalhar la fora, tanto na área do E-Learning como na área que quiserem, a Educação é sempre precisa em qualquer lado seja qual for a área, pois a formação é fundamental em qualquer empresa e vai haver sempre espaço. Na minha altura, notava imenso que não percebia muito bem onde me poida enquadrar, mas as tantas percebi que cada desafio que agarramos conseguimos faze-los sem qualquer tipo de problema, o que vejo é que há outras pessoas licenciadas que estão habituadas a fazer um tipo de tarefa e quando só chamadas para
  29. 29. 29 fazer outra coisas não estão tao bem preparadas e é preciso que sejamos muito multidisciplinares e nos quando saímos de um determinado trilho nunca nos sentimos perdidas. Nós de uma forma ou de outra somos investigadores, vamos a procura de arranjar uma solução e isso é fundamental. Entrevistador: Quais os locais onde tem trabalhado? Entrevistado: Trabalhei na CNS, no centro de novas oportunidades da Universidade Autónoma e agora aqui na Nova Base. Entrevistador: Que tipo de funções tem exercido? Entrevistado: Como já falei um bocadinho, só para recapitular, na CNS comecei por fazer ID sobre recursos didáticos e cursos de E-Learning para outras instituições, depois fiz tutoria e coordenação de curos à distância. Ajudei também a fazer recrutamento de professores para uma Universidade que ia abrir em Angola, pois na altura tínhamos contacto com eles, e todo o tipo de tarefas que passasse pela educação. Aqui na Nova Base faço um pouco de tudo, faço ID numa escala mais pequena, por exemplo guiões, fazemos muitos cursos para clientes por exemplo a Vodafone, na área da banca e administração pública e para a EDP, temos muitos contactos. Depois também estou presente em projetos de formação presencial, já tive situações onde tive que dar formação a pessoas, faco também acompanhamento a clientes, onde desenhamos uma solução, acompanhamento e mudança do cliente para integrarmos uma plataforma ou sistema. Entrevistador: Quais as principais dificuldades com que se tem deparado? Como as ultrapassou? Entrevistado: Eu acho que as dificuldades que podem existir se prendem mais com o que se passa agora no país, é mais a valorização que se calhar nós esperamos quando fazemos uma licenciatura ou quando temos um determinado perfil e estamos a espera de uma certa valorização ou progressão da carreira, e hoje em dia é mais complicado que isso aconteça de acordo com as nossas ambições ou espectativas. Em relação ao mercado de trabalho, esta complicado mas também conheço casos de pessoas que agarraram novos desafios e conseguiram faze-los e depende muito do tipo de currículo que se vai contruído. Entrevistador: Como se sente enquanto profissional? Entrevistado: Como me sinto como profissional?! Sinto me realizada, porque tenho a sorte de fazer aquilo que gosto e os desafios que são lacados fazem-me crescer e nunca tenho um projecto igual ao outro, os projetos que me lançam tem sempre qualquer coisas e diferentes; o tipo de cliente, exigência, de contruído, a forma como preparo as pessoas para uma nova tecnologia e eu própria tenho que aprender essa tecnologia antes de poder
  30. 30. 30 apresentar o projecto final. Sinto mesmo que estou feliz, a equipa com quem trabalho são criativas e fazemos coisas diferentes e estamos um bocadinho a frente porque conseguimos ver o que se passa la fora e conseguimos ir correspondendo um bocadinho a isso. O balanço que faço é sem dúvida muito positivo, apenas a questão da valorização do perfil, e que se isso melhora-se eu sentia me completa. Entrevistador: Quais as suas perspetivas futuras enquanto profissional? Entrevistado: Eu para já tenho as espectativas de continuar aqui na Nova Base porque é uma casa que me tem feito crescer, que me tem valorizado, para já pretendo manter me por cá, a agarrar projetos novos e aprender coisas novas. Por exemplo, agora estamos a preparar para falarmos da realidade aumentada em formas de como aplicar isso ao mundo da educação etc. portanto estamos sempre a pensar um bocadinho naquilo que vem ai, e não sei se conseguiria encontrar outro sítio do nosso pais onde pudesse estar assim sempre a aprender e a desenvolver conhecimento. Por isso espero manter me por ca… Entrevistador: Apos a sua formação inicial, que outro tipo de formação tem selecionado? Entrevistado: Muita investigação, muita pró-atividade na procura de todas as coisas que desconheça, seja uma palavra; seja em termos do E-Learning ou do StoryBoard, pois foi o que me aconteceu logo no estágio curricular, pediram me para fazer um e eu não fazia ideia do que isso era, então tive que procurar muito junto dos profissionais que me rodeiam. Sobre instrumentos ou ferramentas de autores, ou coisas que temos que trabalhar é tudo muito por auto conhecimento… Entrevistador: Que razão a tem levado a optar pela formação? Entrevistado: Porque é mais fácil conduzir o meu percurso de aprendizagem, porque sabemos que os adultos aprendem melhor quando estão motivados e de a concordo com o que lhes interessa, é muito mais fácil conduzir me para chegar ao objetivo e também porque no local de trabalho não há tempo nem espaço, porque muitas vezes a nossa profissão ocupa-nos muito tempo. Mas claro que gostaria de mais tarde tirar uma pós- graduação para aprender um pouco mais. Entrevistador: Que relação tem essa formação com a formação inicial? Entrevistado: Alguma dela pode-se dizer que se encaixa para nos dar melhor as bases, e nós vamos fazendo depois o resto do lego com base nessas bases. Acabo sempre em ter em alguns pontos muito claros na nossa memória aquilo que é importante reter, agora por exemplo, tenho que trabalhar com objetivos pedagógicos e defini-los, a forma de os avaliar. Há coisas da licenciatura que hoje em dia aplico e que me recordo, e quando não me recordo vou à procura, mas normalmente procuro sempre coisas relacionadas.
  31. 31. 31 Entrevistador: Que relação tem essa formação com as exigências do mercado de trabalho? Entrevistado: Exatamente. Entrevistador: Que expectativas tem de continuidade da sua formação? Entrevistado: Deixar de aprender ´morrer, e nesta área há uma frase muito importante que é: “quem não se atualiza nesta área desatualiza-se”, então respetivamente é continuar a fazer o que tenho feito ate agora, ou então como disse a pouco, apostar a qualquer momento numa pós-graduação. Entrevistador: Em seu entender, como são vistos os profissionais de Educação? Pela sociedade em geral? Entrevistado: É assim, pelo contacto que tive com as pessoas foram sempre vistas de uma forma sempre muito positiva… Não tinham conhecimento inicial sobre este perfil, não sabiam o que é que as pessoas poderiam fazer, ou seja, de que forma poderiam ajudar e ainda assim pelas entrevistas e pelo trabalho apresentado, ficavam estupefactos com as coisas que eramos capazes de fazer e tao surpresos que a opinião geral era continuar a contratar pessoas com este perfil. Entrevistador: Considera-se uma profissional em educação e formação? Entrevistado: Neste momento considero-me sim, porque faço varias coisas relacionadas com a nossa área, por isso estou sempre relacionada com a construção de novas atividades. Cada tarefa que faço estou sempre a pensar pedagogicamente como vou facilitar a vida de quem vai aprender, de quem esta do lado de la. Entrevistador: Que poderá ser feito para que se passe à identificação com uma profissão? Entrevistado: Eu acho que nos faltava, pelo menos na minha altura, faltava-me dizer qual era o meu nome, ou seja, quem tira engenharia é engenheiro, quem tira economia é economista, e eu não sabia o que era. Ou seja, nós não temos um nome, porque podemos fazer tantas coisas que fazemos, o nosso nome vai variando consoante aquilo que fazemos. Somos polivalentes… E acho que os professores já fazem um trabalho brutal em tentar com que nós percebamos o que realmente vamos ser apos a licenciatura. Nenhum de nós consegue ter um percurso igual ao outro, apesar do curso ser o mesmo. Nós na realidade podemos fazer mil coisas, não temos uma coisa definida, para além de todas as coisas relacionadas com a educação. O que eu acho que se saísse da Universidade com um chavão, a dizer eu sou isto, eu acho que as pessoas iam intender muito melhor o nosso curso. E eu acho que é isso que nos falta, para mostrarmos o leque das coisas que poderemos fazer. Eu cai neste curso por sorte e comecei a ver o que ia ser realmente o
  32. 32. 32 curso pouco a pouco, porque o problema é não estar devidamente desenvolvido la fora. O nosso curso por um lado tem uma coisa a favor, é que temos muito mais facilidade a encontrar um local de trabalho. Eu sou uma fã do curo, e tenho tido sucesso, nunca tive desempregada nem uma semana. Faco sempre o que gosto de fazer, dá-me luta e faz-me crescer. Para além disso tenho tido sempre contacto com pessoas que em trabalhar na nossa área, o facto de não termos um chavão temos mais portas abertas porque somos muito abrangentes. Entrevistador: Deseja acrescentar algum aspeto que não tenha sido contemplado nesta entrevista? Entrevistado: Não, eu acho que falei bastante. Penso que respondi a tudo… Se não tiverem percebido alguma coisa estou a vosso dispor para vos ajudar. Entrevistador: Obrigada!

×